Polimorfismos no gene IL17A não estão envolvidos no desenvolvimento de pré-eclâmpsia na população brasileira

Polimorfismos no gene IL17A não estão envolvidos no desenvolvimento de pré-eclâmpsia na população brasileira

Autores:

Sarah Cristina S. V. Tanaka,
Andrezza Cristina C. Hortolani,
Cristina W. Pissetti,
Marina C. Paschoini,
Mariangela T. Cintra-Ruiz,
Virmondes Rodrigues Jr.,
Marly Aparecida S. Balarin

ARTIGO ORIGINAL

Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

versão impressa ISSN 1676-2444versão On-line ISSN 1678-4774

J. Bras. Patol. Med. Lab. vol.55 no.2 Rio de Janeiro mar./abr. 2019 Epub 23-Maio-2019

http://dx.doi.org/10.5935/1676-2444.20190019

INTRODUÇÃO

A pré-eclâmpsia (PE) é definida pelo desenvolvimento de hipertensão arterial (≥ 140/90 mmHg) associada à proteinúria (≥ 300 mg/24 horas ou ≥ 1+ em exame com fita reagente) após a 20ª semana de gestação ou após a manifestação de sinais e sintomas, como cefaleia, escotomas, dor abdominal, trombocitopenia (plaquetas < 100.000/mm3), enzimas hepáticas elevadas (dobro do basal), insuficiência renal (> 1,1 mg/dl), edema pulmonar e convulsões em mulheres previamente normotensas(1,2).

A interleucina 17A (IL17A) é um potente indutor de inflamação tecidual secretada pelas células Th17. Ativa as vias de sinalização que induzem a proliferação, o recrutamento, a ativação e a migração de neutrófilos; encontra-se elevada no primeiro e terceiro trimestres da gestação, favorecendo o estabelecimento da gravidez e o trabalho de parto, respectivamente(3,4).

Acredita-se que a IL17A esteja envolvida na patogênese da PE, pois estudos com modelos animais mostraram que essa molécula promove hipertensão induzida pela angiotensina II (Ang-II), recrutando leucócitos durante o remodelamento vascular hipertensivo(5). Além disso, níveis elevados de IL17A já foram observados em gestantes com PE, mas o mecanismo envolvido ainda não é totalmente compreendido(6).

O gene que codifica a IL17A está localizado no braço curto do cromossomo 6 (6p12.1) e é composto por cinco éxons, codificando uma proteína com 155 aminoácidos de peso molecular de 17.50 kD(7). Polimorfismos nesse gene já foram associados à patogênese de doenças autoimunes e inflamatórias(8) e acredita-se que eles podem modular a expressão gênica, bem como afetar o funcionamento das células Th17, o que contribui para a suscetibilidade à PE. No entanto, os dados disponíveis na literatura são escassos e controversos(9,10), reforçando a necessidade de estudos com esse tema na população brasileira. Nesse contexto, o presente trabalho visa investigar os polimorfismos rs4711998 A>G; rs8193036 C>T e rs2275913 A>G no gene IL17A em mulheres com PE.

MATERIAIS E MÉTODOS

Casuística

Trata-se de um estudo caso-controle, com 263 mulheres atendidas pelo serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba, Minas Gerais, Brasil, entre julho de 2015 e setembro de 2017. Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da UFTM (CAAE 44460115.1.0000.5154). Todas as participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido.

O grupo de estudo foi composto por 89 mulheres diagnosticadas com PE de acordo com os critérios estabelecidos pelo American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG)(1). O grupo-controle foi formado por 174 mulheres sem comorbidades. Participaram apenas aquelas sem histórico de hipertensão arterial crônica, hipotireoidismo, diabetes mellitus, diabetes gestacional, doenças infectocontagiosas, doenças autoimunes, gestação múltipla e abortos recorrentes.

Genotipagem das amostras

Todas as participantes foram submetidas à coleta de 10 ml de sangue total, por venopunção, em tubos de coleta a vácuo estéril (BD Vacutainer®), com ácido etilenodiamino tetra-acético (EDTA). A extração do ácido desoxirribonucleico (DNA) genômico foi realizada pelo método de fenol clorofórmio(11).

Os polimorfismos rs4711998 A>G; rs8193036 C>T e rs2275913 A>G do gene IL17A foram avaliados pela técnica de discriminação alélica por reação da cadeia da polimerase (PCR) em tempo real, com a utilização de sondas de hidrólise TaqMan (ThermoFisher Scientific). As reações de PCR continham 10 ng de DNA, 1,5 µl de TaqMan Universal Master Mix (2×), 0,1 µl de iniciadores e sondas (10×) e água ultrapura suficiente para um volume final de 5 µl, incluindo os controles negativos adequados em todos os ensaios. As reações foram realizadas no aparelho StepOnePlus (Applied Biosystems™), sob as seguintes condições: 95°C por 10 minutos e 40 ciclos de amplificação (95°C por 15 segundos e 60°C por 1 minuto). Para cada ciclo, o software determinou o sinal fluorescente a partir das sondas marcadas com VIC ou FAM.

Análise estatística

As variáveis contínuas foram descritas por média ± desvio padrão (DP), e as variáveis categóricas, expressas em porcentagem. As comparações estatísticas entre dois grupos foram realizadas com o emprego do teste Mann-Whitney para dados quantitativos e Qui-Quadrado (χ2) para variáveis qualitativas.

Para avaliar o risco dos polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G do gene IL17A contribuírem com a PE, foi realizada a análise de regressão logística múltipla, por meio do programa SNPStat (disponível em: http://bioinfo.iconcologia.net/SNPstats_web). Nessa análise, foram utilizados os seguintes modelos de herança: codominante (homozigoto selvagem × heterozigoto × homozigoto polimórfico); dominante (homozigoto selvagem × heterozigoto + homozigoto polimórfico); recessivo (homozigoto polimórfico × homozigoto selvagem + heterozigoto). O programa SNPStats também foi utilizado para inferir os haplótipos a partir da frequência populacional estimada. Os resultados foram apresentados em odds ratio (OR), com intervalo de confiança (IC) de 95%. O poder estatístico apresentou 99,5% para a detecção de associação, utilizando o software G POWER 3.1. A significância estatística foi definida como p < 0,05.

RESULTADOS

Características dos sujeitos

Participaram deste estudo 263 mulheres, divididas em grupo de estudo (PE) e grupo-controle (C). O grupo PE foi composto por 89 mulheres; e o grupo C, por 174. A caracterização da amostra pode ser observada na Tabela 1. As médias de idade materna, idade gestacional e peso dos recém-nascidos (RN) foram significativamente menores no grupo PE (27,1 anos, 34,2 semanas e 2111,27 gramas, respectivamente). A média da pressão arterial sistólica e diastólica foi estatisticamente maior no grupo PE (155,8 e 103,3 mmHg, respectivamente). O número de mulheres primigestas e mulheres com história familiar de PE também foi significativamente maior no grupo PE (40,4% e 30,3%, respectivamente).

Tabela 1 Caracterização da amostra 

Variáveis Grupo C (n = 174) Grupo PE (n = 89) p
Idade materna (média ± DP, anos) 31,6 ±7,8 27,1 ±6,4 < 0,001
Idade gestacional (média ± DP, semanas) 39,1 ± 1,3 34,2 ± 3,5 < 0,001
Peso do RN (média ± DP, gramas) 3.293,8 ± 480,2 2.111,27 ± 855,5 < 0,001
PAS (média ± DP, mmHg) 114,2 ± 10,4 155,8 ±22,7 < 0,001
PAD (média ± DP, mmHg) 75,1 ± 10,3 103,3 ± 14,9 < 0,001
Primigesta, n (%) 26 (14,9%) 36 (40,4%) < 0,001
História familiar de PE, n (%) 15 (8,6%) 27 (30,3%) < 0,001

DP: desvio padrão; RN: recém-nascido; PAS: pressão arterial sistólica; PAD: pressão arterial diastólica; Grupo C: grupo-controle; Grupo PE: grupo pré-eclâmpsia. Variáveis quantitativas comparadas pelo teste de Mann-Whitney; variáveis qualitativas por teste Qui-quadrado.

Genotipagem

Para os polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G no gene IL17A, foram analisadas 260 (173 C e 87 PE), 259 (171 C e 88 PE) e 263 (174 C e 89 PE) amostras, respectivamente. As frequências genotípicas e alélicas são apresentadas na Tabela 2.

Tabela 2 Distribuição das frequências genotípicas e alélicas dos polimorfismos rs3761549 C>T; rs3761548 A>C e rs2232365 G>A no gene IL17A 

Polimorfismo Controle n (%) PE n (%) X2 p
rs4711998
GG 79 (45,7) 39 (44,8)
AG 66 (38,1) 35 (40,2) 0,13 0,93
AA 28 (16,2) 13 (15)
rs8193036
TT 104 (60,8) 47 (53,4)
CT 59 (34,5) 31 (35,2) 3,02 0,22
CC 8 (4,7) 10(11,4)
rs2275913
GG 99 (56,9) 59 (66,3)
AG 65 (37,3) 28 (31,5) 3,02 0,22
AA 10 (5,8) 2 (2,2)
Frequência alélica
rs4711998
A 122 (0,35) 61 (0,35)
G 224 (0,65) 113 (0,65)
rs8193036
C 75 (0,22) 51 (0,29)
T 267 (0,78) 125 (0,71)
rs2275913
A 85 (0,24) 32 (0,18)
G 263 (0,76) 146 (0,82)

PE: pré-eclâmpsia.

Não foi observada diferença estatisticamente significativa entre as frequências genotípicas e os grupos para os polimorfismos investigados (χ2 = 0,13; 3,02 e 3,02; p = 0,93; 0,22 e 0,22, respectivamente). Os grupos PE e controle dos polimorfismos rs8193036 C>T e rs2275913 A>G no gene IL17A estão em equilíbrio de Hardy Weinberg (PE: χ2 = 1,83 e 0,40 e p =0,18 e 0,53; C: χ2= 0,01 e 0,02 e p = 0,92 e 0,88, respectivamente). O grupo-controle do polimorfismo rs4711998 A>G não está em EHW (PE: χ2 = 1,18 e p = 0,28; C: χ2 = 4,67 e p = 0,03).

A análise de regressão logística múltipla não demonstrou diferença estatisticamente significativa para os polimorfismos rs3761549 C>T, rs3761548 A>C e rs2232365 A>G do gene IL17A em nenhum dos modelos de herança avaliados (Tabela 3).

Tabela 3 Modelos de herança dos polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G do gene IL17A nos grupos controle e PE 

Modelo Genótipo Controle n (%) PE n (%) OR (95% IC) p
rs4711998
G/G 79 (45,7) 39 (44,8) 1
Codominante A/G 66(38,1) 35 (40,2) 0,86 (0,48-1,55) 0,8
A/A 28 (16,2) 13 (14,9) 1,1 (0,5-2,44)
Dominante G/G 79 (45,7) 39 (44,8) 1
A/G-A/A 94 (54,3) 48 (55,2) 0,92 (0,54-1,59) 0,78
Recessivo G/G-A/G 145 (83,8) 74 (85,1) 1
A/A 28 (16,2) 13 (14,9) 1,18 (0,56-2,49) 0,66
rs8193036
T/T 104 (60,8) 47 (53,4) 1
Codominante C/T 59 (34,5) 31 (35,2) 0,82 (0,46-1,46) 0,31
C/C 8 (4,7) 10 (11,4) 0,46 (0,16-1,29)
Dominante T/T 104 (60,8) 47 (53,4) 1
C/T-C/C 67 (39,2) 41 (46,6) 0,73 (0,43-1,26) 0,26
Recessivo T/T-C/T 163 (95,3) 78 (88,6) 1
C/C 8 (4,7) 10 (11,4) 0,5 (0,18-1,35) 0,17
rs2275913
G/G 99 (56,9) 59 (66,3) 1
Codominante A/G 65 (37,4) 28 (31,5) 1,31 (0,74-2,32) 0,34
A/A 10 (5,8) 2 (2,2) 2,55 (0,52-12,49)
Dominante G/G 99 (56,9) 59 (66,3) 1
A/G-A/A 75 (43,1) 30 (33,7) 1,4 (0,8-2,43) 0,23
Recessivo G/G-A/G 164 (94,2) 87 (97,8) 1
A/A 10 (5,8) 2 (2,2) 2,31 (0,48-11,17) 0,26

PE: pré-eclâmpsia; OD: odds ratio; IC: intervalo de confiança.

Haplótipos

Os haplótipos para os polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G do gene IL17A são apresentados na Tabela 4. Não foi observada associação entre nenhum dos haplótipos dos polimorfismos investigados e o risco de desenvolvimento de PE.

Tabela 4 Haplótipos do gene IL17A 

Gene Haplótipo Controle PE OR (IC-95%) p
IL17A G-T-G 0,43 0,42 1 -
A-T-G 0,17 0,16 1,05 (0,52-2,14) 0,89
G-T-A 0,1 0,09 1,03 (0,37-2,84) 0,95
A-C-G 0,08 0,13 0,63 (0,31-1,29) 0,2
G-C-G 0,05 0,09 0,69 (0,28-1,69) 0,41
A-T-A 0,06 0,02 2,34 (0,34-15,89) 0,39
G-C-A 0,04 0,03 1,33 (0,36-4,95) 0,67
A-C-A 0,02 0,02 1,13 (0,25-5,05) 0,88

PE: pré-eclâmpsia; OR: odds ratio; IC: intervalo de confiança.

DISCUSSÃO

Alterações no sistema imunológico já foram associadas à patogênese da PE. Nesse contexto, a IL17A e sua potente atividade inflamatória parecem desempenhar um papel importante na etiologia da PE(12).

No presente trabalho, a média de idade materna e idade gestacional, bem como o peso dos RN, foram menores no grupo PE. Este grupo também foi composto por maior número de primigestas e mulheres com histórico familiar de PE e apresentou níveis pressóricos elevados. Nossos resultados são condizentes com os apresentados na literatura, os quais indicam que a PE é uma doença característica da primeira gestação, com risco aumentado para partos prematuros e RN de baixo peso, e possui um componente genético na sua etiologia(13-15).

Os polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G no gene IL17A estão localizados na região promotora e podem regular a expressão gênica, desempenhando um papel importante em processos fisiopatológicos de várias doenças, entre elas, a PE. No entanto, essas variantes ainda não foram suficientemente exploradas nesse contexto(16).

No presente trabalho, não foi observada a associação entre os polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G no gene IL17A e a PE. Resultados semelhantes em relação ao polimorfismo rs2275913 foram relatados por Wang et al. (2015)(10) em um estudo com 1.031 pacientes com PE e 1.298 gestantes normotensas. Os autores não encontraram associação entre o referido polimorfismo e a gravidade ou o início de manifestação dos sintomas de PE em mulheres chinesas da etnia Han. Anvari et al. (2015)(9) investigaram o polimorfismo rs2275913 no gene IL17A em 261 gestantes iranianas com diagnóstico de PE - divididas de acordo com a gravidade dos sintomas - e 278 gestantes saudáveis; nenhuma associação foi encontrada entre esse polimorfismo e a PE grave ou leve.

Embora nossos resultados não tenham associado o polimorfismo rs2275913 à PE, ele parece modular a expressão de IL17A e, consequentemente, os níveis circulantes dessa citocina. Isso foi demonstrado por um estudo realizado no Egito, que observou a associação entre esse polimorfismo e o risco de abortos recorrentes, sendo o genótipo AA correlacionado com um maior nível sérico de IL17A, o que demonstra que o aumento dessa citocina é prejudicial à gestação(17).

Até o momento não há dados disponíveis na literatura a respeito da associação entre os polimorfismos rs4711998 A>G e rs8193036 C>T no gene da IL17A e a PE, sendo este estudo o primeiro a investigar o papel dessas variantes na PE. Apesar disso, eles parecem contribuir com a inflamação descontrolada, como observado em estudos com doença arterial coronariana(18), doença de Graves(19) e câncer esofágico(20), que detectaram associação entre esses polimorfismos e as condições anteriormente citadas.

No presente trabalho, o grupo C do polimorfismo rs4711998 do gene IL17A não estava em EHW. A inobservância do EHW em nosso estudo sugere que os pressupostos que o mantêm não são seguidos no grupo-controle desse polimorfismo e podem influenciar o modo como os alelos são distribuídos através das gerações. Entretanto, não é possível identificar com precisão qual pressuposto está sendo violado. Outro fator que pode influenciar no EHW é o efeito do drop-out alélico, que ocorre quando alguns alelos são insuficientemente amplificados, levando ao excesso de indivíduos homozigotos. Esse efeito aparentemente não ocorre no presente estudo, pois as frequências genotípicas do grupo-controle nesses polimorfismos são semelhantes às de outras populações(21).

Não foi detectada associação entre os haplótipos dos polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G no gene IL17A e a PE. Nossos resultados são semelhantes aos encontrados em um estudo realizado no Irã, que não observou associação entre haplótipos que contêm o polimorfismo rs2275913 do gene IL17A e o risco de desenvolvimento de PE(9). No entanto, haplótipos com polimorfismos do gene IL17A já foram associados a doenças autoimunes e abortos, como demonstrado por Hammad et al. (2016)(22), que associaram o haplótipo GGA dos polimorfismos rs2275913 do gene IL17A e rs763780 e rs2397084 do gene IL17F ao lúpus juvenil, no Egito. Outro estudo também realizado no Egito associou o haplótipo T-A dos polimorfismos rs2275913 do gene IL17A e rs763780 do gene IL17F ao maior risco de abortos de repetição(17).

Embora os resultados sobre polimorfismos e haplótipos do gene IL17A do presente estudo sejam inconsistentes em relação à PE, não se deve descartá-los como aliados na identificação de alelos predisponentes à doença. A variabilidade nos resultados de trabalhos sobre a contribuição de determinados genes na PE disponíveis na literatura pode ser atribuída a fatores como diversidade genética das populações estudadas e diferentes desenhos experimentais empregados. Isso faz com que, muitas vezes, as associações válidas para determinada população não sejam relevantes para indivíduos de outras etnias, ressaltando a complexidade de estudos envolvendo polimorfismos genéticos(17,23). Apesar disso, acreditamos que em um futuro próximo as variantes genéticas possam fornecer critérios mais específicos e direcionados na detecção precoce da PE.

CONCLUSÃO

Não há associação entre as frequências alélicas e genotípicas, os modelos de herança e os haplótipos dos polimorfismos rs4711998 A>G, rs8193036 C>T e rs2275913 A>G do gene IL17A e a PE.

REFERÊNCIAS

1 American College of Obstetricians and Gynecologists, Task Force on Hypertension in Pregnancy. Hypertension in pregnancy. Report of the American College of Obstetricians and Gynecologists' task force on hypertension in pregnancy. Obstet Gynecol. 2013; 122(5): 1122-31.
2 Ramos JGL, Sass N, Costa SHM. Preeclampsia. Rev Bras Ginecol Obstet. 2017; 39(9): 496-511.
3 Cornelius DC, Lamarca B. TH17- and IL-17- mediated autoantibodies and placental oxidative stress play a role in the pathophysiology of preeclampsia. Minerva Ginecol. 2014; 66(3): 243-9.
4 Toldi G, Rigó Jr. J, Stenczer B, Vásárhelyi B, Molvarec A. Increased prevalence of IL-17-producing peripheral blood lymphocytes in preeclampsia. Am J Reprod Immunol. 2011; 66(3): 223-9.
5 Madhur MS, Lob HE, McCann LA, et al. Interleukin 17 promotes angiotensin II-induced hypertension and vascular dysfunction. Hypertension. 2010; 55(2): 500-7.
6 Saito S, Nakashima A, Ito M, Shima T. Clinical implication of recent advances in our understanding of IL-17 and reproductive immunology. Expert Rev Clin Immunol. 2011; 7: 649-57.
7 Cheng S, Shao Z, Liu X, et al. Interleukin 17A polymorphism elevates gene expression and is associated with increased risk of nonsmall cell lung cancer. DNA Cell Biol. 2015; 34(1): 63-8.
8 Chen K, Kolls JK. Interluekin-17A (IL17A). Gene. 2017; 614: 8-14.
9 Anvari F, Dabagh-Gorjani F, Soltani-Zangbar MS, Kamali-Sarvestani E, Malek-Hosseini Z, Gharesi-Fard B. Investigating the association of IL-17A and IL-17F with susceptibility to pre-eclampsia in Iranian women. Iran J Immunol. 2015; 12(2): 117-28.
10 Wang H, Guo M, Liu F, et al. Role of IL-17 variants in preeclampsia in Chinese han women. 2015. PLoS One; 10(10): 2015. doi: 10.1371/journal.pone.0140118.
11 Sambrook J, Fritsch, EF, Maniatis TE. Molecular cloning, a laboratory manual. New York: Cold Spring Harbor; 1989.
12 Jeyabalan A. Epidemiology of preeclampsia: impact of obesity. Nutr Rev. 2013; 71(1): 18-25.
13 Ayorinde AA, Bhattacharya S. Inherited predisposition to preeclampsia: analysis of the aberdeen intergenerational cohort. Pregnancy Hypertens. 2017; 8: 37-41.
14 Gholami M, Mirfakhraie R, Pirjani R, et al. Association study of FOXP3 gene and the risk of 0020 pre-eclampsia. Clin Exp Hypertens. 2017; 5: 1-4.
15 Khader YS, Batieha A, Al-Njadat RA, Hijazi SS. Preeclampsia in Jordan: incidence, risk factors, and its associated maternal and neonatal outcomes. J Matern Fetal Neonatal Med. 201; 31(6): 770-6.
16 Arisawa T, Tahara T, Shibata T, et al. The influence of polymorphisms of interleukin-17A and interleukin-17F genes on the susceptibility to ulcerative colitis. J Clin Immunol. 2008; 28(1): 44-9.
17 Zidan HE, Rezk NA, Alnemr AA, Moniem MI. Interleukin-17 and leptin genes polymorphisms and their levels in relation to recurrent pregnancy loss in Egyptian females. Immunogenetics. 2015; 67(11-12): 665-73.
18 Bao MH, Luo HQ, Xiang J, et al. Meta-analysis for the association between polymorphisms in interleukin-17A and risk of coronary artery disease. Int J Environ Res Public Health. 2016; 13(7): 1-14.
19 Qi Y, Zheng H, Liu N, et al. Genetic association between interleukin- 17A gene polymorphisms and the pathogenesis of Graves' disease in the Han Chinese population. Clin Endocrinol (Oxf). 2016; 84(2): 265-70.
20 Yin J, Wang L, Shi Y, et al. Interleukin 17A rs4711998 A>G polymorphism was associated with a decreased risk of esophageal cancer in a Chinese population. Dis Esophagus. 2014; 27(1): 87-92.
21 Ryckman K, Williams SM. Calculation and use of the Hardy-Weinberg model in association studies. Curr Protoc Hum Genet. 2008; 1: 1-18.
22 Hammad A, Mosaad YM, Hammad EM, et al. Interleukin-17A rs2275913, interleukin-17F rs763780 and rs2397084 gene polymorphisms as possible risk factors in juvenile lupus and lupus related nephritis. Autoimmunity. 2016; 49(1): 31-40.
23 Tanaka SCSV, Pissetti CW, Silva SR, Balarin MAS. Contribuição dos polimorfismos no gene VEGF para o desenvolvimento das síndromes hipertensivas gestacionais: uma revisão de literatura. REAS. 2014; 3(2): 86-96.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.