Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle

Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle

Autores:

Susana Pimentel Pinto Giannini,
Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre,
Léslie Piccolotto Ferreira

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.25 no.6 São Paulo 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S2317-17822014000100009

INTRODUÇÃO

O distúrbio de voz tem sido uma das principais causas de afastamento do trabalho docente. A importância desses afastamentos não se restringe aos aspectos econômicos, que não são desprezíveis, mas o distanciamento da atividade pedagógica conduz o docente à sensação de insegurança e isolamento( 1 , 2 ). Ao perder a voz, o professor, muitas vezes, é afastado de sua função e perde sua identidade.

O fato de que os professores constituem a categoria profissional com maior prevalência de distúrbios vocais em relação à população em geral é apontado na literatura nacional( 3 ) e internacional( 1 ). Estudo comparativo(4) entre professores e indivíduos que não desenvolvem práticas docentes realizado nos Estados Unidos revela que a prevalência de distúrbio vocal em professores, em algum momento da atividade profissional, é de 57,7%, bem superior à dos indivíduos não professores (28,8%). Mesmo estudo reproduzido no Brasil( 5 ) apresenta situação similar: presença de rouquidão foi mencionada em algum momento da carreira por 66,7% dos professores e 57,6% dos não professores, dados que refletem um panorama alarmante e alertam para os efeitos adversos dos problemas de voz no desempenho docente.

Diversos estudos têm procurado avaliar a associação do adoecimento vocal do professor e aspectos do trabalho docente, no sentido de definir fatores de risco biológicos e ambientais e minimizar os impactos físicos, sociais e psíquicos decorrentes desses transtornos( 4 ). Esses estudos identificam fatores de risco no ambiente escolar( 6 - 8 ), especialmente em escolas infantis e fundamentais( 9 ).

Professores têm intensa demanda vocal em atividades que exigem esforço, uma vez que lidam com muitas crianças em ambientes ruidosos. Além do ruído, aspectos referentes à presença de poeira, limpeza, iluminação e tamanho da sala prejudicam a qualidade do local de trabalho do professor e são fatores associados ao desenvolvimento de alterações vocais.

Entre os professores da rede municipal de São Paulo, pesquisa( 6 ) revela que 60% dos educadores referem presença de alterações vocais e apontam fatores de ambiente e da organização de trabalho como contribuintes para a ocorrência dessas alterações. No Departamento de Saúde do Servidor da Prefeitura do Município de São Paulo, responsável pela admissão, licença e readaptação de funcionários, os agravos mais frequentes que acometem os professores são transtornos mentais e doenças do aparelho respiratório. Nessa última categoria estão incluídos os distúrbios vocais, denominação genérica em que são classificadas manifestações como laringite aguda, pólipos ou nódulos em pregas vocais e disfonias funcionais em geral( 10 ). Mesmo comprometendo a produção vocal, as doenças do aparelho respiratório não são tidas como doenças ocupacionais ou acidentes de trabalho e o tratamento é, em geral, sintomático.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) considera o professorado como a categoria de maior risco de desenvolver distúrbios vocais. Entretanto, os fatores de risco para o adoecimento vocal mais comumente listados na literatura são biológicos ou relativos ao uso vocal, sendo poucos os que buscam fatores associados à forma e à intensidade com que o trabalho docente é executado( 11 ).

Características pessoais, como hábito de falar muito ou gritar, e aspectos biológicos, como a presença de alergia ou refluxo gastroesofágico, favorecem, mas não são causas suficientes nem necessárias para a ocorrência do distúrbio de voz. Há de se considerar, cada vez mais, os aspectos socioculturais e históricos que têm origem nas novas formas de organização e administração do trabalho docente, ou seja, fatores referentes ao conteúdo e à divisão do trabalho e às relações interpessoais, como determinantes do adoecimento vocal do professor. Aspectos do ambiente físico, químico e biológico afetam psiquicamente o trabalhador, principalmente se intensificados por tempo de exposição ou ritmo da organização do trabalho( 12 ). Desta forma, o trabalho em ambiente ruidoso pode demandar maior esforço para concentração de atenção e, portanto, quanto maior a jornada, maior o desgaste.

Sem recursos adequados para levar seus ideais à prática, ao mesmo tempo em que mantém o desejo de não renunciar a eles, o professor empreende maior esforço para realizar seu trabalho( 13 ). A intensificação de esforços como forma de lidar com a sobrecarga no trabalho pode ser de ordem física, cognitiva ou afetiva, e a sobrecarga em uma área pode resultar em manifestações nas outras( 12 ). Tais características do trabalho docente associadas às mudanças político-educacionais constantes( 2 ) favorecem o adoecimento do professor e propiciam manifestações de estresse e outras alterações psíquicas. Alguns estudos citam variáveis indicadoras de estresse associadas ao distúrbio de voz de professores, como experiências de violência na escola, dificuldades de relacionamento no trabalho, baixa autonomia e criatividade nas atividades, falta de tempo para correção de tarefas e provas e más condições de trabalho em geral( 8 , 9 ). O distúrbio de voz está também associado à referência de depressão e à mudança de profissão ou à aposentadoria precoce( 14 ).

Mesmo que os professores notem que estão perdendo a saúde, não veem como se proteger. A perda de capacidade para o trabalho é resultado de um processo que envolve aspectos sociodemográficos, estilo de vida, envelhecimento e exigências do trabalho, sendo a saúde um de seus principais determinantes( 15 ).

Este estudo teve por objetivo avaliar a associação do estresse no trabalho docente e da perda da capacidade funcional ao adoecimento vocal do professor. Seus resultados pretendem contribuir para avançar na identificação de aspectos da organização do trabalho docente como determinantes do estresse no trabalho e da perda da capacidade funcional associados ao adoecimento vocal do professor.

MÉTODOS

O estudo caso-controle foi realizado com professoras do Ensino Infantil, Fundamental e Médio da rede municipal de São Paulo. A escolha por realizar o estudo apenas com participantes do sexo feminino deu-se pelo fato de as mulheres representarem ampla maioria na população pesquisada (96,1% na pré-escola e 91,2% nos anos iniciais do Ensino Fundamental, segundo dados censitários de 2007 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), bem como maior prevalência de distúrbio vocal em comparação com professores do sexo masculino. Foram excluídas as professoras que apresentaram alterações em pregas vocais não associadas ao uso da voz e as que estavam afastadas da sala de aula por licença médica, readaptação funcional ou em funções administrativas, uma vez que o uso vocal, nesses casos, é distinto das atividades letivas. A opção por compor o grupo de controle com professoras das mesmas escolas dos casos teve por objetivo controlar os fatores relativos aos aspectos do ambiente físico e contextual (como ruído, poeira, indisciplina, violência), associados ao distúrbio de voz em diversos estudos.

A seleção de participantes constou de duas etapas. Da primeira etapa, participaram todas as professoras que compareceram ao Setor de Fonoaudiologia do Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) com queixa de alteração vocal no período de julho/2007 a maio/2009. As educadoras submeteram-se às avaliações da voz e da laringe e responderam questionários (instrumentos detalhados a seguir).

Na segunda etapa, as pesquisadoras entraram em contato telefônico com as escolas das professoras participantes do estudo e agendaram uma visita, para fornecer esclarecimentos e selecionar, aleatoriamente, professoras para o grupo de controles. As educadoras selecionadas compareceram ao HSPM para se submeterem aos mesmos procedimentos da etapa anterior.

Para avaliação de voz, as coletas de amostra de fala foram realizadas por fonoaudiólogas, sempre às sextas-feiras, no início da manhã, a fim de garantir descanso vocal noturno. O registro foi realizado diretamente em computador portátil, com microfone de cabeça. Optou-se pela análise perceptivo-auditiva por ser um procedimento soberano na avaliação da qualidade vocal e pela escala GRBASI, por ser instrumento de uso internacional e de alto grau de confiabilidade. A avaliação das vozes foi realizada por análise simultânea de três juízas, fonoaudiólogas especialistas em voz. As juízas não participaram da coleta de amostra de fala e não tinham conhecimento da identificação dos sujeitos. A voz foi classificada em "com alteração", quando a alteração foi julgada moderada (grau geral 2) ou intensa (grau geral 3), e "sem alteração", quando normal (grau geral 0) ou leve (grau geral 1).

Todas as avaliações otorrinolaringológicas foram efetuadas pelo mesmo médico, otorrinolaringologista e foniatra com experiência clínica em laringologia, sempre após a coleta de amostra de fala. Foi realizada videolaringoscopia com laringoscópio rígido e flexível sob anestesia local, quando necessário. O protocolo de avaliação incluiu aspectos otorrinolaringológicos gerais e laríngeos específicos. O julgamento das imagens laríngeas foi realizado pelo mesmo profissional que realizou as avaliações, que não conhecia a história clínica das participantes. Os sujeitos foram classificados em "com alteração", na presença de lesão, alteração irritativa, estrutural ou de coaptação de pregas vocais, ou "sem alteração", na ausência de qualquer lesão ou alteração visível.

No presente estudo, a definição de caso foi baseada nos resultados das avaliações vocal e laringoscópica. Como caso, foram classificadas as professoras que apresentaram alteração nas avaliações vocal e otorrinolaringológica. Como controle, foram consideradas as participantes sem alteração em ambas as avaliações. Foram excluídas da amostra as professoras que apresentaram alteração em apenas uma das avaliações, com o objetivo de compor grupos bem distintos pela doença em questão, ainda que as mesmas tenham sido consideradas casos do ponto de vista clínico e acolhidas para tratamento.

Foram utilizados três questionários:

(1) Condição de produção vocal do professor (CPV-P) - instrumento utilizado em diversas pesquisas no Brasil, é adequado para caracterizar as condições de ambiente escolar e perfil vocal de professores. Neste estudo, as respostas forneceram os dados das variáveis sociodemográficas, de estilo de vida, de ocupação e de ambiente e organização do trabalho docente( 16 ).

(2) Job Stress Scale (JSS) - instrumento que avalia as dimensões de demanda, controle e apoio no trabalho referentes às fontes de estresse no ambiente psicossocial do trabalho e o desgaste resultante de sua interação. Foi utilizada a versão resumida adaptada para o português( 17 ), com 17 questões em três dimensões: demanda, controle e apoio. Demanda é qualquer tipo de pressão de natureza psíquica para realização de um trabalho, que pode ser tanto quantitativa, como pressão de velocidade e tempo, quanto qualitativa, referente à execução de tarefas contraditórias, por exemplo. Controle é a possibilidade que o trabalhador tem de utilizar as habilidades intelectuais para realizar seu trabalho e a autoridade que possui para tomar decisões. A terceira dimensão refere-se ao apoio social no ambiente de trabalho, sendo que a falta dessa interação social pode gerar consequências negativas à saúde do trabalhador. Neste estudo, a análise foi realizada considerando os quadrantes resultantes das interações entre as dimensões, a saber: alto controle e baixa demanda (baixa exigência), alto controle e alta demanda (trabalho ativo), baixo controle e baixa demanda (trabalho passivo) e baixo controle e alta demanda (alto desgaste). As condições de baixo desgaste e de trabalho ativo são consideradas ideal e boa, respectivamente, uma vez que favorecem a criatividade e podem motivar o desenvolvimento de novos comportamentos. As condições de trabalho passivo e alto desgaste são as mais nocivas, sendo que a segunda, alto desgaste, é a que apresenta maiores riscos de exigência psicológica e adoecimento psíquico ao trabalhador( 17 ).

(3) Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT)( 18 ) - instrumento que retrata o conceito do trabalhador sobre sua própria capacidade para o trabalho e tem o objetivo de avaliar a perda da capacidade para o trabalho, bem como propor medidas de intervenção para prevenção de mais perdas e manutenção da atual capacidade de trabalho. Pode ser aplicado desde o ingresso na força de trabalho para prognosticar, de forma confiável, mudanças na capacidade para o trabalho em diferentes grupos ocupacionais. A avaliação considera as exigências físicas e mentais do trabalho, o estado de saúde do trabalhador e seus recursos físicos e mentais. É composto por sete dimensões: capacidade para o trabalho atual, comparada com a melhor de toda a vida, capacidade para o trabalho em relação às exigências do trabalho, número atual de doenças diagnosticadas por médico, a partir de uma lista de 51 doenças, perda estimada para o trabalho devido a doenças, faltas ao trabalho por doenças, prognóstico próprio sobre a capacidade para o trabalho e recursos mentais. O escore é calculado pela soma dos pontos recebidos para cada um dos itens (Quadro 4) e varia de sete a 49 pontos, a saber: de sete a 27 corresponde à baixa capacidade; de 28 a 36, à moderada capacidade; de 37 a 43, à boa capacidade; e de 44 a 49, à ótima capacidade para o trabalho.

A variável dependente foi a presença de distúrbio de voz (sim=caso; não=controle); a variável independente de interesse foi estresse no trabalho, medido pela JSS, e a capacidade para o trabalho, medido pelo ICT. Como variáveis independentes de controle foram consideradas as características sociodemográficas (idade, estado civil, escolaridade), de estilo de vida (tabagismo, etilismo), da função docente (tempo de profissão, vínculo como professora, horas/aulas por semana), do ambiente (presença de ruído, de eco, de poeira, de umidade, temperatura agradável, adequação da acústica, do tamanho da sala, da iluminação, da limpeza da escola e dos banheiros, utilização de produtos químicos irritativos na limpeza) e da organização do trabalho (se o ambiente é calmo, há supervisão constante, ritmo é estressante, tempo para realizar todas atividades na escola, local de descanso, facilidade para sair da sala, satisfação na função, comprometimento dos funcionários com a manutenção da escola, trabalho é monótono, trabalho é repetitivo, estresse no trabalho, situações de violência e frequência: depredação, roubo de objetos pessoais, ameaça ao professor, necessidade de intervenção da polícia, manifestação de racismo, indisciplina, briga, agressão, insulto, violência à porta da escola, violência contra funcionários, problemas com drogas e pichação).

Na análise estatística, avaliou-se, inicialmente, a consistência interna da JSS e ICT por meio do cálculo do coeficiente alfa de Cronbach. A seguir, foi realizada análise descritiva e de associação com a variável de interesse para comparação dos grupos de caso e controle pelo teste de associação pelo χ2, com correção de Yates. Foram estimados os modelos de regressão logística para calcular a Razão de Chances (Odds Ratio - OR) bruta e ajustada, com respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%), para avaliar os riscos em relação à variável independente de interesse. A avaliação do ajuste da análise de regressão logística foi feita pelo teste de Hosmer-Lemeshow. No cálculo do tamanho da amostra, foi assumido erro tipo I de 5%, poder de teste de 80%, frequência esperada máxima de exposição entre os controles de 40%, valor mínimo de OR de 2,5 e estimou-se que seriam necessários 85 casos e 85 controles.

A pesquisa foi aprovada pelos Comitês de Ética em Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) - nº 173/07 - e do HSPM (nº 101/07). Todas as participantes receberam esclarecimentos e concordaram em participar do estudo, assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Este estudo contou com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

RESULTADOS

Foram analisadas 354 avaliações e, ao final, o grupo caso contou com 167 sujeitos e o grupo controle, com 105. Na comparação dos dados sociodemográficos, não houve diferença entre os grupos em nenhuma das variáveis avaliadas, fato que confirma que tais características das professoras de ambos os grupos são semelhantes (Tabela 1). A variável idade mostrou p<0,10 na análise univariada, sendo considerada variável de controle na análise de regressão logística.

Tabela 1 Distribuição de casos e controles, segundo características sociodemográficas e de estilo de vida 

Características sociodemográficas e de estilo de vida Controles (n=105) Casos (n=167) Valor de p
n % n %
Idade
20-29 anos 15 14,3 21 12,6 0,092
30-39 anos 38 36,2 50 29,9
40-49 anos 33 31,4 77 46,1
50-65 anos 19 18,1 19 11,4
Estado civil
Solteira 27 25,7 49 29,3 0,513
Casada 62 59,0 100 59,9
Separada/viúva 16 15,2 18 10,8
Escolaridade
Até superior incompleto 4 3,8 13 7,8 0,187
Superior completo e mais 101 96,2 154 92,2
Tempo profissão
=10 anos 33 31,7 40 24 0,244
11-15 anos 23 22,1 29 17,4
16-20 anos 29 27.9 62 37,1
=21 anos 19 18,3 36 21,5
Vínculo
Professora titular 101 96,2 158 94,6 0,552
Professora substituta 4 3,8 9 5,4
Aulas/ semana
=10 horas 14 13,3 29 17,4 0,187
11-20 horas 16 15,2 22 13,2
21-30 horas 32 30,5 31 18,6
31-40 horas 24 22,9 48 28,7
=41 horas 19 18,1 37 22,2
Tabagismo
Não fumante 84 74,1 132 79,0 0,238
Ex-fumante 11 10,5 16 9,6
Fumante 10 9,5 19 11,4
Etilismo
Nunca 45 43,3 78 46,7 0,666
Raramente 43 41,3 60 35,9
Às vezes 16 15,4 29 17,4

Da mesma forma, não se observou diferença estatística entre os grupos de caso e controle na caracterização das condições físicas e contextuais do ambiente de trabalho, situação esperada, uma vez que os grupos foram pareados pelo local de trabalho (Tabelas 2 e 3). A única variável que apresentou diferença estatística foi acústica insatisfatória (p=0,010), adicionada na análise de regressão para ajuste.

Tabela 2 Distribuição de casos e controles, segundo características do ambiente físico do trabalho 

Aspectos de ambiente físico de trabalho Controles (n=105) Casos (n=167) Valor de p
n % n %
Presença de ruído
Não 3 2,9 4 2,4 0,791
Sim 99 97,1 162 97,6
Acústica satisfatória
Não 20 19,0 55 33,5 0,010
Sim 85 81,0 109 66,5
Presença de eco
Não 19 18,3 35 21,3 0,541
Sim 85 81,7 129 78,7
Presença de poeira
Não 10 9,6 1 7,2 0,476
Sim 94 90,4 155 92,8
Presença de umidade
Não 24 23,5 39 24,1 0,919
Sim 78 76,5 123 75,9
Temperatura agradável
Não 22 21,6 41 24,7 0,557
Sim 80 78,4 125 75,3
Tamanho sala adequado
Não 53 51,0 91 54,5 0,571
Sim 51 49,0 76 45,5
Iluminação adequada
Não 7 6,7 9 9 0,663
Sim 98 93,3 158 94,6
Limpeza satisfatória na escola
Não 16 15,2 21 12,6 0,533
Sim 89 84,8 146 87,4
Limpeza satisfatória nos banheiros
Não 6 5,7 20 12,0 0,087
Sim 99 94,3 147 88,0
Produtos limpeza causam irritação
Não 24 22,9 31 18,7 0,404
Sim 81 77,1 135 81,3

Tabela 3 Distribuição de casos e controles, segundo características da organização do trabalho 

Aspectos organização do trabalho Controles (n=105) Casos (n=167) Valor de p
n % n %
Ambiente calmo
Não 37 35,6 60 37,5 0,751
Sim 67 64,4 100 62,5
Supervisão constante
Não 11 13,2 22 13,2 0,582
Sim 90 89,1 145 86,8
Ritmo estressante
Não 1 1,0 2 1,2 0,843
Sim 104 99,0 163 98,8
Tempo para realizar as atividades
Não 19 18,1 37 22,6 0,379
Sim 86 81,9 127 77,4
Facilidade para ausentar-se da sala
Não 32 30,5 68 41,0 0,081
Sim 73 69,5 41 59,0
Satisfação no exercício da função
Não 4 3,8 6 3,6 0,934
Sim 101 96,2 160 96,4
Trabalho monótono
Não 26 27,4 41 25,9 0,804
Sim 69 72,6 117 74,1
Trabalho repetitivo
Não 19 18,4 32 19,5 0,829
Sim 84 81,6 132 80,5
Presença de violência
Depredação
Não 23 22,1 42 25,3 0,551
Sim 81 77,9 124 74,7
Roubo de objetos pessoais
Não 36 34,6 60 35,9 0,826
Sim 68 65,4 107 64,1
Ameaça ao professor
Não 28 26,9 51 30,5 0,524
Sim 76 73,1 116 69,5
Manifestação de racismo
Não 31 30,1 56 33,5 0,557
Sim 72 69,9 111 66,5
Indisciplina
Não 7 6,7 10 6,0 0,832
Sim 98 93,3 156 94,0
Brigas
Não 18 17,1 28 17,0 0,971
Sim 87 82,9 137 83,0
Violência contra funcionários
Não 34 32,4 52 31,3 0,856
Sim 71 67,6 114 68,7
Problemas com drogas
Não 29 27,6 38 22,8 0,365
Sim 76 72,4 129 77,2

Em relação aos aspectos vocais, os grupos se diferenciaram, conforme esperado, uma vez que todos os sintomas vocais e as sensações laringofaríngeas avaliados tiveram associação estatisticamente significativa na distinção dos grupos (Tabela 4).

Tabela 4 Distribuição de casos e controles, segundo sintomas vocais 

Sintomas vocais Controles (n=105) Casos (n=167) Valor de p
n % n %
Rouquidão
Não 50 49,0 11 6,6 <0,001
Sim 52 51,0 156 93,4
Perda de voz
Não 82 79,6 70 42,4 <0,001
Sim 21 20,4 95 57,6
Falta de ar ao falar
Não 75 72,1 72 43,6 <0,001
Sim 29 27,9 93 56,4
Voz grossa
Não 73 71,6 58 35,6 <0,001
Sim 29 28,4 105 64,4
Voz variando
Não 85 84,2 92 56,4 <0,001
Sim 16 15,8 71 43,6
Voz fraca
Não 72 69,2 65 19,4 <0,001
Sim 32 30,8 100 60,6

Na Tabela 5, o Modelo 1 apresenta os resultados da análise de regressão logística univariada das variáveis independentes de interesse; o Modelo 2, a análise de regressão logística multivariada com as variáveis demanda e controle (JSS); o Modelo 3, a análise de regressão logística multivariada com as variáveis demanda (JSS) e capacidade para trabalho (ICT) e, finalmente, o Modelo 4, a análise de regressão logística multivariada com as variáveis interação controle/demanda (JSS) e capacidade para trabalho (ICT).

Tabela 5 Análise de associação de estresse no trabalho e perda de capacidade para trabalho ao distúrbio de voz 

Variável Modelo 1 Modelo 2 Modelo 3 Modelo 4
OR1 (p) OR2 aj (p) OR3 aj (p) OR4 aj (p)
JSS
Demanda
1º tercil 1,0 1,0 1,0
2º tercil 2,2 (0,005) 2,1 (0,014) 1,3 (0,401)
3º tercil 1,4 (0,343) 1,3 (0,521) 0,6 (0,255)
Controle
1º tercil 2,0 (0,016) 1,7 (0,095)
2º tercil 1,1 (0,731) 1,0 (0,892)
3º tercil 1,0 1,0
Interação controle/demanda
Baixo controle 1,0 1,0
Trabalho ativo 1,8 (0,275) 0,6 (0,382)
Trabalho passivo 1,7 (0,132) 1,0 (0,967)
Alto desgaste 2,1 (0,028) 0,7 (0,463)
ICT
Baixa 8,0 (0,001) 6,0 (0,004) 9,5 (0,001)
Moderada 5,9 (0,001) 4,5 (0,001) 6,7 (<0,001)
Boa 1,7 (0,308) 1,3 (0,545) 1,8 (0,280)
Ótima 1,0 1,0 1,0

OR1: análise de regressão logística univariada de todas as variáveis independentes de interesse

OR2: modelo de regressão logística multivariada com demanda e controle

OR3: modelo de regressão logística multivariada com demanda e capacidade para trabalho

OR4: modelo de regressão logística multivariada com interação controle/demanda e capacidade para trabalho.

Legenda: JSS = Job Stress Scale

ICT = Índice de Capacidade para o Trabalho

aj: odds ratio ajustado.

Destaca-se, na análise de associação dos aspectos de estresse no trabalho, avaliados pela JSS, a diferença nas categorias demanda (p=0,019) e controle (p=0,034). Dentre os participantes do grupo de controles, 78,8% concentram-se nos níveis mais baixos de demanda, enquanto no grupo de casos, 69,3% situam-se nos níveis mais altos. Em relação ao controle do trabalho, observa-se situação inversa, ou seja, 63,1% dos professores do grupo de controles manifestam níveis mais altos de controle, enquanto 73,1% do grupo de casos encontram-se nas categorias mais baixas de controle. Não houve diferença em relação ao apoio (p=0,730).

Na análise de associação dos aspectos de capacidade para o trabalho, avaliados pelo ICT, verifica-se associação entre capacidade para o trabalho e distúrbio de voz (p<0,001). Pode-se observar que 66,6% dos participantes do grupo de controle consideram sua capacidade para trabalho como boa ou ótima, enquanto 67,4% dos participantes do grupo de caso a consideram baixa ou moderada.

DISCUSSÃO

Este estudo, do tipo caso-controle pareado, avaliou a associação do estresse no trabalho docente e da perda da capacidade funcional ao adoecimento vocal do professor. Optou-se por esse delineamento por ser um tipo de estudo apropriado para estimar a magnitude da associação entre exposição e doença e eficiente para avaliar agravos relacionados ao trabalho.

Considerações metodológicas

A principal dificuldade metodológica foi conceituar caso, uma vez que a variável dependente - distúrbio de voz - é manifestação dinâmica e funcional, o que impossibilita uma definição dicotômica entre doença e não doença. No presente estudo, optou-se por definir caso pela presença de alteração nas avaliações vocal, realizada por fonoaudiólogo, e laríngea, realizada por médico otorrinolaringologista.

Considerar como critério de exclusão o afastamento da sala de aula, por licença médica ou readaptação funcional, pode ter favorecido o viés do trabalhador sadio. Entretanto, a manutenção dessa parcela da população causaria distorções nas análises de comparação dos grupos, uma vez que a necessidade de uso vocal é distinta nessas ocupações. Optou-se por não considerar como critério de exclusão o fato de as professoras terem recebido orientação ou tratamento, uma vez que seria impossível garantir a ausência de qualquer informação prévia.

Para minimizar viés de aferição, foram utilizados questionários adaptados e validados para uso no Brasil, com avaliação da confiabilidade de cada instrumento antes da análise da medida de interesse.

Estresse no trabalho docente: demanda, controle e apoio

Avaliar os efeitos do trabalho na saúde dos trabalhadores tem sido um desafio e diversas propostas teóricas e metodológicas vêm sendo elaboradas na perspectiva de apresentar modelos para estudar essa dimensão.

Optou-se por utilizar a JSS, instrumento baseado no modelo teórico de demanda, controle e apoio. Originado nos estudos de Karasek e com foco no modo de organização do trabalho, busca identificar a forma como o sujeito vivencia seu contexto de trabalho( 17 ).

O modelo demanda-controle tem sido usado em diversos estudos, especialmente na associação demanda/controle e doenças cardiovasculares. Essas pesquisas indicam que há associação mais forte com o controle do trabalhador com o próprio trabalho (ou com a falta dele) do que com a demanda( 19 ). Toda situação em que há baixo controle do trabalho pode produzir algum efeito na saúde advindo de perda de habilidade e desinteresse. A relação entre grande demanda e baixo controle é a mais nociva ao trabalhador e gera alto desgaste.

Não foram encontrados, na literatura consultada, estudos que utilizem a JSS associado ao distúrbio de voz do professor. Algumas pesquisas utilizaram a escala Job Content Questionnaire (JCQ) versão ampliada, com 49 questões, da qual a JSS se originou( 11 ). Neste estudo, as professoras classificadas na categoria de alto desgaste para interação controle/demanda (p=0,020) têm 2,2 vezes mais chance de terem distúrbio de voz quando comparadas com as categorias de baixo desgaste (Tabela 5, Modelo 1). A categoria de alto desgaste representa alta demanda de trabalho associada à baixa autonomia, situação na qual se encontra a maioria das reações adversas das exigências psicológicas, tais como fadiga, ansiedade, depressão e doença física( 19 ). O trabalho em alta exigência produz situações de maior repercussão negativa sobre a saúde psíquica, estando estatisticamente associado ao estresse psicológico, insatisfação no trabalho e síndrome de burnout.

Quanto maior o nível de determinação externa sobre o trabalho docente, maior sua intensificação, com redução do tempo para pensar, programar, planejar. Da mesma forma, quanto maior o grau de racionalização do trabalho escolar e complexidade das formas de organização e administração escolar, maior será o controle sobre o trabalho docente( 20 ).

As recentes reformas nos sistemas de ensino buscaram ampliar o atendimento educacional estendendo-o aos que não têm acesso( 2 ). Tais reformas geraram uma transformação nos aspectos físicos e de organização dos sistemas educativos, acompanhada pela adoção de critérios de eficácia, produtividade e excelência. Essa situação, segundo as autoras, provoca maior demanda de atendimento, com ampliação no número de matrículas, maior número de turmas e de alunos por sala de aula, configurando intensificação tanto em termos qualitativos, caracterizados pelas transformações da atividade sob pressão temporal, quanto em termos quantitativos, relacionados ao aumento do volume de tarefas.

Ao mesmo tempo em que aumenta a pressão e o volume da tarefa, o professor perde, progressivamente, o controle sobre as atividades docentes, que se tornam múltiplas e complexas dentro da sala de aula, com simultaneidade de eventos, imprevisibilidade e imediatismo( 21 ). É comum ao professor executar outras tarefas enquanto leciona, como atender ao aluno individualmente, controlar a turma e preencher instrumentos e formulários de controle( 2 ). Tais situações de sobreposição de tarefas explicam o cansaço físico, vocal e mental do docente.

As tomadas de decisão dos professores representam um ponto de equilíbrio na sobreposição de tarefas que abruptamente se instalam, fato que conduz à perda da qualidade e sensação de trabalho inacabado ou objetivo não alcançado( 2 ). As autoras acrescentam que trabalhar sob pressão desfavorece o desenvolvimento de estratégias de autoproteção à saúde, como a busca de melhor postura corporal ou projeção vocal, e resulta na adoção de estratégias com hipersolicitação do corpo e consequente fadiga física e mental.

A somatória de exigências leva a um aumento de esforços que ultrapassa os limiares adequados às condições de saúde do trabalhador. Frente ao acúmulo de trabalho em condições adversas, além da fadiga, o trabalhador procura aumentar sua capacidade de trabalho e busca, em seu repertório, novos recursos para enfrentar a situação que se apresenta. Essa autoexigência acarreta esforço no sentido de controlar e não demonstrar cansaço, irritação, raiva( 12 ).

O modelo de avaliação do estresse no trabalho adotado prediz que o trabalho na condição de alto desgaste, definido como trabalho com alta demanda e baixo controle, pode conduzir ao declínio na atividade global do indivíduo e à redução da capacidade de produzir soluções para as atividades e problemas enfrentados( 17 ). Tal condição situa-se na direção contrária dos valores idealizados para educação, como ser criativo, transformador, capaz de propiciar o desenvolvimento do aluno em seu sentido mais amplo, o que dificulta a superação dessa condição. A decepção com a realidade encontrada é citada como causa primeira da frustração com o trabalho docente( 22 ). Ao abandonar a imagem idealizada e subordinar-se ao trabalho proposto, o professor elimina, em última instância, o próprio sentido do seu trabalho.

A ênfase nas habilidades e competências individuais do docente e suas repercussões sobre os projetos educacionais encobrem as inadequações entre os objetivos da educação para todos e as condições de trabalho existentes( 13 ):

o mal-estar docente pode ser explicado pela presença de obstáculos relacionados ao volume de trabalho e à precariedade das condições existentes, mas também às altas demandas no trabalho, incluindo as demandas emocionais, junto a uma expectativa social de excelência, cujo limite é exigir do professor uma atuação capaz de reverter a situação na qual se encontra (p. 5).

Se, por um lado, as educadoras convivem diariamente com as condições precárias de seu ambiente de trabalho, submetidas à hierarquia e à pressão, por outro, desejam manter seu trabalho letivo de forma criativa e crítica( 23 ). Instala-se um paradoxo entre conformismo e resistência que pode se manifestar em sintomas mentais e físicos e, entre esses, a alta prevalência de distúrbio de voz na categoria docente reforça a hipótese do desgaste e do mal-estar dos professores( 13 ).

Ter que trabalhar e não conseguir fazê-lo de forma satisfatória, ter consciência do seu papel de transformação frente à sociedade e não conseguir levar os alunos a desenvolverem suas competências e habilidades para atuar como cidadãos e no mercado de trabalho gera uma condição de sofrimento, um mal-estar do trabalho impedido( 24 ). O desgaste relacionado à imagem na mídia reforça essa posição contraditória: se for mero executor, não se implica no processo educativo, por outro lado, as próprias formas de avaliação de seu trabalho, bem como os parâmetros de qualidade aferidos pelos dados oficiais, baseiam-se nessa submissão( 24 ).

Essa dinâmica de forças contrárias conduz o professor ao adoecimento e, principalmente, à inviabilidade de manter-se na função docente. Em que pese a interação demanda/controle de alto desgaste ter associação estatística com o distúrbio de voz, tal associação não se mantém quando o ICT é adicionado ao modelo múltiplo, o que demonstra o papel preponderante da capacidade de trabalho na relação com o sintoma vocal do professor.

O distúrbio de voz e a capacidade para o trabalho

Assim como estresse, o conceito de capacidade para o trabalho está ancorado na interação das exigências do trabalho e dos recursos físicos e mentais do trabalhador, representando uma medida de envelhecimento funcional( 25 ).

Não foram encontrados, na literatura pesquisada, estudos que utilizem o ICT com professores e a escolha por esse instrumento deu-se pela possibilidade de retratar a repercussão do adoecimento vocal na carreira e na vida do professor.

Neste estudo, o ICT mostrou-se um marcador fortemente associado ao distúrbio de voz. Na análise de associação univariada realizada com todas as variáveis independentes de interesse, as categorias de capacidade para o trabalho baixa (OR=8,0; p=0,001) e moderada (OR=5,9; p=0,001) mostraram forte associação estatística ao distúrbio de voz (Tabela 5, Modelo 1). Na análise múltipla que considerou a interação controle/demanda e a capacidade para o trabalho, verificou-se que essa última tem associação significativa e independente nas categorias baixa e moderada capacidade para o trabalho (Tabela 5, Modelo 4).

Observa-se, em todas as análises do ICT, a presença da relação dose/resposta, ou seja, quanto maior a exposição, maior a chance de ocorrer o desfecho e maior a resposta apresentada, que representa um indicador de relação causal.

Os resultados indicam um envelhecimento funcional precoce nas professoras com distúrbio de voz, independentemente do declínio associado à idade. Aspectos referentes à saúde são determinantes para a capacidade para o trabalho e, neste caso, o sintoma vocal tem papel preponderante. Os educadores dependem essencialmente da voz para realizar o seu trabalho e a presença do distúrbio de voz gera progressivo distanciamento da docência.

Professores têm mais limitação no desempenho profissional e nas interações sociais (43%) que não professores (16%), sendo que um em cada três professores é levado a reduzir suas atividades letivas devido ao distúrbio de voz( 5 ). Da mesma forma, professores encontram mais dificuldades para realizar suas atividades de comunicação diária e faltam mais ao trabalho por problemas vocais( 5 , 6 ) do que trabalhadores de outras categorias profissionais, sendo a categoria que apresenta maior taxa de afastamento por problemas de comunicação( 26 ).

Na impossibilidade de trabalhar, o afastamento da docência ou da escola é concretizado por faltas, licenças ou readaptação funcional, recurso no ensino público quando o professor não apresenta condição física ou mental de permanecer na atividade que exerce. Ao ser readaptado, o professor afasta-se de suas atividades pedagógicas, assumindo outra atividade em que não precise utilizar a voz. Essa indicação médica, que visa à diminuição do esforço vocal, acaba sendo um benefício menor perto da dificuldade de retorno às atividades letivas. Ao realizar outra atividade na escola, o professor afasta-se das atividades pedagógicas e de seu papel como educador, passando a cumprir trabalho burocrático.

O recurso da readaptação funcional para o professor como forma de poupar o uso da voz, cada vez mais, tem sido um caminho sem volta. Esse afastamento o distancia das práticas pedagógicas e, consequentemente, do contato com alunos e colegas. Ao deixar de "utilizar a voz", o professor também deixa de estar na posição de quem tem a palavra, de sustentar um lugar de saber. Por outro lado, enquanto permanece readaptado, também se afasta das condições de indisciplina, violência e estresse da sala de aula. Ao reassumir a sala de aula, haverá não apenas a utilização da voz em período prolongado, mas, principalmente, retorno àquela situação desgastante anteriormente descrita( 23 ).

O afastamento de um professor da escola acarreta, ainda, aumento de demanda para os outros que permanecem, com reordenamento dos alunos do colega que se ausentou em suas salas( 2 ). Estudo sobre lesões por esforços repetitivos destaca que os colegas dos trabalhadores que adoecem sentem-se, em geral, sobrecarregados de trabalho com suas ausências e passam a culpar o doente pela manifestação do sintoma ( 27 ) :

[...]a estranheza é recíproca e consequente a uma situação inusitada e desagregadora. O adoecido que via a si próprio nos outros e com eles se identificava, através de manifestações de afeto, elogios e solidariedade, sente-os afastados, incriminadores. Os sadios, que do mesmo modo se viam no adoecido quando esse era são, o percebem diferente, trabalhando pouco ou mal e se comportando socialmente de maneira estranha [...] A dor, a tristeza e a irritabilidade, sinais premonitórios que acompanham a perda da capacidade de trabalho, "de não poder fazer", são percebidas externa e socialmente, como vontade deliberada de não trabalhar (p. 90).

Quando não é afastado da função, muitas vezes, o professor opta por demissão voluntária. Estudo realizado no Estado de São Paulo aponta que houve um aumento de 300% entre 1990 e 1995 nos pedidos de exoneração no magistério público em São Paulo( 28 ). Os baixos salários, as precárias situações, a insatisfação no trabalho e o desprestígio profissional estão entre os fatores que mais contribuem para que os professores deixem a profissão docente.

Trabalhadores que exercem funções com exigências predominantemente mentais, como é o caso dos educadores, tendem a ter sua capacidade para o trabalho mais preservada do que aqueles com conteúdo predominantemente físico( 15 ). Mas essas ocupações com tais características, em geral, envolvem maior reconhecimento, prestígio profissional, autonomia, participação na tomada de decisões e, principalmente, salários melhores, características que, hoje, não estão associadas ao trabalho docente.

Se o trabalho tem um sentido próprio para o professor, investido de afetividade, projeção de valores e dignidade, o reconhecimento é fundamental para a mobilização subjetiva que permite a manutenção do comprometimento e criatividade no trabalho( 12 ). A falta de reconhecimento da dinâmica coletiva implícita ao adoecimento vocal do professor contribui para a crescente perda da capacidade para o trabalho e consequente afastamento da docência.

Nos últimos anos, tem-se intensificado o debate sobre o comprometimento da saúde vocal de profissionais que utilizam a voz como instrumento de trabalho( 29 ). Doença relacionada ao trabalho é aquela que, ainda que não possua especificidade com determinado tipo de ocupação, tem maior incidência e prevalência em trabalhadores envolvidos em determinada atividade( 30 ). Entende-se por Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho qualquer alteração vocal diretamente relacionada ao uso da voz durante a atividade profissional que diminua, comprometa ou impeça a atuação e/ou a comunicação do trabalhador( 29 ). O desenvolvimento do distúrbio vocal decorrente do uso profissional da voz tem se mostrado, cada vez mais, associado à organização do trabalho e levado trabalhadores de diversas categorias, como professores e teleoperadores, a situações de afastamento e incapacidade para o desempenho de suas funções, o que implica custos financeiros e sociais.

Ainda que estudos apontem associação de fatores do ambiente escolar ao desenvolvimento do distúrbio de voz do professor, não é possível estabelecer relação causal entre tais fatores e o distúrbio vocal. Há dificuldade no estabelecimento de nexo causal nas doenças contemporâneas, mesmo naquelas inferidas como resultantes do trabalho, uma vez que esses agravos expressam-se por transtornos de função e de comportamento social( 27 ). Assim como outras doenças funcionais, o distúrbio de voz tem, por característica, causalidade difusa e complexa, não objetiva e linear. Não há causas independentes que determinem o desenvolvimento dos distúrbios vocais do professor, e sim aspectos que se sobredeterminam, pressupondo, mais do que somatória dos fenômenos, a noção dinâmica de um processo dialético( 23 ).

A situação remete à discussão de essa morbidade poder ser, ou não, considerada doença relacionada ao trabalho para fins trabalhistas. Tal reconhecimento, se considerado, poderia diminuir o sofrimento de docentes que ficam incapacitados de lecionar pela presença de alterações vocais e são afastados de suas funções, com prejuízos financeiros e profissionais. Considerando a complexidade da relação entre a saúde do professor e o trabalho docente, estratégias de intervenção coletiva podem ser mais eficientes na modificação do perfil de morbidade e melhora da qualidade de vida dessa categoria.

CONCLUSÃO

Este estudo caso-controle confirmou a associação entre distúrbio de voz e estresse no trabalho, bem como entre distúrbio de voz e perda de capacidade para o trabalho em professoras da rede municipal de ensino de São Paulo. Foi encontrada diferença entre o grupo de casos e de controles em relação ao estresse no trabalho na condição de alta exigência (OR=2,1; IC95% 1,1-3,9), que representa alta demanda associada a baixo controle do trabalho, situação com maior risco de presença de reações adversas à saúde física e mental dos trabalhadores. Em relação à capacidade de trabalho, as categorias baixa e moderada capacidade para o trabalho estão associadas à presença de distúrbio de voz, independentemente dos fatores estresse no trabalho, idade e acústica insatisfatória.

Ainda que o delineamento de caso-controle não permita estabelecer relação causal entre a exposição e o efeito na saúde, os resultados do estudo, ao confirmarem a associação dos aspectos de estresse e redução da capacidade para o trabalho ao distúrbio de voz, podem embasar a elaboração de estratégias de promoção de saúde e construção de políticas públicas que favoreçam o professor e demais trabalhadores que utilizem intensamente a voz em suas atividades profissionais.

REFERÊNCIAS

1. Preciado J, Pérez C, Calzada M, Preciado P. Incidencia y prevalencia de los trastornos de la voz en el personal docente de La Rioja. Acta Otorrinolaringol Esp. 2005;56:202-210.
2. Assunção AA, Oliveira DA. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educ Soc. 2009;30(107):349-72.
3. Dragone MLOS, Ferreira LP, Simões-Zenari M, Giannini SPP. Voz profissional: produção científica da fonoaudiologia brasileira. In: Oliveira IB, Almeida AAF, Raize T [Internet]. Voz profissional: produção científica da fonoaudiologia brasileira; 2008 [citado 1º dez. 2009]. Disponível em: http://www.sbfa.org.br/portal/voz_profissional/index.htm
4. Roy N, Merrill RM, Thibeault S, Gray S, Smith EM. Voice disorders in teachers and the general population: effects on work performance, attendance, and future career choices. J Speech Lang Hear Res. 2004;47(3):542-51.
5. Behlau M, Zambon F, Guerrieri AC, Roy N; Grupo Voz do Professor [Internet]. Panorama epidemiológico sobre a voz do professor no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2009:1511 [citado 1º dez. 2009]. Disponível em: http://www.sbfa.org.br/portal/anais2009/anais_select.php?op=PR&cid=1511&tid=1
6. Ferreira LP, Giannini SPP, Figueira S, Silva EE, Karmann DF, Thomé-de-Souza TM. Condições de produção vocal de professores da rede do município de São Paulo. Distúrb Comun. 2003;14(2):275-308.
7. Reis EJFB, Araújo TM, Carvalho FM, Barbalho L, Silva MO [Internet]. Docência e exaustão emocional. Educ Soc. 2006;27(94):251-75
8. Medeiros AM, Barreto SM, Assunção AA. Voice disorder (dysphonia) in public school female teachers working in Belo Horizonte: prevalence and associated factors. J Voice. 2008;22(6):676-87.
9. Vilkman E. Occupational safety and health aspects of voice and speech professions. Folia Phoniatr Logop. 2004;56(4):220-53.
10. Carneiro SAM. Saúde do trabalhador público: questão para a gestão de pessoas - a experiência na Prefeitura de São Paulo. Revista do Serviço Público. 2006;57(1):23-49.
11. Araújo TM, Reis EJFB, Carvalho FM, Porto LA, Reis IC, Andrade JM. Fatores associados a alterações vocais em professoras. Cad Saúde Pública. 2008;24(6):1229-38.
12. Seligmann-Silva E. Desgaste mental no trabalho dominado. Rio de Janeiro: Cortez; 1994.
13. Assunção AA. Saúde e mal-estar do(a) trabalhador(a) docente. In: Anais do VII Seminário Redestrado - Nuevas Regulaciones en América Latina; 2008. Buenos Aires. p. 1-20.
14. Marçal CCB, Peres MA. Alteração vocal auto-referida em professores: prevalência e fatores associados. Rev Saúde Pública. 2011;45(3):503-11.
15. Martinez MC, Paraguay AIBB, Latorre MRDO. Relação entre satisfação com aspectos psicossociais e saúde dos trabalhadores. Rev Saúde Pública. 2004;38(1):55-61.
16. Ferreira LP, Giannini SPP, Latorre MRDO, Zenari MS. Distúrbio da voz relacionado ao trabalho: proposta de um instrumento para avaliação de professores. Dist Comum. 2007;19(1):127-37.
17. Alves MGM, Chor D, Faerstein E, Lopes CS, Werneck GL. Versão resumida da "Job Stress Scale": adaptação para o português. Rev Saúde Pública. 2004;38(2):164-71.
18. Tuomi K, Ilmarinen J, Jahkola A, Katajarinne L, Tulkki A. Índice de Capacidade para o Trabalho. São Carlos: EdUFSCar; 2005.
19. Araújo TM, Graça CC, Araújo E. Estresse ocupacional e saúde: contribuições do modelo demanda-controle. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(4):991-1003.
20. Hypolito AM. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. Campinas: Papirus; 1997.
21. Mizukami MGN. Docência, trajetórias pessoais e desenvolvimento profissional. In: Reali AMMR, Mizukami MGN. Formação de professores. São Carlos: EDUFSCar; 1996. p. 59-91.
22. Esteve JM. O mal-estar docente. Lisboa: Escher/Fim de Século;1992.
23. Giannini SPP, Passos MC. Histórias que fazem sentidos: as determinações das alterações vocais do professor. Distúrb Comum. 2006;18(2):245-57.
24. Paparelli R. Saúde mental e trabalhadores da educação. In: Anais do Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho. São Paulo; 2008.
25. Martinez MC, Latorre MRDO, Fischer FM. Validade e confiabilidade da versão brasileira do índice de capacidade para o trabalho. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):525-32.
26. Yiu EML. Impact and prevention of voice problems in the teaching profession: embracing the consumers' view. J Voice. 2002;16(2): 215-28.
27. Ribeiro HP. Lesões por esforços repetitivos (LER): uma doença emblemática. Cad Saúde Pública. 1997;13(2):85-93.
28. Lapo FR, Bueno BO. Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cad Pesqui. 2003;118:65-88.
29. Centro de Referência de Saúde do Trabalhador. Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo [Internet]. Distúrbios da voz relacionados ao trabalho. Boletim Epidemiológico Paulista. 2006;3(26):16-22 [citado 29 dez 2009]. Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/agencia/bepa26_dist.htm
30. Bedrikow B. Doenças relacionadas ao trabalho. Saúde e Trabalho. 1987;1:101-7.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.