O uso da fitoterapia durante a gestação: um panorama global

O uso da fitoterapia durante a gestação: um panorama global

Autores:

Bruce Soares Cardoso,
Vanessa Cristiane Santana Amaral

ARTIGO ORIGINAL

Ciência & Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1413-8123versão On-line ISSN 1678-4561

Ciênc. saúde coletiva vol.24 no.4 Rio de Janeiro abr. 2019 Epub 02-Maio-2019

http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018244.07472017

Abstract

The scope of this study is to present an integrative review of the prevalence of the use of phytotherapy during pregnancy. A review of the topic was made by research in the Scielo, Medline and Science Direct databases using the following key words: “herbs and pregnancy,” “plant and gestation,” with their respective terms in Portuguese. Forty-six articles published between 2000 and 2015 met the study’s inclusion and exclusion criteria and were included in this review. Of these, 11 were carried out in Europe, 10 in Asia, 5 in Africa, 3 in Oceania, 16 in America and only one of which was a multinational study. In most of these (67.39%), the interview method was used. A substantial variability in the prevalence of phytotherapy use was reported in the articles. In addition, camomile, ginger, garlic, mint and echinacea were the species most used by pregnant women. Despite the socioeconomic and ethnic-cultural variables among women worldwide, phytotherapy use during gestation is a widespread practice.

Key words: Pregnancy; Herbal medicine; Phytotherapy; Safety; Efficacy

Introdução

Desde a sua origem a humanidade tem buscado nas plantas a cura de diversas doenças. Ainda hoje, apesar da grande variedade de medicamentos disponíveis, a fitoterapia permanece bastante popular em todo o mundo e tem tido a sua demanda aumentada em muitas regiões1.

Em comunidades carentes, a combinação de fatores como a pobreza, a baixa escolaridade, o sistema de saúde precário, a influência de parteiras e curandeiros locais, assim como a facilidade de acesso às plantas medicinais in natura, às drogas vegetais secas e aos derivados vegetais preparados artesanalmente (ex. “garrafadas”) ajudam a explicar a adoção da fitoterapia como o principal e, muitas vezes, o único recurso para a prevenção e o tratamento de doenças1,2. Por outro lado, nas classes sociais que apresentam melhores indicadores socioeconômicos, especialmente na área urbana, o renovado interesse pela fitoterapia justifica-se pela simples preferência cultural ou como parte da busca por uma terapêutica alternativa ou complementar ao uso de medicamentos industrializados compostos por substâncias ativas isoladas2.

O aumento da popularidade da fitoterapia nos diferentes estratos da população mundial é, em muitos casos, encorajado pela crença popular de que as preparações fitoterapêuticas são de origem natural e, portanto, são mais seguras e menos tóxicas. Todavia, são crescentes as preocupações acerca da qualidade, segurança e eficácia das preparações terapêuticas obtidas artesanalmente a partir de plantas medicinais ou de drogas vegetais cujos perfis fitoquímico, farmacológico e toxicológico não estão, em muitos casos, claramente definidos3. Nesse contexto, a fitoterapia pode oferecer risco à saúde de alguns indivíduos, em especial, a grupos sensíveis à interação com fitocomplexos de composição desconhecida, como as crianças, os idosos e as gestantes3,4. No caso das gestantes, esse risco pode se tornar ainda maior quando há o uso concomitante de medicamentos industrializados e de preparações artesanais obtidas de plantas medicinais ou drogas vegetais, condição que possibilita o surgimento de interações medicamentosas desconhecidas na mãe e prejuízos ao desenvolvimento fetal. Dessa forma, a adoção da fitoterapia durante a gestação deve ser acompanhada por profissionais da área de saúde e pelas autoridades sanitárias, uma vez que representa uma questão relevante de saúde pública que pode envolver diferentes níveis de risco ao desenvolvimento saudável do bebê4.

Diante do exposto, o objetivo principal deste estudo foi realizar uma revisão integrativa da literatura sobre o uso da fitoterapia (plantas medicinais in natura, drogas vegetais, derivados vegetais e medicamentos fitoterápicos) durante a gestação.

Metodologia

Foi utilizado o método de revisão integrativa, que teve como finalidade reunir dados científicos da literatura sobre o tema investigado. Esta metodologia possibilitou a análise crítica e a síntese de estudos anteriores e contribuiu para a maior compreensão sobre a temática proposta nesta revisão. O processo de elaboração deste estudo foi realizado em seis fases: (a) definição das questões norteadoras; (b) estabelecimento de critérios para inclusão e exclusão dos estudos; (c) busca na literatura; (d) avaliação dos estudos; (e) interpretação dos resultados e (f) síntese. As perguntas norteadoras desta revisão foram: Qual a prevalência do uso da fitoterapia (plantas medicinais in natura, drogas vegetais, derivados vegetais e medicamentos fitoterápicos) entre as gestantes no mundo?; Quais são os principais métodos utilizados nos estudos que avaliam o uso da fitoterapia por gestantes?; Quais são as espécies vegetais mais utilizadas pelas gestantes?

Para a realização do levantamento bibliográfico, os descritores em inglês (herbal, pregnancy e plant) e em português (planta, erva, gestação e gravidez) foram definidos após a consulta aos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) realizada no portal da Biblioteca Virtual de Saúde (decs.bvs.br). Diferentes combinações dos descritores selecionados foram combinadas com o operador booleano AND em pesquisas realizadas nas bases de dados PubMed (National Library Medicine), SciELO (Scientific Eletronic Library Online) e Science Direct (Elsevier) entre os meses de julho 2015 a junho de 2016.

Foram selecionadas 10.033 publicações (9.099 no Science Direct, 23 no Scielo e 911 no PudMed). Após a leitura dos títulos e resumos (abstracts), foram excluídas as duplicatas, as revisões, os estudos não clínicos e as publicações que não estavam relacionadas à temática proposta nesta revisão. Os critérios de inclusão definidos para a seleção dos artigos foram: estudos disponibilizados na íntegra e redigidos nos idiomas inglês, espanhol ou português, publicados entre janeiro de 2000 e dezembro de 2015 e que informavam ou que permitiam o cálculo da prevalência do uso de fitoterapia pelas gestantes participantes. Aplicando-se os critérios de inclusão e exclusão foram selecionados 46 artigos para compor a presente revisão integrativa.

A extração e a organização dos dados obtidos dos 46 estudos selecionados foram realizadas adotando-se o método de matriz de síntese, o que levou à categorização dos estudos por continente e a dados sumarizados em tabelas contendo o número e o grau de escolaridade das gestantes participantes, o método adotado, a abrangência, a prevalência do uso de fitoterapia durante a gestação e a relação de até dez plantas medicinais, drogas vegetais ou fitoterápicos citados em cada um dos estudos.

Resultados e discussão

O panorama global do uso da fitoterapia na gestação

O panorama global do uso da fitoterapia durante a gestação foi definido com base nos dados mostrados nas Tabelas 1 a 4, que descrevem 45 investigações realizadas em 24 países distribuídos pelos cinco continentes, sendo 11 na Europa (Tabela 1), 10 na Ásia (Tabela 2), 5 na África (Tabela 3), 3 na Oceania (Tabela 3) e 16 na América (Tabela 4)5-49. Um 46º estudo, único de caráter multinacional, completa a lista de investigações analisadas nesta revisão50. Neste último estudo, 9.459 gestantes de 23 diferentes países responderam a um questionário sobre o uso de fitoterápicos e os dados mostraram que 28,9% das participantes fizeram uso da fitoterapia.

Tabela 1 Uso da fitoterapia por gestantes residentes na Europa. 

Autores Coleta / Amostra Prevalênciaa Escolaridadeb Plantas medicinais c
Europa
Holst L et al., 2009; Norwich, Inglaterra5 Questionário / 578 gestantes 57,8% 96,3% Ginger (Z. officinale), cranberry (V. macrocarpon), raspberry (R. idaeus), chamomile (M. recutita), Floradix® (iron-rich herbs), echinacea (E. purpurea), peppermint, lavender, fennel e nettle.
Bishop JL et al., 2011; Avon, Inglaterra6 Questionário / 14.115 gestantes 20% 81,83% Chamomile, peppermint, raspberry, rosehip, senna, evening primrose oil, ginger, fennel e Floradix® (iron-rich herbs).
Pallivalappila AR et al., 2015; Aberdeen, Escócia8 Questionário / 557 gestantes 38% 100% Raspberry, cranberry, ginger, chamomile, eucalyptus, peppermint, aloe, grapefruit, echinacea e evening primrose.
Pallivalappila AR et al., 2014; Grampian, Escócia7 Questionário /332 gestantes 37% 100% Ginger, cranberry, chamomile, raspberry, tea tree oil, senna, echinacea, aloe, grapefruit and garlic.
Kalder M et al., 2011; Giessen, Alemanha9 Questionário / 205 gestantes 15,1% 41% Não informado na publicação.
Cuzzolin L et al., 2010; Pádua e Rovereto, Itália10 Entrevista / 392 gestantes 27,8% 99% Chamomile, licorice, fennel, aloe, valerian, echinacea, almond oil, propolis d, cranberry.
Lapi F et al., 2010; Flozrença, Itália11 Entrevista / 150 gestantes 48% 100% Almond oil, propolis d, fennel + malve, fennel, arnica, St John’s wort, vegetable carbon c, lemon balm + chamomile e mauve.
Trabace L et al., 2015; sul da Itália12 Entrevista / 600 gestantes 81% 72,7% Chamomile, fennel, propolis d, cranberry, lemon balm, ginger, valerian e mallow.
Facchinetti F et al., 2012; Rovereto, Verona e Modena, Itália13 Entrevista / 700 gestantes 42% 82% Almond oil, chamomile, fennel, valerian e echinaceae.
Nordeng H et al., 2004; Oslo, Noruega14 Entrevista / 400 gestantes 36% 80,4% Echinaceae (E. purpurea), Floradix® (iron-rich herbs), ginger (Z. officinale,) chamomile (M. recutita), cranberry (V. macrocarpon), aloe (A. vera), horsetail (E. arvensis), black elderberry (S. nigra) e wheat germ oil (T. germinis oleum).
Nordeng H et al., 2011; Stavanger, Noruega15 Entrevista / 600 gestantes 37,9% 59,2% Echinaceae, Floradix® (iron-rich herbs), ginger, cranberry, raspberry, chamomile, aloe e elderberry.

a - Prevalência de uso da fitoterapia durante a gestação. b- Percentual de gestantes que utilizaram a fitoterapia e que tinham, no mínimo, nível médio completo; c - Dez plantas medicinais mais citadas pelas gestantes utilizando-se a mesma terminologia empregada nas publicações; d - Não são plantas medicinais/não pertencem ao reino vegetal.

Tabela 2 Uso da fitoterapia por gestantes residentes na Ásia. 

Autores Coleta / Amostra Prevalênciaa Escolaridadeb Plantas medicinaisc
Ásia
Teoh CS et al., 2013; Kuala Lumpur, Malásia16 Entrevista / 323 gestantes 13,9% Não informada Chinese traditional herbs (chuen lin, sanchi, taibo herbs, red and black dates e dang shen), Salindah® , Periuk® , ginseng, spirulina, Sendayu Tinggi® e aloe.
Rahman AA et al., 2008; Tumpat, Malásia17 Entrevista / 210 gestantes 51,4% 54,8% Coconut oil, Manjakani (Croton caudatus), Ketam Uri, Kacip Fatimah (L. patoina e L. pumila), Celaka (P. zeylonica) e ganoderma c.
Law KS e Soon, 2013; Kota Bharu, Malásia18 Entrevista / 460 gestantes 34,3% 11% Anastatica hierochuntica, coconut oil, ginger, Allium ascalonicum, garlic (A. sativum), Cymbopogon citratus, Curruma longa, Croton caudatus, Lawsonia inermis e Piper betel.
Chuang CH et al., 2009; 90 cidades de Taiwan19 Entrevista / 21.247 gestantes 33,6% 89,1% An-Tai-Yin® (contém gengibre e outras 12 ervas chinesas), Pearl Powder® (Margarita), Huanglian® (Coptidis Rhizoma), Szu-Wu-Tang® (contém 6 ervas chinesas) e ginseng (Ginseng Radix).
Tang L et al., 2015; Jiangyou, China20 Entrevista / 695 gestantes 43,5% 47% Angelica sinsensis, Ziziphus jujuba, Dioscorea opposita, Lycium barbarum, Codonopsis pilosula, Gastrodia elata, Ginkgo biloba, Panax ginseng, Astragalus membranaceus, Adenophora tetraphylla.
Al-Riyami IM et al., 2011; Muscat, Omã21 Entrevista / 139 gestantes 17% 82% Ginger, honey d, thyme, lemon juice, aniseed, green tea, mint, chamomile, Nigella sativa, fenugreek, sage e oregano.
Khresheh R, 2011; três regiões da Jordânia22 Questionário / 235 gestantes 9,4% 63,6% Chamomile, mint, rosemary tea, sheeh tea.
Mohamed H et al., 2010; Doha, Qatar23 Entrevista / 393 gestantes 18,9% 96,1% Ginger, aniseed, fenugreek, mint, thyme, sage, lemon e chamomile.
Tabatabaee M, 2011; Kazeroon, Irã24 Entrevista / 530 gestantes 30,8% 4,7% Ammi, saatar, sweet basil, peppermint, ginger, cinnamon, chamomile, licorice, borage, olibanum.
Al-Ramahi R et al., 2013; Nablus, Palestina25 Entrevista / 300 gestantes 40% 80,9% Anise (P. anisum), chamomile (M. recutita), sage (S. officinalis), thyme (T. vulgaris), dates (P. dactylifera), pepermint (M. piperita), cinnamon (C. verum), fenugreek (T. foenum-graecum), cumin (C. cyminum) e ginger (Z. officinale).

a - Prevalência de uso da fitoterapia durante a gestação. b- Percentual de gestantes que utilizaram a fitoterapia e que tinham, no mínimo, nível médio completo; c - Dez plantas medicinais mais citadas pelas gestantes utilizando-se a mesma terminologia empregada nas publicações; d - Não são plantas medicinais/não pertencem ao reino vegetal.

Tabela 3 Uso da fitoterapia por gestantes residentes na África e Oceania. 

Autores Coleta / Amostra Prevalênciaa Escolaridadeb Plantas medicinaisc
África
Orief YI et al., 2014; Alexandria, Egito26 Entrevista / 300 gestantes 27,3% 72% Aniseed, fenugreek, ginger, garlic, green tea e peppermint.
Mothupi MC, 2014; Nairóbi, Quênia27 Entrevista / 333 gestantes 12% 57,5% Não informado na publicação.
Fakeye TO et al., 2009; Três regiões da Nigéria28 Entrevista / 595 gestantes 67,5% 70,93% Não informado na publicação.
Gharoro EP e Igbafe AA, 2000; Benin, Nigéria29 Entrevista / 1200 gestantes 12,8% 73,92% Não informado na publicação.
Bayisa B et al., 2014; Nekemte, Etiópia30 Questionário / 250 gestantes 50,4% 64,4% Garlic (A. sativum), ginger (Z. officinale), Eucalyptus e tenaadam (Rutachalenssis)
Oceania
Forster DA et al., 2006; Mebourne, Austrália31 Questionário / 588 gestantes 36% 81,3% Raspberry leaf, ginger, chamomile, cranberry, echinacea, evening primrose oil, slippery elm, garlic e chinese herbs.
Maats FH e Crowther CA, 2002; Alelaide, Austrália32 Entrevista / 211 gestantes 62% Não informada Ginger, raspberry, chamomile, echinacea, evening primrose oil, slippery elm, dong quai e lethicin.
Skouteris H et al., 2008; Melbourne, Austrália33 Questionário / 321 gestantes 35,2% 74,9% Chinese herbs, ginger, echinacea, garlic, eucalyptus oil, eucalyptus, mint chew, dandelion leaf tea e Floradix® (iron-rich herbs).

a - Prevalência de uso da fitoterapia durante a gestação. b- Percentual de gestantes utilizaram a fitoterapia e que tinham, no mínimo, nível médio completo; c - Dez plantas medicinais mais citadas pelas gestantes utilizando-se a mesma terminologia empregada nas publicações.

Tabela 4 Uso da fitoterapia por gestantes residentes na América. 

Autores Coleta / Amostra Prevalênciaa Escolaridadeb Plantas medicinaisc
América
Acuña GPP et al., 2012; Bogotá, Colômbia34 Entrevista / 446 gestantes 33,6% 50,2% Manzanila (A. nobilis), hierbabuena (M. piperita), brevo (F. carica), calêndula (C. officinalis), apio (A. graveolens), anis estrellado, linaza, torangil (M. officinalis), albahaca (O. basilicum) e polio (S. brownii).
Domíngues COF e Peacok BM, 2004; Santiago, Cuba35 Entrevista / 200 gestantes 38% 54,6% Menta (M. piperita), carpintero (J. pectoralis), verbena (V. officinalis), cãna santa, orégano, albahaca (O. basilicum), manzanilla e sábila (A. vera).
Veladez I et al., 2003; Guadajara e 12 cidades de Jalisco, México 36 Entrevista / 3.250 gestantes 23,2% Não informado Manzanilla, romero, hierbabuena, té de las siete flores, albaca, comino, limón, orégano, guayaba, maíz, ruda, flores de nochebuena e poleo.
Moussaly K et al., 2009; Montreal, Canadá37 Questionário / 3.354 gestantes 9% Não informado Chamomile, green tea, flax, peppermint, aloe, garlic, alfafa, ginger, licorice e rye ergot d.
Brussard CS et al., 2010; 10 cidades dos EUA38 Entrevista / 4.239 gestantes 9,4% 84,4% Ephedra, ephedra + ginseng, chamomile, echinacea, ginger, raspberry, cranberry, mint/peppermint e primrose oil.
Louik C et al., 2010; Toronto (Canadá), Boston, Filadélfia, San Diego e Nova York (EUA)39 Entrevista / 4.866 gestantes 5,8% 97,7% Ginger, echinacea, fish oil d, Metabolife®.
Hepner DL et al., 2002; Boston, EUA40 Questionário / 734 gestantes 7,1% Não informada Echinacea, St John’s wort, ephedra, ginger, ginseng, Ginkgo, primrose, cranberry, garlic e valerian.
Gibson PS et al., 2001; Rhode Island, EUA41 Entrevista / 242 gestantes 9,1% Não informada Garlic, aloe, chamomile, peppermint, ginger, echinacea, pumpkin seeds e ginseg.
Tsui B et al., 2001; São Francisco, EUA42 Questionário / 150 gestantes 13% Não informada Echinacea, Pregnancy Tea®, ginger, raspberry, primrose oil, goldenseal, chamomile, garlic e elderberry.
Glover DD et al., 2003; zona rural de Morgantown, EUA43 Entrevista 578 gestantes 45,2% Não informada Peppermint, cranberry, aloe, cocoa butter, licorice, green tea, ginseng, chamomile, echinacea e Gingko.
Bercaw J et al., 2010; Houston, EUA44 Questionário / 485 gestantes 19% 20% Chamomile, garlic, aloe, ginger, echinacea e cod liver oil d.
Salazar-Granara R et al., 2013; Porto Alegre, Brasil45 Análise de prontuários / 9.023 gestantes 3,9% Não informada Cáscara sagrada (R. purshiana), Centella (C. asiatica), Maracujá (P. alata), Sene (C. angustifolia), Ginkgo (G. biloba), Algas marinhas (F. vesiculosis), Menta (M. piperita), Castanha da Índia (A. hippocastanum), Garcínia (G. camboja), Cava (P. methysticum)
Faria PG et al., 2004; Rio de Janeiro, Brasil46 Entrevista / 31 gestantes. 58% 58% Camomila, erva-doce, erva-cidreira e boldo.
Macena LM et al., 2012; Tangará da Serra, Brasil47 Entrevista / 36 gestantes 55,5% 36,1% Boldo (P. barbatus), capim-cidreira (C. citratus), hortelã (M. x villosa), camomila (C. recutita), alecrim (R. officinalis), erva-doce (F. vulgaris) e poejo (M. pulegium).
Pontes SM et al., 2012; Cuité, Brasil48 Entrevista / 64 gestantes 25% Não informada Boldo (P. boldus), erva-cidreira (M. officinallis), canela (C. zeylanicum), sabugueiro (S. nigra), capim-santo (C. citratus), cravo-da-índia (S. aromaticum), romã (P. granatum), erva-doce (F. vulgare) e alho (A. sativum).
Rangel M et al., 2009; Niterói, Brasil49 Entrevista / 139 gestantes 56,8% Não informada Erva-cidreira (C. citratus), boldo (P. boldus), erva-doce (P. anisum), camomila (M. recutita e C. nobile).

a - Prevalência de uso da fitoterapia durante a gestação. b - Percentual de gestantes utilizaram a fitoterapia e que tinham, no mínimo, nível médio completo; c - Dez plantas medicinais mais citadas pelas gestantes utilizando-se a mesma terminologia empregada nas publicações; d - Não são plantas medicinais/não pertencem ao reino vegetal.

Da distribuição geográfica

Em relação ao número de estudos realizados por país, destacam-se os Estados Unidos da América (EUA), com sete publicações sobre o tema38-44. O Brasil aparece em segundo, com cinco estudos45-49, seguido de Itália com quatro10-13, Malásia16-18 e Austrália31-33 com três publicações cada. Os continentes americano, asiático e europeu concentraram 82,22% das publicações analisadas nesta revisão.

Na África, onde os poucos estudos disponíveis foram realizados em países do Norte, não há descrição de dados sobre as percepções das gestantes da região subsaariana, que é uma das mais pobres do planeta, assim como, de países emergentes, como a África do Sul. Ademais, os estudos publicados em países da Oceania refletem unicamente as experiências das gestantes australianas31-33, pois não foram encontrados estudos realizados nos demais países desse continente, como Nova Zelândia, Nova Guiné e demais ilhas desta região do Pacífico (Tabela 3). Também são escassos os estudos sobre o uso de fitoterapia pelas gestantes da Europa Oriental, incluindo toda a Rússia. Surpreendentemente, na China, outro país de proporções continentais e em franco desenvolvimento, onde a medicina tradicional baseada em recursos fitoterapêuticos é internacionalmente reconhecida, apenas um estudo foi encontrado20. Por outro lado, as percepções das gestantes do Oriente Médio sobre o uso de fitoterapia apresentam relatos frequentes, representando 40 % dos dados referentes ao imenso continente asiático21-25 (Tabela 2).

Do desenho experimental

O modelo de entrevista foi utilizado em 31 dos estudos com as gestantes, enquanto 14 utilizaram um questionário estruturado aplicado presencialmente, enviado por correio eletrônico ou disponibilizado via internet. A análise de dados extraídos de prontuários foi adotada em apenas um estudo realizado no Brasil45.

O modelo de entrevista orientada por um questionário estruturado permite obter informações mais completas e de maior qualidade, à medida que propicia o diálogo do pesquisador com a gestante entrevistada. Assim, a coleta de dados por este modelo possibilita que a entrevistada esclareça eventuais dúvidas sobre as perguntas do questionário, o que pode facilitar a correta identificação da espécie vegetal usada como recurso fitoterapêutico. Por outro lado, a realização das entrevistas pode onerar o estudo e, com isso, limitar o número de gestantes participantes e a abrangência geográfica.

Os critérios para definição do número de participantes diferiram substancialmente nos estudos, variando entre 31 e 21.000 mulheres, com média de 1.885 ± 4.135 gestantes por estudo. O desvio-padrão, duas vezes maior que a média, aponta para a elevada dispersão do número de gestantes selecionadas em cada estudo. Enquanto alguns utilizaram um tamanho amostral de 31 participantes, outros utilizaram 21.247 gestantes.

O número de gestantes utilizados nos estudos é um critério importante a ser analisado. Ele deve garantir uma amostragem estatisticamente significativa da população sob investigação, evitando assim que o comportamento errático de amostras muito pequenas comprometa a validade externa dos dados obtidos51. A adoção de métodos para a escolha aleatória das gestantes é também de fundamental importância para garantir que a amostra represente proporcionalmente todos os segmentos da população estudada52.

O caráter multicêntrico, ideal para elevar a abrangência desse tipo de pesquisa e mostrar o impacto das variabilidades regionais em cada país, foi adotado em apenas nove estudos10,13,19,22,28,36,38,39,50. Todavia, cinco deles utilizaram amostragens superiores à média global19,36,38,39,50. A abrangência geográfica do estudo é de fundamental importância, pois possibilita a compreensão dos impactos das variabilidades culturais regionais, especialmente, em países de grandes dimensões territoriais e diferentes biomas. No Brasil, por exemplo, o uso de recursos fitoterapêuticos pelas gestantes pode variar expressivamente na dependência das diferentes influências culturais, assim como da diferença observada entre os biomas e os recursos fitoterapêuticos que cada região oferece.

Das variáveis socioeconômicas

Na análise das variáveis socioeconômicas divulgadas nos artigos, identificou-se que a maioria dos estudos foi realizada em ambiente urbano (95,55%) e em grandes metrópoles como São Francisco42, Kuala Lumpur16, Melbourne31,33 e Rio de Janeiro46. Embora a maior parte dos estudos tenha sido conduzida em regiões urbanas, 45,2% das 578 gestantes da zona rural dos EUA declararam-se adeptas à fitoterapia43. Por outro lado, os estudos realizados com mulheres que viviam em centros urbanos nos EUA, a adesão ao uso da fitoterapia durante a gestação foi menor, com a prevalência de uso variando de 5,8% a 19%38-42,44. Tal padrão se repetiu em estudos realizados na Itália e na Malásia, onde a adesão à fitoterapia durante a gestação foi cerca de duas vezes superior entre as moradoras do campo em relação às que residem nas cidades10,17. Tais resultados indicam a necessidade do estabelecimento de uma clara identificação entre as gestantes provenientes das zonas rural e urbana, uma vez que as primeiras parecem mais predispostas ao consumo de fitoterápicos durante a gestação e, portanto, mais susceptíveis aos efeitos tóxicos de plantas medicinais in natura, drogas vegetais e derivados vegetais artesanalmente elaborados.

A escolaridade das gestantes que fizeram uso da fitoterapia foi informada em 33 (71,74%) dos 46 estudos analisados nesta revisão. Em 28 (60,87%) deles a população foi composta por mulheres residentes em grandes cidades e com grau de escolaridade mínimo correspondente ao secundário completo (Tabelas 1-4). Esse perfil diverge do conhecido estereótipo de que a fitoterapia é utilizada principalmente como cuidado primário de saúde por pessoas com baixa escolaridade e residentes no campo.

Ademais, a escassez de dados relacionados ao perfil socioeconômico dificulta a obtenção de informações que permitam traçar o perfil da gestante que utiliza a fitoterapia. Nesse contexto, a identificação da origem da gestante e o seu nível de escolaridade são dados relevantes a serem incluídos nos instrumentos de coleta de dados, pois o estilo de vida e o nível educacional podem impactar de forma direta a percepção das mulheres em relação à eficácia e à segurança da fitoterapia durante a gestação.

Da prevalência de uso da fitoterapia durante a gestação

A prevalência do uso da fitoterapia durante a gestação variou de 3,9% a 67,5% no panorama traçado por esta revisão, o que corresponde a uma média global de 32,11%, muito próxima da daquela descrita no estudo multinacional, no qual 28,9% das gestantes declararam ter utilizado essa forma de tratamento. Importante ressaltar que, embora este estudo seja multinacional, 88% das gestantes participantes eram europeias50. É preocupante que a prevalência média global encontrada indique que ao menos 3 em cada 10 mulheres façam uso regular de fitoterapia durante a gestação, muitas vezes sem buscar a orientação de um profissional da saúde qualificado.

Quando a prevalência do uso durante a gestação, foi comparada entre as mulheres de cada continente, as gestantes australianas apresentaram maior adesão média à fitoterapia (44%), seguidas das europeias (40%) e africanas (34%). As gestantes asiáticas e americanas, por sua vez, mostraram-se menos adeptas à fitoterapia e apresentaram prevalências médias de 29% e 26%, respectivamente. Esses indicadores demonstram que o uso de recursos fitoterapêuticos por gestantes como um cuidado primário de saúde foi mais frequente entre mulheres de países desenvolvidos da Europa Ocidental e da Austrália do que entre gestantes de países pobres do norte da África.

Dos recursos fitoterapêuticos utilizados pelas gestantes

De acordo com os estudos analisados, as 10 espécies medicinais mais utilizadas no mundo pelas gestantes são a camomila, o gengibre, a menta, a equinácea, o alho, o “cranberry”, o aloe, o “raspberry”, o “primrose” e o ginseng (Tabela 5).

Tabela 5 Panorama global das dez espécies de plantas medicinais mais usadas pelas gestantes. 

Plantas medicinais Terminologias adotadas nos estudos Distribuição geográfica a

Oceania (3) Europa (10) b África (2) Ásia (10) América (16)
1º. Camomila Anthenis nobilis, Chamaemellum nobile, Matricaria recutita, Chamomilla recutita, Chamomile, Manzanilla e Camomila. 2 11 - 5 12
2º. Ginger Zingiber officinale, Ginger. 3 8 2 5 7
3º. Menta Mentha x villosa, Mentha piperita, Mint, peppermint, hierbabuena, menta e hortelã. 1 4 1 5 10
4º. Equinácea Echinacea purpúrea, echinacea 3 7 - - 7
5º. Cranberry Vaccinium macrocarpon, cranberry. 1 8 - 1 3
6º. Alho Allium sativum, garlic e alho. 1 1 2 2 6
7º. Aloe Aloe vera e aloe e sábila. - 5 - 1 5
8º. Raspberry Rubus idaeus e raspberry 2 6 0 - 2
9º. Primrose oil Primrose oil e evening primrose oil 2 2 - - 3
10º. Ginseng Panax ginseng, ginseng e ginseng radix. - - - 2 3
Prevalência por continente 44% 40% 34% 29% 26%

a. Número de estudos por continente. b. Incluído o estudo multinacional de Kennedy et al., 2013 onde 88% das gestantes participantes eram europeias.

Surpreendentemente, o ginseng, tão conhecido na cultura ocidental como uma erva da medicina tradicional chinesa, tem baixa prevalência de uso nos relatos das gestantes asiáticas (20%). Já outras espécies apresentam um perfil altamente regionalizado, como o boldo, Peumus boldus Molina (Monimiaceae), presente apenas nos relatos das brasileiras e, “Fenugreek”, Trigonella foenum-graecum L. (Fabaceae), entre as gestantes do Oriente Médio e do Egito. O uso do Aloe durante a gestação não foi identificado na Oceania e na África, enquanto a equinácea, o “cranberry”, o “raspberry” e o derivado vegetal “primrose oil” foram frequentes e restritos aos relatos de gestantes de países desenvolvidos e de clima temperado situados na Europa, Oceania e América do Norte. Apenas o gengibre, a menta e o alho foram mencionados por gestantes nos cinco continentes, o que mostra que essas espécies vegetais possuem uso medicinal disseminado em todo o mundo. A camomila, outra planta bastante popular, foi citada por gestantes de todos os continentes, exceto o africano (Tabela 5).

Os estudos selecionados nesta revisão, em sua maioria de caráter quantitativo, não discutiram dados de segurança e eficácia das estratégias fitoterapêuticas adotadas pelas gestantes participantes, limitando-se apenas a identificá-las. Dentre as espécies medicinais cujos relatos de uso abrangeram gestantes de ao menos quatro continentes, o gengibre, Zingiber officinale Roscoe (Zingiberaceae), é o único recurso fitoterapêutico cuja eficácia e segurança como antiemético foram comprovados por estudo clínico que não identificou efeitos teratogênicos em gestantes53. Também não há restrições ao uso do alho, Allium sativum L. (Liliaceae), por gestantes e lactantes, uma vez que essa espécie medicinal é bem tolerada e usada na culinária de diversos países54. Por outro lado, não existem informações sobre possíveis interações medicamentosas ou efeitos teratogênicos que permitam o uso da camomila, Matricaria recutita (L.) Rauschert (Asteraceae), e da menta, Mentha x piperita L. (Lamiaceae) durante a gestação e lactação54.

Em relação à eficácia clínica, as raízes da Z. officinalle demonstraram propriedade antiemética53, enquanto as flores da M. recutita apresentaram atividade anti-inflamatória tópica comparável à hidrocortisona55. Os bulbos de A. sativum podem agir como adjuvantes no tratamento da hiperlipidemia, da hipertensão e da arterioesclerose56-59, enquanto as partes aéreas de Mentha x piperita mostraram-se eficazes no tratamento da síndrome do intestino irritável, de desordens gástricas como flatulência, dispepsia e da dor em quadros de cefaleia e mialgias60-62.

Infelizmente, apenas 11 estudos utilizaram a nomenclatura científica para identificar todas as ervas medicinais citadas14,18,20,25,30,34,45,47-49 e outros quatro o fizeram de forma incompleta5,17,21,35. A grande maioria dos estudos descreveu os nomes populares ou mesmo as marcas comerciais, o que tornou imprecisa a identificação de algumas espécies e, principalmente, a parte da planta usada como droga ou derivado vegetal. Alguns estudos incluíram até mesmo produtos que não são de origem vegetal entre os fitoterápicos mais utilizados na gestação, como por exemplo, fungos, mel, própolis e óleo de peixe10,11,12,17,20,37,39,44. Assim, dentre as limitações metodológicas observadas nos estudos, destaca-se a utilização de nomenclatura popular para identificar as plantas medicinais, drogas e derivados vegetais. Essa prática gera imprecisões importantes, uma vez que espécies distintas podem ter o mesmo nome popular em diferentes regiões, como é o caso da camomila, que pode fazer referência tanto à espécie Matricaria recutita (Asteraceae)25, quanto à Anthemis nobilis (Compositae)35.

Outro ponto a ser considerado é a ausência de informações sobre a parte da planta utilizada pelas gestantes. Sobre este aspecto, é importante mencionar que os tecidos vegetais podem apresentar características fitoquímicas distintas, sendo comum encontrar alterações marcantes na composição e na concentração de um determinado constituinte em diferentes partes de uma mesma planta. No caso do ginseng, Panax ginseng C.A. Meyer (Araliaceae), por exemplo, a composição e a concentração de ginsenosídeos presentes em suas raízes e folhas varia substancialmente63.

Considerações finais

A análise realizada nesta revisão mostra que a visão estereotipada de que a fitoterapia é uma prática associada a mulheres de baixa renda, pouco escolarizadas e moradoras da zona rural não reflete a realidade global. Independentemente de variáveis geográficas, socioeconômicas e étnico-culturais que eventualmente possam distingui-las, mulheres de todo o mundo fazem uso da fitoterapia durante a gestação. Sendo assim, destaca-se a necessidade de maiores investimentos em campanhas informativas direcionadas às gestantes e à população em geral. É importante desmistificar a ideia de que produtos de origem natural são inofensivos e de que seu uso não requer o acompanhamento de um profissional da saúde devidamente qualificado. Além disso, é fundamental o incentivo à realização de pesquisas que fomentem a transformação de plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais tradicionalmente utilizados pela população em medicamentos fitoterápicos seguros, eficazes e com qualidade devidamente comprovada de acordo com a regulamentação vigente em cada país.

Por fim, constatou-se que os estudos multicêntricos de amostragem ampla que adotam o modelo de entrevista orientada por questionário estruturado parecem ser a melhor opção quando se pretende compreender as percepções de risco das gestantes que fazem uso de fitoterapia.

REFERÊNCIAS

1. World Health Organization (WHO). WHO Monographs on selected medicinal plants - vol. 1. Geneva: WHO; 1999. [acessado 2014 Dez 15]. Disponível em:
2. World Health Organization (WHO). WHO Tradicional medicine strategy: 2014-2023. Geneva: 2013. [acessado 2014 Dez 15]. Disponível em:
3. Jordan AS, Cunningham DG, Marles RJ. Assessment of herbal medicinal products: challenges and opportunities to increase de knowledge base for safety assessment. Toxicol Appl Pharmacol 2010; 243(2):198-216.
4. Izzo AA. Interactions between herbs and conventional drugs: overview of the clinical data. Med Princ Pract 2012; 21(5):404-428.
5. Holst T, Wright D, Haavik S, Nordeng H. The use and the user of herbal remedies during pregnancy. J Altern Complement Med 2009; 15(7):787-792.
6. Bishop JL, Northstone K, Green JR, Thompson EA. The use of complementary and alternative medicine in pregnancy: data from de the Avon longitudinal study of patient and children (ALSPAC). Complement Ther Med 2011; 19(6):303-310.
7. Pallivalappila AR, Stewart D, Shetty A, Pande B, Singh R, Mclay JS. Complementary and alternative medicine use during early pregnancy. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 2014; 181:251-255.
8. Pallivalappila AR, Stewart D, Shetty A, Pande B, Singh R, Mclay JS. Use of complementary and alternative medicines during the third trimester. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 2015; 125(1):2004-2011.
9. Kalder M, Knoblauch K, Hrgovic I, Münstedt K. Use of complementary and alternative medicine during pregnancy and delivery. Arch Gynecol Obstet 2011; 283(3):475-482.
10. Cuzzolin L, Francine-Pesenti F, Verlato G, Joppi M, Baldelli P, Benoni G. Use of herbal products among 392 Italian pregnant women: focus on pregnancy outcome. Pharmacoepidemiol Drug Saf 2010; 19(11):1151-1158.
11. Lapi F, Vannacci A, Moschini M, Cipollini F, Morsuillo M, Gallo E, Banchelli G, Cecchi E, Di Pirro M, Giovannini MG, Cariglia MT, Gori L, Firenzuoli F, Mugelli A. Use, atitudes and knowledge of complementary and alternative drugs (CADs) among pregnant women: a preliminar survey in Tuscany. Evid Based Complement Alternat Med 2010; 7(4):477-486.
12. Trabace L, Tucci P, Ciuffreda L, Matteo M, Fortunato F, Campolongo P, Trezza V, Cuomo V. “Natural” relief of pregnancy-related symptons and neonatal outcomes: above all do no harm. J. Ethnopharmacol 2015, 174:396-402.
13. Facchinetti F, Pedrielli G, Benoni G, Joppi M, Verlato G, Dante G, Balduzzi S, Cuzzolin L. Herbal supplements in pregnancy: unexpected results from a multicentre study. Hum Reprod 2012; 27(11):3161-3167.
14. Nordeng H, Havnen G. Use of herbal drug in pregnancy: a survey among 400 Norwegian women. Pharmacoepidemiol Drug Saf 2004; 13(6):371-380.
15. Nordeng H, Bayne K, Havnen G, Paulssen B. Use of herbal drugs during pregnancy among 600 Norwegian women in relation to concurrent use of conventional drugs and pregnancy and pregnancy outcome. Complement Ther Clin Pract 2011; 17(3):147-151.
16. Teoh CS, Aizul MHI, Suriyani WMWF, Ang SH, Huda MZN, Azlinl MIN, et al. Herbal ingestion during pregnancy and post-partum period is a cause for concern. Med J Malaysia 2013; 68(2):157-160.
17. Rahman AA, Sulaiman AS, Ahmad Z, Daud WNW, Hamid AM. Prevalence and pattern of use of herbal medicines during pregnancy in Tumpat District, Kelantan. Malays J Med Sci 2008; 15(3):40-48.
18. Law KS, Soon LK. Herbal medicines: Malaysian women’s knowledge and practice. Evid Based Complement Alternat Med 2013; 2013:438139.
19. Chuang CH, Chang PJ, Hsieh WS, Tsai YJ, Lin SJ, Chen PC. Chinese herbal medicine use in Taiwan during pregnancy and the postpartum period: a population-based cohort study. Int J Nurs Stud 2009; 46(6):787-795.
20. Tang L, Lee AH, Binns CW, Hui YV, Yau KKW. Consumption on Chinese herbal medicines during pregnancy and postpartum: a prospective cohort study in China. Midwifery 2015; 34:205-210.
21. Al-Riyami IM, Al-Busaidy Q, Al-Zakwani S. Medication use during pregnancy in Omani women. Int J Clinl Phar 2011; 33(4):634-641.
22. Khresheh R. How women manage nause and vomiting during pregnancy: a Jordanian study. Midwifery 2011; 27(1):42-45.
23. Mohamed H, Abdin J, Al-Kozaai D. Knowledge, atitude and practice of complementary and alternative medicine (CAM) among pregnant women: a preliminar survey in Qatar. Middle East J Fam Med 2010; 7(10):5-14.
24. Tabatabaee M. Use of herbal medicine among pregnant women referring to Valiasr Hospital of Kazeroon, Fars, South of Iran. J Med Plants 2011; 10(37):96-108.
25. Al-Ramahi R, Jaradat N, Adawi D. Use of herbal medicine during pregnancy in a group of Palestinian women. J Ethnopharmacol 2013; 150(1):79-84.
26. Orief YI, Farghaly NF, Ibrahim MIA. Use of herbal medicines among pregnant women attending family health centers in Alexandria. Middle East Fertil Soc J 2014; 19:42-50.
27. Mothupi MC. Use of herbal medicine during pregnancy among women with acess to public healthcare in Nairobi, Kenya: a cross-sectional survey. Mothupi BMC Complement Altern Med 2014; 14:432.
28. Fakeye TO, Adisa R, Musa IE. Attitude and use of herbal medicines among pregnant women in Nigeria. BMC Complement Altern Med 2009; 9:53.
29. Gharoro EP, Igbafe AA. Pattern of drug use amongst antenatal patients in Benins City, Nigeria. Med Sci Monit 2000; 6(1):84-7.
30. Bayisa B, Tatiparthi R, Mulisa E. Use of herbal medicine among pregnant women on antenatal care at Nekemte Hospital, Western Ethiopia. Jundishapur J Nat Pharm Prod 2014; 9(4):e17368.
31. Forster D, Denning A, Willis G, Bolger M, McCarthy E. Herbal medicine use during pregnancy in a group of Australian Woman. BMC Pregnancy Childbirth 2006; 6:21.
32. Maats FH, Crowther CA. Patterns of vitamin, mineral and herbal supplement use prior to and during pregnancy. Aust N Z J Obstet Gynecol 2002; 42(5):494-496.
33. Skouteris H, Wertheim EH, Rallis S, Paxton SJ, Kelly L, Milgrom J. Use of complementary and alternative medicines by a sample of Australian women during pregnancy. Aust N Z J Obstet Gynecol 2008; 48(4):384-390.
34. Acuña GPP, Sepúlveda PMV, Gómez LV. Uso de hierbas medicinales en mujeres gestantes e en lactancia en un hospital universitario de Bogotá (Colombia). Index de Enferm 2012; 21(4):199-203.
35. Domínguez COF, Peacok BM. Utilización de la fitoterapia em gestantes de un área de salud. [acessado 2015 Mar 01]. Disponível em:
36. Veladez I, Alfaro N, Pozos E. Cuidados alternativos en la atención del embarazo en Jalisco, México. Cad Saude Publica 2003; 19(5):1313-1321.
37. Moussally K, Oraichi D, Bérard A. Herbal products use during pregnancy: prevalence and predictors. Pharmacoepidemiol Drug Saf 2009; 18(6):454-461.
38. Broussard CS, Louik C, Honein MA, Mitchell AA. Herbal use before and during pregnancy. Am J Obstet Gynecol 2010; 202:443.e1-6.
39. Louik C, Gardiner P, Kelley K, Mitchell AA. Use of herbal treatments in pregnancy. Am J Obstet Gynecol 2010; 202:439e1-10.
40. Hepner DL, Harnett M, Segal S, Camann W, Bader AM, Tsen LC. Herbal medicine use in parturients. Obstet Gynecol 2002; 94(3):690-693.
41. Gibson PS, Powrie R, Star J. Herbal and alternative medicine use during pregnancy: a cross-sectional survey. Am J Perinatol 2001; 97(4):s44-s45.
42. Tsui B, Dennehy CE, Tsourounis C. A survey of dietary supplement use during pregnancy at an academic medical centre. Am J Obstet Gynecol 2001; 185(2):433-437.
43. Glover GD, Amonkar M, Rybeck BF, Tracy TS. Prescription, over-the-counter and herbal medicine use in a rural, obstetric population. Am J Obstet Gynecol 2003; 188(4):1039-1045.
44. Bercaw J, Maheshwari B, Sangi-Haghpeykar H. The use during pregnancy of prescription, over-the-counter, and alternative medications among hispanic women. Birth 2010; 37(3):211-218.
45. Salazar-Granara A, Galvan M, Sanseverino MG, Abeche AM, Schuler-Faccini L. First inventory of herbal medicines consumed by Brazilian women during pregnancy. Reprod Toxicol 2013; 37:77-87.
46. Faria PG, Ayres A, Alvim NAT. O diálogo com gestantes sobre plantas medicinais: contribuições para os cuidados básicos de saúde. Acta Sci Health Sci 2004; 26(2):287-294.
47. Macena LM, Nascimento ASS, Krambeck K, Silva FA. Plantas medicinais utilizadas por gestantes atendidas na Unidade de Saúde da Família (USF), do bairro Cohab Tarumã no município de Tangará da Serra, Mato Grosso. Rev Biol Farm 2012; 7(1):143-155.
48. Pontes SM, Souza APM, Barreto BF, Oliveira HSB, Oliveira LBP, Saraiva AM, Costa DA, Carmo ES. Utilização de plantas medicinais potencialmente nocivas durante a gestação na cidade de Cuité-PB. Com. Ciências Saúde 2012; 23(4):305-311.
49. Rangel M. Bragança FCR. Representações de gestantes sobre o uso de plantas medicinais. Rev. Bras. Pl. Med. 2009; 11(1):100-109.
50. Kennedy DA, Lupattelli A, Koren G, Nordeng H. Herbal medicine use in pregnancy: results of a multinational. BMC Complement Altern Med 2013; 13:355.
51. Mourão Júnior CA. Questões em bioestatística: o tamanho da amostra. Rev Interdisciplin Estud Exp Anim Hum 2009; 9(1):26-28.
52. Marotti J, Galhardo APM, Furuyama RJ, Pigozzo MN, Campos TN, Laganá DC. Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Rev Odontol Univ Cid São Paulo 2008; 20(2):186-194.
53. Fischer-Rasmussen W, Kjaer SK, Dahl C, Asping U. Ginger treatment of hyperemesis gravidarum. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 1991; 38(1):19-24.
54. World Health Organization (WHO). WHO Monographs on Medicinal Plants Commonly Used in the Newly Independent States (NIS). Geneva: WHO; 2010. [acessado 2017 Mar 01]. Disponível em:
55. Glowania HJ, Raulin C, Svoboda M. The effect of chamomile on wound healing- a controlled clinical-experimental double-blind study. Z Hautkrankheiten 1986; 62(17):1262-1271.
56. Auer W, Eiber A, Hertkorn E. Hypertension and hyperlipidemia: garlic helps in mild cases. Br J Clin Pract 1990; 69:3-6.
57. Neil HA, Silagy CA. Garlic: its cardioprotectant properties. Cur Opin Lipidol 1994; 5:6-10.
58. Silagy CA, Neil A. A meta-analysis of the effect of garlic on blood pressure. J Hypertens 1994; 12(4):463-468.
59. Brosche T, Platt D. Garlic as a phytogenic lipid lowering drug: a review of clinical trials with standardized garlic powder preparation. Fortschr Med 1990; 108(36):703-706.
60. Dew MJ, Evans BK, Rhodes J. Peppermint oil for the irritable bowel syndrome: a multicentre trial. Br J Clin Pract 1984; 38(11-12):394-398.
61. May B, Kuntz HD, Kieser M, Köhler S. Efficacy of a fixed peppermint oil/caraway oil combination in non-ulcer dyspepsia. Arzneimittel-Forschung 1996; 46(12):1149-1153.
62. Göbel H, Schmidt G, Dworschak M, Stolze H, Heuss D. Essential plant oils and headache mechanisms. Phytomedicine 1995; 2(2):93-102.
63. Liu MH, Yang BR, Cheung WF, Yang KY, Zhou HF, Kwok JS, Liu GC, Li XF, Zhong S, Lee SM, Tsui SK. Transcriptome analysis of leaves, roots and flowers of Panax notoginseng identifies genes involved in ginsenoside and alkaloid biosynthesis. BMC Genomics 2015; 16:265.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.