Malformação unilateral: adaptação do sistema de frequência modulada

Malformação unilateral: adaptação do sistema de frequência modulada

Autores:

Maria Fernanda Capoani Garcia Mondelli,
Regina Tangerino de Souza Jacob,
Larissa Germiniani dos Santos,
Vanessa Luiza Destro Fidêncio

ARTIGO ORIGINAL

Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

versão impressa ISSN 1808-8694

Braz. j. otorhinolaryngol. vol.81 no.2 São Paulo mar./abr. 2015

http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2015.01.002

Introdução

A privação sensorial decorrente de uma malformação de orelha unilateral pode ocasionar um atraso na aquisição e desenvolvimento da linguagem, afetando o desenvolvimento social, psíquico e educacional do indivíduo.1

As malformações de orelha são anomalias que ocorrem no período de desenvolvimento embrionário e podem acometer as orelhas externa, média e/ou interna. A deficiência auditiva é um dos achados clínicos mais comuns nestes indivíduos, podendo variar quanto ao tipo e grau, dependendo do seu comprometimento.1

Dentre as queixas mais comuns referidas por indivíduos com perda auditiva unilateral estão a dificuldade em compreender a fala em ambientes ruidosos e, consequentemente, um esforço maior em ambiente escolar.2

Nestes casos, a intervenção consiste em oferecer a amplificação sonora para favorecer a estimulação auditiva; assim, surgem como alternativas o Aparelho de Amplificação Sonora Individual por via óssea, o Aparelho de Amplificação Ancorado ao Osso e Sistema de Frequência Modulada (FM).

O sistema FM permite o envio de informações sonoras sem fio, fazendo com que o sinal captado pelo microfone do transmissor seja enviado diretamente ao indivíduo, eliminando os prejuízos da informação auditiva causados pela distância da fonte sonora e ruído de fundo.

Este estudo clínico avaliou a efetividade do Sistema FM em um caso de malformação unilateral.

Apresentação do caso

K.A.S., nascida em 16/08/2002, apresentava malformação e perda auditiva severa à direita. Em 2013, buscou auxílio devido à dificuldade de compreensão da fala em sala de aula.

Foi realizada adaptação do Sistema FM (PHONAK), com receptor ISenseMR e transmissor InspiroMR na orelha esquerda (audição normal).

Para verificação do sistema, foram realizados os seguintes procedimentos:

  1. Hearing In Noise Test (HINT): teste de percepção da fala adaptativo no qual o indivíduo é solicitado a o reconhecer e a repetir sentenças simples no silêncio e no ruído, realizado de acordo com a recomendação do guia da AAA,3 a 180º.

  2. Classroom Participation Questionnaire (CPQ): avaliação subjetiva da participação do aluno em sala de aula,4 através de questionário preenchido pelo próprio aluno. O questionário contém 28 situações auditivas, divididas em quatro subescalas, nas quais são pontuadas de 1 (quase nunca); 2 (às vezes); 3 (normalmente); e 4 (quase sempre)

Os resultados indicaram que, após os uso do sistema FM por um período de três meses, a pontuação sobre "Compreensão de Professores" aumentou de 16 para 24, "Compreensão de Estudantes" foi de 8 para 13, "Aspectos Positivos" de 9 para 15, e "Aspectos Negativos" de 16 para 12, indicando melhora da participação da paciente em sala de aula.

Discussão

A paciente, em consequência de sua malformação de orelha, apresentava dificuldades escolares. O ruído ambiental dificulta a comunicação oral e pode gerar prejuízos físicos, emocionais e educacionais, além de prejuízos na aprendizagem, pois o aluno poderá perder parte do conteúdo, ou mesmo receber a mensagem com distorções.

No ambiente acadêmico podem ser observados os benefícios mais significativos do sistema FM, uma vez que este garante o melhor acesso à informação e ao conhecimento que está sendo transmitido diretamente ao aparelho sensorial auditivo.

A partir dos resultados (tabela 1), foi possível observar que K.A.S. apresentou desempenho satisfatório no HINT, confirmando a proposta do FM de favorecer a relação sinal/ruído, corroborando dados de pesquisa realizada com uma população de sete a 13 anos.5

Tabela 1 Resultados obtidos no hearing in noise test 

HINT 180º Silêncio Ruído
Sem FM 42,1 dBA –4,7 S/R dB
Com FM 39,8 dBA –15,7 S/R dB

HINT, hearing in noise test; FM, sistema de frequência modulada; dB, decibel; dBA, decibel nível de audição; S/R, relação sinal/ruído.

A pontuação do CPQ indicou benefício em sala de aula, pois pontuações mais altas são desejáveis, exceto para escala de "Aspectos Negativos", na qual a pontuação invertida é a esperada.

Indivíduos com perda auditiva unilateral apresentam dificuldades auditivas e podem ser beneficiados com a amplificação,6 dentre as possibilidades está o sistema FM.

Comentários finais

O sistema FM favoreceu a percepção da fala e participação em sala de aula.

REFERÊNCIAS

1. Dell'Aringa AHB, Castiquini EAT. Adaptação do aparelho de amplificação sonora individual por via óssea em crianças por- tadoras de malformação de orelha externa e média. Arq Int Otorrinolaringol. 2005;9:310-6.
2. Hicks CB, Tharpe AM. Listening effort and fatigue in school- age children with and without hearing loss. J Speech Hear Res. 2002;45:5.
3. American Academy of Audiology Clinical Practice Guidelines: Remote microphone hearing assistance technologies for children and youth from birth to 21 years, 2008. Available from:
4. Jacob RTS, Alves TKM, Moret ALM, Morettin M, Santos LG, Mondelli MFCG. Participation in regular classroom of student with hearing loss: frequency modulation system use. CoDAS. 2014;26:308-14.
5. Jacob RTS, Bevilacqua MC, Molina SV, Queiroz M, Hoshii LA, Lauris JR, et al. Sistema de frequência modulada em crianças com deficiência auditiva: avaliação de resultados. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17:417-21.
6. José MR, Campos PD, Mondelli MFCG. Unilateral hearing loss: benefits and satisfaction from the use of hearing aids. Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77:221-8.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.