Exercício Melhora o Risco Cardiovascular, Aptidão Física e Qualidade de Vida em Crianças e Adolescentes Hiv+: Estudo Piloto

Exercício Melhora o Risco Cardiovascular, Aptidão Física e Qualidade de Vida em Crianças e Adolescentes Hiv+: Estudo Piloto

Autores:

Luiz Rodrigo Augustemak de Lima,
Isabela de Carlos Back,
Carmem Cristina Beck,
Bruno Caramelli

ARTIGO ORIGINAL

International Journal of Cardiovascular Sciences

versão impressa ISSN 2359-4802versão On-line ISSN 2359-5647

Int. J. Cardiovasc. Sci. vol.30 no.2 Rio de Janeiro mar./abr. 2017

http://dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20170032

Introdução

O exercício é um tratamento não farmacológico para adultos vivendo com o vírus da imunodeficiência humana (HIV), porque pode reduzir os sintomas associados ao HIV, anormalidades cardiovasculares, morfológicas, metabólicas e melhorar a aptidão física, ansiedade e depressão.1 Em crianças e adolescentes vivendo com o HIV, apenas um estudo demonstrou a viabilidade, segurança e eficácia de exercícios aeróbicos e resistidos para melhorar a força e a resistência musculares, a aptidão aeróbica e massa livre de gordura.2 Isso é importante porque a aptidão física está reduzida em várias condições patológicas pediátricas e pode estar associada à mortalidade prematura.3 No entanto, não se observou efeito nos níveis de lípides e as variáveis cardiovasculares não foram analisadas.2

Embora o efeito do exercício sobre a saúde de crianças e adolescentes seja evidente, a magnitude do efeito depende das características da intervenção (por exemplo, intensidade e volume das sessões) e do estado de saúde na intervenção basal (por exemplo, valores normais de perfil lipídico e cardiovascular).4 Já que a exposição a longo prazo à infecção pelo HIV e a terapia antirretroviral combinada (HAART) estão associadas à dislipidemia, resistência à insulina e inflamação de baixo grau que aumentam o risco de doenças cardiovasculares,5-7 o exercício poderia mitigar as condições desfavoráveis de crianças infectadas pelo HIV.

Esse estudo relata dados preliminares sobre o efeito de um programa de exercícios físicos lúdicos de curto prazo sobre fatores de risco cardiometabólicos, nosso desfecho primário. Aptidão física e qualidade de vida também foram analisados como desfechos secundários.

Métodos

Desenho do estudo e população de pacientes

O presente estudo é um ensaio clínico não randomizado, que avaliou uma amostra de crianças e adolescentes antes e após 8 semanas de exercícios aeróbicos e resistidos, realizados no segundo semestre de 2008 no Centro de Reabilitação de Florianópolis, Brasil. Esse estudo piloto foi realizado com 10 crianças e adolescentes infectados pelo HIV por transmissão de mãe para filho e acompanhados em hospital de referência para o tratamento de infecção pediátrica pelo HIV. Antes da inclusão, os pacientes foram avaliados quanto ao risco de exercício. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital (063/2007).

Intervenção

O programa consistiu em 24 sessões de exercícios, e cada sessão tinha a duração de 90 minutos. Houve um aumento gradual na duração dos exercícios aeróbicos e resistidos musculares de 40 para 60 minutos (a cada duas semanas). Foi adotado um intervalo de 48 horas entre sessões para recuperação. Cada sessão consistiu em atividades de aquecimento/alongamento (15 min), exercícios físicos lúdicos, aeróbicos e de resistência muscular, como dança e jogos recreativos e pré-esportivos (40-60 minutos), e desaquecimento (10 min). Foram selecionadas atividades lúdicas apropriadas para a idade dos pacientes. A maioria das atividades foi organizada em um sistema de circuito para permitir que a sessão fosse mais dinâmica. A intensidade de cada sessão foi monitorada através de um monitor de frequência cardíaca, permitindo assim determinar o tempo de exercício na zona alvo previamente calculada como 50-85% da frequência cardíaca de reserva.8

Desfecho

Foram medidos em jejum o colesterol total sérico, triglicérides, colesterol de lipoproteína de baixa densidade (HDL-c) e colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL-c), glicose e proteína C-reativa ultrassensível utilizando procedimentos padrão.5 A pressão arterial e a frequência cardíaca de repouso foram mensuradas como anteriormente descrito.5 A espessura íntima-média da artéria carótida comum direita (EIM-ACC) foi medida através do sistema Vivid i (GE, Horten, Noruega) com um transdutor linear de 12,5MHz. As três melhores imagens do segmento do bulbo carotídeo próximo à bifurcação foram analisadas.5

A aptidão física foi avaliada através do Fitnessgram®.9 A flexibilidade foi avaliada pelo teste de sentar e alcançar ("sit-and-reach"). A resistência muscular foi avaliada pelo teste de flexão abdominal e teste de flexão do braço. A aptidão aeróbica foi medida em um teste de esforço submáximo realizado em esteira e o pico do consumo de oxigênio foi estimado.10 As medidas antropométricas foram realizadas utilizando-se procedimentos padronizados.11 O índice de massa corporal, a razão tronco-extremidades das pregas cutâneas e a área do músculo do braço foram calculados. A qualidade de vida foi avaliada através do questionário "Autoquestionnaire Qualité de vie Enfant Imagé".12

Análise estatística

Utilizamos o teste de Shapiro-Wilks para verificar a distribuição gaussiana. As análises descritivas são apresentadas em média e desvio padrão aos dados antes e depois da intervenção. As diferenças depois - antes da intervenção (Δº) foram calculadas para descrever os efeitos. O teste t de Student pareado e o teste U de Mann-Whitney foram realizados, adotando-se um valor p ≤ 0,05 em análises bicaudais. As análises estatísticas foram realizadas utilizando-se os programas STATA 11.0 (Stata Corporation, College Station, TX, EUA) e GraphPad Prism 5.0 (GraphPad Software, Inc., San Diego, CA, EUA).

Resultados

A amostra incluiu nove meninas e um menino de 13,0 anos (intervalo interquartil [IIQ] = 11,5 a 15,5 anos); 4/10 participantes eram brancos e 6/10 estavam em estágios moderados a graves da infecção pelo HIV. Metade dos participantes usavam inibidores de protease, 8/10 usavam inibidores da transcriptase reversa nucleosídeos (NRTI) e inibidores da transcriptase reversa não-nucleosídeos (NNRTI), e 2/10 estavam em HAART. A mediana da contagem de linfócitos T CD4+ foi de 722,0 células.mL-1 (IIQ = 647,5 e 914,2) e a mediana da carga viral foi de 17.750 cópias.mL-1 (IQR = 368 e 26,000). Oito dos 10 indivíduos eram púberes, um era pré-púberes e o outro era pós-púbere. A Figura 1 mostra o tempo gasto na zona de frequência cardíaca-alvo (50-85%) durante cada sessão.

Figura 1 Mediana do tempo na zona de frequência cardíaca-alvo durante as sessões de exercício. 

A Tabela 1 mostra as alterações nos desfechos após o programa de exercícios. Observou-se redução na pressão arterial sistólica (6,6%) e na EIM-ACC (12,2%) e aumento da resistência muscular (63,5%), flexibilidade (26,0%) e qualidade de vida (27,5%). A contagem de linfócitos T CD4 + e a carga viral permaneceram inalteradas após a intervenção. Não houve abandono do programa de exercícios ou intercorrências durante o programa.

Tabela 1 Desfechos cardiometabólicos, de aptidão e qualidade de vida em crianças e adolescentes que vivem com o HIV submetidos ao programa de exercícios (n = 10) 

Desfechos Pré- Intervenção Pós- Intervenção Δ° Valor de p
Média (desvio-padrão)
Morfológicos
Massa corporal (kg) 43,8 (12,9) 44,3 (12,8) +0,5 0,070 a
IMC (kg.est-2) 18,9 (3,2) 19,0 (3,2) +0,1 0,267 a
DC tricipital. (mm) 11,6 (4,7) 12,2 (5,6) +0,7 0,142 a
DC subescapular (mm) 11,2 (10,6) 11,3 (10,3) +0,1 0,918 b
DC bicipital (mm) 4,8 (2,4) 5,5 (3,5) +0,7 0,307 a
DC supra-ilíaca (mm) 20,8 (12,3) 20,9 (11,3) +0,9 0,933 a
ΣDC (mm) 48,4 (26,4) 50,0 (27,3) +1,6 0,292 a
Circunferência abdominal (cm) 62,0 (21,4) 68,2 (9,9) +6,2 0,878 b
RTE (s/u) 1,84 (0,7) 1,78 (0,7) -0,06 0,646 b
AMB (cm2) 28,3 (9,4) 28,2 (8,0) -0,1 0,910 a
Metabólicos e inflamatórios
Colesterol Total (mg.dL-1) 164,1 (22,1) 162,3 (28,8) -1,8 0,822 a
Triglicérides (mg.dL-1) 137,3 (46,7) 141,5 (45,3) +4,2 0,641 a
HDL-c (mg.dL-1) 53,6 (9,3) 46,6 (9,7) -7,0 0,019 a
LDL-c (mg.dL-1) 83,0 (13,7) 87,6 (22,8) +4,6 0,445 a
VLDL (mg.dL-1) 27,5 (9,3) 28,3 (9,0) +0,8 0,641 a
Glicose (mg.dL-1) 80,4 (8,5) 83,9 (8,9) +3,5 0,260 b
Proteína C-reativa (mg.L-1) 3,5 (6,9) 2,7 (3,2) -0,8 0,444 b
Cardiovasculares
PA Sistólica (mmHg) 102,6 (10,8) 95,8 (10,8) -6,8 0,002 b
PA Diastólica (mmHg) 62,2 (8,9) 58,8 (6,7) -3,4 0,120 a
FCrep (bpm) 77,2 (15,1) 72,1 (19,6) -5,1 0,427 a
EIM-ACC (µm) 493,2 (20,8) 432,3 (60,5) -60,0 0,005 b
Aptidão física
RMMMSS (rep.min-1) 5,2 (3,4) 8,5 (3,6) +3,3 0,002 a
RMab (rep.min-1) 21,4 (10,8) 25,8 (9,6) +4,4 0,137 a
Flexibilidade (cm) 21,9 (9,8) 27,6 (11,7) +5,7 0,001 a
Pico de VO2 estimado (ml.kg-1.min-1) 41,9 (11,3) 41,2 (12,5) +0,3 0,508 b
Qualidade de Vida
Escore de Qualidade de Vida (escore) 37,80 (14,2) 48,20 (11,4) +10,4 0,003 a

IMC: índice de massa corporal; DC: dobra cutânea; RTE: razão tronco-extremidades; AMB: área muscular do braço; HDL-c: colesterol de lipoproteína de alta densidade; LDL-c: colesterol de lipoproteína de baixa densidade; VLDL: lipoproteinas de muito baixa densidade; PA: pressão arterial; FCrep: frequência cardíaca de repouso; EIM-ACC: espessura intima-média carotídea; RMMMSS: resistência muscular de membros superiores; RMab: resistência muscular do abdômen; VO2: consumo de oxigênio.

ateste T pareado de Student;

bteste U de Mann-Whitney.

Discussão

Esse estudo demonstrou um efeito positivo de 24 sessões de um programa de exercícios físicos lúdicos sobre a pressão arterial sistólica, EIM-ACC, resistência muscular dos membros superiores, flexibilidade e qualidade de vida em crianças e adolescentes vivendo com o HIV. Que seja de nosso conhecimento, esse é o primeiro estudo que demonstra mudanças na estrutura endotelial após um programa de intervenção de exercícios. Embora preliminares, esses resultados destacam a importância do exercício como terapia não-farmacológica para crianças e adolescentes vivendo com o HIV.

A EIM-ACC é uma medida de desfecho substituto para a aterosclerose e mostrou-se aumentada em vários estudos sobre o HIV pediátrico.5-7 O aumento da EIM-ACC tem sido associado a níveis elevados de hipertensão arterial e proteína C-reativa,7 insulina e hemoglobina glicosilada,6 sintomas graves de infecção pelo HIV e uso de inibidores de protease,13 exposição prolongada à HAART,14-16 aumento da dobra cutânea supra-ilíaca, uso de estavudina e baixa contagem de linfócitos T CD4+.5,15,17 Embora não tenham sido observados alterações nos fatores de risco cardiovasculares tradicionais após a intervenção, exceto pela redução da pressão arterial sistólica, a diminuição da EIM-ACC sugere regressão da formação de placa aterosclerótica.

Estudos observacionais prospectivos demonstraram uma associação entre redução da EIM carotídea e aórtica e aumento da atividade física de lazer18 e aptidão aeróbica,19 respectivamente, em adolescentes saudáveis finlandeses. Nossos dados corroboram os achados de um estudo de intervenção envolvendo crianças obesas, nas quais foi observada redução da EIM-ACC após 12 semanas de exercício, mesmo na ausência de alterações significativas nos níveis de proteína C-reativa ou triglicérides.20

A redução da EIM-ACC após o exercício pode ser explicada por mecanismos hemodinâmicos, antioxidantes e antiaterogênicos (por ex., resistência física alterada, supra-regulação da eNOS vascular e da expressão da superóxido dismutase, infra-regulação da expressão da P-selectina, V-CAM e MCP-1), já que maioria dessas mudanças ocorrem após 4 semanas de treinamento.21 Da mesma forma, levantamos a hipótese de que a regressão da EIM ocorreu rapidamente devido à plasticidade do tecido cardiovascular durante o período puberal, à hipoatividade vista em doenças crônicas,3 ou a um "cenário menos favorável" como a infecção pediátrica pelo HIV. Além disso, a diminuição da pressão arterial sistólica observada em nossa amostra representa a atenuação de um fator de risco cardiovascular associado à EIM-ACC.18 Observamos uma diminuição de 13% no HDL-colesterol; porém, o tempo de observação do estudo foi muito curto para verificar um benefício do exercício.

Níveis satisfatórios de resistência muscular e flexibilidade são importantes porque refletem a capacidade funcional do organismo. Em contraste, os baixos níveis de aptidão física podem restringir a participação em esportes e atividades físicas diárias, como resultado de limitações reais ou percebidas e são até mesmo preditivos de morbidade e mortalidade.3 Assim, o estado patológico pode causar hipoatividade, o que reduz a aptidão física e a capacidade funcional, levando à maior hipoatividade.3 De acordo com Miller et al.,2 nossos achados mostraram que os exercícios são eficazes no aumento dos níveis de resistência muscular dos membros superiores e na flexibilidade da coluna lombar e dos músculos isquiotibiais. No contexto do HIV pediátrico, há necessidade de intervenções destinadas a melhorar a aptidão física devido à baixa capacidade aeróbica,22,23 flexibilidade,23 potência anaeróbica,24 agilidade e força dos membros inferiores.23

As intervenções com exercícios também podem melhorar a qualidade de vida em indivíduos infectados pelo HIV. Isso foi demonstrado em nosso estudo e corrobora outras investigações envolvendo adultos vivendo com o HIV.1 As intervenções devem incluir atividades lúdicas e divertidas e satisfazer as prioridades da infância e da adolescência. Por exemplo, as crianças precisam se concentrar no desenvolvimento de habilidades motoras, enquanto os adolescentes podem explorar os componentes comportamentais de saúde, aptidão física e atividade física.

Conclusões

Com base em nossos dados preliminares, concluímos que 24 sessões de exercícios aeróbicos e resistidos foram bem-sucedidos em reduzir a pressão arterial e a EIM-ACC e na melhora da resistência muscular, flexibilidade e qualidade de vida em crianças e adolescentes vivendo com o HIV. Estudos futuros com amostras maiores, utilizando intervenções de longo prazo, são necessários para apoiar nossos achados e também poderiam explorar os efeitos dos exercícios em biomarcadores metabólicos e inflamatórios.

REFERÊNCIAS

1 O'Brien KK, Tynan AM, Nixon SA, Glazier RH. Effectiveness of aerobic exercise for adults living with HIV: systematic review and meta-analysis using the Cochrane Collaboration protocol. BMC Infect Dis. 2016;16:182.
2 Miller TL, Somarriba G, Kinnamon DD, Weinberg GA, Friedman LB, Scott GB. The effect of a structured exercise program on nutrition and fitness outcomes in human immunodeficiency virus-infected children. AIDS Res Hum Retroviruses. 2010 Mar;26(3):313-9
3 van Brussel M, van der Net J, Hulzebos E, Helders PJ, Takken T. The Utrecht approach to exercise in chronic childhood conditions: the decade in review. Pediatr Phys Ther. 2011;23(1):2-14.
4 Janssen I, Leblanc AG. Systematic review of the health benefits of physical activity and fitness in school-aged children and youth. Int J Behav Nutr Phys Act. 2010;7:40.
5 Giuliano Ide C, de Freitas SF, de Souza M, Caramelli B. Subclinic atherosclerosis and cardiovascular risk factors in HIV-infected children: PERI study. Coron Artery Dis. 2008;19(3):167-72.
6 Di Biagio A, Rosso R, Maggi P, Mazzei D, Bernardini C, Nulvesu L, et al. Inflammation markers correlate with common carotid intima-media thickness in patients perinatally infected with human immunodeficiency virus 1. J Ultrasound Med. 2013;32(5):763-8.
7 Ross AC, O'Riordan MA, Storer N, Dogra V, McComsey GA. Heightened inflammation is linked to carotid intima-media thickness and endothelial activation in HIV-infected children. Atherosclerosis. 2010;211(2):492-8.
8 Pescatello L; American College of Sports Medicine. ACSM's guidelines for exercise testing and prescription. 9th ed. Philadelphia: Wolters Kluwer / Lippincott Williams & Wilkins; 2014.
9 Plowman SA, Meredith MD. Fitnessgram®/Activitygram: reference guide. 4th ed. Dallas (Texas): The Cooper Institute; 2013.
10 Golding LA, Myers CR, Sinning WE. Y's way to physical fitness: the complete guide to fitness testing and instruction. 3rd ed. chicago (IL). YMCA of the USA by Human Kinetics publishers; 1989.
11 Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign (IL): Human Kinetics Books; 1991.
12 Assumpção Jr FB, Kuczynski E, Sprovieri MH, Aranha EMG. Escala de avaliação de qualidade de vida: (AUQEI - Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé) validade e confiabilidade de uma escala para qualidade de vida em crianças de 4 a 12 anos. Arq Neuropsiquiatr. 2000;58(1):119-27.
13 Charakida M, Donald AE, Green H, Storry C, Clapson M, Caslake M, et al. Early structural and functional changes of the vasculature in HIV-infected children: impact of disease and antiretroviral therapy. Circulation. 2005;112(1):103-9.
14 Vigano A, Bedogni G, Cerini C, Meroni L, Giacomet V, Stucchi S, et al. Both HIV-infection and long-term antiretroviral therapy are associated with increased common carotid intima-media thickness in HIV-infected adolescents and young adults. Curr HIV Res. 2010;8(5):411-7.
15 Ross AC, Storer N, O'Riordan MA, Dogra V, McComsey GA. Longitudinal changes in carotid intima-media thickness and cardiovascular risk factors in human immunodeficiency virus-infected children and young adults compared with healthy controls. Pediatr Infect Dis J. 2010;29(7):634-8.
16 McComsey GA, O'Riordan M, Hazen SL, El-Bejjani D, Bhatt S, Brennan ML, et al. Increased carotid intima media thickness and cardiac biomarkers in HIV infected children. AIDS. 2007;21(8):921-7.
17 Sainz T, Alvarez-Fuente M, Navarro ML, Diaz L, Rojo P, Blazquez D, et al; Madrid Cohort of HIV-infected children and adolescents integrated in the Pediatric branch of the Spanish National AIDS Network (CoRISPE) . Subclinical atherosclerosis and markers of immune activation in HIV-infected children and adolescents: the CaroVIH Study. J Acquir Immune Defic Syndr. 2014;65(1):42-9.
18 Pahkala K, Heinonen OJ, Simell O, Viikari JS, Ronnemaa T, Niinikoski H, et al. Association of physical activity with vascular endothelial function and intima-media thickness. Circulation. 2011;124(18):1956-63.
19 Pahkala K, Laitinen TT, Heinonen OJ, Viikari JS, Ronnemaa T, Niinikoski H, et al. Association of fitness with vascular intima-media thickness and elasticity in adolescence. Pediatrics. 2013;132(1):e77-84.
20 Poeta LS, Duarte MF, Caramelli B, Jorge M, Giuliano IC. Efeitos do exercício físico e da orientação nutricional no perfil de risco cardiovascular de crianças obesas. Rev Assoc Med Bras. 2013;59:56-63.
21 Kojda G, Hambrecht R. Molecular mechanisms of vascular adaptations to exercise. Physical activity as an effective antioxidant therapy? Cardiovasc Res. 2005;67(2):187-97.
22 Cade WT, Peralta L, Keyser RE. Aerobic capacity in late adolescents infected with HIV and controls. Pediatr Rehabil. 2002;5(3):161-9.
23 Somarriba G, Lopez-Mitnik G, Ludwig DA, Neri D, Schaefer N, Lipshultz SE, et al. Physical fitness in children infected with the human immunodeficiency virus: associations with highly active antiretroviral therapy. AIDS Res Hum Retroviruses. 2012;29(1):112-20.
24 Ramos E, Guttierrez-Teissoonniere S, Conde JG, Baez-Cordova JA, Guzman-Villar B, Lopategui-Corsino E, et al. Anaerobic power and muscle strength in human immunodeficiency virus-positive preadolescents. PM R. 2012;4(3):171-5.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.