Programa Vocal Cognitivo aplicado a indivíduos com sinais de presbilaringe: resultados preliminares

Programa Vocal Cognitivo aplicado a indivíduos com sinais de presbilaringe: resultados preliminares

Autores:

Katia Nemr,
Glaucia Verena Sampaio de Souza,
Marcia Simões-Zenari,
Domingos Hiroshi Tsuji,
Adriana Hachiya,
Gislaine Ferro Cordeiro,
Guilherme Pecoraro Nunes,
María Eugenia Dajer

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.26 no.6 São Paulo nov./dez. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20142014108

INTRODUÇÃO

O envelhecimento pode levar a mudanças vocais como redução da intensidade, aumento do jitter, alteração da qualidade vocal, redução dos tempos máximos de fonação e da diadococinesia, voz menos aguda para as mulheres e menos grave para os homens, caracterizando presbifonia( 1 , 2 ). O idoso com voz adaptada é aquele que apresenta qualidade vocal com tendência a instabilidade; em que soprosidade e rugosidade leves podem ser observadas; a frequência fundamental média das mulheres fica ao redor de 180 Hz e dos homens 140 Hz; o pitch das mulheres tende a grave e dos homens a agudo; a extensão vocal é reduzida; a identificação do gênero por meio da voz pode estar comprometida; a intensidade vocal tende a ser reduzida; assim como a loudness, a respiração é mais superficial, com impacto na coordenação pneumofonoarticulatória e nos tempos máximos de fonação que ficariam por volta de dez segundos nas mulheres e 15 segundos nos homens; e o ataque vocal pode ser soproso( 3 ). Acredita-se que os efeitos do envelhecimento sobre a voz podem ser minimizados ou retardados com fonoterapia( 2 , 4 ). Acredita-se que uma proposta baseada na epistemologia genética de Jean Piaget associada às técnicas vocais na fonoterapia contribui com o sucesso terapêutico( 5 , 6 ). O objetivo é propor e verificar a efetividade de um programa de intervenção fonoaudiológica denominado Programa Vocal Cognitivo (PVC) para indivíduos com sinais de presbilaringe com ou sem queixa vocal.

MÉTODOS

Este estudo é longitudinal e foi aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade de Medicina (n° 120.831). Nesta fase preliminar (total previsto de 20 idosos de ambos os gêneros) participaram três mulheres (idades de 65 a 69 anos), duas com queixa vocal e uma com diagnóstico de presbifonia segundo avaliação otorrinolaringológica por meio de videolaringoscopia de alta velocidade. Para esse estudo foram selecionados os seguintes dados da avaliação pré e pós-programa: videolaringoscopia de alta velocidade; tarefas do CAPE-V( 7 ) gravadas em sala acusticamente tratada (programa Audacity, placa de som USB 5.1 3D externa ao computador, amplificador interno digital Class B 3D Sound e microfone headset AKG-520); e Protocolo de Rastreio de Risco de Disfonia (PRRD)( 8 ). Este instrumento foi elaborado pelo serviço em questão e teve sua aplicabilidade comprovada junto a mulheres, crianças e idosos, tanto para a clínica quanto para ações preventivas; apresenta a proposta de cálculo de escore, atribuindo-se pontos às respostas negativas, sendo que quanto mais negativa a resposta maior a pontuação.

A formatação do programa, bem como as técnicas vocais eleitas, tiveram por base a literatura( 9 - 11 ) e os estímulos visuais dinâmicos repetitivos de base cognitiva basearam-se na epistemologia genética de Jean Piaget( 5 , 6 , 12 ). A íntegra do programa está apresentada na Quadro 1.

Quadro 1. Descrição do Programa Vocal Cognitivo para Presbifonia 

Os achados vocais perceptivo-auditivos e acústicos pré e pós-intervenção foram comparados a partir da análise cega feita por duas fonoaudiólogas com confiabilidade intrajuiz maior que 80%( 13 , 14 ). Consideraram-se também escores obtidos com o PRRD com a autoavaliação pela escala analógica visual, achados laringológicos, avaliação dos estímulos repetitivos (realizada subjetivamente pelas participantes e terapeuta) e a aderência ao programa.

RESULTADOS

A Tabela 1 apresenta os parâmetros avaliados em relação à qualidade vocal nos momentos pré e pós-PVC. A espectrografia mostrou harmônicos melhor definidos e em maior número, além da elevação da intensidade; no PRRD houve melhora do escore de duas e piora do escore de uma. Após o programa, loudness, coordenação pneumofonoarticulatória, clareza articulatória, jitter e proporção harmônico-ruído apresentaram melhora, ficando tais parâmetros dentro do esperado para a faixa etária. Nas três participantes, observou-se evolução na qualidade vocal. Em duas verificou-se tensão associada à elevação da loudness. Nas três houve aumento da frequência fundamental e melhora dos tempos máximos de fonação. O escore PRRD de duas pacientes apresentou melhores resultados. Na laringoscopia houve redução dos sinais de presbilaringe com melhor coaptação glótica e movimentação da onda mucosa em todas idosas. A repetição dos conceitos baseada na epistemologia genética foi considerada positiva pelas participantes e terapeuta.

Tabela 1. Avaliação vocal pré e pós-Programa Vocal Cognitivo para presbifonia 

Aspectos analisados (análise/esperado) Paciente 1 Paciente 2 Paciente 3
Pré-PVC Pós-PVC Pré-PVC Pós-PVC Pré-PVC Pós-PVC
Escala Analógica Visual (reta de 10 cm, em que 0 representa a melhor voz e 10, a pior) 4,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0
Avaliação Perceptivo-auditiva R S (GL) T (GL) R S (GL) R T (GL) R S A (GL) I (GM) R S I (GL)
Loudness diminuída adequada diminuída adequada diminuída adequada
Clareza articulatória diminuída adequada diminuída adequada diminuída adequada
Coordenação respiração-fala alterada adequada alterada adequada alterada adequada
Tempo máximo de fonação (em segundos) 9,60 11,49 4,97 7,39 12,81 19,43
f0 (em Hertz) 178,25 213,52 198,62 217,41 221,49 237,76
Jitter (0,3–0,5%) 1,02 0,50 0,58 0,43 1,26 0,51
Shimmer (3–5%) 12,28 1,51 6,89 2,38 14,88 2,60
Proporção harmônico-ruído (22 dB) 14,72 25,76 17,43 20,31 11,53 24,76

Legenda: PVC = Programa Vocal Cognitivo; R = rugosidade; S = soprosidade; GL = grau leve; T = tensão; I = instabilidade; GM = grau moderado

DISCUSSÃO

As três pacientes apresentaram inicialmente alterações vocais, independente da queixa de voz, com alterações pré-programa compatíveis com a presença de presbifonia( 1 , 2 ). A alta adesão mostrou-se relevante para a conquista dos resultados, mas deve ser mensurada de forma mais objetiva no seguimento do projeto. Melhoras observadas em loudness, coordenação pneumofonoarticulatória, tempo máximo de fonação e clareza articulatória proporcionam melhor efetividade comunicativa. A instabilidade vocal em um caso diminuiu para leve, o que contribuiu para maior agradabilidade fonatória. A queixa vocal inicial deixou de tê-la no momento pós-PVC, com maior conforto ao falar e voz mais agradável. Apesar de escassos dados normativos de laringoscopia de alta velocidade em idosos( 15 , 16 ), as melhoras observadas no momento pós-PVC reforçam os achados da avaliação perceptivo-auditiva e acústica. Os resultados corroboram estudos que indicam que a fonoterapia pode minimizar ou retardar os efeitos da presbifonia( 2 , 4 ). Apesar da rugosidade, soprosidade e astenia permanecerem alteradas em grau leve, houve melhora observada por meio dos escores CAPE-V. O aparecimento de tensão leve em dois participantes pode ter contribuído para o aumento da intensidade e diminuição da soprosidade, mas, para que não haja impacto vocal negativo no longo prazo este aspecto, será acompanhado nas reavaliações.

A melhora vocal também foi percebida em função da elevação da f0, o que minimizou aspectos vocais característicos da presbifonia em mulheres. A evolução apresentada no escore do PRRD corrobora a observação de maior consciência corporal/vocal, o que levou as participantes a modificações no estilo de vida e hábitos relacionados ao uso da voz. Vale salientar que todas aderiram ao programa e os aspectos relacionados à adesão serão foco de pesquisa específica.

A ênfase na cognição fundamentada na epistemologia genética( 12 ), já aplicada com sucesso em pacientes idosos laringectomizados totais( 5 ), pode ser considerada um dos diferenciais positivos da proposta.

CONCLUSÃO

Os resultados preliminares apontam perspectivas animadoras em relação à proposta com melhora dos aspectos analisados. O programa proposto mostrou-se exequível, bem delineado, não sendo necessários ajustes para a continuidade do projeto.

REFERÊNCIAS

1. Nascimento LT, Silva AF, Santos FS, Costa MR, Pereira RO. Presbifonia e disfonia na terceira idade: compreendendo os sinais típicos e atípicos. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;suplemento especial:1293.
2. Vasconcelos SV, Mello RJV, Silva HJ. Efeitos do envelhecimento e do fumo nas pregas vocais: uma revisão sistemática. ACTA ORL. 2009;27(1):9-14.
3. Behlau M, Azevedo R, Pontes P. Conceito de voz normal e classificação das disfonias. In: Behlau M. Voz: o livro do especialista, 1. Rio de Janeiro: Revinter, 2001. p. 53-79.
4. Siracusa MGP, Oliveira G, Madazio G, Behlau M. Efeito imediato do exercício de sopro sonorizado na voz do idoso. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011;23(1):27-31.
5. Nemr NK. A epistemologia genética de Jean Piaget na reabilitação vocal do laringectomizado [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2000.
6. Nemr K, Ramozzi-Chiarottino Z. Fatores cognitivos na adaptação vocal após laringectomia total. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002;68(6):805-10.
7. Behlau M. Consensus Auditory - Perceptual Evaluation of Voice (CAPE-V), ASHA 2003. Refletindo sobre o novo/Nex reflexions. Rev Soc Bras Fonoauldiol. 2004;9(3):187-9.
8. Simões-Zenari M, Bonfim ACC, Nemr K. Proposta de protocolo de anamnese fonoaudiológica para a clínica de voz. In: 19º Congresso Brasileiro e 8º Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2011 Out 30-Nov 2; São Paulo. São Paulo: SBFa; 2011; 942.
9. Ferreira LM, Annunciato NF. Envelhecimento vocal e neuroplasticidade. In: Pinho SMR, organizador. Fundamentos em fonoaudiologia: tratando os distúrbios da voz. 2a ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2003. p. 117-37.
10. Behlau M, Madazio G, Feijó D, Azevedo R, Gielow I, Rehder MI. Aperfeiçoamento vocal e tratamento fonoaudiológico das disfonias. In: Behlau M, organizador. Voz: o livro do especialista. Rio de Janeiro: Revinter, 2005. Vol. II. p. 409-519.
11. Allali A, Le Huche F. A voz: tratamento dos distúrbios vocais. 3a ed. Porto Alegre: ArtMed, 2006.
12. Piaget J. Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos, 1978.
13. Silva RSA, Simões-Zenari M, Nemr NK. Impacto de treinamento auditivo na avaliação perceptivo-auditiva da voz realizada por estudantes de Fonoaudiologia. J Soc Bras Fonoaudiol. 2012;24(1):19-25.
14. Nemr K, Simões-Zenari M, Cordeiro GF, Tsuji D, Ogawa AI, Ubrig MT, et al. GRBAS and Cape-V scales: high reliability and consensus when applied at different times. J Voice. 2012;26(6):812.e17-22.
15. Yamauchi A, Imagawa H, Yokonishi H, Nito T, Yamasoba T, Goto T, et al. Evaluation of vocal fold vibration with an assessment form for high-speed digital imaging: comparative study between healthy young and elderly subjects. J Voice. 2012;26(6):742-50.
16. Ahmad K, Yan Y, Bless D. Vocal fold vibratory characteristics of healthy geriatric females - analysis of high-speed digital images. J Voice. 2012;26(6):751-9.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.