Sem CategoriaUrgência e Emergência

A Ética na Emergência | Colunistas

1. Princípios da ética

Um conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade. Essa é uma das definições de ética. Ou seja: a ética depende do grupo que a determina. O que pode parecer moralmente condenável no Brasil pode ser muito bem aceito em alguns países árabes ou europeus, por exemplo. Obviamente, existem princípios que devem ser respeitados, pois se confundem com a própria essência da medicina.

Alguns deles são os princípios da beneficência, não maleficência, autonomia, equidade e Justiça. Explicando resumidamente cada um deles:

Beneficência: tratamento para o bem dos enfermos, maximizar os benefícios;

Não maleficência: não prejudicar, não causar danos, minimizar os prejuízos;

Esses dois primeiros princípios fazem parte da base do que é a medicina. O próprio juramento de Hipócrates discorre sobre o assunto. Que ideia representaria melhor a medicina do que fazer o melhor pelos seus pacientes com uma ressalva adicional de não fazer nada que possa prejudica-los?

Seguindo para uma abordagem mais atual, falaremos dos princípios da autonomia, equidade e justiça.

Na graduação, repete-se diversas vezes a importância de respeitar a autonomia do paciente, fornecendo apenas orientações e expondo as possíveis consequências das decisões que eles possam vir a tomar em relação ao seu quadro.

Esse é um ponto crucial no tocante à ética, visto que, mesmo muitas vezes sabendo o que é melhor para o paciente, o médico, por respeitar as decisões dele e da família, acaba entrando em um dilema ético/moral em concordar com condutas que acredita serem ruins para o paciente.

O exemplo mais clássico, inclusive abordado no próprio código de ética médica, versa sobre a realização de transfusões sanguíneas em pacientes pertencente a religiões que não aceitam o procedimento de transfusão sanguínea. Sabidamente, o médico deve respeitar a decisão do paciente e familiares até o momento em que esse paciente se apresente em risco de morte.

Mas isso faz mesmo sentido? Tratar alguém que está em curva de piora com medidas que vão surtir efeitos paliativos e aguardar uma piora importante para que se tome atitudes que realmente farão diferença para salvar a vida daquele paciente? Sabemos que, em um paciente crítico, um único episódio de hipotensão ou dessaturação piora sua morbidade e mortalidade.  Logo, protelar uma medida salvadora pelo fato de o paciente “não estar tão mal ainda” não vai contra o verdadeiro motivo pelo qual muitos de nós entregamo-nos à medicina: salvar vidas?

Muito mais que tentar responder essa pergunta tão complexa e desafiadora, convido-os a refletir. No mundo moderno, temos cada vez mais defensores do que julgam ser correto, acusando tudo e todos que não são uníssonos às suas opiniões de preconceituosos e até mesmo fascistas. Controversamente, os mesmos que apontam para seus “opositores” e os acusam tratam a todos que não pertencem aos seus grupos com extrema intolerância e discriminação, geralmente impedindo quaisquer tentativas de diálogo. Não há espaço na medicina para esse tipo de comportamento. Necessitamos caminhar juntos em prol da vida dos nossos doentes.

Para nós, que trabalhamos em emergências, essa ideia fica ainda mais clara: escolhemos uma vida em que nossos pacientes não podem escolher seu médico. Decidimos atender igualmente a todos, independente de sexo, cor, religião, opção sexual ou mesmo da educação com que esses pacientes nos tratam. Em um dia comum, o Emergencista encontra várias pessoas que estão nos piores dias de suas vidas. Não cabe a nós julgar atitudes, posturas e ideias de quem quer que seja. Devemos ser resilientes e focados: nosso foco é manter nosso paciente vivo (se assim ele desejar).

Uma das posturas mais éticas que se pode ter é estudar incansavelmente e atender todos os pacientes como iguais. Atender como gostaria de ser atendido (tanto em postura como em nível de conhecimento e capacidade).

Ao fazer isso, sendo parciais (pelo nosso paciente) e sinceros com nossos pacientes e seus familiares, garantimos uma consciência tranquila e, certamente, um menor número de “dilemas éticos” em nossas mentes.

Referências

  1. Código de Ética Médica: Resolução CFM nº 2.217, de 27 de setembro de 2018, modificada pelas Resoluções CFM nº 2.222/2018 e 2.226/2019 / Conselho Federal de Medicina. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2019.
Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar