Carreira em Medicina

A vacinação de gestantes contra COVID-19 protege os recém-nascidos?

A vacinação de gestantes contra COVID-19 protege os recém-nascidos?

Compartilhar
Imagem de perfil de Luiza Riccio

Tudo o que você precisa saber das discussões atuais sobre a vacinação de gestantes!

Durante a fase mais crítica da pandemia de COVID-19, gestantes e puérperas apresentaram um maior risco de complicações graves e desfechos desfavoráveis ao contraírem a doença. Diante disso, a vacinação deste grupo de pacientes foi fortemente recomendada por especialistas.

No Brasil, as vacinas liberadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) na gestação são as que utilizam vírus inativado (Coronavac®) ou tecnologia de RNA mensageiro (Pfizer®).

No entanto, observou-se uma baixa adesão das gestantes à vacinação, em relação à população em geral. A preocupação com a segurança e o medo de eventuais efeitos adversos ou repercussões fetais, faz com que algumas mulheres evitem ser vacinadas na gravidez. Mas estudos recentes têm provado o contrário.

Vacinação de gestantes contra COVID-19: quais são os benefícios?

Os benefícios neonatais da vacinação das gestantes, através da transferência placentária de anticorpos, são historicamente conhecidos.

No passado, recém-nascidos de mães vacinadas contra varíola tinham menor risco de contrair a doença. Assim como, atualmente, os filhos de gestantes vacinadas contra influenza e coqueluche também estão mais protegidos, e a vacinação contra essas doenças é preconizada durante a assistência pré-natal.

A partir da experiência com outras vacinas, esperava-se que a vacinação contra COVID-19 na gravidez conferisse proteção às crianças. Anticorpos maternos já foram observados no sangue do cordão umbilical e no sangue periférico de recém-nascidos, e, também, no leite materno. Porém, até o momento, a correlação com a proteção do recém-nascido contra a infecção ainda não tinha sido comprovada.

Novo estudo reforça a importância da vacinação

A edição de 14 de julho de 2022 do The New England Journal of Medicine, um dos principais periódicos científicos médicos da atualidade, traz um grande estudo multicêntrico (Halasa et al. 2022) que fornece evidências robustas de que a vacinação materna é eficaz na redução do risco de hospitalização por COVID-19 em crianças até seis meses de vida.

Neste estudo, que envolveu 1.327 pacientes, apenas 16% das 537 crianças internadas por COVID-19 eram filhos de mães que receberam o esquema vacinal completo durante a gravidez.

A eficácia da vacinação materna contra a hospitalização por COVID-19 dos recém-nascidos foi de 52%; e ainda maior contra a admissão em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), chegando a 70%.

Dentre os casos mais graves, dois pacientes foram a óbito e dois precisaram de circulação extracorpórea; nenhuma das mães destes quatro pacientes tinha sido vacinada durante a gestação.

Resultados identificados

Os resultados são muito promissores, já que crianças com idade abaixo de seis meses apresentam um risco maior de formas graves da doença com necessidade de hospitalização, comparados com crianças maiores.

Além disso, ainda não há perspectiva de vacinação deste grupo – que foi excluído dos ensaios clínicos – e as vacinas geralmente têm menor eficácia em menores de seis meses, devido à imaturidade do sistema imunológico.

A vacinação contra COVID-19 é segura na gestação

Outra publicação na mesma edição do The New England Journal of Medicine (DeSilva et al., 2022) reforça a segurança da vacinação contra COVID-19 durante a gravidez. O estudo envolveu 45.232 gestantes que receberam a vacina contra COVID-19 imediatamente antes ou durante a gestação, e seus respectivos controles. 

Foram avaliadas reações que ocorreram em até 21 dias após uma dose de qualquer vacina (análise primária) e até 42 dias após uma dose de vacina com tecnologia de RNA mensageiro (análise secundária).

Eventos adversos identificados

A frequência de eventos adversos com necessidade de atendimento médico foi menor do que 1%. Entre os vacinados, os eventos mais frequentes foram:

  • febre,
  • mal-estar ou fadiga,
  • reações locais e
  • linfadenopatia ou linfadenite, quando comparados com os controles não vacinados.

Nenhum dos eventos adversos graves avaliados (trombose venosa cerebral, encefalite, mielite, síndrome de Guillain-Barré, miocardite, pericardite ou tromboembolismo pulmonar) ocorreu com maior frequência entre os vacinados, em relação aos controles.

Os resultados foram semelhantes nas análises estratificadas de acordo com a dose da vacina e com o fabricante.

Os autores concluíram que reações com necessidade de atendimento médico foram raras em pacientes vacinadas durante a gestação. Além disso, não houve aumento do risco dos eventos adversos graves avaliados.

Os dados corroboram as evidências na literatura de que a vacinação contra COVID-19 é segura na gestação.

O que já apontava os estudos anteriores?

Estudos prévios já haviam demonstrado que a vacinação contra COVID-19 durante a gravidez não aumenta o risco de abortamento em relação à população geral (Zauche et al., 2021), e o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), em estudo preliminar, não identificou alertas em relação à segurança do uso da vacina na gestação (Shimabukuro et al., 2021).

Uma revisão sistemática da literatura e metanálise publicada na Nature Communications em maio de 2022 (Prasad et al., 2022) avaliou a eficácia e os desfechos perinatais da vacinação contra COVID-19 na gravidez. 

Os autores demonstraram que não houve aumento do risco de abortamento nem de outras complicações obstétricas pela aplicação da vacina nas gestantes. Por outro lado, a vacinação reduziu o risco de óbito fetal e de prematuridade, já que a infecção por COVID-19 está associada a estes desfechos desfavoráveis da gestação. 

Quais são as perspectivas futuras sobre a vacinação de gestantes?

Ainda não há um consenso sobre a melhor idade gestacional para a vacinação contra COVID-19. O estudo publicado mostrou maior proteção dos filhos cujas mães receberam a segunda dose da vacina após as 20 semanas de gestação: 69%, contra 38% antes das 20 semanas. No entanto, definir um período gestacional mais adequado para a vacinação ainda é um desafio. 

A tentativa de maximizar os benefícios para o recém-nascido deve ser ponderada em relação aos riscos maternos de postergar a vacinação, já que as gestantes são um grupo mais suscetível a desenvolver formas graves da doença.

Novos estudos são necessários para avaliar se uma dose de reforço adicional no final da gravidez poderia aumentar a proteção dos recém-nascidos.

Os resultados dos estudos reforçam, portanto, a importância e a segurança da vacinação das gestantes contra a COVID-19.

Ao vacinar durante a gestação, conferimos uma dupla proteção – para as mães e seus recém-nascidos até seis meses de idade – contra as formas graves da doença.

Sugestão de leitura

Aproveite e leia também a minha coluna anterior, na qual abordei o tema abortamento seguro.

Referências

Halasa NB, Olson SM, Staat MA, et al. Maternal vaccination and risk of hospitalization for Covid-19 among infants. N Engl J Med. 2022 Jul 14;387(2):109-119. doi: 10.1056/NEJMoa2204399. PMID: 35731908.
https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2204399

DeSilva M, Haapala J, Vazquez-Benitez G, et al. Evaluation of Acute Adverse Events after Covid-19 Vaccination during Pregnancy. N Engl J Med. 2022 Jul 14;387(2):187-189. doi: 10.1056/NEJMc2205276. Epub 2022 Jun 22. PMID: 35731916; PMCID: PMC9258750. www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMc2205276

Zauche LH, Wallace B, Smoots AN, et al. CDC v-safe Covid-19 Pregnancy Registry Team. Receipt of mRNA Covid-19 Vaccines and Risk of Spontaneous Abortion. N Engl J Med. 2021 Oct 14;385(16):1533-1535. doi: 10.1056/NEJMc2113891. Epub 2021 Sep 8. PMID: 34496196; PMCID: PMC8451181. www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMc2113891

Shimabukuro TT, Kim SY, Myers TR, et al. CDC v-safe COVID-19 Pregnancy Registry Team. Preliminary Findings of mRNA Covid-19 Vaccine Safety in Pregnant Persons. N Engl J Med. 2021 Jun 17;384(24):2273-2282. doi: 10.1056/NEJMoa2104983. Epub 2021 Apr 21. Erratum in: N Engl J Med. 2021 Oct 14;385(16):1536. PMID: 33882218; PMCID: PMC8117969.
www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2104983

Prasad S, Kalafat E, Blakeway H, Townsend R, O’Brien P, Morris E, Draycott T, Thangaratinam S, Le Doare K, Ladhani S, von Dadelszen P, Magee LA, Heath P, Khalil A. Systematic review and meta-analysis of the effectiveness and perinatal outcomes of COVID-19 vaccination in pregnancy. Nat Commun. 2022 May 10;13(1):2414. doi: 10.1038/s41467-022-30052-w. PMID: 35538060; PMCID: PMC9090726.
www.nature.com/articles/s41467-022-30052-w

Rasmussen SA, Jamieson DJ. Covid-19 Vaccination during Pregnancy – Two for the Price of One. N Engl J Med. 2022 Jul 14;387(2):178-179. doi: 10.1056/NEJMe2206730. Epub 2022 Jun 22. PMID: 35731898; PMCID: PMC9258746.
www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMe2206730