Prevalência de transtornos mentais comuns e fatores associados em moradores da área urbana de São Paulo, Brasil

Prevalência de transtornos mentais comuns e fatores associados em moradores da área urbana de São Paulo, Brasil

Autores:

Gustavo de Brito Venâncio dos Santos,
Maria Cecilia Goi Porto Alves,
Moises Goldbaum,
Chester Luiz Galvão Cesar,
Reinaldo José Gianini

ARTIGO ORIGINAL

Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.35 no.11 Rio de Janeiro 2019 Epub 31-Out-2019

http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00236318

Abstract:

Studies in developing countries report a steady increase in mental disorders, with major social and economic repercussions. The current study proposes to analyze the prevalence of common mental disorders (CMDs) and associated factors in urban residents of São Paulo, Brazil. Based on data collected in the Health Survey in São Paulo City (ISA-Capital) in 2015, the study identified the presence of CMDs using the Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20). The association of CMDs with sociodemographic variables and health conditions was analyzed as relative frequency, corrected by the respective weights resulting from cluster sampling, estimating the prevalence and 95% confidence intervals (95%CI) and assessing the association’s significance by the chi-square test, corrected by the F distribution. Prevalence of CMDs was 19.7% (95%CI: 18.2-21.4), higher in women (24.3%); persons 60 years or older (25.3%); followers of the African-Brazilian umbanda or candomblé religions (37.8%); widows/widowers (30.4%); individuals that had never attended school (31.4%); unemployed (28.3%); those with family income up to one minimum wage (28.8%); individuals that reported illness in the previous 15 days (36.9%); those with physical disabilities (21.6%); mental or intellectual disabilities (44.4%); emotional or mental problems (48.9%); headache (33.63%); and individuals with one or more chronic diseases (24.1%). The information in this study reaffirms the relevance of the prevalence of CMDs and their association with the most vulnerable social groups, corroborating the need to implement public measures in mental health.

Keywords: Mental Disorders; Mental Health; Health Surveys

Resumen:

Estudios realizados en los países en desarrollo describen un aumento progresivo de los trastornos mentales, con grandes repercusiones sociales y económicas. El presente estudio se propone analizar la prevalencia de los trastornos mentales comunes (TMC) y sus factores asociados en los habitantes del área urbana de la ciudad de São Paulo, Brasil. A partir de los datos recabados por la Encuesta de Salud en el Municipio de São Paulo (ISA-Capital) de 2015, se identificó la presencia de TMC con la utilización del Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20). La asociación de TMC con las variables sociodemográficas y de condiciones de salud se analizó a través de la frecuencia relativa, corregida por los respectivos pesos derivados de una muestra de conglomerados, estimándose la prevalencia y intervalos de confianza (IC95%) y evaluándose la significancia de la asociación por el chi-cuadrado, corregido por la distribución F. La prevalencia de TMC encontrada fue de 19,7% (IC95%: 18,2-21,4), siendo mayor en mujeres (24,3%); personas con 60 años o más (25,3%); practicantes de umbanda/candomblé (37,8%); viudos (30,4%); que nunca asistieron a la escuela (31,4%); inactivos/desempleados (28,3%); quienes tenía una renta familiar de hasta un salario mínimo (28,8%); individuos que informaron morbilidad durante los últimos 15 días (36,9%); deficiencia física (21,6%); deficiencia mental o intelectual (44,4%); problema emocional o mental (48,9%); cefalea (33,63%); y en los portadores de una o más enfermedades crónicas (24,1%). La información de esta investigación reafirma la relevancia de la prevalencia de TMC, así como su asociación con los grupos sociales más vulnerables, lo que refuerza la necesidad de la implementación de medidas públicas de salud mental.

Palabras-clave: Trastornos Mentales; Salud Mental; Encuestas Epidemiológicas

Introdução

O transtorno mental comum (TMC), expressão cunhada por Goldberg & Huxley 1, refere-se à situação de saúde que não preenche critérios formais suficientes para diagnósticos de depressão e/ou ansiedade segundo as classificações do DSM-V (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders - 5ª edição) e CID-11 (Classificação Internacional de Doenças - 11ª revisão), todavia, os sintomas como insônia, fadiga, queixas somáticas, esquecimento, irritabilidade, dificuldade de concentração, entre outros, provocam uma incapacitação funcional significativa, trazendo prejuízos psicossociais para o indivíduo, bem como alto custo social e econômico 1,2,3.

Em estudos brasileiros, a prevalência de TMC varia entre 17% e 35% 2,4,5,6,7,8, o que representa uma parcela significativa da população, indicando a relevância de pesquisas relacionadas a esse tema em termos de saúde pública.

Um estudo publicado em 2016 9 estimou que a carga global das doenças mentais equivale a 32,4%, dos anos vividos com incapacidade, e a 13%, dos anos de vida ajustados por incapacidade. Já a prevalência global de TMC é de 17,6%, para um adulto nos últimos 12 meses, e de 29,2%, ao longo da vida 10.

Os transtornos mentais são pouco identificados e tratados, gerando um forte impacto na sociedade, normalmente a maior atenção é para os sintomas físicos, quando presentes. Assim, ocorre o emprego de medicações e exames desnecessários, intervenções ineficazes, comprometendo o prognóstico e a aderência aos tratamentos propostos 2,11.

Segundo o estudo de Nunes et al. 12, publicado em 2016, no qual a prevalência de TMC foi de 26,8% (intervalos de 95% de confiança - IC95%: 26,1-27,5), os grupos sociodemográficos mais acometidos foram mulheres (RP = 1,9; IC95%: 1,8-2,0); os mais jovens (35-54 anos) (RP = 1,7; IC95%: 1,5-1,9), “não brancos” e indivíduos sem graduação.

Nesse contexto, pretende-se, com esta pesquisa, contribuir para o conhecimento da relação de TMC com fatores socioeconômicos assim como corroborar ou complementar informações existentes na literatura. Sendo assim, o objetivo é contribuir com os estudos que estimam a prevalência de TMC e sua associação com os fatores: sexo; idade; cor; religião; situação conjugal; naturalidade; escolaridade; ocupação; renda familiar em salários mínimos vigentes em 2015, como também sua associação com as determinadas condições de saúde (morbidade referida nos últimos 15 dias; deficiência física; deficiência mental/intelectual; doença crônica; problema emocional ou mental referidos; cefaleia) em moradores da área urbana de São Paulo, Brasil, com idade igual ou superior a 15 anos no ano de 2015.

Metodologia

Trata-se de um estudo que utilizou dados secundários oriundos do Inquérito de Saúde do Município de São Paulo (ISA-Capital) de 2015 13. Sendo a terceira edição do inquérito de saúde de base populacional de corte transversal no qual o público investigado foi formado por residentes de domicílios particulares, em área urbana, do Município de São Paulo. A amostragem probabilística por conglomerados foi estratificada por domínios em dois estágios: setor censitário (4 grupos) e domicílios (5 grupos). As coordenadorias regionais de saúde (Norte, Sul, Leste, Sudeste e Centro-oeste) foram consideradas para estratificar a cidade. Trinta setores censitários foram sorteados em cada coordenadoria, com base nos setores urbanos do Censo Demográfico de 2010. Sendo assim, a amostra foi formada seguindo os seguintes domínios: adolescentes de 12 a 19 anos de idade, homens adultos de 20 a 59 anos, mulheres adultas de 20 a 59 anos e idosos homens e mulheres de 60 anos ou mais. O cálculo foi baseado em uma estimativa de prevalência de 50% com 0,10 de erro amostral considerando um intervalo de 95% de confiança e efeito de desenho de 1,5.

No presente trabalho, a população foi composta por todos os indivíduos com idade maior ou igual a 15 anos, que responderam ao Bloco E de saúde emocional no ISA-Capital 2015.

A presença de TMC foi estabelecida por meio do Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20), que compõe o Bloco E sobre saúde emocional. Trata-se de um instrumento concebido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o objetivo de servir como método de triagem de transtornos psiquiátricos na atenção básica de países em desenvolvimento 14. Tal questionário é composto por 20 questões de fácil aplicação do tipo sim ou não sobre a presença de sintomas físicos e psíquicos nos últimos 30 dias. Para definir a presença de TMC, o ponto de corte 7/8 foi estabelecido no estudo de validação dos autores Mari & Williams 15 como o mais adequado em sensibilidade e especificidade. Contudo, observaram que, para os homens, tal ponto de corte apresentaria um valor preditivo positivo menor (66%) quando comparado com as mulheres (83%). Sendo assim, propuseram uma distinção entre os pontos de corte a serem utilizados: 5/6 para os homens e 7/8 para as mulheres, com sensibilidade de 83% e especificidade de 80%. Já o trabalho de Scazufca et al. 16 demonstrou a validade do SRQ-20 em uma população de idosos, encontrando o ponto de corte 4/5 como o de melhor sensibilidade e especificidade para ambos os sexos. Sendo assim, no presente estudo, foram utilizados os seguintes pontos de corte para indicar TMC: homens com 64 anos ou menos - 6 ou mais respostas positivas; mulheres com 64 anos ou menos - 8 ou mais respostas positivas; e homens e mulheres com 65 anos ou mais - 5 ou mais respostas positivas.

As variáveis independentes utilizadas foram as sociodemográficas (sexo; idade; cor; religião; situação conjugal; naturalidade; escolaridade; ocupação; renda familiar em salários mínimos vigentes em 2015) e sobre as condições de saúde (morbidade referida nos últimos 15 dias; deficiência física; deficiência mental/intelectual; doença crônica; problema emocional ou mental referidos; cefaleia). A variável dependente neste estudo foi a de ser ou não portador de TMC.

A análise se deu descrevendo a frequência relativa de cada variável dentre os portadores e não portadores de TMC; estimando-se a prevalência e respectivos IC95% em cada situação e avaliando-se a significância da associação pelo qui-quadrado corrigido pela distribuição F (Satterwaite).

O programa Stata 11 (https://www.stata.com) foi utilizado para realizar as análises.

O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), campus Sorocaba (CAAE 66296917.0.0000.5373).

Resultados

A Tabela 1 descreve a distribuição dos 3.618 sujeitos da amostra de acordo com as variáveis sociodemográficas e de condição de saúde.

Tabela 1 Distribuição da amostra segundo as variáveis sociodemográficas e condições de saúde. Inquérito de Saúde do Município de São Paulo (ISA-Capital), São Paulo, Brasil, 2015. 

Variável/Condição de saúde n * %
Sexo
Masculino 1.564 43,23
Feminino 2.054 56,77
Idade (anos)
15-29 1.077 29,77
30-44 863 23,85
45-59 701 19,38
60 ou mais 977 27,00
Cor
Branca 1.810 52,16
Preta 387 11,15
Amarela ou indígena 80 2,31
Parda 1.193 34,38
Religião
Católica 1.769 49,87
Evangélica/Protestante 1.064 30,00
Espírita ou Budismo ou Judaísmo 180 5,07
Umbanda/Candomblé 33 0,93
Nenhuma 501 14,12
Situação conjugal
Casado no civil ou religioso ou vive em união conjugal estável ou vive junto 1.811 50,18
Solteiro ou separado ou desquitado ou divorciado 1.477 40,93
Viúvo 321 8,89
Naturalidade
Estado de São Paulo 2.189 60,67
Outros estados 1.344 37,25
Exterior 75 2,08
Escolaridade
Nunca frequentou 716 19,87
Ensino Fundamental 1.370 38,01
Ensino Médio e/ou técnico 1.416 39,29
Ensino Superior e/ou Pós-graduação 102 2,83
Ocupação
Ativos 2.691 75,40
Inativos/Desempregados 878 24,60
Renda familiar (salário mínimo) **
< 1 250 7,58
1-2 669 20,28
2-4 1.211 36,71
4-9 883 26,77
> 9 286 8,67
Morbidade referida em 15 dias
Não 2.925 80,94
Sim 689 19,06
Deficiência física ***
Não 1.839 50,83
Sim 1.779 49,17
Deficiência mental ou intelectual
Não 3.546 98,12
Sim 68 1,88
Problema emocional ou mental
Não 3.079 85,27
Sim 532 14,73
Cefaleia
Não 2.505 69,26
Sim 1.112 30,74
Doença crônica (1 ou mais)
Não 1.196 34,55
Sim 2.266 65,45

* Dados ignorados: cor (n = 148); religião (n = 71); situação conjugal (n = 9); naturalidade (n = 10); escolaridade (n = 14); ocupação (n = 49); renda familiar (n = 319); morbidade em 15 dias (n = 4); deficiência mental ou intelectual (n = 4); problema emocional ou mental (n = 7); cefaleia (n = 1); doença crônica (n = 156);

** Salário mínimo vigente em 2015 = R$ 788,00;

*** Inclui quem utiliza óculos, lente de contato, aparelho auditivo, alguma órtese, prótese, bengala ou aparelho auxiliar (muleta, andador, cadeira de rodas).

Preencheram o critério estabelecido para TMC 780 indivíduos, sendo a prevalência encontrada de 19,7% (IC95%: 18,2-21,4). Em relação às variáveis sociodemográficas (Tabela 2), a prevalência de TMC foi significantemente maior nos seguintes grupos: mulheres; pessoas com 60 anos ou mais; praticantes da umbanda/candomblé e evangélicos/protestantes quando comparados a católicos; viúvos; quem nunca frequentou a escola e quem possuía apenas ensino fundamental quando comparados a curso superior/pós-graduação; inativos/desempregados; quem possuía renda familiar de até um salário mínimo, entre 1 e 2 salários mínimos, entre 2 e 4 salários mínimos, e entre 4 e 9 salários mínimos quando comparados à renda familiar maior que 9 salários mínimos.

Tabela 2 Prevalência de transtorno mental comum e intervalos de 95% de confiança (IC95%) segundo as variáveis sociodemográficas. Inquérito de Saúde do Município de São Paulo (ISA-Capital), São Paulo, Brasil, 2015. 

Variável % (IC95%) Valor de p
Total 19,7 (18,15-21,44)
Sexo < 0,001
Masculino 14,6 (12,77-16,60)
Feminino 24,3 (21,88-26,82)
Idade (anos) < 0,001
15-29 19,1 (16,48-22,13)
30-44 17,7 (15,25-20,51)
45-59 19,2 (16,44-22,42)
60 ou mais 25,3 (21,77-29,26)
Cor 0,337
Branca 18,5 (16,28-20,87)
Preta 21,4 (17,28-26,11)
Amarela ou indígena 18,6 (10,83-30,13)
Parda 21,1 (18,74-23,63)
Religião < 0,001
Católica 17,5 (15,61-19,51)
Evangélica/Protestante 23,7 (20,99-26,68)
Espírita ou Budismo ou Judaísmo 19,0 (13,04-26,79)
Umbanda/Candomblé 37,8 (20,10-59,47)
Nenhuma 17,8 (14,56-21,58)
Situação conjugal < 0,001
Casado no civil ou religioso ou vive em união conjugal estável ou vive junto 19,0 (17,01-21,05)
Solteiro ou separado ou desquitado ou divorciado 19,3 (16,99-21,76)
Viúvo 30,4 (24,96-36,50)
Naturalidade 0,97
Estado de São Paulo 19,7 (17,62-22,06)
Outros estados 19,8 (17,53-22,22)
Exterior 18,6 (11,12-29,45)
Escolaridade < 0,001
Nunca frequentou 31,4 (21,89-42,84)
Ensino Fundamental 24,8 (22,26-27,55)
Ensino Médio e/ou técnico 19,0 (16,48-21,71)
Ensino Superior e/ou Pós-graduação 14,3 (11,57-17,65)
Ocupação < 0,001
Ativos 17,7 (15,97-19,54)
Inativos/Desempregados 28,3 (25,06-31,72)
Renda familiar (salário mínimo) * < 0,001
< 1 28,8 (22,21-36,49)
1-2 21,5 (18,33-25,12)
2-4 21,7 (19,18-24,43)
4-9 16,5 (13,58-19,91)
> 9 11,2 (7,69-16,08)

* Salário mínimo vigente em 2015 = R$ 788,00.

Em relação às variáveis de condição de saúde (Tabela 3), a prevalência de TMC foi maior nas seguintes categorias: morbidade referida nos últimos 15 dias; deficientes físicos; deficientes mentais ou intelectuais; portadores de problema emocional ou mental; presença de cefaleia; e portadores de uma ou mais doenças crônicas. Todas as variáveis apresentaram associação com TMC com significância estatística.

Tabela 3 Prevalência de transtorno mental comum e intervalos de 95% de confiança (IC95%) de acordo com as condições de saúde. Inquérito de Saúde do Município de São Paulo (ISA-Capital), São Paulo, Brasil, 2015. 

Condição de saúde % (IC95%) Valor de p
Morbidade referida em 15 dias < 0,001
Não 15,9 (14,36-17,51)
Sim 36,9 (32,68-41,45)
Deficiência física 0,025
Não 18,1 (16,09-20,38)
Sim 21,6 (19,33-24,16)
Deficiência mental ou intelectual < 0,001
Não 19,2 (17,70-20,97)
Sim 44,4 (31,80-57,47)
Problema emocional ou mental < 0,001
Não 14,8 (13,28-16,38)
Sim 48,9 (43,37-57,52)
Cefaleia < 0,001
Não 13,31 (11,76-15,03)
Sim 33,6 (30,34-37,08)
Doença crônica (1 ou mais) < 0,001
Não 10,2 (8,39-12,33)
Sim 24,1 (22,00-26,40)

Discussão

Na revisão sistemática com metanálise conduzida por Steel et al. 10, a prevalência global de transtornos mentais comuns foi de 17,6%, para um adulto nos últimos 12 meses, e de 29,2%, ao longo da vida. Foram analisados 174 estudos de 63 países. Apesar de a comparação ser comprometida pelos diferentes instrumentos utilizados na identificação do transtorno mental comum, é possível ter uma estimativa da alta prevalência global e adequação dos valores encontrados nesta pesquisa.

No Brasil, os estudos de base populacional que se utilizaram do SRQ-20 apresentaram prevalências que divergem moderadamente de acordo com os pontos de corte utilizados. A Tabela 4 lista alguns desses estudos.

Tabela 4 Prevalência de transtorno mental comum (TMC) em estudos de base populacional que tiveram o Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20) como instrumento para definição de TMC. 

Estudo Ano Localização Pontos de corte % IC95%
Moraes Júnior 2 2010 Região Metropolitana de São Paulo 5/6 para homens e 7/8 para mulheres 22,4 19,3-25,6
Lima 4 2004 Botucatu, São Paulo 5/6 para homens e 7/8 para mulheres 20,8 16,8-24,8
Anselmi et al. 5 2008 Pelotas, Rio Grande do Sul 5/6 para homens e 7/8 para mulheres 28,0 26,7-29,4
Rocha et al. 6 2010 Feira de Santana, Bahia 6/7 para ambos os sexos 29,9 NI
Rodrigues-Neto et al. 7 2008 Montes Claros, Minas Gerais 7/8 para ambos os sexos 23,2 NI
Marín-León et al. 8 2007 Campinas, São Paulo 7/8 para ambos os sexos 17,0 12,8-22,3

IC95%: intervalo de 95% de confiança; NI: não informado.

É possível notar que a maioria das pesquisas aponta prevalências de TMC próximas de nossos resultados e com intervalos de confiança que se sobrepõem.

No estudo conduzido por Ribeiro 17, que se baseou na edição de 2008 do ISA-Capital, a prevalência de TMC foi de 21,3%. Levando em consideração a semelhança da metodologia e amostra de base populacional entre os estudos, é possível constatar que não houve mudança estatisticamente significante da prevalência de TMC na população paulistana entre os anos 2008-2015. O valor de 2008 está dentro do intervalo de confiança da prevalência encontrada no estudo de 2015 (18,15-21,44).

Os resultados encontrados no presente estudo mostram uma maior prevalência de TMC principalmente em mulheres, pessoas com 60 anos ou mais, viúvos, quem nunca frequentou a escola, inativos/desempregados, e quem possuía renda familiar de até um salário mínimo. Tais associações são coerentes com outros estudos 2,4,6,11,17. No que tange ao gênero e à classe social, é relevante destacar os determinantes sociais de saúde e sua implicação no TMC, o que ajuda a explicar a alta prevalência constatada em mulheres e naqueles com renda mais baixa. Sendo assim, esses grupos de maior vulnerabilidade compartilham interações de determinantes sociais que estão relacionados à maior prevalência de TMC. Ludermir 18 (p. 461), em um estudo publicado em 2008, esclarece essa associação da seguinte forma: “classe social e gênero representam conceitos distintos e sua associação com a saúde mental tem sido amplamente investigada. O núcleo essencial da concepção de causalidade da doença mental não se encontra numa determinada classe ou gênero, mas sim nas relações estabelecidas entre classes e gêneros, caracterizadas pela opressão e subordinação de um grupo por outro”.

Nesse sentido, a saúde mental das mulheres deve ser entendida de acordo com as questões socioeconômicas e políticas relacionadas a esse grupo.

A idade também parece ser decisiva ao se decompor os fatores associados ao risco de TMC. A maior prevalência em idosos pode ser compreendida analisando as repercussões comuns no envelhecimento: aumento de doenças crônicas, limitações físicas, perdas cognitivas, diminuição sensorial, isolamento social, entre outros. No que tange à saúde mental, verifica-se, nessa faixa etária, transtornos demenciais, ansiosos e principalmente depressivos 19.

A escolaridade, quando elevada, associa-se à menor prevalência de TMC 20,21,22,23. Os achados deste estudo confirmaram tal tendência na literatura. A prevalência encontrada de TMC entre aqueles que nunca frequentaram a escola foi de 31,4% (IC95%: 21,89-42,84), enquanto, entre aqueles com Ensino Superior completo e/ou Pós-graduação, foi apenas de 14,3% (IC95%: 21,89-42,84). Essa associação, que poderia ser interpretada como uma facilidade e maiores recursos financeiros que aqueles com maior número de anos de estudo detêm para enfrentar intercorrências pessoais, parece estar mais relacionada à exposição daqueles com baixa escolaridade a fatores como desemprego, pouca oportunidade de trabalho, baixa remuneração, condições precárias de vida, maior exposição à violência, entre outros, que podem predispô-los a problemas de saúde mental 23.

Como esperado, a prevalência de TMC em relação às variáveis de saúde foi maior nos grupos com piores condições de saúde (morbidade referida nos últimos 15 dias; deficientes físicos; deficientes mentais ou intelectuais; portadores de problema emocional ou mental; presença de cefaleia; e portadores de uma ou mais doenças crônicas). Coelho et al. 24, em um estudo de base populacional, destacam a relação entre TMC e enfermidades crônicas no qual os indivíduos que possuíam cinco ou mais apresentaram uma razão de prevalência de TMC de 4,67 (IC95%: 3,19-6,83) quando comparados com aqueles que não possuíam nenhuma doença crônica. Tais informações são importantes aos profissionais e gestores em saúde para que o cuidado dirigido a esse grupo populacional contemple, de maneira satisfatória, o diagnóstico e tratamento de possíveis doenças psiquiátricas.

Apesar de ser um estudo com amostra de grande tamanho, e dos dados terem sido coletados diretamente por meio de entrevistadores treinados, resta dizer que apresenta as limitações inerentes aos estudos transversais (incapacidade de estabelecer relação de causalidade) e baseia-se em informações autorreferidas. Por outro lado, o presente estudo serve como mais uma referência para futuras pesquisas que pretendam investigar e aprofundar o conhecimento sobre a dinâmica do processo saúde-doença, especialmente no que se refira aos TMC.

Conclusão

Confirma-se a prevalência relevante de TMC, o que corrobora os resultados de outros estudos baseados em inquéritos populacionais realizados em cidades brasileiras. Como era esperado, variáveis sociodemográficas e de condições de saúde possuem associação significante com TMC, de modo que os grupos menos privilegiados (como mulheres, idosos, portadores de doenças crônicas, baixa escolaridade, menor renda, viúvos, inativos/desempregados, deficientes físicos) apresentam maior prevalência. Tal fato se faz importante para os profissionais e gestores de saúde para que se possa garantir o atendimento adequado a esse público.

REFERÊNCIAS

1. Goldberg DP, Huxley P. Common mental disorders: a bio-social model. New York: Tavistock/Routledge; 1992.
2. Moraes Júnior EC. Prevalência e fatores de risco para transtorno mental comum na população urbana da região metropolitana de São Paulo [Dissertação de Mestrado]. Botucatu: Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista; 2010.
3. Stansfeld SA, Fuhrer R, Head J. Impact of common mental disorders on sickness absence in an occupational cohort study. Occup Environ Med 2011; 68:408-13.
4. Lima MCP. Transtornos mentais comuns e uso de álcool na população urbana de Botucatu - SP: um estudo de comorbidade e utilização de serviços [Tese de Doutorado]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2004.
5. Anselmi L, Barros FC, Minten GC, Gigante DP, Horta BL, Victora CG. Prevalência e determinantes precoces dos transtornos mentais comuns na coorte de nascimentos de 1982, Pelotas, RS. Rev Saúde Pública 2008; 42 Suppl 2:26-33.
6. Rocha SV, Almeida MMG, Araújo TM, Virtuoso Júnior JS. Prevalência de transtornos mentais comuns entre residentes em áreas urbanas de Feira de Santana, Bahia. Rev Bras Epidemiol 2010; 13:630-40.
7. Rodrigues-Neto JF, Figueiredo MFS, Faria AAS, Fagundes M. Transtornos mentais comuns e o uso de práticas de medicina complementar e alternativa: estudo de base populacional. J Bras Psiquiatr 2008; 57:233-9.
8. Marín-León L, Oliveira HB, Barros MBA, Dalgalarrondo P, Botega NJ. Social inequality and common mental disorders. Rev Bras Psiquiatr 2007; 29:250-3.
9. Vigo D, Thornicroft G, Atun R. Estimating the true global burden of mental illness. Lancet Psychiatry 2016; 3:171-8.
10. Steel Z, Marnane C, Iranpour C, Chey T, Jackson JW, Patel V, et al. The global prevalence of common mental disorders: a systematic review and meta-analysis 1980-2013. Int J Epidemiol 2014; 43:476-93.
11. Maragno L, Goldbaum M, Gianini RJ, Novaes HMD, César CLG. Prevalência de transtornos mentais comuns em populações atendidas pelo Programa Saúde da Família (QUALIS) no Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública 2006; 22:1639-48.
12. Nunes MA, Pinheiro AP, Bessel M, Brunoni AR, Kemp AH, Benseñor IM, et al. Common mental disorders and sociodemographic characteristics: baseline findings of the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil). Rev Bras Psiquiatr 2016; 38:91-7.
13. Alves MCGP, Escuder MML, Goldbaum M, Barros MBA, Fisberg RM, Cesar CLG. Sampling plan in health surveys, city of São Paulo, Brazil, 2015. Rev Saúde Pública 2018; 52:81.
14. World Health Organization. A user's guide to the self reporting questionnaire (?SRQ). Geneva: World Health Organization; 1994.
15. Mari JJ, Williams P. A validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of Sao Paulo. Br J Psychiatry 1986; 148:23-6.
16. Scazufca M, Menezes PR, Vallada H, Araya R. Validity of the self reporting questionnaire-20 in epidemiological studies with older adults. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol 2009; 44:247-54.
17. Ribeiro MP. Equidade na atenção à saúde de pessoas com indicativos de transtornos mentais comuns no Município de São Paulo [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2016.
18. Ludermir AB. Desigualdades de classe e gênero e saúde mental nas cidades. Physis (Rio J.) 2008; 18:451-67.
19. Tavare SMG. A saúde mental do idoso brasileiro e a sua autonomia. BIS Bol Inst Saúde 2009;(47):87-9.
20. Araya R, Lewis G, Rojas G, Fritsch R. Education and income: which is more important for mental health? J Epidemiol Community Health 2003; 57:501-5.
21. Patel V, Araya R, de Lima M, Ludermir A, Todd C. Women, poverty and common mental disorders in four restructuring societies. Soc Sci Med 1999; 49:1461-71.
22. Ludermir AB, Melo Filho DA. Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Rev Saúde Pública 2002; 36:213-21.
23. Patel V, Kleinman A. Poverty and common mental disorders in developing countries. Bull World Health Organ 2003; 81:609-15.
24. Coelho FMC, Pinheiro RT, Horta BL, Magalhães PVS, Garcias CMM, Silva CV. Common mental disorders and chronic non-communicable diseases in adults: a population-based study. Cad Saúde Pública 2009; 25:59-67.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.