Ciclo ClínicoNeurologia

DESAFIO | Andando em corda bamba.


AUTOR: Isvi Brandão Araújo
ORIENTADOR: Pedro Braga Neto

 Apresentação do caso clínico
A.L.S., mulher de 38 anos de idade é admitida no departamento de emergência com queixa de quedas frequentes e astenia progressiva há 1 ano. Antes de adentrar à sala para atendimento, foi observada uma marcha espástica. Já na anamnese foi constatada um histórico cirúrgico – bypass gástrico. Quanto ao exame neurológico, foi encontrada uma fraqueza simétrica de membros inferiores (força grau 3) associada a uma hipertonia e reflexos tendinosos profundos vivos (grau 3). Além disso, apresentava uma diminuição da sensibilidade vibratória na espinha ilíaca ântero-superior e da propriocepção nos dedos dos pés e maléolos. Da mesma forma, a sensibilidade dolorosa apresentava-se diminuída, e tinha nível sensitivo em T12; e seus reflexos cutâneo plantares eram extensores (sinal de Babinski presente bilateralmente). Sinais vitais – T: 36,5ºC; PA: 130/80 mmHg; FC: 72 bpm; FR: 16 ipm; SpO2: 97%; glicemia capilar: 96mg/dL.

QUESTÕES PARA ORIENTAR A DISCUSSÃO                                                                                        
  1. Quais as síndromes neurológicas estão presentes no paciente?
2. Qual a topografia provável da lesão?
3. Qual o provável diagnóstico nosológico?
4. Qual a principal hipótese diagnóstica? Aponte dados relevantes da anamnese.
5. Qual principal exame que pode ajudar a confirmar a hipótese e qual o achado esperado?

Respostas
 1. Síndrome do neurônio motor superior (fraqueza, hipertonia, reflexos tendinosos vivos e sinal de Babinski); síndrome deficitário sensitiva (sensibilidade profunda (hipopalestesia e hipoartrestesia) e síndrome atáxica. Obs.: reflexos vivos podem ser fisiológicos quando simétricos, contudo, configuram um sinal, no contexto dos achados.
2. Tratos piramidais; Via cordão dorsal-lemnisco medial e tratos espinotalâmicos.
3. Metabólico.
4. Deficiência de vitamina B12: degeneração combinada subaguda. O bypass gástrico aponta para possível redução de secreção do fator intrínseco, essencial para absorção de vitamina B12.
5. Dosagem de vitamina B12 – diminuída – e ressonância magnética – hiperdensidade em T2, comumente nos cordões posteriores da medula espinal. Obs.: um hemograma com macrocitose e anemia pode auxiliar, sendo alterações frequentemente tardias.

Referências

KUMAR, Neeraj. Nutrients and Neurology. Continuum: Lifelong Learning in Neurology, [s.l.], v. 23, n. 3, p.822-861, jun. 2017. Ovid Technologies (Wolters Kluwer Health). http://dx.doi.org/10.1212/01.con.0000520630.69195.90.

MAAMAR, M. et al. Les troubles neurologiques par carence en vitamine B12 : étude rétrospective de 26 cas. La Revue de Médecine Interne, [s.l.], v. 27, n. 6, p.442-447, jun. 2006. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.revmed.2006.01.012.



 

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar