Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação - versão portuguesa: efeito da idade e escolaridade

Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação - versão portuguesa: efeito da idade e escolaridade

Autores:

Mônica de Souza Kerr,
Karina Carlesso Pagliarin,
Ana Mineiro,
Perrine Ferré,
Yves Joanette,
Rochele Paz Fonseca

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.27 no.6 São Paulo nov./dez. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20152015029

INTRODUÇÃO

Há quase um século, estudos descrevem o importante papel do hemisfério esquerdo (HE) na cognição, com ênfase na linguagem, no processamento analítico de dados e na memória verbal. Entretanto, somente a partir da década de 1970, com o avanço das pesquisas sobre modelos cognitivos, psicolinguísticos e neuroanátomo-funcionais, iniciaram-se as pesquisas mais sistemáticas sobre os componentes linguísticos funcionais relacionados ao hemisfério direito (HD) - componentes semânticos não literais, componentes discursivos e componentes pragmáticos. Nesse mesmo período, com a evolução dos estudos comportamentais e de neuroimagem, tornou-se possível verificar que uma lesão de hemisfério direito (LHD) pode gerar distúrbios da comunicação1 2 3 4.

Pacientes com LHD também podem apresentar dificuldades em outras competências, tais como orientação têmporo-espacial, atenção, perceção (anosognosia, heminegligência e prosopagnosia)5, memória (amnésia visual e memória de trabalho)6e processamento emocional (compreensão e expressão de estímulos prosódicos com entoação emocional, processamento emocional de faces)7. O dano em um ou mais componentes identificados gera perfis distintos de alterações na expressão e na compreensão verbal, prejudicando a qualidade de vida do indivíduo e da sua família8. Desse modo, o processo de avaliação da linguagem após lesões neurológicas torna-se extremamente importante, sendo fundamental nos casos de acidente vascular cerebral (AVC) e de traumatismo cranioencefálico (TCE)8 9.

A principal relevância da avaliação e do diagnóstico por parte do terapeuta da fala após o AVC é traçar o perfil de funções cognitivas e comunicativas preservadas e deficitárias, em comparação com o estado pré-mórbido do sujeito. A avaliação é imprescindível para o prognóstico e delineamento de tratamentos apropriados para o paciente8 9 10. Além disso, a incidência de déficits comunicativos em indivíduos com LHD depende de características pessoais como idade, escolaridade, tempo pós-lesão e natureza da lesão11, tais fatores devem ser considerados durante todo o processo de avaliação.

Nesse sentido, o Protocole Montréal d'Évaluation de la Communication- Protocole MEC12 - deu base ao desenvolvimento da Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação, versão portuguesa (Bateria MAC-PT, submetido para publicação na Audiology Comunnication Research ), a qual foi adaptada a partir da versão brasileira (Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação - Bateria MAC)13. Tal adaptação ocorreu em seis etapas: análise comparativa das baterias MAC e Protocole MEC ; adaptação e desenvolvimento de novos estímulos por especialistas; análise por juízes não especialistas; análise por juízes especialistas; estudo piloto 1 e estudo piloto 2; concordância entre avaliadores, com evidências de validade de conteúdo; ajustes finais e desenvolimento da Bateria MAC-PT. É importante salientar que todas as etapas foram intermediadas e analisadas tanto pelos autores da adaptação portuguesa como pelos autores da Bateria MAC e do Protocole MEC . O instrumento manteve a mesma quantidade de itens da versão francesa e brasileira. OQuadro 1 apresenta as alterações realizadas na adaptação com base na versão brasileira.

Legenda: MAC-BR = Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação; Idem = o estímulo do procedimento manteve-se igual ao estímulo anterior; (substituição) = o estímulo foi substituído

Quadro 1: Estímulos iniciais e finais da Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação, versão portuguesa, em comparação à versão brasileira.  

A Bateria MAC-PT é uma bateria expandida, de aplicação relativamente fácil, com duração média de 90 minutos divididos em duas sessões de 45 minutos, que avaliam os 4 processamentos das competências comunicativas (discursivo, pragmático-inferencial, léxico-semântico e prosódico)13.

Até a presente data não existem relatos na literatura portuguesa de um instrumento único que avalie as quatro competências supracitadas. Desta forma, cria-se a necessidade do desenvolvimento e/ou adaptação de um instrumento de avaliação das competências comunicativas desempenhadas pelo HD, adaptado à realidade linguística e sociocultural de Portugal. Para que o rigor psicométrico obtido em estudo com a versão brasileira13 seja mantido, faz-se necessário estudos empíricos com a versão portuguesa. Desta forma, este estudo buscou verificar o efeito das variáveis idade e escolaridade no desempenho de adultos saudáveis na Bateria MAC-PT, além de contribuir com dados normativos de desempenho para a população portuguesa.

MÉTODOS

Participantes

Participaram deste estudo 90 indivíduos neurologicamente saudáveis com idade entre 18 e 80 anos - sendo a média (M) de 50,48 anos e o desvio padrão (DP) de 19,82 - e entre 4 e 19 anos de estudo formal (M=11,27; DP=4,31), os quais foram selecionados pelo método não aleatório de conveniência, em ambientes universitários, escolares, empresariais, hospitalares, centros de dia, entre outros, da região da Grande Lisboa, Portugal. Como critérios de inclusão, participaram do estudo apenas os indivíduos que apresentavam: Português Europeu como língua materna; ausência de distúrbios sensoriais (auditivos e/ou visuais não corrigidos); ausência de sinais de declínio cognitivo mensurado pelo Teste do Relógio14 associado ao Mini Exame do Estado Mental (MEEM), versão adaptada para a população portuguesa15; ausência de sinais de depressão mensurados através da Escala de Depressão Geriátrica de 15 itens16, tal instrumento foi aplicado em todos os indivíduos com intuito de obter a mesma medida para jovens, adultos e idosos9. Ainda, para participar da amostra, os adultos não podiam referir histórico de alcoolismo e/ou uso abusivo atual ou prévio de drogas ilícitas ou de benzodiazepínicos e antipsicóticos (dados coletados por meio do questionário sociocultural e de aspectos de saúde)17.

A amostra inicial contou com 101 indivíduos. Onze desses sujeitos foram excluídos do estudo pelos motivos descritos a seguir: três sujeitos não quiseram prosseguir a avaliação alegando cansaço, quatro sujeitos tiveram pontuação acima da nota de corte na Escala de Depressão Geriátrica, dois sujeitos tiveram pontuação abaixo da nota de corte no MEEM, e dois sujeitos tinham história prévia de doenças neurológicas. Desta forma, a amostra final constou de 90 indivíduos.

Após a aplicação da Bateria MAC-PT, os participantes foram distribuídos em 9 subgrupos conforme a idade (18 a 40 anos; 41 a 65 anos; 65 a 80 anos) e a escolaridade (4 a 9; 9 a 13 e mais de 13 anos de estudo formal). No que diz respeito à distribuição por gênero, a amostra foi composta por 26,7% indivíduos do gênero masculino e 76,3% do gênero feminino (Tabela 1).

Tabela 1: Características demográficas da amostra por grupo etário e educacional 

Legenda: M = gênero masculino; F = gênero feminino

Instrumentos e procedimentos

A participação dos indivíduos foi voluntária, não sendo, portanto, remunerados. Todos assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os indivíduos foram avaliados individualmente, em ambiente silencioso, iluminado e ventilado. A avaliação foi feita em uma única sessão, com duração aproximada de uma hora e trinta minutos.

Após a administração de todos os instrumentos necessários para cumprir os critérios de inclusão foi aplicada a versão portuguesa da Bateria MAC, que tem por objetivo avaliar quatro componentes do processamento comunicativo: discursivo, pragmático-inferencial, léxico-semântico e prosódico18, por meio das seguintes tarefas:

  • • discurso conversacional;

  • • interpretação de metáforas;

  • • fluência verbal;

  • • prosódia linguística;

  • • prosódia emocional;

  • • discurso narrativo;

  • • interpretação de atos de fala; e

  • • julgamento semântico.

Os dados foram registados e gravados num equipamento áudio de gravação digital para transcrição posterior. Dois examinadores, terapeutas da fala, especialistas e treinados aplicaram as tarefas da Bateria MAC-PT apoiados no seu Manual de Aplicação e Pontuação, sendo 27% (30) das avaliações julgadas por um juiz especialista cego, com coeficiente de concordância superior a 75%.

Análise dos dados

Os dados foram analisados através do programa estatístico SPSS 17.0 para Windows. Para comparação de desempenho entre os nove grupos, utilizou-se o testetwo-way ANOVA, com post-hoc Bonferroni (p≤0,05).

RESULTADOS

A Tabela 2 apresenta as médias e desvios padrão obtidos pelos participantes em cada tarefa da Bateria MAC-PT conforme idade e escolaridade.

Tabela 2: Médias e desvios padrão nas 16 pontuações referentes às tarefas da Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação, versão portuguesa 

Legenda: M = média; DP = desvio padrão; EM = escore máximo da tarefa

De um modo geral, observa-se que os participantes de baixa escolaridade apresentam desempenho inferior na Bateria MAC-PT quando comparados com os de alta escolaridade. O mesmo acontece com os adultos idosos, nos quais se observa uma diminuição no desempenho em relação aos adultos jovens. A Tabela 3 mostra o efeito das variáveis idade e escolaridade nas tarefas da Bateria MAC-PT.

Tabela 3: Efeito das variáveis idade e escolaridade nas tarefas da Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação, versão portuguesa 

Legenda: F = F-statistics

Observa-se que houve efeito de escolaridade em 12 dos 16 escores referentes às tarefas analisadas (fluência verbal ortográfica, fluência verbal livre, julgamento semântico, prosódia emocional produção, prosódia linguística compreensão, prosódia repetição, interpretação de metáforas, interpretação de atos de fala, discurso narrativo - reconto parcial, integral e questões).

O fator biológico idade parece ter menos influência no desempenho da amostra, estando presente em apenas seis escores (prosódia emocional - compreensão e repetição, prosódia linguística - compreensão e repetição, interpretação de metáforas e discurso conversacional). Observou-se apenas uma interação idadeversus escolaridade - na tarefa de fluência verbal semântica -, indicando que houve um maior efeito de escolaridade no grupo de adultos mais jovens com um pico na faixa intermediária de escolaridade, enquanto para os adultos idosos o pico de desempenho ocorreu após 14 anos de estudo. A Tabela 4 apresenta a análise post-hoc que compara as pontuações dos três grupos etários e dos três grupos de escolaridade.

Tabela 4: Comparação dos escores entre os grupos etários e educacionais 

Legenda: ns = não significativo

O desempenho dos participantes com baixa escolaridade foi pior quando comparados com aqueles com escolaridade intermediária e alta na maioria das tarefas. Os indivíduos com escolaridade intermediária diferenciaram-se dos de alta apenas na tarefa de evocação lexical com critério ortográfico.

A idade influencia de forma importante a pontuação dos indivíduos em algumas tarefas da Bateria MAC-PT (Tabela 4). Essa influência ocorre principalmente quando se compara o grupo etário de jovens adultos (18 a 40 anos de idade) com o grupo de adultos idosos (65 a 80 anos de idade), ou seja, os grupos extremos.

DISCUSSÃO

O presente estudo procurou investigar o papel dos fatores individual idade e sociocultural escolaridade a partir da comparação de grupos base para a geração de dados normativos da Bateria MAC-PT para população portuguesa. Assim como em outros estudos, os resultados mostraram que tarefas comunicativas foram discriminativas às variáveis escolaridade e idade, sendo o efeito da escolaridade mais frequente do que o efeito da idade10 12 19. Essas semelhanças entre estudos realizados em diferentes idiomas possibilitam importantes estudos translinguísticos.

No que diz respeito à escolaridade, os sujeitos com mais anos de estudo apresentaram melhor desempenho, na maioria das tarefas da Bateria MAC-PT, do que os sujeitos com menos escolaridade. Assim, quanto menor o nível educacional, pior o desempenho em tarefas comunicativas. Esses achados são coerentes com a hipótese de que a escolaridade aumenta o nível de conhecimento adquirido dos indivíduos, promove um maior amadurecimento das estruturas cerebrais e, consequentemente, aprimora as competências de linguagem20.

No que diz respeito ao efeito de idade, a diferença entre os grupos etários foi menos evidente, demonstrando que esse fator influencia o desempenho dos participantes em menor grau, pelo menos até o limite etário de 80 anos de idade. Isso acontece porque o cérebro humano é capaz de adaptar-se ao envelhecimento mantendo a funcionalidade do seu processamento ao longo dos anos, mesmo quando há mudanças adaptativas21. Entretanto, a idade parece influenciar a pontuação dos indivíduos avaliados pela Bateria MAC-PT, na medida em que o grupo de adultos idosos apresentou pontuação inferior aos demais grupos em tarefas que compõem os processamentos pragmático-inferencial, discursivo e, principalmente, o prosódico. O fator idade no desempenho de tarefas comportamentais cognitivas vem despertando o interesse da comunidade científica, sendo que alguns autores verificam um declínio no desempenho de sujeitos adultos idosos22 23, enquanto outros pesquisadores argumentam que a execução de várias funções se mantém estável ou melhora, como a própria linguagem24.

Das 16 variáveis analisadas da Bateria MAC-PT, evidenciou-se interação escolaridadeversus idade em apenas uma delas (fluência verbal semântica). Isso indica que para a maioria dos subtestes avaliados, a educação e a idade representam fatores relativamente independentes10. O que reforça a hipótese de que tais variáveis representam melhor o desempenho na Bateria MAC-PT quando analisadas independentemente.

Os padrões gerais verificados neste estudo, no que diz respeito à idade e escolaridade, foram semelhantes aos apresentados no instrumento originalProtocole MEC12, na Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação (MAC-BR)13 e na Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação versão abreviada (Bateria MAC-Breve)19, demonstrando que a população de Portugal, assim como a do Canadá e a do Brasil, executam tarefas de linguagem de forma diferente de acordo com sua idade e com o seu nível de escolaridade e indicam que a variável escolaridade influencia mais os processamentos comunicativos avaliados pelos instrumentos citados do que a variável idade, pelo menos em amostras de indivíduos até aos 80 anos.

O tamanho da amostra e a ausência da análise da variável gênero podem ter limitado nossos resultados. Alguns estudos de normatização de instrumentos neuropsicológicos consideram que a variável gênero influencia o desempenho25, enquanto outras pesquisas não revelam diferenças significativas13. Desta forma, a influência do gênero no desempenho de tarefas cognitivas e de linguagem não é referida de uma forma consensual na literatura. Além disso, o uso da Escala de Depressão Geriátrica em jovens e adultos pode limitar os resultados, uma vez que é indicada para a população idosa. No entanto, é importante salientar que não há nenhum instrumento de rastreio válido para essas populações.

A Bateria MAC-PT veio suprir uma lacuna na avaliação de pacientes falantes do Português Europeu. Esse fato faz da MAC-PT um instrumento capaz de fornecer direções claras para o processo de avaliação, sendo de fácil aplicação e análise.

CONCLUSÃO

Este estudo permitiu verificar a influência da escolaridade no desempenho da maioria da tarefas da Bateria MAC-PT, sendo que a diferença no desempenho entre os grupos etários foi menos evidente quando comparado ao efeito da escolaridade. Desta forma, escolaridade e idade devem ser consideradas na avaliação de pacientes neurológicos, evitando-se falso-positivos ou negativos.

REFERÊNCIAS

1. Gindri G, Pagliarin KC, Casarin FS, Branco LD, Ferré P, Joanettes Y, et al. Rehabilitation of discourse impairments after acquired brain injury. Dement Neuropsychol. 2014;8(1):58-65.
2. Bhatnagar SC, Mandybur GT, Buckingham HW, Andy OJ. Language representation in the human brain: evidence from cortical mapping. Brain Lang. 2000;74(2):238-59.
3. Tompkins CA. Rehabilitation for cognitive-communication disorders in right hemisphere brain damage. Arch Phys Med Rehabil. 2012;93(1 Suppl):S61-9.
4. Cote H, Payer M, Giroux F, Joanette Y. Towards a description of clinical communication impairment profiles following right-hemisphere damage. Aphasiology. 2007;21(6-8):739-49.
5. Myers PS. Right hemisphere damage: disorders of communication and cognition. San Diego: Singular Pub; 1999.
6. Batchelor S, Thompson EO, Miller LA. Retrograde memory after unilateral stroke. Cortex2008;44(2):170-8.
7. Witteman J, Goerlich-Dobre KS, Martens S, Aleman A, Van Heuven VJ, Schiller NO. The nature of hemispheric specialization for prosody perception. Cogn Affect Behav Neurosci. 2014;14(3):1104-14.
8. Tompkins CA, Klepousniotou E, Scott AG. Nature and assessment of right hemisphere disorders. In: Papathanasiou I, Coppens P, Potagas C, editors. Aphasia and related neurogenic communication disorders. Burlington: Jones & Bartlett Learning; 2012.
9. Lezak MD. Neuropsychological Assessment. New York: Oxford University Press; 2012.
10. Pagliarin KC, Ortiz KZ, Parente MAMP, Nespoulous J-L, Joanette Y, Fonseca RP. Individual and sociocultural influences on language processing as assessed by the MTL-BR Battery. Aphasiology. 2014;28(10):1244-57.
11. Mackenzie C, Brady M. Communication difficulties following right-hemisphere stroke: applying evidence to clinical management. Evid Based Commun Assess Interv. 2008;2(4):235-47.
12. Joanette Y, Ska B, Côté H. Protocole MEC: Protocole Montreál d'Évaluation de la Communication. Montréal: Ortho Édition; 2004.
13. Fonseca RP, Parente MAMP, Côté H, Ska B, Joanette Y, Ferreira GD. Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação: Bateria MAC Barueri: Pró-Fono; 2008.
14. Atalaia-Silva KC, Lourenço RA. Tradução, adaptação e validação de construto do Teste do Relógio aplicado entre idosos no Brasil. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):930-7.
15. Guerreiro M, Silva AP, Botelho A, Leitão O, Castro-Caldas A, Garcia C. Adaptação à população portuguesa da tradução do Mini Mental State Examination (MMSE). Rev Port Neurol. 1994;1:9-10.
16. Yesavage JA, Brink TI, Rose TL, Lum O, Huang V, Adev M, et al. Development and validation of a geriatric depression screening scale. J Psychiatr Res. 1982-1983;17(1):37-49.
17. Fonseca RP, Zimmermann N, Oliveira CR, Gindri G, Pawlowski J, Scherer LC, et al. Métodos em avaliação neuropsicológica: pressupostos gerais, neurocognitivos, neuropsicolinguísticos e psicométricos no uso e desenvolvimento de instrumentos. In: Fukushima SS, organizador. Métodos em Psicobiologia, Neurociêcias e Comportamento. São Paulo: ANPEPP; 2012.
18. Kerr MS. Adaptação da Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação para o Português Europeu [dissertação]. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; 2012.
19. Casarin FS, Scherer LC, Parente MAMP, Ferré P, Côté H, Ska B, et al. Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação, versão abreviada: Bateria MAC Breve. São Paulo: Pró-Fono; 2014.
20. Parente MAMP, Scherer LC, Zimmermann N, Fonseca RP. Evidências do papel da escolaridade na organização cerebral.Rev Neuropsicol Latinoamer. 2009;1(1):72-80.
21. Fonseca RP, Ska B, Scherer LC, Oliveira CR, Parente MAMP, Joanette Y. Mudanças no processamento cognitivo em adultos idosos: déficits ou estratégias adaptativas? Estud Interdiscipl Envelhec2009;14(1):13-24.
22. Mammarella N, Fairfield B. Where did I put my keys: a "we" intervention to promote memory in healthy older adults: a controlled pilot study. Gerontology. 2013;59(4):349-54.
23. Mahoney JR, Verghese J, Dumas K, Wang C, Holtzer. The effect of multisensory cues on attention in aging. Brain Res. 2012;1472:63-73.
24. Dennis NA, Kim H, Cabeza R. Age-related differences in brain activity during true and false memory retrieval. J Cognit Neurosci. 2008;20(8):1390-402.
25. Collie A, Shafiq-Antonacci R, Maruff P, Tyler P, Currie J. Norms and the effects of demographic variables on a neuropsychological battery for use in healthy ageing Australian populations. Aust N Z J Psychiatry.1999;33(4):568-75.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.