Coilócitos por HPV no sedimento urinário

Coilócitos por HPV no sedimento urinário

Autores:

José Antonio Tesser Poloni,
Gisele Meinerz,
Cássia Ferreira Braz Caurio,
Alessandro Comarú Pasqualotto

ARTIGO ORIGINAL

Brazilian Journal of Nephrology

versão impressa ISSN 0101-2800versão On-line ISSN 2175-8239

J. Bras. Nefrol., ahead of print Epub 27-Abr-2020

http://dx.doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-2019-0158

CASO

Um homem de 62 anos foi submetido a transplante renal por doença renal policística em 2017. Durante uma consulta de rotina, o paciente realizou exames laboratoriais, incluindo urinálise. O teste com fita reagente indicou pH de 5,0; gravidade específica da urina de 1,012; 1+ de albumina; e 1+ de hemoglobina. A microscopia urinária mostrou 31-40 células epiteliais escamosas por campo de alta potência (HPF); > 50 leucócitos/HPF; 1-2 hemácias/HPF; e <1 cilindro granular por campo de baixa potência. Vale destacar que algumas células epiteliais escamosas apresentaram um claro halo perinuclear (Figura 1; coilócitos), achado comumente observado durante a análise citológica cervical de rotina em amostras coradas com Papanicolau no contexto de infecção por papilomavírus humano (HPV)1,2. Esses achados não costumam ser observados em sedimento urinário fresco não corado, principalmente em pacientes do sexo masculino. Após tal achado, foi realizada cistoscopia com a identificação de lesões na uretra, que foram cauterizadas. De forma a identificar o patógeno, foi realizado um teste reação em cadeia da polimerase (PCR) desenvolvido internamente, que confirmou a presença de DNA de HPV subtipo 6 na amostra de urina. O HPV6 é um tipo de HPV de baixo risco, que raramente é associado ao desenvolvimento de tumores. Contudo, em contextos de imunossupressão, o HPV6 pode causar infecções potencialmente graves. Como mostrou o presente caso, a análise de sedimentos urinários pode desempenhar um papel relevante no diagnóstico de infecções por HPV.

Figura 1 Halo perinuclear em célula epitelial escamosa - coilócito (flecha). Sedimento urinário analisado à fresco e sem coloração. Microscopia de contraste de fase. Aumento original 400x. 

REFERÊNCIAS

1 Altamirano E, Drut R. Koilocytes in urinary cytology in a patient with kidney transplant. Diagn Cytopathol. 2008 May;36(5):338-40.
2 Goyal A, Ray N, Chute DJ, Abdul-Karim FW. Significance of cytologic detection of low-grade squamous intraepithelial lesions in urine. J Am Soc Cytopathol. 2014 Sep/Oct;3(5):251-5.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.