Relato de caso: aneurisma roto de artéria poplítea

Relato de caso: aneurisma roto de artéria poplítea

Autores:

Altino Ono Moraes,
Rogério Yoshikazu Nabeshima,
Felipe Franchini Rezende,
Ericsson Fernando Viotto,
Claudio Ricardo Bogdan

ARTIGO ORIGINAL

Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449versão On-line ISSN 1677-7301

J. vasc. bras. vol.14 no.2 Porto Alegre abr./jun. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/1677-5449.0061

INTRODUÇÃO

O aneurisma de artéria poplítea (AAP) é responsável por 70 a 80% dos casos de aneurismas periféricos. Geralmente, incide em homens acima de 65 anos e, em 50% dos casos, são bilaterais1. Sua etiologia mais frequente, apesar de multifatorial, é a aterosclerose; o diagnóstico clínico só é feito quando a dilatação arterial atinge grandes proporções ou quando aparecem complicações isquêmicas no membro2. As manifestações clínicas do AAP incluem trombose arterial aguda, embolização distal, compressão venosa e/ou nervosa, e ruptura, sendo esta última uma complicação rara1.

Atualmente, a cirurgia endovascular para tratamento de AAP tornou-se uma alternativa ao reparo aberto, pois oferece algumas vantagens, como menor perda de sangue, recuperação pós-operatória mais rápida e alta hospitalar precoce3 , 4. Apresentamos, no presente relato, um raro caso de rotura de AAP, que foi tratado no Serviço de Urgência através da técnica endovascular.

DESCRIÇÃO DO CASO

Paciente do sexo feminino, 83 anos, com correção endovascular prévia de aneurisma de aorta abdominal, iniciou quadro de dor importante e edema em membro inferior esquerdo havia 15 dias do internamento. Ao exame físico, foi evidenciado edema com cacifo em região de joelho e perna esquerdos, discreta hiperemia e calor local, além de massa pulsátil em região poplítea (Figura 1). Foi solicitado eco-Doppler de membros inferiores, que evidenciou presença de aneurisma volumoso de artéria poplítea e hematoma abrangendo fossa poplítea e faces medial e anterior de joelho, com imagem suspeita de rotura contida, causando compressão de veia poplítea. A paciente apresentava a rotura havia cerca de uma semana, sendo tratada em outro serviço como erisipela; possuía um alto risco cirúrgico e arritmia cardíaca importante, além de anemia (hemoglobina de 10). A cirurgia foi realizada por punção anterógrada de artéria femoral comum e foi feito o acesso para o aneurisma através de fio guia hidrofílico e cateter Multi purpose; foi avaliada a zona proximal e implantados dois stents recobertos Viabahn GORE (r), além de acomodação com balão de angioplastia. Durante o procedimento cirúrgico endovascular, evidenciou-se a rotura do aneurisma e a completa exclusão do mesmo após correção (Figuras 2 e 3). Houve necessidade de transfusão de uma bolsa de concentrado de hemácias durante o procedimento. A paciente teve regressão completa dos sinais e sintomas após o procedimento, porém evoluiu no pós-operatório com sepse de origem pulmonar e óbito.

Figura 1. Pré-operatório. Imagem da face medial de coxa, com presença de hematoma volumoso e equimose de subcutâneo. 

Figura 2. Imagem intraoperatória mostrando rotura do aneurisma, com extravasamento do contraste, e contenção. 

Figura 3. Imagem intraoperatória após correção do aneurisma com stent Viabahn GORE?. 

DISCUSSÃO

O AAP é o aneurisma periférico mais comum e, entre todos os aneurismas, é o segundo em frequência, sendo superado apenas pelo aneurisma de aorta abdominal5. Está presente em cerca de 1% da população geral e ocorre preferencialmente no sexo masculino, em maiores de 65 anos e em pacientes com várias comorbidades2 , 4 - 6.

A presença do AAP sugere a existência de aneurismas em outros territórios, principalmente de artérias poplítea contralateral (50% dos casos), femoral, ilíaca e aorta abdominal1 , 4 , 5 , 7. Possui etiologia multifatorial e sua causa não está totalmente esclarecida, embora a aterosclerose constitua-se na principal hipótese em pacientes idosos7 - 9.

Os pacientes podem ser assintomáticos ou podem apresentar sintomas isquêmicos relacionados à trombose do aneurisma ou a algum evento embólico derivado deste, o que pode ocorrer em 33% dos casos7. As manifestações decorrentes da isquemia são as mesmas decorrentes de qualquer evento isquêmico, cursando com palidez, redução da temperatura, ausência de pulsos, parestesia e dor. Sintomas de compressão nervosa, como formigamento e ardência, ou de compressão venosa, como edema e trombose venosa profunda, podem ocorrer5.

Em geral, os AAPs acarretam uma alta taxa de complicações, variando de 68 a 77% dos casos em cinco anos. A rotura de AAP ocorre em 0,5 a 7% dos casos7 , 9 , 10. A amputação do membro inferior pode atingir até 40% dos pacientes e eventos que podem levar à morte somam 5% dos casos7.

O tratamento consiste em excluir o aneurisma nos casos em que possuem tamanho maior que 2 cm, apresentam trombo mural ou possuem torção maior que 45o. Os quadros da bilateralidade ou da associação com hipertensão arterial também devem ser tratados, devido aos maiores índices de complicações7 , 11 , 12.

O presente relato trata de um caso de mulher com aneurisma roto de artéria poplítea, que foi submetida a tratamento endovascular com stent recoberto com sucesso. A cirurgia endovascular como alternativa terapêutica vem inovando o tratamento por apresentar uma menor perda sanguínea no perioperatório e tempos de internação e recuperação menores, quando comparados ao tratamento convencional aberto.

REFERÊNCIAS

Thomazinho F, Silvestre JMS, Sardinha WE, Motta F, Perozin IS, Morais Filho D. Tratamento endovascular de aneurisma de artéria poplítea. J Vasc Bras. 2008;7(1):38-43 http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492008000100007. .
Kauffman P, Puech-Leão P. Tratamento cirúrgico do aneurisma da artéria poplítea: experiência de 32 anos . J Vasc Bras. 2002;1(1):5-14.
Antonello M, Frigatti P, Battocchio P, et al. Open repair versus endovascular treatment for asymptomatic popliteal artery aneurysm: results of a prospective randomized study. J Vasc Surg. 2005;42(2):185-93 http://dx.doi.org/10.1016/j.jvs.2005.04.049. PMid:16102611 .
Meka M, Wixon CL, Mondy SJ, Busken C. Endovascular exclusion of ruptured popliteal artery aneurysm. Am Surg. 2010;76(3):338-9 PMid:20349671. .
Imigo G F, Fonfach Z C, Massri E D, Sánchez C G, Sánchez H A. Aneurisma de arteria poplitea. Cuad. Cir. 2009;23(1):39-43 http://dx.doi.org/10.4206/cuad.cir.2009.v23n1-08. .
Gao X, Qi L, Chen B, Yu H, Li J, Zhang J. A rare case of giant popliteal artery aneurysm in a young adult. Vascular. 2011;19(6):342-5 http://dx.doi.org/10.1258/vasc.2010.cr0260. PMid:21885475 .
Rojas-Reyna GA, Cervantes-Castro J, Alvarado-Bachmann R, Wellman-Wollenstein R, Cervera-Servin A. Aneurismas de la arteria poplítea Treinta años de experiencia en el Centro Médico ABC. Cir Cir. 2008;76(1):55-9 PMid:18492421. .
Ferreira M, Medeiros A, Monteiro M, Lanziotti L. Alternativa técnica no tratamento endovascular dos aneurismas da artéria poplítea. J Vasc Bras. 2008;7(1):44-8 http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492008000100008. .
Rits Y, Erben Y, Ricotta JJ 2nd. Endovascular repair of a ruptured giant popliteal artery aneurysm. Perspect Vasc Surg Endovasc Ther. 2009;21(3):190-4 http://dx.doi.org/10.1177/1531003509352097. PMid:19965786 .
Marin ML, Veith FJ, Panetta TF, et al. Transfemoral endoluminal stented graft repair of a popliteal artery aneurysm. J Vasc Surg. 1994;19(4):754-7 http://dx.doi.org/10.1016/S0741-5214(94)70052-4. PMid:8164291 .
Verhoeven ELG, Tielliu IFJ, Kapma MR, Zeebregts CJ. Popliteal artery aneurysms: endovascular options. In: Greenhalgh RM, editor. Towards vascular and endovascular consensus. London: BIBA Medical; 2005. p. 538-546.
Hollier LH, Stanson AW, Gloviczki P, et al. Arteriomegaly: classification and morbid implications of diffuse aneurysmal disease . Surgery. 1983;93(5):700-8 PMid:6845177. .
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.