Desempenho muscular respiratório após 12 sessões de treinamento utilizando o aparelho Reformer do método Pilates

Desempenho muscular respiratório após 12 sessões de treinamento utilizando o aparelho Reformer do método Pilates

Autores:

Núbia Tomain Otoni dos Santos,
Lara Andrade Souza,
Marina Andrade Donzeli,
Karoline Cipriano Raimundo de Oliveira,
Andréa Licre Pessina Gasparini,
Dernival Bertoncello

ARTIGO ORIGINAL

Fisioterapia e Pesquisa

versão impressa ISSN 1809-2950versão On-line ISSN 2316-9117

Fisioter. Pesqui. vol.26 no.1 São Paulo jan./mar. 2019

http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/18003226012019

RESUMEN

Evaluar el rendimiento de los músculos respiratorios en practicantes de ejercicios utilizando el método Reformer de Pilates después de un entrenamiento de 12 sesiones. Este estudio se realizó con 24 voluntarios, adultos jóvenes, sanos, no fumadores y no deportistas regulares, siendo divididos en grupo control (GC) y grupo entrenado (GE). El GE participó en un programa de entrenamiento ejecutando 6 ejercicios en el aparato Reformer. Ambos grupos se sometieron a evaluaciones iniciales y finales para analizar el rendimiento de los músculos respiratorios mediante la manovacuometría y la electromiografía del músculo recto abdominal. La prueba de Shapiro-Wilk se utilizó para verificar la normalidad de los datos. Se utilizó el análisis de varianza two-way para las comparaciones entre los grupos (GE y GC) y los momentos (inicial y final). Para comparaciones múltiples, se utilizó la prueba post-hoc de Scheffé. El GC y el GE se emparejaron por edad e IMC mediante la prueba t pareada. Se consideró el valor de significación p<0,05. Se observó una diferencia significativa (p=0,039) entre los valores iniciales (116,6 ± 12,8) y finales (120 ± 12,8) de PImax en el grupo entrenado, así como entre los valores de iniciales (75,3 ± 12,4) y finales (89,3 ± 13,7) de PEmax en el mismo grupo (p=0,0005). En la electromiografía, se observó una diferencia significativa (p=0,03) entre los momentos inicial (42,1 ± 15,8) y final (76,7 ± 37,1) del GE para el músculo recto abdominal izquierdo. Se concluye que las 12 sesiones de Pilates utilizando el aparato Reformer mejoran el rendimiento de los músculos respiratorios, aumentando la fuerza muscular inspiratoria y espiratoria.

Palabras clave Técnicas de Ejercicio y Movimiento; Músculos Respiratorios; Electromiografía

INTRODUÇÃO

O Método Pilates (MP), desenvolvido por Joseph Pilates, que o chamava de “Contrologia”, é um sistema de condicionamento físico que possui seis princípios: concentração, controle, precisão, centramento, respiração e movimento fluido1.

O MP pode ser desenvolvido no solo ou com auxílio de aparelhos, sendo um deles o Reformer, que tem estrutura retangular sobre a qual se desliza um carrinho, uma barra de altura regulável para apoio dos pés ou das mãos e cinco molas responsáveis por oferecer resistência ao movimento2.

Durante os exercícios do MP, o treino da musculatura respiratória é constante, trabalhando tanto resistência quanto força3. O método prioriza a expansão lateral da caixa torácica e, assim, influencia os volumes pulmonares4. Consegue agir na mobilidade tóraco-abdominal, por meio do padrão respiratório adotado5, promovendo intenso recrutamento do músculo transverso do abdome e do músculo oblíquo interno, principalmente quando associado o padrão respiratório ao movimento de tronco6.

O MP vem se popularizando, mas a literatura ainda é escassa no que diz respeito a seus benefícios para o sistema respiratório. Trata-se de investigação relevante, mediante o enfoque dado para o controle respiratório nessa metodologia de exercícios físicos7. Salvadeo et al. (5 propõem, também, que pesquisas voltadas para o entendimento da fisiologia da prática do MP nos diferentes sistemas corporais devem ser realizadas, ratificando a ascensão e o destaque de tal metodologia.

Acredita-se que a realização de um protocolo de exercícios físicos baseado no MP proporcione incremento no desempenho muscular respiratório. Portanto, o objetivo deste estudo foi analisar esse desempenho e a atividade elétrica do músculo reto abdominal em praticantes de exercícios que utilizaram o aparelho Reformer do MP após 12 sessões.

METODOLOGIA

Delineamento do estudo

Trata-se de um estudo de abordagem quantitativa, com delineamento longitudinal e descritivo.

Sujeitos

A amostra foi não probabilística, composta por 24 voluntárias do sexo feminino, idades entre 21 e 34 anos, saudáveis, não tabagistas, não praticantes de exercício físico regular e iniciantes no MP.

O trabalho seguiu todos os preceitos éticos, sendo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), sob número 2406.

As participantes foram distribuídas em dois grupos, sendo eles Grupo Treinado (GT, n=12) e Grupo Controle (GC, n=12). A distribuição ocorreu com a ordem do aceite de participação no estudo alternando entre GT e GC. O estudo foi conduzido em um laboratório da UFTM.

Coleta de dados

Foram aferidos os valores da massa corporal (kg) e da estatura (m) e calculado o valor do índice de massa corporal (IMC, em kg/m2). Para isso, utilizou-se balança digital da marca Balmak, classe III, com capacidade de 150kg e divisão de 50g para massa corporal, capacidade de 2 metros e divisão de 0,5 metros para estatura.

Os dois grupos foram submetidos a avaliações iniciais e finais. Foi mensurada a pressão inspiratória máxima (PImáx) e a pressão expiratória máxima (PEmáx), por meio do manovacuômetro analógico da marca Comercial Médica com escala de -120 a +120cmH2O e divisão de 4cmH2O. Todas as medidas foram coletadas pelo mesmo pesquisador e realizadas sob comando verbal homogêneo, com as voluntárias sentadas, os pés apoiados, as narinas ocluídas por uma pinça nasal para evitar o escape de ar, e mantendo um bocal entre os lábios8. A medida da PImáx ocorreu durante esforço iniciado a partir do volume residual, e a da PEmáx a partir da capacidade pulmonar total. Cada voluntária executou três esforços de inspiração e expiração máximos, tecnicamente satisfatórios, considerando para a análise desse estudo o maior valor obtido9)- (11). Os valores previstos de PImáx e PEmáx foram calculados segundo Neder et al. (12.

Para a análise da atividade elétrica do músculo reto abdominal, utilizou-se eletromiógrafo Miotool 400USB (Miotec®) de quatro canais, sensores ativos diferenciais, eletrodos de Ag/AgCl de forma quadrangular com 1cm de diâmetro (MAXICOR®), ganho de 1000x por canal, conversor A/D 14Bits, taxa de aquisição de 1000Hz por canal, taxa de rejeição de modo comum de 110db, nível de ruído <2 LSB (Low Significative Bit) e impedância de entrada de 1010Ohm//2pF. O sinal foi tratado com auxílio do software Miograph (Miotec®), sendo filtrado por filtro passa-banda de 20-500hz, Butterworth de 4ª ordem.

Para a colocação dos eletrodos, o preparo da pele foi realizado segundo as recomendações do Surface Electromyography for the Non-Invasive Assessment of Muscles (SENIAM) (13. Os eletrodos foram posicionados no ventre muscular bilateralmente, no sentido das fibras musculares, 1cm acima do umbigo e a 2cm da linha abdominal média14. As voluntárias foram posicionadas em decúbito dorsal sobre uma maca, com os joelhos semifletidos, e orientadas a realizarem flexão voluntária isométrica máxima do tronco contra resistência manual imposta pelo examinador na região dos ombros, impedindo a elevação do tronco, mantida por 6 segundos, e registrada pelo eletromiógrafo para posterior análise. Foram analisados os valores de RMS (Root Means Square) e normalizados pela CIVM (contração isométrica voluntária máxima).

As avaliações foram realizadas por uma pesquisadora devidamente capacitada e a aplicação dos exercícios por outra pesquisadora habilitada no MP.

Intervenção

O protocolo de exercícios ocorreu três vezes por semana, com duração de 50 a 60 minutos por sessão, sendo realizada uma série de 10 repetições para cada exercício, totalizando 12 sessões.

Anteriormente às 12 sessões propostas, foi realizada uma sessão para familiarização com o aparelho Reformer, os exercícios selecionados e os princípios do método.

O GT foi, inicialmente, submetido à sessão de preparação muscular global realizada no solo através de autoalongamentos, realizados em três séries, com manutenção de 20 segundos cada.

Em seguida, as voluntárias foram submetidas aos exercícios do MP (Footwork toes, Leg series one leg (Figura 1), Hundred - variação, Arms up and down, Arms pulling e Bridge) realizados no aparelho Reformer. O exercício Hundred, que originalmente deve ser repetido 100 vezes (10 séries de 10 repetições), foi adaptado e executado uma série de 10 repetições. Essa variação foi utilizada pelo fato de as voluntárias serem iniciantes no método e, também, para padronizar o volume de treinamento em todos os exercícios.

Fonte: Arquivo Pessoal da Autora.

Figura 1 Execução do exercício Leg series one leg no aparelho Reformer 

Como forma de resfriamento, ao final, realizaram-se exercícios respiratórios posicionadas em decúbito dorsal, no solo. O GC não participou do programa de treinamento com exercícios do MP e não praticou outra modalidade de exercício físico regular no período da pesquisa.

Análise estatística

Na análise estatística os dados foram analisados pela média e desvio padrão para cada variável. Utilizou-se o teste de Shapiro-Wilk para verificar a normalidade dos dados. A análise de variância two-way (ANOVA) foi empregada para as comparações entre os grupos (GT e GC) e os momentos (inicial e final). Para comparações múltiplas, utilizou-se o teste post-hoc de Scheffé, a fim de identificar as diferenças específicas nas variáveis em que os valores de F foram superiores ao critério de significância estatística determinado (p<0,05). Para verificação de diferenças entre idade e IMC, entre os grupos, utilizou-se o teste t pareado.

RESULTADOS

Os grupos Controle e Treinado foram pareados para idade e IMC. As médias da idade e os dados antropométricos iniciais para os dois grupos (GC e GT) estão descritos na Tabela 1. Não houve diferença significante entre os grupos para as variáveis analisadas.

Tabela 1 Valores iniciais de antropometria e de idade dos grupos (média ± desvio padrão) 

Grupos Massa Corporal (kg) Estatura (m) IMC (kg/m²) Idade (anos)
Controle 66,0 ± 8,3 1,64 ± 0,04 24,5 ± 3,2 28,4 ± 4,1
Treinado 63,4 ± 8,3 1,67 ± 0,05 22,7 ± 2,9 29,6 ± 4,0
p 0.1500 0.4919

p< 0,05: valores de significância

Na Tabela 2, estão descritos os valores de PImáx e PEmáx obtidos e preditos. A média inicial dos valores obtidos já estava acima da média dos valores preditos para a população analisada. Houve diferença significante (p=0,039) entre os valores iniciais (116,6 ± 12,8) e finais (120 ± 12,8) de PImáx no Grupo Treinado, assim como entre os valores iniciais (75,3 ± 12,4) e finais (89,3 ± 13,7) de PEmáx nesse mesmo grupo (p=0,0005).

Tabela 2 Valores das pressões inspiratórias e expiratórias máximas obtidos (média ± desvio padrão) 

Grupos PImáx (cmH2O) PEmáx (cmH2O)
Inicial Final p Inicial Final p
Controle 115,0 ± 13,8 115,8 ± 12,8 0,750 78,3 ± 20,6 79 ± 20,6 0,79
Treinado 116,6 ± 12,8 120 ± 00,0 0,039* 75,3 ± 12,4 89,3 ± 13,7 0,0005*
p 0,65 0,12 0,52 0,34

* p< 0,05: valores de significância

Média dos valores preditos para a população avaliada (cmH₂O): PImáx 95,9 e PEmáx 97,5.

Na Tabela 3, estão descritos os resultados da eletromiografia. Foi utilizado o valor médio de RMS de cada grupo e entre os grupos, comparando o momento inicial e final. Houve diferença significante (p=0,03) entre o momento inicial (42,1 ± 14,3) e final (76,7 ± 28,1) do GT para o músculo reto abdominal esquerdo e tendência à significância (p=0,062) para o músculo reto abdominal direito (momento inicial: 39,1 ± 21, momento final: 73,3 ± 42,4).

Tabela 3 Valores de RMS de reto abdominais para os diferentes grupos (média ± desvio padrão) 

Grupos Reto abdominal direito Reto abdominal esquerdo
Inicial Final p Inicial Final p
Controle 48,3 ± 18,9 55,8 ± 18,6 0,38 46,5 ± 20,9 57,8 ± 18,1 0,23
Treinado 39,1 ± 21 73,3 ± 42,4 0,062 42,1 ± 14,3 76,7 ± 28,1 0,03*
p 0,34 0,25 0,63 0,16

* p< 0,05: valores de significância

DISCUSSÃO

Este estudo analisou o efeito de 12 sessões do MP utilizando o aparelho Reformer sobre a força da musculatura respiratória e a atividade elétrica do músculo reto abdominal. Observou-se o aumento de PImáx e PEmáx, com diferença significante na atividade elétrica apenas do músculo reto abdominal esquerdo após o protocolo, confirmando parcialmente nossa hipótese.

Um dos aparelhos utilizados foi a manovacuômetro, que é simples, prático e preciso na avaliação da força muscular respiratória15, de fácil manuseio, com possibilidade de calibração5 e utilizado por diversos estudos16)- (19.

Outro aparelho foi o eletromiógrafo, que fornece resultados de grande interesse clínico, além de constituir-se em um método cientificamente consagrado e aceito20. A análise eletromiográfica realizada neste estudo foi pré e pós a realização do protocolo de exercícios, diferente de outros estudos que fizeram essa análise durante a execução de posições/exercícios específicos do MP21)- (23. O método de avaliação proposto objetivou verificar a hipótese de obter uma melhor ativação muscular abdominal, como o ocorrido no GT, o que significaria um ganho de controle motor.

O resultado significante no músculo reto abdominal esquerdo e não significante no direito pode estar relacionado ao posicionamento do avaliador no momento da avaliação. Em todas as avaliações este ficou localizado ao lado esquerdo das participantes, lado no qual ficaram também dispostos o equipamento de eletromiografia e o monitor do computador. Porém, houve tendência a valores significantes do lado direito, sendo necessário, talvez, um maior número de sessões ou de participantes para evidenciar o ganho da ativação muscular.

Neste estudo, foi utilizado protocolo de duração diária de 50 a 60 min, semelhante ao de outros autores18), (24) e que ocorre na maioria dos trabalhos de intervenção com o MP25. As 12 sessões propostas caracterizam um protocolo de exercício físico de curto prazo, que é o que comumente ocorre na prática clínica - nas primeiras quatro a oito semanas de exercícios ocorrem principalmente adaptações neuromusculares26. Na revisão sistemática realizada por Cadore et al. (27, que investigaram as adaptações neuromusculares decorrentes do treinamento resistido em idosos, observou-se que a melhora na força muscular máxima pode ser explicada por adaptações neurais e morfológicas. As principais adaptações neurais ao exercício físico resistido são o aumento no recrutamento das unidades motoras e na frequência de disparo dessas unidades.

Alguns estudos corroboram e outros divergem dos nossos resultados em relação à PImáx e PEmáx no GT. Rafael et al. (28 avaliaram jovens saudáveis em 10 sessões de Pilates no solo, e eles obtiveram aumento significante apenas da PImáx. Santos et al. (3 utilizaram um protocolo mais extenso, de 20 sessões de Pilates no solo, e detectaram aumento de PImax e PEmáx. O presente estudo obteve esse mesmo resultado, demonstrando que 12 sessões foram suficientes para evidenciar ganho de força muscular respiratória. Porém, há estudos com divergências dos resultados encontrados, como de Jesus et al. (7, no qual não houve diferença significante nos valores de PImáx e PEmáx em 24 sessões. Ressalta-se que os trabalhos encontrados voltam-se para a prática do MP no solo, diferindo deste trabalho que utilizou um aparelho específico, o Reformer, que permite trabalhar praticamente o corpo inteiro através do fortalecimento e do alongamento dos músculos25. Esse aparelho foi escolhido pela diversidade de exercícios físicos que podem ser realizados nele e pela facilidade de ajustes manuais possíveis para adaptá-lo às particularidades físicas de cada indivíduo.

Acredita-se que os resultados positivos encontrados no GT desse estudo sejam atribuídos principalmente a dois princípios que norteiam o MP: Respiração e Centralização. O músculo diafragma (principal músculo inspiratório) durante a respiração normal, com o abdome relaxado, tem a sua excursão livre, pois os músculos abdominais e os órgãos internos proporcionam pouca resistência à sua movimentação. Essa dinâmica é alterada durante os exercícios do MP, porque, ao realizar a respiração lateral (respiração característica do método), o músculo diafragma encontra resistência em sua excursão pela contração dos músculos abdominais (princípio de Centralização, que promove contração ativa principalmente dos músculos localizados na região abdominal, durante todo o exercício, para promover a estabilidade da coluna lombar) (29, que impedem o deslocamento dos órgãos, aumentando a pressão intra-abdominal e a tensão do músculo diafragma, o que, possivelmente, gera seu fortalecimento3.

Sabe-se que, no dia a dia clínico e esportivo, é necessário que o condicionamento físico e/ou a reabilitação ocorram a curto prazo. Dessa forma, este trabalho contribui ao mostrar que, com um número menor de sessões, é possível obter ganhos na força da musculatura respiratória e na ativação da musculatura abdominal.

Por se tratarem de participantes jovens e saudáveis, os valores iniciais de PImáx e PEmáx obtidos já estavam acima dos valores preditos para essa população. Uma limitação do estudo é que não foram realizadas avaliações em indivíduos com diagnóstico de disfunção respiratória. A princípio, optou-se por pessoas consideradas saudáveis, a fim de delinear o protocolo de treinamento e avaliação e, posteriormente, idealizar estudos com populações específicas.

Outras limitações do trabalho foram o número pequeno de participantes, a não realização de cálculo amostral e a utilização de apenas um equipamento do MP para a realização dos exercícios físicos propostos, uma vez que a rotina do método consiste na realização de exercícios em aparelhos diversificados e também no solo em uma mesma sessão.

CONCLUSÃO

As 12 sessões de Pilates utilizando o aparelho Reformer melhorou o desempenho muscular respiratório, tanto aumentando a força da musculatura inspiratória (PImáx) quanto o da musculatura expiratória (PEmáx) e promovendo melhora da ativação da musculatura reto abdominal em mulheres saudáveis.

Apesar de o presente estudo avaliar pessoas saudáveis, os resultados alcançados indicam que o MP pode ser importante recurso no tratamento de disfunções musculares respiratórias. Sugere-se que estudos que avaliem o efeito do MP em indivíduos que apresentem algum grau de comprometimento muscular respiratório sejam realizados, afim de evidenciar, de forma complementar, os benefícios do MP.

REFERÊNCIAS

1. Pilates J. A obra completa de Joseph Pilates: sua saúde e retorno à vida pela Contrologia. 1st ed. São Paulo: Phorte; 2010.
2. Calais-Germain B, Raison B. Pilates sem riscos: os riscos mais comuns e como evitá-los. 1st ed. Barueri: Manole; 2012.
3. Santos M, Cancelliero-Gaiad KM, Arthuri MT. Efeito do método Pilates no solo sobre parâmetros respiratórios de indivíduos saudáveis. Rev Bras Cienc Mov. 2015;23(1):24-30. doi: 10.18511/0103-1716/rbcm.v23n1p24-30
4. Cancelliero-Gaiad KM, Ike D, Pantoni CBF, Borghi-Silva A, Costa D. Respiratory pattern of diaphragmatic breathing and pilates breathing in COPD subjects. Braz J Phys Ther. 2014;18(4):291-9. doi: 10.1590/bjpt-rbf.2014.0042
5. Salvadeo C, Salvadeo NPO, Conte M, Assumpção CO. Método Pilates: respostas hemodinâmicas frente a uma sessão de exercícios. Rev Bras Prescrição Fisiol Exerc [Internet]. 2016 [cited 2019 Jan 28];10(61):618-27. Available from:
6. Barbosa AWC, Guedes CA, Bonifácio DN, Silva AF, Martins FLM, Barbosa MCSA. The Pilates breathing technique increases the electromyographic amplitude level of the deep abdominal muscles in untrained people. J Bodyw Mov Ther. 2015;19(1):57-61. doi: 10.1016/j.jbmt.2014.05.011
7. Jesus LT, Baltieri L, Oliveira LG, Angeli LR, Antonio SP, Pazzianotto-Forti EM. Efeitos do método Pilates sobre a função pulmonar, a mobilidade tóraco-abdominal e a força muscular respiratória: ensaio clínico não randomizado, placebo controlado. Fisioter Pesqui. 2015;22(3): 213-22. doi: 10.590/1809-2950/12658022032015
8. Costa D, Gonçalves HA, Lima LP, Ike D, Cancelliero-Gaiad KM, Montebelo MIL. Novos valores de referência para pressões respiratórias máximas na população brasileira. J Bras Pneumol. 2010;36(3):306-12. doi: 10.1590/S1806-37132010000300007
9. Santos, RMG et al. Manovacuometria realizada por meio de traqueias de diferentes comprimentos. Fisioter Pesqui. 2017;24(1):9-14. doi: 10.1590/1809-2950/15614124012017
10. Tozim, BM; Navega, MT. Effect of pilates method on inspiratory and expiratory muscle strength in the elderly. RBCDH. 2018;20(1):1-9. doi: 10.5007/1980-0037.2018v20n1p1
11. Abreu EMC, Alves RS, Pereira LO, Lima FPS, de Paula Jr AR, Lima MO. Efeitos da canoagem adaptada sobre o sistema cardiopulmonar de paraplégicos. Rev Bras Med Esporte. 2016;22(5):386-92. doi: 10.1590/1517-869220162205154030
12. Neder JA, Andreoni S, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res. 1999;32(6):719-27. doi: 10.1590/S0100-879X1999000600007
13. Hermens HJ, Freriks B, Disselhorst-Klug C, Rau G. Development of recommendations for SEMG sensors and sensor placement procedures. J Electromyogr Kinesiol. 2000;10(5):361-74. doi: 10.1016/S1050-6411(00)00027-4
14. Ng JKF, Kippers V, Parnianpour M, Richardson CA. EMG activity normalization for trunk muscles in subjects with and without back pain. Med Sci Sports Exerc [Internet]. 2002 [cited 2019 Jan 28];34(7):1082-6. Available from:
15. Costa D, Sampaio LMM, de Lorenzzo VAP, Jamami M, Damaso AR. Avaliação da força muscular respiratória e amplitudes torácicas e abdominais após a RFR em indivíduos obesos. Rev Lat Am Enfermagem. 2003;11(2):156-60. doi: 10.1590/S0104-11692003000200003
16. Oliveira JS, Campos TF, Borja RO, da Silva ROE, de Freitas DA, de Oliveira LC, et al. Análise do índice de percepção de esforço na avaliação das pressões respiratórias máximas em crianças e adolescentes. RBCDH [Internet]. 2012 [cited 2019 Jan 28];22(3):314-20. Available from:
17. de Oliveira M, Santos CLS, de Oliveira CF, Ribas DIR. Efeitos da técnica expansiva e incentivador respiratório na força da musculatura respiratória em idosos institucionalizados. Fisioter Mov. 2013;26(1):133-40. doi: 10.1590/S0103-51502013000100015
18. Giacomini MB, da Silva AMV, Weber LM, Monteiro MB. The Pilates Method increases respiratory muscle strength and performance as well as abdominal muscle thickness. J Bodyw Mov Ther. 2016;20(2):258-64. doi: 10.1016/j.jbmt.2015.11.003
19. Pinto JSST, Sarmento LA, Silva APP, Cabral CMN, Chiavegato LD. Effectiveness of conventional physical therapy and Pilates' method in functionality, respiratory muscle strength and ability to exercise in hospitalized chronic renal patients: a study protocol of a randomized controlled trial. J Bodyw Mov Ther. 2015;19(4):604-15. doi: 10.1016/j.jbmt.2014.08.003
20. Enoka RM. Bases neuromecânicas da cinesiologia. 2nd ed. Barueri: Manole; 2000.
21. Marques NR, Morcelli MH, Hallal CZ, Gonçalves M. EMG activity of trunk stabilizer muscles during Centering Principle of Pilates Method. J Bodyw Mov Ther. 2013;17(2):185-91. doi: 10.1016/j.jbmt.2012.06.002
22. Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR. Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates, série de Williams e Spine Stabilization. Fisioter Mov. 2013;26(1):87-94. doi: 10.1590/S0103-51502013000100010
23. Werba DR, Cantergi D, Franzoni LT, Fagundes AO, Loss JF, Haas AN. Electrical activity of powerhouse muscles during the teaser exercise of Pilates using different types of apparatus. Perceptual Mot Skills. 2016;124(2):452-61. doi: 10.1177/0031512516684079
24. Altan L, Korkmaz N, Dizdar M, Yurtkuran M. Effect of Pilates training on people with ankylosing spondylitis. Rheumatol Int. 2012;32(7):2093-9. doi: 10.1007/s00296-011-1932-9
25. de Souza ROB, Marcon LF, Arruda ASF, Pontes Junior FL, Melo RC. Effects of Mat Pilates on physical functional performance of older adults: a meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Phy Med Rehabil. 2018:97(6):414-25. doi: 10.1097/PHM.0000000000000883
26. Häkkinen K, Kallinen M, Izquierdo M, Jokelainen K, Lassila H, Mälkiä E, et al. Changes in agonist-antagonist EMG, muscle CSA, and force during strength training in middle-aged and older people. J Appl Physiol. 1998;84(4):1341-9. doi: 10.1152/jappl.1998.84.4.1341
27. Cadore EL, Pinto RS, Kruel LFM. Adaptações neuromusculares ao treinamento de força e concorrente em homens idosos. RBCDH. 2012;14(4):483-95. doi: 10.5007/1980-0037.2012v14n4p483
28. Rafael B, Costa SP, Ambrozin ARP, Carneiro PR. Efeitos do método pilates na força muscular respiratória. Anuário da Produção de Iniciação Científica Discente [Internet]. 2010 [cited 2019 Jan 28];13(18):109-22. Available from:
29. Barbosa AW, Martins FL, Vitorino DF, Barbosa MC. Immediate electromyography changes of the biceps brachii and upper rectus abdominis muscles due to the Pilates centering technique. J Bodyw Mov Ther. 2013;17(3):385-90. doi: 10.1016/j.jbmt.2013.01.003
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.