Nódulo calcificado móvel na cavidade pleural: toracolitíase

Nódulo calcificado móvel na cavidade pleural: toracolitíase

Autores:

Dante Luiz Escuissato,
Gláucia Zanetti,
Edson Marchiori

ARTIGO ORIGINAL

Jornal Brasileiro de Pneumologia

versão impressa ISSN 1806-3713versão On-line ISSN 1806-3756

J. bras. pneumol. vol.45 no.4 São Paulo 2019 Epub 01-Ago-2019

http://dx.doi.org/10.1590/1806-3713/e20190113

Mulher de 50 anos, tabagista, foi encaminhada ao nosso hospital para avaliação de um nódulo pulmonar em radiografia de tórax durante um check-up de rotina. Ela estava assintomática do ponto de vista respiratório. Os achados do exame físico e os resultados dos exames laboratoriais foram normais. A TC de tórax demonstrou a presença de um nódulo calcificado na cavidade pleural esquerda (Figuras 1A e 1B). As imagens de TC de seguimento obtidas 1 ano depois mostraram que o nódulo era móvel e que havia migrado lateralmente (Figuras 1C e 1D). Esse achado foi considerado como diagnóstico de toracolitíase.

Figura 1 TC de tórax axial e coronal (A e B, respectivamente) com janela de mediastino, evidenciando um nódulo calcificado de 8 mm localizado medialmente ao ângulo costofrênico posterior. TC de tórax de seguimento adquirida nos mesmos planos (C e D, respectivamente), mostrando que o nódulo calcificado havia migrado lateralmente. 

A toracolitíase é uma condição benigna rara, caracterizada pela presença de um ou mais corpos livres móveis, com ou sem calcificação, na cavidade pleural. A toracolitíase é raramente sintomática, e a maioria dos casos é diagnosticada com base em um achado incidental em radiografias e/ou TC, assim como durante uma cirurgia ou na autópsia. A mobilidade do corpo (nódulo), como demonstrado por estudos de imagem sequenciais, é o achado mais característico. Embora a maioria desses nódulos seja móvel durante o seguimento, alguns são imóveis e difíceis de diagnosticar. A toracolitíase não requer nenhum tratamento específico, muito menos ressecção cirúrgica.1-3 Para pacientes com nódulos pleurais calcificados e móveis, clínicos e radiologistas devem recomendar a observação clínica, pois a remoção do nódulo pode não ser necessária para o diagnóstico.

REFERÊNCIAS

1 Peungjesada S, Gupta P, Mottershaw AM. Thoracolithiasis: a case report. Clin Imaging. 2012;36(3):228-30.
2 Kim Y, Shim SS, Chun EM, Won TH, Park S. A Pleural Loose Body Mimicking a Pleural Tumor: A Case Report. Korean J Radiol. 2015;16(5):1163-5.
3 Kinoshita F, Saida Y, Okajima Y, Honda S, Sato T, Hayashibe A, et al. Thoracolithiasis: 11 cases with a calcified intrapleural loose body. J Thorac Imaging. 2010;25(1):64-7.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.