Perfil de suicídios em município da Amazônia Legal

Perfil de suicídios em município da Amazônia Legal

Autores:

Erick de Sousa Silva,
Jair Marques Junior,
Eliane Aparecida Suchara

ARTIGO ORIGINAL

Cadernos Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1414-462Xversão On-line ISSN 2358-291X

Cad. saúde colet. vol.26 no.1 Rio de Janeiro jan./mar. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201800010135

Abstract

Introduction

Suicide is a global public health problem and is among the leading causes of death worldwide. Thus, this study aimed to study the occurrence and characterize the suicide cases recorded in a municipality of the Legal Amazon, between the years of 1999 and 2016.

Method

We performed an epidemiological descriptive and transversal study including all cases registered as suicides at the Institute of Forensic Medicine (IFM) of Barra do Garças, Mato Grosso.

Results

Suicide rates ranged from 8.6 (2014) to 20.3 (2003). There was a higher frequency in males (76.6%) and in adults (78.1%). The most common form of suicide was asphyxiation (49.6%), followed by intoxications (27.0%), mainly by pesticides (60.9%). April was the month with the highest number of suicides (13.1%), and February (5.1%) had the lowest. Sundays were the day of the week with a higher incidence (17.5%).

Conclusions

In conclusion, male adults are more likely to commit self-harm. Thus, there is a need for more research on public health and prevention strategies, also considering more effective actions according to the profile of the victims.

Keywords:  public health; self-harm; asphyxiation

INTRODUÇÃO

O suicídio é um dos mais desconcertantes e devastadores de todos os comportamentos humanos, estando constantemente entre as principais causas de morte no mundo, levando a vida de uma pessoa a cada 40 segundos 1 . Um problema mundial de saúde pública, com 800 mil suicídios e cerca de 16 milhões de episódios de autoagressão por ano 2 . O suicídio se inscreve no campo dos transtornos mentais (angústias, depressão, alterações de comportamento, bipolaridade, entre outros) adquirindo o status de patologia 3 . Note-se que tanto a ideação quanto a intenção podem resultar em um comportamento suicida4.

Este é um problema complexo para o qual não existe uma única causa ou uma só razão. Ele resulta de uma complexa interação de fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais, culturais e ambientais 5 . Seus fatores de risco incluem doença mental e física, abuso de álcool ou drogas, doença crônica, sofrimento emocional agudo, violência, uma mudança súbita e importante na vida de um indivíduo, tais como perda de emprego, separação de um parceiro ou outros eventos adversos. Pode-se tratar, ainda, em muitos casos, de uma combinação destes fatores. Embora os problemas de saúde mental desempenhem um papel que varia em diferentes contextos, outros fatores ̶ como cultural e status socioeconômico ̶ são também particularmente influentes 6 .

Para a compreensão e a prevenção dos casos de suicídio, é um fator imprescindível diminuir as subnotificações, assim como primar pela qualidade no preenchimento dos documentos que fazem parte de sua base 7 . É fundamental conhecer as variáveis implicadas em tal fenômeno, para compreender melhor essa realidade 8,9 . Assim, fazem-se necessárias novas pesquisas que ampliem o conhecimento atual 1 . E, nesse contexto, o Instituto Médico Legal (IML) dos municípios constitui uma importante fonte de dados, pois, nestes locais, não há subnotificação, considerando-se que o registro de casos de suicídios é compulsório no IML. Portanto, o objetivo deste estudo foi analisar e caracterizar a ocorrência de suicídios em um município da Amazônia Legal, através de dados do seu IML, no período de 1999 a 2016.

MÉTODO

Tratou-se de um estudo epidemiológico descritivo, não probabilístico, transversal, sendo o período avaliado de janeiro de 1999 a dezembro de 2016. Foram incluídos todos os casos registrados como suicídios no Instituto Médico Legal (IML) de Barra do Garças, Mato Grosso. Este município apresentou uma população estimada de 58.974 habitantes no ano de 2017 e possui área de unidade territorial de 9.079,291 km 2,10 . Está localizado às margens dos Rios Araguaia e Garças, no centro geodésico do Brasil, e é conhecido como Portal da Amazônia 11 . A Amazônia Legal corresponde à área dos Estados da Região Norte, acrescidos da totalidade do Estado de Mato Grosso e dos municípios do Estado do Maranhão situados a oeste do meridiano 44º O 12 .

As variáveis estudadas foram gênero e faixa etária, meio de suicídio, agente causal, causa da morte, dia da semana, mês de ocorrência e estação do ano.

Considerando-se que os dados foram coletados no IML, a causa da morte foi classificada segundo os termos adotados nos registros, ficando assim definidos: Enforcamento, Intoxicação, Trauma Cranioencefálico (TCE) provocado por Arma de Fogo, Choques, Eletrocussão e Politraumatismo (atropelamento premeditado). Os casos classificados como Choque foram aqueles nos quais ocorreu a redução crítica na perfusão tecidual, provocando alterações sistêmicas graves, com comprometimento da função celular e orgânica 13 . Já o termo Eletrocussão foi utilizado para a morte por descarga elétrica, conhecido também como choque elétrico. Este choque é causado pela descarga de um capacitor, gerado por um dispositivo que armazena energia 14 .

Os dados brutos foram organizados em planilhas eletrônicas. A partir dos dados da população estimada de cada ano, segundo o IBGE, calcularam-se as taxas de incidência de suicídio levando em consideração o número de suicídios de cada ano por 100 mil habitantes.

Este trabalho foi submetido, por meio da Plataforma Brasil, à apreciação do Comitê de Ética em Pesquisas (CAAE 58164916.4.0000.5587), sendo aprovado segundo Parecer n.º 1.657.824.

RESULTADOS

No período estudado, foram analisados 137 laudos de óbitos por suicídio registrados no IML de Barra do Garças. A taxa média anual de suicídio foi de 13,8 ± 3,6, sendo a menor de 8,6 suicídios (2014) e a maior de 20,3 (2003) ( Tabela 1 ). Quanto ao perfil das vítimas, observou-se prevalência do gênero masculino (76,6%) em relação ao gênero feminino (23,3%). Ocorreu predominância na faixa etária dos adultos (78,1%), seguido por idosos (13,9%) e adolescentes (8%) ( Tabela 2 ). Entre os adultos, a faixa predominante foi de 18 a 34 anos (62,6%), sendo seguida pela faixa de 35 a 49 anos (26,1%) e, por último, a faixa de 50 a 59 anos (11,2%).

Tabela 1 Distribuição dos casos de suicídio no período de 1999 a 2016, de acordo com a faixa etária, no município de Barra do Garças-MT  

Período Faixa etária Incidência
(%)
Adolescentesa Adultosb Idososc Total
Nd %e N % N % N %
1999 0,0 0,0 9,0 8,4 0,0 0,0 9,0 6,6 18,8
2000 0,0 0,0 5,0 4,7 0,0 0,0 5,0 3,6 9,5
2001 2,0 18,2 5,0 4,7 1,0 5,3 8,0 5,8 15,1
2002 0,0 0,0 6,0 5,6 2,0 10,5 8,0 5,8 14,9
2003 1,0 9,1 8,0 7,5 2,0 10,5 11,0 8,0 20,3
2004 0,0 0,0 4,0 3,7 1,0 5,3 5,0 3,6 9,0
2005 1,0 9,1 6,0 5,6 2,0 10,5 9,0 6,6 16,0
2006 0,0 0,0 6,0 5,6 2,0 10,5 8,0 5,8 14,0
2007 1,0 9,1 7,0 6,5 0,0 0,0 8,0 5,8 15,0
2008 0,0 0,0 6,0 5,6 0,0 0,0 6,0 4,4 10,9
2009 1,0 9,1 5,0 4,7 1,0 5,3 7,0 5,1 12,6
2010 0,0 0,0 8,0 7,5 2,0 10,5 10,0 7,3 17,6
2011 0,0 0,0 8,0 7,5 3,0 15,8 11,0 8,0 19,3
2012 1,0 9,1 5,0 4,7 0,0 0,0 6,0 4,4 10,4
2013 1,0 9,1 5,0 4,7 0,0 0,0 6,0 4,4 10,3
2014 1,0 9,1 4,0 3,7 0,0 0,0 5,0 3,6 8,6
2015 0,0 0,0 6,0 5,6 1,0 5,3 7,0 5,1 11,9
2016 2,0 18,2 4,0 3,7 2,0 10,5 8,0 5,8 13,6
Total 11 100 107 100 19 100 137 100 --

a13 a 17 anos;

b18 a 59 anos;

c60 a 83 anos;

dNúmero de casos;

ePorcentagem

Tabela 2 Caracterização dos suicídios segundo a causa da morte, de acordo com a faixa etária, no município de Barra do Garças-MT, entre 1999 e 2016  

Faixa Etária Total Geral
Adolescentea Adultob Idosoc
Nd %e N % N % N %
Causa da Morte
Enforcamento 9 81,8 49 45,7 10 52,6 68 49,6
Intoxicação 1 9,0 28 26,1 8 42,1 37 27,0
TCE f (Arma de Fogo) 1 9,0 17 15,8 1 5,2 19 13,8
Choques -- -- 11 10,2 -- -- 11 8,0
Eletrocussão -- -- 1 0,9 -- -- 1 0,7
Politraumatismo -- -- 1 0,9 -- -- 1 0,7
Tipos de Choque
Choque Hipovolêmico -- -- 8 72,7 -- -- 8 72,7
Choque Anafilático -- -- 1 9,0 -- -- 1 9,0
Choque Neurogênico -- -- 1 9,0 -- -- 1 9,0
Choque Toxêmico -- -- 1 9,0 -- -- 1 9,0
Agente Tóxico
Agrotóxico -- -- 19 57,5 6 75,0 25 60,9
Domissanitários -- -- 2 6,0 -- -- 2 4,8
Medicamentos -- -- 3 9,0 -- -- 3 7,3
Produtos Químicos -- -- 3 9,0 -- -- 3 7,3
Outros 1 100 6 18,1 2 25 8 19,5
Tipos de Agrotóxico
Carbamato -- -- 11 57,8 2 33,3 13 52
Glicina Substituída -- -- 3 15,7 2 33,3 5 20
Organoclorado -- -- 2 10,5 -- -- 2 8
Organofosforado -- -- 2 10,5 1 16,6 3 12
Outros -- -- 1 5,2 1 16,6 2 8
Total 11 100 107 100 19 100 137 100

a13 a 17 anos;

b18 a 59 anos;

c60 a 83 anos;

dNúmero de casos;

ePorcentagem;

fTrauma Cranioencefálico

A relação entre a causa da morte e o gênero está apresentada na Tabela 3 e observa-se, entre as causas, prevalência do Enforcamento e das Intoxicações. Ao avaliar os dados das causas da morte Intoxicação e Agentes Tóxicos utilizados, é observada uma desconexão, justificada pelo fato de que o uso de uma substância tóxica pode levar a uma causa da morte classificada como intoxicação ou a outro enquadramento, como, por exemplo, Choque Hipovolêmico ou Anafilático.

Tabela 3 Caracterização dos suicídios segundo a causa da morte, de acordo com o gênero, no município de Barra do Garças-MT, entre 1999 e 2016  

Gênero Total Geral
Feminino Masculino
Na %b N % N %
Causa da Morte
Enforcamento 15 46,8 53 50,4 68 49,6
Intoxicação 10 31,2 27 25,7 37 27,0
TCE c (Arma de Fogo) 3 9,3 16 15,2 19 13,8
Choque 3 9,3 8 7,6 11 8,0
Eletrocussão 1 3,1 -- -- 1 0,7
Politraumatismo -- -- 1 0,9 1 0,7
Tipos de Choque
Choque Anafilático -- -- 1 12,5 1 9,09
Choque Hipovolêmico 2 66,66 6 75,0 8 72,72
Choque Neurogênico -- -- 1 12,5 1 9,09
Choque Toxêmico 1 33,33 -- -- 1 9,09
Agente Tóxico
Agrotóxico 6 50,0 19 65,5 25 60,9
Domissanitários 2 16,6 -- -- 2 4,8
Medicamentos 2 16,6 1 3,4 3 7,3
Produtos Químicos -- -- 3 10,3 3 7,3
Outros 2 16,6 6 20,6 8 19,5
Tipos de Agrotóxico
Carbamatos 4 66,6 9 47,3 13 52
Glicina Substituída 1 16,6 4 21,0 5 20
Organoclorado -- -- 2 10,5 2 8
Organofosforado 1 16,6 2 10,5 3 12
Outros -- -- 2 10,5 2 8
Total 32 100 105 100 137 100

aNúmero de casos;

bPorcentagem;

cTrauma Cranioencefálico

Quando avaliados separadamente os casos de suicídios envolvendo as intoxicações, observou-se que os principais agentes tóxicos foram os agrotóxicos (60,9%), sendo que o grupo químico dos Carbamatos foi o mais utilizado (52%). O uso de medicamentos como forma de suicídio foi observado em 7,3% dos casos, sendo um caso no gênero masculino e dois, no feminino. Os medicamentos usados foram warfarina, paracetamol, cloridrato de tramadol, dipirona, ciclobenzaprina e sinvastatina. O uso do gás dióxido de carbono (7,3%) e a utilização de produtos químicos (7,3%), como coagulante industrial e solução de bateria, foram evidenciados apenas no gênero masculino. O uso de domissanitários, como a creolina e o hipoclorito de sódio (4,8%), e metais (mercúrio) (2,4%), foi registrado apenas no gênero feminino. Os demais métodos foram overdose de cocaína (2,4%) e, em 7,3% dos casos, não foi especificado o agente causal.

Em relação ao mês de ocorrência do evento, abril apresentou o maior número de suicídios (12,%), enquanto o menor número foi em fevereiro (5,1%) ( Figura 1 ). Quando avaliado o dia da semana, o domingo apresentou a maior prevalência (17,5%) e a quinta-feira apresentou o menor número (11,6%) ( Figura 2 ). Quanto à estação do ano com maior ocorrência, foi constatada maior frequência no outono (28,4%), seguido pelo inverno (25,5%), primavera (24,8%) e verão (21,1%).

Figura 1 Distribuição dos casos de suicídio em relação ao gênero, levando em consideração os meses do ano, no período de 1999 a 2016  

Figura 2 Distribuição dos casos de suicídios, em relação ao dia da semana, no período de 1999 a 2016  

DISCUSSÃO

No Brasil, a média nacional de mortalidade por suicídio, entre 2004 e 2010, foi de 5,74 15 , sendo de 6,2/100.000 habitantes no ano de 2012 16 ; portanto, a taxa encontrada neste estudo (13,8 ± 3,6) foi maior que os dados nacionais. No entanto, apesar de a mortalidade por suicídio crescer no País, as tendências divergem entre as Regiões brasileiras 16 . As taxas de suicídio variam muito, pois estão entre 2,7 na Região Nordeste e 9,3 na Região Sul 17 . Avaliando-se a taxa média de suicídios no período de 2004 a 2010, entre as Regiões do Brasil e utilizando-se cidades com uma população média semelhante à cidade estudada (50.000< habitantes <100.000), verificaram-se taxas de 7,9 na Região Norte (Tucuruí e Parauapebas), 10,9 e 10,1 no Nordeste (Tianguá e Araripina, respectivamente), 10,1 e 9,7 no Centro-Oeste (Três Lagoas e Cáceres, respectivamente), 11,6 e 11,2 no Sudeste (Curvelo e Três Corações, respectivamente) e 23,8 e 18,1 na Região Sul (Venâncio Aires e Lajeado, respectivamente) 15 . Embora seja realizada uma comparação entre as taxas, deve-se considerar que as fontes de dados brutos podem diferir entre os estudos, influenciando assim os resultados obtidos.

Embora municípios maiores tenham disponibilidade de médicos que investiguem mortes violentas, uma alta proporção dessas mortes permanecem indeterminadas. Em municípios de pequeno porte, um evento, como o suicídio, é muito improvável passar despercebido. Assim, parte das taxas mais baixas de mortalidade por suicídio em grandes municípios pode ser devida à subnotificação. Também se deve considerar que os municípios de uma região podem diferir em muitos traços, como a disponibilidade de emprego, os recursos econômicos, a morbidade psiquiátrica, o acesso à saúde e a relação entre áreas urbanas e rurais, sendo que estas últimas nem sempre são geograficamente adjacentes 15 .

A taxa de suicídio mundial foi estimada em 11,6 por 100 mil habitantes, sendo mais alta no sudeste da Ásia, com uma taxa de 15,6, e mais baixa na região do Mediterrâneo Oriental, com 5,6 18 . No entanto, as comparações entre países são limitadas pelas variações na confiabilidade dos relatórios e nos registros de mortalidade 2 .

Tanto em estudos nacionais 19 como internacionais 20,21 , o suicídio é predominante na faixa etária dos adultos. Os laços sociais e sua ruptura são significativa e independentemente associados ao risco de suicídio nessa fase, sendo que esses relacionamentos podem ser moderados por um estilo de personalidade rígida, ansiosa e obsessiva. A doença afetiva é um fator de risco altamente potente para o suicídio 22 .

A superioridade de casos no gênero masculino, como no município estudado, é observada no Brasil 19,23 e também em outros países, como o México 24 . As taxas de suicídio entre os homens são até três vezes maiores em todas as Regiões do Brasil, embora a mesma tenha maior crescimento entre as mulheres 16 . Os principais fatores associados aos casos de suicídios entre os homens são os transtornos mentais, o uso de álcool e outras drogas, os desajustes causados a partir de relacionamentos familiares conturbados, as condições desfavoráveis de trabalho, a história familiar de mortes por suicídio e a mudança de cidade ou estado, além da violência intrafamiliar, doenças físicas incapacitantes e as dificuldades relacionadas ao trabalho ou à escola 25 .

Em Barra do Garças, o maior número de casos ocorreu no final de semana (domingo e sábado). Eventos que ocorrem durante fins de semana, feriados e segundas-feiras estão afetando a mortalidade por suicídio. O consumo excessivo de álcool, provavelmente, possa ser um dos fatores importantes, induzindo comportamentos suicidas em uma população afetada por estresse psicossocial elevado 26 . Também o padrão do dia da semana está relacionado com o efeito de um novo começo 27 . Os domingos são marginalmente piores do que os sábados, mas os maiores números de suicídios acontecem entre domingo e segunda-feira 28 .

Estudo realizado no Vale do Itajaí, Santa Catarina, entre 1996 e 2012, verificou que o mês em que mais ocorrem suicídios na região foi dezembro, sendo que abril foi o mês com menos ocorrências 23 . Diferente do presente estudo, em que o mês com o maior número de casos foi abril e o mês de fevereiro apresentou os menores números. Deve-se considerar que são municípios com diferentes características, como, por exemplo, diferenças geográficas e econômicas. Quanto às estações do ano, as influências climáticas podem produzir maior variação nas taxas de suicídio, em que a variação climática em si é maior 29 . No entanto, no município estudado, não são observadas estações bem definidas; assim, não foi possível correlacionar com mudanças na temperatura.

Com relação ao gênero e causa da morte, a população feminina tem uma grande aversão na utilização de armas de fogo, utilizando preferencialmente a intoxicação, a qual também aparece como alternativa ao enforcamento 23 . Os homens têm preferência em suicidar-se recorrendo ao enforcamento, arma de fogo e as chamadas armas brancas; estas práticas são, aos poucos, vinculadas àquelas consideradas masculinas. É provável que esta preferência seja intensificada pela legislação reforçada, que reduz a acessibilidade e também reforça a reduzida aceitação social das armas de fogo 30 . As teorias que tentam explicar essas descobertas enfocam as diferenças de gênero na intenção suicida, na socialização, nas emoções, nas relações interpessoais, na orientação e no acesso aos métodos, e nos fatores neurobiológicos 31 .

O Enforcamento também é verificado como a causa mais frequente dos suicídios, em outros estudos 19,23,32-34 . As ligaduras mais utilizadas (cordas, cintos, flex) e pontos de ligadura (vigas, corrimãos, ganchos, maçanetas e árvores) estão amplamente disponíveis, limitando as tentativas de prevenção focadas na restrição do acesso aos meios, exceto em ambientes institucionais. Uma pressão de pescoço relativamente mínima é necessária para causar a morte por enforcamento 35 .

A autoingestão de pesticidas continua a ser um dos meios mais importantes de suicídio no mundo, representando cerca de um terço, em nível mundial. Os suicídios com pesticidas são particularmente preocupantes nas áreas rurais de Ásia, África, América Central e do Sul, e nas ilhas do Pacífico 36 . No Brasil, os pesticidas predominaram, com 40% das causas de óbitos por autointoxicação 16 . O suicídio por agrotóxicos pode estar associado ao conhecimento da população sobre o alto poder tóxico destas substâncias e ao fácil acesso a estes produtos 37 , o que pode justificar os resultados aqui encontrados.

Também o aumento do suicídio por envenenamento pode ser devido ao aumento de overdoses intencionais 38 . Os medicamentos estão entre o grupo de substâncias mais utilizadas para fins homicida/suicida, visto que há uma crescente venda indiscriminada destes produtos 39 . Note-se que todos os medicamentos encontrados no presente estudo são de venda livre e fácil acesso.

Entre os tipos de choque encontrados neste estudo, o Choque Hipovolêmico foi o mais evidenciado. O Choque Hipovolêmico pode ser causado por hemorragias, traumas, diarreias e perdas cutâneas. Este é o tipo mais comum nos pacientes traumatizados 40 . O Politraumatismo é decorrente de diversos traumas e apresenta índice de mortalidade elevado, em virtude do choque consequente de hemorragias não controladas, já que as vítimas de tais condições acabam tendo o corpo mais exposto 41 .

A Eletrocussão é um meio pouco observado na literatura. Ele é considerado uma lesão clássica, sendo caracterizada pela ação intensa de descarga elétrica, causando as lesões de entrada e saída da corrente elétrica 42 .

Observa-se, assim, que as causas mais frequentes em outras pesquisas são também as mais presentes neste artigo, sendo que a única divergência entre os trabalhos são os suicídios por queda de alturas; isso pode ser devido ao fato de a região em estudo não ser uma região com uma ampla disponibilidade de locais propícios a tal ato.

Diante desse cenário, a abordagem mais proveitosa para reduzir as taxas globais de suicídio pode ser através de iniciativas de base populacional, que reduzem tanto a acessibilidade como a aceitabilidade social de métodos letais de suicídio 43 . Medidas de saúde pública centradas na restrição de meios de suicídio são úteis. Por exemplo, nos chamados pontos de suicídio (como pontes suspensas, falésias), colocar barreiras, instalar linhas de ajuda, patrulhas, além de avisos da mídia local que podem ajudar a prevenir suicídios 2 . Métodos, como a diminuição da toxicidade de alguns produtos, como gases e pesticidas, além de medidas de proteção aplicadas em frascos de medicamentos, podem ser utilizados 32 . Para um resultado bem sucedido, todos os setores e autoridades competentes devem ser envolvidos nos programas de prevenção do suicídio. Estes programas incluem saúde, educação e ensino superior, autoridades culturais, econômicas e religiosas 44 . Entende-se que a identificação e o acompanhamento do evento podem trazer aportes importantes para a diminuição desse agravo na população 45 .

Conclui-se que os suicídios ocorreram mais frequentemente no gênero masculino e em adultos, sendo que os principais meios utilizados foram a asfixia e a intoxicação através dos agrotóxicos Carbamatos. Independentemente da localização geográfica e do porte do município, este agravo constitui um problema de grande magnitude e é importante o envolvimento e o comprometimento de diferentes setores para identificar sinais precoces e atuar de modo a prevenir esses eventos e possíveis vítimas.

É necessário buscar e efetivar estratégias de prevenção ao suicídio, e colocar em prática políticas de saúde pública voltadas para melhorias na vida dos indivíduos, assim como das famílias em situação de risco ou já acometidas por este problema complexo.

REFERÊNCIAS

1 Nock MK, Kessler RC, Franklin JC. Risk factors for suicide ideation differ from those for the transition to suicide attempt: the importance of creativity, rigor, and urgency in suicide research. Clin Psychol Sci Pract. 2016;23(1):31-4. .
2 Zalsman G, Hawton K, Wasserman D, van Heeringen K, Arensman E, Sarchiapone M, et al. Suicide prevention strategies revisited: 10-year systematic review. Lancet Psychiatry. 2016;3(7):646-59. . PMid:27289303.
3 Venco S, Barreto M. O sentido social do suicídio no trabalho. Rev. Espaço Acadêmico. 2010;9(108):1-8.
4. Puvar D. The Struggle Overseas: risk factors for suicide among female migrant workers in Nepal. Nepal: SIT Graduate Institute; 2015. (Independent Study Project (ISP) Collection).
5 Organização Mundial de Saúde. Prevenção do suicídio: um manual para profissionais de saúde em atenção primária. Genebra; 2000.
6 World Health Organization. Public health action for the prevention of suicide: a framework. Geneva: World Health Organization; 2012. (SUPRE - Suicide Prevention; 2)
7 Macente LB, Zandonade E. Evaluation of the completeness of the system of information on mortality of suicide in the Southeast region, Brazil, from 1996 to 2007. J Bras Psiquiatr. 2010;59(3):173-81. .
8 Baptista MN, Borges A. Suicídio: aspectos epidemiológicos em Limeira e adjacências no período de 1998 a 2002. Estud. Psicol. 2005;22(4):pp-pp. .
9 Kliemann DVO. Estudo epidemiológico de óbitos por suicídio na região da grande Florianópolis de 1991 a 2005 [tese]. Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina. Curso de Medicina; 2007.
10 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. 2017 [citado em 2017 fev 17]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/barra-do-garcas/panorama
11 Barra do Garças. Prefeitura Municipal de Barra do Garças. História do município [Internet]. 2017 [citado em 2017 fev 5 2017]. Disponível em: http://www.barradogarcas.mt.gov.br/pagina/8/Historia-do-Municipio/
12 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cadastro de Municípios localizados na Amazônia Legal [Internet]. 2017 [citado em 2017 Fev 22]. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/amazonialegal.shtm?c=2
13 Marson F, Pereira GA Jr, Pazin A Fo, Basile-Filho A. A síndrome do choque circulatório. [Internet]. Medicina (Ribeirao Preto). 1998;31(3):369-79. [citado em 2017 fev 11]. Disponível em http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/7686/9224 .
14 Bortoluzzi H. Choque elétrico: BarraShoppingSul [tese]. Porto Alegre (BR): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009.
15 Marín-León L, Oliveira HB, Botega NJ. Suicide in Brazil, 2004-2010: the importance of small counties. Rev Panam Salud Publica. 2012;32(5):351-9. . PMid:23338692.
16 Machado DB, Santos DN. Suicide in Brazil, from 2000 to 2012. J Bras Psiquiatr. 2015;64(1):45-54. .
17 Lovisi GM, Santos SA, Legay L, Abelha L, Valencia E. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. 2009;31(2):S86-S94..PMid:19967204.
18 Värnik P. Suicide in the world. Int J Environ Res Public Health. 2012;9(3):760-71. . PMid:22690161.
19 Cunha FA, Nunes Baptista M, Carvalho LF. Análise documental sobre os suicídios ocorridos na região de jundiaí entre 2004 e 2014. Salud Soc. 2016;7(2):212-22. .
20 Ramchad R, Becker A. Suicide rates in California: Trends and implications for prevention and Early Intervention Programs. Santa Mônica: CA:RAND Corporation; 2014.
21 Joshi SV, Hartley SN, Kessler M, Barstead M. School-based suicide prevention: content, process, and the role of trusted adults and peers. Child Adolesc Psychiatr Clin N Am. 2015;24(2):353-70. . PMid:25773329.
22 Conwell Y, Duberstein PR, Caine ED. Risk factors for suicide in later life. Biol Psychiatry. 2002;52(3):193-204. . PMid:12182926.
23 De Oliveira PRM, Kock DB, De Oliveira MR, Ramos F, Souza MCSA. Estudo epidemiologico de suicídios no Vale do Itajaí-SC. Saber Humano. 2016;6(8):174-190. .
24 González-Castro TB, Hernández-Díaz Y, Tovilla-Zárate CA, González-Gutiérrez KP, Fresán A, Juárez-Rojop IE, et al. Differences by gender in completed suicides in a Mexican population: A psychological autopsy study. J Forensic Leg Med. 2016;38:70-4. . PMid:26717248.
25 Sena-Ferreira N, Pessoa VF, Boechat-Barros R, Figueiredo AEB, Minayo MCDS. Fatores de risco relacionados com suicidios em Palmas (TO), Brasil, 2006-2009, investigados por meio de autopsia psicossocial. 2014;19(1):115-26. . PMid:24473609.
26 Kalediene R, Petrauskiene J. Inequalities in daily variations of deaths from suicide in Lithuania: identification of possible risk factors. Suicide Life-Threat, 2004;34(2):138-45. . PMid:15191270.
27 Johnson H, Brock A, Griffiths C, Rooney C. Mortality from suicide and drug-related poisoning by day of the week in England and Wales, 1993-2002. Health Stat Q. 2005;27(27):13-6. PMid:16138750.
28 Case A, Deaton A. Suicide, age, and wellbeing: an empirical investigation. In: Wise DA, editor. Insights in the economics of aging. Chicago: University of Chicago Press; 2015. p. 307-34.
29 Cantor CH, Hickey PA, De Leo D. Seasonal variation in suicide in a predominantly Caucasian tropical / subtropical region of Australia. Psychopathology. 2000;33(6):303-6. . PMid:11060513.
30 Klieve H, Barnes M, De Leo D. Controlling firearms use in Australia: has the 1996 gun law reform produced the decrease in rates of suicide with this method? Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2009;44(4):285-92. . PMid:18839044.
31 Denning DG, Conwell Y, King D, Cox C. Method choice, intent, and gender in completed suicide. Suicide Life Threat Behav. 2000;30(3):282-8. . PMid:11079640.
32 Agadir Santos S, Legay LF, Lovisi GM. Poisoning and suicide attempts and suicides: considerations on access and restrictive measures. Cad Saude Colet. 2013;21(1):53-61. .
33 Souza VS, Alves MS, Silva LA, Lino DCSF, Nery AA, Casotti CA. Tentativas de suicídio e mortalidade por suicídio em um município no interior da Bahia. J Bras Psiquiatr. 2011;60(4):294-300. .
34 Marín-León L, Barros M. Mortes por suicídio: diferenças de gênero e nível socioeconômico. Rev Saude Publ. 2003;37(3):357-63. .
35 Gunnell D, Bennewith O, Hawton K, Simkin S, Kapur N. The epidemiology and prevention of suicide by hanging: a systematic review. Int J Epidemiol. 2005;34(2):433-42. . PMid:15659471.
36 World Health Organization. Safer access to pesticides: experiences from community interventions. Geneva; 2016.
37 Oliveira MLF, Buriola AA. Gravidade das intoxicações por inseticidas inibidores das colinesterases no noroeste do estado do Paraná, Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2009;30(4):648-55. . PMid:20586207.
38 Baker SP, Hu G, Wilcox HC, Baker TD. Increase in suicide by hanging/suffocation in the US, 2000-2010. Am J Prev Med. 2013;44(2):146-149. .
39 Silva RAD. Tentativa de suicídio em adolescentes por intoxicação: ações de enfermagem [tese]. São Paulo (SP): Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.
40 Marson F, Pereira Jr GA, Pazin Filho A, Basile-Filho A. A síndrome do choque circulatório. Medicina Ribeirao Preto. 1998;31(3):369-79. [citado em 2017 jan 28]. Available from https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/7686: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v31i3p369-379http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v31i3p369-379
41 Andrade, LM, Lima MA, Silva CHC, Caetano JÁ. Acidentes de motocicleta: características das vítimas e dos acidentes em hospital de Fortaleza–CE, Brasil. Northeast Network Nursing Journal. 2009;10(4):52-9. .
42 Bonifácio D. Caracterização e análise da mortalidade por causas externas nos municípios da Baixada Santista em 2003 e 2004 com ênfase na contribuição da alcoolemia [tese]. Santos: Universidade Católica de Santos; 2007.
43 Park S, Ahn MH, Lee A, Hong JP Associations between changes in the pattern of suicide methods and rates in Korea, the US, and Finland. Int J Ment Health Syst. 2014;8(22):1-7.
44 Rezaeian M. Suicide among young Middle Eastern Muslim females. Crisis. 2010;31(1):36-42. . PMid:20197256.
45 Carvalho A, Falke JW. Características epidemiológicas do suicídio no Rio Grande do Sul. Rev Saúde Pública. 2004;38(6):804-10. doi:/S0034-89102004000600008. PMid:15608898.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.