Demographic and epidemiological aspects of mortality from penile cancer

Demographic and epidemiological aspects of mortality from penile cancer

Autores:

Ricarlly Soares da Silva,
Ana Carla Martins da Silva,
Suelayne Gonçalves do Nascimento,
Conceição Maria de Oliveira,
Cristine Vieira do Bonfim

ARTIGO ORIGINAL

Acta Paulista de Enfermagem

On-line version ISSN 1982-0194

Acta paul. enferm. vol.27 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400010

Introdução

O câncer no pênis é uma neoplasia que afeta cerca de 100.000 homens em todo mundo.(1) A sua incidência varia em diferentes comunidades, de acordo com a distribuição geográfica, com os padrões de higiene, religiosos e práticas culturais de várias partes do mundo.( 2 , 3 ) É uma doença que acomete pequena parcela da população, mas geralmente é agressiva, principalmente pelo impacto psicológico que exerce sobre os pacientes.( 4 )

É um tipo raro de câncer nos países ocidentais, sendo mais comum em algumas regiões em desenvolvimento.( 5 ) No Brasil, esse tipo de doença representa 2% de todos os casos de câncer no homem, e responde por mais de 1.000 cirurgias para retirada total do membro.( 2 , 3 ) A região Nordeste do país concentra a maioria dos novos casos dessa neoplasia, com taxas que chegam a 5,7%, superando as taxas de câncer na próstata e na bexiga. As condições socioeconômicas e culturais desta região favorecem o desenvolvimento desse tipo de neoplasia.( 6 - 8 )

Alguns fatores de risco influenciam o desenvolvimento dessa doença, como: não realização da cirurgia de fimose na infância; a prática sexual com diferentes parceiros sem uso de preservativo; higiene íntima precária; infecção por Papilomavírus Humano; e outras doenças sexualmente transmissíveis.( 9 - 12 )

O principal fator de prognóstico desfavorável para pacientes com câncer no pênis é a presença de metástases nos linfonodos regionais.(13) A alta mortalidade por essa doença se dá em razão da demora pela procura do tratamento, que ocorre em média um ano depois do surgimento dos primeiros sintomas.( 9 ) Geralmente, os pacientes procuram o serviço de saúde com a doença em estágio avançado, dificultando assim a possibilidade de tratamento eficaz, evoluindo em média de dois a três anos para o óbito.( 9 )

O autoexame é o método mais eficaz e econômico para a prevenção do câncer no pênis e outras doenças do trato urogenital masculino, sendo necessário um alerta para o desenvolvimento de atividades no nível primário de saúde que chamem a atenção dos homens sobre a importância de consultar um médico periodicamente; manter bons hábitos de higiene; e dar ênfase à prática da circuncisão, ainda na infância, que também é um meio simples de prevenção da doença.( 2 ) Deve-se enfocar na educação à saúde para a detecção precoce da doença e controle efetivo dessa enfermidade.( 3 )

O Ministério da Saude no Brasil instituiu a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem com os objetivos de fortalecer a assistência básica no cuidado com o homem, facilitando o acesso e a qualidade da atenção necessária ao enfrentamento dos fatores de risco das doenças e dos agravos à saúde; e aperfeiçoar os sistemas de informação de maneira a possibilitar o monitoramento adequado que permita tomada de decisão.( 14 )

O objetivo deste trabalho foi descrever os aspectos demográficos e epidemiológicos da mortalidade por câncer no pênis no Estado de Pernambuco, região nordeste do Brasil, no período de 2000 a 2009.

Métodos

Estudo transversal em uma população de todos os óbitos masculinos de residentes no Estado de Pernambuco que tiveram como causa básica o câncer no pênis ocorridos no período de 2000 a 2009.

Com base nas informações contidas no sistema informatizado sobre mortalidade, após a obtenção de autorização para acesso aos dados, foram analisadas as seguintes variáveis: faixa etária, cor, estado civil, ocupação e região de residência. Para a análise dos dados, foi utilizada estatística descritiva com distribuição de frequência, por meio do programa EpiInfo versão 7, no qual foi calculado o coeficiente de mortalidade (número de óbitos por câncer no pênis / população masculina x 100.000).

O desenvolvimento do estudo atendeu as normas nacionais e internacionais de ética em pesquisa envolvendo seres humanos.

Resultados

Foram registrados durante o período da pesquisa 183 óbitos que tiveram como causa básica o câncer no pênis. Em relação ao Coeficiente de Mortalidade por tal neoplasia observou-se um acréscimo de 19,04% no período pesquisado, passando de 0,34 por 100 mil homens (2000) para 0,42 (2009) (Tabela 1).

Tabela 1 População masculina, número de óbitos e coeficiente de mortalidade de câncer no pênis 

Ano População masculina Número de óbitos CM
2000 3826657 13 0,34
2001 3869994 14 0,36
2002 3906948 13 0,33
2003 3944176 18 0,46
2004 3981380 19 0,48
2005 4065743 18 0,44
2006 4108668 25 0,61
2007 4159898 20 0,48
2008 4229628 25 0,59
2009 4266933 18 0,42
Média - - 0,45
Total - 183 -

CM - coeficiente de mortalidade

Os dados sociodemográficos demonstraram um maior acometimento nos homens na faixa etária de 60 anos ou mais (n=93, 50,8%), da cor parda (n=99, 54,1%), casados (n=87, 47,6%), aposentados (n=44, 24%) e residentes na região metropolitana da cidade da cidade de Recife (n=82, 44,8%) (Tabela 2).

Tabela 2 Óbitos por câncer no pênis 

Variáveis sociodemográficas n(%)
Faixa etária
< 19 1(0,6)
20-39 20(10,9)
40-59 69(37,7)
> 60 93(50,8)
Raça/cor
Branca 66(36,1)
Parda 99(54,1)
Preta 9(4,9)
Amarela 1(0,6)
Não informado 8(4,3)
Estado civil
Solteiro 62(33,9)
Casado 87(47,6)
Viúvo 20(10,9)
Outros 3(1,6)
Não informado 11(6,0)
Ocupação
Aposentado 44(24,0)
Agricultor 25(13,7)
Comerciante 11(6,0)
Outros 75(44,8)
Não informado 21(11,5)
Região de residência
Região Metropolitana 82(44,8)
Outros municípios do estado 101(55,2)

Discussão

O coeficiente de mortalidade por câncer no pênis no Estado de Pernambuco apresentou um significativo aumento no período estudado, que pode estar relacionado às condições socioeconômicas e dificuldade de acesso aos serviços de saúde.( 8 )

A análise das tendências de mortalidade de cânceres relacionados com papiloma vírus humano no Brasil, por sexo, no período 1996-2010 indicou uma tendência crescente para o câncer no pênis. Acredita-se que o aumento do número de mortes ocorre principalmente devido as alterações da população (tamanho e estrutura de idade). Em termos de risco, está previsto o aumento para o câncer peniano e, consequentemente, aumento na taxa de mortalidade.( 15 )

Destaca-se que, apenas no ano de 2009, houve uma iniciativa do Ministério da Saúde brasileiro visando a ampliação do acesso da população masculina aos serviços de saúde.( 14 )

Em concordância com os resultados deste estudo, outros trabalhos indicam maior incidência da doença entre a sexta e sétima décadas da vida.(7,9,10) O motivo pelo qual a mortalidade ocorre no mesmo período em que incide a doença, se dá pela rápida evolução do tumor, após o diagnóstico, já que este acontece em tempo tardio devido à demora em procurar um serviço de saúde.( 9 )

Um estudo de base populacional que analisou tendências de sobrevivência de pacientes com câncer no pênis na Europa e nos Estados Unidos da América, nos períodos de 1990-1995 e 2002-2007, demonstrou que não houve melhora na sobrevivência.( 16 )

A elevada mortalidade por essa enfermidade se deve a negligência e medo de procurar o serviço de saúde assim que percebe algo de errado no pênis e, também, à grande expansão locorregional do tumor.(9,13) O diagnóstico precoce é essencial para um tratamento eficaz. As modalidades de tratamento variam conforme a apresentação clínica e podem incluir quimioterapia tópica, excisão cirúrgica, cirurgia micrográfica de Mohs, excisão a laser ou ablação, quimioterapia sistêmica e radioterapia.( 17 )

O número de óbitos por câncer no pênis foi maior em homens da cor parda, embora a raça e a cor da pele não sejam fator determinante para esse tipo de tumor, já que o desenvolvimento dessa enfermidade está diretamente ligado a higiene íntima precária e a fimose.(6) Na Índia, um estudo que descreveu o perfil clinico-epidemiológico de pacientes com câncer no pênis, identificou que cerca de um quarto apresentaram com fimose, não eram circuncidados, tinham idade avançada e história de tabagismo.( 18 )

Neste estudo percebeu-se que a maioria dos óbitos ocorreu em homens casados, indicando que o casamento não é um obstáculo para a multiplicidade de parceiros.( 10 )

Foi constatado ainda o predomínio de óbitos por câncer no pênis em homens aposentados, seguidos pelos trabalhadores da agricultura. Tal achado concorda parcialmente com o que foi encontrado por outros autores, que verificaram a predominância dessa neoplasia em agricultores, classe menos favorecida.( 7 )

Conclusão

Os aspectos demográficos e epidemiológicos da mortalidade por câncer no pênis indicaram que a maior parte dos óbitos ocorreu em homens com idade acima de 60 anos, de cor parda, casados, aposentados e residentes na região metropolitana do Recife e que houve um aumento no coeficiente de mortalidade por câncer no pênis.

REFERÊNCIAS

1. Scheiner MA, Campos MM, Ornellas AA, Chin EW, Ornellas MH, Andrada-Serpa MJ. Human Papillomavirus and penile cancers in Rio de Janeiro, Brazil: HPV typing and clinical features. Int Braz J Urol. 2008;34:467-76.
2. Instituto Nacional do Câncer-INCA. Câncer de pênis. 2010 [citado 2010 Mar 29]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/penis.
3. Sociedade Brasileira de Urologia-SBU. Câncer de pênis. 2010 [citado 2010 Mai 31]. Disponível em: http://www.sbu.org.br/indexGeral.php?do=imprensa&sub=6&dado_id=2272.
4. Souza KW, Reis PE, Gomes IP, Carvalho EC. Estratégias de prevenção para câncer de testículo e pênis: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(1):277-82.
5. Sonpavde G, Pagliaro LC, Buonerba C, Dorff TB, Lee RJ, Di Lorenzo G. Penile cancer: current therapy and future directions. Ann Oncol. 2013;24(5):1179-89.
6. Favorito LA, Nardi AC, Ronalsa M, Zequi SC, Sampaio FJB, Glina S. Epidemiologic study on penile cancer in Brazil. Int Braz J Urol. 2008;34(5):587-93.
7. Fonseca AG, Pinto JA, Marques MC, Drosdoski FS, Neto LO. Estudo epidemiológico do câncer de pênis no Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. 2010;1(2):85-90.
8. Reis AA, Paula LB, Paula AA, Saddi VA, Cruz AD. Aspectos clínico-epidemiológicos associados ao câncer de pênis. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl.1):1105-11.
9. Neveu RC, Bórquez PM, Trujillo CL, Fernández RR, Buchholtz MF. Experiencia de 10 años em el manejo Del câncer de pene, Instituto Nacional Del Cáncer (1997-2006). Rev Chil Cir. 2008;60(2):103-7.
10. Barros EN, Melo MC. Câncer de pênis: perfil sócio-demográfico e respostas emocionais à penectomia em pacientes atendidos no Serviço de psicologia do Hospital do Câncer de Pernambuco. SBPH. 2009; 12(1):99-111.
11. Minhas S, Manseck A, Watya S, Hegarty PK. Penile Cancer - prevention and premalignant conditions. Urologia. 2010;76(Suppl 2A): S24-S35.
12. Pow-Sang MR, Ferreira U, Pow-Sang JM, Nardi AC, Destefano V. Epidemiology and natural history of penile cancer. Urology. 2010;76 (Suppl 2A):S2-S6.
13. Ficarra V, Akduman B, Bouchot O, Palou J, Tobias-Machado M. Prognostic factors in penile cancer. Urology. 2010;76 (Suppl 2A):S66-S73.
14. Ministério da Saúde. Portaria 1.944, de 27 de agosto de 2009 [citado 2010 Dez 7]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1944_27_08_2009.html.
15. Souza DL, Curado MP, Bernal MM, Jerez-Roig J, Boffetta P. Mortality trends and prediction of HPV-related cancers in Brazil. Eur J Cancer Prev. 2013;22(4):380-7.
16. Verhoeven RH, Janssen-Heijnen ML, Saum KU, Zanetti R, Caldarella A, Holleczek B, Brewster DH, Hakulinen T, Horenblas S, Brenner H, Gondos A. Population-based survival of penile cancer patients in Europe and the United States of America: No improvement since 1990. Eur J Cancer. 2013;49(6):1414-21.
17. Brady KL, Mercurio MG, Brown MD. Malignant tumors of the penis. Dermatol Surg. 2012;39(4):527-47.
18. Pahwa M, Girotra M, Rautela A, Abrahim R. Penile cancer in India: A clinicoepidemiological study. Gulf J Oncol. 2012;1(12):7-10.