Horsdal M. Telling lives: exploring dimensions of narratives. USA: Routledge; 2012.

Horsdal M. Telling lives: exploring dimensions of narratives. USA: Routledge; 2012.

Autores:

Pamela Siegel,
Nelson Filice de Barros

ARTIGO ORIGINAL

Interface - Comunicação, Saúde, Educação

versão On-line ISSN 1807-5762

Interface (Botucatu) vol.18 no.51 Botucatu out./dez. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.1032

Por que as narrativas de vida são importantes

Germano e Castro1 afirmam que subjetividades são construídas na prática discursiva cotidiana e que as narrativas podem ser abordadas de diferentes perspectivas, sobretudo no campo da experiência da saúde/doença. Segundo Schütze2, o trabalho biográfico é basicamente uma atividade interna da mente e da psique emocional, atividade essa essencialmente constituída pela conversação com outros significantes e si mesmo. Um dos usos das narrativas pode ser considerado filosófico e metodológico, cujo propósito está focado naquilo que a narrativa pode contribuir para um conhecimento mais profundo da experiência individual e grupal3.

Nesta mesma linha de raciocínio apresentamos o trabalho de Horsdal4, docente em pesquisa da educação na University of Southern Denmark, denominado Telling Lives. Exploring dimensions of narratives. Com 176 páginas, o livro está distribuído em 13 capítulos. Segundo a própria narrativa da autora, na infância ela morou numa casa com um sótão, que continha caixas e baús repletos de fragmentos de vidas, objetos, textos e livros. Foi explorando esses materiais que ela imaginava as estórias que poderiam estar por trás dos objetos. A partir de 1989 começou a colecionar e escrever histórias de vida, quando já tinha familiaridade com a teoria narrativa, adquirida no Departamento de Literatura.

Nos capítulos 1 e 2, expõe a autora expõe a articulação existente entre a trama da narrativa e o fator tempo. Toda trama tem um começo, meio e fim, mas pode começar a ser contada a partir de um ponto qualquer da trajetória. Fisicamente, todo ser humano percorre um caminho único no tempo e no espaço desde a infância até o final da vida. O ponto mais importante da trama na narrativa é a configuração do sentido da nossa participação nas comunidades e a trajetória entre elas, pois as histórias podem nos elevar acima da perspectiva do aqui e agora e tornar possível a transmissão cultural, proporcionando uma identificação com experiências de outros lugares e tempos.

A identificação dos elementos da “gramática narrativa” é o tema do capítulo 3. Basicamente, toda narrativa contém: uma estrutura temporal; inferencial, uma inferência causal, informacional e avaliativa. As narrativas são criadas e compreendidas de diferentes perspectivas culturais, sociais e históricas. Histórias de experiências pessoais podem ser contadas, assim como a ficção, como dramas heroicos, tragédias, comédias, contos de fadas, anedotas, ou mesmo justificativas retóricas. A autora chama a atenção, também, para a interação entre os parceiros da interlocução e a co-construção do sentido.

Nos capítulos 4 a 7, transporta o leitor para um universo de conceitos como plasticidade cerebral, memória, interações, simbolização e competência narrativa. Esta última é composta de 16 itens que a autora conseguiu identificar ao longo de uma década de pesquisa e que envolvem desde a capacidade de articulação até a habilidade analítica.

No capítulo 8 explica que, entre os projetos dos quais participou, a principal aplicação da pesquisa em narrativas foi na melhoria do entendimento intercultural. Aborda questões como o número de entrevistas; a utilidade da entrevista piloto; o uso de métodos como a bola de neve ou anúncios pedindo entrevistados; o primeiro contato; o local deste contato; a importância de não interromper o entrevistado durante a entrevista, mas deixar algumas perguntas para o final e o registro das narrativas.

Nos capítulos 9 a 13 a autora abrange temas como interpretação e análise das narrativas de vida; identidade cultural; identidade pessoal; cidadania ativa e aprendizado biográfico; perspectivas educativas e comentários finais.

Os pontos mais importantes a serem levados em consideração na análise das narrativas são: 1) a entrevista é realizada num determinado ponto do tempo dentro de um contexto de um determinado projeto, o que obviamente determina a análise do material; 2) a atual situação de vida do pesquisador pode influenciar sua compreensão da entrevista; 3) o contexto macrossocial também influencia; 4) narrativas coletivas e culturais influenciam as suposições básicas e o entendimento implícito do pesquisador; 5) a competência analítica e a experiência do pesquisador e seu “repertório narrativo” influenciam a pesquisa.

A autora encerra o livro declarando que a aquisição da competência narrativa em espaços culturais diferentes, abertos a negociações, pode estimular a plasticidade e complexidade cerebral e nos ajudar a compreender que estamos todos interligados, que somos interdependentes e, ao mesmo tempo, iguais e insubstituíveis. E também nos ajuda a melhorar a forma com que respondemos ao comportamento do outro e de outras criaturas vivas, no nosso mundo. Enfim, as narrativas são a forma de dar voz a todos, independentemente do entrevistado considerar a sua narrativa importante ou não.

Consideramos o livro uma ferramenta de grande utilidade para os alunos, professores e pesquisadores que almejam trabalhar com pesquisa social, educação e saúde, sobretudo, porque as narrativas podem ser usadas em projetos de educação para a cidadania democrática, trabalhando com assuntos complexos como autoexpressão, diálogo intercultural, pertença e inclusividade, sensibilidade, empoderamento, conhecimento, valores e atitudes.

REFERÊNCIAS

. Germano I, Castro CA. Pesquisa em saúde: perspectivas narrativistas, métodos e níveis de análise. Psicol Argum. 2010; 28(60):17-29.
. Schütze F. Biography analysis on the empirical base of autobiographical narratives: how to analyse autobiographical narrative interviews – part I. Module B.2.1.INVITE – Biographical counseling in rehabilitative vocational training – further education curriculum; 2007 [acesso 2013 Jul 17). Disponível em:
. Lieblich A, Tuval-mashiach R, Zilber T. Narrative research: Reading, analysis and interpretation. California: Sage; 1998.
. Horsdal M. Telling lives: exploring dimensions of narratives. London: Routledge; 2012.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.