Adaptação cultural do questionário Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ) para o Português Brasileiro

Adaptação cultural do questionário Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ) para o Português Brasileiro

Autores:

Elisiane Crestani de Miranda Gonsalez,
Kátia de Almeida

ARTIGO ORIGINAL

Audiology - Communication Research

versão On-line ISSN 2317-6431

Audiol., Commun. Res. vol.20 no.3 São Paulo jul./set. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312015000300001572

INTRODUÇÃO

A perda auditiva afeta o processo de comunicação, uma vez que torna mais difícil ouvir, escutar e compreender a fala. Reduzir as limitações da pessoa deficiente auditiva, no que se refere à compreensão da fala, é o principal objetivo da reabilitação auditiva. As próteses auditivas visam propiciar, além da audibilidade, melhorar por meio do processamento do sinal, a compreensão dos sons da fala em ambientes mais complexos de escuta, como na presença de ruído competitivo.

O sistema auditivo é responsável pela detecção dos sons, sensação de intensidade, discriminação do padrão acústico, percepção de distância, direção e localização da fonte sonora e qualidade dos sons. Tudo isso possibilita o uso da capacidade auditiva no mundo real, que inclui o alerta a sons, monitorar o ambiente, reconhecer e localizar eventos auditivos, monitorar e controlar a própria voz, aproveitar experiências auditivas, mas principalmente perceber a fala dos outros e conseguir se comunicar oralmente de modo efetivo. Desse modo, são partes integrantes da avaliação e da reabilitação da audição o ouvir, o escutar, para compreender e se comunicar.

Muitas pesquisas audiológicas não dão a devida atenção às complexidades da comunicação humana. As medidas de desempenho em laboratório ou clínica, geralmente avaliam a inteligibilidade de fala, usando material com gravação de apenas um falante e ruído estável, cuja posição espacial, características espectrais e temporais são estáticas e previsíveis(1).

Em contextos reais, os ouvintes devem localizar, identificar, atender e alternar a atenção entre os sinais sonoros, de modo a manter a competência comunicativa e atenção aos sons ao seu redor. Embora a perda auditiva neurossensorial seja tipicamente coclear em sua origem, a interação entre os aspectos sensoriais e cognitivos da audição deve exercer uma influência substancial sobre como os ouvintes funcionam em ambientes cotidianos.

A bateria de testes utilizada na avaliação audiológica é eficiente para quantificar a perda auditiva, porém, seus resultados não refletem a dificuldade comunicativa enfrentada pelas pessoas com deficiência auditiva em suas atividades de vida diária. Torna-se necessário utilizar outros instrumentos, de fácil aplicabilidade na rotina clínica, que possam avaliar as limitações em atividades auditivas em situações mais próximas do cotidiano, e refletir a percepção do indivíduo frente às dificuldades comunicativas geradas pela perda auditiva.

Com o objetivo de avaliar as habilidades e experiências que envolvem a audição em situações complexas de escuta do cotidiano, Gatehouse e Noble(1) desenvolveram o Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ). Este questionário inclui uma variedade de domínios, como situações de audição direcional relacionada a diferentes distâncias e ao movimento, segregação de sons e fluxos de vozes simultâneas, facilidade de escuta, naturalidade e clareza dos sons do cotidiano e de diferentes peças musicais e instrumentos. O SSQ, em sua versão 5.6, é composto por 49 questões, divididas em três partes, sendo 14 relacionadas à audição para sons fala, 17 que investigam diferentes componentes da audição espacial e 18 sobre as qualidades da audição.

O SSQ é um dos poucos instrumentos destinados a medir esses aspectos e tem sido amplamente utilizado para avaliar a deficiência auditiva funcional e os benefícios de diferentes estratégias de reabilitação auditiva(2-6). Está disponível em diversos idiomas, como Inglês, Dinamarquês, Francês, Alemão, Polonês, Africano, Espanhol, Italiano e Turco(7-10), mas não no Português.

Sendo assim, este estudo teve como objetivo a tradução e adaptação cultural do questionário Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ) para o Português Brasileiro.

MÉTODOS

Trata-se de um desenho clínico de caráter quantitativo, exploratório prospectivo, que recebeu parecer favorável do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), n°273.023. A pesquisa foi realizada na Clínica de Fonoaudiologia da instituição, e foram avaliados somente os indivíduos que concordaram com a realização dos procedimentos necessários para sua execução e que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

O autor da versão original em inglês foi contatado e concordou com a tradução e validação de seu questionário, para o uso em população brasileira.

O questionário SSQ foi traduzido utilizando-se a metodologia proposta por Guillemin et al. (1993)(11) (Figura 1).

Figura 1 Processo de tradução e adaptação cultural para o Português Brasileiro 

Na primeira etapa, dois fonoaudiólogos brasileiros, especialistas na área, fluentes no idioma inglês e conhecendo a finalidade da tradução, traduziram, individualmente, o questionário. Em seguida, as duas traduções foram comparadas, com o objetivo de verificar a existência de divergências, especialmente no que se referia ao conteúdo semântico, e realizar as modificações necessárias até se chegar a um consenso em relação à versão traduzida.

Na segunda etapa, foi feita a retrotradução da versão em português para o inglês, por um falante nativo, bilíngue e que desconhecia a versão original e a finalidade da tradução do questionário. Em seguida, um comitê de especialistas verificou as diferenças entre a versão original, primeira versão em português e a retrotradução para o inglês. Este comitê fez a revisão das traduções em relação à equivalência semântica, idiomática e conceitual, produzindo a versão em português do questionário, que foi aplicada no grupo piloto. A equivalência semântica avaliou a gramática e o vocabulário das palavras, para observar se o significado se manteve e se existiram dificuldades na tradução. A equivalência idiomática verificou a existência de coloquialismos ou expressões idiomáticas difíceis de serem traduzidas para serem adaptadas. A equivalência conceitual avaliou se houve equivalência semântica, porém, com conceitos diferentes, em razão da cultura de cada população.

Iniciou-se, então, a terceira etapa, a fase de pré-teste, com aplicação da primeira versão do questionário em português.

Utilizou-se o método de entrevista, o mesmo referido na literatura(3), como a melhor forma de aplicação do questionário SSQ. O entrevistador apresentou oralmente cada questão e os participantes pontuaram de 0 a 10 o seu desempenho comunicativo, em cada situação questionada. Os participantes foram informados que, na escala de respostas, o 10 significava que eram perfeitamente capazes de executar o que estava descrito na questão e o zero, que poderiam ser incapazes de realizar a situação investigada. Além disso, havia a opção denominada "não aplicável", nos casos em que pergunta não representasse uma situação cotidiana.

Durante a aplicação do pré-teste do questionário, foi acrescida uma pergunta referente à compreensão, ou não, da questão pelo indivíduo, baseada em uma escala de avaliação da compreensão. A adaptação cultural seria necessária para aquelas perguntas classificadas como de difícil compreensão por um número de participantes maior que 15% da amostra estudada, de acordo com os critérios estabelecidos(11).

Quando identificada dificuldade de compreensão em determinada questão no período pré-teste, o comitê de especialistas novamente se reuniu, revisou e modificou as questões, de forma que o contexto não fosse alterado. Neste caso, após as modificações, gerou-se nova versão do SSQ em português e esta foi aplicada em outro grupo piloto – Grupo Piloto 2 –, buscando a equivalência cultural de todas as questões.

Participaram do presente estudo 40 indivíduos, selecionados a partir dos seguintes critérios de inclusão: ter idade entre 18 anos e 50 anos; apresentar audição normal, ou seja, limiares auditivos de via aérea nas frequências 500, 1000 e 2000 Hz, até 25 dBNA(12); ter nacionalidade brasileira e ser alfabetizado no português.

A primeira versão do questionário SSQ foi aplicada no Grupo Piloto 1, composto por 20 indivíduos, sendo cinco do gênero masculino e 15 do gênero feminino, com média de idade de 38 anos e 8 meses e escolaridade média de dez anos e seis meses.

Após a reformulação das questões, iniciou-se a aplicação da segunda versão do SSQ em português, no Grupo Piloto 2. Foram entrevistados 20 indivíduos adultos, seguindo os mesmos critérios de elegibilidade. Este grupo foi composto por um sujeito do gênero masculino e 19 do gênero feminino, com média de idade de 22 anos e 8 meses e escolaridade média de 13 anos e três meses.

Para análise dos dados, usou-se a análise descritiva e a confiabilidade foi estimada utilizando-se a análise de consistência interna (Alfa de Cronbach). O coeficiente Alfa (α) mede a correlação entre respostas em um questionário, por meio da análise do perfil das respostas dadas pelos respondentes. Trata-se de uma correlação média entre perguntas. Considerando que todos os itens de um questionário utilizam a mesma escala de medição, o coeficiente α é calculado a partir da variância dos itens individuais e da variância da soma dos itens de cada avaliador. A consistência interna varia entre zero e um. Geralmente, considera-se que α de 0,6 a 0,7 indica fiabilidade aceitável e, acima de 0,8, indica boa fiabilidade.

RESULTADOS

Os primeiros 20 participantes entrevistados para avaliar a compreensão do questionário, na fase de pré-teste – Grupo Piloto 1, apresentaram dificuldade de compreensão apenas nas questões número 14 da Parte 2 e na questão número 5 da Parte 3. As demais questões foram compreendidas por 85% ou mais dos participantes (Quadro 1).

Quadro 1 Distribuição da frequência e porcentagem de compreensão das questões do questionário SSQ no Grupo Piloto 1 

Parte 1
Parte 2
Parte 3
Questão Frequência Porcentagem Questão Frequência Porcentagem Questão Frequência Porcentagem
Q1 20 100% Q1 20 100% Q1 18 90%
Q2 18 90% Q2 20 100% Q2 19 95%
Q3 17 85% Q3 20 100% Q3 19 95%
Q4 20 100% Q4 20 100% Q4 20 100%
Q5 19 95% Q5 20 100% Q5 15 75%*
Q6 17 85% Q6 20 100% Q6 18 90%
Q7 20 100% Q7 20 100% Q7 20 100%
Q8 19 95% Q8 17 85% Q8 20 100%
Q9 20 100% Q9 19 95% Q9 20 100%
Q10 20 100% Q10 18 90% Q10 20 100%
Q11 19 95% Q11 17 85% Q11 18 90%
Q12 20 100% Q12 20 100% Q12 20 100%
Q13 20 100% Q13 19 95% Q13 20 100%
Q14 20 100% Q14 11 55%* Q14 18 90%
      Q15 18 90% Q15 19 95%
      Q16 20 100% Q16 19 95%
      Q17 17 85% Q17 20 100%
      Q18 20 100% Q18 20 100%

*Questões cuja compreensão foi inferior a 85% Legenda:SSQ = Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale; Parte 1 = Audição para a fala; Parte 2 = Audição espacial; Parte 3 = Qualidades da audição

As duas questões reavaliadas pelo comitê de especialistas e revisadas completaram a nova versão do SSQ em português, que foi aplicada no Grupo Piloto 2. Foi possível observar que as adaptações realizadas nas duas questões foram efetivas, já que não foram verificadas discordâncias importantes e a compreensão de todas as questões foi acima de 91,6% (Quadro 2). Assim, passou-se a considerar esta versão como definitiva (Anexo 1).

Quadro 2 Distribuição da frequência e porcentagem de compreensão das questões do questionário SSQ no Grupo Piloto 2 

Parte 1
Parte 2
Parte 3
Questão Frequência Porcentagem Questão Frequência Porcentagem Questão Frequência Porcentagem
Q1 20 100% Q1 20 100% Q1 20 100%
Q2 20 100% Q2 20 100% Q2 20 100%
Q3 20 100% Q3 20 100% Q3 20 100%
Q4 20 100% Q4 20 100% Q4 20 100%
Q5 20 100% Q5 20 100% Q5 20 100%
Q6 20 100% Q6 20 100% Q6 20 100%
Q7 20 100% Q7 20 100% Q7 20 100%
Q8 20 100% Q8 20 100% Q8 20 100%
Q9 20 100% Q9 20 100% Q9 20 100%
Q10 20 100% Q10 20 100% Q10 20 100%
Q11 20 100% Q11 20 100% Q11 20 100%
Q12 20 100% Q12 20 100% Q12 20 100%
Q13 20 100% Q13 20 100% Q13 20 100%
Q14 20 100% Q14 19 91,6% Q14 20 100%
      Q15 19 91,6% Q15 20 100%
      Q16 19 91,6% Q16 20 100%
      Q17 20 100% Q17 20 100%
      Q18 20 100% Q18 20 100%

Legenda: SSQ = Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale; Parte 1 = Audição para a fala; Parte 2 = Audição espacial; Parte 3 = Qualidades da audição

As médias, desvios padrão, pontuações mínimas e máximas dos itens do SSQ em português estão apresentados na Tabela 1. Os índices médios da Parte 1, Parte 2 e Parte 3 variaram de 5,8 a 9,4 pontos. Os desvios padrão variaram de 0,57 a 3,32, evidenciando sensibilidade à variação e poder discriminativo entre os indivíduos.

Tabela 1 Análise descritiva de cada questão dos três domínios do SSQ (Partes 1, 2 e 3) 

  Questão Média Desvio padrão Mínimo Máximo
Parte 1 Q1 7,8 2,32 2 10
  Q2 9,7 0,57 8 10
  Q3 9,0 1,48 5 10
  Q4 8,3 2,08 2 10
  Q5 7,9 2,48 0 10
  Q6 7,0 1,87 3 10
  Q7 8,6 1,34 6 10
  Q8 8,0 2,02 3 10
  Q9 8,4 1,78 3 10
  Q10 5,8 3,32 0 9
  Q11 7,9 2,10 3 10
  Q12 8,2 1,74 4 10
  Q13 9,7 0,57 8 10
  Q14 5,9 3,15 0 9

Parte 2 Q1 8,0 2,05 1 10
  Q2 8,0 2,17 1 10
  Q3 9,1 2,14 1 10
  Q4 8,9 2,18 1 10
  Q5 7,7 2,12 1 10
  Q6 8,5 2,13 1 10
  Q7 8,2 2,19 1 10
  Q8 7,8 2,45 1 10
  Q9 8,1 1,98 1 10
  Q10 7,7 2,07 1 10
  Q11 8,3 2,29 1 10
  Q12 8,7 2,01 1 10
  Q13 8,7 2,02 1 10
  Q14 9,2 2,04 1 10
  Q15 6,8 2,54 1 10
  Q16 6,7 2,59 1 10
  Q17 7,9 2,25 1 10

Parte 3 Q1 9,5 1,05 6 10
  Q2 8,8 1,49 6 10
  Q3 9,2 1,15 6 10
  Q4 9,1 1,25 6 10
  Q5 9,3 1,03 7 10
  Q6 9,6 0,81 7 10
  Q7 7,9 2,19 3 10
  Q8 9,4 0,94 7 10
  Q9 9,3 1,03 7 10
  Q10 9,4 1,14 5 10
  Q11 9,2 1,39 5 10
  Q12 9,0 2,08 1 10
  Q13 9,2 1,05 7 10
  Q14 7,9 2,35 0 10
  Q15 8,3 2,27 0 10
  Q16 8,3 2,35 3 10
  Q17 9,1 1,13 7 10
  Q18 8,3 2,03 1 10

Legenda: SSQ = Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale; Parte 1 = Audição para a fala; Parte 2 = Audição espacial; Parte 3 = Qualidades da audição

Os 49 itens do SSQ em português produziram um Alfa de Cronbach de 0,94, indicando elevada consistência interna. As subescalas (domínios) também apresentaram boa confiabilidade (Tabela 2).

Tabela 2 Medidas de consistência interna por domínios e total do questionário SSQ em Português 

SSQ Número de itens Alpha de Cronbach
Parte 1 14 0,910
Parte 2 17 0,977
Parte 3 18 0,850

Total 49 0,946

Legenda: SSQ = Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale; Parte 1 = Audição para a fala; Parte 2 = Audição espacial; Parte 3 = Qualidades da audição

DISCUSSÃO

O questionário Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale - SSQ é uma importante ferramenta subjetiva para avaliação da audição. É composto por 49 questões relacionadas à audição em situações cotidianas. As perguntas estão divididas em três partes: audição para os sons da fala, audição espacial e qualidades da audição. O SSQ já foi traduzido para diversos idiomas e utilizado na prática clínica, em vários países(2-4), porém, no Brasil nunca foi utilizado, pois não havia sua versão em Português Brasileiro.

A metodologia empregada(11) para tradução e adaptação cultural do questionário SSQ já foi utilizada para traduzir outros instrumentos de avaliação(13-15) e, em todos os casos, assim como na tradução do SSQ para o Português Brasileiro, se apresentou eficiente.

O uso de uma sistemática mais detalhada para a tradução e a adaptação cultural de um questionário foi fundamental para que fossem localizadas as dificuldades de sua equivalência, mostrando-se um método mais adequado que a simples tradução e retrotradução do instrumento. A presente adaptação constatou um nível bastante satisfatório de equivalência semântica entre a versão em português e o original em inglês. Poucos itens originais tiveram que ser adaptados, toda a escala recebeu tratamento linguístico, tanto sob o ponto de vista contextual, como em relação ao processo de tradução literal.

O questionário Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ) se mostrou de fácil compreensão e aplicabilidade clinica, como já demonstrado na literatura(2-4). Acredita-se que o SSQ, no português, contribuirá para a avaliação clinica dos indivíduos com dificuldades auditivas, bem como, auxiliará no planejamento e na avaliação de resultados da reabilitação auditiva.

A consistência interna é uma forma de medida baseada na correlação entre diferentes itens no mesmo teste (ou entre as mesmas subescalas em um teste mais longo). A versão final do SSQ em português revelou um alto coeficiente Alfa de Cronbach, tanto na avaliação por domínio, quanto na análise dos três conjuntos de perguntas agrupados, ou seja, os itens do questionário SSQ avaliaram confiavelmente o mesmo constructo, a autopercepção do indivíduo em ambientes de escuta complexos e dinâmicos, como a audição para a fala, a audição espacial e outras qualidades auditivas do indivíduo.

A versão em português do SSQ satisfez os critérios de equivalência conceitual, de itens e de equivalência semântica. Entretanto, a fim de concluir o processo de adaptação à cultura brasileira, é necessário o teste-reteste e a validação externa, que possibilitarão o amplo uso desse instrumento. Como a validação é um processo contínuo, avaliações posteriores devem incluir amostras maiores, abrangendo diferentes populações e contextos. Propõe-se a continuidade de estudo, com a versão do SSQ adaptado culturalmente para o Português Brasileiro, por meio da análise da confiabilidade e sua validação no cenário brasileiro, selecionando amostras com número maior de participantes.

CONCLUSÃO

O procedimento de tradução para a língua portuguesa, baseado em método padronizado, mostrou-se eficaz para estabelecer a equivalência cultural para o Português Brasileiro. Obteve-se a versão do questionário Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ) em Português Brasileiro, cuja validação está em andamento.

REFERÊNCIAS

. Gatehouse S, Noble W. The Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ). Int J Audiol. 2004;43(2):85-99. doi:10.1080/14992020400050014.
. Noble, W; Tyler, RS; Dunn, CC; Bhullar, N. Younger and old-age adults with unilateral and bilateral cochlear implants: speech and spatial hearing self-ratings and performance Otol Neurotol. 2009;30(7):921-9. doi:10.1097/MAO.0b013e3181b76b3b
. Singh G, Pichora- Fuller MK. Older adults' performance on the speech, spatial and qualities of hearing scale (SSQ): test-retest reliability and a comparison of interview and self- administration methods. Int J Audiol. 2010;49(10):733-40. doi:10.3109/14992027.2010.491097.
. Banh J, Singh G, Pichora-Fuller MK. Age affects responses on the Speech, Spatial and Qualities of Hearing Scale (SSQ) by adults with minimal audiometric loss. J Am Audiol. 2012;23(2):81-91.
. Zahorik P, Rothpletz AM. Speech, spatial, and qualities of hearing scale (SSQ): normative data from young, normal-hearing listeners. J Acoust Soc Am. 2015;21:050007. doi:10.1121/2.0000018
. Akeroyd MA, Guy FH, Harrison DL, Suller SL. A factor analysis of the SSQ (Speech, Spatial, and Qualities of Hearing Scale). Int J Audiol. 2014;53(2):101-14. doi:10.3109/14992027.2013.824115
. Kiessling J, Grugel L, Meister H, Meis M. Übertragung der fragebögen SADL, ECHO und SSQ ins Deutsche und deren Evaluation. Z Audio. 2011;50:6-16.
. Köbler S, Lindblad AC, Olofsson A, Hagerman B. Successful and unsuccessful users of bilateral amplification: differences and similarities in binaural performance. Int J Audiol. 2010;49(9):613-27. doi:10.3109/14992027.2010.481774.
. Most T, Adi-Bensaid L, Shpak T, Sharkiya S, Luntz M. Everyday hearing functioning in unilateral versus bilateral hearing-aid users. Am J Otolaryngol. 2012;33(2):205-11. doi:10.1016/j.amjoto.2011.06.001.
. Wieringen A, De Voecht K, Bosman AJ, Wouters J. Functional benefit of the bone-anchored hearing aid with different auditory profiles: objective and subjective measures. Clin Otolaryngol. 2011;36(2):114-20. doi:10.1111/j.1749-4486.2011.02302.x.
. Guilemin F, Bombardier C, Beaton D. Cross-cultural adaptation of health-related quality of life measures: literature review and proposed guidelines. J Clin Epidemiol. 1993;46(12):1417-32. doi:10.1016/0895-4356(93)90142-N.
. Lloyd LL, Kaplan H. Audiometric interpretation: a manual o basic audiometry. Baltimore: University Park; 1978.
13.  . Ferreira PEA, Cunha F, Onishi ET, Branco-Barreiro FC, Ganança FF.Tinnitus handicap inventory: adaptação cultural para o Português Brasileiro. Pró-Fono. 2015;17(3):303-10. doi:10.1590/S0104-5687200500030000
. Nigri PZ, Peccin MS, Almeida GJM, Cohen M. Tradução, validação e adaptação cultural da escala de atividade de vida diária. Acta Ortop Bras. 2007;15(2):101-4. doi:10.1590/S1413-78522007000200009
. Michels MJ, Coral MHC, Sakae TM, Damas TB, Furlanetto LM. Questionário de atividades de autocuidado com o diabetes: tradução, adaptação e avaliação das propriedades psicométricas. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2010;54(7):644-51. 10.1590/S0004-27302010000700009
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.