Características Epidemiológicas e Preditores de Mortalidade em Pacientes Maiores de 70 Anos Submetidos à Revascularização Miocárdica Cirúrgica

Características Epidemiológicas e Preditores de Mortalidade em Pacientes Maiores de 70 Anos Submetidos à Revascularização Miocárdica Cirúrgica

Autores:

Renato Kaufman,
Vitor Manuel Pereira Azevedo,
Rodrigo Mazzarone Gomes de Sá,
Mauro Geller,
Regina Maria de Aquino Xavier,
Rogério Brant Martins Chaves,
Marcia Bueno Castier

ARTIGO ORIGINAL

International Journal of Cardiovascular Sciences

versão impressa ISSN 2359-4802versão On-line ISSN 2359-5647

Int. J. Cardiovasc. Sci. vol.31 no.3 Rio de Janeiro maio/jun. 2018

http://dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20180020

Introdução

A doença cardiovascular constitui atualmente uma das principais causas de internação hospitalar no Brasil na população geral, sendo a principal causa de internação em pacientes idosos.1

Com o advento de novas tecnologias no tratamento da doença cardiovascular, a sobrevida do cardiopata aumenta e, com o envelhecimento, manifestam-se outras comorbidades, como hipertensão arterial, diabetes, insuficiência renal e disfunção cognitiva.2,3

Com o avançar da idade, o próprio sistema cardiovascular apresenta alterações fisiológicas, como aumento progressivo da pressão arterial sistólica, redução da capacidade aeróbica e diminuição das respostas reflexas do sistema nervoso autônomo.4

Isoladamente, o aumento da idade eleva o risco cardiovascular do paciente seja pela avaliação do escore de risco de Framingham e do SCORE, que são utilizados em assintomáticos, seja pela avaliação da prevalência de doença coronariana pelo escore de Diamond.5,6

Em pacientes com doença coronariana, a idade é importante fator preditor de risco de eventos futuros, tanto em escores de doença coronariana aguda, como o GRACE, como na avaliação de risco pré-operatório, como o EuroSCORE.7,8

Permanecem dúvidas quanto aos fatores preditores de óbito cirúrgico, definido como óbito ocorrido em até 30 dias do procedimento cirúrgico, na população brasileira de pacientes a partir dos 70 anos de idade.

O objetivo do nosso trabalho foi avaliar as características epidemiológicas dos pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica em um hospital especializado do Sistema Único de Saúde (SUS), e analisar os preditores de risco de óbito cirúrgico e as complicações inerentes ao procedimento.

Métodos

Coorte retrospectiva do banco de dados de cirurgia cardíaca do Instituto Nacional de Cardiologia, no Rio de Janeiro (RJ), operados no período de dezembro de 2004 a março de 2012.

Faziam parte deste banco de dados variáveis demográficas, clínicas, laboratoriais, ecocardiográficas e angiográficas do pré-operatório, do intraoperatório, do pós-operatório imediato realizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e do pós-operatório tardio realizado na enfermaria, totalizando 327 variáveis, além do estado vital em 30 dias. No presente estudo foram analisados os dados demográficos, clínicos, laboratoriais, ecocardiográficos e angiográficos do pré-operatório do paciente, e a necessidade de realizar cirurgia valvar combinada, e tendo sido considerado o tipo de evolução (alta vs. óbito em até 30 dias do procedimento). A angina pectoris foi graduada pelos critérios da Canadian Class Society (CCS).9

Para a realização deste estudo, obteve-se a autorização do Comitê de Ética em Pesquisa do instituto, sob o número 0117/110906.

Análise estatística

A análise estatística foi realizada por meio do registro das frequências, das médias e seus respectivos desvios padrão, ou da mediana e dos quartis, quando apropriado. Para comparar os grupos de desfecho, foi utilizado teste t de Student, quando as variáveis apresentaram distribuição normal, ou teste U de Mann-Whitney, quando a normalidade não foi observada. Nas variáveis dicotômicas, o qui quadrado ou o teste exato de Fisher, quando apropriado, foram aplicados. Para estudar a associação entre as variáveis independentes e o desfecho, foi utilizada a regressão logística multivariada em duas etapas, indo à etapa final as variáveis que tivessem valor de p < 0,20 na primeira etapa. Foi utilizado o programa STATA 14 da StataCorp LP. Foi empregado um valor de alfa de 0,05. Todos os testes foram bicaudais.

Resultados

As características epidemiológicas estão apresentadas na tabela 1. Foram 372 pacientes, sendo, em sua maioria, do sexo masculino, com mediana de idade de 74,26 anos e índice de massa corporal médio de 26,2 kg/m2. Em relação aos fatores de risco, os pacientes apresentavam hipertensão arterial sistêmica (93,2%), diabetes (29,0%) e tabagismo corrente (4,3%). Mesmo com média de creatinina dentro da normalidade, os pacientes apresentaram clearence de creatinina diminuído. A taxa de mortalidade da população estudada foi de 19,35% (72 pacientes) em 30 dias.

Tabela 1 Características demográficas e clínicas da população estudada 

Característica
Idade, anos (mediana e interquartis) 74,26 (71,77-77,08)
Homens 67,2
Índice de massa corporal 26,2 ± 4,1
Hipertensão arterial sistêmica 93,2
Diabetes melito 29,0
Tabagismo 4,3
Infarto agudo do miocárdio prévio 19,4
Acidente vascular cerebral prévio 5,3
Clearence de creatinina 51,77 (42,38-61,86)
Creatinina 1,1 (1,0-1,38)
Cirurgia de revascularização miocárdica prévia 2,1
Angioplastia coronariana percutânea prévia 9,1
Angina 80,9
Angina instável 27,6
Angina estável 72,4
Lesão de tronco de coronária esquerda 41,9
Lesão em descendente anterior proximal 62,0
Trivasculares 75,0
Fração de ejeção 62,0 (49,0-69,0)
Classe funcional 3 ou 4 pela NYHA 9,2
Óbito em 30 dias 19,3

Resultados expressos em mediana (interquartis), porcentagem ou média ± mediana. NYHA: New York Heart Association.

Na análise univariada (Tabelas 2 e 3), foram marcadores do óbito cirúrgico: cirurgia de urgência, cirurgia valvular combinada, cirurgia prévia, doença vascular periférica, classe funcional III/IV pela New York Heart Association (NYHA), diâmetro atrial esquerdo aumentado, menor uso de estatina no pré-operatório, maior necessidade do uso de nitratos no pré-operatório, insuficiência aórtica moderada/grave, estenose aórtica moderada/grave e insuficiência tricúspide moderada/grave.

Tabela 2 Análise univariada da mortalidade cirúrgica pela presença das variáveis categóricas potencialmente preditoras do óbito cirúrgico 

Variável Óbito (%) Sobrevivente (%) Valor de p
Cirurgia combinada 40,00 15,82 < 0,001
Classe funcional 3 ou 4 pela NYHA 38,24 17,26 0,003
Cirurgia de urgência 40,91 18,00 0,004
Uso de estatina no pré-operatório 16,84 30,43 0,017
Doença vascular periférica 30,16 17,12 0,018
Cirurgia prévia 31,37 17,35 0,019
Insuficiência tricúspide moderada/grave 60,00 18,44 0,019
Insuficiência aórtica moderada/grave 38,89 18,07 0,029
Insuficiência mitral moderada/grave 34,78 17,93 0,040
Estenose aórtica moderada/grave 32,81 16,03 0,002
Nitratos no pré-operatório 33,33 17,99 0,051
Betabloqueador no pré-operatório 32,81 28,57 0,056
Sexo masculino 17,60 22,95 0,220
Diabetes 15,74 20,91 0,253
Lesão de tronco de coronária esquerda 18,59 19,52 0,822

NYHA: New York Heart Association.

Tabela 3 Análise univariada da mortalidade cirúrgica pela presença das variáveis contínuas potencialmente preditoras do óbito cirúrgico 

Variável Sobrevivente Óbito Valor de p
Dimensão átrio esquerdo, cm 3,91 (3,84-3,98) 4,13 (3,94-4,32) 0,0129
Índice de massa corporal, kg/m2 26,11 (25,72-26,50) 26,80 (25,36-28,24) 0,3162
Idade, anos 74,15 (71,73-7,08) 74,81 (72,16-77,23) 0,3505
Fração de ejeção do ventrículo esquerdo, % 58,77 (57,12-60,43) 55,76 (51,62-59,90) 0,7250
Pressão sistólica da artéria pulmonar, mmHg 35,50 (32,11-38,89) 39,83 (33,97-45,68) 0,9114

A análise multivariada foi realizada em duas etapas e, na etapa final, encontramos como preditores independentes de óbito a presença de doença vascular periférica, a necessidade de cirurgia de urgência e o procedimento combinado com troca valvar (Tabelas 4 e 5).

Tabela 4 Análise multivariada dos fatores preditores do óbito cirúrgico na etapa inicial 

Fator Odds ratio Erro padrão IC95% Valor de p
Cirurgia de urgência 4,4952 2,5857 1,4559-13,879 0,009
Doença vascular periférica 2,5038 0,9111 1,2271-5,1091 0,012
Dimensão do átrio esquerdo 1,4488 0,3623 0,8874-2,3655 0,138
Cirurgia combinada 2,1760 1,2039 0,7357-6,4358 0,160
Cirurgia prévia 1,6740 0,6984 0,7390-3,7925 0,217
Insuficiência tricúspide moderada/grave 3,1501 3,1348 0,4479-22,152 0,249
Betabloqueador no pré-operatório 0,6536 0,2706 0,2903-1,4715 0,304
Estenose aórtica moderada/grave 1,4779 0,7335 0,5587-3,9096 0,431
Estatina no pré-operatório 0,8023 0,3059 0,3800-1,6941 0,564
NYHA 3-4 1,3249 0,6894 0,4777-3,6742 0,589
Nitratos no pré-operatório 1,2760 0,8513 0,3451-4,7179 0,715
Insuficiência aórtica moderada/grave 0,9405 0,5882 0,2761-3,2041 0,922

IC95%: intervalo de confiança de 95%; NYHA: New York Heart Association.

Tabela 5 Análise multivariada dos fatores preditores do óbito cirúrgico na etapa final 

Fator Odds ratio Erro padrão IC95% Valor de p
Cirurgia combinada 3,8651 1,2871 2,0123-7,4236 < 0,001
Cirurgia de urgência 4,8608 2,3881 1,8558-12,732 0,001
Doença vascular periférica 2,4773 0,8218 1,2931-4,7463 0,006

IC95%: intervalo de confiança de 95%.

Discussão

A cirurgia de revascularização miocárdica tem como objetivo a correção da isquemia miocárdica consequente à obstrução das artérias coronárias, objetivando o alívio dos sintomas, a melhora da qualidade de vida e o retorno do paciente à função laboral, bem como o aumento da expectativa de vida.9

Trata-se de um método de revascularização com maiores porcentuais de revascularização completa e de diminuição de episódios anginosos. Em contraponto, temos taxa de dias hospitalizados e incidência de complicações durante a internação cirúrgica maiores, o que coloca a cirurgia como uma segunda alternativa para pacientes que necessitam de uma revascularização.9

As características epidemiológicas dos pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica apresentam a maioria dos pacientes do sexo masculino com média de idade de 60 anos, hipertensão arterial como fator de risco mais prevalente e com função ventricular esquerda preservada.10,11

No entanto, o idoso apresenta maior número de comorbidades comparando com o paciente mais jovem. Além destas comorbidades, o sistema circulatório do idoso apresenta alterações derivadas do envelhecimento, como aumento da rigidez arterial, piora da função diastólica e maior extensão da doença arterial coronariana.12-14

Comparativamente ao paciente mais jovem, o paciente mais idoso apresenta maior mortalidade em relação à revascularização − seja cirúrgica ou percutânea. Porém, comparando com a revascularização percutânea, os benefícios em longo prazo no idoso submetido à cirurgia são maiores, principalmente em relação ao maior alívio sintomático e à menor necessidade de novas revascularizações.15

Diversos trabalhos evidenciam que a idade leva ao aumento no risco de óbito. Santos et al. observaram que pacientes acima de 65 anos apresentam um risco 2,3 vezes maior de óbito em relação aos pacientes mais jovens; Rocha et al. compararam pacientes maiores e menores de 70 anos, encontrando taxa de mortalidade de 8,9% nos mais velhos e de 3,6% nos mais jovens − esta coorte não envolveu pacientes submetidos à cirurgia combinada, que é um importante preditor de mortalidade.16,17

Diferentemente, Aikawa não identificou impacto na mortalidade dos pacientes mais idosos (> 65 anos) (5,8% vs. 2,0%), porém identificou um índice maior de complicações no pós-operatório nos idosos em comparação com os mais jovens (30% vs.14%).14

Já temos relatos de séries cirúrgicas envolvendo octogenários em procedimentos de revascularização miocárdica isolada mostrando que estes pacientes apresentam um risco maior de evolução para óbito intra-hospitalar, porém, quando comparamos com pacientes que vão para cirurgia de maneira eletiva ou com menos comorbidades, o risco se assemelha ao dos pacientes mais jovens.18,19

A mortalidade dos pacientes mais idosos foi bem maior do que a avaliada na população geral em trabalho realizado previamente pelo nosso grupo. A avaliação de todos os pacientes apresentou índice de 10,3% comparado com 22,3% da coorte atual. Porém, ao compararmos com algumas coortes de pacientes maiores de 70 anos, vemos taxas de mortalidade bem semelhantes.10,20

Em relação aos preditores de mortalidade, já é sabido que a cirurgia de emergência em idosos apresenta impacto negativo em relação ao prognóstico na evolução pós-operatória dos pacientes com risco de óbito de até 55 vezes maior em algumas séries.21

A presença de doença aterosclerótica periférica guarda íntima relação com a idade e o maior número de fatores de risco para doença coronariana. Associado a isso, existem relatos de que a qualidade do enxerto é pior nestes pacientes. O estudo PREVENT IV demonstrou que os pacientes com doença vascular periférica apresentam risco 3,3 vezes maior de morte, infarto ou novas revascularizações em 5 anos, porém sem impacto nos primeiros 30 dias após a cirurgia. Este fato é sustentado por outros dois trabalhos que demonstraram que o impacto da doença vascular periférica reside no longo prazo. No entanto, nenhum destes trabalhos estudou somente a população mais idosa, fato que pode explicar porque a combinação de idade avançada com doença vascular periférica apresenta um prognóstico mais sombrio que a doença vascular periférica isolada no pós-operatório de revascularização miocárdica.22-24

Ao realizarmos comparações com outras populações, precisamos ter em mente algumas peculiaridades dos pacientes estudados. Nossos pacientes eram do SUS, que, em sua maioria, apresentam condição socioeconômica mais desfavorável que os de rede particular e de outros países, além de terem um menor acesso a atendimento especializado.25

Conclusão

Os preditores de óbito cirúrgico nos septuagenários nesta amostra estudada foram a necessidade de cirurgia de emergência, o procedimento valvar combinado e a presença de doença vascular periférica.

REFERÊNCIAS

1. Brasil. Ministério da Saúde. Datasus. [Internet]. Banco de dados do Sistema Único de Saúde. [Acesso em 2015 jun 18]. Disponível em:
2 Grundy EMD. The epidemiology of aging. In: Tallis RC, Fillit HW. (editors). Brocklehurst's textbook of geriatric medicine and gerontology. Philadelphia: Elsevier Science Ltd; 2003. p. 3-20.
3 Schramm JM, Oliveira AF, Leite IC, Valente JG, Gadelha AM, Portela MC, et al. Epidemiological transition and the study of burden of disease in Brazil. Ciênc Saúde Coletiva 2004;9(4):897-908. doi: .
4 Fechine BR, Trompieri NO. Processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. Rev Cient Int. 2012;20(1):106-132. doi: .
5 Xavier HT, Izar MC, Faria Neto JR, Assad MH, Rocha VZ, Sposito AC, et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. [V Brazilian Guidelines on Dyslipidemias and Prevention of Atherosclerosis]. Arq Bras Cardiol. 2013;101(4 Suppl 1):1-20. doi: .
6 Cesar LA, Ferreira JF, Armaganijan D, Gowdak LH, Mansur AP, Bodanese LC et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. Guideline for stable coronary artery disease. Arq Bras Cardiol. 2014;103(2 Suppl 2):1-56. doi: .
7 Roques F, Nashef SA, Michel P, Gauducheau E, deVincentiis C, Baudet E, et al. Risk factors and outcome in European cardiac surgery: analysis of the EuroSCORE multinational database of 19030 patients. Eur J Cardiothorac Surg. 1999;15(6):816-22. PMID: 10431864.
8 Nicolau JC, Timerman A, Marin-Neto JA, Piegas LS, Barbosa CJ, Franci A, et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. [Guidelines of Sociedade Brasileira de Cardiologia for unstable angina and non-ST-segment elevation myocardial infarction (II edition, 2007) 2013-2014 update]. Arq Bras Cardiol. 2014;102(3 Suppl 1):1-61. doi:
9 Hueb W, Soares PR, Gersh BJ, César LA, Luz PL, Puig LB, et al. The medicine, angioplasty, or surgery study (MASS-II): a randomized, controlled clinical trial of three therapeutic strategies for multivessel coronary artery disease: one-year results. J Am Coll Cardiol. 2004;43(10):1743-51. doi: 10.1016/j.jacc.2003.08.065.
10 Kaufman R, Kuschnir MC, Xavier RM, Santos MA, Chaves RB, Müller RE, et al. Perfil epidemiológico na cirurgia de revascularização miocárdica. Rev Bras Cardiol. 2011;24(6):369-76.
11 Cruz LC, Kaufman R, Azevedo VM, Militão RC, Schneider F, Treml FT, et al. Análise das metas terapêuticas na prevenção secundária de DAC após CRM. Rev Bras Cardiol. 2012;25(4):309-12.
12 Scott BH, Seifert FC, Grimson R, Glass PS. Octogenarians undergoing coronary artery bypass graft surgery: resource utilization, postoperative mortality, and morbidity. J Cardiothorac Vasc Anesth. 2005;19(5):583-8. doi: 10.1053/j.jvca.2005.03.030.
13 Graham MM, Ghali WA, Faris PD, Galbraith PD, Norris CM, Knudtson ML; Alberta Provincial Project for Outcomes Assessment in Coronary Heart Disease (APPROACH) Investigators. Survival after coronary revascularization in the elderly. Circulation. 2002;105(20):2378-84. doi: .
14 Aikawa P, Cintra AR, Leite CA, Marques RH, da Silva CT, Afonso Mdos S, et al. Impact of coronary artery bypass grafting in elderly patients. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2013;28(1):22-8. doi: .
15 Mullany CJ, Mock MB, Brooks MM, Kelsey SF, Keller NM, Sutton-Tyrrell K, et al. Effect of age in the Bypass Angioplasty Revascularization Investigation (BARI) randomized trial. Ann Thorac Surg. 1999;67(2):396-403. doi: .
16 Santos CA, Oliveira MA, Brandi AC, Botelho PH, Brandi Jde C, Santos MA, et al. Risk factors for mortality of patients undergoing coronary artery bypass graft surgery. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2014;29(4):513-20. doi: 10.5935/1678-9741.20140073.
17 Rocha AS, Pittella FJ, Lorenzo AR, Barzan V, Colafranceschi AS, Brito JO, et al. Age influences outcomes in 70-year or older patients undergoing isolated coronary artery bypass graft surgery. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2012;27(1):45-51. doi: .
18 Alexander KP, Anstrom KJ, Muhlbaier LH, Grosswald RD, Smith PK, Jones RH, et al. Outcomes of cardiac surgery in patients &gt; or = 80 years: results from the National Cardiovascular Network. J Am Coll Cardiol. 2000;35(3):731-8. doi: .
19 Wang W, Bagshaw SM, Norris CM, Zibdawi R, Zibdawi M, MacArthur R. Association between older age and outcome after cardiac surgery: a population-based cohort study. J Cardiothorac Surg. 2014 Nov 18;9:177. doi: 10.1186/s13019-014-0177-6.
20 Almeida FF, Barreto SM, Couto B, Starling CE. Predictive factors of in-hospital mortality and of severe perioperative complications in myocardial revascularization surgery. Arq Bras Cardiol. 2003;80(1):41-50. doi: .
21 Guimarães IN, Moraes F, Segundo JP, Silva I, Andrade TG, Moraes CR. Risk factors for mortality in octogenarians undergoing myocardial revascularization surgery. Arq Bras Cardiol. 2011;96(2):94-8. doi: .
22 Harskamp RE, Alexander JH, Schulte PJ, Jones WS, Williams JB, Mack MJ, et al. Impact of extracardiac vascular disease on vein graft failure and outcomes after coronary artery bypass surgery. Ann Thorac Surg. 2014;97(3):824-30. doi: 10.1016/j.athoracsur.2013.09.099.
23 Chu D, Bakaeen FG, Wang XL, Dao TK, LeMaire SA, Coselli JS, et al. The impact of peripheral vascular disease on long-term survival after coronary artery bypass graft surgery. Ann Thorac Surg. 2008;86(4):1175-80. doi: 10.1016/j.athoracsur.2008.06.024.
24 vanStraten AH, Firanescu C, Soliman H, Tan ME, TerWoorst JF, Martens EJ, et al. Peripheral vascular disease as a predictor of survival after coronary artery bypass grafting: comparison with a matched general population. Ann Thorac Surg. 2010;89(2):414-20. doi: 10.1016/j.athoracsur.2009.11.036.
25 Gomes WJ, Mendonça JT, Braile DM. Cardiovascular surgery outcomes: oportunity to rediscuss medical and cardiological care in the Brazilian Public Health System. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2007;22(4):3-4. doi: .
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.