Avaliação da função renal em idosos: um estudo de base populacional

Avaliação da função renal em idosos: um estudo de base populacional

Autores:

Marina Constante Dutra,
Estevão José Muller Uliano,
Danúbia Felippe Grassi de Paula Machado,
Tatiana Martins,
Fabiana Schuelter-Trevisol,
Daisson José Trevisol

ARTIGO ORIGINAL

Brazilian Journal of Nephrology

versão impressa ISSN 0101-2800

J. Bras. Nefrol. vol.36 no.3 São Paulo jul./set. 2014

http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20140043

Introdução

A doença renal crônica (DRC) atinge todas as faixas etárias e sua prevalência vem aumentando nos últimos anos, sendo considerada, portanto, um problema de saúde pública. Deve-se ressaltar que a DRC é silenciosa e na maior parte dos casos o diagnóstico não é feito nas fases iniciais da doença.1

A DRC é progressiva e pode levar à falência renal, entretanto, a progressão da doença pode ser prevenida ou retardada. Por esta razão, é necessário identificar pacientes com alterações da função renal em seu estágio precoce, em particular aqueles com maior chance de progressão para DRC,2 e iniciar o tratamento para evitar as complicações mais frequentes da doença e prevenir a evolução precoce para o óbito.3

Na cidade de Tubarão, SC, existem 97.235 habitantes, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística;4 na localidade, não existem estudos populacionais avaliando a função renal em idosos.

A avaliação inicial da função renal pode ser feita por meio da dosagem da creatinina plasmática. A variação biológica da creatinina é muito pequena, em torno de 4%5 e a variação analítica é inferior a 2%. Este método diagnóstico é bastante simples, mas a normalidade não constata função renal normal por ser um parâmetro tardio de detecção de doença renal.6 Há fórmulas desenvolvidas para determinar a estimativa da filtração glomerular7 e o estadiamento da doença8 baseando-se na creatinina sérica. A equação utilizada foi CKD-EPI (Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration), apontada por uma revisão sistemática9 recente como uma das mais utilizadas na prática médica para cálculo de função renal.

O objetivo do estudo foi avaliar a função renal dos pacientes idosos, a partir da fórmula de CDK-EPI e presença de fatores associados a estas alterações.

Métodos

O presente estudo foi aprovado Comitê de Ética em Pesquisa da Unisul, em respeito à Resolução 196 de 1996 do Conselho Nacional de Saúde, sob protocolo 09.345.4.01.III.

Foi realizado um estudo epidemiológico com delineamento transversal de base populacional. A amostra estudada foi proveniente do projeto ESITU (Estudo de Saúde dos Idosos de Tubarão), realizado no período entre setembro de 2010 e maio de 2011. O ESITU é um estudo que teve por objetivo avaliar a situação de saúde e qualidade de vida dos idosos residentes no município de Tubarão (SC).

Para composição da amostra, foram utilizados os idosos cadastrados pelos agentes comunitários de saúde atuantes nas diferentes áreas do programa Estratégia de Saúde da Família, que possui cobertura de mais de 90%, totalizando 9.009 idosos residentes em Tubarão. O tamanho da amostra foi calculado considerando a prevalência de alteração da função renal pela taxa de filtração glomerular em 25,2%,10 margem de erro igual a 5%, resultando em amostra mínima de 281 indivíduos para nível de confiança de 95%, e de 474 para nível de confiança de 99%. Os participantes foram selecionados por amostragem aleatória simples.

Foram incluídos no estudo pessoas com 60 anos (completados em 2010) ou mais, residentes no município de Tubarão (SC) e que aceitaram participar do estudo e da coleta de sangue. Foram excluídos os indivíduos com problemas cognitivos (doença mental ou degenerativa), impossibilitados de responder aos questionamentos feitos ou autonomia para decidir sobre sua participação no estudo.

Entrevista

Os idosos sorteados foram convidados a participar do estudo pelos agentes comunitários de saúde, que mediante anuência foram submetidos à entrevista para aplicação do questionário. O instrumento continha dados sociodemográficos e socioeconômicos (idade, sexo, cor da pele, situação conjugal, situação de trabalho e escolaridade) e dados comportamentais (atividade física, uso de álcool e cigarro). Ao final, foi agendada data para comparecimento à Unidade Básica de Saúde do seu bairro de residência para a coleta de sangue, aferição da pressão arterial e das medidas antropométricas.

Foi considerado tabagista o indivíduo que fez o consumo de 100 ou mais cigarros durante toda sua vida.11 Entre os idosos que afirmaram consumir ou já ter consumido álcool, foi aplicado o questionário CAGE.12,13 Esse instrumento é composto por quatro perguntas. Duas ou mais respostas afirmativas é indicativo de alcoolismo.

Foram considerados fisicamente ativos indivíduos que realizavam, pelo menos, 30 minutos de atividade física em cinco dias da semana ou mais, resultando em ponto de corte de 150 ou mais minutos de atividade física semanal, conforme a recomendação europeia.14

Medida da pressão arterial

A pressão arterial foi medida utilizando esfignomanômetro digital OMRON modelo HEM - 742INT, com o paciente sentado. Foram realizadas duas aferições com intervalo de 15 minutos. Foi considerada a média aritmética das duas medidas da PA para determinação dos níveis pressóricos.15 A linha demarcatória que definiu hipertensão arterial sistêmica (HAS) considerou valores de PA sistólica maior ou igual 140 mmHg e/ou de PA diastólica maior ou igual a 90 mmHg, ou uso de anti-hipertensivo.16

Coleta de sangue e antropometria

Foram coletados 10 ml de sangue venoso periférico para dosagem da creatinina sérica e glicemia de jejum, por profissional tecnicamente capacitado. Foi recomendado jejum de 12 horas e que evitassem o consumo de álcool nas 72 horas anteriores a coleta de sangue. Os exames foram processados pelo Laboratório de Análises Clínicas da Universidade do Sul de Santa Catarina.

A função renal foi avaliada por meio da creatinina sérica, sendo a taxa de filtração glomerular estimada (TFGE) pela fórmula de CKD-EPI17 e então a função renal foi classificada como descrito a seguir:18

Função renal normal: > 90 ml/min/1,73 m2; Insuficiência renal leve ou funcional: 60-89 ml/min/1,73 m2; Insuficiência renal laboratorial ou moderada: 30-59 ml/min/1,73 m2; Insuficiência renal grave ou clínica: 15-29 ml/min/1,73 m2; Insuficiência renal terminal ou dialítica: < 15 ml/min/1,73 m2. Para fins de análise, a variável de estimativa da taxa de filtração glomerular renal determinada pela fórmula de CKD-EPI foi utilizada de forma dicotômica com ponto de corte em < 60 ml/min/1,73 m2 para dano renal e acima deste valor como função renal normal.

A determinação de diabetes mellitus foi feita com base no uso de hipoglicemiante oral ou insulina, bem como pela determinação sérica da glicemia de jejum ≥ 126 mg/dl de sangue.19

Foi realizada a aferição do peso corporal em quilogramas com os indivíduos trajando roupas leves e sem sapatos. A medida da altura foi realizada em centímetros com os pacientes em pé, no centro da balança, ereto e imóvel, olhando para um ponto fixo no horizonte, aferidos pelo equipamento da marca Wiso modelo W71. O índice de massa corporal (IMC) foi calculado pela razão de peso (kg)/altura2 (cm) e classificado conforme os valores estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde,20 considerando como obeso o indivíduo com IMC maior ou igual a 30 kg/m2.

Análise estatística

O cálculo de tamanho de amostra foi realizado utilizando o programa OpenEpi versão 2.3.1 (Open Source Epidemiologic Statistics for Public Health). Os dados coletados foram inseridos no programa EpiData versão 3.1 (Epi Data Association, Odense, Denmark), de domínio público, e a Análise estatística foi feita com o software Statistical Package for Social Sciences (SPSS for Windows v 18; Chicago, IL, USA). As variáveis foram descritas como medidas de tendência central e dispersão, no caso de variáveis quantitativas. As variáveis qualitativas foram descritas em números absolutos e proporções. Para se verificar associação entre as variáveis de interesse, foi aplicado teste de qui-quadrado para as variáveis qualitativas e teste t de Student na comparação entre médias. Para a avaliação da correlação entre os resultados da fórmula de CG e idade, foi realizado teste de correlação de Pearson. Foi realizada análise multivariada por regressão de Poisson modificada com estimador robusto para controle das variáveis de confusão. O nível de significância estatística foi p < 0,05.

Resultados

A Figura 1 apresenta a seleção dos participantes do estudo.

Figura 1 Seleção dos participantes do estudo. 

Foram estudados 822 idosos com média de idade 68,6 (DP = 7) anos, variando de 60 a 92 anos de idade. A Tabela 1 apresenta as características sociodemográficas dos participantes do presente estudo.

Tabela 1 Características sociodemográficas dos participantes 

  n %
Idade em anos    
60-69 502 61,0
70-79 248 30,2
> 79 72 8,8
Sexo
Homem 316 38,4
Mulher 506 61,6
Etnia
Brancos 758 92,2
Não brancos 64 7,8
Escolaridade
0-4 anos 614 74,6
> 4 anos 206 25,1
Ignorado 2 0,2

Do total, 40,3% dos idosos tomavam ou já haviam tomado bebida alcoólica ao longo da vida. Entre os classificados como fumantes, 22,5% eram fumantes atuais e 77,5% eram ex-fumantes. Entre os idosos estudados, 70,4% tinha diagnóstico médico prévio de hipertensão arterial sistêmica. A Tabela 2 descreve a presença de comorbidades na população estudada.

Tabela 2 Prevalência de comorbidades detectadas entre os idosos participantes do estudo 

Comorbidades n (%) IC 95%
Obesidade 299 (37,3) 33,9-40,7
Diabetes mellitus 196 (23,8) 20,6-26,9
Diagnóstico de HAS 698 (86,9) 84,4-89,2
Sedentarismo 680 (82,8) 79,7-85,2
Alcoolismo 83 (10,1) 8,1-12,1
Tabagismo 333 (40,7) 37,3-44,2

IC: Intervalo de confiança.

A Tabela 3 apresenta a classificação de doença renal crônica na população idosa estudada a partir da fórmula de CKD-EPI.

Tabela 3 Distribuição da classificação da taxa de filtração glomerular estimada pela fórmula CKD-EPI 

Classificação n (%) IC 95%
Função renal normal 215 (26,2%) 23,2-29,3
Insuficiência renal leve ou funcional 495 (60,2%) 56,8-63,5
Insuficiência renal moderada ou laboratorial 107 (13,0%) 10,8-15,5
Insuficiência renal grave ou clínica 4 (0,5%) 0,0-1,0
Insuficiência renal terminal ou dialítica 1 (0,1%) 0,0-0,4

IC: Intervalo de confiança.

A Tabela 4 apresenta análise bruta e ajustada das variáveis associadas à diminuição da taxa de filtração glomerular, estimada pela fórmula de CKD-EPI para avaliação da função renal.

Tabela 4 Análise bruta e ajustada das variáveis associadas à diminuição da taxa de filtração glomerular 

Variáveis RP bruto (IC 95%) Valor de p RP ajustado* (IC 95%) Valor de p
Idade 1,01 (1,01-1,02) < 0,001 1,01 (1,01-1,02) < 0,001
Sexo masculino 1,03 (0,98-1,07) 0,222    
Raça branca 1,03 (0,96-1,10) 0,482    
Fisicamente ativos 0,98 (0,93-1,04) 0,532    
Obesos 1,04 (1,00-1,09) 0,057 1,07 (1,02-1,12) 0,003
Alcoolistas 1,04 (0,97-1,12) 0,238    
Tabagismo 1,07 (1,03-1,12) 0,002 1,07 (1,03-1,12) 0,001
HAS 1,12 (1,08-1,16) < 0,001 1,06 (1,01-1,10) 0,010
DM 1,05 (1,00-1,10) 0,063 1,01 (0,96-1,06) 0,750

RP: Razão de prevalência; IC: Intervalo de confiança; HAS: Hipertensão arterial sistêmica; DM: Diabetes mellitus.

*Variáveis ajustadas para idade, IMC, tabagismo, hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus.

A Figura 2 apresenta a correlação entre a idade e a taxa de filtração glomerular estimada pela fórmula de CKD-EPI.

Figura 2 Gráfico de dispersão que apresenta a correlação entre a idade e a taxa de filtração glomerular determinada pela fórmula de CKD-EPI. R de Pearson = -0,41, p < 0,001. 

Na comparação entre médias, idosos que apresentaram taxa de filtração glomerular normal tinham média de idade de 68 anos, e aqueles com taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2 apresentaram média de idade de 73 anos (p < 0,001).

Discussão

O presente estudo demonstrou que 13,6% da população estudada apresentava TFG menor que 60 ml/min/1,73 m2, similar a outros estudos. Bowling et al.21 realizaram estudo com idosos dos Estados Unidos e revelaram prevalência de 39% dos participantes com danos renais. Fu et al.22 conduziram um estudo na China com a população idosa e encontraram a prevalência de 43% de disfunção renal, também utilizando a fórmula CDK-EPI. No Brasil, há poucos estudos estimando o dano renal na população geral, e os mesmos diferem quanto aos critérios utilizados para identificação das DRC. No entanto, sabe-se que o número de pacientes que se submetem a tratamento dialítico cresce anualmente no território nacional.23

O presente estudo mostrou que mais da metade dos participantes apresentava algum dano renal mesmo que classificado como discreto. A razão desta elevada prevalência pode ser atribuída à presença de comorbidades decorrentes do processo de envelhecimento24 e que prejudicam a função renal.25 A função renal tende a diminuir com o avançar da idade, conforme foi apresentado, sendo fator independente para diminuição da taxa de filtração glomerular, corroborando com dados da literatura.26,27 Este declínio de função renal com o envelhecimento pode ser explicado por um processo fisiológico do envelhecimento orgânico acompanhado de mudanças estruturais do sistema renal.25

A Análise estatística do presente estudo apresentou associação significativa entre HAS e diminuição da taxa de filtração glomerular, concordando com os achados de Zhang et al.,28 que demonstraram que os fatores que estão associados a danos renais são hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.

A prevalência de HAS na população estudada foi bastante elevada, e uma das limitações do presente estudo foi a aferição da pressão arterial ter sido realizada em um único momento, não levando em consideração os critérios diagnósticos sugerido pelas Diretrizes Brasileira de HAS,29 que sugerem duas aferições em momentos diferentes. Estudo30 realizado no mesmo município com população mais jovem encontrou prevalência de 40,5% de HAS nos participantes. Contudo, cabe ressaltar que boa parte dos idosos com HAS tinha diagnóstico médico prévio à pesquisa e, com o aumento da idade, há aumento da ocorrência de HAS na população.

Embora seja comum na literatura a associação entre a presença de diabetes mellitus e dano renal, o presente estudou não encontrou significância estatística neste resultado. Estudos realizados apenas com pacientes diabéticos demonstraram prevalência elevadas de taxa de filtração glomerular menor que 60 ml/min/1,73 m2 e correlação entre diabetes e dano renal.31,32

No presente estudo, não houve diferença quanto à função renal entre os sexos, o que concorda com dados de outros autores.27,33,34

No presente estudo não houve diferença estatisticamente significativa entre função renal e raça. Entretanto, Peralta et al.,35 em estudo com 5.179 pacientes, concluíram que os negros tiveram maiores taxas de declínio da função renal, independentemente de outras características sociodemográficas ou fatores de risco tradicionais. Possivelmente a falta de associação estatística entre etnia e função renal se deve ao fato de que houve predomínio de brancos na amostra, devido à colonização europeia em Santa Catarina.4

Em relação aos hábitos adotados pelos idosos, o presente estudou não demonstrou associação positiva entre alcoolismo e diminuição da taxa de filtração glomerular, mas o tabagismo foi fator independente para taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2, como já foi documentado.36

Em relação aos indicadores antropométricos, pacientes considerados obesos tiveram diminuição da função renal em comparação aos eutróficos, concordando com a literatura que obesidade é um importante fator de risco para hiperfiltração glomerular e progressão para doença renal crônica.37

Vale ressaltar algumas limitações do presente estudo, como sendo de delineamento transversal que retratou os pacientes em um único momento não seguindo as Diretrizes de DRC,8 que definem como doença renal crônica duas medidas de taxa de filtração glomerular inferior a 60 ml/min/1,73 m2 em duas verificações com pelo menos 3 meses de intervalo. Contudo, como triagem ambulatorial em amostra populacional, este estudo contribui para retratar a realidade local, e pode revelar que os idosos de fato apresentam declínio das funções renais, sendo necessária a atenção e o acompanhamento da saúde desta população para que as medidas preventivas e terapêuticas possam ser iniciadas precocemente. A literatura permanece escassa quanto ao grau de função renal, principalmente em idosos.

Conclusões

O presente estudo concluiu que a grande maioria dos idosos estudados tinha alguma alteração de taxa de filtração renal, sendo que 13,6% tinha disfunção de grau moderado ou superior. A idade mais avançada, tabagismo, HAS e obesidade se associaram positivamente e de forma independente à diminuição da taxa de filtração glomerular.

REFERÊNCIAS

Eknoyan G, Lameire N, Barsoum R, Eckardt KU, Levin A, Levin N, et al. The burden of kidney disease: improving global outcomes. Kidney Int 2004;66:1310-4. PMID: 15458424 DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1523-1755.2004.00894.x
Spanaus KS, Kollerits B, Ritz E, Hersberger M, Kronenberg F, Von Eckardstein A. Creatinina sérica, cistatina C e proteína ß-traço no estadiamento diagnóstico e na predição da progressão da doença renal crônica não diabética. J Bras Patol Med Lab 2011;47:13-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442011000100002
Middleton JP, Pun PH. Hypertension, chronic kidney disease, and the development of cardiovascular risk: a joint primacy. Kidney Int 2010;77:753-5. PMID: 20393488 DOI: http://dx.doi.org/10.1038/ki.2010.19
Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem Populacional Censo 2010 [Acesso 13 de maio 2014]. Disponível em: http://www.ibge.com.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=421870
Gowans EM, Fraser CG. Biological variation of serum and urine creatinine and creatinine clearance: ramifications for interpretation of results and patient care. Ann Clin Biochem 1988;25:259-63. PMID: 3400982 DOI: http://dx.doi.org/10.1177/000456328802500312
Salgado JV, Neves FA, Bastos MG, França AK, Brito DJ, Santos EM, et al. Monitoring renal function: measured and estimated glomerular filtration rates - a review. Braz J Med Biol Res 2010;43:528-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-879X2010007500040
Levey AS, Coresh J, Greene T, Marsh J, Stevens LA, Kusek JW, et al. Expressing the Modification of Diet in Renal Disease Study equation for estimating glomerular filtration rate with standardized serum creatinine values. Clin Chem 2007;53:766-72. PMID: 17332152 DOI: http://dx.doi.org/10.1373/clinchem.2006.077180
National Kidney Foundation. K/DOQI clinical practice guidelines for chronic kidney disease: evaluation, classification, and stratification. Am J Kidney Dis 2002;39:S1-266.
Earley A, Miskulin D, Lamb EJ, Levey AS, Uhlig K. Estimating equations for glomerular filtration rate in the era of creatinine standardization: a systematic review. Ann Intern Med 2012;156:785-95. DOI: http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-156-11-201203200-00391
Bastos RMR, Bastos MG, Ribeiro LC, Bastos RV, Teixeira MTB. Prevalência da doença renal crônica nos estágios 3, 4 e 5 em adultos. Rev Assoc Med Bras 2009;55:40-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000100013
Reichert J, Araújo AJ, Gonçalves CMC, Godoy I, Chatkin JM, Sales MPU, et al. Diretrizes para cessação do tabagismo. J Bras Pneumol 2008;34:845-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132008001000014
Caballero Martínez L, Caballero Martínez F, Santodomingo Carrasco J. Instruments for detecting alcoholism: remarks on the CAGE questionnaire. Med Clin (Barc) 1988;91:515.
Mayfield D, McLeod G, Hall P. The CAGE questionnaire: validation of a new alcoholism screening instrument. Am J Psychiatry 1974;131:1121-3. PMID: 4416585
Sofi F, Capalbo A, Cesari F, Abbate R, Gensini GF. Physical activity during leisure time and primary prevention of coronary heart disease: an updated meta-analysis of cohort studies. Eur J Cardiovasc Prev Rehabil 2008;15:247-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/HJR.0b013e3282f232ac
Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. J Bras Nefrol 2010;32:1-64.
Mancia G, De Backer G, Dominiczak A, Cifkova R, Fagard R, Germano G, et al.; ESH-ESC Task Force on the Management of Arterial Hypertension. 2007 ESH-ESC Practice Guidelines for the Management of Arterial Hypertension: ESH-ESC Task Force on the Management of Arterial Hypertension. J Hypertens 2007;25:1751-62. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/HJH.0b013e3282f0580f
Levey AS, Stevens LA, Schmid CH, Zhang YL, Castro AF 3rd, Feldman HI, et al. A new equation to estimate glomerular filtration rate. Ann Intern Med 2009;150:604-12. PMID: 19414839 DOI: http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-150-9-200905050-00006
Romão Junior JE. Doença renal crônica: definição, epidemiologia e classificação. J Bras Nefrol 2004;26:1-3.
American Diabetes Association. Standards of medical care in diabetes-2012. Diabetes Care 2012;35:S11-63.
World Health Organization. Obesity: preventing and managing. The global epidemic. Report of a WHO. Consultation on obesity. Genebra: World Health Organization; 1997. p.98.
Bowling CB, Sawyer P, Campbell RC, Ahmed A, Allman RM. Impact of chronic kidney disease on activities of daily living in community-dwelling older adults. J Gerontol A Biol Sci Med Sci 2011;66:689-94. PMID: 21459762 DOI: http://dx.doi.org/10.1093/gerona/glr043
Fu S, Liu Y, Zhu B, Xiao T, Yi S, Bai Y, et al. Prognostic abilities of different calculation formulas for the glomerular filtration rate in elderly Chinese patients with coronary artery disease. Clin Interv Aging 2013;8:229-37. DOI: http://dx.doi.org/10.2147/CIA.S40438
Sesso R, Lopes AA, Thome FS, Bevilacqua JL, Romão Junior JE, Lugon J. Relatório do censo brasileiro de diálise 2008. J Bras Nefrol 2008;30:233-8.
Zaslavsky C, Gus I. Idoso: doença cardíaca e comorbidades. Arq Bras Cardiol 2002;79:635-9.
Imai E, Horio M, Watanabe T, Iseki K, Yamagata K, Hara S, et al. Prevalence of chronic kidney disease in the Japanese general population. Clin Exp Nephrol 2009;13:621-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10157-009-0199-x
Hasegawa E, Tsuchihashi T, Ohta Y. Prevalence of chronic kidney disease and blood pressure control status in elderly hypertensive patients. Intern Med 2012;51:1473-8. DOI: http://dx.doi.org/10.2169/internalmedicine.51.7285
Grewal GS, Blake GM. Reference data for 51Cr-EDTA measurements of the glomerular filtration rate derived from live kidney donors. Nucl Med Commun 2005;26:61-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00006231-200501000-00010
Zhang L, Wang F, Wang L, Wang W, Liu B, Liu J, et al. Prevalence of chronic kidney disease in China: a cross-sectional survey. Lancet 2012;379:815-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(12)60033-6
Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010;95:1-51.
Pereira MR, Coutinho MSSA, Freitas PF, D'Orsi E, Bernardi A, Haas R. Prevalência, conhecimento, tratamento e controle de hipertensão arterial sistêmica na população adulta urbana de Tubarão, Santa Catarina, Brasil, em 2003. Cad Saúde Pública 2007;23:2363-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001000011
Ravera M, Noberasco G, Re M, Filippi A, Gallina AM, Weiss U, et al. Chronic kidney disease and cardiovascular risk in hypertensive type 2 diabetics: a primary care perspective. Nephrol Dial Transplant 2009;24:1528-33. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/ndt/gfn692
Villarroel RP, Parra LX, Ardiles AL. Frequency of chronic kidney disease among ambulatory patients with type 2 diabetes. Rev Med Chil 2012;140:287-94.
Barai S, Bandopadhayaya GP, Patel CD, Rathi M, Kumar R, Bhowmik D, et al. Do healthy potential kidney donors in india have an average glomerular filtration rate of 81.4 ml/min? Nephron Physiol 2005;101:p21-6. PMID: 15925908 DOI: http://dx.doi.org/10.1159/000086038
Vervoort G, Willems HL, Wetzels JF. Assessment of glomerular filtration rate in healthy subjects and normoalbuminuric diabetic patients: validity of a new (MDRD) prediction equation. Nephrol Dial Transplant 2002;17:1909-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/ndt/17.11.1909
Peralta CA, Katz R, DeBoer I, Ix J, Sarnak M, Kramer H, et al. Racial and ethnic differences in kidney function decline among persons without chronic kidney disease. J Am Soc Nephrol 2011;22:1327-34. DOI: http://dx.doi.org/10.1681/ASN.2010090960
Bleyer AJ, Shemanski LR, Burke GL, Hansen KJ, Appel RG. Tobacco, hypertension, and vascular disease: risk factors for renal functional decline in an older population. Kidney Int 2000;57:2072-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1046/j.1523-1755.2000.00056.x
Bastos MG, Kirsztajn GM. Doença renal crônica: importância do diagnóstico precoce, encaminhamento imediato e abordagem interdisciplinar estruturada para melhora do desfecho em pacientes ainda não submetidos à diálise. J Bras Nefrol 2011;33:93-108. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002011000100013
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.