Avaliação da completitude da ficha de investigação dos óbitos infantis no Recife-PE, 2014

Avaliação da completitude da ficha de investigação dos óbitos infantis no Recife-PE, 2014

Autores:

Lays Janaina Prazeres Marques,
Dayane da Rocha Pimentel,
Conceição Maria de Oliveira,
Mirella Bezerra Rodrigues Vilela,
Paulo Germano de Frias,
Cristine Vieira do Bonfim

ARTIGO ORIGINAL

Cadernos Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1414-462Xversão On-line ISSN 2358-291X

Cad. saúde colet. vol.26 no.4 Rio de Janeiro out./dez. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201800040375

Abstract

Background

The investigation of child deaths performed through specific files, contributes to the availability of information on the occurrence of such events. Assessments on these instruments are scarce in the country, limiting the use of such information in the development of public policies aimed at reducing child mortality.

Objective

To evaluate the completeness of variables in child death investigation records by mortality age group, in the city of Recife, Pernambuco, Brazil.

Method

The completion of 183 child deaths investigation records was analyzed, mainly of mothers living in this capital, by the proportion of ignored or blank fields of the 123 variables contained in seven blocks of the research records and by age group (early neonatal, late neonatal, and post-neonatal).

Results

The average of overall file completion was 85.5% (regular), with higher completeness in the neonatal component, late (88.4%) as early (85.9%) and worse in the post-neonatal period (80.7%). The identification of variable blocks had the highest completeness (98.3% = excellent), while the care of children and previous diseases was the lowest (68.6% = poor).

Conclusion

There is a regular completeness of variables in child death investigation records; however, the essential information to clarify death circumstances was poorly completed.

Keywords:  child mortality; vital statistics; health evaluation; epidemiological surveillance

INTRODUÇÃO

A mortalidade infantil é um indicador clássico reconhecido por expressar o nível de vida de uma população. Apesar das dificuldades de obtenção de estimativas fidedignas, a taxa de mortalidade infantil (TMI) tem sido amplamente utilizada na avaliação do perfil de saúde materno e infantil devido à influência direta dos fatores socioambiental, econômico e de saúde 1 .

O Brasil tem apresentado avanços contínuos na diminuição da TMI, com declínio de 50% em 20 anos (1996-2016). Todas as regiões brasileiras reduziram os óbitos infantis, tendo como destaque o Nordeste, onde foi observada uma queda de 51,1%, superior à encontrada no país no mesmo período. No Estado de Pernambuco, registrou-se uma diminuição de 64%, passando de 38,6 óbitos infantis por 1.000 nascidos vivos (NV), em 1996, para 13,9/1.000 NV, em 2016. Durante esses anos, no Recife, também foi verificada uma queda de 55,2% (de 26,6/1.000 NV para 16,5/1.000 NV), sendo mais expressiva no componente pós-neonatal (28 a 365 dias), com declínio de 43,2% 2,3 .

Com o propósito de contribuir para a prevenção das mortes de crianças e a qualificação da assistência à saúde, implantou-se no Brasil a vigilância dos óbitos infantis (VOI) 4,5 . A VOI foi regulamentada em 2010 seguindo a mesma perspectiva das auditorias de mortalidade realizadas internacionalmente 5-7 . Por meio dessa estratégia, reconstitui-se o percurso assistencial da mulher e da criança com base no resgate de informações sobre o período pré-gestacional e gestacional, parto, puerpério e puericultura 6,8,9 . O processo de operacionalização da VOI envolve a identificação dos óbitos, a aplicação dos critérios de inclusão e de exclusão, a investigação epidemiológica, o resumo, a discussão e a conclusão do caso, a análise da evitabilidade, a identificação dos problemas e das medidas de prevenção e de intervenção necessárias 6 .

A investigação dos óbitos infantis é realizada utilizando fichas específicas, cuja qualidade das informações depende do preenchimento legível, adequado e consistente dos prontuários hospitalares e ambulatoriais, dos registros médicos dos serviços de necropsia e da efetividade das entrevistas domiciliares. A coleta de dados completa e precisa favorece a compreensão da cadeia de eventos que contribui para a ocorrência do óbito 8,10,11 .

As avaliações sobre as investigações do óbito infantil são escassas no país, sobretudo aquelas sobre a completitude das fichas de investigação. As pesquisas que tratam do tema frequentemente abordam o perfil epidemiológico e a evitabilidade das mortes por meio da análise das declarações de nascidos vivos e de óbitos ou inquéritos populacionais 12,13 .

Para enfrentar o desafio da redução dos óbitos infantis, é necessário dispor de informações válidas e confiáveis que possam subsidiar a análise dos fatores associados à mortalidade nesse grupo etário. Diante da magnitude do problema, a avaliação da qualidade do sistema de vigilância do óbito infantil se torna necessária para que esse importante instrumento de pesquisa venha a ser utilizado como fonte de dados que subsidiem a elaboração de políticas públicas de saúde e estratégias efetivas direcionadas à redução dos óbitos infantis. Este estudo teve por objetivo avaliar o grau de preenchimento das variáveis da ficha de investigação dos óbitos infantis por componente etário da mortalidade no Recife, Pernambuco, Brasil, em 2014.

MÉTODO

Desenho do estudo, local e período de referência

Trata-se de um estudo transversal realizado no Recife-PE, situado na região Nordeste do Brasil, cidade que, no ano de 2014, possuía 1.608.488 habitantes distribuídos em uma extensão territorial de 218 km quadrados 14 . Recife divide-se em 94 bairros aglomerados em 6 distritos sanitários (DS). O índice de desenvolvimento humano (IDH) do município é de 0,772, conferindo-lhe o 2º melhor resultado no Estado de Pernambuco 15 .

A rede básica de saúde própria do Recife é composta por 122 unidades de saúde da família (USF) e 268 equipes da estratégia saúde da família (ESF). A cobertura da ESF representa 48,4%. Há 3 unidades de pronto atendimento (UPINHAS/USF) que integram a atenção às urgências, 7 unidades de saúde especializadas, 28 equipes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS), 22 unidades básicas tradicionais de saúde e 20 núcleos de apoio à saúde da família (NASF), distribuídos no território dos DS. No que se refere à assistência materno-infantil, a rede de atenção à saúde também é constituída por 3 maternidades e 1 hospital pediátrico 15 .

Fonte de dados

A fonte de dados foi constituída pelas fichas de investigação dos óbitos de menores de 1 ano, à época do estudo, disponibilizadas pelos 6 distritos sanitários (DS) da cidade do Recife, para a elaboração do banco de dados utilizado na realização da pesquisa.

O processo de investigação e de discussão dos óbitos infantis é composto por quatro componentes e envolve a participação multiprofissional e a gestão de diversos setores, como membros da assistência à saúde e equipes de vigilância do nível central, municipal e dos DS. No primeiro componente (identificação dos óbitos infantis), as equipes da ESF e do PACS nas áreas cobertas realizam a validação do endereço da mãe, elegendo os residentes para a investigação.

No segundo componente (investigação epidemiológica), são identificadas as circunstâncias que favoreceram o óbito. Os profissionais da atenção primária e/ou da vigilância dos DS são responsáveis pela consulta aos prontuários ambulatoriais e pelas entrevistas domiciliares, enquanto as investigações hospitalares são atribuídas à equipe da vigilância dos DS e do Núcleo de Epidemiologia Hospitalar. Os serviços de necropsia são verificados pela equipe da vigilância do nível central do município.

No terceiro componente, ocorre a discussão dos casos dos óbitos e a avaliação da influência do setor saúde na ocorrência das mortes. Essa etapa é promovida pelo grupo técnico gestor da vigilância, composto pelo coordenador da vigilância do óbito dos DS, pelas equipes da ESF e do PACS, pelos profissionais dos hospitais envolvidos na atenção à gestante e à criança. Para encerrar o processo de investigação, é elaborado e enviado um relatório com propostas para as áreas específicas de promoção e atenção à saúde e correção das estatísticas oficiais de mortalidade infantil 8,12 .

População de estudo

Em 2014, foram registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) 280 óbitos infantis de mães residentes no Recife, dos quais 76 (27,1%) foram excluídos da investigação por apresentarem malformação congênita, sendo a investigação destes facultativa, devido ao seu menor potencial de evitabilidade. Dos 204 óbitos elegíveis para investigação, 21 óbitos não foram investigados, representando uma perda de 10,3%. Esse fato foi relacionado aos seguintes motivos: 10 (4,9%) óbitos não possuíam informação sobre o endereço de residência da mãe, ou houve recusa da família em participar da investigação, ou não foi possível localizar o prontuário hospitalar. Os 11 (5,4%) óbitos remanescentes tiveram a ficha extraviada, impedindo a sua localização e utilização na pesquisa. As fichas de investigação dos 183 (89,7%) óbitos restantes (94 neonatais precoces, 50 neonatais tardios e 39 pós-neonatais) foram analisadas.

Os óbitos infantis ocorridos em 2014 foram, em sua quase totalidade, hospitalares, representando 174 (95,1%), somados a 1 (0,5%) ocorrido no domicílio e 8 (4,4%) em outros estabelecimentos de saúde. Desse total, 147 (80,3%) óbitos resultaram de parto prematuro. Em relação ao tipo de parto, 112 (61,2%) nasceram de parto vaginal, e 70 (38,3%), cesáreo.

Variáveis do estudo

No Recife, a ficha de investigação dos óbitos infantis foi adaptada ao contexto local e contempla todas as variáveis obrigatórias de monitoramento pelo Ministério da Saúde. Esta ficha é composta por variáveis relacionadas com: (i) a identificação da criança e da mãe, (ii) as características da família, (iii) os dados da gestação, (iv) do pré-natal, (v) do nascimento, (vi) da puericultura, (vii) do atendimento ambulatorial e hospitalar à gestante e à criança, e (viii) a ocorrência do óbito 8 .

Foram selecionadas 123 variáveis estruturadas (fechadas) e de múltipla escolha pertencentes a 7 blocos da ficha com dados da identificação (8), características da família (13), pré-natal (20), parto e nascimento (21), puericultura e doenças anteriores (17), ocorrência do óbito (11) e conclusões da investigação (33).

Análise de dados

As variáveis foram codificadas e digitadas com dupla entrada de dados para validação (validate), checagem automática e análise de inconsistência para reduzir os possíveis erros, utilizando o programa Epi Info, versão 6.04d.

A completitude das variáveis foi analisada, segundo componentes etários, por meio da classificação da proporção de campos ignorados e em branco, considerando o sistema de escore: excelente (menos de 5% de preenchimento incompleto); bom (5 a 9,9%); regular (10 a 19,9%); ruim (20 a 49,9%) e muito ruim (50% ou mais) 16 .

Foi empregada estatística descritiva com distribuição das frequências absoluta e relativa, medida de tendência central (média) da completitude por blocos de variáveis entre os componentes etários da mortalidade. Aplicou-se o teste de Kruskal-Wallis para verificar a existência de diferenças estatisticamente significativas nas proporções de completitude das variáveis entre as fichas de cada componente etário do óbito. Foi adotado o nível de significância de 5%. As análises foram realizadas no software R, versão 3.5.0 for Windows®.

Aspectos éticos

O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco (CEP/CCS/UFPE) (Parecer nº 1.702.600), em 30 de agosto de 2016, e obteve anuência da Secretaria de Saúde do Recife (PE).

RESULTADOS

A média de preenchimento das variáveis das 183 fichas analisadas foi de 85,5% (regular) para todos os óbitos infantis e componentes etários, com melhor completitude no neonatal tardio (88,4%) e pior no pós-neonatal (80,7%). Verificou-se que apenas o bloco de variáveis das “características da família” apresentou significância estatística (p<0,05) na análise da diferença da proporção de completitude entre os componentes etários ( Tabela 1 ).

Tabela 1 Grau de preenchimento por bloco de variáveis da ficha de investigação do óbito infantil por componente etário, Recife-PE, Brasil, 2014  

Blocos Neonatal
precoce
Neonatal
tardio
Pós-neonatal Óbito infantil p-valor*
média Cl* média Cl* média Cl* média Cl*
Identificação 97,6 E 99,5 E 98,4 E 98,3 E 0,37
Características da família 71,0 R 76,7 R 64,7 R 71,0 R 0,01
Pré-natal 80,7 RE 82,7 RE 72,4 R 79,5 R 0,17
Parto e nascimento 86,6 RE 87,0 RE 77,4 R 84,8 RE 0,31
Puericultura e doenças anteriores NA - NA - 68,6 R 68,6 R NA
Ocorrência do óbito 86,3 RE 91,1 B 90,2 B 88,4 RE 0,89
Conclusões da investigação 93,2 B 93,2 B 92,9 B 93,2 B 0,73
Total 85,9 RE 88,4 RE 80,7 RE 85,5 RE

Nota: Cl* = classificação; NA = não aplicado; E = excelente; B = bom; RE = regular; R = ruim; *Teste de Kruskal-Wallis

Blocos da identificação e das características da família

Entre os dados da “identificação”, todas as variáveis tiveram preenchimento excelente, exceto raça/cor da mãe (bom), sendo o componente neonatal tardio o que teve melhor preenchimento. No bloco “características da família”, 100% das variáveis foram classificadas como ruim. No componente pós-neonatal, verificou-se, nas variáveis fonte de abastecimento de água, destino do lixo e destino dos dejetos, completitude de 69,2, 66,7 e 64,1%, respectivamente ( Tabela 2 ).

Tabela 2 Preenchimento das variáveis relacionadas à notificação, à identificação e às características da família da ficha de investigação do óbito infantil segundo componente etário, Recife-PE, Brasil, 2014  

Variáveis Neonatal precoce Neonatal tardio Pós-neonatal Óbito Infantil
n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl*
Identificação
Momento do óbito 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Idade da criança 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Sexo da criança 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Raça/cor da criança 89 (94,7) B 49 (98,0) E 38 (97,4) E 176 (96,2) E
Idade da mãe 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Raça/cor da mãe 85 (90,4) B 49 (98,0) E 36 (92,3) B 170 (92,9) B
Escolaridade 92 (97,9) E 50 (100,0) E 38 (97,4) E 180 (98,4) E
Situação conjugal 92 (97,9) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 181 (98,9) E
Características da família
Seguro privado de saúde 63 (67,0) R 38 (76,0) R 23 (59,0) R 124 (67,8) R
Renda familiar mensal 63 (67,0) R 36 (72,0) R 25 (64,1) R 124 (67,8) R
Nº de pessoas no domicílio 71 (75,5) R 39 (78,0) R 26 (66,7) R 136 (74,3) R
Nº de crianças < de 5 anos 48 (51,1) R 35 (70,0) R 23 (59,0) R 106 (57,9) R
Nº de cômodos usados como dormitório 65 (69,1) R 39 (78,0) R 24 (61,5) R 128 (69,9) R
Tipo de moradia 72 (76,6) R 39 (78,0) R 25 (64,1) R 136 (74,3) R
Material predominante da moradia 71 (75,5) R 40 (80,0) R 26 (66,7) R 137 (74,9) R
Fonte de abastecimento de água 72 (76,6) R 41 (82,0) RE 27 (69,2) R 140 (76,5) R
Destino dos dejetos 72 (76,6) R 38 (76,0) R 25 (64,1) R 135 (73,8) R
Destino do lixo 72 (76,6) R 39 (78,0) R 26 (66,7) R 137 (74,9) R
Acesso aos serviços de saúde 68 (72,3) R 40 (80,0) R 26 (66,7) R 134 (73,2) R
Disponibilidade de consultas 64 (68,1) R 36 (72,0) R 25 (64,1) R 125 (68,3) R
Quem cuidava da criança NA - NA - 27 (69,2) R 27 (69,2) R

Nota: Cl* = classificação; NA = não aplicado; E = excelente; B = bom; RE = regular; R = ruim

Blocos do pré-natal e do parto e nascimento

No bloco “pré-natal”, a completitude mais baixa foi observada nas variáveis altura da mãe e peso gestacional (31,7% = muito ruim). O componente neonatal precoce apresentou completitude ruim nas variáveis exames complementares (78,7%) e tratamento (67%). Quanto ao bloco “parto e nascimento”, a melhor completitude foi identificada na variável peso ao nascer (100%), sendo o componente neonatal tardio o que teve melhor preenchimento ( Tabela 3 ).

Tabela 3 Preenchimento das variáveis relacionadas ao pré-natal, parto e nascimento da ficha de investigação do óbito infantil segundo componente etário, Recife-PE, Brasil, 2014  

Variáveis Neonatal
precoce
Neonatal
tardio
Pós-neonatal Óbito infantil
n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl*
Pré-natal
Realização 94 (100,0) E 50 (100,0) E 36 (92,3) B 180 (98,4) E
Tipo de unidade 87 (92,6) B 45 (90,0) B 35 (89,7) B 167 (91,3) B
Mês de início 94 (100,0) E 48 (96,0) E 36 (92,3) B 178 (97,3) E
Número de consultas 94 (100,0) E 50 (100,0) E 36 (92,3) B 180 (98,4) E
Antecedentes familiares 72 (76,6) R 34 (68,0) R 22 (56,4) R 128 (69,9) R
Antecedentes pessoais 65 (69,1) R 35 (70,0) R 23 (59,0) R 123 (67,2) R
Exames complementares 74 (78,7) R 42 (84,0) RE 24 (61,5) R 140 (76,5) R
Procedimentos 77 (81,9) RE 39 (78,0) RE 25 (64,1) R 141 (77,0) R
Fatores de risco 63 (67,0) R 39 (78,0) RE 21 (53,8) R 123 (67,2) R
Complicações 81 (86,2) RE 44 (88,0) RE 30 (76,9) R 155 (84,7) RE
Tratamento 63 (67,0) R 35 (70,0) R 27 (69,2) R 125 (68,3) R
Visita do ACS 66 (70,2) R 41 (82,0) RE 28 (71,8) R 135 (73,8) R
Nº de gestações anteriores 93 (98,9) E 50 (100,0) E 37 (94,9) B 180 (98,4) E
Nº de partos vaginais 90 (95,7) E 48 (96,0) E 34 (87,2) RE 172 (94,0) B
Nº de cesáreas 90 (95,7) E 48 (96,0) E 34 (87,2) RE 172 (94,0) B
Nº de nascidos vivos 93 (98,9) E 49 (98,0) E 38 (97,4) E 180 (98,4) E
Nº de abortos 93 (98,9) E 49 (98,0) E 37 (94,9) B 179 (97,8) E
Intervalo entre as gravidezes 72 (76,6) R 40 (80,0) R 22 (56,4) R 134 (73,2) R
Peso pré-gestacional 30 (31,9) MR 20 (40,0) MR 9 (23,1) MR 59 (32,2) MR
Altura da mãe 26 (27,7) MR 21 (42,0) MR 11 (28,2) MR 58 (31,7) MR
Parto e nascimento
Fonte de dados 38 (40,4) MR 35 (70,0) R 26 (66,7) R 99 (54,1) R
Local de ocorrência 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Tipo de unidade 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Utilização de partograma 73 (77,7) R 46 (92,0) B 27 (69,2) R 146 (79,8) R
Indução do trabalho de parto 77 (81,9) RE 48 (96,0) E 34 (87,2) RE 159 (86,9) RE
Realização de TR-VDRL 85 (90,4) B 47 (94,0) B 25 (64,1) R 157 (85,8) RE
Realização de TR-HIV 72 (76,6) R 36 (72,0) R 20 (51,3) R 128 (69,9) R
Idade gestacional 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Tipo de gravidez 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Tipo de parto 94 (100,0) E 50 (100,0) E 38 (97,4) E 182 (99,5) E
Indicação para cesária 79 (84,0) RE 41 (82,0) RE 29 (7,4) RE 149 (81,4) RE
Intervenção cesária antes do trabalho de parto 89 (94,7) B 47 (94,0) B 37 (94,9) B 173 (94,5) B
Tempo de bolsa rota 51 (54,3) R 27 (54,0) R 14 (35,9) MR 92 (50,3) R
Odor do líquido amniótico 16 (17,0) MR 8 (16,0) MR 2 (5,1) MR 26 (14,2) MR
Aspecto do líquido amniótico 52 (55,3) R 26 (52,0) R 16 (41,0) MR 94 (51,4) R
Peso ao nascer 94 (100,0) E 50 (100,0) E 38 (97,4) E 182 (99,5) E
Apgar no 1º minuto 92 (97,9) E 47 (94,0) B 36 (92,3) B 175 (95,6) E
Apgar no 5º minuto 93 (98,9) E 47 (94,0) B 36 (92,3) B 176 (96,2) E
Nascimento assistido por 91 (96,8) E 47 (94,0) B 36 (92,3) B 174 (95,1) E
Tempo de permanência do RN na maternidade 94 (100,0) E 50 (100,0) E 31 (79,5) R 175 (95,6) E
Motivo de permanência > 48h 94 (100,0) E 49 (98,0) E 30 (76,9) R 173 (94,5) B
Problemas com o RN 87 (92,6) B 48 (96,0) E 29 (74,4) R 164 (89,6) RE

Nota: Cl* = classificação; E = excelente; B = bom; RE = regular; R = ruim; MR = muito ruim; ACS = Agente comunitário de saúde; TR-VDRL = Teste rápido - Venereal Disease Research Laboratory; TR-HIV = Teste rápido - Human Immunodeficiency Virus; RN = Recém nascido

Blocos da puericultura e das doenças anteriores e da ocorrência do óbito

Na análise do conjunto de variáveis relacionadas à “puericultura e às doenças anteriores” do componente pós-neonatal, constatou-se que todas as variáveis apresentaram completitude ruim. No bloco “ocorrência do óbito”, as variáveis da ficha do componente neonatal tardio obtiveram a melhor completitude. As informações sobre hipóteses diagnósticas e diagnóstico final apresentaram preenchimento regular ( Tabela 4 ).

Tabela 4 Completitude das variáveis relacionadas à puericultura, às doenças anteriores e à ocorrência do óbito da ficha de investigação do óbito infantil segundo componente etário, Recife-PE, Brasil, 2014  

Variáveis Neonatal precoce Neonatal tardio Pós-neonatal Óbito infantil
n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl*
Puericultura e doenças anteriores
Acompanhamento na atenção básica NA - NA - 31 (79,5) R 31 (79,5) R
Unidade de acompanhamento NA - NA - 31 (79,5) R 31 (79,5) R
Inscrição no programa da vigilância da criança de risco NA - NA - 27 (69,2) R 27 (69,2) R
Acompanhamento preconizado da criança de risco NA - NA - 26 (66,7) R 26 (66,7) R
Tempo de aleitamento materno exclusivo NA - NA - 27 (69,2) R 27 (69,2) R
Nº de consultas de rotina NA - NA - 28 (71,8) R 28 (71,8) R
Nº de consultas de emergência NA - NA - 26 (66,7) R 26 (66,7) R
Recebeu visita do ACS NA - NA - 25 (64,1) R 25 (64,1) R
Possui cartão da criança NA - NA - 29 (74,4) R 29 (74,4) R
Cartão da criança preenchido integralmente NA - NA - 26 (66,7) R 26 (66,7) R
Preenchido apenas o gráfico de crescimento NA - NA - 24 (61,5) R 24 (61,5) R
Preenchido apenas desenvolvimento neuropsicomotor NA - NA - 24 (61,5) R 24 (61,5) R
Preenchido apenas os registros de imunizações NA - NA - 26 (66,7) R 26 (66,7) R
Vacinação em dia NA - NA - 30 (76,9) R 30 (76,9) R
Curva de peso/idade NA - NA - 25 (64,1) R 25 (64,1) R
Desenvolvimento NA - NA - 25 (64,1) R 25 (64,1) R
Passado mórbido NA - NA - 25 (64,1) R 25 (64,1) R
Ocorrência do óbito
Local de ocorrência 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Tipo de estabelecimento 94 (100,0) E 50 (100,0) E 39 (100,0) E 183 (100,0) E
Tempo de internamento na unidade onde ocorreu o óbito 89 (94,7) B 49 (98,0) E 36 (92,3) B 174 (95,1) E
Setor de ocorrência do óbito 76 (80,9) RE 47 (94,0) B 37 (94,9) B 160 (87,4) RE
A criança/mãe veio transferida de outra unidade 91 (96,8) E 50 (100,0) E 36 (92,3) B 177 (96,7) E
Hipóteses diagnósticas 78 (83,0) RE 48 (96,0) E 37 (94,9) B 163 (89,1) RE
Condição geral por ocasião do internamento na unidade onde ocorreu o óbito 35 (37,2) MR 19 (38,0) MR 21 (53,8) R 75 (41,0) MR
Diagnóstico final 75 (79,8) RE 50 (100,0) E 39 (100,0) E 164 (89,6) RE
Necropsia 87 (92,6) B 46 (92,0) B 36 (92,3) B 169 (92,3) B
Local da necropsia 87 (92,6) B 46 (92,0) B 34 (87,2) RE 167 (91,3) B
Laudo necroscópico 86 (91,5) B 46 (92,0) B 33 (84,6) RE 165 (90,2) B

Nota: Cl* = classificação; NA = não aplicado; E = excelente; B = bom; RE = regular; R = ruim; MR = muito ruim; ACS Agente comunitário de saúde

Bloco das conclusões da investigação

No que se refere ao preenchimento do bloco das “conclusões da investigação”, todos os componentes do óbito demonstraram bom preenchimento, mas o maior percentual de completitude foi verificado no neonatal tardio. A variável falhas na assistência ao pré-natal no óbito neonatal precoce e neonatal tardio alcançou completitude de 93,6% (bom) e 96% (excelente), respectivamente ( Tabela 5 ).

Tabela 5 Preenchimento das variáveis relacionadas às conclusões da investigação da ficha de investigação do óbito infantil segundo componente etário, Recife-PE, Brasil, 2014  

Variáveis Neonatal precoce Neonatal tardio Pós-neonatal Óbito infantil
n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl* n (%) Cl*
Conclusões da investigação
Alteração da causa básica do óbito 94 (100,0) E 50 (100,0) E 38 (97,4) E 182 (99,5) E
Causas básicas depois da investigação 94 (100,0) E 50 (100,0) E 38 (97,4) E 182 (99,5) E
A investigação alterou ou corrigiu outro campo da DO além das causas de óbito? 93 (98,9) E 50 (100,0) E 37 (94,9) B 180 (98,4) E
A investigação alterou ou corrigiu a DNV? 89 (94,7) B 50 (100,0) E 37 (94,9) B 176 (96,2) E
Foram identificados problemas após a investigação 93 (98,9) E 50 (100,0) E 38 (97,4) E 181 (98,9) E
Falhas no acesso:
Ao planejamento familiar 88 (93,6) B 46 (92,0) B 38 (97,4) E 172 (94,0) B
Ao pré-natal 90 (95,7) E 49 (98,0) E 38 (97,4) E 177 (96,7) E
Ao parto 86 (91,5) B 47 (94,0) B 38 (97,4) E 171 (93,4) B
Ao RN na maternidade 90 (95,7) E 47 (94,0) B 37 (94,9) B 174 (95,1) E
À criança no centro de saúde/UBS (PSF) 92 (98,0) E 48 (96,0) E 36 (92,3) B 176 (96,2) E
À criança na urgência 91 (96,8) E 48 (96,0) E 37 (94,9) B 176 (96,2) E
À criança no hospital 90 (95,7) E 48 (96,0) E 36 (92,3) B 174 (95,1) E
A dificuldades da família 85 (90,4) B 43 (86,0) RE 36 (92,3) B 164 (89,6) RE
A causas externas 80 (85,1) RE 46 (92,0) B 36 (92,3) B 162 (88,5) RE
Falhas na assistência:
Ao planejamento familiar 87 (92,6) B 47 (94,0) B 37 (94,9) B 171 (93,4) B
Ao pré-natal 88 (93,6) B 48 (96,0) E 37 (94,9) B 173 (94,5) B
Ao parto 88 (93,6) B 47 (94,0) B 38 (97,4) E 173 (94,5) B
Ao RN na maternidade 89 (94,7) B 48 (96,0) E 36 (92,3) B 173 (94,5) B
À criança no centro de saúde/UBS (PSF) 92 (97,9) E 48 (96,0) E 35 (89,7) RE 175 (95,6) E
À criança na urgência 91 (96,8) E 48 (96,0) E 37 (94,9) B 176 (96,2) E
À criança no hospital 90 (95,7) E 48 (96,0) E 37 (94,9) B 175 (95,6) E
A dificuldades da família 86 (91,5) B 43 (86,0) RE 36 (92,3) B 165 (90,2) B
A causas externas 83 (88,3) RE 46 (92,0) B 36 (92,3) B 165 (90,2) B
Identificação de falhas:
Na cobertura da atenção primária 88 (93,6) B 47 (94,0) B 35 (89,7) RE 170 (92,9) B
Na referência e contrarreferência 82 (87,2) RE 41 (82,0) RE 34 (87,2) RE 157 (85,8) RE
No pré-natal de alto risco 81 (86,2) RE 42 (84,0) RE 33 (84,6) RE 156 (85,2) RE
No leito de UTI – gestante de alto risco 81 (86,2) RE 41 (82,0) RE 34 (87,2) RE 156 (85,2) RE
No leito de UTI neonatal 81 (86,2) RE 45 (90,0) RE 34 (87,2) RE 160 (87,4) RE
No centro de regulação 80 (85,1) RE 41 (82,0) RE 34 (87,2) RE 155 (84,7) RE
No transporte inter-hospitalar 79 (84,0) RE 41 (82,0) RE 34 (87,2) RE 154 (84,2) RE
Nos bancos de sangue 78 (83,0) RE 45 (90,0) RE 34 (87,2) RE 157 (85,8) RE
Na classificação do óbito 94 (100,0) E 48 (96,0) E 35 (89,7) RE 177 (96,7) E
Nas evidências de evitabilidade 94 (100,0) E 49 (98,0) E 36 (92,3) B 179 (97,8) E

Nota: Cl* = classificação; E = excelente; B = bom; RE = regular; R = ruim; DO = Declaração de óbito; DNV = Declaração de Nascido Vivo; RN = Recém nascido; UBS (PSF) = Unidade Básica de Saúde (Programa Saúde da Família); UTI = Unidade de Terapia Intensiva

DISCUSSÃO

A completitude das variáveis das fichas de investigação dos óbitos infantis foi regular, com as informações dos componentes neonatal precoce e neonatal tardio apresentando melhores preenchimentos quando comparadas as do pós-neonatal, em que a maioria dos blocos de variáveis foi avaliada como ruim. As variáveis do bloco “puericultura e doenças” tiveram a completitude mais baixa entre todas as fichas analisadas, provavelmente relacionada às dificuldades de acesso dos investigadores em resgatar as informações nos serviços ambulatoriais e na realização da entrevista domiciliar 17-19 .

A observação que a quase totalidade das variáveis de “identificação” foi classificada como excelente é consistente com os relatos sobre o crescente nível de adequação das estatísticas vitais brasileiras e a melhoria do preenchimento das declarações de nascido vivo e óbito, facilitando a disponibilidade de dados no processo de investigação 10,20,21 .

As variáveis do bloco “características da família” foram avaliadas como ruim, com a ausência de registros podendo comprometer a análise dos determinantes sociais dos óbitos, em particular dos pós-neonatais. São recorrentes citações do local de residência, posse de bens, condições de moradia e de saneamento entre os fatores demográficos e socioeconômicos relacionados à ocorrência dos óbitos infantis após a alta da maternidade 17-19 . Ademais, condições adversas da vizinhança e moradia também se relacionam ao nascimento prematuro, expondo a criança ao maior risco ao óbito 22-27 .

A análise de especialistas quanto à relevância de variáveis para o esclarecimento e a compreensão sobre as circunstâncias da ocorrência dos óbitos infantis assinalam as relacionadas ao pré-natal como particularmente importantes em contextos em que, mesmo com elevada cobertura das consultas pré-natais, a qualidade da assistência permanece precária, destacando as complicações, os tratamentos e os exames complementares, sobretudo para os óbitos neonatais 28 . O bloco de variáveis do “pré-natal” das fichas analisadas neste estudo quanto à completitude foi classificado como ruim, e sua melhoria é dependente da qualidade do preenchimento dos prontuários ambulatoriais de acompanhamento da gestante, sendo fundamental o registro adequado dessas informações para orientar ações de prevenção e promoção da saúde da mulher e da criança 29-31 .

Em relação à maior parte das variáveis do “parto e nascimento” ter sido classificada como excelentes, considera-se que, em muitos países, os dados do nascimento são registrados mais corretamente do que os sobre as mortes, provavelmente por se tratar de um evento positivo, que envolve grande expectativa dos pais e familiares. Outros fatores envolvem os benefícios sociais imediatos percebidos no registro pelas famílias 32,33 . O acesso aos prontuários hospitalares tem contribuído para o resgate de informações essenciais sobre os momentos do pré-parto, do parto e do nascimento, períodos imprescindíveis para uma adequada compreensão sobre os eventos vitais, nascimento e morte infantil 34 .

Quanto as variáveis sobre “puericultura e doenças anteriores”, a completitude foi ruim em todas as fichas dos óbitos pós-neonatais. Estudo prévio apontou que, sem essas informações, os esclarecimentos sobre as condições favorecedoras do óbito para esse grupo etário ficam prejudicados 35 . Uma pesquisa que avaliou a completitude dos instrumentos de investigação do óbito infantil no nível municipal também identificou menor completitude para o bloco de informações sobre a criança que teve alta da maternidade, classificado como muito ruim 17 . Quando preenchidas de forma adequada, obtêm-se dados sobre aleitamento materno, vacinação, acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento infantil, eixo estruturador de toda atenção à saúde da criança, entre outras questões relevantes. É possível que os resultados encontrados estejam associados à precariedade dos registros ambulatoriais, ausentes, ilegíveis ou ainda à dificuldade de acesso aos prontuários 18,29 .

O bom preenchimento das variáveis sobre a “ocorrência do óbito” em todos os componentes etários pode estar relacionado ao registro adequado dos prontuários e das fichas hospitalares pelas equipes do Núcleo de Epidemiologia Hospitalar, que contribuem para a investigação da assistência clínica prestada e favorecem a realização de uma vigilância completa e efetiva 5 . Assim, a precisão dessas informações permite a ampla utilização dos dados coletados na definição mais específica das causas de óbito. Uma pesquisa que avaliou a completitude das variáveis das fichas de investigação dos óbitos fetais em Jaboatão-PE aponta que os dados sobre a ocorrência dos óbitos, obtidos por meio das fichas de necropsia, contribuem para a melhor compreensão das causas dessas mortes 36 .

Com base no bom preenchimento das variáveis relacionadas à “conclusão da investigação” do óbito identificadas na presente pesquisa, é possível obter informações satisfatórias sobre o registro de óbitos, de nascidos vivos e das circunstâncias de sua ocorrência 17 . A completitude adequada das variáveis falhas na assistência ao pré-natal e à criança nas unidades básicas de saúde permite identificar aspectos fundamentais para a compreensão da ocorrência dos óbitos e classificar corretamente quanto à sua evitabilidade. A análise dessas informações contribui para a qualificação da atenção à saúde ofertada ao binômio mãe-filho, de modo que esta seja oportuna, segura e eficaz 4,28 .

As limitações inerentes a este tipo de estudo, referentes à utilização de dados secundários da ficha de investigação e à subnotificação dos óbitos infantis, podem comprometer a validade externa dos resultados obtidos. Os achados desta pesquisa, contudo, contribuem para a melhoria do sistema de vigilância do óbito infantil no Recife. A carência de estudos nesse tema, no município e no país, justifica a relevância do trabalho na produção de informações sobre a investigação dos óbitos infantis e sinaliza para a pouca atenção conferida pelas pesquisas a esse instrumento relevante para o planejamento das intervenções em saúde e redução dos óbitos evitáveis.

Constatou-se completitude regular para as fichas de investigação do óbito infantil e igualmente para todos os componentes etários. Variáveis essenciais para o esclarecimento das circunstâncias do óbito, entretanto, tiveram preenchimento incompleto, podendo comprometer a análise da cadeia de determinantes que resultam na morte de crianças e, consequentemente, na sua evitabilidade. A realização de avaliações sistemáticas da qualidade dos instrumentos de investigação dos óbitos infantis pode ajudar a melhorar o seu preenchimento com repercussões sobre as proposições que contribuam para o fortalecimento dessa estratégia.

REFERÊNCIAS

1 Victora CG, Aquino EML, Carmo Leal M, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet. 2011;377(9780):1863-76. . PMid:21561656.
2 Oliveira CM, Bonfim CV, Guimarães MJB, Frias PG, Medeiros ZM. Mortalidade infantil: tendência temporal e contribuição da vigilância do óbito. Acta Paul Enferm. 2016;29(3):282-90.
3 Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Estatísticas vitais [Internet]. 2018 [citado em 2018 Jun 1]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/inf10br.def
4 Halim A, Dewez JE, Biswas A, Rahman F, White S, van den Broek N. When, where, and why are babies dying? Neonatal death surveillance and review in Bangladesh. PLoS One. 2016;11(8):e0159388. . PMid:27478900.
5 Merali HS, Lipsitz S, Hevelone N, Gawande AA, Lashoher A, Agrawal P, et al. Audit-identified avoidable factors in maternal and perinatal deaths in low resource settings: a systematic review. BMC Pregnancy Childbirth. 2014;14(1):280. . PMid:25129069.
6 Bensaïd K, Yaroh AG, Kalter HD, Koffi AK, Amouzou A, Maina A, et al. Verbal/Social Autopsy in Niger 2012-2013: A new tool for a better understanding of the neonatal and child mortality situation. J Glob Health. 2016;6(1):010602. . PMid:26955472.
7 Stratulat P, Curteanu A, Caraus T, Petrov V, Gardosi J. The experience of the implementation of perinatal audit in Moldova. BJOG. 2014;121(Suppl 4):167-71. . PMid:25236652.
8 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de Vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. (Série A. Normas e manuais técnicos).
9 National Health Mission. Department for Education. Child death reviews: forms for reporting child deaths [citado em 2017 Jan 9]. Disponível em: http://www.nrhmhp.gov.in/sites/default/files/files/Child%20death%20Review%20guidelines.pdf
10 Dutra IR, Andrade GN, Rezende EM, Gazzinelli A. Investigação dos óbitos infantil e fetal no vale do jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Rev Min Enferm. 2015;19(3):597-604.
11 Koopman B, Karimi S, Nguyen A, McGuire R, Muscatello D, Kemp M, et al. Automatic classification of diseases from free-text death certificates for real-time surveillance. BMC Med Inform Decis Mak. 2015;15(1):53. . PMid:26174442.
12 Oliveira CM, Bonfim CVD, Guimarães MJB, Frias PG, Antonino VCS, Medeiros ZM. Vigilância do óbito infantil no Recife, Pernambuco: operacionalização, potencialidades e limites. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(2):413-9. . PMid:28492783.
13 Oliveira CM, Bonfim CV, Medeiros ZM. Mortalidade infantil e sua investigação: reflexões sobre alguns aspectos das ações da vigilância do óbito. Rev Enferm UFPE online. 2017;11(Supl. 2):1078-85.
14 Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Informações em Saúde (Tabnet) Demográficas e Socioeconômicas [Internet]. 2016 [citado em 2017 Jan 9]. Disponível em: ocihttp://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?ibge/cnv/poptpe.def
15 Recife. Prefeitura Municipal. Plano Municipal de Saúde 2014-2017. Recife: Secretaria Municipal de Saúde; 2014. 84 p.
16 Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis epidemiológicas e demográficas do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, 2002. Cad Saude Publica. 2007;23(3):701-14. . PMid:17334583.
17 Caetano SF, Vanderlei LCM, Frias PG. Avaliação da completitude dos instrumentos de investigação do óbito infantil no município de Arapiraca, Alagoas. Cad Saude Colet. 2013;21(3):309-17. .
18 Santana M, Aquino R, Medina MG. Effect of the Family Health Strategy on surveillance of infant mortality. Rev Saude Publica. 2012;46(1):59-67. . PMid:22252790.
19 Santana IP, Santos JM, Costa JR, Oliveira RR, Orlandi MHF, Mathias TAF. Aspects of infant mortality, according to an investigation of death. Acta Paul Enferm. 2011;24(4):556-62. .
20 Rodrigues M, Bonfim C, Portugal JL, de Frias PG, Gurgel IG, Costa TR, et al. Análise espacial da mortalidade infantil e adequação das informações vitais: uma proposta para definição de áreas prioritárias. Cien Saude Colet. 2014;19(7):2047-54. . PMid:25014284.
21 Frias PG, Szwarcwald CL, Lira PIC. Avaliação dos sistemas de informações sobre nascidos vivos e óbitos no Brasil na década de 2000. Cad Saude Publica. 2014;30(10):2068-2280. . PMid:25388310.
22 Barbosa TAGS, Coelho KR, Andrade GN, Bittencourt SDA, Leal MC, Gazzinelli A. Determinants of infant mortality in cities of the Jequitinhonha Valley, Minas Gerais, Brazil. Rev Min Enferm. 2014;18(4):907-14.
23 Carvalho RAS, Santos VS, Melo CM, Gurgel RQ, Oliveira CCC. Desigualdades em saúde: condições de vida e mortalidade infantil em região do nordeste do Brasil. Rev Saude Publica. 2015;49(5)
24 Damaceno AN, Bandeira D, Ramos LS, Weiller TH. Utilização da autópsia verbal na recodificação de causa básica de óbito. Rev Espaç Saude. 2015;16(1):16-28.
25 Giurgescu C, Zenk SN, Templin TN, Engeland CG, Dancy BL, Park CG, et al. The impact of neighborhood conditions and psychological distress on preterm birth in African-American Women. Public Health Nurs. 2017;34(3):256-66. . PMid:27891658.
26 Giurgescu C, Zenk SN, Templin TN, Engeland CG, Dancy BL, Park CG, et al. The impact of neighborhood environment, social support, and avoidance coping on depressive Symptoms of Pregnant African-American. Womens Health Issues. 2015;25(3):294-302. . PMid:25840930.
27 Zuberi A, Duck W, Gradeck B, Hopkinson R. Neighborhoods, Race, and Health: Examining the Relationship between Neighborhood Distress and Birth Outcomes in Pittsburgh. J Urban Aff. 2016;38(4):546-63. .
28 Oliveira CM, Guimarães MJB, Bonfim CV, Frias PG, Antonino VCS, Guimarães ALS, et al. Adequação da investigação dos óbitos infantis no Recife, Pernambuco, Brasil. Rev Cienc Saude Colet. 2018;23(3):701-14. .
29 Fonseca MRCC, Laurenti R, Marin CR, Traldi MC. Ganho de peso gestacional e peso ao nascer do concepto: estudo transversal na região de Jundiaí, São Paulo, Brasil. Cien Saude Colet. 2014;19(5):1401-7. . PMid:24897205.
30 Santos SL, Santos LB, Campelo V, Silva AR. Fatores associados à mortalidade infantil em uma capital do nordeste brasileiro. Rev Bras Ginecol Obstet. 2016;38(10):482-91. PMid:27427868.
31 Marques LJP, Oliveira CM, Bonfim CV. Avaliação da completude e da concordância das variáveis dos Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos e sobre Mortalidade no Recife-PE, 2010-2012. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(4):849-54. . PMid:27869979.
32 AbouZahr C, de Savigny D, Mikkelsen L, Setel PW, Lozano R, Nichols E, et al. Civil registration and vital statistics: progress in the data revolution for counting and accountability. Lancet. 2015;386(10001):1373-85. . PMid:25971224.
33 Lawn J, Blencowe H, Oza S, You D, Lee ACC, Waiswa P, et al. Every Newborn: progress, priorities, and potential beyond survival. Lancet. 2014;384(9938):189-205. . PMid:24853593.
34 Lain SJ, Hadfield RM, Raynes-Greenow CH, Ford JB, Mealing NM, Algert CS, et al. Quality of data in perinatal population health databases: a systematic review. Med Care. 2012;50(4):e7-20. . PMid:21617569.
35 Pedraza DF, Santos IS. Avaliação da vigilância do crescimento nas consultas de puericultura na Estratégia Saúde da Família em dois municípios do estado da Paraíba, Brasil. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(4):847-55. . PMid:29211147.
36 Maria LFBS, Araújo TVB. A glance over the surveillance of fetal deaths of Jaboatão dos Guararapes in the Brazilian state of Pernambuco, Brazil, in 2014. Cien Saude Colet. 2017;22(10):3415-28. . PMid:29069195.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.