Nursing diagnoses in chronic renal failure patients on hemodialysis

Nursing diagnoses in chronic renal failure patients on hemodialysis

Autores:

Cecília Maria Farias de Queiroz Frazão,
Ana Beatriz de Almeida Medeiros,
Fernanda Beatriz Batista Lima e Silva,
Jéssica Dantas de Sá,
Ana Luisa Brandão de Carvalho Lira

ARTIGO ORIGINAL

Acta Paulista de Enfermagem

On-line version ISSN 1982-0194

Acta paul. enferm. vol.27 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400009

Introdução

A doença renal crônica é considerada um problema de saúde pública em todo o mundo. É diagnosticada através da diminuição da filtração glomerular associada à perda das funções regulatórias, excretórias e endócrinas do rim. E quando a taxa de filtração glomerular atinge valores inferiores a 15 mL/min/1,73m2, o paciente necessita de uma modalidade de terapia dialítica para a sobrevivência.( 1 ) Dentre as modalidades de tratamento, destaca-se, em termos quantitativos, a hemodiálise, a qual consiste na remoção de substâncias nitrogenadas tóxicas do sangue e excesso de líquidos acumulados nos tecidos do corpo.( 2 )

No setor de hemodiálise, torna-se fundamental a implementação do processo de enfermagem, uma vez que possibilita ao enfermeiro a elaboração de um plano assistencial específico que abrange os cuidados com o paciente, a identificação e monitoração dos efeitos adversos do tratamento, como as complicações decorrentes da própria doença, além da possibilidade do desenvolvimento de ações educativas de promoção, prevenção e tratamento.( 3 )

Os diagnósticos de enfermagem são julgamentos clínicos das respostas do individuo, da família ou comunidade a problemas de saúde/processos vitais reais ou potenciais. São interpretações científicas dos dados levantados, usadas para orientar o planejamento de enfermagem, a implementação e a avaliação.

O objetivo deste trabalho foi identificar os diagnósticos de enfermagem mais frequentes em pacientes renais crônicos em hemodiálise.

Métodos

Pesquisa de desenho transversal realizada em uma clínica de diálise, localizada na região nordeste do Brasil.

A população foi composta por 330 pacientes cadastrados, regularmente acompanhados e submetidos à hemodiálise na referida clínica. O cálculo do tamanho da amostra foi a partir da fórmula para populações finitas levando em consideração o nível de confiança de 95% (Z=1,96), o erro amostral de 5%, tamanho da população e a prevalência.(4) A amostra foi constituída por 178 indivíduos. A seleção dos pacientes foi obtida através da amostragem por conveniência do tipo consecutiva.

Os critérios de inclusão foram: apresentar diagnóstico médico de doença renal crônica; estar cadastrado e submetido à hemodiálise na referida clínica; idade entre 20 a 65 anos; e estar em condições físicas e mentais adequadas para participar da pesquisa no momento da coleta de dados. O critério de exclusão foi: pacientes renais crônicos com outras doenças não relacionadas ao quadro renal que pudessem alterar o perfil das respostas humanas desses pacientes.

Para a coleta dos dados, utilizou-se um formulário de entrevista e um de exame físico, construídos com base na Taxonomia II da NANDA Internacional, sendo aplicados durante a sessão de hemodiálise, nos meses de outubro de 2011 a fevereiro de 2012.

Para a estruturação dos dados, foi realizado um processo individual de julgamento clínico dos diagnósticos de enfermagem, realizado em duas fases: a análise, que comporta a categorização dos dados e a identificação de lacunas; e a síntese, que é formada pelo agrupamento, comparação, identificação e relação dos fatores etiológicos. Após esta etapa, os resultados obtidos passaram por processo de revisão de forma pareada entre os autores, para assegurar um julgamento consensual, objetivando, assim, maior acurácia. Em seguida, construiu-se um banco de dados no aplicativo Microsoft Excel(r), no qual foram registrados os diagnósticos. E para a análise dos dados foi utilizado um programa de estatística, que gerou valores descritivos e o valor p do teste de normalidade Kolmogorov-Smirnov, com intuito de verificar se a distribuição dos dados segue uma distribuição normal.

O desenvolvimento do estudo atendeu as normas nacionais e internacionais de ética em pesquisa envolvendo seres humanos.

Resultados

Os diagnósticos de enfermagem, distribuídos por frequência na tabela 1, tiveram uma mediana de sete, valor mínimo de três e máximo de 15. E o valor do teste de Kolmogorov-Smirnov igual a p<0,001, evidenciando uma distribuição assimétrica (não normal).

Tabela 1 Diagnósticos de enfermagem 

Diagnósticos Presente Ausente
n(%) n(%)
1. Risco de Infecção 178(100) 0(0,0)
2. Volume de líquidos excessivo 177(99,4) 1(0,6)
3. Hipotermia 110(61,8) 68(38,2)
4. Fadiga 84(47,2) 94(52,8)
5. Autocontrole ineficaz da saúde 76(42,7) 102(57,3)
6. Dentição prejudicada 68(38,2) 110(61,8)
7. Risco de quedas 66(37,1) 112(62,9)
8. Mobilidade física prejudicada 63(35,4) 115(64,6)
9. Disfunção sexual 51(28,7) 127(71,3)
10. Percepção sensorial perturbada: visual 50(28,1) 128(71,9)
11. Insônia 45(25,3) 133(74,7)
12. Conhecimento deficiente 33(18,5) 145(81,5)
13. Dor Crônica 28(15,7) 150(84,3)
14. Percepção sensorial perturbada: auditiva 27(15,2) 151(84,8)
15. Proteção ineficaz 23(12,9) 155(87,1)
16. Baixa autoestima situacional 22(12,4) 156(87,6)
17. Déficit no autocuidado para vestir-se 20(11,2) 158(88,8)
18. Dor Aguda 20(11,2) 158(88,8)
19. Integridade da pele prejudicada 12(6,7) 166(93,3)
20. Constipação 10(5,6) 168(94,4)
21. Percepção sensorial perturbada: tátil 5(2,8) 173(97,2)
22. Risco de Lesão 5(2,8) 173(97,2)
23. Diarreia 2(1,1) 176(98,9)
24. Nutrição desequilibrada: menos do que as necessidades corporais 2(1,1) 176(98,9)

Devido ao quantitativo, o quadro 1 revela os fatores relacionados/riscos e as características definidoras identificadas para os diagnósticos de enfermagem com frequência relativa acima de 50%.

Quadro 1 Diagnósticos de enfermagem, fatores relacionados/ risco e características definidoras 

Discussão

Os limites dos resultados deste estudo estão relacionados ao tipo de amostragem não probabilística, em que o pesquisador seleciona os elementos a que tem acesso, admitindo que estes possam, de alguma forma, representar o universo.

Neste estudo foram abordadas as etapas da investigação e do diagnóstico de enfermagem do processo de enfermagem no setor hemodialítico. Investigar e diagnosticar problemas de saúde nos pacientes em hemodiálise possibilita uma base para a implantação do alcance de resultados positivos de saúde.

Autores brasileiros corroboram os resultados, estabelecendo os diagnósticos de enfermagem de pacientes no setor hemodialítico, com destaque para: risco de infecção; volume de líquidos excessivo; baixa autoestima situacional; proteção ineficaz; desobediência; dor aguda; percepção sensorial perturbada; insônia; tristeza crônica; conhecimento deficiente; medo; mobilidade física prejudicada; risco de sentimento de impotência; perfusão tissular ineficaz: renal; intolerância à atividade, padrão de sono perturbado e manutenção ineficaz da saúde.(5-8) Corroborando os dados encontrados no presente estudo.

O diagnóstico risco de infecção é definido como risco aumentado de ser invadido por organismos patogênicos e está inserido no domínio 11 (segurança/proteção) na classe infecção da NANDA Internacional.

Para a realização da hemodiálise há necessidade do implante de um acesso vascular. A fístula arteriovenosa é o principal acesso vascular e os cuidados de enfermagem para a sua manutenção e integridade são importantes para a detecção precoce de sinais flogísticos que sugeririam infecção.( 7 )

O segundo diagnóstico mais frequente no estudo foi volume de líquido excessivo. Esse diagnóstico está presente no domínio dois (nutrição) e na classe cinco (hidratação) da NANDA Internacional, e é definido como a retenção aumentada de líquidos isotônicos.

Dados semelhantes a esta pesquisa foram evidenciados em um estudo que estabeleceu os diagnósticos de enfermagem em pacientes hospitalizados submetidos à hemodiáliseatravés dos sinais e sintomas: edema, ganho excessivo de peso no período interdialítico, hipertensão, taquipnéia, congestão pulmonar, insuficiência cardíaca e síndrome urêmica.( 8 )

O excesso de líquido nos pacientes com a doença renal em hemodiálise pode acarretar intercorrências, como hipotensão e cãibras devido à retirada do líquido e do eletrólito, assim como alterações cardiovasculares que poderão ser severas e irreversíveis.( 9 ) Logo, a equipe de enfermagem deverá estar atenta para as possíveis intercorrências que podem ocasionar nos pacientes com volume de líquido excessivo.

O diagnóstico hipotermia, presente no domínio 11 (segurança/proteção) e na classe seis (termorregulação) da taxonomia II da NANDA Internacional, tem por definição a temperatura corporal abaixo dos parâmetros normais.

A hipotermia foi detectada como complicação potencial durante as sessões de diálise. Sabe-se que a baixa temperatura se apresenta nos pacientes submetidos à hemodiálise pelo resfriamento do sangue através da circulação extracorpórea, pois a linha do sangue e/ou solução do dialisato ficam expostos à temperatura ambiente, fato que provoca a perda de calor por convexão.( 10 )

A temperatura usual da sala de hemodiálise da amostra enquadrava em torno de 21 a 23°C. Assim, promover o aquecimento em que a temperatura corporal se mantenha em torno de 37°C é um cuidado de enfermagem importante para o conforto do paciente.

Destarte, através da identificação dos diagnósticos de enfermagem nos pacientes em hemodiálise, possibilita-se o fortalecimento e aplicabilidade da prática, uma vez que os diagnósticos remetem às intervenções específicas a serem implementadas no plano de cuidados dos pacientes.

Conclusão

Foram identificados 24 diagnósticos de enfermagem nos pacientes renais crônicos em hemodiálise, sendo os mais frequentes: risco de infecção, volume de líquidos excessivo e hipotermia, estes inseridos nos domínios segurança/proteção e nutrição.

REFERÊNCIAS

1. Bastos MG, Bregman R, Kirsztajn GM. [Chronic kidney diseases: common and harmful, but also preventable and treatable]. Rev Assoc Med Bras. 56(2):248-53. Portuguese.
2. Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Santos DR. [2010 Report of the Brazilian dialysis census]. J Bras Nefrol 2011; 33(4):442-7. Portuguese.
3. Frazão CM, Araújo AD, Lira AL. Implementation of nursing process to the patient submitted to hemodialysis. Rev Enferm UFPE. 2013;7(Esp):824-30.
4. Fontelles MJ, Simões MG, Almeida JC, Fontelles RG. Metodologia da pesquisa: diretrizes para o cálculo do tamanho da amostra. Rev Paran Med. 2010;24:(1):57-64.
5. Cerullo JA, Cruz DA. [Clinical reasoning and critical thinking]. Rev Latinoam Enferm. 2010;18(1):124-9. Portuguese.
6. Bisca MM, Marques IR. [Profile of nursing diagnoses before to start the hemodialitic treatment. Rev Bras Enferm. 2010.;63(3):435-9.
7. Holanda RS, Silva VM. [Nursing diagnosis of patients in treatment of hemodialysis] Rev RENE. 2009;10(2):37-44. Portuguese.
8. Sá D de, Cavalcante AM, Stival MM, Lima LR. [Nursing clinical trial in patients on hemodialysis]. Rev Enferm UFPE. 2011;5(2):165-73. Portuguese.
9. Fontenele RM, Cavalcante TL, Albuquerque JO, Feitosa LG. A percepção dos enfermeiros sobre ganho de peso interdialítico dos pacientes em hemodiálise. Saúde Coletiva. 2011;8(51):155-9.
10. Silva GL, Thomé EG. Complicações do procedimento hemodialítico em pacientes com insuficiência renal aguda: intervenções de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2009;30(1):33-9.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.