Germinação de sementes de azedinha (Oxalis hirsutissima), espécie medicinal de Mato Grosso, Brasil

Germinação de sementes de azedinha (Oxalis hirsutissima), espécie medicinal de Mato Grosso, Brasil

Autores:

Maria de Fátima B. COELHO,
Maria Cristina de F. ALBUQUERQUE,
Jefferson Luis D. DOMBROSKI

ARTIGO ORIGINAL

Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967On-line version ISSN 1809-4392

Acta Amaz. vol.30 no.1 Manaus Jan./Mar. 2000

https://doi.org/10.1590/1809-43922000301008

RESUMO

Sementes de azedinha (Oxalis hirsutissima Mart. & Zuc.) apresentam um baixo percentual de germinação, dificultando a propagação dessa espécie medicinal, tão utilizada pelas populações tradicionais da região contra as inflamações oculares. Sementes coletadas de uma população nativa em Poconé, no Estado de Mato Grosso, foram submetidas a dois ensaios de quebra de dormência. No primeiro foram usados 12 tratamentos: pré-embebição em água por 24, 36, 48, 69 e 96 horas, imersão em acetona por 10 e 40 minutos, imersão em ácido clorídrico por 10 e 40 segundos, imersão em álcool etílico 96° por 10 e 40 segundos, e sem pré-tratamento. No segundo ensaio foram usados 14 tratamentos: imersão em água quente (70 ºC) por 20, 40, 60 e 300 segundos; em água muito quente (85 ºC) por 20, 40, 120 e 300 segundos, em água fervendo (100 °C) por 10, 20,40, 120 e 300 segundos, e sem pré-tratamento. A imersão em ácido clorídrico por 40 segundos diferiu estatisticamente dos demais, e mesmo assim a porcentagem de germinação foi baixa (47%). A imersão em água quente (70 ºC) por 300 segundos e em água muito quente (85 ºC) por 40 segundos mostraram os melhores resultados, com 89 e 92% de germinação, respectivamente. A água fervendo (100 ºC) por 300 segundos reduziu a percentagem de germinação a 4%.

Palavras-Chave: dormência; pré-germinação; planta medicinal

ABSTRACT

The germination of Oxalis hirsutissima Mart. & Zuc. seeds is frequently low, making difficult the propagation of this important medicinal plant, widely used by local people for eye inflammations. Seeds of a wild population of the plant were collected in Poconé, Mato Grosso, Brazil, and tested in two different experiments to break dormancy. In the first experiment 12 treatments were used: imbibition in water for 24, 36, 48, 69, and 96 hours, immersion in acetone for 10 and 40 minutes, immersion in hydrochloric acid for 10 and 40 minutes, immersion in alcohol 96° for 10 and 40 minutes, and no treatment. In the second experiment 14 treatments were used: immersion in warm water (70 °C) for 20, 40, 60 and 300 seconds, in hot water (85 °C) for 20, 40, 120 and 300 seconds, in boiling water (100 °C) for 10, 20, 40, 120 and 300 seconds, and no treatment. Immersion in hydrochloric acid for 40 seconds was statistically different from the others, although the germination percentual was still low (47%). Immersion in warm water (70 ºC) for 300 seconds and hot water (85 ºC) for 40 seconds showed the best results, with 89% and 92% of germination, respectively. 100 ºC for 300 seconds reduced germination to 4%.

Key words: dormancy; pre-germination; medicinal plant

Texto disponível apenas em PDF
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.