Desenvolvimento do potencial evocado auditivo cortical P1 em crianças com perda auditiva sensorioneural após o implante coclear: estudo longitudinal

Desenvolvimento do potencial evocado auditivo cortical P1 em crianças com perda auditiva sensorioneural após o implante coclear: estudo longitudinal

Autores:

Kátia de Freitas Alvarenga,
Leticia Cristina Vicente,
Raquel Caroline Ferreira Lopes,
Luzia Maria Pozzobom Ventura,
Maria Cecília Bevilacqua,
Adriane Lima Mortari Moret

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.25 no.6 São Paulo 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S2317-17822014000100004

INTRODUÇÃO

O sistema auditivo central apresenta um período sensível de desenvolvimento correspondente aos primeiros anos de vida. A privação sensorial decorrente da perda auditiva nesse período pode alterar ou impedir o desenvolvimento auditivo central( 1 ), sendo que haverá uma reorganização cortical, na qual estruturas auditivas, a princípio responsáveis pela função auditiva, responderão a outros estímulos sensoriais, por exemplo, aos visuais( 2 ).

Por outro lado, a introdução da estimulação auditiva por meio de um dispositivo eletrônico, como o implante coclear nas perdas auditivas mais acentuadas, poderá reverter, parcial ou totalmente, os efeitos dessa privação sensorial, permitindo o redirecionamento dessas estruturas para sua função primária e, consequentemente, o desenvolvimento das habilidades auditivas, pré-requisito para a aquisição e produção da linguagem oral( 3 ).

As mudanças que ocorrem na via auditiva central após a ativação do implante coclear podem ser constatadas por meio de procedimentos eletrofisiológicos. A pesquisa do potencial evocado auditivo cortical (PEAC) permite analisar a resposta das estruturas auditivas centrais frente à estimulação elétrica e, além disso, não depende do estado de atenção e respostas comportamentais da criança, tornando-se, assim, uma medida confiável do processo maturacional e da função auditiva cortical.

O componente P1 do PEAC tem sido o mais utilizado por ser considerado um biomarcador da maturação das estruturas do sistema auditivo. Nos indivíduos usuários de implante coclear, a latência desse componente é menor quanto maior o tempo de uso do dispositivo( 4 - 7 ). Adicionalmente, o desenvolvimento do componente P1 segue o mesmo padrão de uma criança com audição típica, porém com atraso no processo maturacional( 5 , 8 ). No entanto, estudos recentes demonstraram que o componente P1 se desenvolve rapidamente após a ativação do implante coclear, alcançando valores de normalidade entre três e oito meses de uso do dispositivo( 7 , 9 - 12 ).

O tempo de privação sensorial auditiva influencia o processo de maturação central( 7 , 9 , 13 , 14 ), sendo que crianças submetidas à intervenção com o implante coclear após o período sensível podem apresentar resposta auditiva cortical anormal, mesmo após muitos anos de estimulação auditiva( 9 , 14 , 15 ).

Adicionalmente, indivíduos com pior desempenho na percepção da fala apresentam registros atípicos desses potenciais( 16 - 18 ), refletindo, assim, padrão anormal ou imaturo da atividade cortical( 16 ).

Assim, estudar o processo maturacional do sistema auditivo de crianças implantadas por meio do PEAC fornece importantes informações que podem auxiliar na compreensão da diferença no desempenho de percepção da fala observada entre os usuários de implante coclear e, consequentemente, refletir em seu processo de indicação, principalmente no que diz respeito à idade na implantação.

O objetivo deste estudo foi analisar as características do componente P1 em crianças com perda auditiva pré-lingual usuárias de implante coclear e correlacioná-las com o desempenho na percepção da fala.

MÉTODOS

O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética, número do processo 181/2004, e os responsáveis pelos pacientes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido antes da realização do exame.

Participaram deste estudo dez crianças que atenderam aos seguintes critérios de inclusão: faixa etária de 1 a 5 anos, usuárias de implante coclear e com perda auditiva sensorioneural pré-lingual bilateral de grau profundo. Crianças com alterações neurológicas e/ou comprometimento do nervo auditivo comprovado por meio de ressonância magnética foram excluídas deste estudo.

O Quadro 1 apresenta as características da casuística quanto à etiologia, idade na ativação, modelo do componente interno, processador de fala e estratégia de processamento do sinal.

Quadro 1. Descrição da casuística quanto à etiologia, idade na ativação, modelo do componente interno, processador e estratégia de processamento do sinal 

As crianças foram avaliadas por meio da pesquisa do PEAC em três momentos: na ativação do implante coclear, com três e com seis meses após a ativação, de acordo com a metodologia utilizada em estudo anterior em nosso laboratório( 19 ).

A pesquisa do PEAC foi realizada com o sistema Smart EP USB Jr da Intelligent Hearing Systems. Os potenciais auditivos foram registrados no canal A e os movimentos oculares e de piscada, no canal B.

No canal A, o eletrodo ativo foi posicionado em Cz conectado na entrada (+) do pré-amplificador e o eletrodo de referência na mastoide contralateral ao implante coclear, conectado na entrada (-). O eletrodo terra foi posicionado em Fpz, conectado na posição ground. No canal B, o eletrodo ativo foi colocado na posição supraorbital contralateral ao implante coclear conectado na entrada (+) do pré-amplificador e o eletrodo de referência na posição infraorbital desse mesmo lado, conectado na entrada (-). Com essa disposição de eletrodos, houve o monitoramento do movimento ocular, delimitando o nível de rejeição utilizado em cada exame.

Para o registro dos potenciais evocados auditivos e oculares, foram utilizados eletrodos descartáveis para ECG da marca Meditracetm 200, com pasta condutiva para EEG da marca Tem 20TM, colocados após a limpeza da pele do indivíduo com Gel Abrasivo para ECG/EEG da marca Nuprep. O nível de impedância foi mantido entre 1 e 3 kΩ para os eletrodos.

As respostas auditivas foram registradas em resposta ao estímulo de fala /da/, apresentado na intensidade de 70 dB NA, utilizado em estudo prévio( 20 ). O estímulo [da] foi extraído da segunda sílaba da palavra [da'da], produzida por um adulto jovem com qualidade vocal fluida e gravada por meio de microfone unidirecional, diretamente na placa de computador, pelo programa livre Praat (www.praat.org), numa amostragem de 22 kHz. As larguras de banda foram colhidas da região estável das frequências formantes (F1, F2 e F3). Com esses valores, compilou-se um script no Praat (versão 4.2.31) e uma resíntese da sílaba foi realizada. A duração da sílaba [da] corresponde a 180 ms. O estímulo linguístico produzido, previamente manipulado e gravado em CD, foi inserido na unidade C do computador conectado ao software do Smart EP USB Jr da Intelligent Hearing Systems.

O procedimento foi realizado em campo livre, com a caixa acústica posicionada na altura da cabeça da criança a uma distância de 40 cm a 90° azimute. Utilizou-se um amplificador de potência, com saída de 30 W RMS, em conjunto com uma caixa acústica de 50 W RMS, sobre um tripé. Na entrada de sinal do amplificador, entrada passiva, foi instalado um transformador isolador com impedância de entrada de 440 Ω (impedância igual à saída dos fones de inserção usados no Master Potential System) e a saída com 5 kΩ para o amplificador.

No momento do teste, as crianças estavam com o implante coclear ligado, sentadas confortavelmente em uma poltrona e assistindo a um vídeo sem som.

Ao ser observada a presença do PEAC, o componente P1 foi identificado e analisado de acordo com a sua latência e amplitude. O registro foi analisado por dois profissionais com formação em eletrofisiologia, sendo um o pesquisador responsável pela realização do procedimento. O segundo examinador, no momento da análise, não teve acesso à informação sobre a criança e a qual momento de avaliação.

Para verificar a aquisição de habilidades auditivas, foi utilizada a Escala de Integração Auditiva Significativa para Crianças pequenas: IT-MAIS( 21 ). Essa escala consiste em uma entrevista com os pais ou responsáveis pela criança, estruturada em dez questões que focam três principais áreas do desenvolvimento auditivo: (1) comportamento de vocalização, (2) alerta para os sons e (3) atribuição de significado aos sons. Para cada pergunta, há cinco opções de respostas, as quais são exemplificadas e recebem diferentes pontuações: Nunca (0), Raramente (1), Ocasionalmente (2), Frequentemente (3) e Sempre (4), com escore total de 40 pontos, transformado em valor percentual.

A análise descritiva dos dados foi apresentada por meio da média, desvio-padrão e valores mínimos e máximos. Na análise inferencial, foi aplicado o teste análise de variância (ANOVA) e de Tukey para análise de correlação dos três momentos de avaliação com a latência e amplitude de P1. Para análise dos resultados do IT-MAIS, foi utilizado o teste de Wilcoxon e o teste t. Para correlação deste com a latência e amplitude do componente P1, foram utilizadas as correlações de Spearman e de Pearson.

O nível de significância utilizado foi de 5%.

RESULTADOS

A análise descritiva da casuística quanto à idade na ativação do implante coclear, aos valores de latência e amplitude do componente P1 e ao escore da escala IT-MAIS nos três momentos de avaliação está apresentada na Tabela 1.

Tabela 1 Análise descritiva da casuística quanto à idade de ativação do implante coclear, latência do P1 (milissegundos), amplitude do P1 (µV) e escore do IT-MAIS (%) nos três períodos avaliados 

Média Mediana Min Max DP
Idade na Ativação 2a5m 2a4m 1a2m 4a3m 0,89
Latência Ativação 313,80 305,50 290,00 365,00 23,93
Latência 3m 259,70 280,00 163,00 311,00 57,44
Latência 6m 177,80 150,00 99,00 275,00 69,41
Amplitude Ativação 4,85 4,72 1,58 8,77 2,23
Amplitude 3m 2,46 2,38 1,12 5,13 1,20
Amplitude 6m 3,05 3,32 1,27 4,92 1,38
IT-MAIS Ativação ≤25,00 ≤25,00 ≤25,00 ≤25,00 -
IT-MAIS 3m 54,75 60,00 15,00 5,00 18,54
IT-MAIS 6m 75,50 75,00 40,00 100,00 19,32

Legenda: P1 = potencial evocado auditivo cortical P1

Min = mínimo

Max = máximo

DP = desvio-padrão

a = anos

m = meses

Por meio do teste ANOVA, houve diferença da latência (F=22,4; p=0,00) e amplitude do componente P1 (F=6,26; p=0,00), de acordo com o momento de avaliação. O teste de Tukey demonstrou diferença nos valores de latência de P1 entre os três momentos de avaliação (Ativação - três meses; três meses - seis meses; Ativação - seis meses). Quanto à amplitude, observou-se diferença entre os valores do componente P1 obtidos entre os momentos de avaliação: Ativação - três meses; e Ativação - seis meses (Tabela 2).

Tabela 2 Análise estatística comparativa da latência e amplitude do componente P1 nos três momentos de avaliação 

3 meses 6 meses
Latência Ativação 0,04* 0,00*
3 meses - 0,00*
Amplitude Ativação 0,00* 0,05*
3 meses - 0,67

* Valores significantes (p≤0,05) - Teste de Tukey

O componente P1 do PEAC foi identificado em todas as crianças nos três momentos de avaliação, com mudanças na morfologia (Figura 1). O desenvolvimento do componente P1 para cada indivíduo está ilustrado no Gráfico 1.

Figura 1 Registros obtidos na pesquisa do potencial evocado auditivo cortical na ativação do implante coclear, três meses e seis meses após a mesma em paciente, gênero feminino, com 2 anos e 6 meses de idade na ativação 

Gráfico 1 Desenvolvimento do componente P1 para cada indivíduo nos três momentos avaliados em comparação ao intervalo de valores mínimos e máximos para os indivíduos com audição típica 

A pontuação na escala IT-MAIS aumentou de forma significativa com o tempo de uso do implante coclear (Tabela 3), porém não houve correlação com a latência e amplitude do componente P1 nos três momentos avaliados (Tabela 4).

Tabela 3 Análise estatística comparativa da pontuação do IT-MAIS nos três momentos de avaliação 

IT-MAIS 3 meses IT-MAIS 6 meses
IT-MAIS Ativação 0,01* 0,01*
IT-MAIS 3 meses - 0,02*

*Valores significantes (p≤0,05) - Teste de Wilcoxon (Ativação - 3 meses e Ativação - 6 meses) e teste t (3 - 6 meses)

Tabela 4 Análise estatística da correlação da latência e amplitude do componente P1 com a pontuação do IT-MAIS nos três momentos de avaliação 

Lat. At. 3m Lat. 3-6m Lat. At. 6m Amp. At. 3m Amp. 3-6m Amp. At. 6m
IT-MAIS At. 3m 0,45 0,30 0,97 0,65 0,12 0,37
IT-MAIS 3-6m 0,40 0,77 0,79 0,97 0,86 0,95
IT-MAIS At. 6m 0,48 0,30 0,23 0,86 0,22 0,38

Correlação de Speraman (At. 3m e At. 6m) e de Pearson (3-6m)

Legenda: Lat. = Latência

Amp. = Amplitude

At. = Ativação

m = meses

DISCUSSÃO

A diminuição da latência e da amplitude do componente P1 com o aumento do tempo de uso do implante coclear é esperada em crianças com perda auditiva sensorial pré-lingual( 4 - 7 , 9 - 12 , 15 , 22 ). Os achados obtidos corroboraram com a literatura, uma vez que a latência e amplitude diminuíram significativamente entre os momentos analisados (Tabela 2), o que demonstra a maturação do córtex auditivo com a estimulação elétrica.

Com a ativação do implante coclear, observou-se imediata resposta cortical, uma vez que o componente P1 foi registrado em todas as crianças. Nesse momento, o componente P1 caracteriza-se como um pico positivo proeminente que irá se definindo com o processo maturacional( 4 , 13 ), sendo que esse achado foi descrito anteriormente em crianças com Desordem do Espectro da Neuropatia Auditiva usuárias de aparelho de amplificação sonora individual (AASI)( 23 ).

Uma taxa rápida de desenvolvimento do componente P1 após a ativação do implante coclear em crianças operadas no período sensível, ou seja, até três anos e seis meses, foi descrita na literatura, com alcance dos valores de normalidade da latência entre três e oito meses de uso do dispositivo( 7 , 9 , 11 , 12 ). De acordo com o Gráfico 1, no período de seis meses de uso do implante coclear, o curso do processo maturacional do sistema auditivo ocorreu como o esperado, com exceção do paciente 8, no qual não houve redução da latência do componente P1 quando comparado ao segundo e terceiro momento de avaliação. Em uma análise mais aprofundada do histórico do paciente, constatou-se que as condições anatômicas encontradas no momento da cirurgia não permitiram a realização do implante coclear na orelha inicialmente determinada, sendo a conduta médica imediata a implantação na orelha oposta, o que desencadeou, posteriormente, a não utilização do AASI na orelha contralateral ao implante coclear.

Adicionalmente, três crianças apresentaram P1 com latência esperada para a idade cronológica, apesar do menor tempo de experiência auditiva, o que sugere um tempo mais rápido para o desenvolvimento do componente P1. Possivelmente, a estimulação do implante coclear no período sensível inicia um padrão atípico e widespread de ativação de diferentes camadas corticais, rresultando em uma diminuição mais rápida da latência do que em crianças com audição típica( 12 ).

Sabe-se que o tempo de privação sensorial auditiva anterior à ativação do implante coclear influencia consideravelmente no redirecionamento das estruturas da via auditiva central para sua função primária, o que poderia explicar a variabilidade da latência e amplitude do componente P1, e, consequentemente, na percepção da fala. O benefício do implante coclear para a percepção da fala, após o período considerado sensível, tende a diminuir com o avanço da idade no momento da ativação( 3 , 9 ).

Neste estudo, apenas uma criança recebeu o implante coclear após esse período (paciente 5, aos 4 anos e 3 meses de idade); contudo, constata-se que o desenvolvimento do componente P1 encontra-se semelhante ao dos pacientes 1, 3, 7, 9 e 10. É possível verificar também que há diferenças nesse processo de desenvolvimento, justificadas provavelmente pelo fato de que a ativação do implante coclear não é o único fator determinante, mas também a quantidade e qualidade da estimulação auditiva( 24 ). Esse fato já foi relatado em estudos que abordaram o desenvolvimento das habilidades auditivas consideradas pré-requisitos para a aquisição e desenvolvimento da linguagem oral, ao relatarem que o tempo de uso do dispositivo, aspectos relacionados à família e à reabilitação auditiva têm impacto nos benefícios obtidos com o implante coclear( 24 - 27 ).

Estudos anteriores descreveram a correlação do componente P1 com o desempenho em testes de habilidades auditivas, caracterizando esse componente como um preditor do desempenho da percepção auditiva da fala( 16 - 18 , 28 , 29 ).

Neste estudo, houve uma melhora significativa nas habilidades auditivas com o uso do implante coclear avaliadas pelo questionário IT-MAIS (Tabela 3), mas sem correlação significante com a latência e amplitude do componente P1 (Tabela 4). Esse achado divergente da literatura pode ser justificado pelo fato de as crianças no presente estudo apresentarem um tempo máximo de seis meses de uso do dispositivo e as habilidades auditivas avaliadas por esse questionário, apesar de iniciais no processo de desenvolvimento da função auditiva, completarem a sua aquisição somente após um ano de uso do dispositivo, aproximadamente, representada pelo escore de 80 a 100%( 30 ).

Os resultados deste estudo corroboram com os da literatura de que o redirecionamento das estrutras centrais com a estimulação do implante coclear pode ser acompanhado após o perído de privação sensorial por meio da pesquisa do PEAC, o qual demonstrou ser um procedimento que pode ser aplicado na prática clínica. Esses achados podem contribuir nas diretrizes de indicação do implante coclear em crianças pequenas, norteando políticas públicas no tratamento da deficiência auditiva. Adicionalmente, reafirma-se que a cirurgia realizada no período ideal não é suficiente para garantir um bom desempenho com o implante coclear, havendo a necessidade de intervenção terapêutica e acompanhamento contínuo dos pacientes.

CONCLUSÃO

A latência e amplitude do componente P1 diminuem com o aumento do tempo de uso do implante coclear. No entanto, não houve correlação de seu desenvolvimento com o desempenho na percepção da fala.

REFERÊNCIAS

1. Northern JL, Downs MP. Audição na infância. Trad. Paulo AFD, Azevedo MF. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.
2. Gordon KA, Wong DD, Valero J, Jewell SF, Yoo P, Papsin BC, et al. Use it or lose it? Lessons learned from the developing brains of children who are deaf and use cochlear implantsto hear. Brain Topogr. 2011;24(3-4):204-19.
3. Martínez-Beneyto P, Morant A, Pitarch MI, Latorre E, Platero A, Marco J. Paediatric cochlear implantation in the critical period of the auditory pathway, our experience. Acta Otorrinolaringol Esp. 2009;60(5):311-7.
4. Jiwani S, Papsin BC, Gordon KA. Central auditory development after long-term cochlear implant use. Clin Neurophysiol. 2013;124(9):1868-80.
5. Eggermont JJ, Ponton CW, Don M, Waring MD, Kwong B. Maturational delays in cortical evoked potentials in cochlear implant users. Acta Otolaryngol. 1997;117(2):161-63.
6. Singh S, Liasis A, Rajput K, Towell A, Luxon L. Event-related potentials in pediatric cochlear implant patients. Ear Hear. 2004;25(6):598-610.
7. Sharma A, Dorman MF, Kral A. The influence of a sensitive period on central auditory development in children with unilateral and bilateral cochlear implants. Hear Res. 2005;203(1-2):134-43.
8. Ponton CW, Don M, Eggermont JJ, Waring MD, Kwong B, Masuda A. Auditory system plasticity in children after long periods of complete deafness. Neuroreport. 1996;8(1):61-5.
9. Sharma A, Dorman MF, Spahr AJ. A sensitive period for the development of the central auditory system in children with cochlear implants: implications for age of implantation. Ear Hear. 2002;23(6):532-9.
10. Sharma A, Tobey E, Dorman M, Bharadwaj S, Martin K, Gilley P, et al. Central auditory maturation and babbling development in infants with cochlear implants. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2004;130(5):511-6.
11. Dorman MF, Sharma A, Gilley P, Martin K, Roland P. Central auditory development: evidence from CAEP measurements in children fit with cochlear implants. J Commun Disord. 2007;40(4):284-94.
12. Sharma A, Dorman MF, Spahr AJ. Rapid development of cortical auditory evoked potentials after early cochlear implantation. Neuroreport. 2002;13(10):1365-8.
13. Ponton CW, Eggermont JJ. Of kittens and kids: altered cortical maturation following profound deafness and cochlear implant use. Audiol Neurootol. 2001;6(6):363-80.
14. Sharma A, Dorman MF. Central auditory development in children with cochlear implants: clinical implications. Adv Otorhinolaryngol. 2006;64:66-88.
15. Sharma A, Dorman M, Spahr A, Todd NW. Early cochlear implantation in children allows normal development of central auditory pathways. Ann Otol Rhinol Laryngol Suppl. 2002;189:38-41.
16. Gordon KA, Tanaka S, Papsin BC. Atypical cortical responses underlie poor speech perception in children using cochlear implants. Neuroreport. 2005;16(18):2041-5.
17. Gordon KA, Tanaka S, Wong DDE, Papsin BC. Characterizing responses from auditory cortex in young people with several years of cochlear implant experience clinical. Neurophysiology. 2008;119:2347-62.
18. Kurnaz M, Satar B, Yetiser S. Evaluation of cochlear implant users' performance using middle and late latency responses. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2009;266(3):343-50.
19. Ventura LMP, Costa Filho OA, Alvarenga KF. Maturação do sistema auditivo central em crianças ouvintes normais. Pró-Fono. 2009;21(2):101-6.
20. Banhara MR. Potenciais auditivos de longa latência: N1, P2, N2, e P300, evocados por estímulo de fala em usuários de implante coclear [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2007.
21. Castiquini EAT, Bevilacqua MC. Escala de Integração Auditiva Significativa: procedimento adaptado para a avaliação da percepção da fala. R Soc Bras Fonoaudiol. 2000;4(6):51-60.
22. Sharma A, Martin K, Roland P, Bauer P, Sweeney MH, Gilley P, et al. P1 latency as a biomarker for central auditory development in children with hearing impairment. J Am Acad Audiol. 2005;16(8):564-73.
23. Sharma A, Cardon G, Henion K, Roland P. Cortical maturation and behavioral outcomes in children with auditory neuropathy spectrum disorder. Int J Audiol. 2011;50(2):98-106.
24. Flexer C. Cochlear implants and neuroplasticity: linking auditory exposure and practice. Cochlear Implants Int. 2011;12(Suppl 1): S19-21.
25. Geers A, Brenner C, Nicholas J, Uchanski R, Tye-Murray N, Tobey E. Rehabilitation factors contributing to implant benefit in children. Ann Otol Rhinol Laryngol Suppl. 2002;189:127-30.
26. Moret AL, Bevilacqua MC, Costa OA. Cochlear implant: hearing and language in pre-lingual deaf children. Pro Fono. 2007;19(3):295-304.
27. Davidson LS, Geers AE, Blamey PJ, Tobey EA, Brenner CA. Factors contributing to speech perception scores in long-term pediatric cochlear implant users. Ear Hear. 2011;32(1):19S-26S.
28. Cardon G, Sharma A. Central auditory maturation and behavioral outcome in children with auditory neuropathy spectrum disorder who use cochlear implants. Int J Audiol. 2013;52(9):577-86.
29. Alvarenga KF, Amorim RB, Agostinho-Pesse RS, Costa OA, Nascimento LT, Bevilacqua MC. Speech perception and cortical auditory evoked potentials in cochlear implant users with auditory neuropathy spectrum disorders. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2012;76(9):1332-8.
30. Eisenberg LS, Johnson KC, Martinez AS, Cokely CG, Tobey EA, Quittner AL, et al. Speech recognition at 1-year follow-up in the childhood development after cochlear implantation study: methods and preliminary findings. Audiol Neurootol. 2006;11(4):259-68.