Associação entre equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário, atividade física e índice de massa corporal de crianças

Associação entre equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário, atividade física e índice de massa corporal de crianças

Autores:

Gerson Luis de Moraes Ferrari,
Timóteo Leandro Araújo,
Luis Carlos Oliveira,
Victor Matsudo,
Mauro Fisberg

ARTIGO ORIGINAL

Jornal de Pediatria

versão impressa ISSN 0021-7557versão On-line ISSN 1678-4782

J. Pediatr. (Rio J.) vol.91 no.6 Porto Alegre nov./dez. 2015

http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2015.01.009

Introdução

O comportamento sedentário, como, por exemplo, a presença de equipamentos eletrônicos (TV, computador e jogos de vídeo) no quarto das crianças, é altamente prevalente durante a infância1 e pode ser associado com riscos à saúde.2 No Brasil e em outros países, as diretrizes de saúde pública recomendam que crianças devem minimizar a quantidade de tempo gasto em comportamento sedentário por períodos prolongados.3,4 Já a Academia Americana de Pediatria recomenda que os pais devem remover os equipamentos eletrônicos dos quartos das crianças.5

Pelo fato de 78,6% das crianças brasileiras assistirem > 2 horas/dia de TV,6 a influência dos equipamentos eletrônicos no estilo de vida das crianças tem sido uma área chave de pesquisas,7,8 como, por exemplo, o impacto dos equipamentos eletrônicos no quarto.9 Estudos feitos em países desenvolvidos têm encontrado valores elevados de adiposidade10,11 e baixo nível de atividade física12 naquelas crianças que têm equipamentos eletrônicos no quarto. Além disso, em uma amostra representativa de crianças inglesas participantes do Sport, Physical Activity, and Eating Behaviour: Environmental Determinants in Young People (Speedy), Atkin et al.9 verificaram médias maiores de tempo sedentário (avaliado de forma objetiva) nas crianças que tinham TV e computador no quarto do que naquelas que não tinham.

A avaliação objetiva da atividade física medida por acelerômetro fornece dados detalhados que representam intensidades de atividade física, como por exemplo atividade física de moderada a vigorosa (AFMV) e até mesmo o tempo sedentário. Estudos que usam acelerômetros têm se tornado mais comuns nas pesquisas de atividade física na infância em todo o mundo.8 Por outro lado, o número de estudos em países em desenvolvimento, como o Brasil, que usaram acelerômetros ainda é muito pequeno. Assim, o objetivo deste estudo é descrever a associação entre equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário e atividade física, ambos avaliados por acelerometria, além do índice de massa corporal (IMC) em crianças de São Caetano do Sul, Brasil.

Material e métodos

Amostra do estudo

Este estudo faz parte do International Study of Childhood Obesity, Lifestyle, and the Environment (Iscole), que se caracteriza por ser do tipo transversal multicêntrico e é feito em 12 países.8 Detalhes do ISCOLE foram apresentados anteriormente.8

O presente estudo se concentra nos dados coletados em São Caetano do Sul, São Paulo, Brasil, com 15,3 km2 e um clima subtropical. A população em 2013 era de 149.263 habitantes, incluindo 1.557 crianças (812 meninos e 745 meninas) de 10 anos.13 A principal atividade da cidade é serviço de economia13 e tem o melhor Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil (0,86).14

Inicialmente foi feito um contato com a Secretaria de Educação e em seguida o convite para a participação no projeto. Após a aprovação, o projeto foi apresentado para cada escola, bem como ao conselho dos pais; depois de obter as autorizações, o projeto foi implantado em cada escola. Todas as crianças da 5a série do ensino fundamental foram convidadas a participar.

Existe uma variabilidade no nível socioeconômico entre as escolas de São Caetano do Sul. As escolas públicas representam a classe socioeconômica mais baixa e média baixa, enquanto que as escolas particulares refletem a classe média e média alta. Foram geradas listas aleatórias de escolas de ensino fundamental considerando a quantidade (16 públicas e quatro particulares) e elas foram selecionadas de cada lista na proporção de quatro (pública) para um (particular). Quando uma escola recusou-se a participar, foi substituída pela escola seguinte da lista. Vinte escolas foram selecionadas, a fim de obter uma amostra de 25-30 crianças de cada escola.

Os dados foram coletados entre março de 2012 e abril de 2013 e todas as avaliações foram feitas durante uma semana inteira por escola. Todas as atividades de coleta e gerenciamento de dados foram feitas e monitoradas de acordo com os procedimentos de controle de qualidade implantados pelo centro coordenador do Iscole.8

Foram avaliadas 564 crianças (277 meninos e 287 meninas) que atenderam aos seguintes critérios de inclusão: (a) ter entre 9 e 11 anos; (b) estar regularmente matriculado em uma escola de São Caetano do Sul; e (c) não ter limitações clínicas ou funcionais que impedissem a prática da atividade física diária. Depois dos critérios de exclusão (dados inválidos de equipamentos eletrônicos e de acelerometria), a amostra final incluiu 441 crianças (216 meninos e 225 meninas). Antes de participar, os pais e/ou responsáveis pelas crianças assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido de acordo com a resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde do Brasil. O protocolo do estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal de São Paulo, Brasil.

Equipamentos eletrônicos

A presença e o tipo (TV, computador e jogos de vídeo) dos equipamentos eletrônicos no quarto das crianças foram reportados pelo Neighbourhood and Home Environment Questionnaire.8 Para a adaptação do questionário, três profissionais da área da saúde foram convidados a participar da respectiva etapa. Foram enviadas informações detalhadas sobre o questionário, fizeram-se reuniões separadamente com cada profissional, até que se chegasse a um consenso referente à composição do questionário, às questões, às formas de respostas que eram solicitadas, bem como às formas de análises dos resultados. Os pais e/ou responsáveis responderam o questionário referente a TV, computador e jogos de vídeo no quarto das crianças e as respostas para cada item era "sim" ou "não".

Acelerometria

O Actigraph GT3X acelerômetro (ActiGraph®, EUA) foi usado para monitorar objetivamente o tempo sedentário e a AFMV. O acelerômetro foi usado na cintura em um cinto elástico, na linha axilar média do lado direito. Os participantes foram incentivados a usar o acelerômetro 24 horas/dia por pelo menos sete dias (mais um dia de familiarização inicial e na manhã do último dia), incluindo dois dias de fim de semana. A quantidade mínima de dados do acelerômetro que foi considerada aceitável para fins de análise foi de quatro dias (incluindo pelo menos um dia de fim de semana), com pelo menos 10 horas/dia de tempo de uso, após a remoção na hora do sono.15,16

Após o último dia de coleta de dados, a equipe de pesquisa foi para a escola para retirar os acelerômetros. A equipe de investigação verificou se os dados estavam completos com a versão mais recente do software Actilife (ActiGraph®, version 5.6, EUA) disponível no momento. Nove participantes que não forneceram dados suficientes durante o monitoramento inicial usaram o acelerômetro na segunda semana para garantir que os requisitos mínimos de dados fossem atendidos. Os dados foram coletados em uma taxa de amostragem de 80 Hz, baixados em períodos de um segundo, e foram agregados para períodos de 15 segundos.17

Optamos por usar a contagem de counts para pontos de corte de acelerômetros estabelecido por Evenson et al.17 para períodos de 15 segundos. Especificamente, no cálculo dos dados usamos o ponto de corte de ≤ 25 counts/15 segundos para o tempo sedentário e ≥ 574 counts/15 segundos para AFMV.17 Os pontos de corte capturam a natureza esporádica de atividades das crianças e proporcionam a melhor precisão da classificação entre os pontos de corte atualmente disponíveis para a atividade física em crianças.15

Composição corporal

As variáveis de composição corporal incluídas no estudo foram: estatura, massa corporal e IMC. Uma bateria de medidas antropométricas foi feita de acordo com procedimentos padronizados.8 A estatura foi medida com as crianças sem sapatos por um estadiômetro portátil Seca 213 (Seca®, Hamburgo, Alemanha), com a cabeça no plano de Frankfurt. A massa corporal foi medida com uma balança Tanita SC-240, analisador portátil de composição corporal (Tanita®, EUA), após as crianças removerem itens pesados do bolso, sapatos e meias.2 Duas medidas foram obtidas e a média foi usada na análise (a terceira medida foi obtida se as duas primeiras medições tivessem diferença maior de 0,5 kg ou 2,0% de distância para a massa corporal).

O IMC (kg/m2) foi calculado a partir da estatura e da massa corporal e posteriormente o z-score foi calculado com base nos dados de referência de crescimento da Organização Mundial de Saúde (OMS). As crianças foram classificadas como: eutrófico: < + 1 DP; excesso de peso > + 1 DP a 2 DP; e obesidade: > + 2 DP.18

Covariáveis

Um pai ou responsável legal foi convidado a preencher o Neighbourhood and Home Environment Questionnaire, que incluía questões relacionadas com o histórico de saúde da criança e renda familiar anual e as perguntas foram feitas separadamente para os pais.8 A renda familiar anual (R$) foi usada como indicador de nível socioeconômico e classificada em oito categorias que representam níveis crescentes de renda, tais que famílias com menor renda foram classificadas na primeira categoria e aquelas com a maior renda estavam na maior categoria. Devido à variabilidade no nível socioeconômico entre as escolas públicas e particulares, ajustamos a análise multivariada para o tipo de escola.

Análise estatística

Foi calculada análise descritiva, incluindo média, desvio-padrão (DP) frequência e porcentagem (%), e o teste de Kolmogorov-Smirnov foi usado para avaliar a distribuição dos dados. Foi feito o teste t de Student para comparar as médias das variáveis contínuas (tempo sedentário, AFMV e IMC) com a presença ou não de cada equipamento eletrônico no quarto das crianças.19

Nas análises, a quantidade total de equipamentos eletrônicos no quarto das crianças também foi agrupada em: nenhum, um, dois ou três equipamentos eletrônicos. A comparação entre a quantidade total dos equipamentos eletrônicos no quarto (nenhum, um, dois ou três) com as médias das variáveis contínuas foi feita pela análise de variância com um fator, seguida pelo método de comparações multiplas de Bonferroni.

Foi feita a análise de regressão linear múltipla pelo método Enter para examinar a associação entre os equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário, AFMV e IMC, ajustada para sexo, escola e renda familiar anual. Foi usado o Statistical Analysis System (SAS Institute Inc., EUA) para as análises e foi considerado p< 0,05.19

Resultados

Das 441 crianças, 216 (49%) eram meninos e a maioria tinha TV (326; 73,9%) e computador no quarto (239; 54,2%). Referente aos jogos de vídeo, 189 (42,8%) das crianças tinham no quarto. A média do tempo sedentário e da AFMV foi de 500,7 e 59,1 min/dia, respectivamente (Tabela 1).

Tabela 1 Características descritivas (média [DP] ou n [%]) dos equipamentos eletrônicos, tempo sedentário, AFMV, IMC e renda familiar anual das crianças 

Média (DP) ou n (%)
Sexo (n=441)
Meninos 216 (49%)
Meninas 225 (51%)
TV no quarto (n=441) 326 (73,9%)
Computador no quarto (n=441) 239 (54,2%)
Jogos de vídeo no quarto (n=441) 189 (42,8%)
Acelerometria (n=441)
Tempo sedentário (min/dia) 500,7 (66,6)
AFMV (min/dia) 59,1 (25,7)
IMC (kg/m2) (n = 441) 19,8 (4,5)
Categorias de IMC (ponto de corte OMS)18(n=441)
Eutrófico 241 (54,7%)
Excesso de peso 102 (23,1%)
Obeso 98 (22,2%)
Renda familiar anual (n=382)
Menos do que R$ 6.540 8 (2,1%)
R$ 6.540‐19.620 138 (36,1%)
R$ 19.620,01‐32.700 101 (26,4%)
R$ 32.700,01‐45.780 49 (12,8%)
R$ 45.780,01‐58.860 32 (8,4%)
R$ 58.860,01‐71.940 24 (6,3%)
R$ 71.940,01‐85.020 16 (4,2%)
Mais do que R$ 85.020,01 14 (3,7%)

AFMV, atividade física de moderada a vigorosa; min, minutos; IMC, índice de massa corporal; OMS, Organização Mundial da Saúde; R$, real do Brasil.

A média do IMC foi 19,8 kg/m2. Baseados nos pontos de corte propostos pela OMS,18 encontramos 54,7% eutróficos, 23,1% com excesso de peso e 22,2% obesos (45,3% das crianças estavam com excesso de peso/obeso).

No que se refere à renda familiar anual, a maior parte das famílias tinham renda entre R$ 6.540-R$ 19.620 (138; 36,1%) ou R$ 19.620,01-R$ 32.700 (101; 26,4%) por ano.

A Tabela 2 mostra que não houve diferença significativa entre as médias do tempo sedentário com a presença ou não de equipamentos eletrônicos no quarto, tanto na amostra inteira quanto por sexo.

Tabela 2 Análise descritiva (média e DP) do tempo sedentário, AFMV e IMC de acordo com a presença ou não de equipamentos eletrônicos no quarto das crianças 

TV Computador Jogos de vídeo
Sim Não pa Sim Não pa Sim Não pa
Tempo sedentário (min/dia) Total 501,4 (69,4) 497,9 (63,8) 0,616 504,6 (72,2) 495,0 (62,0) 0,130 500,6 (66,8) 501,3 (66,8) 0,905
Meninos 491,7 (72,6) 493,4 (64,3) 0,870 494,1 (73,5) 488,4 (65,8) 0,545 494,8 (69,3) 491,2 (66,2) 0,707
Meninas 510,7 (65,0) 502,2 (63,5) 0,381 515,3 (69,6) 501,0 (58,0) 0,094 513,9 (59,1) 506,5 (66,7) 0,429
AFMV (min/dia) Total 58,4 (26,4) 61,1 (23,8) 0,294 57,3 (25,8) 61,2 (25,7) 0,117 55,4 (27,2) 64,1 (24,0) < 0,001b
Meninos 70,4 (28,3) 71,0 (24,6) 0,878 69,6 (26,1) 72,0 (29,0) 0,512 68,1 (26,6) 72,2 (28,5) 0,283
Meninas 46,8 (18,0) 51,6 (18,7) 0,091 45,0 (18,8) 51,4 (17,2) 0,009b 49,0 (17,9) 45,4 (18,4) 0,188
IMC (kg/m2) Total 19,9 (4,5) 19,2 (4,0) 0,102 20,1 (4,8) 19,3 (3,9) 0,054 20,1 (4,9) 19,4 (3,9) 0,100
Meninos 20,0 (4,9) 19,2 (4,0) 0,185 20,4 (5,4) 19,2 (3,5) 0,030b 20,0 (5,0) 19,4 (3,8) 0,325
Meninas 19,8 (4,2) 19,2 (4,1) 0,327 19,7 (4,2) 19,5 (4,3) 0,609 20,3 (4,7) 19,4 (4,0) 0,178

TV, televisão; AFMV, atividade física de moderada a vigorosa; IMC, índice de massa corporal.

aTeste t de Student p< 0,05.

bComparação entre presença ou não de equipamentos eletrônicos no quarto.

Para as médias de AFMV, não encontramos diferença significativa na presença ou não de TV no quarto. Referente à presença ou não de computador no quarto, não foi encontrada diferença significativa entre as médias da AFMV na amostra inteira ou nos meninos. Já nas meninas, aquelas que não tinham computador no quarto faziam em média 6,4 min/dia de AFMV a mais do que as que tinham (p = 0,009). Para a presença ou não de jogos de vídeo no quarto, foi encontrada diferença significativa entre as médias da AFMV (p< 0,001). Aqueles que não tinham jogos de vídeo no quarto faziam mais de 8 min/dia de AFMV do que aqueles que tinham.

Não encontramos diferença significativa nas médias do IMC na presença ou não de TV no quarto. Já os meninos que tinham computador no quarto tinham em média 1,2 kg/m2 de IMC a mais do que aqueles que não tinham (p = 0,030). As médias do IMC não tiveram diferenças quando as crianças tinham ou não jogos de vídeo no quarto (Tabela 2).

A Figura 1 mostra que não houve diferença significativa entre as médias do tempo sedentário com a quantidade de equipamentos eletrônicos no quarto das crianças, tanto na amostra inteira ou por sexo.

Figura 1 Média do tempo sedentário (A), AFMV (B) e IMC (C) de acordo com o número de equipamentos eletrônicos no quarto das crianças. Análise de variância com um fator seguida pelo método de Bonferroni (p < 0,05). AFMV, atividade física de moderada a vigorosa; IMC, índice de massa corporal.* Diferença entre nenhum e dois ou três equipamentos eletrônicos.n = 77 (nenhum equipamento eletrônico); n = 111 (um equipamento eletrônico); n = 253 (dois ou três equipamentos eletrônicos). 

Para as médias de AFMV foi encontrada diferença significativa entre nenhum e dois ou três equipamentos eletrônicos no quarto, tanto na amostra inteira quanto por sexo. Em ambos os sexos combinados, crianças que não tinham equipamentos eletrônicos no quarto faziam em média (6,2 min/dia) mais AFMV do que aquelas que tinham dois ou três. Nos meninos, a diferença de AFMV foi de 5,2 min/dia e nas meninas 7,2 min/dia.

Para o IMC, foi encontrada diferença significativa entre as médias de acordo com a quantidade de equipamentos eletrônicos no quarto. Crianças que não tinham equipamentos eletrônicos no quarto tinham menor média de IMC do que aquelas que tinham dois ou três.

Para a amostra inteira, a Tabela 3 apresenta os resultados da análise de regressão multivariada, ajustada para sexo, escola e renda familiar anual, e descreve a associação entre a presença de equipamentos eletrônicos no quarto com o tempo sedentário, AFMV e IMC. Não houve associação significativa entre qualquer um dos equipamentos eletrônicos, até mesmo quando combinados na análise multivariada com o tempo sedentário.

Tabela 3 Análise ajustada entre equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário, AFMV e IMC das crianças 

Equipamentos eletrônicos no quarto Tempo sedentário AFMV IMC (kg/m2)
β coeficiente IC95% pa β coeficiente IC95% pa β coeficiente IC95% pa
TV 5,289 ‐10,248, 20,825 0,504 ‐3,24 ‐8,634, 2,155 0,238 0,838 ‐0,138, 1,815 0,092
Computador 8,157 ‐5,394, 21,708 0,237 ‐4,798 ‐9,508, ‐0,088 0,046b 0,804 ‐0,058, 1,666 0,068
Jogos de vídeo 5,92 ‐8,357, 20,196 0,415 ‐0,008 ‐5,081, 5,065 0,997 0,943 0,038, 1,849 0,041b
Combinação de TV e PC 4,1 ‐4,768, 12,967 0,364 ‐3,233 ‐6,337, ‐0,128 0,041b 0,661 0,097, 1,224 0,022b
Combinação de TV e JV 4,094 ‐4,816, 13,005 0,367 ‐1,377 ‐4,510, 1,757 0,388 0,625 0,073, 1,178 0,027b
Combinação de PC e JV 5,34 ‐3,228, 13,908 0,221 ‐2,135 ‐5,146, 0,876 0,164 0,656 0,117, 1,194 0,017b
Combinação de TV, PC e JV 3,62 ‐2,785, 10,024 0,267 ‐1,796 ‐4,044, 0,452 0,117 0,521 0,118, 0,925 0,011b

IC, intervalo de confiança de 95%; TV, televisão; PC, computador; JV, jogos de vídeo; AFMV, atividade física de moderada a vigorosa; IMC, índice de massa corporal.

aRegressão linear ajustada para sexo, escola e renda familiar anual.

bp < 0,05.

A presença de computador no quarto e a combinação de TV e computador foram associados negativamente com AFMV. Em todos os outros itens de equipamentos eletrônicos não houve associação significativa com AFMV (Tabela 3).

Encontramos associação significativa e positiva para jogos de vídeo e para a combinação de dois ou três equipamentos eletrônicos no quarto com o IMC das crianças (Tabela 3).

Discussão

O objetivo deste estudo foi descrever a associação entre equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário e atividade física, ambos avaliados por acelerometria, além do IMC em crianças de São Caetano do Sul. Os nossos resultados, mostraram que as crianças estão gastando 500,7 min/dia de tempo sedentário e 59,1 min/dia de AFMV, além de 45,3% terem excesso de peso/obesidade. A presença de equipamentos eletrônicos no quarto foi negativamente associada com AFMV. Além disso, a presença de jogos de vídeo e as combinações com dois ou três equipamentos eletrônicos no quarto foram positivamente associadas com o IMC das crianças.

Este estudo corrobora pesquisas em que mostrou associação negativa entre equipamentos eletrônicos no quarto das crianças com AFMV, avaliada por acelerômetros.20,21 Por exemplo, em um estudo com crianças dos Estados Unidos, O'Connor et al.21 usaram um ponto de corte (≥ 2.296 counts/min) diferente do nosso estudo (≥ 574 counts/15 segundos) para classificar AFMV e encontraram associação negativa (β= -2,33) entre a presença de equipamentos eletrônicos (TV, computador, jogos de vídeo e DVD) no quarto das crianças com a AFMV. O nosso estudo encontrou associação negativa entre a presença do computador (β= -4,798) e a combinação da TV e computador (β= -3,233) no quarto das crianças com AFMV. Pelo fato de outras pesquisas9,11 não encontrarem associação significativa entre equipamentos eletrônicos no quarto com AFMV, resultados de pesquisas conflitantes devem ocorrer devido à diferença comportamental individual, crianças com comportamentos "pouco saudáveis" e mais saudáveis, para assim manter o balanço energético do corpo e o massa corporal.11

Apesar de o nosso estudo não ter mostrado associação entre a presença de equipamentos eletrônicos no quarto com tempo sedentário, pesquisas de países desenvolvidos, como Canadá11 e Inglaterra,9 mostraram resultados semelhantes ao nosso estudo. Em um estudo que fez parte do Speedy Atkin et al.9 verificaram que a presença de equipamentos eletrônicos no quarto não está associada com o tempo sedentário (definido como < 100 counts/min). Alguns pesquisadores22,23 sugerem que a visualização de TV, por exemplo, pode ser um indicador geral de estilo de vida sedentário e ser apenas um indicador do tempo total do comportamento sedentário.24,25

Os nossos resultados estão de acordo com as investigações anteriores que mostrar que a presença de pelo menos dois equipamentos eletrônicos no quarto das crianças está associada ao aumento do risco de excesso de peso.11,26 Por exemplo, na análise dos dados do Iscole do Canadá e com a mesma metodologia de aplicação das medidas e instrumentos do presente estudo, Chaput et al.11 usaram a porcentagem de gordura corporal para estimar o excesso de peso. Os autores analisaram os mesmos equipamentos eletrônicos que o nosso estudo e verificaram uma associação negativa com a porcentagem de gordura corporal. Crianças com dois ou três equipamentos eletrônicos no quarto tinham maiores médias de gordura corporal do que aquelas que não tinham equipamentos eletrônicos no quarto (24,5 versos 20%).

Como exige uma combinação de recursos financeiros e de conhecimento tecnológico, a acelerometria tem desafiado pesquisadores de países em desenvolvimento. Como resultado de estudos prévios, pesquisadores brasileiros têm se baseado em questionários para quantificar o tempo sedentário e a atividade física e focado somente na quantidade de tempo de equipamentos eletrônicos, principalmente em TV.27-29 Este é o primeiro estudo brasileiro a sugerir que a presença de um ou mais equipamentos eletrônicos no quarto é associada com AFMV e IMC.

Os autores entendem que os pontos fortes deste estudo incluem a medição objetiva do tempo sedentário e da AFMV, devido às respectivas técnicas e abordagens serem raras no Brasil. A maioria das pesquisas feitas anteriormente usou questionários e medidas indiretas para avaliar a atividade física.29,30 Este estudo expande a literatura existente referente à associação de tempo sedentário e AFMV, avaliados por acelerometria com a presença de equipamentos eletrônicos no quarto das crianças. Apesar de fornecer dados de acelerometria, os autores entendem que tem algumas limitações: a natureza transversal impede a determinação das associações causa e efeito e a não representatividade da amostra impede a extrapolação dos dados para crianças brasileiras.

Este estudo fornece evidências de associações entre a presença de equipamentos eletrônicos no quarto com AFMV e IMC, independentemente do sexo, escola e renda familiar anual. Em particular, dois ou três equipamentos eletrônicos no quarto estão associadas com baixa AFMV e alto IMC. Não foram encontradas associações significativas entre equipamentos eletrônicos no quarto e tempo sedentário.

REFERÊNCIAS

1 Van den Berg MM, Benninga MA, Di Lorenzo C. Epidemiology of childhood constipation: a systematic review. Am J Gastroenterol. 2006;101:2401-2409.
2 Everhart JE, Ruhl CE. Burden of digestive diseases in the United States: Part II. Lower gastrointestinal diseases. Gastroenterology. 2009;136:741-754.
3 Gordon M, Naidoo K, Akobeng AK, Thomas AG. Cochrane review: osmotic and stimulant laxatives for the management of childhood constipation (Review). Evid Based Child Health. 2013;8:57-109.
4 Pijpers MA, Tabbers MM, Benninga MA, Berger MY. Currently recommended treatments of childhood constipation are not evidence based: a systematic literature review on the effect of laxative treatment and dietary measures. Arch Dis Child. 2009;94:117-131.
5 Vandenplas Y, Veereman-Wauters G, De Greef E, Peeters S, Casteels A, Mahler T. Probiotics and prebiotics in prevention and treatment of diseases in infants and children. J Pediatr (Rio J). 2011;87:292-300.
6 Tabbers MM, Chmielewska A, Roseboom MG, Boudet C, Perrin C, Szajewska H, et al. Effect of the consumption of a fermented dairy product containing Bifidobacterium lactis DN-173 010 onconstipation in childhood: a multicentre randomised controlledtrial (NTRTC: 1571). BMC Pediatr. 2009;9:22.
7 Nóbrega FJ, Trabulsi LR, Keller R, Franzolin MR, Alves RC, Santos MF. Effects of the prebiotic (oligosaccharide) in modified milk powder on the intestinal flora: comparison with modified milk powder without prebiotic in a double-blind study. Rev Paul Pediatr. 2004;22:205-211.
8 Bongers ME, de Lorijn F, Reitsma JB, Groeneweg M, Taminiau JA, Benninga MA. The clinical effect of a new infant formulain term infants with constipation: a double-blind, randomizedcross-over trial. Nutr J. 2007;6:8.
9 Costalos C, Kapiki A, Apostolou M, Papathoma E. The effect of a prebiotic supplemented formula on growth and stool microbiology of term infants. Early Hum Dev. 2008;84:45-49.
10 Ribeiro TC, Costa-Ribeiro H Jr, Almeida PS, Pontes MV, LeiteME, Filadelfo LR, et al. Stool pattern changes in toddlersconsuming a follow-on formula supplemented with polydex-trose and galactooligosaccharides. J Pediatr Gastroenterol Nutr.2012;54:288-90.
11 Sabater-Molina M, Larqué E, Torrella F, Zamora S. Dietary fructooligosaccharides and potential benefits on health. J Physiol Biochem. 2009;65:315-328.
12 Timm DA, Thomas W, Boileau TW, Williamson-Hughes PS, Slavin JL. Polydextrose and soluble corn fiber increase five-day fecal wet weight in healthy men and women. J Nutr. 2013;143:473-478.
13 Topping DL, Clifton PM. Short-chain fatty acids and human colonic function: roles of resistant starch and nonstarch polysaccharides. Physiol Rev. 2001;81:1031-1064.
14 Rasquin A, Di Lorenzo C, Forbes D, Guiraldes E, Hyams JS, Staiano A. Childhood functional gastrointestinal disorders: child/adolescent. Gastroenterology. 2006;130:1527-1537.
15 Mwenya B, Santoso B, Sar C, Gamo Y, Kobayashi T, Arai I. Effects of including beta 1,4-galactooligosaccharides, lactic acid bacteria or yeasts culture on methanogenesis as well as energy and nitrogen metabolism in sheep. Anim Feed Sci Technol. 2004;115:313-326.
16 Schulz KF, Altman DG, Moher D. CONSORT 2010 statement: updated guidelines for reporting parallel group randomised trials. J Pharmacol Pharmacother. 2010;1:100-107.
17 Khattree R, Naik DN. Analysis of repeated measures data. In: Khattree R, Naik DM, editors. Applied multivariate statistics with SAS software. 2 ed. Cary, NC: SAS Institute; 2003. p.151-246.
18 Rubin G, Dale A. Chronic constipation in children. BMJ. 2006;333:1051-1055.
19 Teuri U, Korpela R. Galacto-oligosaccharides relieve constipation in elderly people. Ann Nutr Metab. 1998;42:319-327.
20 Moro G, Minoli I, Mosca M, Fanaro S, Jelinek J, Stahl B. Dosage-related bifidogenic effects of galacto- and fructooligosaccharides in formula-fed term infants. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2002;34:291-295.
21 Del Ciampo IR, Galvão LC, Del Ciampo LA, Fernandes MI. Prevalência de constipação intestinal crônica em crianças atendidas em unidade básica de saúde. J Pediatr (Rio J). 2002;78:497-502.
22 Burgers R, Bonanno E, Madarena E, Graziano F, Pensabene L, Gardner W. The care of constipated children in primary care in different countries. Acta Paediatr. 2012;101:677-680.
23 Weber TK, Toporovski MS, Tahan S, Neufeld CB, de Morais MB. Dietary fiber mixture in pediatric patients with controlled chronic constipation. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2014;58:297-302.
24 Bongers ME, van Wijk MP, Reitsma JB, Benninga MA. Long-term prognosis for childhood constipation: clinical outcomes in adulthood. Pediatrics. 2010;126:e156-e162.
25 Moro GE, Stahl B, Fanaro S, Jelinek J, Boehm G, Coppa GV. Dietary prebiotic oligosaccharides are detectable in the faeces of formula-fed infants. Acta Paediatr Suppl. 2005;94:27-30.
26 Boehm G, Lidestri M, Casetta P, Jelinek J, Negretti F, Stahl B. Supplementation of a bovine milk formula with an oligosaccharide mixture increases counts of faecal bifidobacteria in preterm infants. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2002;86:F178-F181.
27 Scholtens PA, Alliet P, Raes M, Alles MS, Kroes H, Boehm G. Fecal secretory immunoglobulin A is increased in healthy infants who receive a formula with short-chain galacto-oligosaccharides and long-chain fructo-oligosaccharides. J Nutr. 2008;138:1141-1147.
28 Sairanen U, Piirainen L, Nevala R, Korpela R. Yoghurt containing galacto-oligosaccharides, prunes and linseed reduces the severity of mild constipation in elderly subjects. Eur J Clin Nutr. 2007;61:1423-1428.
29 Bouhnik Y, Achour L, Paineau D, Riottot M, Attar A, Bornet F.Four-week short chain fructo-oligosaccharides ingestion leadsto increasing fecal bifidobacteria and cholesterol excretion inhealthy elderly volunteers. Nutr J. 2007;6:42.30
30 Lamsal BP. Production, health aspects and potential food uses of dairy prebiotic galactooligosaccharides. J Sci Food Agric. 2012;92:2020-2028.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.