Modificações no perfil dos fonoaudiólogos atuantes no Paraná e em Santa Catarina nos anos 2000 e 2011

Modificações no perfil dos fonoaudiólogos atuantes no Paraná e em Santa Catarina nos anos 2000 e 2011

Autores:

Ana Paula Berberian,
Angela Ribas,
Giselle Massi,
Jair Mendes Marques,
Maria Regina Franke Serratto,
Ana Cristina Guarinello

ARTIGO ORIGINAL

Audiology - Communication Research

versão On-line ISSN 2317-6431

Audiol., Commun. Res. vol.19 no.4 São Paulo out./dez. 2014 Epub 09-Dez-2014

http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312014000400001426

INTRODUÇÃO

No Brasil, desde a década de 1980, vem ocorrendo maior inserção do fonoaudiólogo em instituições das áreas da Saúde, Educação e Empresarial, demandando mudanças na sua formação inicial e continuada.

Embora tais mudanças sejam em âmbito nacional, não acontecem linear e homogeneamente. Envolvem diferenças regionais que determinam os diversos perfis que devem ter os fonoaudiólogos brasileiros(1,2).

Estudos acerca da inserção do fonoaudiólogo em diversas regiões do Brasil e as diferentes áreas de atuação permitem a construção de um panorama histórico da profissão e oferecem elementos para a avaliação do papel social desse profissional(3-7).

O presente estudo tem por objetivo realizar a análise comparativa do perfil dos fonoaudiólogos atuantes nos Estados de Santa Catarina e Paraná nos anos de 2000 e 2011.

MÉTODOS

Pesquisa realizada a partir de parceria técnico-científica firmada entre o CREFONO 3 e pesquisadores da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa (parecer 00096/08). A assinatura do Termo de Consentimento Livre e esclarecido foi dispensada pelo comitê, pois foi utilizado o banco de dados do CREFONO 3, sem identificação dos respondentes.

Trata-se de um estudo descritivo-analítico, de natureza retrospectiva. Para a seleção dos sujeitos da pesquisa foram adotados, simultaneamente, três critérios de inclusão: ter inscrição ativa na jurisdição do CREFONO 3 nos anos de 2000 e/ou 2011; atuar no Paraná e/ou em Santa Catarina; ter respondido ao questionário de recadastramento profissional elaborado por tal Conselho, nos anos de 2000 e 2011.

Em 2000, do total de 1485 fonoaudiólogos inscritos no CREFONO 3, 846 (56%) responderam ao questionário enviado via correio. Em 2011, dos 3825 inscritos, 3021 (78%) responderam ao questionário enviado via internet (email). O presente estudo contou com um total de 3867 respondentes.

O questionário contemplou dados de: identificação (idade e gênero); formação em graduação (instituição de ensino e ano de colação de grau); formação em pós-graduação (especialização, mestrado, doutorado, ano de conclusão, instituição de ensino e programa de pós-graduação); condições de trabalho (área e local de atuação, vínculo empregatício, tipo de empresa, adesão a planos de saúde, rendimento salarial).

Os dados obtidos foram tabulados e tratados estatisticamente por meio do software SPHINX. A comparação do perfil dos fonoaudiólogos respondentes foi realizada por meio do teste de Diferença de Proporções, sendo considerado estatisticamente significativo o resultado menor que 5% (p<0,05)

RESULTADOS

Em 2000, 97% (n=817) dos respondentes eram do gênero feminino e 3% (n=29) do masculino; em 2011, 96% (n=2904) eram do gênero feminino e 4% (n=117) do masculino.

Quanto à faixa etária, em 2000, a média de idade dos sujeitos era de 27 anos, a mínima de 21 e a máxima de 57. Em 2011, a média de idade aumentou para 36 anos, a mínima manteve-se em 21 e a máxima aumentou para 66.

O número de fonoaudiólogos atuantes em cidades do Paraná e de Santa Catarina que ofereciam cursos de graduação em Fonoaudiologia, em 2000 e 2011, está descrito na Tabela 1.

Tabela 1 Distribuição comparativa dos respondentes do Paraná e Santa Catarina, por cidades 

Cidade 2000 2011 Valor de p

n % n %
Paraná          
 Curitiba** 427 (50,07) 989 (32,24) 0,0000*
 Maringá*** 15 (1,77) 155 (5,13) 0,0000*
 Londrina** 32 (3,78) 151 (4,99) 0,1427
 Cascavel** 12 (1,41) 42 (1,39) 0,9650
 Ponta Grossa 11 (1,30) 36 (1,21) 0,8337
 Foz do Iguaçu 23 (2,71) 31 (1,19) 0,0014*
 Irati** 2 (0,23) 26 (0,86 0,0558
 Guarapuava 2 (0,23) 21 (0,69) 0,0155*
Santa Catarina          
 Florianópolis** 67 (7,91) 224 (7,41) 0,6260
 Joinville 34 (4,01) 91 (3,01) 0,1459
 Itajaí** 36 (4,25) 82 (2,71) 0,0213*
 Blumenau 23 (2,71) 65 (2,15) 0,3341
 Chapeco 3 (0,35) 32 (1,54) 0,0065*
 Criciúma 2 (0,23) 27 (0,91) 0,0044*
 Cidades com menos de dez profissionais inscritos 157 (18) 1049 (34,72) 0,0000*

Total 846 (100) 3021 (100)  

*Valores significativos (p≤0,05) – Teste de diferença de proporções

**Cidades que ofertavam um curso de Fonoaudiologia em 2011

***Cidades que ofertavam três cursos de Fonoaudiologia em 2011

Em 2000, 59,70% dos respondentes haviam concluído o curso de Fonoaudiologia em Instituição de Ensino Superior (IES) situada no Paraná e 16,89% em Santa Catarina. Em 2011, 58,70% concluíram tal formação no Estado do Paraná e 20,48% em Santa Catarina, conforme apresentado na Tabela 2.

Tabela 2 Distribuição comparativa dos respondentes em relação à instituição de formação em graduação em Fonoaudiologia 

  2000 2011 Valor de p

n % n %
Paraná          
 UTP 150 (12,61) 662 (21,9) 0,0000*
 PUC/Pr 202 (17,06) 632 (20,9) 0,0137*
 UNOPAR 96 (8,11) 347 (11,48) 0,0052*
 CESUMAR -- (00) 105 (3,47) 0,0000*
 UNICENTRO -- (00) 16 (0,52) 0,0356*
 UNINGÁ -- (00) 11 (0,36) 0,0806
Santa Catarina          
 UNIVALI 200 (16,89) 592 (19,59) 0,0769
 UNESA -- (00) 27 (0,89) 0,0059*
 Outras IES de fora da jurisdição 198 (23,41) 629 (20,82) 0,1045

Total 846 (100) 3021 (100)  

*Valores significativos (p≤0,05) – Teste de diferença de proporções

A formação dos respondentes em nível de pós-graduação e a comparação dos resultados obtidos nos dois períodos estão especificadas na Tabela 3.

Tabela 3 Distribuição comparativa dos respondentes quanto à formação em nível de pós-graduação 

  2000 2011 Valor de p

n % n %
Somente graduação 514 (60,75) 1695 (56,10) 0,0158*
Especialização 284 (33,56) 1184 (39,19) 0,0029*
Mestrado 30 (3,54) 148 (4,89) 0,0975
Doutorado 6 (0,70) 34 (1,12) 0,2845
Não respondentes 12 (1,41) 0 (00) 0,0000*
Total 846 (100) 3021 (100)  

*Valores significativos (p≤0,05) – Teste de diferença de proporções

Resultados relacionados às condições de trabalho dos respondentes estão apresentados na Tabela 4.

Tabela 4 Distribuição comparativa dos respondentes em relação ao vínculo empregatício, tipo de instituição onde atuavam e local de trabalho 

  2000 2011 Valor de p

n % n %
Vínculo empregatício          
 Autônomo 470 (55,54) 796 (26,34) 0,0000*
 Empregado 268 (31,67) 1542 (51,04) 0,0000*
 Sem resposta 108 (12,76) 683 (22,60) 0,0000*

Total 846 (100) 3021 (100) --

Tipo de Instituição
 Pública 174 (20,56) 1838 (60,84) 0,0000*
 Privada 364 (43,02) 526 (17,41) 0,0000*
 Filantrópica 82 (9,69) 34 (1,12) 0,0000*
 Sem resposta 226 (26,71) 623 (20,06) 0,0000*

Total 846 (100) 3021 (100) --

Local de trabalho          
 Consultório 441 (52,12) 1006 (33,30) 0,0000*
 Escola regular 22 (2,60) 178 (5,89) 0,0001*
 Escola especial/APAE 98 (11,58) 124 (4,10) 0,0000*
 Prefeitura/Estado 68 (8,03) 259 (8,57) 0,6178
 Docência 29 (3,42) 45 (1,48) 0,0003*
 Hospital 11 (1,30) 67 (2,21) 0,0957
 Indústria 12 (1,41) 77 (2,54) 0,0523
 Outros 115 (13,50) 322 (10,65) 0,0458*
 Sem resposta 50 (5,91) 943 (31,21) 0,0000*

 Total 846 (100) 3021 (100%) --

*Valores significativos (p≤0,05) – Teste de diferença de proporções

Dados referentes à adesão dos respondentes a planos de saúde e ao seu rendimento salarial estão apresentados na Tabela 5.

Tabela 5 Distribuição comparativa dos respondentes em relação à adesão a planos de saúde e ao rendimento salarial 

  2000   2011   Valor de p

n % n %
Adesão a plano de saúde          
 Atende por planos de saúde 342 (40,42) 785 (25,98) 0,0000*
 Não atende por planos de saúde 465 (54,96) 2091 (69,21) 0,0000*
 Sem resposta 39 (4,60) 145 (4,79) 0,8184

 Total 846 (100) 3021 (100) --

Rendimento salarial**          
 1 a 10 salários mínimos 538 (63,59) 1264 (41,84) 0,0000*
 11 a 20 salários mínimos 103 (12,17) 967 (32,01) 0,0000*
 Mais que 21 24 (2,83) 434 (14,36) 0,0000*
 Sem resposta 181 (21,39) 356 (11,78) 0,0000*

 Total 846 (100) 3021 (100) --

*Valores significativos (p≤0,05) – Teste de diferença de proporções

** Em 2000 o valor do salário mínimo era de R$ 136,00 e, em 2011, de R$ 545,00

DISCUSSÃO

O perfil dos fonoaudiólogos respondentes, relativo ao gênero, manteve-se praticamente inalterado no período de 2000 a 2011. A exemplo de outras regiões do Brasil e de outros países, a classe fonoaudiológica, nesses Estados, é constituída, predominantemente, por mulheres(1,8).

Quanto à faixa etária dos respondentes, o aumento na média de idade e idade máxima de, aproximadamente 10 anos, acompanha a tendência apontada pelo relatório do Banco Mundial(9).

O número de fonoaudiólogos ativos no Paraná e em Santa Catarina, nos anos de 2000 e 2011, praticamente triplicou. Embora em 2000 e 2011 tenha ocorrido uma concentração de fonoaudiólogos nas capitais dos referidos Estados, observa-se, em 2011, uma tendência de deslocamento desses profissionais para cidades do interior.

Tal deslocamento evidencia uma expansão regional do mercado de trabalho, que pode resultar em maior acesso da população aos serviços fonoaudiológicos em locais próximos de suas residências, bem como maior proximidade dos profissionais com especificidades regionais próprias às condições de vida da população(3).

Entende-se que a aproximação dos fonoaudiólogos a realidades diversificadas pressupõe que os processos formativos, iniciais e continuados, devem contemplar as diretrizes contidas nas políticas públicas de Saúde e Educação e oferecer subsídios para a sistematização de ações fonoaudiológicas que considerem os determinantes sociais envolvidos com a atuação profissional(6,7,10,11).

Acerca da formação acadêmica dos respondentes, quanto à instituição de origem, verificou-se que, em 2000 e 2011, a maioria dos respondentes havia concluído a graduação em Fonoaudiologia na jurisdição do Conselho.

Quanto ao nível de formação acadêmica nos anos de 2000 e 2011 houve uma diminuição significativa de respondentes que tinham realizado apenas curso de graduação e aumento dos que haviam concluído especializações.

A especialização, modalidade que, em 2000 e 2011, contemplou maior número de respondentes, tem se configurado como o tipo de formação de maior interesse da classe fonoaudiológica brasileira, pois objetiva aprimorar e diferenciar o desempenho profissional, representando um recurso para o profissional competir no mercado de trabalho(2,10).

Em relação ao número de respondentes que tinham concluído cursos de pós- graduação stricto sensu, não ocorreu aumento significativo, fato que concorda com alguns estudos nacionais(3,10), porém difere de outros(1).

Nesse contexto, ressalta-se que, nos estados do Paraná e Santa Catarina, apenas a Universidade Tuiuti do Paraná possui curso de pós graduação stricto sensu na área, com mestrado e doutorado reconhecidosem 1998 e 2007, respectivamente.

Com relação às condições de trabalho dos respondentes, dados obtidos em 2000 e 2011 evidenciam diferenças significativas quanto ao vínculo empregatício e ao tipo de instituição em que os respondentes atuavam. Verificou-se a diminuição de profissionais autônomos atuantes em consultórios particulares e em empresas privadas e o aumento daqueles com vínculo empregatício e atuantes em instituições públicas.

Para a análise de tal fato, convém tecer considerações acerca de condições de trabalho que caracterizam a atuação de profissionais da saúde em geral (11) e, especificamente, de fonoaudiólogos em consultórios particulares. Eles são profissionais liberais, que atuam em clínicas privadas de propriedade de terceiros, recebem honorários a partir de porcentagens pagas pelos clientes aos proprietários da clínica e arcam, financeiramente, com os tributos fiscais provenientes dos atendimentos realizados. Recebem, por meio do sistema de convênios, valores inferiores aos indicados por órgãos representativos da classe. Além disso, o fluxo sazonal de atendimentos concorre para instabilidades nos seus rendimentos.

O deslocamento do fonoaudiólogo do setor particular para o público, verificado entre outros profissionais da saúde(11), está relacionado, especialmente, à estabilidade de emprego, característica do vínculo empregatício do funcionário público.

O aumento de respondentes empregados em instituições públicas, observado no presente estudo, acompanha a expansão de fonoaudiólogos atuantes no SUS(4,7), verificada, desde 1990, em função da criação do Comitê de Saúde Pública da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia(12); das alterações das diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em Fonoaudiologia, que passaram a priorizar o sistema de saúde vigente no país(13); do trabalho em equipe e da atenção integral à saúde e da inserção do fonoaudiólogo em serviços vinculados à Estratégia de Saúde da Família(6).

Ainda, quanto às mudanças referentes ao local de trabalho, destaca-se que o aumento de atuação dos respondentes em escolas regulares e a diminuição em escolas especiais estão atrelados às políticas educacionais brasileiras, que definem que a escolaridade de alunos portadores de necessidades educacionais especiais (PNEEs) tem que ocorrer no sistema regular de ensino.

Ações destinadas ao atendimento educacional especializado, capazes de promover a inclusão dos PNEEs no ensino regular, devem ser implementadas por equipes multidisciplinares, compostas por profissionais da educação e saúde, incluindo fonoaudiólogos(14).

Considerando que a educação seja um direito de todos(15), entende-se que a atuação do fonoaudiólogo deve objetivar a melhoria da qualidade do ensino em todos os níveis da educação(14).

Esse estudo realizou a análise do perfil profissional em apenas dois Estados nacionais, envolvendo cerca de 10% dos fonoaudiólogos ativos no Brasil. Ressalta-se a necessidade do desenvolvimento, em âmbito nacional e/ou regional, de estudos que pretendam apreender perfis que caracterizem o papel social da Fonoaudiologia.

CONCLUSÃO

Este estudo permitiu verificar uma mudança no perfil dos fonoaudiólogos atuantes nos Estados do Paraná e Santa Catarina, nos anos de 2000 e 2011, que pôde ser apreendida por meio da constatação do deslocamento de ações, prioritariamente desenvolvidas em instituições privadas, de caráter clínico-reabilitativo, para ações em instituições públicas de saúde e educação, voltadas à prevenção e promoção. Tal deslocamento aponta para a necessidade de aprimoramento na formação acadêmica e profissional do fonoaudiólogo, visando à apropriação de conhecimentos e práticas capazes de subsidiar a sistematização de intervenções alinhadas às diretrizes que orientam as políticas e os serviços públicos de saúde e educação.

REFERÊNCIAS

. Ferreira LP, Russo ICP, Adami FF. Fonoaudiólogos doutores no Brasil: perfil da formação no período de 1976 a 2008. Pró-Fono. 2010;22(2):89-95. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-56872010000200004
. Silva DGM, Sampaio TMM, Bianchini EMG. Percepções do fonoaudiólogo recém-formado quanto a sua formação, intenção profissional e atualização de conhecimentos. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010;15(1):1-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342010000100010
. Behlau M, Gasparini G. Education of speech–language pathologists and audiologist in Brazil. Folia Phoniatr Logop. 2006;58(1):14-22.
. Costa KN, Guimarães VA. Fonoaudiologia nos serviços de urgência e emergência do Brasil: série histórica de 2005 a 2011. Distúrb Comum. 2012;24(1):69-75.
. Guimarães VC, Barbosa MA, Porto CC. O perfil da Fonoaudiologia em hospitais universitários brasileiros. Distúrb Comum. 2009;21(2):199-206.
. Andrade AF, Lima MM, Monteiro NP, Silva VL. Avaliação das ações da Fonoaudiologia no NASF da cidade do Recife. Audiol Commun Res. 2014;19(1):52-60. http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312014000100010
. Ferreira CL, Silva FR, Martins-Reis VO, Friche AAL, Santos JN. Distribuição dos fonoaudiólogos na atenção à saúde no estado de Minas Gerais entre 2005 e 2010. Rev CEFAC. 2013;15(3):672-80. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462013005000011
. American Speech-Language-Hearing Association. Highlights and trends: ASHA counts for year end 2009 [acesso em: 24 mar 2014]. Disponível em:
. Banco Mundial. Envelhecendo em um Brasil mais velho. Washington, DC: Banco Mundial; 2011 [acesso em: 20 maio 2014]. Disponível em:
. Marino VCC, Gimeniz-Paschoal SR, Paura AC, Guida HL, Giacheti CM. Inserção de graduados em fonoaudiologia de uma universidade pública em programas de pós-graduação. Rev CEFAC. 2012;14(1):46-56. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462011005000110
. Freitas CHSM. Dilemas no exercício profissional da Odontologia: a autonomia em questão. Interface (Botucatu). 2007;11(21):25-38. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832007000100004
. Moreira MD, Mota HB. Os caminhos da fonoaudiologia no Sistema Único de Saúde - SUS. Rev CEFAC. 2009;11(3):516-21. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462009000300021
. Ceccim RB, Feuerwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1400-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500036
. Ramos AS, Alves LM. A fonoaudiologia na relação entre escolas regulares de ensino fundamental e escolas de educação especial no processo de inclusão. Rev Bras Educ Espec. 2008;14(2):235-50. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382008000200007
. Dazzani MVM. A psicologia escolar e a educação inclusiva: uma leitura crítica. Psicol Cienc Prof. 2010;30(2):362-75 http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000200011
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.