Conhecimento em cuidados vocais por indivíduos disfônicos e saudáveis de diferentes gerações

Conhecimento em cuidados vocais por indivíduos disfônicos e saudáveis de diferentes gerações

Autores:

Felipe Moreti,
Fabiana Zambon,
Mara Behlau

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.28 no.4 São Paulo jul./ago. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20162015162

INTRODUÇÃO

A terapia vocal indireta tem como um de seus objetivos contribuir para a conscientização de fatores e hábitos que interferem na produção da voz(1). É tradicionalmente chamada de higiene vocal e consta de uma série de procedimentos que ajudam a cuidar da voz, desde normas de bom senso até recomendações baseadas em pesquisas(2). É complementar à terapia vocal direta, feita por meio de exercícios. O objetivo final da abordagem indireta é auxiliar o próprio paciente a identificar hábitos vocais não saudáveis, modificando-os ou eliminando-os(3).

Estudos científicos têm buscado compreender o conhecimento em cuidados vocais por populações específicas, profissionais(4) ou não da voz, disfônicos e/ou vocalmente saudáveis(5). Contudo, esses dados não permitem generalizações visto que pode haver forte influência cultural nestas informações(4,5). Além disso, possivelmente pode haver influência da geração a que o indivíduo pertence, pela forma com que buscam informações, pensam ou interpretam as questões relacionadas à saúde e/ou comportamento(6).

Desta forma, o objetivo deste estudo é identificar as opiniões de indivíduos disfônicos e vocalmente saudáveis sobre os fatores que fazem bem e mal para a voz, analisando-os de acordo com a geração a que pertencem.

MÉTODOS

A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP (parecer nº 86985, CAAE: 04872912.5.0000.5505). Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE.

O estudo realizado é prospectivo, qualitativo e descritivo. Participaram 866 indivíduos de 18 a 86 anos, 196 homens e 670 mulheres, sendo 304 disfônicos (com queixa vocal e diagnóstico otorrinolaringológico) e 562 vocalmente saudáveis (ausência de queixas e/ou problemas vocais/laríngeos), categorizados pelas gerações a que pertencem(6): 22 indivíduos da Silent Generation – SG (nascimento 1926/-/1945), 180 da Baby Boomers – BB (1946/-/1964), 285 da Geração X (1965/-/1981) e 379 da Geração Y (1982/-/2003). Todos os indivíduos preencheram questionário com dados demográficos e duas questões: “Cite até cinco coisas que você acha que façam bem/mal para a sua voz”. As respostas foram tabuladas e categorizadas para se obter uma lista de fatores relacionados à voz e identificar os positivos e negativos para cada geração.

RESULTADOS

Foram levantadas 5260 respostas dos 866 indivíduos (2478 positivas e 2782 negativas). Depois da organização destas respostas e exclusão de itens repetidos, obteve-se uma lista total de 365 fatores relacionados à voz, independente de serem potencialmente positivos ou prejudiciais para a voz, apresentados em ordem alfabética no Quadro 1.

Quadro 1 Fatores relacionados à voz relatados por indivíduos disfônicos e vocalmente saudáveis, organizados em ordem alfabética 

No Fatores relacionados à voz No Fatores relacionados à voz
1 abuso vocal 184 falta de descanso
2 açaí 185 falta de higiene oral
3 ácaros 186 falta de informação sobre saúde vocal
4 açúcar 187 felicidade
5 agasalhar a região do pescoço 188 ficar em silêncio
6 água 189 folha de bálsamo (mascar)
7 água com limão 190 fonoterapia
8 água com sal 191 força para cantar
9 água com vinagre 192 forçar a voz
10 água de coco 193 forçar para falar
11 água morna 194 fortes emoções
12 água quente 195 friagem
13 alcaçuz 196 frutas
14 alegria 197 frutas cítricas
15 alergias 198 fumaça
16 alho 199 fumar
17 alimentação inadequada 200 gargalhar
18 alimentação saudável 201 gargarejo
19 alimentos ácidos 202 gargarejo com água e pimenta
20 alimentos adstringentes 203 gargarejo com água e sal
21 alimentos anestésicos 204 gargarejo com água e vinagre
22 alimentos cítricos 205 gargarejo com água morna
23 alimentos condimentados 206 gargarejo com água morna e sal
24 alimentos gelados 207 gargarejo com água morna e vinagre
25 alimentos gordurosos 208 gargarejo com água, vinagre e sal
26 alimentos quentes 209 gargarejo com chá de camomila
27 alongamento cervical 210 gargarejo com chá de casca de romã
28 ambiente sem ventilação 211 gargarejo com enxaguante bucal
29 ambientes arborizados 212 gargarejo com limão
30 andar 213 gargarejo com limão e sal
31 andar depressa 214 gargarejo com malvona, água morna e sal
32 andar descalço 215 gargarejo com própolis
33 angústia 216 gargarejo com romã
34 ansiedade 217 gargarejo com sal
35 apoio vocal 218 gargarejo com soro fisiológico morno
36 aquecimento vocal 219 gargarejo com suco de limão
37 ar condicionado 220 gargarejo com vinagre
38 ar puro 221 gargarejo com vinagre e sal
39 ar quente 222 garoa
40 ar seco 223 gelo
41 articular bem para falar 224 gengibre
42 articular mal as palavras 225 gengibre com mel
43 ataque vocal brusco 226 gomas
44 atender telefone 227 gripe
45 aulas de canto 228 gritar
46 azia 229 hábitos vocais inadequados
47 babosa 230 hábitos vocais saudáveis
48 baixas temperaturas 231 hidratação tópica do trato vocal (gaze úmida)
49 balas 232 higiene oral
50 balas de eucalipto 233 higiene vocal
51 balas de gengibre 234 hormônios esteroides anabolizantes
52 balas de hortelã 235 hortelã
53 balas de mel 236 imitar vozes
54 balas de menta 237 inalação
55 banana 238 incoordenação da fala com a respiração
56 banho quente 239 infecção de garganta
57 barra de cereais 240 insegurança
58 batata doces 241 intubação orotraqueal
59 beber líquidos 242 iogurte
60 bebidas ácidas 243 ir à igreja
61 bebidas alcoólicas 244 lactose
62 bebidas geladas 245 laranja
63 bebidas quentes 246 laranja com mel
64 beterraba 247 laticínios
65 boa saúde geral 248 legumes
66 bocejar 249 leite
67 bochecho com óleo 250 leite com canela
68 bochecho com vinagre 251 leite com mel
69 brigar 252 limão
70 cacau 253 maçã
71 café 254 maconha
72 café com leite 255 malva
73 cafeína 256 malvona
74 canela 257 mau uso vocal
75 cansaço físico 258 medicamentos
76 cansaço vocal 259 medicamentos anestésicos
77 cantar 260 medicamentos antibióticos
78 cantar agudo 261 medicamentos anti-inflamatórios
79 cantar alto 262 medicamentos corticoides
80 cantar com competição sonora 263 medicamentos para asma (bombinha)
81 cantar em karaokê 264 medicamentos para infecção de garganta
82 cantar em registro inadequado 265 medicamentos para refluxo gastresofágico
83 cantar em tonalidade inadequada 266 mel
84 cantar muito 267 mel com alho
85 cantar na tonalidade correta 268 mel com conhaque
86 cantar quando gripado 269 mel com limão
87 cantar sem apoio respiratório 270 mel com manteiga
88 cantar sem técnica vocal adequada 271 menta
89 carne vermelha 272 microfone durante o canto
90 cebola 273 microfone para dar aulas
91 cenoura 274 mofo
92 cenoura com mel 275 mudança de tempo
93 cerveja 276 narguilé
94 chá 277 nariz entupido
95 chá de açafrão 278 nebulização
96 chá de boldo 279 nervosismo
97 chá de camomila 280 ovo cru
98 chá de canela 281 paçoca
99 chá de capim santo 282 pão
100 chá de casca de cebola 283 pastilhas
101 chá de casca de romã 284 pastilhas anestésicas
102 chá de cebola 285 pastilhas de hortelã
103 chá de cebola e alho 286 pastilhas de menta
104 chá de coentro 287 pera
105 chá de espinheira santa 288 perfume
106 chá de folha de abacate 289 período pré-menstrual
107 chá de gengibre 290 pigarrear
108 chá de guaco 291 pimenta
109 chá de hortelã 292 pimenta do reino
110 chá de limão 293 pinga
111 chá de limão com sal 294 pó de cimento
112 chá de maçã 295 pó de giz
113 chá de romã 296 poeira
114 chá mate com limão e mel 297 poluição
115 chá preto 298 postura corporal adequada
116 chá quente 299 postura corporal inadequada
117 charuto 300 preparação vocal inadequada
118 cheiros fortes/tóxicos 301 produtos químicos
119 chocolate 302 própolis
120 choque térmico 303 qualidade de vida satisfatória
121 chuva 304 queijo
122 cirurgia 305 refluxo gastresofágico
123 clima úmido 306 refrigerantes
124 cochichar 307 relaxamento
125 comer muito 308 relaxamento da região cervical
126 conhaque 309 repouso vocal
127 conhecimento da fisiologia vocal 310 resfriado
128 conversar 311 respeitar seus limites
129 cravo da índia 312 respirar bem
130 cuidados de saúde em geral 313 respirar com apoio
131 dar aulas 314 respirar errado
132 desaquecimento vocal 315 respirar pela boca
133 descansar 316 rinite
134 desidratação (não consumir líquidos) 317 rir alto
135 doces 318 rir muito
136 dormir bem 319 romã
137 dormir de boca aberta 320 roupas apertadas
138 dormir mal 321 roupas confortáveis
139 dormir pouco 322 sair do banho com cabelos úmidos
140 drogas 323 sal
141 emocional desequilibrado 324 salsa
142 emocional equilibrado 325 salsão
143 encher bexigas 326 sapato de salto alto
144 engolir rápido 327 sedentarismo
145 esforço físico 328 sinusite
146 estresse 329 soro fisiológico
147 exercícios físicos 330 sorrir
148 exercícios para articulação 331 sorvete
149 exercícios para mastigação 332 spray anestésico
150 exercícios para musculatura facial 333 spray anti-inflamatório
151 exercícios vocais 334 spray de menta
152 falar 335 spray de própolis
153 falar alto 336 spray para a garganta
154 falar ao telefone 337 suco de goiaba
155 falar baixo 338 suco de laranja
156 falar com apoio respiratório 339 suco de maracujá
157 falar com competição sonora 340 sucos
158 falar com o queixo erguido 341 sucos cítricos
159 falar com voz fluida 342 sussurrar
160 falar confortavelmente 343 técnica vocal
161 falar da vida dos outros 344 temperaturas amenas
162 falar de costas para o interlocutor 345 tensão ao falar
163 falar devagar 346 tensão muscular
164 falar durante exercícios físicos 347 tensão na região cervical
165 falar em intensidade moderada 348 tomate verde
166 falar em lugar silencioso 349 tossir
167 falar em lugares públicos 350 tranquilidade
168 falar em tom habitual de voz 351 treinamento vocal
169 falar fora de seu tom habitual de voz 352 tristeza
170 falar menos 353 uso adequado da voz
171 falar moderadamente 354 uso inadequado da voz
172 falar muito 355 variar tom de voz
173 falar normalmente 356 ventilador
174 falar pausadamente 357 vento
175 falar pouco 358 verduras
176 falar quando gripado 359 vinagre e sal
177 falar rápido 360 vitamina C
178 falar sem coordenar com a respiração 361 vitaminas
179 falar sem esforço 362 vocalises
180 falar sem pausas 363 vocalizar diariamente
181 falar suavemente 364 voz neutra para falar
182 falta de cuidado ao cantar 365 xaropes
183 falta de cuidado ao falar

Água e maçã foram relatados por todas as gerações como aspectos potencialmente positivos para a voz, com diferentes frequências de ocorrência. Aquecimento vocal foi mais relatado pelas gerações mais novas, X e Y, enquanto as mais antigas, SG e BB, relataram aspectos comportamentais relativos às crenças, como chás e gargarejos.

Com relação aos aspectos negativos, fumar e gritar foram os de maior ocorrência em todas as gerações, aumentando a frequência de ocorrência nas gerações mais novas. As gerações mais antigas, SG e BB, referiram também com maior frequência de ocorrência que bebidas geladas podem fazer mal para a voz.

As três porcentagens de maior ocorrência de fatores positivos e negativos relacionados à voz para cada geração são apresentadas no Quadro 2.

Quadro 2 Aspectos positivos e negativos relacionados à voz de maior ocorrência para cada geração 

Gerações Fatores positivos % Fatores negativos %
Silent Generation
1926/-/1945
Água
Mel
Romã
18,18 Bebidas geladas 40,91
Maçã 13,64 Falar muito 31,92
Chá de gengibre
Exercícios vocais
Gargarejo
9,09 Bebidas alcoólicas
Fumar
Gritar
22,73
Baby Boomers
1946/-/1964
Água 58,33 Bebidas geladas 41,67
Maçã 32,78 Gritar 32,78
Dormir bem 13,33 Fumar 31,67
Geração X
1965/-/1981
Água 69,82 Gritar 43,16
Maçã 30,53 Fumar 41,75
Aquecimento vocal 20,00 Bebidas alcoólicas 27,02
Geração Y
1982/-/2003
Água 78,89 Gritar 47,49
Maçã 49,87 Fumar 46,97
Aquecimento Vocal 22,96 Bebidas alcoólicas 32,19

DISCUSSÃO

A quantidade semelhante de itens positivos e negativos relacionados à voz mostra que as pessoas reconhecem a possibilidade de efeitos positivos ou negativos vários(5), além do fato de a SG, a mais antiga(6), relatar fatores mais relacionados às crenças que ao conhecimento científico.

Os resultados do presente estudo apontam que alguns aspectos foram comuns para todas as faixas etárias. O consumo da maçã e a hidratação foram os aspectos positivos mais relatados por todas as gerações. A maçã é historicamente relatada há pelo menos duas décadas por sua ação adstringente que auxilia a limpeza da boca e faringe, diminuindo o excesso de secreção e favorecendo uma voz com melhor ressonância(2,7,8). A hidratação é importante para as pregas vocais, pois diminui a viscosidade e, consequentemente, o esforço vibratório(9), favorecendo uma melhor qualidade da voz(2), aspecto que pode auxiliar na redução de fadiga vocal(10).

Em relação aos aspectos negativos, gritar e fumar foram os mais relatados por todas as gerações. Gritar é o comportamento de maior risco vocal, pois a laringe é utilizada em sua potência máxima, podendo causar lesões(2,11,12), devendo ser evitado. O tabagismo é altamente nocivo para a voz, pois, no momento em que se traga, a fumaça quente carregada de produtos químicos agride todo o trato respiratório, podendo causar irritação, tosse, edema, aumentando a secreção e infecções(7,9). Sabe-se que pode haver significante relação entre tabagismo e disfonia(13), além de ser a principal causa de câncer da laringe e pulmões(2), com aumento da taxa de morte(14).

Indivíduos com faixas etárias diferentes avaliam os aspectos relacionados à voz de forma diferente(15), pois cada geração tem sua própria experiência e conjuntos de pressupostos, variando de uma geração para a seguinte(6).

CONCLUSÕES

Diversos fatores foram apontados como potencialmente positivos e negativos para a voz, muitos deles presentes constantemente, independente da geração dos respondentes. Nos fatores positivos, água e maçã estão entre os mais citados por todas as gerações; já para os negativos, gritar e fumar apareceram entre os mais frequentes, com maior ocorrência nas gerações mais novas. Aspectos comportamentais relacionados às crenças populares como chás, gargarejos e bebidas geladas foram mais relatados pelas gerações mais antigas. O impacto das gerações foi mais observado na frequência das respostas que em seu tipo.

REFERÊNCIAS

1 Carding PN, Horsley IA, Docherty GJ. A study of the effectiveness of voice therapy in the treatment of 45 patients with nonorganic dysphonia. J Voice. 1999;13(1):72-104. . PMid:10223677.
2 Behlau M, Madazio G. Voz: tudo o que você queria saber sobre fala e canto: perguntas e respostas. Rio de Janeiro: Revinter; 2015.
3 Gartner-Schmidt JL, Roth DF, Zullo TG, Rosen CA. Quantifying component parts of indirect and direct voice therapy related to different voice disorders. J Voice. 2013;27(2):210-6. . PMid:23352061.
4 Scheuring EW, Scearce L, Nixon T, Cohen SM. Validation of the singing vocal health knowledge questionnaire. In: 42nd Annual Symposium: Care of the Professional Voice; 2013 May 29; Philadelphia. Proceedings. Philadelphia: The Voice Foundation; 2013 [citado em 2015 Jun 08]. [abstract ref#: SLP38]. Disponível em:
5 Fletcher HM, Drinnan MJ, Carding PN. Voice care knowledge among clinicians and people with healthy voices or dysphonia. J Voice. 2007;21(1):80-91. . PMid:16427768.
6 Washburn ER. Are you ready for generation X? Physician Exec. 2000;26(1):51-7. PMid:10788119.
7 Behlau M, Pontes P. Higiene vocal: informações básicas. São Paulo: Lovise; 1993.
8 Behlau M, Pontes P. Higiene vocal: cuidando da voz. 4. ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2009.
9 Verdolini-Marston K, Sandage M, Titze IR. Effect of hydration treatments on laryngeal nodules and polyps and related voice measures. J Voice. 1994;8(1):30-47. . PMid:8167785.
10 Yiu EM, Chan RM. Effect of hydration and vocal rest on the vocal fatigue in amateur karaoke singers. J Voice. 2003;17(2):216-27. . PMid:12825654.
11 Behlau M, Oliveira G, Pontes P. Vocal fold self-disruption after phonotrauma on a lead actor: a case presentation. J Voice. 2009;23(6):726-32. . PMid:18538985.
12 Lennon CJ, Murry T, Sulica L. Vocal fold hemorrhage: factors predicting recurrence. Laryngoscope. 2014;124(1):227-32. . PMid:23754508.
13 Byeon H. The association between lifetime cigarette smoking and dysphonia in the Korean general population: findings from a national survey. PeerJ. 2015;3:e912. . PMid:25945309.
14 Sharp L, McDevitt J, Carsin AE, Brown C, Comber H. Smoking at diagnosis is an independent prognostic factor for cancer-specific survival in head and neck cancer: findings from a large, population-based study. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2014;23(11):2579-90. . PMid:25128401.
15 Putnoki DS, Hara F, Oliveira G, Behlau M. Qualidade de vida em voz: o impacto de uma disfonia de acordo com gênero, idade e uso vocal profissional. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010;15(4):485-90. .