Colunistas

A dose reforço da vacina COVID19 é realmente necessária ? | Colunistas

A dose reforço da vacina COVID19 é realmente necessária ? | Colunistas

Compartilhar

Nos últimos anos, devido à ascensão da COVID19 e suas variantes, o debate acerca da vacinação, seu mecanismo de ação e eficácia tornou-se frequente, principalmente entre a parcela da população leiga, que possui visão simplificada sobre o assunto. Dessa forma, no atual cenário, a discussão rege-se em torno das doses de reforço e sua real necessidade, fazendo com que tenhamos que obter melhor compreensão sobre o assunto, para assim, prevenirmos, como sociedade, maiores ondas de contágio.

Anticorpos não são sinônimo de imunidade

Quando o corpo é invadido por um vírus, ocorrem 3 tipos de respostas:

Resposta Inata: consiste em uma defesa ampla, rápida e não específica, em que células mais genéricas tentarão eliminar o corpo estranho de qualquer modo.

Resposta Adaptativa: mais específica e pode ser dividida em humoral, em que anticorpos são liberados para a neutralização do vírus, ou celular, que ocorre quando o vírus já se encontra no interior da célula e esta emite sinalização ao resto do organismo para denunciar o problema.

Em contrapartida, ao contrário do que muitos pensam, nem todos os anticorpos são realmente eficazes, visto que somente os neutralizantes dificultam ou impedem a replicação viral. No caso do Sars-CoV-2, por exemplo, ainda não há um estudo claro sobre a ação desses, se realmente mostram-se eficientes e qual seu tempo de duração. Em suma, ter anticorpos não basta, o sistema imune necessita de anticorpos específicos para o combate ao vírus e esses, porém, possuem tempo de vida temporário.

Sistema imunológico: o que é, resumo e imunidade - Toda Matéria
Imagem 1
Respostas imune

Mecanismo de ação das vacinas

As vacinas são substâncias produzidas em laboratório com a função de estimular o sistema imune contra diferentes tipos de infecções, ou seja, fornece o contato inicial com o patógeno, a fim de gerar memória imunológica, assim, quando o corpo entrar em contato com o verdadeiro microorganismo, agir de maneira mais rápida e eficaz.

As vacinas podem ser classificadas em alguns tipos a depender de sua composição:

Vacinas de microorganismos atenuados: ocorre enfraquecimento do microorganismo para sua administração, de forma que, quando em contato com o corpo humano, estimula resposta imune, sem gerar surgimento da patologia.

-Vacinas de microorganismos mortos ou inativos: contém microorganismos mortos ou fragmentos desses, como é o caso da CoronaVac.

-Vacinas de RNAm: O RNAm, basicamente, possui as instruções para a síntese proteica, dessa forma, ele ensina o corpo a sintetizar uma proteína capaz de estimular o sistema imune, como é o caso da Pfizer

Vacinas por Vetor Viral: nessa há inserção do gene que codifica a produção de proteína S, responsável pela ligação do Corona Vírus com as nossas células, sendo que, após a vacinação, esse se transforma em RNAm e estimula a síntese proteica para estímulo imune, como é o caso das vacinas Janssen e Astrazeneca.

Desafios da vacina - MSF - Novo Coronavírus
Imagem 2
Tipos de vacina

Além disso, cabe a observação de que, diante de vacinas com  diferentes composições, algumas pesquisas já apontam maior eficácia na imunidade a partir do que chamamos de dose-reforço heteróloga, em que consiste em tomar a primeira dose de um tipo e a segunda de outro. 

Por que alguns imunizantes protegem para sempre enquanto outros precisam de doses de reforço?

As vacinas, como vimos, vão induzir uma resposta imune, de forma que o que vai definir se serão necessárias mais doses a fim de reforçar essa resposta, é, principalmente, o tipo de vacina. Em outras palavras, algumas despertam uma resposta mais eficiente, geralmente desenvolvidas a partir do vírus atenuado e possuem 1 ou 2 doses, como é o caso do Sarampo. Entretanto, nem todos os imunizantes conseguem ser produzidos da mesma maneira, de forma com que a resposta induzida ao organismo torna-se temporária, fazendo-se necessário seu reforço de tempos em tempos, seja devido à queda do número de anticorpos ou pelo aparecimento de variantes, como, por exemplo, a vacina da gripe que exige reforço anual.

Conclusão

Portanto, diante da atual dose de reforço da COVID, o debate diante da sua necessidade ou não é comum, porém, apesar de incerto, muitos grupos como idosos, portadores de doenças crônicas, transplantados e imunossuprimidos, por exemplo, respondem à imunização de forma mais tênue, sendo de extrema importância assim, a terceira dose, principalmente diante da variante Ômicron, em que a Pfizer, por exemplo, já demonstram eficiência contra a mesma. Além disso, as vacinas apresentam eficácia quanto à diminuição da sintomatologia caso ocorra contaminação, de forma a demonstrar que sim, a terceira dose faz-se necessária.

Em suma, apesar de inúmeros debates, fake News e dúvidas, é necessário respeitar o plano de vacinação estabelecido, já que quanto maior a parcela da população vacinada, melhores será nosso prognóstico para os próximos anos.

Referências:

Médicos defendem vacinação de adolescentes e reforço para idosos e profissionais de saúde

https://www.camara.leg.br/noticias/808557-medicos-defendem-vacinacao-de-adolescentes-e-reforco-para-idosos-e-profissionais-de-saude/

Reforço de vacina contra Covid: entenda o debate https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1709609838249299-entenda-a-discussao-sobre-o-reforco-na-vacinacao-contra-covid

https://www.tuasaude.com/tudo-sobre-vacinas/

https://butantan.gov.br/covid/butantan-tira-duvida/tira-duvida-noticias/quais-sao-as-diferencas-entre-as-vacinas-contra-covid-19-que-estao-sendo-aplicadas-no-brasil

https://familia.sbim.org.br/covid-19/perguntas-e-respostas/vacinas-covid-19-desenvolvimento-aprovacao-licenciamento-e-tecnologias/como-funcionam-as-vacinas-baseadas-em-vetores-virais-nao-replicantes-como-a-vacina-de-fiocruz-oxford-astrazeneca-janssen-e-sputnik-v

https://www.istoedinheiro.com.br/entenda-a-eficacia-da-dose-de-reforco-contra-o-ressurgimento-da-covid/

https://blogs.oglobo.globo.com/a-hora-da-ciencia/post/anticorpo-nao-e-igual-imunidade.html

https://www.biorxiv.org/content/10.1101/2020.06.29.174888v1.full

https://www.sanarmed.com/o-que-ja-foi-descoberto-sobre-a-memoria-imunologica-do-sars-cov-2-apos-infeccao-colunistas

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe:

Compartilhe com seus amigos: