Coronavírus

A eficácia de antagonistas do receptor de interleucina-6 em pacientes críticos com COVID-19

A eficácia de antagonistas do receptor de interleucina-6 em pacientes críticos com COVID-19

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar

Neste post analisaremos um estudo que avaliou a eficácia de antagonistas do receptor da interleucina-6 em pacientes críticos com COVID-19. Muitos estudos já mostraram que a interleucina-6 é uma citocina associada a doença grave e maior mortalidade. Na COVID-19, a variante genética que inclui a via inflamatória da interleucina-6 está associada a doença ameaçadora de vida.

As observações já coletadas a respeito do tema justificam a busca por terapias específicas que busquem inibir esta citocina em pacientes com COVID-19 grave. 

Metodologia da pesquisa

A pesquisa utilizou tocilizumab e sarilumab, drogas antagonistas do receptor de interleucina-6, em adultos com COVID-19, iniciando a terapia após até 24 horas de início da terapia de suporte em unidade de terapia intensiva. 

Os pacientes foram randomizados para receber tocilizumab (8mg por quilograma de peso,

sarilumab (400mg) ou cuidados padrão (grupo controle).

O desfecho primário consistiu de tempo livre de suporte cardiovascular e respiratório, dado em uma escala ordinal de morte intra-hospitalar e dias livres de suporte, até o dia 21. 

Uma odds ratio maior que 1 representou melhora na sobrevida, mais dias livre de suporte, ou ambos.  

Resultados

Um total de 365 pacientes foram incluídos no grupo tocilizumab, 48 no grupo sarilumab e 402 no grupo controle. A média de dias livre de suporte no grupo tocilizumab, sarilumab e controle foram, respectivamente, 10, 11 e 0 dias. 

A média ajustada de odds ratio cumulativa foi de 1,64 (IC95%, 1,25 a 2,14) para o tocilizumab, e 1,76 (IC95%, 1,17 a 2,91) para o sarilumab, quando comparados com o grupo controle. 

Uma análise de sobrevivência realizada após 90 dias mostrou melhora da sobrevida nos grupos tratados com antagonistas da interleucina-6, com uma hazard ratio de 1,61 (IC95%, 1,25 a 2,08) quando comparado ao grupo controle. 

Todos os demais desfechos secundários mostraram eficácia dos antagonistas da interleucina-6. 

Conclusões do estudo

O estudo traz achados importantes, e adiciona dados de suma relevância às evidências científicas atuais.

Para doentes internados em UTI por COVID-19, recebendo suporte de órgãos, o tratamento com o tocilizumab e sarilumab mostraram melhora nos desfechos, inclusive na sobrevida, quando comparado ao tratamento padrão de suporte oferecido à estes pacientes, que incluía glicocorticoide na maioria deles.

Os benefícios se mostraram tanto nos desfechos primários como secundários, e dentre ambos subgrupos. 

Estudos passados já haviam analisado o uso destes antagonistas de interleucina-6, porém as características da amostra diferiam, pois estes estudos prévios excluíam pacientes críticos e em suporte respiratório. 

Os achados do presente estudo podem apontar para benefícios do uso destas drogas no contexto de pacientes mais graves e com maior risco de morte por COVID-19.

É importante notar que os pacientes iniciaram a terapêutica muito precocemente (dentro de 24 horas) após o início do suporte em terapia intensiva, o que pode ser um fator decisivo na eficácia. 

Isto significa que tratar precocemente este grupo de pacientes, que ainda não se encontram com disfunção orgânica importante, pode significar maior possibilidade de reversão do quadro. 

Posts relacionados:

Referências

Interleukin-6 Receptor Antagonists in Critically Ill Patients with Covid-19 – NEJM

Compartilhe com seus amigos: