Impacto do Implante da Válvula Aórtica Transcateter na Função Renal: A Interação “Renovalvular” na Estenose Aórtica

Impacto do Implante da Válvula Aórtica Transcateter na Função Renal: A Interação “Renovalvular” na Estenose Aórtica

Autores:

Antonio de Santis

ARTIGO ORIGINAL

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782Xversão On-line ISSN 1678-4170

Arq. Bras. Cardiol. vol.113 no.6 São Paulo dez. 2019 Epub 02-Dez-2019

https://doi.org/10.36660/abc.20190753

O advento da congestão renal na insuficiência cardíaca foi descrito pela primeira vez por Frédéric Justin Collet (1870-1966), um patologista francês que descobriu a noção de congestão renal passiva relacionada à disfunção cardíaca, criando o termo revelador "rein cardiaque" no início de 1900.1 O termo ‘síndrome cardiorrenal’ surgiu em uma conferência do National Heart, Lung, and Blood Institute Working GrouP de 2004, avaliando as complexas interações entre coração e rim.2 Os principais mecanismos fisiopatológicos relacionados a essa condição são o aumento das pressões venosas centrais e intra-abdominais; débito cardíaco e índice cardíaco reduzidos; desregulação neuro-hormonal; estresse oxidativo e mediadores inflamatórios.3 A estenose aórtica (EA) degenerativa representa uma das doenças cardíacas valvares mais prevalentes e uma causa importante de insuficiência cardíaca, tendo forte correlação com o processo do envelhecimento. A combinação de aterosclerose, biomineralização e estresse oxidativo leva à deposição de cálcio nos folhetos valvares.4 A interação “renovalvular” na EA pode representar um caminho de mão dupla, de uma perspectiva fisiopatológica. Por um lado, a EA pode prejudicar a função renal pela hipoperfusão arterial e congestão venosa sistêmica. Por outro lado, a doença renal crônica (DRC) também é um importante fator de risco para EA, devido à calcificação maciça e agressiva dos folhetos, imposta principalmente por desequilíbrios na homeostase do cálcio e fósforo.5

Para pacientes com EA submetidos à substituição da válvula aórtica (SVA) cirúrgica convencional, há um aumento nas taxas de complicações, como sangramento maior e reoperação, em comparação com pacientes com função renal moderadamente reduzida (taxa de filtração glomerular estimada [TFGe] entre 30-60 mL/min/1,73 m2) versus aqueles sem doença renal.6 A mortalidade após a SVA cirúrgica também aumenta com o agravamento da TFG.7

O desenvolvimento da substituição da válvula aórtica transcateter (TAVR, sigla do inglês transcatheter aortic valve replacement) para o tratamento da EA trouxe esperança para um grupo de pacientes sem perspectiva terapêutica efetiva devido ao seu perfil clínico, caracterizado pela presença de fragilidade clínica e múltiplas comorbidades, impossibilitando a SVA cirúrgica.8 Nesse cenário, a TAVR representa uma alternativa terapêutica potencialmente menos invasiva para pacientes com EA e DRC. Alguns estudos anteriores avaliaram o impacto clínico da TAVR em pacientes com DRC. No clássico estudo PARTNER, houve uma mortalidade de 34,4% em 1 ano para pacientes com DRC grave.9 Para pacientes em tratamento dialítico e TAVR, também houve uma maior taxa de mortalidade e sangramento maior.10 Além disso, a ocorrência de lesão renal aguda no período peri-procedimento da TAVR também está associada a prognósticos ruins.11 Por outro lado, alguns estudos anteriores demonstram um impacto positivo da TAVR na função renal, principalmente em pacientes com DRC moderada a grave, com recuperação significativa da TFGe, possivelmente relacionada à melhora do débito cardíaco e redução da congestão venosa sistêmica.12-14

De maneira promissora, o presente estudo realizado por Calça et al.,15 fornece dados adicionais sobre o impacto positivo da TAVR na função renal. Através de um estudo retrospectivo e unicêntrico, 233 pacientes com EA submetidos a TAVR foram estratificados em 3 grupos de acordo com a TFGe basal (mL/min/1,73 m2): grupo 1 (TFGe > 60), grupo 2 (30 ≤ TFGe < 60) e grupo 3 (TFGe < 30). A função renal foi reavaliada novamente um mês e um ano após a TAVR. Os autores observaram uma melhora significativa na TFGe em pacientes com DRC moderada (grupo 2) a grave (grupo 3) (cerca de 15,6% em um ano; cerca de 58,6% em um ano, respectivamente). Por outro lado, os pacientes do grupo 1 apresentaram um declínio progressivo na TFGe um ano após o procedimento de TAVR (P < 0,001 vs. pré-TAVR). No entanto, houve uma baixa incidência de terapia dialítica em um ano (2,4%). As possíveis razões consideradas pelos autores para esse agravamento da TFGe no grupo 1 foram o maior uso de contraste iodado nesse grupo (65% dos pacientes) e o uso de bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores da enzima de conversão da angiotensina no período pós-procedimento. A análise de regressão logística multivariada identificou que o uso de contraste iodado foi um preditor independente de agravamento da função renal, não relacionado ao volume de contraste utilizado.

Apesar de suas limitações inerentes (centro único, estudo retrospectivo e observacional), o estudo de Calça et al.15 traz uma luz promissora sobre o impacto da TAVR na função renal em pacientes com DRC moderada a grave. Essa disfunção renal pré-procedimento pode não ser um questão de exclusão para a TAVR, dada a possibilidade de melhora a curto e médio prazo. Futuros estudos randomizados, multicêntricos, com um controle do tipo de contraste mais rigoroso e acompanhamento mais longo, são necessários para uma conclusão definitiva.

REFERÊNCIAS

1 Collet FJ. Précis de pathologie interne. Paris: Gaston Doin & Cie;1930. P . 653-667.
2 Cardio-Renal Connections in Heart Failure and Cardiovascular Disease. Bethesda: National Heart, Lung, and Blood Institute (NHLBI); 2004.
3 Kumar U, Wettersten N, Garimella PS. Cardiorenal Syndrome: Pathophysiology. Cardiol Clin. 2019;37(3):251-65.
4 Liberman M, Bassi E, Martinatti MK, Lario FC, Wosniak J Jr, Pomerantzeff PM, Laurindo FR. Oxidant generation predominates around calcifying foci and enhances progression of aortic valve calcification. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2008;2(3):463-70.
5 Ternacle J, Côté N, Krapf L, Nguyen A, Clavel MA, Pibarot P . Chronic kidney disease and the pathophysiology of valvular heart disease. Can J Cardiol.2019;35(9):1195-207.
6 Aljohani S, Alqahtani F, Almustafa A, Boobes K, Modi S, AlkhouLI M. Trends and outcomes of aortic valve replacement in patients with end-stage renal disease on hemodialysis. Am J Cardiol. 2017;120(9):1626-32.
7 Thourani VH, Forcillo J, Beohar N, Doshi D, Parvataneni R, Ayele GM, et al. Impact of preoperative chronic kidney disease in 2,531 high-risk and inoperable patients undergoing transcatheter aortic valve replacement in the PARTNER Trial. Ann Thorac Surg. 2016;102(4):1172-80.
8 Leon MB, Smith CR, Mack M, Miller DC, Moses JW, Svensson LG, et al. Transcatheter Aortic-Valve Implantation for Aortic Stenosis in Patients Who Cannot Undergo Surgery. N Engl J Med. 2010;363(17):1597-607.
9 Glaser N, Jackson V, Holzmann MJ. Late survival after aortic valve replacement in patients with moderately reduced kidney function. J Am Heart Assoc. 2016;5(12):pii e004287.
10 SzerliP MZ, Zajarias A, VemalapalLI S, Brennan M, Dai D, Maniar H, et al. Transcatheter aortic valve replacement in patients with end-stage renal disease. J Am Coll Cardiol. 2019;73(22):2806-15.
11 Elhmidi Y, Bleiziffer S, Deutsch MA,Krane M, MazzitelLI D, Piazza N. Acute kidney injury after transcatheter aortic valve implantation: incidence, predictors and impact on mortality. Arch Cardiovasc Dis. 2014;107(2):133-9.
12 Faillace BLR, Ribeiro HB, Campos CM, Truffa AAM, Bernardi FL, Oliveira MDP , et al. Potential of transcatheter aortic valve replacement to improve post-procedure renal function. Cardiovasc Revascularization Med. 2017;18(7):507-11.
13 Azarbal A, Malenka DJ, Huang Y-L, Ross CS, Solomon RJ, DeVries JT, et al. Recovery of kidney disfunction after transcatheter aortic valve implantation (from the Northern New England Cardiovascular Disease Study GrouP ). Am J Cardiol. 2018;123(1):426-33.
14 Najjar M, Yerebakan H, Sorabella RA, Guglielmetti L, Vandenberge J, Kurlansky P , et al. Reversibility of chronic kidney disease and outcomes following aortic valve replacement. Interact Cardiovasc Thorac Surg. 2015;21(4):499-505.
15 Calça R, Teles RC, Branco P , Gaspar A, Brito J, Nolasco T et al. Impact of Transcatheter Aortic Valve Implantation on Kidney Function. Arq Bras Cardiol. 2019; 113(6):1104-1111
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.