Compartilhar

Diagnóstico Desafiador de Infarto do Miocárdio Devido à Artéria Circunflexa Esquerda Anômala

Diagnóstico Desafiador de Infarto do Miocárdio Devido à Artéria Circunflexa Esquerda Anômala

Autores:

Maksymilian P. Opolski,
Kajetan Grodecki,
Mateusz Spiewak,
Mariusz Furmanek,
Ilona Michalowska

ARTIGO ORIGINAL

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782Xversão On-line ISSN 1678-4170

Arq. Bras. Cardiol. vol.110 no.6 São Paulo jun. 2018

https://doi.org/10.5935/abc.20180093

Homem de 45 anos sem história médica apresentou dor torácica retroesternal e elevação do segmento ST em derivações inferolaterais no ECG. A angiografia coronária invasiva, juntamente com a tomografia de coerência óptica realizada como parte do estudo clínico, mostraram artérias coronárias normais, e foi diagnosticado infarto do miocárdio com artérias coronárias não obstrutivas (MINOCA) (Figura 1 A-B). Devido à dor torácica contínua, foi realizada uma angiografia por tomografia computadorizada de descarte triplo (CTA) para excluir a dissecção aórtica e a embolia pulmonar. Aliás, detectou-se uma artéria circunflexa esquerda anômala (CxE) que se originou no seio direito de Valsalva com suspeita de estenose grave (Figura 1 C-E). A angiografia seletiva da CxE confirmou uma lesão grave no segmento distal do vaso (Figura 1 F), no entanto, dada a resolução dos sintomas do paciente, foi tomada a decisão de terapia médica com agentes antiplaquetários duplos. Na alta, a ressonância magnética cardíaca revelou uma fração de ejeção do ventrículo esquerdo (53%) ligeiramente reduzida, com edema miocárdico e infarto transmural da parede lateral basal e média (Figura 1 G-H).

Figura 1 Angiografia coronária, angiotomografia computadorizada coronária e achados de ressonância magnética cardíaca do paciente com diagnóstico desafiador de infarto do miocárdio e artéria circunflexa esquerda anômala. 

CxE surgindo do seio aórtico direito é a anomalia coronária mais frequente (AAC) encontrada em até 0,7% da população. Embora a CxE anômala seja considerada benigna, o ângulo severo e o curso tortuoso dos vasos podem predispor a aterosclerose acelerada. Neste caso, a CxE anômala foi omitida devido à canulação super seletiva da artéria coronária direita e um grande ramo intermediário foi incorretamente classificado como CxE levando a revascularização tardia e lesão miocárdica irreversível. Este caso destaca que a AAC poderia ser incluída no diagnóstico diferencial da MINOCA e revela o potencial do descarte triplo de CTA na detecção da CAA.

REFERÊNCIAS

1 Kang JW, Seo JB, Chae EJ, Jang YM, Do KH, Lee JS, et al. Coronary Artery Anomalies: Classification and Electrocardiogram-Gated Multidetector Computed Tomographic Findings. Semin Ultrasound, CT MRI. 2008;29(3):182-194.
2 Wilkins CE, Betancourt B, Mathur VS, Massumi A, De Castro CM, Garcia E, et al. Coronary Artery Anomalies: A Review of More than 10,000 Patients from The Clayton Cardiovascular Laboratories. Texas Heart Inst J. 1988;15(3):166-173.