Clínica Médica

Abdome Agudo Inflamatório | Colunistas

Abdome Agudo Inflamatório | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Lupébhia Tarlé

O abdome agudo é uma condição clínica caracterizada por uma dor intensa e súbita e que requer tratamento clínico imediato e, na maioria das vezes, cirúrgico.

É uma das principais emergências da prática médica ao apresentar uma alta incidência e elevado risco de gravidade que, muitas vezes, pela dificuldade de estabelecimento de diagnóstico, acarreta o óbito do indivíduo.

Nesse sentido, a precisão e a rapidez da investigação da patologia são imprescindíveis para a tomada de decisão quanto ao tratamento, a fim de garantir sua eficiência e sua efetividade diante do quadro. Para isso, a anamnese detalhada associada ao exame físico e exames laboratoriais e de imagens é de fundamental importância para estabelecer o diagnóstico. Deve-se levar em consideração a idade do paciente, o sexo, doenças e cirurgias prévias, local e características da dor, irradiação, tempo em horas de evolução, alterações intestinais, febre e vômitos.

Etiologia

Jovens: Apendicite aguda

Idoso: Doença biliar, Obstrução intestinal, Infarto intestinal, Diverticulite..

Sinais de Alarme

O médico deve ficar sempre atento para afecções que podem simular um quadro de abdome agudo, como doenças pleuropulmonares (derrame pleural, pleurite), geniturinárias (infecções de vias urinárias, pielonefrite), cardíacas (infarto agudo do miocárdio, pericardite constritiva), além de processos infecciosos e metabólicos e entre outras causas.

Classificação

1. Inflamatório: apendicite aguda, colecistite, pancreatite.

2. Perfurativo: úlcera perfurada e diverticulite perfurada.

3. Isquêmico (Vascular): obstrução arterial e venosa de artérias mesentéricas superior ou inferior.

4. Hemorrágico: gravidez ectópica rota, traumas hepático, esplênico e intestinal.

5. Obstrutivo: volvo, bridas e aderências intestinais..

Abdome agudo inflamatório (AAI)

É causada por processo inflamatório e/ou infeccioso em cavidade abdominal, órgãos ou estruturas adjacentes. Costuma cursar com manifestações de peritonite e alterações de ritmo intestinal. Caracteriza-se por dor de início insidioso e intensidade progressiva. Pode ser causado por um processo agudo ou pela agudização de uma doença crônica.

Fisiopatologia

A fisiopatologia do AAI baseia-se na extensão do processo inflamatório / infeccioso ao peritônio e às modificações do funcionamento do trânsito intestinal. A dor abdominal pode ser de origem somática ou visceral, referida ou irradiada, ou originada a partir de mediadores inflamatórios que estimulam as terminações nervosas resultando em dor localizada.

– Quando o processo inflamatório e/ou infeccioso atinge o peritônio visceral, ocorre paralisia da musculatura lisa envolvida, gerando Íleo paralítico → Inervação pelas fibras autonômicas → Distensão e contração viscerais → Dor difusa e mal localizada.

– Quando a inflamação se estende ao peritônio parietal ocorre contratura muscular abdominal localizada ou difusa → Inervação ocorre pelas fibras somáticas cerebroespinais → Dor localizada, contínua e intensa.

Ao se instalar o processo de peritonite, a deterioração clínica do indivíduo pode ocorrer rapidamente e constitui-se um sinal de gravidade e mau prognóstico.

Classificação da peritonite no abdome agudo inflamatório

– Fases iniciais → Transudativa e exsudativa: horas de evolução.

– Fases tardias → Fibrinopurulenta e presença de abscesso: dias de evolução.

Nas fases iniciais há ainda pouca atividade inflamatória com aumento da efusão peritoneal e quimiotaxia de células inflamatórias. Já nas fases tardias existe uma exuberante resposta inflamatória com formação de fibrina, aderências, pus, e, por fim, fibrose.

Manifestações clínica

o Dor abdominal

o Náuseas e vômitos

o Febre

o Obstipação

Hipocôndrio DEpigástrioHipocôndrio ESuprapúbica
ColecistiteDiverticulitePancreatiteColecistitePancreatiteDiverticulitediverticulite
QIDPeriumbilicalQIEDifusa
ApendiciteDiverticuliteApendiciteDiverticulitePeritonite

A dor abdominal é o sintoma preponderante no AAI, podendo ser decorrente de um processo recente, como na apendicite aguda, ou crônico agudizado tal qual nos casos de colecistite aguda por litíase biliar ou diverticulite por doença diverticular do cólon. Costuma ser progressiva e quando evolui com piora progressiva uma conduta cirúrgica é necessária na maioria das vezes.

Náuseas e vômitos podem ocorrer na evolução do AAI, podendo ser resultado do quadro álgico intenso ou até mesmo de estase intestinal secundária à irritação do peritônio visceral.

A febre é um sintoma comumente observado, podendo surgir já nas fases iniciais do processo, com temperaturas mais brandas, piorando com a evolução do quadro, sobretudo quando há processo supurativo instalado. Obstipação comumente ocorre secundária à paralisia das alças intestinais.

Diagnóstico

– Hemograma: Procurar por leucocitose e aumento de neutrófilos – verificar se há desvio para a esquerda

– Sumário de Urina: Identificar causas urinárias. Pesquisar desidratação, colúria, leucocitúria

– Amilase e lipase: Marcadores inflamatórios. Elevação do valor em 3x sugere pancreatite aguda

– BHCG, dosagem de eletrólitos, creatinina, ureia sérica e função hepática: Estimar perdas e avaliar outras causas, como doenças renais, causas hepáticas e biliares e gravidez.

– Radiografia de tórax: Presença de ar em cavidade abdominal – pneumoperitônio.

– Radiografia de abdome: Obstruções intestinais, alças distendidas, níveis hidroaéreos

– Ultrassonografia abdominal: Causas ginecológicas e biliares Presença de cálculos, espessamento das paredes da vesícula, dilatação ductal, aumento do diâmetro do apêndice

– Tomografia computadorizada: Espessamento de paredes, densificação de gordura pericólica, delimitação pancreática.

Autor: Lupébhia Tarlé

Instagram: @lupebhia

Referências

Livro: GOLDMAN, L. Cecil Medicina. Elsevier, 24º ed.

Livro: JAMESON, J. L.; KASPER, D. L.; LONGO, D. L.; FAUCI, A. S.; HAUSER, S. L., LOSCALZO, J. Medicina interna de Harrison. 20. ed. Porto Alegre: AMGH, 2020.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.