Dermatoscopia em carcinoma basocelular polipoide: uma variante histopatológica rara

Dermatoscopia em carcinoma basocelular polipoide: uma variante histopatológica rara

Autores:

Mariana A. Almeida,
Gabriella C. Carmo,
Michele R. Feroldi,
Gustavo Verardino

ARTIGO ORIGINAL

Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

versão impressa ISSN 1676-2444versão On-line ISSN 1678-4774

J. Bras. Patol. Med. Lab. vol.55 no.5 Rio de Janeiro set./out. 2019 Epub 11-Nov-2019

http://dx.doi.org/10.5935/1676-2444.20190047

RELATO DE CASO

Uma paciente de 67 anos apresentou-se com uma lesão normocrômica pedunculada no abdômen (Figura 1), de evolução desconhecida, junto com múltiplas lesões benignas como nevos intradérmicos, angiomas rubi e fibromas moles. A dermatoscopia com luz polarizada inesperadamente constatou a presença de ninhos ovoides, vasos arboriformes e crisálida (Figura 2), achados altamente sugestivos de carcinoma basocelular (CBC); a lesão foi removida. A histopatologia revelou um tumor polipoide assimétrico contendo agregações de células basaloides atípicas presentes em uma paliçada restrita à área polipoide, incorporada ao estroma fibrinoide e separada por fissuras focais (Figura 3).

FIGURA 1 Lesão normocrômica pedunculada no abdômen 

FIGURA 2 Lesão à dermatoscopia 

FIGURA 3 CBC polipoide: histopatologia (HE, 12×) CBC: carcinoma basocelular; HE: hematoxilina e eosina. 

DISCUSSÃO

O CBC polipoide foi descrito em 1999 por Megahed(1), considerado uma variante clinicopatológica do CBC nodular, com uma base pedunculada ampla que se une à superfície da pele e histologicamente exibe aparência exofítica pedunculada e restrição de agregações tumorais à zona polipoide. Mais prevalente em mulheres adultas, japonesas, localizados na cabeça; em geral é grande, mas não agressivo e não infiltrativo(2-4). A Tabela mostra casos de CBC polipoide documentados na literatura inglesa. Esse tumor é levado em consideração no diagnóstico diferencial clínico de tumores anexiais malignos e benignos, nevo melanocítico intradérmico, fibromas, fibroepitelioma de Pinkus e melanoma amelanótico(5-8). Embora o CBC seja o câncer de pele mais comum, com ampla variação histológica e clínica, o que não é consenso, o CBC polipoide é uma variante rara, com poucos casos publicados. Alguns estudos não disponibilizaram sua descrição histológica e nenhum descreveu sua dermatoscopia(1,5,9-11). Destacamos a importância da dermatoscopia para diferenciar esse tumor de outras lesões benignas que podem clinicamente levar a erros do diagnóstico e do manejo terapêutico. A correta classificação histopatológica é necessária, pois somente ela permite tal diagnóstico, assim como novas descrições dermatoscópicas, para a melhor elucidação das características do tumor.

TABELA Casos de CBC polipoide descritos na literatura inglesa 

Case Sexo Idade Localização anatômica Tamanho da lesão
1 Feminino 87 Hélice 1 × 0,8 cm
2 Feminino 76 Couro cabeludo occipital 2 × 1 cm
3 Feminino 52 Couro cabeludo parietal 1,5 × 1 cm
4 Masculino 20 Couro cabeludo frontal 1,3 × 0,8 cm
5 Feminino 56 Região inguinal 2,5 × 2 cm
6 Feminino 68 Antebraço 5 × 2,5 cm
7 Masculino 64 Costas 5 × 2 cm
8 Masculino 69 Nádega 1 × 1,5 cm
9 Feminino 33 Couro cabeludo 1,5 × 1,7 cm
9 Feminino 88 Nádega 3,5 × 2 cm
10 Masculino 28 Couro cabeludo 1,5 × 1 cm
11 Feminino 69 Perna 2 × 2 cm

CBC: carcinoma basocelular.

REFERÊNCIAS

1 Megahed M. Polypoid basal cell carcinoma: a new clinicopathological variant. Br J Dermatol. 1999 Apr; 140(4): 701-3.
2 Misago N, Narisawa Y. Polypoid basal cell carcinoma on the perianal region: a case report and review of the literature. J Dermatol. 2004 Jan; 31(1): 51-5.
3 Choi JE, Ko NY, Seo SH, Kin SN, Kye YC, Ahn HH. Polypoid basal cell carcinoma as a new variant of basal cell carcinoma: three Korean cases. Acta Derm Venereol. 2007; 87(3): 282-3.
4 Pfaff S, Megahed M. [Polypoid basal cell carcinoma]. Hautarzt. 2013 May; 64(5): 332-3. doi: 10.1007/s00105-013-2552-y.
5 Yadav S, Thami GP, Bhatnagar A, Gill S. Polypoid basal cell carcinoma masquerading as pyogenic granuloma. Indian J Dermatol. 2010 Jul-Sep; 55(3): 296-7. doi: 10.4103/0019-5154.70681.
6 Ouchi T, Sugiura M. Polypoid basal cell carcinoma on the scrotum. J Dermatol. 2008; 35(12): 804-5.
7 Sakai N, Kurihara K, Kawana S. Polypoid basal cell carcinoma on the face. J Dermatol. 2007 Aug; 34(8): 588-9.
8 Love GL, Sarma DP. Giant polypoid basal cell carcinoma. J Surg Oncol. 1985 Mar; 28(3): 230-1.
9 McElroy J, Knight TE, Chang-Stroman L. Giant polypoid basal cell carcinoma. Cutis. 1996 Oct; 58(4): 289-92.
10 Handjani F, Shahbaz S, Sari-Aslani F, Aghaei S, Ali-Zadeh AA. A giant polypoid basal cell carcinoma of the lower extremity. Arch Iran Med. 2010 Mar; 13(2): 153-5.
11 Misago N, Suzuki Y, Miura Y, Narisawa Y. Giant polypoid basal cell carcinoma with features of fibroepithelioma of Pinkus and extensive cornification. Eur J Dermatol. 2004 Jul-Aug; 14(4): 272-5.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.