Caracterização da mortalidade por suicídio entre indígenas e não indígenas em Roraima, Brasil, 2009-2013

Caracterização da mortalidade por suicídio entre indígenas e não indígenas em Roraima, Brasil, 2009-2013

Autores:

Maximiliano Loiola Ponte de Souza,
Ricardo Tadeu da Silva Onety Júnior

ARTIGO ORIGINAL

Epidemiologia e Serviços de Saúde

versão impressa ISSN 1679-4974versão On-line ISSN 2237-9622

Epidemiol. Serv. Saúde vol.26 no.4 Brasília out./dez. 2017

http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000400019

Resumen

OBJETIVO:

describir características y tasas de mortalidad por suicidios entre indígenas y no-indígenas en Roraima.

MÉTODOS:

se realizó un estudio descriptivo con datos del Sistema de Información de Mortalidad, referente a suicidios en mayores de 10 años, entre 2009-2013; las tasas de mortalidad por suicidio se ajustaron por sexo y edad.

RESULTADOS:

se registraron 170 suicidios, 17.1% indígenas; las medias de edad fueron 24 años entre indígenas y 29 entre no-indígenas; cuatro municipios concentran 25/29 suicidios entre los indios; los 141 suicidios entre los no-indígenas se distribuyeron en 13/15 municipios en el estado; las tasas de mortalidad por suicidio fueron 15.0/100.000 entre indígena y 8.6/100.000 entre no-indígena.

CONCLUSIÓN:

hubo especificidades étnico-raciales en la mortalidad por suicidio; entre los indígenas, las tasas fueron más altas, predominaron las edades más jóvenes y las muertes se concentran en pocos municipios, comparado con no-indígenas.

Palabras-clave: Suicidio; Población Indígena; Epidemiología Descriptiva

Introdução

As populações indígenas e nativas, em diferentes países, apresentam taxas de mortalidade por suicídio mais elevadas do que as das respectivas populações gerais.1-4 No Brasil, são escassos os trabalhos que investigam o suicídio nesses grupos, de expressiva diversidade, embora representem apenas 0,4% da população nacional.5

No período 2006-2010, a taxa de mortalidade por suicídio entre indígenas no país foi estimada em 12,6/100 mil habitantes, 2,3 vezes superior àquela entre os não indígenas. Os estados do Amazonas, Mato Grosso do Sul e Roraima foram aqueles que apresentaram explícita sobremortalidade indígena por suicídio.6 Para os dois primeiros, existem estudos que investigaram, de modo comparativo, a mortalidade por suicídio entre indígenas e não indígenas.7,8 Entretanto, não foram encontrados estudos sobre Roraima, estado brasileiro com maior proporção de pessoas autodeclaradas indígenas. Com o interesse de ampliar o conhecimento a respeito das especificidades étnico-raciais da mortalidade por essa causa específica de óbito no Brasil, o objetivo deste trabalho foi descrever características e taxas da mortalidade por suicídio entre indígenas e não indígenas no estado de Roraima.

Métodos

Estudo descritivo, compreendendo o período de 2009 a 2013.

Roraima, estado localizado na região Norte do Brasil, possuía 450.479 habitantes em 2010, dos quais 11,2% se autodeclaram indígenas, e cerca de 63% residiam em sua capital, Boa Vista.5

Os dados de mortalidade foram obtidos no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde.9 Foram selecionados todos os óbitos cuja causa básica foi classificada como ‘Lesões autoprovocadas voluntariamente’ (códigos X60-X84 da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde - CID-10),10 entre residentes em Roraima com 10 anos ou mais de idade, conforme recomendação da literatura.4,11

As variáveis investigadas foram:

  • raça/cor da pele (indígenas e não indígenas, nesta última incluídos brancos, pretos, pardos e amarelos);

  • sexo (masculino; feminino);

  • estado civil (solteiro; casado/união estável; viúvo; divorciado; ignorado);

  • idade (em anos: 10-14; 15-24; 25-39; 40-59; ≥60; e medianas);

  • local de ocorrência (hospital; domicílio; via pública; outros; ignorado);

  • método utilizado para cometer o suicídio (enforcamento; afogamento; disparo por arma de fogo; intoxicação; outros); e

  • município de residência.

Foram calculadas taxas de mortalidade por suicídio por 100 mil habitantes. Como denominadores, foram utilizados dados dos censos demográficos de 2000 e 2010;12 utilizou-se a progressão geométrica anual para calcular as populações dos períodos inter e pós-censitários. As taxas foram ajustadas por idade, pelo método direto de padronização, tomando-se a população-padrão da Organização Mundial da Saúde (OMS)13 como referência. A apresentação das taxas municipais segue categorização aplicada em estudo anterior:14 nulas; baixas (0,1 a 4,9/100 mil); médias (5,0 a 14,9/100 mil); altas (15,0 a 29,9/100 mil); e muito altas (superiores a 30,0/100 mil). Mapas temáticos com as taxas municipais de mortalidade entre indígenas e não indígenas foram elaborados aplicando-se o programa de geoprocessamento QGIS 2.16.

Foram utilizados exclusivamente dados secundários de livre acesso, de modo que o projeto do estudo foi dispensado de apreciação ética, em conformidade com a Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) no 510/2016.15

Resultados

Foram registrados 170 óbitos por suicídio: 29 (17,1%) em indígenas e 141 (82,9%) em não indígenas. Em ambos grupos, houve predomínio de mortes em indivíduos solteiros e naqueles do sexo masculino. Os óbitos ocorreram, em sua maioria, por enforcamento e no domicílio. Nos indígenas, não houve registro de suicídios em hospital ou via pública, tampouco por intoxicação (Tabela 1). Entre os não indígenas, a mediana das idades foi de 29 anos, enquanto nos indígenas, de 24. Em ambos grupos, a idade mínima foi de 12 anos, enquanto a idade máxima foi de 80 anos para não indígenas e de 41 anos para indígenas.

Tabela 1 - Características demográficas e epidemiológicas dos registros de óbitos por suicídios ocorridos entre indígenas e não indígenas, Roraima, 2009-2013 

Características Indígena (N=29) Não indígena (N=141) Total (N=170)
n n % n %
Sexo
Masculino 19 107 75,9 126 74,1
Feminino 10 34 24,1 44 25,9
Faixa etária (em anos)
10-14 2 4 2,8 6 3,5
15-24 13 46 32,6 59 34,7
25-39 11 49 34,8 60 35,3
40-59 3 30 21,3 33 19,4
≥60 - 12 8,5 12 7,1
Estado civil
Solteiro 21 104 73,8 125 73,5
Casado/União estável 3 24 17,0 27 15,9
Viúvo - 3 2,1 3 1,8
Divorciado - 3 2,1 3 1,8
Ignorado 5 7 5,0 12 7,1
Local de ocorrência
Hospital - 8 5,7 8 4,7
Domicílio 21 103 73,0 124 72,9
Via pública - 04 2,8 4 2,4
Outros 7 26 18,4 33 19,4
Ignorado 1 - - 1 0,6
Método utilizado
Enforcamento 26 121 85,8 147 86,5
Afogamento - 4 2,8 6 3,5
Disparo por arma de fogo 1 5 3,5 6 3,5
Intoxicação - 8 5,7 8 5,7
Outros - 3 2,1 3 1,8

Em Roraima, as taxas ajustadas de mortalidade por suicídio foram de 15,0/100 mil indígenas e de 8,6/100 mil não indígenas. Entre indígenas, essas taxas foram de 20,3/100 mil no sexo masculino e de 9,3/100 mil no feminino; e entre não indígenas, de 12,9 e 4,2/100 mil, respectivamente.

As taxas entre indígenas foram nulas em 8/15 municípios, e altas ou muito altas em quatro: Cantá (84,2/100 mil), Amajari (29,8/100 mil), Bonfim (20,4/100 mil) e Boa Vista (17,7/100 mil). Nestes quatro municípios, ocorreram 25/29 dos casos de suicídios entre indígenas (Figura 1). Taxas nulas de mortalidade por suicídio entre não indígenas foram encontradas em 3/15 municípios. Boa Vista apresentou 67,6% dos suicídios não indígenas, correspondendo a uma taxa de 7,4/100 mil. Em Bonfim, essa taxa foi de 25/100 mil não indígenas (Figura 2).

Figura 1 - Taxas de mortalidade por suicídio (por 100 mil habitantes) entre indígenas, segundo municípios, Roraima, 2009-2013 

Figura 2 - Taxas de mortalidade por suicídio (por 100 mil habitantes) entre não indígenas, segundo municípios, Roraima, 2009-2013 

Discussão

Evidenciaram-se algumas especificidades étnico-raciais sobre a mortalidade por suicídio em Roraima: menor idade dos indígenas; não ocorrência, nesse grupo, de óbitos em hospital ou via pública, nem por intoxicação; concentração dos casos indígenas em menos da metade dos municípios; e taxa de mortalidade por suicídio entre indígenas 1,7 vez maior do que em não indígenas.

Como limitações do estudo, destacam-se aquelas inerentes ao uso de dados secundários do SIM. A incompletude de campos impossibilitou o estudo de variáveis importantes, como escolaridade e ocupação. Outrossim, não obstante os avanços, o SIM apresenta problemas na cobertura de registros de casos, especialmente na região Norte do país.16,17 A literatura aponta que as mortes por suicídio são correntemente subnotificadas, especialmente entre indígenas.18 É possível supor que as taxas de mortalidade entre indígenas aqui apresentadas possam ser ainda mais elevadas.

Apesar dessas limitações, a comparação dos achados deste trabalho com os de pesquisas realizadas nos estados do Amazonas7 e Mato Grosso do Sul8 pode ampliar o conhecimento das especificidades étnico-raciais da mortalidade por suicídio no Brasil. Tal comparação pode fornecer uma aproximação da situação da mortalidade por essa causa específica e nesse grupo vulnerável, na medida em que 80% dos suicídios entre indígenas ocorreram nesses estados.11

Em Roraima, tal como o observado no Amazonas7 em 2006-2010, e em Mato Grosso do Sul8 no transcurso de 2009-2011, os suicídios foram registrados principalmente entre pessoas do sexo masculino e solteiros, tendo como principal meio o enforcamento, ocorrência majoritariamente no domicilio, tanto entre indígenas como não indígenas. Esse perfil, semelhante ao da população geral brasileira em 2000-2012,18 não evidencia qualquer especificidade étnico-racial da mortalidade por suicídio.

Os indígenas de Roraima morreram menos em ambiente hospitalar, e eram mais jovens, algo observado no Amazonas7 e em Mato Grosso do Sul.8 Em Roraima, não se registrou suicídios por intoxicação, diferentemente do ocorrido naqueles dois estados.

A menor ocorrência de mortes no ambiente hospitalar entre indígenas, observada nos três estados, pode estar associada à maior dificuldade de acesso, por parte dessa população, aos serviços de saúde, bem como - eventualmente - à maior letalidade dos meios por eles empregados para cometer o suicídio.8

Em Roraima, não se encontrou um caso sequer de indígena que tenha morrido por suicídio após os 45 anos. Nos estados do Amazonas7 e Mato Grosso do Sul,8 as taxas de mortalidade mais elevadas foram encontradas entre jovens de 15 a 24 anos. Estes resultados são consistentes com o fato de, entre indígenas, o suicídio de jovens e jovens adultos ser maior numericamente, na comparação com outras faixas etárias, em outros países.1

O suicídio ocorre de modo desigual, mais elevado entre os indígenas, conforme observado em Roraima. A taxa de mortalidade por suicídio entre indígenas foi maior do que na população do Brasil em 2012 (6,4/100 mil).19 O valor, entretanto, é mais baixo do que o observado entre populações indígenas do Amazonas7 e de Mato Grosso do Sul,8 como também do encontrado entre populações nativas do noroeste da Rússia (79,8/100 mil)4 e da região de Kimberley, Austrália (74/100 mil);2 todavia, é mais próximo do observado entre os Sami da Noruega (cerca de 20/100 mil).3 Diferenças na qualidade dos registros de óbitos entre países devem ser consideradas, na análise comparativa.

Outro aspecto a destacar é o de que em Roraima, embora as taxas de mortalidade por suicídio sejam mais elevadas nos homens, a razão de taxas indígena/não indígena é maior entre mulheres. Tal achado, previamente evidenciado no Amazonas7 e em Mato Grosso do Sul,8 indicativo de maior participação relativa das mulheres na mortalidade por suicídio em contextos indígenas, caracteriza uma especificidade de gênero recorrente nesses grupos étnicos, inclusive noutros países.3,4

Outra distinção sobre a ocorrência do suicídio entre indígenas e não indígenas é a distribuição desse evento por municípios. Em Roraima, tal como no Amazonas7 e em Mato Grosso do Sul,8 os suicídios em indígenas concentram-se em determinados municípios, enquanto os de não indígenas são mais dispersos. Em Roraima, os casos em indígenas ficaram concentrados na capital, Boa Vista, e três cidades vizinhas, que se caracterizaram por apresentar taxas elevadas. Esses municípios presenciaram a maioria dos casos de suicídios entre indígenas. O próprio desenho deste estudo e a escassez de literatura específica sobre o suicídio indígena em Roraima limitam a capacidade de elaborar uma hipótese explicativa para esse achado. Propõe-se a realização de estudos mais refinados, inclusive etnográficos, aptos a investigar a associação entre o suicídio e o processo de urbanização da população indígena do estado.

Foram evidenciadas especificidades na mortalidade por suicídio entre indígenas de Roraima. Essas especificidades, ao que parece extensivas a outros contextos indígenas brasileiros, estão relacionadas a características peculiares dos sujeitos que se matam, a taxas mais elevadas, e à existência de municípios que concentram parte importante dos casos. A compreensão em profundidade dessas especificidades, a serem levadas em consideração na elaboração de políticas específicas de enfrentamento da questão, demanda estudos adicionais.

REFERÊNCIAS

1. World Health Organization. Preventing suicide: a global perspective [Internet]. Geneve: World Health Organization; 2014 [cited 2017 May 17]. 92 p. Available from: Available from:
2. Campbell A, Balaratnasingam S, McHugh C, Janca A, Chapman M. Alarming increase of suicide in a remote Indigenous Australian population: an audit of data from 2005 to 2014. World Psychiatry. 2016 Out;15(3):296-7.
3. Silviken A. Prevalence of suicidal behavior among indigenous Sami in northern Norway. Int J Circumpolar Health. 2009 Jun;68(3):204-11.
4. Sumarokov YA, Brenn T, Kudryavtsev AV, Nilssen O. Suicides in the indigenous and non-indigenous populations in the Nenets Autonomous Okrug, Northwestern Russia, and associated socio-demographic characteristics. Int J Circumpolar Health. 2014 May 6;73:2430-8.
5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os indígenas no censo demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2012 [citado 2017 Maio 17]. 31 p. Disponível em:
6. Souza MLP, Orellana JDY. Suicide among the indigenous people in Brazil: a hidden public health issue. Rev Bras Psiquiatr. 2012 Dec; 34(4):489-90.
7. Souza MLP, Orellana JDY. Desigualdades na mortalidade por suicídio entre indígenas e não indígenas no estado do Amazonas, Brasil. J Bras Psiquiatr. 2013 Dez;62(4):245-52.
8. Orellana JDY, Balieiro AA, Fonseca FR, Basta PC, Souza MLP. Spatial-temporal trends and risk of suicide in Central Brazil: an ecological study contrasting indigenous and non-indigenous populations. Rev Bras Psiquiatr. 2016 Jan 19;38(3):222-30.
9. Informações de Saúde. Mortalidade. Óbitos por causas externas - Roraima [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. 2017 - [citado 2016 Jun 15]. Disponível em: Disponível em:
10. Organização Mundial da Saúde. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde (CID-10). 8. ed. 10. rev. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2000.
11. Soole R, Kõlves K, De Leo D. Suicides in Aboriginal and Torres Strait Islander children: analysis of Queensland Suicide Register. Aust N Z P Public Health. 2014 Dec;38(6):574-8.
12. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). SIDRA. Sistema IBGE de recuperação automática. Censo demográfico 2000. [Internet]. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012 - [citado 2016 Jun 15]. Disponível em: Disponível em:
13. Ahmad OB, Bochi-Pinto C, Lopez AD, Murray CJL, Lozano R, Inoue M. Age standardization of rates: a new WHO standard [Internet]. Geneva: WHO; 2001 [cited 2017 May 17]. 14 p. Available from: Available from:
14. Diekstra RF, Gulbinat W. The epidemiology of suicidal behaviour: a review of three continents. World Health Stat Q. 1993;46(1):52-68.
15. Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. 2016 Maio 24. Seção 1. p. 44-46.
16. Laurenti R, Mello Jorge MHP, Gotlieb SLD. Mortalidade segundo causas: considerações sobre a fidedignidade dos dados. Rev Panam Salud Publica. 2008 Maio;23:349-56.
17. Szwarcwald CL, Morais Neto OL, Frias PG, Souza Jr. PRB, Cortez Escalante JJ, Lima RB, Viola RC. Busca ativa de óbitos e nascimentos no Nordeste e na Amazônia Legal: estimação das coberturas do SIM e do Sinasc nos municípios brasileiros. In: Ministério da Saúde (BR). Departamento de Análise de Situação de Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil, 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011 [citado 2017 Maio 17]. p. 79-98. Disponível em: Disponível em:
18. De Leo D, Dudley MJ, Aebersold CJ, Mendoza JA, Barnes MA, Harrison JE, Ranson DL. Achieving standardized reporting of suicide in Australia: rational and program for change. Med J Aust. 2010 Apr;192(8):452-6.
19. Machado DB, Santos DN. Suicídio no Brasil, de 2000 a 2012. J Bras Psiquiatr. 2015 Mar;64(1):45-54.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.