Ingestão e hábitos alimentares de pré-escolares de três capitais da Amazônia Ocidental Brasileira: um enfoque especial à ingestão de Vitamina A

Ingestão e hábitos alimentares de pré-escolares de três capitais da Amazônia Ocidental Brasileira: um enfoque especial à ingestão de Vitamina A

Autores:

Helyde Albuquerque MARINHO,
Maria José RONCADA

ARTIGO ORIGINAL

Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967

Acta Amaz. vol.33 no.2 Manaus Apr./June 2003

https://doi.org/10.1590/1809-4392200332274

RESUMO

Com objetivo de avaliar o consumo de energia, vitamina A, zinco e proteínas, bem como os hábitos alimentares de pré-escolares das capitais de Roraima (Boa Vista),Amazonas (Manaus) e Rondônia (Porto Velho) foi realizado um inquérito alimentar em 54, 238 e 78 crianças de ambos os sexos (sub-amostra de inquérito nutricional mais abrangente),respectivamente, em creches e pré-escolas, mediante os métodos recordatório de 24 horas e de freqüência de consumo de alguns alimentos fontes de vitamina A, em entrevista com a mãe ou responsável pela criança. Os resultados mostram que os alimentos mais consumidos foram pão, bolacha e biscoito, com 98,3%, seguidos pelo açúcar (95,1%), arroz (92,4%), óleo vegetal (86,0), farinha de mandioca (77,4%), tomate (70,1%) e café (69,5%). O consumo de alimentos de origem animal foi responsável por quase dois terços do total ingerido de vitamina A. Quanto à distribuição dos alimentos fontes de vitamina A, observou-se semelhança do seu consumo nas três cidades estudadas. O percentual de adequação de consumo evidenciou que a proteína foi o único nutriente consumido em níveis superiores à recomendação da "National Research Council", enquanto o aporte dietético de vitamina A foi de 84,0%, 68,4% e 63,8%, em Boa Vista, Manaus e Porto Velho, respectivamente, com inadequação, inclusive, para energia e zinco. Observou-se um padrão alimentar monótono e limitado, com baixo consumo de fontes de vitamina A pré-formada, de hortaliças e de frutas fontes de carotenóides pró-vitamínicos A típicos da Região Amazônica, como buriti, tucumã, pupunha e manga, quase todas sazonais, que não estavam na sua época por ocasião do inquérito.

Palavras-Chave: Vitamina A; Avaliação dietética; Deficiência de vitamina A

ABSTRACT

The objective of this study was to evaluate the intake of energy, vitamin A, zinc and protein, as well as food habits of 54, 238 and 78 pre-school children of both sexes, 3 to 6 years old, (wide hange of subsample of inquiry including nutritional), in the capitals of Roraima (Boa Vista),Amazonas (Manaus) and Rondônia (Porto Velho), respectively. Dietary assessments were performed with the parents or someone responsible for the child, using the 24 hour recall and food frequency questionnaire methods. Our results showed that bread, crackers and cookies were the most consumed foods (98,3%), followed by sugar (95,1%), rice (92,4%), vegetable oil (86,0), manioc flour (77,4%), tomato (70,1%) and coffee (69,5%).The intake of animal products was responsible for almost 2/3 of the total intake of vitamin A. The pattern of vitamin A sources consumption among the three cities was similar. Protein was the only nutrient in which the intake exceeded the recommendation, whereas zinc and energy intake were inadequate. Additionally, the consumption of vitamin A was, respectively, 84,0%, 68,4% and 63,8% in Boa Vista, Manaus and Porto Velho, of the recommended values. A monotonous and limited dietary pattern was observed, with low consumption of preformed vitamin A, vegetables and typical regional Amazonian fruits that are sources of carotenoids with vitamin A activity, such as buriti, tucumã, pupunha and mango, all of them seasonal fruits, that were not available during the application of the questionnaire.

Key words: Vitamin A; Dietary assessment; Vitamin A deficiency

Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.