Discordância da Lipoproteína de Baixa Densidade e da Lipoproteína de Alta Densidade com Gravidade de Doença Arterial Coronariana

Discordância da Lipoproteína de Baixa Densidade e da Lipoproteína de Alta Densidade com Gravidade de Doença Arterial Coronariana

Autores:

Iran Castro,
Hugo Fontana Filho

ARTIGO ORIGINAL

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782Xversão On-line ISSN 1678-4170

Arq. Bras. Cardiol. vol.114 no.3 São Paulo mar. 2020 Epub 06-Abr-2020

https://doi.org/10.36660/abc.20200033

As doenças cardiovasculares (DCVs) são as principais causas de morte em todo o mundo.1 A dislipidemia é um fator de risco e também um fator causal de DCVs, sendo foco da terapia de prevenção primária e secundária das DCVs.

Existe um consenso e um amplo conhecimento acerca dos mecanismos causais da lipoproteína de baixa densidade (LDL) nas DCVs, e os benefícios da terapia hipolipemiante, sendo que a magnitude de seu efeito é proporcional à redução dos níveis circulantes.2 No entanto, apesar do uso intensivo de agentes hipolipemiantes, permanece um risco residual, um alvo constante de pesquisa e terapia.

Evidência recente confirma que o evento inicial da aterogênese é a retenção de LDL e outras partículas na parede do vaso.3 Níveis elevados de colesterol não-HDL ajudam a identificar pacientes que continuam com alto risco para eventos cardiovasculares apesar de níveis baixos de LDL.4

O presente estudo5 avaliou retrospectivamente características anatômicas de 574 pacientes diagnosticados com síndrome coronariana aguda e correlacionou os achados com níveis séricos de LDL e não-HDL. Observou-se uma discordância de 15% entre LDL e não-HDL, o que foi similar a estudos prévios.6 No entanto, não foram identificadas diferenças anatômicas significativas na avaliação da gravidade da doença aterosclerótica. O uso prévio de estatinas tem um efeito mais significativo na redução de LDL em comparação a não-HDL, o que pode explicar a falta de associação.

Além disso, a sensibilidade dos níveis de LDL em identificar risco cardiovascular é menor no diabetes.7 De fato, o presente estudo identificou discrepâncias na associação entre diabetes mellitus e níveis de LDL. Talvez o tamanho da amostra não tenha sido adequado para identificar diferenças anatômicas entre os grupos. O acompanhamento de pacientes com associações discrepantes poderia identificar um subgrupo de pacientes em alto risco para novos eventos cardiovasculares.

As diretrizes brasileiras já incluem metas de LDL e não-HDL, buscando identificar indivíduos com níveis adequados de LDL e alto risco residual para eventos cardiovasculares. Estudos prospectivos certamente ajudarão a identificar o subgrupo de pacientes que requeiram uma abordagem terapêutica mais intensa, e que provavelmente se beneficiariam de terapias mais caras e efetivas, como inibidores de PCSK9 e lomitapida.8 Estudos anteriores já mostraram a eficácia desses medicamentos na redução de eventos cardiovasculares e apolipoprotein(a) em alguns grupos de pacientes.

REFERÊNCIAS

1. Organização Mundial da Saúde; Organização Pan-Americana da Saúde. (OPAS/OMS) [Internet]. Doenças cardiovasculares. (acesso em 2020 jan 11). Disponível em: <
2. Silverman MG, Ference BA, Im K, Wiviott SD, Giugliano RP, Grundy SM, et al. Association Between Lowering LDL-C and Cardiovascular Risk Reduction Among Different Therapeutic Interventions: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA. 2016;316(12):1289.
3. Ference BA, Ginsberg HN, Graham I, Ray KK, Packard CJ, Bruckert E, et al. Lowdensity lipoproteins cause atherosclerotic cardiovascular disease. 1. Evidence from genetic, epidemiologic, and clinical studies. A consensus statement from the European Atherosclerosis Society Consensus Panel. Eur Heart J. 2017;38(32):2459-72.
4. Arsenault BJ, Boekholdt SM, Kastelein JJ. Lipid parameters for measuring risk of cardiovascular disease. Nat Rev Cardiol. 2011;8(4):197-206.
5. Kurmus O, Erkan AF, Ekici B, Aslan T, Eren M. Discordance of Low-Density Lipoprotein Cholestrol and Non-High-Density Lipoprotein Cholestrol and Coronary Artery Disease Severity. Arq Bras Cardiol. 2020; 114(3):469-475
6. Sniderman AD, Islam S, Yusuf S, McQueen MJ. Discordance analysis of apolipoprotein B and non-high density lipoprotein cholesterol as markers of cardiovascular risk in the INTERHEART study. Atherosclerosis. 2012;225(2):444-9.
7. Mark L, Vallejo-Vaz AJ, Reiber I, Paragh G, Kondapally Seshasai SR, et al. Non-HDL cholesterol goal attainment and its relationship with triglyceride concentrations among diabetic subjects with cardiovascular disease: a nationwide survey of 2674 individuals in Hungary. Atherosclerosis. 2015;241(1):62-8.
8. Kim SH, Baek SH. Lomitapide, relief pitcher for patients with homozygous familial hypercholesterolemia. Eur J Prev Cardiol.2019; 27(2) 155-6.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.