Elaboração de lista de homônimos do Português Brasileiro para tarefas de processamento linguístico

Elaboração de lista de homônimos do Português Brasileiro para tarefas de processamento linguístico

Autores:

Suélen Graton Rossi,
Maria Mercedes Saraiva Hackerott,
Clara Regina Brandão de Avila

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.29 no.2 São Paulo 2017 Epub 27-Mar-2017

http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20172016042

INTRODUÇÃO

Durante o ato comunicativo, diferentes habilidades linguísticas, cognitivas, metacognitivas e pragmáticas são necessárias para integrar informações e ideias veiculadas nas sentenças do discurso oral ou escrito. Dentre as de funcionamento automático, destacam-se o acesso eficiente ao significado da palavra e o conhecimento sintático e, dentre as metacognitivas, o automonitoramento e a elaboração de inferências(1,2). Essas habilidades são importantes para a compreensão, pois auxiliam na construção e na integração de um modelo coerente de significado. Para identificar eficientemente o significado de uma palavra, é necessário um rápido acesso ao léxico e quanto mais rápido ele for melhor expressa o conhecimento do vocábulo e o automatismo do resgate da palavra fonológica e do significado. O vocabulário é adquirido pelo falante ao longo de muitas exposições que facilitam o aprendizado de novas palavras - quantidade de representações - e por meio de oportunidades de refinamento de seus significados - qualidade de representações(3,4).

Em tarefas que envolvem homonímias, é preciso acessar no léxico mental os vários significados da palavra. E, para identificar o significado correto, é necessário considerar o contexto discursivo, que inibirá os demais significados. A falha na ativação de informações relevantes e na inibição das irrelevantes pode ser uma das causas que dificultam a compreensão. Essa falha pode gerar problemas no processo de realização de inferências que dependem fortemente do conhecimento prévio(5).

Assim, a compreensão de um texto ouvido ou lido requer o reconhecimento individual das palavras, a recuperação precisa de seus significados e a integração destes significados ao contexto discursivo, de forma a serem inibidas as demais significações que não concorrem para o entendimento do texto(2,3,6).

Todos os processos linguísticos que envolvem a significação de uma palavra no texto são importantes para a compreensão. A homonímia é a propriedade de determinadas palavras terem diversas significações e até mesmo diferentes funções gramaticais, apesar de apresentarem apenas uma forma fonológica, por exemplo: “um homem são; São Jorge; são várias as circunstâncias”(7-9). As construções com palavras homônimas, para serem compreendidas, precisam levar em consideração o contexto discursivo, pois é ele que estabelece a adequada significação em cada uso(10-12).

A homonímia é um signo linguístico que tem um significante e dois ou mais significados. Em geral, estudos para identificação ou discriminação de homônimos buscam o significado que se apresenta em maior número de ocorrências – considerado dominante – e o que aparece em menor ocorrência – denominado secundário(11,12).

Tarefas de priming semântico que utilizam homonímias são excelentes estratégias para verificar a velocidade de acesso à integração e à inibição de significados. O priming pode ser identificado pela melhora da performance na habilidade perceptiva ou cognitiva relacionada à linha de base apropriada, produzida no contexto de experiências anteriores. Priming semântico refere-se à melhora da velocidade ou da acurácia de resposta ao estímulo semântico(13). Quando uma palavra homônima é apresentada isoladamente, todos os significados dessa palavra são acessados. Porém, quando esta palavra homônima é apresentada no final de uma sentença, o significado correto é identificado de acordo com o contexto discursivo(11,14-16).

Dois experimentos que utilizaram tarefas de priming semântico com homônimos mostraram-se bastante úteis para evidenciar na compreensão leitora três processos: o acesso, a integração e a inibição do significado(11). Os experimentos investigaram estes processos no nível da palavra e da sentença, buscando identificar a velocidade e a precisão no alcance dos significados de maior ocorrência (dominantes) ou de menor ocorrência (secundários) em homonímias. A aplicação dos experimentos discriminou leitores com boa fluência e acurácia na leitura daqueles com dificuldades de acesso rápido ao significado ou da inibição do significado de menor ocorrência do homônimo, caracterizando-os como pobres em compreensão leitora(11). Esses resultados justificam a utilização de homônimos para investigar características de habilidades de compreensão leitora, tanto no nível do vocábulo isolado quanto no nível textual em que o contexto discursivo está especificado.

Por isso, decidiu-se estudar o processamento de informação para a compreensão textual por meio de tarefas de priming semântico com homonímias, acreditando que estas podem evidenciar diferenças de desempenho entre escolares com boa e pobre compreensão leitora e indicar possíveis causas da dificuldade da compreensão relacionadas ao processamento da linguagem. Para cumprir esses objetivos, foi necessário, inicialmente, elaborar uma lista de substantivos homônimos e distinguir os significados de maior ocorrência daqueles de menor ocorrência, tendo por base o universo vocabular de escolares do 4º e 5º anos do ensino fundamental. Esta foi a faixa escolhida, pois, nesses anos escolares, a compreensão textual, propósito de estudo da pesquisa principal, é objetivo curricular(17).

Este estudo tem por objetivo apresentar procedimentos e etapas de elaboração da lista de homônimos do português brasileiro e de identificação de seus significados e de imagens que os representam e concluir com a apresentação da lista. Tratará, portanto, de apresentar o piloto de uma pesquisa que investigou efeitos do priming semântico, por meio de homônimos, na compreensão leitora.

MÉTODO

Estudo piloto de pesquisa experimental, prospectivo e quantitativo. Quanto aos aspectos éticos, foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), CAAE: 33431014.9.0000.5505. Crianças escolares do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental participaram do estudo. O Termo de Anuência Institucional foi assinado pelo responsável da escola. Para participação no estudo, os pais ou responsáveis, concordaram com a inclusão da criança, por meio da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os escolares também concordaram em participar da pesquisa, por meio da assinatura do Termo de Assentimento da Criança.

Procedimentos

Seleção dos homônimos

Para garantir que a lista de homônimos fizesse parte do universo vocabular de escolares do 4º e 5º anos do ensino fundamental, realizou-se uma pesquisa em livros didáticos que identificou 103 homônimos. Os significados desses homônimos foram atestados pelos verbetes de dois dicionários escolares: Moderno dicionário da língua portuguesa(18) e Minidicionário contemporâneo da língua portuguesa(19).

Uma equipe composta por fonoaudiólogas e linguista selecionou dentre esses homônimos aqueles que atendessem aos seguintes critérios: serem substantivos; não eliciarem múltiplos significados (mais que dois); que pudessem ser representados por imagens. A lista foi reduzida a 26 homônimos que constituíram o seguinte material linguístico utilizado na pesquisa: bala, banco, botão, cartas, carteira, casa, concha, folha, galo, laranja, linha, macaco, manga, pasta, pata, pilha, planta, prato, rosa, salto, sombra, tanque, teclado, terra, vela, xadrez (Quadro 1).

Quadro 1 Lista com 26 homônimos inicialmente selecionados e seus significados 

Bala - projétil de arma de fogo
- guloseima à base de açúcar
Banco - assento de formas variadas
- local, casa, edifício, onde se realizam transações bancárias
Botão - peça arredondada que se usa para fechar roupas
- tecla ou chave que dispara uma ação, quando pressionada
Cartas - manuscrito fechado, endereçado a alguém
- cada um dos cartões que compõem um baralho
Carteira - bolsa pequena de couro ou outro material, na qual se guarda dinheiro e documentos
- cadeira com suporte para escrever
Casa - construção que se destina a habitação
- abertura na roupa para enfiar os botões
Concha - invólucro calcário do corpo de certos moluscos
- espécie de colher grande com que se serve sopa
Folha - cada um dos órgãos que se desenvolve no caule ou nos ramos dos vegetais
- pedaço de papel de forma quadrada ou retangular
Galo - galináceo de crista carnuda e asas curtas e largas
- inchação na testa ou na cabeça, resultante de pancada
Laranja - fruto da laranjeira
- nome da cor da laranja, alaranjado
Linha - fio de linha que serve para trabalhos de costura
- representação gráfica da extensão de uma só dimensão e que se pode considerar gerada pelo deslocamento de um ponto
Macaco - mamífero quadrúmano da ordem dos primatas
- maquinismo para levantar grandes pesos
Manga - parte do vestuário que cobre o braço
- fruto da mangueira
Pasta - porção de matéria sólida feita com qualquer tipo de pó (farinha, cimento, etc.) e misturada e amassada com outros ingredientes
- espécie de bolsa chata de couro ou plástico destinada a guardar ou transportar papéis, dinheiro, etc.
Pata - pé ou mão de animal
- pato: ave palmípede cuja fêmea é a pata
Pilha - grupo ou montão de coisas dispostas umas sobre as outras, ou dentro das outras
- aparelho em que se desenvolvem correntes elétricas
Planta - qualquer vegetal
- desenho que representa todas as particularidades de um edifício
Prato - utensílio de louça, metal ou plástico, geralmente circular, em que se serve a comida
- instrumento musical formando de duas peças circulares de metal
Rosa - a flor da roseira
- nome da cor da rosa, róseo
Salto - movimento súbito com que um corpo se eleva do solo, lançando-se de um para outro lugar, pulo
- tacão de calçado
Sombra - espaço privado de luz ou tornado menos claro pela interposição de um corpo opaco
- a tinta com que se faz o sombreado
Tanque - reservatório para lavar roupas
- carro de guerra, blindado
Teclado - aparelho eletrônico com teclas para acompanhamento musical
- dispositivo conectado ao computador, provido de um conjunto de teclas, que permite a entrada de informações e o acionamento de programas
Terra - planeta do sistema solar
- solo sobre o qual se anda
Vela - peça cilíndrica de substância gordurosa e combustível com um pavio no centro e em todo o seu comprimento, utilizada para iluminação
- pano resistente que se prende e desfralda ao longo dos mastros de embarcação para que o vento a impulsione
Xadrez - jogo sobre um tabuleiro de 64 casas, em que se fazem mover 32 peças
- estampa cujas cores são dispostas em quadradinhos alternados

Fonte: Moderno dicionário da língua portuguesa(18) e Minidicionário da língua portuguesa(19)

Seleção das imagens

Pesquisou-se em sites e arquivos, disponíveis na Internet, 4 imagens que representassem cada um dos significados dos 26 homônimos. As fonoaudiólogas e linguista envolvidas na elaboração do material reuniram-se para selecionar o que julgaram, por consenso, serem as melhores imagens para representar cada um dos significados de cada homônimo.

Adequação da lista de homônimos e suas imagens à faixa etária

Para testar o instrumento e verificar sua aplicabilidade com crianças do 4º e 5º anos do ensino fundamental (50% meninas e média de idade = 119,7 meses), bem como para decidir acerca da necessidade de mudanças e adaptações, realizou-se um estudo piloto com 10 escolares do 4º ano e 10 escolares do 5º ano do ensino fundamental de uma escola da rede particular de ensino do município de São Paulo, no final do 1º semestre letivo de 2015.

Para participar do estudo, selecionaram-se escolares que atendiam à observância dos seguintes critérios de inclusão na amostra: ausência de queixas relacionadas ou de indicadores de alterações da audição; de alterações da visão (não corrigidos); da presença de distúrbios neurológicos, comportamentais ou cognitivos; matrícula regular no 4º e 5º anos do Ensino Fundamental; ausência de indicação de retenção no histórico escolar.

Classificação dos significados

Para identificar qual dos significados de cada homônimo era o de maior ou menor ocorrência, perguntou-se aos escolares: “Qual significado você conhece para as palavras que eu vou lhe dizer?”. O escolar foi, portanto, orientado a dizer o que cada palavra significava. Esperava-se que a evocação de mais de um significado fosse espontânea e, assim, permitisse a identificação dos significados de maior e menor ocorrência para cada palavra(11).

Observaram-se duas possibilidades de resposta: a. um único significado foi atribuído; b. dois significados foram espontaneamente atribuídos ao homônimo apresentado.

Quando um único significado foi relatado, a resposta recebeu a pontuação 3. Quando o escolar referiu dois significados, o primeiro recebeu a pontuação 2 e o segundo a pontuação 1.

A classificação dos homônimos foi confirmada segundo as condições de ocorrência, da seguinte forma: maior ocorrência, quando um significado foi apresentado em detrimento do outro por, pelo menos, 70% das crianças, mostrando clara dominância; menor ocorrência, quando um significado foi apresentado, em relação ao outro por, no máximo, 30% das vezes e, no mínimo, 5%(11).

Em alguns casos nenhum significado atingiu 70%, mostrando não haver clara dominância entre os dois significados. Dessa forma, criaram-se duas listas de homônimos: uma que demonstra claramente qual significado é o de maior e qual é o de menor ocorrência e outra lista com os homônimos que, embora não tenham expressado clara dominância dos significados, estiveram presentes nas respostas dos escolares.

Reconhecimento das imagens enquanto representante de cada significado dos homônimos

Depois dos 20 participantes terem referido o(s) significado(s) de cada palavra, foram-lhes apresentadas para nomeação, as 52 imagens (uma para cada um dos dois significados dos 26 homônimos), individualmente, de forma randomizada, em PowerPoint.

As imagens nomeadas corretamente por, pelo menos, 13 escolares (65%) foram classificadas como boas. Aquelas nomeadas de forma a alcançar entre 7 e 12 acertos foram classificadas como de média pontuação, e as imagens com menos de 6 nomeações corretas foram classificadas como ruins. Tanto as imagens de média pontuação como as ruins, foram revistas pela equipe que decidiu pela sua manutenção ou exclusão de acordo com a natureza do erro de nomeação: se decorreu do desconhecimento do significado ou do não reconhecimento da imagem. No primeiro caso, o homônimo foi eliminado e, no segundo, a imagem foi substituída por uma que melhor representasse o significado do homônimo. Para essa seleção, repetiu-se todo o processo de escolha das imagens.

Método estatístico

As respostas dos escolares foram pontuadas e tratadas como porcentagens para a apresentação em tabelas.

RESULTADOS

Na Tabela 1, verifica-se a pontuação das respostas dos escolares e as porcentagens para cada significado dos homônimos.

Tabela 1 Soma das pontuações das crianças para cada significado dos homônimos de acordo com a escolaridade 

Homônimo Significado 4º Ano 5º Ano Total Geral Porcentagem
BALA Doce 30 28 58 96,6%
BALA Do Revólver 00 02 02 3,33%
BANCO De Sentar 24 16 40 66,6%
BANCO De Dinheiro 06 14 20 33,3%
BOTÃO De Roupa 24 24 48 80%
BOTÃO De Ligar 06 06 12 20%
CARTA De Escrever 27 23 50 83,3%
CARTA De Jogar 03 07 10 16,6%
CARTEIRA De Dinheiro 27 30 57 95%
CARTEIRA De Sentar 03 00 03 5%
CASA De Morar 30 30 60 100%
CASA De abotoar 00 00 00 0%
CONCHA Do Mar 30 28 58 96,6%
CONCHA Do Talher 00 02 02 3,33%
FOLHA Da Árvore 28 23 51 85%
FOLHA De Papel 02 07 09 15%
GALO Animal 30 29 59 98,3%
GALO Machucado 00 01 01 1,66%
LARANJA Fruta 27 24 51 85%
LARANJA Cor 03 06 09 15%
LINHA De Costurar 24 26 50 83,3%
LINHA De Traçado 06 04 10 16,6%
MACACO Animal 30 29 59 98,3%
MACACO De Carro 00 01 01 1,66%
MANGA Fruta 30 29 59 98,3%
MANGA Da Roupa 00 01 01 1,66%
PASTA De Dente 18 22 40 66,6%
PASTA De Papéis 12 08 20 33,3%
PATA Pé de animal 23 19 42 70%
PATA Animal 07 11 18 30%
PILHA Bateria 24 29 53 88,3%
PILHA De Objetos 06 01 07 11,6%
PLANTA Vegetal 30 30 60 100%
PLANTA De Desenho 00 00 00 0%
PRATO De Comer 30 27 57 95%
PRATO Instrumento 00 03 03 5%
ROSA Cor 16 18 34 56,6%
ROSA Flor 14 12 26 43,3%
SALTO Do Sapato 23 14 37 61,6%
SALTO De Pular 07 16 23 38,3%
SOMBRA Do Sol 27 27 54 90%
SOMBRA Maquiagem 03 03 06 10%
TANQUE De roupa 30 22 52 86,6%
TANQUE De Guerra 00 08 08 13,3%
TECLADO Computador 13 23 36 60%
TECLADO Instrumento 17 07 24 40%
TERRA De Plantar 19 24 43 71,6%
TERRA Planeta 11 06 17 28,3%
VELA De Acender 30 29 59 98,3%
VELA De Barco 00 01 01 1,66%
XADREZ Jogo 21 27 48 80%
XADREZ Estampa 09 03 12 20%

Nota: um único significado relatado: pontuação = 3; dois significados relatados: pontuação= 2 (primeiro significado); pontuação =1 (segundo significado)

Os significados para os homônimos casa (abertura de roupa para colocar o botão) e planta (representação gráfica de edifícios) não eliciaram evocações, sendo, portanto, excluídos da lista.

Observa-se que os significados de 13 homônimos demonstraram clara dominância, de acordo com a porcentagem de maior ou menor ocorrência. Outros 11 não alcançaram os 70% esperados, mas os dois significados foram relatados pelos escolares, permitindo dessa forma a permanência na lista final.

No Quadro 2, apresentam-se duas listas dos homônimos de acordo com a dominância encontrada dos significados.

Quadro 2 Listas de homônimos de acordo com a dominância e seus significados de maior e menor ocorrência 

Homônimos com clara dominância Homônimos sem clara dominância
BOTÃO BALA
CARTA BANCO
CARTEIRA CONCHA
FOLHA GALO
LARANJA MACACO
LINHA MANGA
PATA PASTA
PILHA ROSA
PRATO SALTO
SOMBRA TECLADO
TANQUE VELA
TERRA
XADREZ

Verifica-se no Quadro 3, a pontuação de acertos na nomeação das imagens para cada significado do homônimo.

Quadro 3 Pontuação de acertos na nomeação das imagens de cada significado dos homônimos 

Homônimo Significado 4º Ano 5º Ano TOTAL GERAL
BALA Doce 10 10 20
BALA Revólver 10 05 15
BANCO Sentar 09 08 17
BANCO Local 09 09 18
BOTÃO Roupa 10 10 20
BOTÃO Ligar 09 10 19
CARTA Escrever 10 09 19
CARTA Jogo 09 08 17
CARTEIRA Dinheiro 10 10 20
CARTEIRA Sentar 07 05 12
CASA Moradia 10 10 20
CASA Abotoar 01 00 01
CONCHA Mar 10 10 20
CONCHA Talher 04 04 08
FOLHA Árvore 10 09 19
FOLHA Papel 07 06 13
GALO Animal 10 09 19
GALO Machucado 06 08 14
LARANJA Fruta 10 10 20
LARANJA Cor 10 09 19
LINHA Costurar 09 09 18
LINHA Traço 07 09 16
MACACO Animal 10 10 20
MACACO Carro 05 05 10
MANGA Fruta 10 09 19
MANGA Roupa 05 05 10
PASTA Dente 10 08 18
PASTA Papéis 10 10 20
PATA 10 10 20
PATA Animal 03 04 07
PILHA Bateria 10 08 18
PILHA Objetos 06 04 10
PLANTA Vegetal 09 08 19
PLANTA Desenho 01 01 02
PRATO Comer 10 10 20
PRATO Instrumento 04 03 07
ROSA Cor 10 10 20
ROSA Flor 07 08 15
SALTO Sapato 09 06 15
SALTO Pular 05 05 10
SOMBRA Sol 10 10 20
SOMBRA Maquiagem 01 02 03
TANQUE Lavar roupa 06 07 13
TANQUE Guerra 04 04 08
TECLADO Computador 10 10 20
TECLADO Instrumento 08 08 16
TERRA Plantar 10 10 20
TERRA Planeta 03 06 09
VELA Acender 10 10 20
VELA Barco 07 06 13
XADREZ Jogo 09 10 19
XADREZ Estampa 08 05 13

De acordo com os dados resultantes da análise dos experimentos, a lista final ficou constituída de 24 homônimos (13 com clara dominância e 11 sem clara dominância). As imagens dos significados com maior ou menor ocorrência encontram-se no Apêndice A.

DISCUSSÃO

Entender a compreensão em seus diferentes processos permite que pesquisadores e clínicos identifiquem quais habilidades e dificuldades são apresentadas pelas crianças. Tarefas com homonímias têm permitido investigar alguns aspectos do processamento da informação, verificar o acesso, a integração e a inibição de significados durante a compreensão, e identificar algumas das possíveis dificuldades próprias da compreensão(11,20).

Este trabalho apresentou o processo de seleção de material linguístico e de imagens para a construção de um instrumento a ser utilizado em tarefas de priming semântico com homônimos, que viabilizarão a verificação dos processos de acesso e inibição de significados disparados durante a compreensão leitora.

A homonímia é um signo linguístico que tem um significante e dois ou mais significados. Os homônimos e as imagens que representam os significados dos homônimos são elementos de duas linguagens diferentes: uma verbal, constituída pela palavra homônima (signo linguístico); e outra não verbal, constituída pelas imagens, que são signos visuais (icônicos) que representam os objetos do mundo real(21).

Na análise das ocorrências dos significados atribuídos aos homônimos, foi possível discriminar os significados de maior ocorrência dos de menor ocorrência. Como 75% dos escolares relataram dois significados para os homônimos apresentados (8 escolares do 4º ano e 7 do 5º ano), decidiu-se pontuar cada resposta e, então, foi possível identificar dois grupos de homônimos, segundo a dominância com que se apresentaram nas respostas dos escolares (Quadro 2). Esse procedimento possibilitou a permanência dos 24 homônimos na lista final para os experimentos a que se destinavam.

Nos experimentos que fundamentaram esta pesquisa(11), foram utilizados desenhos de linha para representar os homônimos. Para melhor representar cada significado do homônimo, optou-se por usar imagens mais próximas da realidade, que são signos icônicos(21). Assim sendo, foram selecionadas fotografias e desenhos realísticos para representar iconicamente cada significado do homônimo.

Para que os homônimos fossem representados por imagens, identificaram-se as homonímias que mais se aproximavam do objeto, em termos de representação. Por isso, descartaram-se da lista inicial as homonímias que apresentavam modificações na classe gramatical e optou-se pelo substantivo, que é definido como a classe de palavra que nomeia as entidades e, por esta razão, pode ser representado facilmente por um signo de natureza icônica, permitindo assim uma associação rápida e imediata com eficiente acesso ao sentido(7-9).

A análise da nomeação das imagens mostrou que algumas alcançaram valores de acertos menores que 12. Essas imagens foram revistas pela equipe que decidiu pela continuidade ou não da figura escolhida (ou seja, se havia a necessidade de modificá-la). Foram classificadas como boas as imagens para os significados dos seguintes homônimos: carteira (de sentar); concha (do talher); macaco (do carro); manga (da roupa); pata (pé de animal); pilha (de objetos); prato (instrumentos); tanque (de guerra); terra (planeta). A pesquisa mostrou que essas imagens representavam adequadamente o significado, embora alguns escolares não os tivessem nomeado corretamente no experimento. A falha na identificação do significado secundário pode ser explicada por quatro condicionadores. (1) Baixa frequência da palavra no cotidiano do escolar, apesar de os estudantes utilizarem o objeto: 60% dos escolares nomearam concha (do talher) como “colher” e 45% nomearam carteira (de sentar) como “cadeira”. (2) Nomeação do Todo ao invés da Parte pretendida: manga (da roupa) foi nomeada como “camisa” ou “camiseta” por 50% dos escolares e pilha (de objetos) foi nomeada como “livros” por 75% dos escolares. (3) Baixa frequência da palavra e pouco/nenhum conhecimento do objeto referido: macaco (de carro) referido por 30% como a função (“levantar o carro”) e 15% explicitaram que não sabiam o nome do objeto; e prato (instrumento), o qual não foi nomeado corretamente por 65% dos estudantes (“pandeiro”, “tambor”, “de bater”, “não sei”). (4) Associações entre a palavra, o objeto e o campo semântico: 60% dos estudantes nomearam pata (animal) pela palavra “pato”; tanque (de guerra) foi nomeado por 60% dos estudantes com as palavras “canhão”, “carro de guerra”, “trator”; e terra (planeta) foi nomeada 30% pela palavra “planeta” e 30% pela palavra “mundo”.

Os homônimos casa e planta já haviam sido excluídos da lista quando foram analisados os significados dados pelos escolares. Na nomeação das imagens, tanto casa (de abotoar) quanto planta (de desenho) determinaram pequena porcentagem de acertos. A imagem casa (de abotoar) teve 5% de acerto sendo que os demais escolares nomearam a imagem com as palavras “botão”, “calça”, “buraco”; na imagem planta (de desenho), 10% dos estudantes nomearam com acerto e os demais referiram com as palavras “casa”, “apartamento” e “mapa”.

Os resultados exigiram a busca de nova imagem para o homônimo sombra (maquiagem), nomeado como “olho” ou “maquiagem” por 80% dos escolares e outra melhor para o homônimo salto (de pular), nomeado por 50% dos escolares como “saltar”, “atleta”, “esporte” (Quadro 3).

Conforme se esperava, os resultados encontrados mostram a obtenção de lista com 24 homônimos, com maior ou menor expressão de dominância de seus pares de significados (e imagens correspondentes), segundo a maior ou menor ocorrência nas respostas dos 20 escolares(11,12).

Depois das modificações realizadas, os homônimos e suas representações por imagens foram reconhecidos e nomeados pelos escolares de 4o. e 5o. anos do Ensino Fundamental o que mostrou a adequação da seleção feita pela equipe. A escolha do 4o. e 5o. anos do Ensino Fundamental se fez necessária por serem anos em que as crianças já completaram o ciclo alfabetizador e espera-se que os estudantes já tenham um repertório vocabular condizente com leituras narrativas e descritivas que apresentam os homônimos da lista(17).

A lista final dos 24 homônimos e as imagens dos significados de maior e menor ocorrência foram utilizadas em experimentos de priming em tarefas com a homonímia isolada e em final de frases. Observou-se que os homônimos que antecederam a imagem do significado de maior ocorrência facilitaram o acesso ao significado evidenciando, assim, que ambos os materiais (a lista de homônimos e as imagens) se mostraram eficientes para que os escolares tivessem acesso ao significado de cada homônimo(20).

Portanto, os procedimentos e critérios utilizados neste estudo para o acesso dos significados de maior ocorrência e menor ocorrência foram eficientes. As imagens definidas para representar os homônimos selecionados também foram reconhecidas pelos escolares e permitiram a aplicação apropriada das tarefas de priming.

Apesar desses resultados, deve-se considerar que os itens não foram, ainda, analisados psicometricamente. Além disso, do experimento linguístico de elaboração da lista, participou uma amostra de escolares de mesma faixa etária e de mesma escolaridade (4º e 5º anos do EF), matriculados em uma única escola da rede particular de ensino do município de São Paulo. Essas características sugerem a possibilidade de encontrar resultados diferentes em outras faixas etárias, sem invalidar a lista de homônimos selecionados, restritos a substantivos com dois significados, condição imprescindível para utilização em experimentos que visam à identificação ou discriminação de significados de maior e menor ocorrência de homônimos.

CONCLUSÕES

A lista de homônimos elaborada resultou em 24 homônimos e imagens correspondentes a seus significados de maior ocorrência e menor ocorrência. A apresentação dos itens a escolares de 4o. e 5o. anos do ensino fundamental mostrou a adequação dos homônimos e das imagens selecionados. O material mostrou-se adequado ao reconhecimento dos escolares e indicou que tanto os homônimos quanto as imagens correspondentes podem ser utilizadas, para avaliações dessa faixa etária, em tarefas de priming semântico que investigam o acesso e a inibição de informações semânticas em tarefas de compreensão ou de outras tarefas de processamento linguístico que envolvam homônimos em Português Brasileiro.

REFERÊNCIAS

1 Oakhill J, Yuill N. Reading comprehension difficulties: processes and intervention. New Jersey: Routhledge; 1996. Higher order factors in comprehension disability: processes and remediation; p. 69-92.
2 Kintsch W. Comprehension: a paradigm for cognition. Cambridge: Cambridge University Press; 1998.
3 Perfetti CA. Reading ability: lexical quality to comprehension. Sci Stud Read. 2007;11(4):357-83. .
4 Verhoeven L, Perfetti CA. Introduction to this special issue: vocabulary growth and reading skill. Sci Stud Read. 2011;15(1):1-7. .
5 Elbro C, Buch-Iversen I. Busch-Iversen: activation of backgrpund knowledge for inference making: effects on Reading comprehension. Sci Stud Read. 2013;17(6):435-52. .
6 Caccamise D, Snyder L. Theory and pedagogical practices of text comprehension. Top Lang Disord. 2005;25(1):5-20. .
7 Mattoso Câmara J Jr. Dicionário de filologia e gramática. 3. ed. rev. aument. São Paulo: J. Ozon; 1968.
8 Bechara E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro, Lucerna; 2001.
9 Castilho AT. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo, Editora Contexto; 2010.
10 Cain K, Oakhill JV. Inference making ability and its relation to comprehension: an investigation of semantic and inhibitory déficits. Memory. 2009;14:553-69. PMid:16754241. .
11 Henderson L, Snowling M, Clarke P. Accessing, integrating, and inhibiting word meaning in poor comprehenders. Sci Stud Read. 2013;17(3):177-98. .
12 Amaral BR, Lima MLC. Efeitos contextuais no acesso lexical de palavras polissêmicas e homônimas. Letras de Hoje. 2013;48(1):29-39.
13 MacNamara TP. Semantic priming: perspectives from memory and word recognition. New York: Psychology Press; 2012. 200 p.
14 Nation K, Snowling MJ. Developmental differences in sensitivity to semantic relations among good and poor comprehenders: evidence from semantic priming. Cognition. 1999;70(1):1-13. PMid:10193058.
15 Gorfein DS. An activation-selection view of homograph disambiguation: a matter of emphasis? In: Gorfein DS, , editor. On the consequences of meaning selection. Washington: American Psychological Association; 2001. p. 105-117. .
16 Holderbaum CS. Efeitos de priming semântico em tarefas de decisão lexical com diferentes intervalos entre estimulos. [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Ferderal do Rio Grande do Sul; 2009.
17 Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Brasília: MEC/SEF; 1998.
18 Michaelis. Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos; 2000.
19 Soares Amora AA, Alves AT, editores. Minidicionário da língua portuguesa Soares Amora. 19. ed. São Paulo: Saraiva; 2013.
20 Rossi SG. Influência do priming semântico no acesso e inibição do significado de homônimos na compreensão leitora. [dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2015.
21 Noth W, Santaella L. Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras; 2009.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.