Detecção de disfunção renal através da dosagem de creatinina em amostra de gota de sangue seca no papel filtro

Detecção de disfunção renal através da dosagem de creatinina em amostra de gota de sangue seca no papel filtro

Autores:

Alan Castro Azevedo e Silva,
Juan Fidel Bencomo Gómez,
Jocemir Ronaldo Lugon,
Miguel Luis Graciano

ARTIGO ORIGINAL

Brazilian Journal of Nephrology

versão impressa ISSN 0101-2800versão On-line ISSN 2175-8239

J. Bras. Nefrol. vol.38 no.1 São Paulo jan./mar. 2016

http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20160004

Introdução

A padronização em 2002 da disfunção renal crônica no termo doença renal crônica (DRC), com sua classificação e estratificação em 5 estágios,1 permitiu conhecer a prevalência e o risco de mortalidade associado à diminuição da função renal. Assim, a prevalência atual da DRC, em todos os seus estágios, foi estimada em 10,4% da população mundial, sendo que 78% estariam nos países em desenvolvimento.2 Consequentemente, a DRC passou a ser reconhecida como grave problema de saúde, sendo objeto de diretrizes internacionais3 que preconizam seu diagnóstico precoce e prevenção. A definição para o diagnóstico da DRC é baseada em três componentes: I- um componente anatômico ou estrutural (marcadores de dano renal); II- um componente funcional (baseado na taxa de filtração glomerular - TFG) e III um componente temporal. Segundo os critérios estabelecidos, o paciente com TFG < 60 ml/ min/1,73m2 ou TFG ≥ 60 ml/min/1,73m2, porém, associada a pelo menos um marcador de dano renal (exemplo, albuminúria) e mantido por um período superior a 3 meses, é portador de DRC.4

Para a medida direta da TFG, é necessário o emprego de marcadores exógenos como a inulina, Cr51-EDTA, iotalamato, iohexol, entre outros. Porém, a utilização de marcadores exógenos é complexa, cara e de difícil execução na prática clínica.5 Assim, a creatinina é o marcador endógeno mais utilizado. A TFG é estimada por meio de equações derivadas da creatinina sérica, com ajuste para os fatores extrarrenais que influenciam no seu nível sérico, como a idade, sexo e raça. A equação considerada mais apropriada para estimativa da TFG na população geral adulta é a Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration (CKD-EPI),6 por ter sido elaborada com uma coorte que incluiu indivíduos saudáveis, com TFG normal.

A forma convencional para dosagem da creatinina requer a coleta de um volume de sangue por punção venosa periférica, armazenamento e transporte em local refrigerado para posterior processamento bioquímico, o que pode dificultar o cálculo da TFG estimada. Apresentamos nesse estudo uma forma alternativa e de simples execução para dosar a creatinina, por meio da coleta de uma gota de sangue e armazenamento em papel filtro. O objetivo deste estudo é medir a acurácia deste novo teste para estimar a TFG, comparando-o com o método convencional.

Métodos

Conduzimos um estudo observacional transversal em pessoas voluntárias sadias efetuando avaliação de dados clínicos, exame físico e coleta de sangue. As dosagens das creatininas padronizadas obtidas pelos dois testes e os dados demográficos de cada participante permitiram estimar a taxa de filtração glomerular (TFG). O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Clínica da Universidade Federal Fluminense e todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Informado.

População

Os participantes foram recrutados de forma a incluir pessoas com maior susceptibilidade para DRC entre os acompanhantes e funcionários do Complexo Hospitalar de Niterói (CHN) e em três ações sociais realizadas pela Igreja Batista da Pavuna, em comunidades carentes. Os critérios de inclusão foram: pessoas com um ou mais fatores de risco cardiovascular como hipertensão arterial, diabetes mellitus, tabagismo, sobrepeso/obesidade ou idade acima de 50 anos. Foram excluídos: voluntários com diagnóstico prévio de DRC já estabelecido ou que apresentassem alguma característica que evidentemente pudesse interferir no cálculo correto da função renal estimada, como por exemplo: amputados ou portadores de ascite evidente. Um total de 119 pessoas preencheu os critérios de inclusão. O período de recrutamento foi de 3 de abril de 2012 a 15 de dezembro de 2012.

Desenho

Depois de preenchido um questionário contendo dados clínicos e demográficos, foram medidos peso, altura e pressão arterial dos participantes. Após a entrevista e exame físico, coletou-se sangue venoso por punção com agulha e sangue periférico através de lanceta. Todas as amostras de sangue venoso foram acondicionadas em recipientes térmicos para envio aos laboratórios.

Os dados demográficos e de exame físico foram inseridos num registro eletrônico especialmente elaborado para o estudo e programado para calcular as equações que estimam a taxa de filtração glomerular (e/ou depuração de creatinina) a partir dos resultados dos valores das creatininas. O padrão ouro da medida da creatinina foi realizado, de forma automatizada, pelo método Jaffé modificado (equipamento automatizado Dimension RxLMax ® - Siemens Healthcare, Newark, Estados Unidos da América) na filial do Laboratório Sérgio Franco no CHN.

As amostras coletadas em gota de sangue e armazenadas em papel filtro (Schleicher & Schuell Bioscience, Inc - New Hampshire, Estados Unidos da América) foram encaminhadas ao Laboratório Biomarc do Instituto Vital Brazil (IVB) - Niterói - RJ. Nesse laboratório, o papel filtro era submetido à eluição orgânica com a solução alcoólica. O eluato é condicionado numa microplaca (tipo ELISA), que é o suporte da automação do procedimento tecnológico. A creatinina presente no mesmo reage com a creatinase formando creatina. Posteriormente, na presença de creatininase, formam-se os produtos sacacina + ureia. Em presença de superóxido dismutase produz-se peróxido de hidrogênio e finalmente, com a presença da peroxidase, forma-se o complexo colorido Quinona, que é quantificado na densidade ótica de λ = 556 nm. Os valores de densidade ótica são obtidos em um espectrofotômetro ELISA. Os laboratórios não tinham acesso aos dados clínicos dos participantes do estudo.

Análise estatística

As variáveis com distribuição normal foram descritas como média ± desvio padrão e as variáveis com distribuição não normal foram descritas como mediana e intervalo interquartílico. Usamos tabelas 2 × 2 para calcular características do teste tais como sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo, valor preditivo negativo, razão de verossimilhança, medida de acurácia e índice de Kappa para concordância das amostras. Também foi avaliada a concordância entre as duas formas de se dosar a creatinina empregando a correlação de Pearson. Erros persistentes e dispersão de resultados foram avaliados pelo teste de Bland-Altman. Os valores considerados estatisticamente significativos foram de p < 0,05.

Resultados

Das 119 pessoas que concordaram em participar do estudo, treze foram excluídas. Três voluntários recrutados em uma das Ações Sociais não chegaram a ter sangue coletado para os dois testes. Outras 10 pessoas não tiveram suas amostras em papel filtro processadas por extravio no recebimento no laboratório. Cento e seis pessoas foram incluídas nesse estudo piloto. Vinte e oito foram recrutados entre os funcionários e acompanhantes dos pacientes do CHN, 18 da Ação Social de 7 de julho de 2012, 32 da Ação Social de 22 de setembro de 2012 e 28 da Ação Social de 15 de dezembro de 2012.

A idade dos participantes foi de 57 ± 12 anos, 78 (73,5%) eram do sexo feminino, 43 eram brancos (40,5%), 36 eram pardos (34%) e 27 negros (25,5%). O índice de massa corpórea foi de 29,5 ± 6,9 kg/m2, a pressão arterial sistólica foi de 125 mmHg (intervalo interquartil [IQR] 120-140 mmHg) e a pressão arterial diastólica de 80 mmHg (IQR 70-80 mmHg). Os dados gerais da população estudada estão descritos na Tabela 1.

Tabela 1 Características demográficas e clínicas da população 

N 106
Idade (anos) 57 ± 12
Sexo feminino (%) 78 (73,5)
Raça branca (%) 43 (40,5)
Raça negra (%) 27 (25,5)
Raça parda (%) 36 (34)
IMC (kg/m2) 29,5 ± 6,9
PA sistólica na triagem (mmHg) 125 (120-140)
PA diastólica na triagem (mmHg) 80 (70-80)
Comorbidades relatadas:
Hipertensão arterial ou cardiopatia (%) 80 (76)
Diabetes mellitus (%) 32 (30)
História familiar de DRC (%) 39(37)
Tabagismo (%) 23 (22)

Dados expressos como média DP, mediana (intervalo interquartil) ou pela frequência; IMC: Indice de massa corpórea; PA: Pressão arterial; DRC: Doença renal crônica.

Entre os 106 participantes do estudo, 80 (76%) tinham diagnóstico prévio de hipertensão arterial e 32 (30%) já tinham recebido o diagnóstico de diabetes mellitus. Dos entrevistados, 39 (37%) alegaram ter uma história familiar de DRC e 23 (22%) informaram ser tabagistas. Os dados clínicos foram descritos na Tabela 1.

A validade do teste feito com PF foi calculada considerando como variável de interesse identificar indivíduos com TFG estimada menor que 60 ml/min/1,73 m2, determinado pela equação CKD-EPI.

Conforme mencionado, nas tabelas de contingências o teste que mede a creatinina sérica de forma convencional foi considerado o "padrão-ouro". Desta maneira, a sensibilidade do PF foi de 94% na CKD-EPI para diagnóstico de TFG menor que 60 ml/min/1,73m2. De forma análoga, a especificidade para o teste com PF foi de 55%. Esses resultados estão apresentados na Tabela 2.

Tabela 2 Valores de sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivos, negativos e acurácia do teste da creatinina em papel filtro para estimar uma TFG < 60 ml/min/1,73m2 

Equação Sensibilidade Especificidade VPP VPN Acurácia
% (IC 95%) % (IC 95%) % (IC 95%) % (IC 95%) %
MDRD 96 (89-98) 55 (21-86) 96 (89-98) 55 (21-86) 92
CKD-EPI 94 (87-97) 55 (21-86) 94 (87-97) 55 (21-86) 90

IC: Intervalo de confiança; MDRD: Modification of Diet in Renal Disease; CKD-EPI: Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration; VPP: Valor preditivo positivo, VPN: Valor preditivo negativo

Considerando como variável categórica a capacidade dos testes em identificar "doente" quem tinha uma TFG estimada menor que 60 ml/min/1,73 m2, a proporção de concordância não aleatória calculada pelo índice de Kappa foi 0,45 para a CKD-EPI.

O coeficiente de correlação de Pearson dos valores nominais de creatinina, obtidos entre os dois testes, mostrou uma correlação de 0,30 (p = 0,002). Já para a estimativa da TFG pela equação CKD-EPI empregando os valores da creatinina obtidos pelos dois testes, o coeficiente de correlação de Pearson foi de 0,48 (p = 0,001). Esses resultados foram apresentados na Figura 1.

Figura 1 Correlação dos valores da creatinina e da taxa de filtração estimada pela equação CKD-EPI. CKD-EPI: Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration; TFG: Taxa de filtração glomerular. 

A análise da concordância entre os testes segundo o método proposto por Bland e Altman mostrou que a grande maioria das diferenças entre as medidas dentro do intervalo de ± 1,96 DP está entre valores de creatinina situados numa faixa relativamente estreita (+ 0,68 mg/dl e - 0,55 mg/dl) e não foi verificada diferença sistemática dentro da faixa de valores de creatinina observados (média dos dois métodos medindo no mínimo 0,45 mg/dl e no máximo 1,9 mg/dl). Esses resultados estão descritos na Figura 2. A análise da concordância da medida da TFG estimada pela equação CKD-EPI também pode ser observada na Figura 2.

Figura 2 Concordância pelo método Bland-Altman dos valores da creatinina e da taxa de filtração estimada pela equação CKD-EPI. CKD-EPI: Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration; DP: Desvio padrão. 

Discussão

A técnica de armazenar e analisar amostra de sangue em papel filtro foi descrita há 100 anos por Ivar Bang.7,8 A partir dos anos 60, essa técnica ganhou notoriedade devido a Robert Guthrie. Motivado por ter tido uma sobrinha e depois um filho com fenilcetonúria,9 Guthrie criou um método simples e efetivo para rastrear essa enfermidade, pela coleta de uma gota de sangue no calcanhar dos bebês.10 Hoje, o famoso "teste do pezinho" é amplamente utilizado e foi expandido podendo identificar 31 desordens que um recém-nato pode apresentar.11 No entanto, à luz de nosso conhecimento, a dosagem da creatinina coletada em gota de sangue e armazenada em papel filtro ainda não foi empregada para rastrear DRC.

A utilização do papel filtro tem diversas vantagens. A obtenção do sangue por uma picada é mais simples e não requer treinamento especializado. A quantidade de sangue para análise é pequena, em torno de 10-25 µl.12 Os insumos custam bem menos que os utilizados no método convencional.13 Além disso, pela facilidade de transporte, armazenamento, manuseio, processamento, análise e destruição das amostras, toda operação logística é mais simples e econômica.14 As desvantagens da dosagem de substâncias pela técnica do papel filtro devem-se à natureza da própria amostra. O sangue armazenado e seco no papel filtro sofre hemólise. Assim, a quantidade de hemoglobina e liberação de componentes intracelulares pode interferir nas concentrações de algumas análises.15 Recentemente, foi comprovado que a estabilidade na análise de alguns metabólicos pode sofrer influências da temperatura ambiente.16

Esse tipo de teste com papel de filtro tem sido empregado em rastreamentos clínicos.17 Assim, para saber se uma triagem irá trazer algum benefício para as pessoas examinadas é preciso responder as três clássicas perguntas de Geoffrey Rose e D J Parker:18 O tratamento precoce irá melhorar o prognóstico? Qual a validade e reprodutibilidade do teste de triagem utilizado? E, finalmente, qual o resultado do rastreamento?

Nosso estudo procurou rastrear pessoas com maior risco de desenvolverem DRC. Confirmando essa expectativa, a média de idade observada foi de 57 ± 12 anos, 75,5% dos participantes tinham um IMC acima de 25 kg/m2, 76% eram sabidamente hipertensos e 30% apresentavam diabetes mellitus.

A prevalência de DRC utilizando o critério de uma TFG < 60 ml/min/1,73m2 variou de 8,4 a 10,3% nas duas equações utilizadas para estimar a TFG nos dois testes. Existem poucas publicações sobre prevalência de DRC no Brasil para fazermos comparações. Bastos et al.,19 estimando TFG pelo MDRD, < 60 ml/min/1,73m2 em 24.248 indivíduos acima dos 18 anos, que coletaram sangue em um laboratório de Juiz de Fora (MG, Brasil), no período de janeiro de 2004 a dezembro de 2005, encontraram uma prevalência de DRC de 9,6% nos indivíduos abaixo de 60 anos e 25,2% nos acima de 60 anos. Já Passos et al.20 realizaram um dos primeiros estudos de prevalência de DRC em países em desenvolvimento na cidade de Bambuí (MG, Brasil). Foi um estudo observacional realizado de janeiro a agosto de 1997. O critério para diagnóstico de DRC foi uma creatinina maior que 1,3 mg/dL para homens e 1,2 mg/dL para mulheres. A prevalência de DRC nos habitantes acima de 60 anos, que participaram do estudo, foi de 5,09%. Nosso estudo encontrou uma prevalência maior de DRC, o que pode ser explicado por termos rastreado uma população de risco.

Ao empregarmos o papel filtro para rastrear DRC, o teste mostrou uma elevada sensibilidade, o que conferiu um valor preditivo positivo acima de 95% nas duas equações que estimaram a TFG da população rastreada. É importante observar que essas são as características mais relevantes que se procura encontrar em teste que se destina a rastreamento.

O uso do papel filtro não visa a substituir a coleta da creatinina convencional para diagnóstico e monitoramento da DRC. Ao compararmos os valores dos dois testes, encontramos uma correlação pelo Índice de Pearson considerada "fraca". Esse achado deve-se, em parte, à estreita faixa dos resultados, uma vez que a maioria dos voluntários eram pessoas saudáveis. Porém, a correlação de Pearson para a equação CKD-EPI foi "moderada". Não estudamos a correlação de Pearson nem concordância pelo Bland-Altman para as equações CG e MDRD por estas não terem sido validades para TFG > 60 ml/min/1,73m2. A concordância foi avaliada pelo índice de Kappa para discriminar quem tinha uma TFG < 60 ml/min/173m2. O desempenho do teste do papel filtro foi considerado "moderado" na CKD-EPI, segundo escala usualmente empregada para avaliar os resultados da estatística Kappa.21

O índice de Kappa, no entanto, presta-se primariamente para comparar medidas entre dois observadores diferentes, por exemplo, dois patologistas e métodos nos quais ainda pairam dúvidas sobre qual seria o método padrão ouro. A análise de Bland-Altman, por outro lado, mostrou que os métodos (padrão ouro e papel de filtro) não diferem sistematicamente na medida da creatinina e, o mais importante, que a diferença entre os métodos não tem uma dispersão muito grande. Quando se empregou o método de Bland-Altman para as equações de cálculo da função renal, foi observado, conforme esperado e mencionado anteriormente, que a equação de CKD-EPI corrige as distorções das outras equações para valores mais elevados de filtração glomerular. Portanto, os resultados do índice de correlação e do teste de K dão suporte à utilidade do teste para avaliar a TFG em pessoas com risco para DRC. De acordo com essa afirmação, observamos acurácia de 90% na CKD-EPI para diagnóstico de TFG estimada < 60 ml/min/1,73m2.

A utilização da tecnologia do papel filtro para dosar substâncias em humanos e em animais precisa, a nosso ver, ser expandida. Ao requerer, na fase pré-analítica, pequena quantidade de sangue coletado por lanceta, o paciente poderá no futuro realizar ele mesmo a coleta e enviar o papel filtro pelo correio. Isto viabilizará seu monitoramento sem necessitar grandes deslocamentos para ir até um posto de coleta. Além disso, o papel filtro poderá ser uma ótima opção para coleta de material biológica em animais de forma alinhada à política atual de proteção e não agressão.

Independentemente do benefício para a população que a técnica de dosar a creatinina em papel filtro pode ter, nosso estudo apresentou algumas limitações. A primeira foi ter selecionado uma população com valores baixos de creatinina, que aceitaram participar de "ações sociais". Estes rastreamentos foram realizados em comunidades. A maior participação é de pessoas do sexo feminino, que são mais receptivas a esse tipo de atividade. Também deve ser mencionado o número relativamente pequeno de participantes. Porém, para o propósito do estudo, que é a validação inicial do método de dosagem de papel de filtro para triagem de doença renal, esse número se mostrou adequado. Evidentemente, o próximo passo é testar o método numa amostra populacional mais robusta. Uma questão relevante e específica se refere à capacidade das equações utilizadas para estimar a função renal na população brasileira. Poucas publicações abordaram essa questão no Brasil. Silveiro et al.22 compararam a equação de MDRD e CKD-EPI com o clearance por EDTA em 105 pacientes diabéticos tipo 2 do Hospital das Clínicas de Porto Alegre (RS). Os critérios de inclusão eram: glicemia < 200 mg/dL e TFG > 60 ml/min/1,73m2. Os resultados encontrados foram: TFG pelo EDTA foi de 103 ± 23, pelo CKD-EPI83 ± 15 e pelo MDRD GFR 78 ± 17 mL/min/1,73 m2. A conclusão foi que as equações subestimaram a TFG nesta população de diabéticos brasileiros. Outro estudo brasileiro, de Soares et al.,23 comparou o TFG medida pelo EDTA com as equações MDRD e CKD-EPI em 96 indivíduos sadios do Rio Grande do Sul. Os valores encontrados foram de 94 ± 19 18 mL/min/1,73 m2 para a MDRD e de 102 ± 18 mL/min/1,73 m2 para a CKD-EPI. Segundo os autores, o desempenho da CKD-EPI, nesta população, foi melhor. Finalmente, a realização das dosagens das creatininas em laboratórios diferentes (Sérgio Franco e Vital Brazil). Além disso, apesar das coletas terem sido feitas no mesmo momento, os processamentos foram realizadas em períodos diferentes.

O estudo teve como objetivo comparar duas estimativas da TFG através da dosagem convencional e em papel filtro. Os indivíduos foram rastreados de forma aleatória em ações sociais. Neste sentido, os resultados são válidos apenas para aqueles com as mesmas características. Outros estudos, que incluam um número maior de pessoas selecionadas de forma aleatória, são necessários para assegurar validade externa. Da mesma forma, reconhecemos que uma reamostragem dentro da mesma população estudada, como forma de validação interna, reforçaria as conclusões obtidas. A baixa especificidade do teste nos informa que devemos usá-lo com cautela para diagnóstico de indivíduos. Da mesma forma, qualquer paciente que deve sua TFG dentro da faixa anormal deveria ter seu exame confirmado pelo método tradicional antes de ser rotulado como portador de patologia.

É importante ainda mencionar que, independentemente da técnica empregada para aferir a filtração glomerular, devemos ser cautelosos em diagnosticar reduções moderadas da mesma como DRC, particularmente entre os indivíduos mais idosos, uma vez que nessa população em especial, tal "diagnóstico" pode não representar maior risco de terapia renal substitutiva ou mesmo de morte.24

Conclusão

Em que pesem as limitações mencionadas, o presente estudo mostrou que o teste de papel de filtro pode ter utilidade na triagem de doença renal. De fato, este trabalho mostrou que a dosagem da creatinina coletada em gota de sangue em papel filtro é um teste diagnóstico simples de ser realizado, pouco invasivo e que apresentou uma ótima acurácia para estimar TFG < 60 ml/min/1,73m2. Portanto, pode ser empregada para estimar a TFG, principalmente em campanhas de massa, e quando associada a outros testes, como a medida da albuminúria. Outros estudos envolvendo um maior número de pacientes devem ser realizados para confirmar nossos achados.

REFERÊNCIAS

1 National Kidney Foundation. K/DOQI clinical practice guidelines for chronic kidney disease: evaluation, classification, and stratification. Am J Kidney Dis 2002;39:S1-266.
2 Mills KT, Xu Y, Zhang W, Bundy JD, Chen CS, Kelly TN, et al. A systematic analysis of worldwide population-based data on the global burden of chronic kidney disease in 2010. Kidney Int 2015;88:950-7. DOI:
3 KDIGO 2012. Clinical practice guideline for the evaluation and management of chronic kidney disease. Kidney Int Suppl 2013;3:1-150.
4 Bastos MG, Kirsztajn GM. Chronic kidney disease: importance of early diagnosis, immediate referral and structured interdisciplinary approach to improve outcomes in patients not yet on dialysis. J Bras Nefrol 2011;33:93-108. PMID: 21541469
5 Stevens LA, Coresh J, Greene T, Levey AS. Assessing kidney function-measured and estimated glomerular filtration rate. N Engl J Med 2006;354:2473-83. PMID: 16760447 DOI:
6 Levey AS, Stevens LA, Schmid CH, Zhang YL, Castro AF 3rd, Feldman HI, et al.; CKD-EPI (Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration). A new equation to estimate glomerular filtration rate. Ann Intern Med 2009;150:604-12. PMID: 19414839 DOI:
7 Bang I. Ein verfahren zur mikrobestimmung von blutbestan-dteilen. Lund: H. Ohlsson; 1913.
8 Schmidt V. Ivar Christian Bang (1869-1918), founder of modern clinical microchemistry. Clin Chem 1986;32:213-5.
9 Gonzalez J, Willis MS. Robert Guthrie, MD, PhD Clinical Chemistry/Microbiology. Lab Med. 2009;40:748-9.
10 Guthrie R, Susi A. A simple phenylalanine method for detecting phenylketonuria in large populations of newborn infants. Pediatrics 1963; 32:338-43. PMID: 14063511
11 Kuehn BM. After 50 years, newborn screening continues to yield public health gains. JAMA 2013;309:1215-7. PMID: 23532219
12 Meesters RJ, Hooff GP. State-of-the-art dried blood spot analysis: an overview of recent advances and future trends. Bioanalysis 2013;5:2187-208.
13 Parker SP, Cubitt WD. The use of the dried blood spot sample in epidemiological studies. J Clin Pathol 1999;52:633-9. DOI:
14 Amsterdam PV, Waldrop C. The application of dried blood spot sampling in global clinical trials. Bioanalysis 2010;2:1783-6. DOI:
15 Lehmann S, Delaby C, Vialaret J, Ducos J, Hirtz C. Current and future use of "dried blood spot" analyses in clinical chemistry. Clin Chem Lab Med 2013;51:1897-909. DOI:
16 Prentice P, Turner C, Wong MC, Dalton RN. Stability of metabolites in dried blood spots stored at different temperatures over a 2-year period. Bioanalysis 2013;5:1507-14. DOI:
17 Parker SP, Cubitt WD. The use of the dried blood spot sample in epidemiological studies. J Clin Pathol 1999;52:633-9. DOI:
18 Rose G, Baker DJ. Epidemiology for the uninitiated. Screening. Br Med J 1978;2:1417-18. DOI:
19 Bastos RMR, Bastos MG, Ribeiro LC, Bastos RV, Teixeira MTB. Prevalência da doença renal crônica, nos estágios 3, 4 e 5, em adultos. Rev Assoc Med Bras 2009;55:40-4. DOI:
20 Passos VM, Barreto SM, Lima-Costa MF; Bambuí Health and Ageing Study (BHAS) Group. Detection of renal dysfunction based on serum creatinine levels in a Brazilian community: the Bambuí Health and Ageing Study. Braz J Med Biol Res 2003;36:393-401.
21 Viera JA, Garret JM. Understanding interobserver agreement: the kappa statistic. Fam Med 2005;37:360-3.
22 Silveiro SP, Araújo GN, Ferreira MN, Souza FD, Yamaguchi HM, Camargo EG. Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration (CKD-EPI) equation pronouncedly underestimates glomerular filtration rate in type 2 diabetes. Diabetes Care 2011;34:2353-5. DOI:
23 Soares AA, Eyff TF, Campani RB, Ritter L, Weinert LS, Camargo JL, et al. Performance of the CKD Epidemiology Collaboration (CKD-EPI) and the Modification of Diet in Renal Disease (MDRD) Study equations in healthy South Brazilians. Am J Kidney Dis 2010;55:1162-3. PMID: 20497836 DOI:
24 Glassock R, Delanaye P, El Nahas M. An Age-Calibrated Classification of Chronic Kidney Disease. JAMA 2015;314:559-60. DOI:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.