Obesidade: Problema Crescente e com Múltiplas Facetas

Obesidade: Problema Crescente e com Múltiplas Facetas

Autores:

Paula S. Azevedo,
Marcos F. Minicucci,
Leonardo A. M. Zornoff

ARTIGO ORIGINAL

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782Xversão On-line ISSN 1678-4170

Arq. Bras. Cardiol. vol.105 no.5 São Paulo nov. 2015

https://doi.org/10.5935/abc.20150133

Sobrepeso e obesidade são definidos pelo índice de massa corpórea (IMC) de 25-29,9 kg/m2 e ≥ 30 kg/m2, respectivamente. Trata-se de problema de saúde pública mundial, com números alarmantes. Assim, dados brasileiros mostram que 52,5% dos brasileiros estão acima do peso e 17,9% são obesos1. Nos EUA, aproximadamente 35% dos adultos estão obesos2.

Um dos principais problemas da obesidade é que ela, comumente, se associa a hipertensão arterial, dislipidemia, resistência insulínica e diabetes no contexto da síndrome metabólica3,4. Desse modo, o tecido adiposo exerce papel relevante na secreção de mediadores inflamatórios e humorais, que podem favorecer o aumento da pressão arterial e resistência insulínica5. Muitos avanços estão surgindo nessa área, principalmente relacionados às alterações epigenéticas. Por exemplo, indivíduos obesos apresentam hipermetilação do DNA em uma região específica que codifica a adiponectina, favorecendo menor secreção desse composto e exacerbando a doença metabólica no obeso6.

A obesidade, de forma independente ou não, é reconhecida como importante fator de risco para doenças cardiovasculares e insuficiência cardíaca7,8. No entanto, nem todos os aspectos dessa associação estão esclarecidos. Por exemplo, em casuística nacional de 4050 pacientes assintomáticos submetidos ao ecocardiograma com estresse físico, observou-se que os indivíduos obesos apresentavam maior prevalência de hipertensão, diabetes, dislipidemia, antecedentes familiares e sedentarismo. No entanto, na análise multivariada ajustada para fatores confundidores, a obesidade não se associou à isquemia miocárdica9. Por outro lado, em pacientes com síndrome coronariana aguda, a medida da circunferência abdominal associou-se com angina recorrente, mas não com outras complicações durante a internação10.

Em relação à associação entre obesidade e insuficiência cardíaca, em casuística utilizando participantes do estudo de Framinghan, observou-se que o aumento de 1 kg/m2 elevou em 5% o risco para desenvolvimento de insuficiência cardíaca7,11. De fato, observa-se a presença de remodelação cardíaca em indivíduos obesos, detectada, clinicamente, por hipertrofia ventricular esquerda e aumento de átrio esquerdo12,13. Nesse sentido, existem várias hipóteses que relacionam a obesidade à remodelação cardíaca e, consequentemente, à disfunção miocárdica. Estudos experimentais sugerem a participação da resistência insulínica, alterando o metabolismo energético e favorecendo acúmulo intracardíaco de lípides, num fenômeno descrito como lipotoxicidade12. Adicionalmente, alterações no trânsito de cálcio, no colágeno e na gordura epicárdica foram descritas como potenciais mecanismos responsáveis pela remodelação cardíaca induzida pela obesidade, associada à disfunção miocárdica12,14,15. Devemos considerar, também, que é possível que alterações genéticas como, por exemplo, o polimorfismo no gene ALK7, que codifica o receptor de TGF-beta, possam estar relacionadas à remodelação ventricular em pacientes com síndrome metabólica16. Por outro lado, estudos experimentais não identificaram participação da via glicolítica17 ou desequilíbrio entre a fosfolambam fosforilada e total18, mas relataram redução de expressão de colágeno tipo I em ratos obesos por dieta hipercalórica19. Outro ponto importante, mas menos estudado, refere-se à possibilidade de remodelação do ventrículo direito, causada por hipertensão pulmonar, decorrente da restrição imposta pela obesidade ou coexistência de síndrome da apneia obstrutiva do sono12,20. Portanto, os mecanismos fisiopatológicos exatos associados à remodelação na obesidade permanecem por ser elucidados.

Aspecto extremamente interessante, entretanto, refere-se ao fato de que, em algumas situações clínicas, os pacientes com sobrepeso e obesidade leve apresentam menos internações e menor mortalidade quando comparados aos de menor IMC7,21-23. O mesmo pode ser observado com a prega tricipital, cujos valores acima de 20 mm associaram-se a menor mortalidade24. Essa situação tem sido chamada de paradoxo da obesidade e, embora não se saibam os mecanismos envolvidos, algumas hipóteses foram propostas: comportamento em U, onde os extremos exibem maiores riscos; pacientes obesos estariam com tratamentos mais otimizados; e a possibilidade do indivíduo obeso apresentar maior reserva metabólica ao catabolismo imposto pela doença crônica como, por exemplo, na insuficiência cardíaca7.

Outro ponto que vem ganhando destaque nos últimos anos são as crianças e adolescentes que merecem atenção quanto ao excesso de peso. Assim, estudo brasileiro avaliando 4609 crianças entre 6 e 11 anos mostrou que 24,5% delas estavam acima do peso25. Crianças e adolescentes com sobrepeso apresentam, ainda, maior prevalência de hipertensão arterial e dislipidemia13,25,26. Esse contexto promove cenário para aumento de risco cardiovascular precoce, sugerido, por exemplo, pela correlação do IMC com resistência insulínica, índice de massa do ventrículo esquerdo e espessura da camada íntima da carótida comum13.

Por fim, o manejo do paciente obeso caracteriza outro desafio. O reganho de peso induzido por complexas interações entre vias hormonais e neuronais, que regulam a ingestão alimentar, hábitos de vida, alimentação e características genéticas, dificulta a abordagem terapêutica contínua do paciente obeso27. Por essa razão, aceita-se que medicações ou cirurgias bariátricas possam ser úteis para reduzir o IMC27. No entanto, é necessário enfatizar que, atualmente, o objetivo final do tratamento é a mudança do estilo de vida e a utilização de estratégias para manter a motivação para a perda de peso28,29.

Pelo exposto, existem ainda muitas lacunas a serem preenchidas no capítulo da obesidade e sua associação com a doença cardiovascular. Do mesmo modo, a obesidade permanece como tema prioritário para futuros estudos, tanto clínicos como experimentais, na tentativa de melhor compreensão dos seus mecanismos fisiopatológicos e suas repercussões clínicas.

REFERÊNCIAS

Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2014 - Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. [Acesso em 2015 jan 10]. Disponível em: portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/abril/15/PPT-Vigitel-2014-.pdf.
Centers for disease control and prevention. Adult overweight and obesity [internet]. Division of nutrition, physical activity, and obesity, national center for chronic disease prevention and health promotion. [Cited in 2015 Jan 10]. Available from: http://www.cdc.gov/obesity/adult/index.html
Azevedo PS, Paiva SA, Zornoff LA. Nutrition and cardiology: an interface not to be ignored. Arq Bras Cardiol. 2014;103(2):87-8.
Perrone-Filardi P, Paolillo S, Costanzo P, Savarese G, Trimarco B, Bonow RO. The role of metabolic syndrome in heart failure. Eur Heart J 2015 Aug 4. [Epub ahead of print].
Rask-Madsen C, Kahn CR. Tissue-specific insulin signaling, metabolic syndrome, and cardiovascular disease. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2012;32(9):2052-9.
Kim AY, Park YJ, Pan X, Shin KC, Kwak SH, Bassas AF, et al. Obesity-induced DNA hypermethylation of the adiponectin gene mediates insulin resistance. Nat Commun. 2015;6:7585.
Chase PJ, Davis PG, Bensimhon DR. The obesity paradox in chronic heart failure: what does it mean? Curr Heart Fail Rep. 2014;11(1):111-7.
Pandey A, Berry JD, Lavie CJ. Cardiometabolic disease leading to heart failure: better fat and fit than lean and lazy. Curr Heart Fail Rep. 2015;12(5):302-8.
Silveira MG, Sousa AC, Santos MA, Tavares Ida S, Andrade SM, Melo LD, et al. Assessment of myocardial ischemia in obese individuals undergoing physical stress echocardiography (PSE). Arq Bras Cardiol. 2015;104(5):394-400.
Nunes CN, Minicucci MF, Farah E, Fusco D, Azevedo PS, Paiva SA, et al. Impact of different obesity assessment methods after acute coronary syndromes. Arq Bras Cardiol 2014;103(1):19-24.
Kenchaiah S, Evans JC, Levy D, Wilson PW, Benjamin EJ, Larson MG, et al. Obesity and the risk of heart failure. N Engl J Med. 2002;347(5):305-13.
Abel ED, Litwin SE, Sweeney G. Cardiac remodeling in obesity. Physiol Rev. 2008;88(2):389-419.
Pires A, Martins P, Pereira AM, Silva PV, Marinho J, Marques M, et al. Insulin resistance, dyslipidemia and cardiovascular changes in a group of obese children. Arq Bras Cardiol. 2015;104(4):266-73.
Bertaso AG, Bertol D, Duncan BB, Foppa M. Epicardial fat: definition, measurements and systematic review of main outcomes. Arq Bras Cardiol. 2013;101(1):e18-28.
Martins F, Campos DH, Pagan LU, Martinez PF, Okoshi K, Okoshi MP, et al. High-fat diet promotes cardiac remodeling in an experimental model of obesity. Arq Bras Cardiol. 2015 Aug 18. [Epub ahead of print].
Zhang W, Wang H, Zhang W, Lv R, Wang Z, Shang Y, et al. ALK7 gene polymorphism is associated with metabolic syndrome risk and cardiovascular remodeling. Arq Bras Cardiol. 2013;101(2):134-40.
Campos DH, Leopoldo AS, Lima-Leopoldo AP, Nascimento AF, Oliveira-Junior SA, Silva DC, et al. Obesity preserves myocardial function during blockade of the glycolytic pathway. Arq Bras Cardiol. 2014;103(4):330-7.
Freire PP, Alves CA, Deus AF, Leopoldo AP, Leopoldo AS, Silva DC, et al. Obesity does not lead to imbalance between myocardial phospholamban phosphorylation and dephosphorylation. Arq Bras Cardiol. 2014;103(1):41-50.
Silva DC, Lima-Leopoldo AP, Leopoldo AS, Campos DH, Nascimento AF, Oliveira Junior SA, et al. Influence of term of exposure to high-fat diet-induced obesity on myocardial collagen type I and III. Arq Bras Cardiol. 2014;102(2):157-63.
Sokmen A, Sokmen G, Acar G, Akcay A, Koroglu S, Koleoglu M, et al. The impact of isolated obesity on right ventricular function in young adults. Arq Bras Cardiol. 2013;101(2):160-8.
Zuchinali P, Souza GC, Alves FD, d'Almeida KS, Goldraich LA, Clausell NO, et al. Triceps skinfold as a prognostic predictor in outpatient heart failure. Arq Bras Cardiol. 2013;101(5):434-41.
Kenchaiah S, Pocock SJ, Wang D, Finn PV, Zornoff LA, Skali H, et al; CHARM Investigators. Body mass index and prognosis in patients with chronic heart failure: insights from the Candesartan in Heart failure: assessment of Reduction in Mortality and morbidity (CHARM) program. Circulation. 2007;116(6):627-36. Erratum in: Circulation. 2007;116(6):e136.
Lavie CJ, De Schutter A, Alpert MA, Mehra MR, Milani RV, Ventura HO. Obesity paradox, cachexia, frailty, and heart failure. Heart Fail Clin. 2014;10(2):319-26.
Lavie CJ, Osman AF, Milani RV, Mehra MR. Body composition and prognosis in chronic systolic heart failure: the obesity paradox. Am J Cardiol. 2003;91(7):891-4.
Rosaneli CF, Baena CP, Auler F, Nakashima AT, Netto-Oliveira ER, Oliveira AB, et al. Elevated blood pressure and obesity in childhood: a cross-sectional evaluation of 4,609 schoolchildren. Arq Bras Cardiol. 2014;103(3):238-44.
Schommer VA, Barbiero SM, Cesa CC, Oliveira R, Silva AD, Pellanda LC. Excess weight, anthropometric variables and blood pressure in schoolchildren aged 10 to 18 years. Arq Bras Cardiol. 2014;102(4):312-8.
Apovian CM, Aronne LJ, Bessesen DH, McDonnell ME, Murad MH, Pagotto U, et al; Endocrine Society. Pharmacological management of obesity: an endocrine society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2015;100(2):342-62.
Soares TS, Piovesan CH, Gustavo Ada S, Macagnan FE, Bodanese LC, Feoli AM. Alimentary habits, physical activity, and framingham global risk score in metabolic syndrome. Arq Bras Cardiol. 2014;102(4):374-82.
Jensen MD, Ryan DH, Apovian CM, Ard JD, Comuzzie AG, Donato KA, et al; American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines; Obesity Society. 2013 AHA/ACC/TOS Guideline for the management of overweight and obesity in adults: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and The Obesity Society. J Am Coll Cardiol. 2014;63(25 Pt B):2985-3023.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.