Colunistas

Aplicabilidade do tratamento multidisciplinar à portadoras de SOP | Colunistas

Aplicabilidade do tratamento multidisciplinar à portadoras de SOP | Colunistas

Compartilhar

A síndrome do ovário policístico é ​​o distúrbio endócrino mais comum em mulheres em idade reprodutiva, atingindo cerca de 10% da população feminina. Nesse sentido, grande parcela dessas mulheres é atingida por sintomatologias decorrentes de tal distúrbio,  geralmente optando por anticoncepcionais para alívio dos sintomas. Entretanto, pouco fala-se a respeito do tratamento multidisciplinar,  principalmente, não medicamentoso que tem apresentado altos níveis de melhora nos casos clínicos. 

O que é SOP?

Caracteriza-se como Síndrome do Ovário Policístico (SOP)  uma endocrinopatia  crônica, ou seja, um distúrbio hormonal caracterizado pela presença de cistos no ovário, maior produção de andrógenos, podendo ser sintomática ou não, sendo que na primeira opção os sintomas mais comuns são oligo amenorreia e amenorreia (ciclo menstrual desrregulado), anovulação, ganho de peso,  acne, oleosidade na pele, crescimento excessivo de pelos na face, seios e abdômen, além de alopécia, por exemplo. 

Causas

Trata-se de um distúrbio complexo e multifatorial, sem causa  específica, estando envolvidos fatores endócrinos, genéticos e ambientais. Nesse sentido, apesar de multicausal ,sabe-se que esta diretamente ligado à resistência insulínica ou hiperinsulinismo, classificando-a, portanto, como uma síndrome metabólica. 

Diagnóstico 

O diagnóstico da SOP é baseado em 3 principais pilares: Critérios clínicos, níveis séricos de andrógenos e ultrassonografia pélvica, já que a mulher que possui cistos nos ovários,  não necessariamente terá disfunção hormonal, em outras palavras, cistos ovaricos e ovário policístico são termos relacionados à diferentes casos.

Pré disposição a longo prazo 

Mulheres diagnosticadas com SOP apresentam maior risco de desenvolver problemas de saúde, como:

• Pressão alta

• Doenças cardiovasculares 

• Diabetes

• Câncer 

• Depressão e alterações humorais

Tratamento multidisciplinar 

Por se tratar de uma doença crônica,  o tratamento da síndrome do ovário policístico deve ter como principal intuito atuar nos sintomas e melhora da qualidade de vida da mulher a curto e longo prazo, sempre pensando na singularidade de cada caso. Diante disso, o tratamento costuma envolver alterações no estilo de vida, buscando a diminuição do peso, que, comprovadamente, reduz os níveis de testosterona, normalização dos ciclos menstruais, além de diminuir a resistência periférica à insulina e dislipidemia.

A. SOP relacionada à resistência à insulina: será orientada a se medicar com metformina ou glitazonas, substâncias que corrigem esse defeito. Tais drogas afastam o risco de diabetes. 

B. Mulheres que não pretendem engravidar: tratamento a base de pílula anticoncepcional que contém doses de estrógeno e progesterona que normalizam o ciclo e diminuem a produção de andrógenos, podendo ser uma alternativa é o uso exclusivo de progesterona. 

C. Mulheres com dificuldade para engravidar: ovulação é induzida com substâncias como as gonadotrofinas e o clomifeno. Tal tratamento facilita a gestação porque torna o momento da ovulação mais previsível. 

Todavia, além da indução farmacológica, considera-se como primeira linha de abordagem a mudança de hábitos alimentares e práticas saudáveis, como qualidade do sono e exercícios físicos contantes. 

https://lh4.googleusercontent.com/3V5k_6f7Ey_Kmj5IdXORhJl9QB0MqZz2NvyYBcVLdQSgpN4mTIoc0_whlJ3WvwdqYnHKyyhSCN5_LJ9mcMi89zuJHH4HfyA8u08V_va1_SB2WHRCW-wT5VzK2aHm8bYP4-QJ9cuy
Imagem 1

Influência da alimentação no alívio dos sintomas

São inegáveis os benefícios de uma boa nutrição  em todos os quesitos, contudo, na SOP, essa mostra-se ainda mais eficaz e necessária, devendo ser utilizada como parte do tratamento, já que pode ajudar na redução dos níveis hormonais.

Nesse contexto, a mulher com SOP deve ser acompanha por um profissional da área,  priorizando uma dieta low carb, havendo controle de ingestão dos carboidratos, fundamental para diminuir a resistencia insulínica.Não obstante, deve-se priorizar dietas com poder anti-inflamatório e antioxidante, rica em verduras, legumes e frutas com baixa carga glicêmica, proteínas magras. Vale salientar que açúcar e outros carboidratos refinados podem atrapalhar o quadro.

Dieta anti inflamatória 

Atualmente,  uma das opções dos profissionais da área tem sido uma dieta baseada em alimentos anti inflamatórios, de forma a  melhorar o funcionamento do organismo como um todo, colaborando para a redução do colesterol LDL (colesterol ruim) e o aumento do HDL (colesterol bom), melhorando também os níveis de glicose e reduzindo o risco de doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e depressão,  sintomas comuns à SOP.

https://lh3.googleusercontent.com/zB3aAGWuJTnqAnWv82Zxqggu45lxhguP7UBxuN9xaniK2cPfyu7qz5Q5tRZFUIWxa-VomBO339pMM3Yo1zopxLTr90cJsOiqDXYP6_y7yuu0eu-RVseG9zYcHiM7qpFJAGe0EdqR
Imagem 2

Cuidados Psicológicos

Além dos sintomas físicos, devido a inconstância hormonal, muitas mulheres tendem a desenvolver problemas psíquicos, variações de humor constantes e até depressão. Não obstante, o ganho de peso também pode afetar a autoestima dessa, gerando problemáticas acerca de sua imagem. Nesse sentido, faz-se de suma importância o cuidado com a saúde mental e, se possível,  acompanhamento com um profissional da área, a fim de buscar o bem estar em sua definição ampla.

Considerações Finais

Diante do exposto, torna-se indispensável que as mulheres fiquem atentas aos sintomas comuns, consultem sempre seu ginecologista e às portadoras de SOP que tenham atenção ao tratamento que deve incluir não só medicamentos, mas, como prioridade, a mudança de hábitos do dia a dia, ocasionando melhora geral na qualidade de vida referente aos sintomas, principalmente.

Referências

  • https://saude.abril.com.br/medicina/sindrome-do-ovario-policistico-sintomas-tratamento-e-prevencao/ 
  • https://bvsms.saude.gov.br/sindrome-dos-ovarios-policisticos/

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe:

Compartilhe com seus amigos: