Resiliência e velhice: revisão de literatura

Resiliência e velhice: revisão de literatura

Autores:

Arlete Portella  Fontes,
Anita Liberalesso  Neri

ARTIGO ORIGINAL

Ciência & Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1413-8123versão On-line ISSN 1678-4561

Ciênc. saúde coletiva vol.20 no.5 Rio de Janeiro maio 2015

http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015205.00502014

Introdução

Na Física, o termo resiliência é referente à "propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora de uma deformação elástica"1. Outras áreas passaram a utilizar o termo, dentre elas a psicopatologia, por fazer referência à heterogeneidade de padrões de respostas frente a estressores associados a doenças, dificuldades socioeconômicas, psicopatologias parentais e rupturas na unidade familiar em crianças, algumas delas sucumbindo a tais experiências, enquanto que outras escapavam ilesas ou se tornavam mais fortes2. Na Psicologia, o estudo da resiliência começou há cerca de 30 anos, quando psicólogos do desenvolvimento começaram a observar diferentes possibilidades para o desenvolvimento de crianças consideradas como de risco, pelo fato de viverem expostas a adversidades3. A consideração da resiliência na vida adulta e na velhice foi influenciada pelo movimento conhecido como Psicologia Positiva4, pelas noções de plasticidade intraindividual5 e de reserva de capacidade cognitiva6.

Atualmente, o termo resiliência tem sido utilizado em diferentes contextos, tais como o acadêmico; o do paradigma de desenvolvimento ao longo do curso de vida; o das teorias e fases do desenvolvimento, com destaque para a adolescência, a vida adulta e a velhice; o da recuperação do indivíduo após situações traumáticas e o do desempenho nas organizações7.

Uma revisão bibliográfica apresentada por Souza e Ceverny8 no período de 1986 a 2004, nos periódicos Medline (Medical Literature Analysis and Retrieval System Online), Lilacs (Literatura latino-americana e do Caribe em ciências da saúde) e APA (American Psychologic Association), utilizando a palavra-chave resiliência, mostrou que as publicações vêm triplicando a cada período de cinco anos, abordando crianças e adultos (maior crescimento nos últimos anos) e idosos (a partir de 1999). Na base de dados APA, a partir de 1999, são incluídas temáticas sobre religião, racismo, violência familiar, homossexualidade, sobrevivência ao terrorismo8. No Brasil, nas bases Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), SciELO (Scientific Eletronic Library Online) e Universia (portal de informações sobre conhecimentos e pesquisa aplicada e colaboração institucional entre universidades e empresas), os temas mais pesquisados são família, adolescentes e crianças, sendo que há cinco publicações envolvendo adultos e cinco idosos8.

Laranjeira9, utilizando como descritores os termos adaptação, vulnerabilidade, modelo de resiliência, idoso e eventos de vida, em pesquisa realizada nas bases Medline, Lilacs e PsycINFO (base de dados na área de Psicologia, desenvolvida pela APA), encontrou 44 artigos, de cuja análise derivou quatro núcleos temáticos: precursores da resiliência; resiliência e envelhecimento; relatividade dos fatores de proteção; e resiliência e velhice bem-sucedida. Neste último núcleo, a resiliência foi associada à baixa probabilidade de doença, preservação da funcionalidade física e cognitiva e engajamento com a vida, descritos por Rowe e Kahn10 como indicadores capitais de velhice bem-sucedida.

Fazendo referência a recursos psicológicos essenciais para a superação de adversidades e para a recuperação dos níveis normais de funcionamento e desenvolvimento em situações de estresse, o construto resiliência é definido como um padrão de funcionamento adaptativo diante de riscos biológicos, socioeconômicos e psicológicos6 - 9 , 11 - 14. Na velhice, esses riscos incluem a morte de entes queridos; acidentes, doenças e incapacidades atingindo o próprio idoso; pobreza; abandono; conflitos familiares; violência doméstica e urbana; tensão crônica de papéis sociais e ansiedade e depressão em virtude da exposição a eventos críticos.

Nesse contexto este artigo representa uma atualização das revisões publicadas no Brasil, e internacionalmente sobre resiliência, assumindo-se os idosos como foco. Tem um duplo objetivo: um é apresentar conceitos associados aos modelos teóricos dominantes no campo; o outro é analisar os resultados da busca bibliográfica de artigos publicados no Brasil e em periódicos internacionais entre 2007 e 2013, com relação ao tema.

Variações do construto resiliência na velhice

Buscando identificar os modelos teóricos dominantes para a compreensão do construto de resiliência, constata-se uma discussão clássica sobre o conceito de resiliência ser visto como um traço de personalidade ou como um processo15. Como um traço, a resiliência é considerada um recurso estável que permite umaperfomance estável sob estresse. Assim, a resiliência refere-se a uma tendência de, sob estresse, responder com flexibilidade, e não com rigidez. Dentro dessa visão, o construto hardiness 16 refere-se a um conjunto de traços como comprometimento, controle e abertura à mudança que podem ser vistos como uma disposição global da personalidade para resistir ao estresse. Atente-se que, essa abordagem centrada no indivíduo corre o risco de subestimar o papel de fatores externos e variáveis de contexto, não oferecendo uma descrição do que e como tem acontecido. Em sua outra interpretação, quando resiliência é analisada sob a ótica do processo, fala-se em enfrentamento, podendo ser ela interpretada como uma ponte entre os processos de enfrentamento e o desenvolvimento15. O grau de resiliência de um indivíduo é considerado, assim, como função de fatores protetores (internos e externos), que podem alterar as respostas da pessoa, sob determinadas circunstâncias ambientais6.

Subjacentes ao conceito geral de resiliência como um padrão de funcionamento adaptativo no contexto de risco ou adversidade há duas condições básicas: 1. a exposição a um risco significativo; e 2. a evidência de adaptação positiva às ameaças ao desenvolvimento11. A adaptação positiva pressupõe bom desenvolvimento apesar dos riscos; competência para lidar com o estresse, incluindo a capacidade de minimizar os efeitos do evento estressante; capacidade de recuperação rápida após o trauma; e, em longo prazo, contenção de respostas negativas e capacidade de prover consequências positivas a comportamentos que impliquem em superação da adversidade17.

Assim, são considerados como psicologicamente resilientes os idosos que não sucumbem às adversidades, mas, ao contrário, na presença delas, exibem um padrão adaptativo positivo caracterizado pelo manejo dos eventos que ameaçam a adaptação, ou que, depois de serem afetados por adversidades, logram recuperar seus níveis anteriores ou basais de bem-estar objetivo e subjetivo. Diante de adversidades, o idoso pode alterar o significado a elas atribuído, reduzir cognitivamente o nível de perigo dos eventos estressores, reduzir sua exposição a eles, diminuir as próprias reações negativas, manter a autoestima e a autoeficácia e criar oportunidades para reverter os efeitos do estresse16. Tais ações opõem-se à vulnerabilidade, entendida como carência de recursos psicológicos para enfrentamento. Elas envolvem manejo dos efeitos deletérios dos riscos e das ameaças à adaptação. Isso significa que, se puder contar com recursos de resiliência, o idoso não sucumbe a fatores de risco biológico, socioeconômico e psicossocial.

Enquanto variável dependente, a resiliência é entendida como produto da interação entre a natureza, a quantidade e a intensidade dos fatores de risco e das características de personalidade. Enquanto variável moderadora, sua função é mitigar os efeitos negativos do estresse associado aos riscos e adversidades sobre a adaptação do indivíduo18.

O paradigma de desenvolvimento ao longo da vida adota os conceitos de plasticidade e de capacidade de reserva para fazer referência à resiliência como manutenção do desenvolvimento normal, apesar dos riscos, e como recuperação após situações traumáticas5 , 6.

A plasticidade envolve padrões de mudança adaptativa, incluindo aumento, diminuição ou manutenção das capacidades. Na infância, esse conceito traduz-se em maturação e em aprendizagem, que são forças propulsoras de mudanças orgânicas e comportamentais. Na vida adulta e na velhice, traduz-se em flexibilidade diante dos estressores. Os limites da plasticidade biológica e comportamental naturalmente se estreitam com o envelhecimento.

A capacidade de reserva diz respeito ao potencial de manutenção e de recuperação dos níveis de adaptação normal, por meio da ativação de recursos latentes. As respostas adaptativas podem variar conforme o contexto, o tempo, a idade, o gênero e a cultura, e segundo a autoestima e o senso de autoeficácia19. Na velhice, a resiliência é função das reservas afetivas e cognitivas e manifesta-se por meio dos recursos de enfrentamento e de regulação afetiva, da motivação, das metas e das autocrenças de capacidade. Um dos pressupostos do modelo de desenvolvimento ao longo da vida é que a resiliência não só não declina, como tende a aumentar, funcionando como mediador para o alcance de bons padrões de adaptação, reconhecidos como velhice bem-sucedida5.

Resiliência é também definida como força interna, crescimento interno e poder ou força pessoal20, que se relacionam com o senso de coerência, as metas de vida (ou propósito) e a autotranscendência (capacidade de projetar-se além de si mesmo, em direção ao altruísmo, a uma obra a qual a pessoa se dedica, a uma pessoa que ama ou a Deus21). Nesse enfoque, a resiliência abrange conteúdos, como: sentir-se competente mesmo aceitando a ajuda dos outros; olhar para o lado luminoso da vida, sem esconder o lado sombrio; ser ativo, mas também relaxado; ser o mesmo, ainda que com nova aparência; e viver conectado ao presente, mas também ao passado e ao futuro20.

A resiliência aparece ainda associada à regulação emocional para enfrentamento de adversidades. Segundo esse enfoque, as vantagens do aumento da capacidade de regulação emocional, vinculado ao envelhecimento, refletem-se em maior adaptação dos sistemas cardiovascular e imune; em mais recursos cognitivos, incluindo senso de autoeficácia; em maior habilidade de buscar suporte social; em maior capacidade de adaptar-se à intensidade dos eventos estressantes; em maior integração cognitiva e afetiva; em mecanismos de defesa mais maduros; em menos neuroticismo (traço de personalidade relacionado a sintomas depressivos, ansiedade e infelicidade); em maior consciência; no uso preferencial de estratégias proativas de enfrentamento; e em mais satisfação com a vida22 , 23.

Recursos individuais e sociais de enfrentamento auxiliam os idosos a lidarem com eventos críticos por meio da atribuição de significados à luz da experiência passada, da busca e da manutenção de atividades prazerosas, do desempenho de papéis sociais relevantes, da adoção de estratégias de enfrentamento adaptativas e do acionamento de suporte social. Tais mecanismos de enfrentamento promovem resiliência por meio da atenuação, da transformação ou da negação do impacto das adversidades24.

Outro aspecto a considerar sob a ótica da regulação emocional é a intensidade do estresse. Quando os idosos vivenciam altos níveis de estresse, observa-se acentuação e prolongamento de experiências emocionais negativas e redução da flexibilidade cognitiva25. Apesar de o idoso apresentar um funcionamento socioemocional igual ou superior ao de adultos jovens, em algumas situações ele pode ficar impossibilitado de empregar estratégias eficazes, por exemplo, quando diante de comprometimento cognitivo, de doenças crônicas, como artrite reumatoide, osteoartrite, fribromialgia22 e de experiências de perda de familiares e amigos, que frequentemente associam-se à depressão. Um idoso pode registrar o mesmo nível de afeto negativo que um adulto jovem sem doenças crônicas, porém essa vantagem desaparece diante de altos níveis de estresse25.

Alguns estudos refletem a multiplicidade de fatores de proteção e de processos adaptativos englobados pelo conceito de resiliência3. Nessa visão de análise dos múltiplos fatores componentes do construto, Windle et al.26 examinaram o conceito de resiliência psicológica na velhice, apoiando-se nos dados de uma amostra representativa de 1847 pessoas com idade variando entre 50-90 anos, provenientes da Inglaterra, do País de Gales e da Escócia, as quais foram submetidas à avaliação de autoestima, do controle interpessoal e das competências pessoais. As três medidas foram assumidas como indicadoras de resiliência. A validade fatorial das medidas foi testada, utilizando-se a técnica de análise fatorial confirmatória. De acordo com esse modelo, a resiliência pode ser comparada a um amplo guarda-chuva, que abriga recursos psicológicos essenciais para a superação de adversidades, tais como competências pessoais, autoestima, autoeficácia e controle interpessoal26. Com exceção da dimensão sociopolítica, que apresentou baixas correlações com os indicadores de resiliência, foram observadas correlações médias entre os indicadores de resiliência e as demais medidas, sugerindo que representam um constructo comum26.

A literatura teórica sobre resiliência na velhice converge no que diz respeito à importância de elementos do self, tais como autoconceito, autoestima e regulação emocional, e dos recursos do meio representados pelo suporte social e familiar e pelos relacionamentos com a comunidade. Essa interpretação de resiliência vem ao encontro da perspectiva de considerá-la como um processo, onde interagem determinantes do meio e condicionantes individuais. Ainda, nessa literatura, há também ampla aceitação da importância da resiliência para a manutenção da funcionalidade, do bem-estar subjetivo, do senso de ajustamento, da motivação para a atividade e do envolvimento vital, elementos que têm como papel central proteger o idoso da influência das perdas, dos riscos e das ameaças sobre a adaptação.

Tendo esses conceitos em mente, procedeu-se à revisão bibliográfica que ora se apresenta.

Método

Foram realizadas duas buscas, sendo uma delas em periódicos internacionais e a outra em nacionais. A busca internacional nas bases de dados PubMed e PsycINFO abrangeu o período de janeiro de 2007 a agosto de 2013, usando como descritores os termos resilience, psychological resilience and aging. De um total de 67 artigos encontrados, foram selecionados para análise 53 artigos referentes à pesquisa sobre resiliência, sendo excluídos aqueles que incluíam apenas adultos jovens, não fazendo referência a adultos mais velhos; os que exploravam temas específicos dentro da resiliência como transtorno de estresse pós-traumático e suicídio; e um estudo sobre resiliência em animais. Os 53 artigos restantes foram submetidos à análise, buscando-se identificar as principais variáveis investigadas, a amostra e os principais resultados.

A busca em periódicos brasileiros foi feita nas bases de dados SciELO e PePSIC - Periódicos Eletrônicos em Psicologia, abrangendo idêntico período de seis anos. Foram utilizados como descritores os termos resiliência e envelhecimento, resiliência e velho, e resiliência e idoso, e foram analisados os mesmos aspectos considerados com relação à literatura internacional.

Foram derivados elementos organizadores conceituais comuns, ou seja, categorias de análise relativas aos temas focalizados pelos artigos. Os artigos internacionais foram agrupados em quatro categorias, listadas a seguir:

Categoria 1. Recursos psicológicos e sociais de enfrentamento: artigos relativos ao controle dos estressores externos e internos, mediante a utilização de recursos do self e da cognição e de apoios sociais informais pelo idoso.

Categoria 2. Regulação emocional diante de experiências estressantes: artigos relativos ao processo de manejo dos correlatos fisiológicos, emocionais e comportamentais do estresse e à atribuição de valência positiva ou negativa às pressões internas e externas .

Categoria 3. Resiliência e envelhecimento bem-sucedido e correlatos (bem-estar, satisfação com a vida, qualidade de vida): artigos sobre saúde, atividade, produtividade, satisfação e bem-estar como variáveis promotoras de resiliência e sobre comparações entre os paradigmas de envelhecimento bem-sucedido e resiliência.

Categoria 4. Medidas de resiliência: artigos metodológicos sobre validação de medidas destinadas a adultos e idosos.

Os artigos nacionais foram agrupados em três categorias:

Categoria 1. Recursos psicológicos e sociais de enfrentamento(definição idêntica aos internacionais).

Categoria 2. Resiliência em cuidadores de idosos: artigos relativos a função/processo de cuidar de idosos.

Categoria 3. Revisão teórica: artigos contendo revisões bibliográficas.

Resultados

Periódicos internacionais

Foram publicados as médias de 3,14 e 2,43 artigos, relativos às categorias recursos psicológicos e sociais de enfrentamento e regulação emocional, respectivamente, no período de 2007-2013. A produção de artigos aumentou de 2007 para 2008 (acréscimo de 07 artigos), mantendo relativa regularidade nos próximos anos. Nos últimos seis anos, foi produzida uma média de 7,57 artigos por ano, sendo que a maior produção se deu nos anos de 2009 a 2011. A categoria com menor frequência de artigos publicados foi a medidas de resiliência (dados não apresentados em tabela).

Em 23 dos 53 artigos encontrados na literatura internacional, o termo resiliência apareceu no título. Nos demais, apareceu no resumo ou no corpo do texto. Foram encontrados 22 artigos na Categoria 1. Recursos psicológicos e sociais de enfrentamento; 17 artigos naCategoria 2. Regulação emocional; 10 artigos naCategoria 3. Envelhecimento bem-sucedido e correlatos; e 04 artigos na Categoria 4. Medidas de resiliência. A seguir, são apresentados os Quadros 1, 2, 3 e 4, referindo-se aos artigos encontrados em cada uma das categorias de análise, contendo para cada um deles a identificação dos autores e uma breve descrição de seus objetivos, amostra e resultados.

Nos artigos da Categoria 1. Recursos psicológicos e sociais de enfrentamento (Quadro1), maior resiliência associou-se à boa qualidade dos relacionamentos, integração à comunidade, alto uso de enfrentamento adaptativo (voltado para a solução de problemas) e ao enfrentamento direcionado ao desenvolvimento (por exemplo, lidar com a adversidade de modo positivo)24. O engajamento criativo em redes sociais pode ter um efeito neuroprotetor para os idosos, inclusive demenciados27. Em estudo qualitativo, envolvendo idosas da zona rural de uma comunidade norte-americana, a resiliência é descrita como uma condição associada a ter um modo frugal de vida, suporte social e aceitação28. O suporte social também é associado à resiliência em idosos urbanos, recrutados em igrejas, organizações de aposentados e centros de orientação nutricional. Por meio de análise de regressão multivariada foi encontrada relação entre resiliência e o desejo de buscar ajuda para sintomas depressivos29.

As relações entre resiliência e o impacto de recursos pessoais e sociais são ainda evidenciadas em estudos de anos mais recentes, como no de Mertens et al.30, no qual se associa um alto grau de resiliência (avaliada como maestria pessoal) ao funcionamento físico, mental e social em 361 idosos holandeses, de idade ≥ 60 anos, sendo que, dentre aqueles com diabetes, altos níveis de suporte social e rendimentos contribuem para o envelhecimento bem-sucedido. No estudo de Gooding et al.31, os mais velhos mostram-se mais resilientes sobretudo em relação à resolução de problemas e à capacidade de regular suas emoções, enquanto nos mais jovens a resiliência é associada ao suporte social disponível.

Quadro 1. Categoria 1. Recursos psicológicos e sociais de enfrentamento. Revisão de literatura internacional sobre resiliência em idosos (2007-2013) 

A religiosidade e espiritualidade aparecem em cinco dos artigos (quatro na categoria 1 e um na categoria 2). Nesse conjunto de artigos, espiritualidade em mulheres relaciona-se significativamente com alta resiliência, baixa renda, baixo nível educacional e ser casada42. Crenças espirituais e religiosas são utilizadas como forma de enfrentamento diante do sofrimento e associam-se à melhor saúde percebida40. Em estudo qualitativo com 84 mulheres negras residentes nos Estados Unidos, as dimensões fé e espiritualidade são identificadas como recursos protetores para o enfrentamento da adversidade falta de moradia, sendo elas: identidade e crenças, afiliação, envolvimento, práticas e benefícios36.

Um estudo comparando 398 sobreviventes de câncer em relação a 796 com história de não câncer, os pacientes sobreviventes de câncer mostraram bem-estar social resiliente, espiritualidade e senso de crescimento pessoal, sendo que os sobreviventes mais velhos mostravam-se mais resilientes em relação aos mais jovens, apresentando um funcionamento psicossocial equivalente aos seus pares41.

A variável satisfação com a vida associada a recursos pessoais e sociais de enfrentamento aparece em dois dos estudos. Num deles, um estudo com 2.144 homens alemães, satisfação com a vida foi fortemente associada à resiliência, presença de companheira, autoestima positiva, bons rendimentos, ausência de depressão e residência em estados do Leste38. Para 2.540 mulheres alemãs com idade de 18 a 70 anos e mais, satisfação com a vida associou-se à resiliência, à presença de um companheiro, à ausência de ansiedade e depressão, a ter emprego, à autoestima positiva, à afiliação religiosa e a ter menor idade33.

A regulação emocional, objeto de investigação em 17 dos artigos (Quadro 2), permanece como temática de investigação ao longo dos seis anos. Os artigos abordam investigações sobre estressores diários, presença de emoções e afetos (positivos e negativos) na velhice, atitudes diante da adversidade e a complexidade da resposta emocional. A velhice é associada à exposição reduzida aos estressores diários e à menor presença de afetos negativos48 , 49, maior regulação emocional: poucos traços de ansiedade e menos sintomas depressivos50, com as reações emocionais aos estressores não muito diferentes dos mais jovens49 , 51.

Quadro 2. Categoria 2. Regulação emocional diante de experiências estressantes. Revisão de literatura internacional sobre resiliência em idosos (2007-2013). 

As diferenças individuais quanto à capacidade de regular as emoções são evidenciadas em estudo50 em que menos ansiedade e menor frequência de sintomas depressivos, assim como maior otimismo, foram encontrados em idosos capazes de regular suas emoções, em comparação com idosos menos autorregulados. Ainda, no tocante às diferenças individuais, aqueles mais jovens e aqueles com autoconceito incoerente (maior evidência de discrepância entre medidas de autorepresentações em diferentes papéis e situações) apresentaram médias mais altas de afeto negativo em estudo envolvendo 239 indivíduos de 18 a 89 anos, em que foi avaliada a associação entre estressores diários e afeto negativo, considerando-se como indicadores de resiliência as variáveis coerência do autoconceito, idade e controle percebido51. Os indivíduos registravam níveis mais altos de afeto negativo na presença de menos controle percebido, especialmente os mais jovens. No entanto, a reatividade ao estresse não diferiu entre as idades e entre os níveis de coerência do autoconceito51.

A diminuição do afeto negativo na velhice é parcialmente atribuída à menor frequência de estressores diários. É o que mostra estudo no qual foram examinadas durante uma semana as relações entre os estressores diários e a experiência emocional de 101 mulheres (63 a 93 anos), relativamente saudáveis, quando se observou que as mais velhas registraram menor frequência de estressores e de afeto negativo em comparação com as mais jovens48. Nesse mesmo estudo, no entanto, o aumento da idade não se correlacionou com aumento de afetos positivos, ao contrário, houve diminuição, provavelmente, porque os idosos estavam engajados em poucas experiências e envolvidos na evitação de situações imprevisíveis48. Além disso, os eventos positivos não atenuaram a reatividade aos estressores diários, contrariando a literatura corrente, segundo a qual os eventos positivos atenuam o estresse. Segundo os autores, isso ocorreu porque os benefícios dos eventos positivos exercem forte influência sobre indivíduos que estão experimentando estresse crônico, o que não aconteceu com esta amostra, constituída de indivíduos saudáveis e não submetidos a tais condições; por outro lado, doenças e más condições de saúde, em especial, nas fases iniciais e finais da velhice, podem fazer com que os idosos percam a vantagem da maior presença de afetos48.

Dentro da Categoria envelhecimento bem-sucedido e seus correlatos (Quadro 3), as narrativas de idosos sobre o envelhecimento descrevem-no em termos de declínios e enfrentamentos52. A resiliência é associada à aceitação pragmática da realidade em idosas da zona rural53 e ao bem-estar geral e diário, em estudo envolvendo 125 idosas, após a viuvez54; e, às habilidades motivacionais adquiridas ao longo da vida, como fator protetor em relação à manifestação de déficitscognitivos e ao bem-estar psicológico, em estudo envolvendo 174 idosos (idade de 60 a 94 anos), sem demência32.

Quadro 3. Categoria 3. Resiliência e envelhecimento bem-sucedidos e correlatos: bem-estar, satisfação com o envelhecimento e qualidade de vida. Revisão de literatura internacional sobre resiliência em idosos (2007-2013). 

No Quadro 4 são descritas três medidas de resiliência: a Connor-Davidson - CD Risk19; a escala de resiliência de Wagnild e Young55 e a escala breve de resiliência56.

Quadro 4. Categoria 4. Medidas de resiliência. Revisão de literatura internacional sobre resiliência em idosos (2007-2013). 

Periódicos nacionais

A pesquisa de artigos publicados no Brasil resultou em onze estudos, sendo dois deles de revisão, correspondentes aos descritores resiliência e idosos, resiliência e envelhecimento eresiliência e velho. Na base de dados PePSIC com os mesmos descritores, não foi encontrado nenhum artigo. Porém, quando se utiliza apenas o descritor resiliência, quatro artigos são identificados: um deles já constante na busca Scielo, dois deles, que não deixam claro se a investigação se referia a idosos, envelhecimento ou velho, e um deles que se refere a uma revisão teórica no período 2000-2006, sendo este último mantido para efeito de análise.

Os artigos nacionais de pesquisa foram atribuídos a três categorias, já definidas na seção Método: Categoria 1. Recursos psicológicos e sociais de enfrentamento, Categoria 2. Resiliência em cuidadores de idosos e Categoria 3. Revisão teórica (Ver resumos no Quadro 5).

Quadro 5. Revisão de literatura brasileira sobre resiliência em idosos (2007-2013). 

Discussão

Do ponto de vista conceitual, os estudos chamam atenção para a multidimensionalidade do conceito de resiliência, refletindo uma complexa interação entre o indivíduo e o meio, em que estão presentes os fatores de risco (individuais, do meio e cumulativos); de proteção (atributos individuais, relacionamento interpessoal e suportes ambientais); e na combinação possível entre eles, resultando numa forma resiliente de vida, que se traduz em desenvolvimento e sua manutenção, bem-estar psicológico, evitação de transtornos e recuperação3 , 70 - 72.

No âmbito da gerontologia, uma análise do conjunto de artigos evidencia a predominância de construtos associados ao modelo life-span, compreendendo resiliência como relacionada ao desenvolvimento, à noção de plasticidade individual, ao potencial de mudança do indivíduo, à flexibilidade e resistência para lidar com os limitadores e perdas que recaem sobre as trajetórias de vida5 , 6. Há predominância de conceitos investigados ao longo do percurso teórico da Gerontologia, entre eles, o envelhecimento bem-sucedido, o bem-estar psicológico, o suporte social, a satisfação com a vida, a religiosidade e a espiritualidade, entre outros, como associados ao de resiliência. A revisão feita sinaliza para os recursos psicológicos e sociais de enfrentamento e a regulação emocional, como componentes centrais dos processos de adaptação.

Com relação à Categoria 2 - Regulação emocional diante de experiências estressantes, destaca-se o papel das diferenças individuais na capacidade de regular as emoções, aspecto teórico importante dentro do construto resiliência, uma vez que resiliência envolve a complexa interação entre indivíduo e seus recursos disposicionais e os suportes oferecidos pelo meio. Assim recursos como o otimismo, o controle percebido, o autoconceito, a capacidade de regular as emoções50 , 51 podem explicar algumas diferenças entre os mais e menos resilientes.

A literatura específica sobre a velhice, referente aos processos de regulação emocional como vantagem relacionada à idade, descreve uma pequena diminuição do bem-estar depois dos 60 anos, provavelmente devido a um aumento de doenças, porém, diante de tensões interpessoais inevitáveis e de situações estressantes, os idosos assumem posturas mais acomodativas59, apresentando uma resposta emocional complexa que valoriza aspectos positivos e negativos da experiência11. Tal capacidade de regulação emocional pode estar associada aos processos de seleção adaptativos que permitem aos idosos poupar recursos psicológicos, fisiológicos, sociais e cognitivos, diminuindo o número de vínculos e cultivando apenas aqueles que significam proximidade afetiva, aumento do conforto e melhoria do bem-estar subjetivo25.

Nos últimos anos (2011 a 2013), os artigos referentes à regulação emocional enfatizam as emoções positivas no envelhecimento, como otimismo relacionado ao envelhecimento centenário67; autoaceitação, desejo de viver, autocontrole e vida relacional, relacionados ao enfrentamento de doenças, como a AIDS63. Também o controle percebido é compreendido como tendo um efeito mediador sobre a relação religiosidade/espiritualidade e bem-estar, em estudo envolvendo 529 idosos, idade 31-88 anos64. É importante salientar que o fenômeno resiliência está associado a recursos individuais como os aqui apontados, porém, sua conceitualização exige abordagem integradora em que resiliência aparece como uma constelação que combina recursos individuais (capacidades, competências, atributos), condições sociais (suporte social, por exemplo) e problemas ou mudanças de desenvolvimento (por exemplo, obstáculos, perdas)4.

Atentando ao fato de que a resiliência engloba além dos recursos do selfaqueles relacionados aos apoios sociais, alguns estudos24 , 27 , 28 , 39 apontam para a relevância dos recursos sociais ou do "capital social", assim nomeado por Hildon et al.24 , 39 como, por exemplo, o suporte social recebido, a qualidade dos relacionamentos e a integração à comunidade.

Embora nem sempre focalizem resiliência, os estudos sobre o envelhecimento bem-sucedido e seus correlatos mostram o bem-estar psicológico e a manutenção das funções afetivas e cognitivas como importantes indicadores de adaptação frente à adversidade. O funcionamento psicológico positivo produz melhor regulação neuroendócrina e funciona como um fator protetor em relação à adversidade, seja ela física (doença ou incapacidade), econômica ou educacional. Altos níveis de propósito de vida, crescimento pessoal e relações positivas com os outros, associam-se a baixo risco cardiovascular, bom colesterol e baixos níveis de cortisol, melhor controle glicêmico71. A associação de altos níveis de bem-estar psicológico e de escolaridade foi apontado como preditora de baixos níveis de IL-6 (interleucina-6), um marcador de processos inflamatórios77. A relevância do funcionamento psicológico positivo ou do bem-estar para os processos de adaptação psicossocial é também apontada por Harris70 quando propõe a substituição do construto envelhecimento bem-sucedido pelo de resiliência, a partir de dois estudos de caso, de pacientes com diagnóstico de Alzheimer, em estágio inicial, levando em consideração suas trajetórias de envelhecimento.

Com relação à literatura brasileira, um aspecto a destacar é que a maioria dos artigos (sete deles, num total de onze) versa sobre recursos psicológicos e sociais de enfrentamento, refletindo uma tendência da literatura internacional. Também, no Brasil, seis dos artigos utilizam para avaliação de resiliência a escala de resiliência78, adaptação da escala de Wagnild e Young55.

Os artigos nacionais constantes da Categoria 2. Resiliência e cuidadores de idosos evidenciam interesse pela relação de cuidado, como uma das novas temáticas na investigação sobre idoso. Um desses artigos mostra associações significativas de resiliência com: grau de parentesco (filhos e cônjuges apresentam médio e alto grau de resiliência, quando comparados a irmãos e cunhados); utilização de medicamentos (porcentagem maior de uso por aqueles que apresentam baixa pontuação em resiliência, em relação aos demais); cansaço, esgotamento e desânimo (maior porcentagem daqueles com baixo e médio grau de resiliência em relação aos demais), tratamento médico (maior porcentagem daqueles com baixa resiliência referem estar em tratamento, em relação aos demais)81.

Não foram encontrados artigos investigando aspectos relativos à intervenção na prática clínica. No entanto, sabe-se que aumentar a capacidade de enfrentamento das condições adversas é um dos objetivos primeiros da prática clínica. Desse modo, métodos que aumentem a resiliência emocional, tais como obiofeedback, o relaxamento, a reestruturação cognitiva e a distração são tidos como efetivos para aumentar as habilidades para lidar com a dor crônica e promover o bem-estar22. Práticas como a exploração da história de vida, do desenvolvimento ou das circunstâncias individuais podem contribuir para aumentar a resiliência, quando identificam experiências de relações bem-sucedidas, cujos comportamentos possam ser utilizados em uma experiência adversa91.

Do ponto de vista metodológico, os delineamentos estatísticos estão mais presentes na literatura internacional no período analisado, em relação aos estudos qualitativos28 , 34 , 36 , 45 , 47 , 52 , 53. Os estudos de Hildon et al.24 e Rosado-Medina et al.67 utilizam ambos os métodos quali e quantitativo. No Brasil, a maioria dos estudos analisados utiliza métodos quantitativos, refletindo a tendência internacional.

A revisão de literatura aqui realizada apresentou limites com relação ao escopo de análise dos artigos, detendo-se apenas em seus objetivos, amostra e principais resultados. Os resultados poderiam ser incrementados com outras informações, como, por exemplo, a metodologia de estudo predominante, o país de origem, o modelo operacional utilizado, a identificação de resi liência como variável dependente ou independente, entre outros.

Conclusões

A revisão da literatura sobre resiliência na velhice, no período 2007-2013, permite apontar um pequeno conjunto de ideias centrais e relevantes. A primeira delas é que a resiliência mantém-se na velhice, propiciando a continuidade do funcionamento e do desenvolvimento por meio de processos de enfrentamento dos efeitos deletérios dos riscos e das adversidades típicas dessa fase e daqueles decorrentes da história de vida. Trata-se de um dos princípios ou pressupostos do paradigma life-span em Psicologia, que vem sendo sistematicamente confirmado por pesquisas.

A segunda ideia é a do enfrentamento entendido como manejo, resistência e recuperação dos efeitos negativos dos estressores. Na velhice, as adversidades ou os riscos são representados, por exemplo, por experiências de morte e doença de entes queridos, por doenças e acidentes sofridos pelo próprio idoso, pela perda de prestígio e de recursos necessários à sobrevivência e por eventos incontroláveis que afetam os descendentes.

A terceira noção importante é que, para o enfrentamento de riscos e adversidades, concorrem recursos pessoais tais como boa saúde, manutenção da atividade, funcionalidade, otimismo, afetos positivos, autoestima elevada, flexibilidade, propósito, senso de significado, controle interpessoal e religiosidade/espiritualidade, em interação com recursos sociais, entre eles a integração à comunidade, a manutenção dos papéis sociais, o envolvimento social e os recursos sociais oferecidos pelas redes de relações. Ainda, a saúde, o envolvimento vital, a participação social e o bem-estar psicológico são apontados como variáveis dependentes e como variáveis independentes em relação à resiliência.

No Brasil, a produção de artigos de pesquisa sobre resiliência em idosos tem crescido nos dois últimos anos. A resiliência de cuidadores familiares de idosos doentes e dependentes é assunto que aparece como nova vertente de pesquisa, possivelmente em virtude da visibilidade que o fenômeno vem ganhando nos anos mais recentes, em que o aumento da longevidade e a necessidade de cuidados tornaram-se fatos mais palpáveis nas clínicas e nas famílias. A pesquisa brasileira apontou ainda para a importância de pesquisas de base populacional, abrangendo condições socioculturais e econômicas em interação com processos biológicos e individuais ao longo da vida, determinando vulnerabilidade ou resiliência na velhice.

No entanto, apesar dos progressos numéricos e teórico-metodológicos e da relativa sobreposição aos temas da pesquisa internacional, a pesquisa nacional sobre resiliência em idosos ainda é relativamente escassa, por exemplo, em comparação com a investigação sobre saúde e funcionalidade. Ela se ressente da escassez de instrumentos de medida, de embasamento teórico e da estruturação de linhas de pesquisa robustas e que se mantenham no tempo. Replica, assim, tendências da pesquisa em Gerontologia no País, um campo novo e com pouco investimento das universidades e das agências de fomento, mas que tende a crescer acompanhando as tendências populacionais e sociais.

A pesquisa brasileira tem sinalizado ainda para a importância de pesquisas de base populacional, que venham abranger condições socioculturais e econômicas em interação com processos biológicos e individuais ao longo da vida, contribuindo para determinar vulnerabilidade ou resiliência. Longo é o caminho a ser percorrido.

REFERÊNCIAS

Ferreira BHF. Novo Dicionário Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ª. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1999.
Rutter M. Implications of resilience concepts for scientific understanding. Ann N Y Acad Sci 2012; 1094:1-12.
Smith GC, Hayslip Jr B. Resilience in adulthood and later life: What does it mean and where are we heading? In: Hayslip Junior B, Smith GC, editors. Annual Review of Gerontology and Geriatrics. Emerging perspective on resilience in adulthood and later life. New York: Springer; 2012. Vol. 32 p. 3-28.
Seligman ME, Csikszntmihalyi M. Positive Psychology. An Introduction. The American Psychologist 2000; 55(1):5-14.
Baltes PB. On the incomplete architecture of human ontogeny. Selection, optimization, and compensation as foundation of developmental theory. American Psychologist 1997; 52(4):366-380.
Staudinger UM, Marsike M, Baltes PB. Resilience and levels of reserve capacity in later adulthood: Perspectives from life-span theory. Development and Psychology 1993; 5:541-566.
Bandura A. Self-efficacy: the exercise of control. New York: W.F.Freeman; 1997.
Souza MTS, Ceverny CM. Revisão de literatura e análise da produção científica. Revista Interamericana de Psicologia. 2006; 40(1):119-126.
Laranjeira CAS. Do vulnerável ser ao resiliente envelhecer: revisão de literatura. Psicologia: teoria e pesquisa 2007; 23(3):327-332.
Rowe JW, Kahan RL. Usual and successfull. Science 1997; 237(4811):143-149.
Ong AD, Bergeman CS, Boker SM. Resilience comes of Age: Defining Features in Later Adulthood. J Pers 2009; 77(6):1777-1804.
Pesce RP, Assis SG, Santos N, Oliveira RVC. Risco e proteção. Em busca de um equilíbrio promotor de resi liência. Psicologia: Teoria e Pesquisa 2004; 20(2):135-143.
Waxtman HC, Gray JP,Padrón YN. Review of research um educational resilience. Ed: Vickie Lewelling. Santa Cruz: Center for Research Education, Diversity & Excellence, University of Califórnia, 2003. Research Report nº 11. [Cited 2007 Mar25] [about 28 p.] Avaiable from:
Rutter M. Resilience in the face of adversity. Protective factors and resistance to psychiatric disorders. Br J Psychiatry 1985; 147:598-611.
Leipold B, Greve B. Resilience. A conceptual Bridge Between Coping and Development. European Psychologist 2009; 14(1):40-50.
Kobasa SC, Maddi SR, Kahn S. Hardiness and health: A prospective study. J Pers Soc Psychol 1982; 42(1):168-177.
Hardy SE, Contato J, Gill TM. Resiliencfe of Community-Dwelling Older Persons. J Am Geriatr Soc 2004; 52(2):257-262.
Wagnild G. Resilience and Sucesfull Aging: Comparison Among Low and High Income Older Adults. J Gerontol Nurs 2003; 29(12):42-49.
Connor KM, Davidson JRT. Development of a new scale. The Connor-Davidson Resilience Scale. Depress Anxiety 2003; 18(2):76-82.
Nygren B, Norberg A, Lundman B. Inner Strength as Dsiclosed in Narratives of the Oldest Old. Qual Health R 2007; 17(8):1060-1073.
Frankl VE. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Porto Alegre: Sulina; 1999.
Davis MC, Zautra AJ, Johnson LM, Murray KE, Okvat HA. Psychosocial Stress, Emotion Regulation, and Resilience among Older Adults. In Aldwin CM, Park CL, Spiro III A, editors. Handbook of health psychology and aging. New York: The Guilford press; 2007. p. 250-262.
Neri AL. Teorias psicológicas do envelhecimento: percurso histórico e teorias atuais. In: Freitas EV, Py L, Cançado F, Doll J, Gorzoni ML. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2006.
Hildon Z, Smith G, Netuveli G, Blane D. Understanding adversity and resilience at older ages. Sociol Health Illn 2008; 30(5):726-740.
Charles ST, Cartensen, LL. Social and Emotional Aging. Annu Rev Psychol 2010; 61:338-409.
Windle G, Markland DA, Woods RT. Examination of a theoretical model of psychological resilience in older age. Aging Ment Health 2008; 12(3):285-292.
Mc Fadden SH, Basting AD. Healthy aging persons and their brains: promoting resilience trhrough creative engagement. Clin Geriat Med 2010; 26(1):149-161.
Dorfman LT, Mendez EC, Osterhaus Jk. Stress and resilience in the oral histories of rural older womem. J Women Aging 2009; 21(4):303-316.
Smith PR. Resilience: resistance facto for depressive sympton. J Psychiatr Ment Health Nurs 2009; 16(9):829-837.
Mertens VC, Bosma H, Groffen DA, van Eijk JT. Good friends, high income or resilience? What matters most for elderly patients? Eur J Public Health 2012; 22(5):666-671.
Gooding PA, Hurst A, Johnson J, Tarrier N. Psychological resilience in young and older adults. Int J Geriatr Psychiatry 2012; 27(3):262-267.
Forstmeir S, Maercker A. Motivacional reserve: lifetime motivational abilities contribute to cognitive and emotional health in old age. Psychol Aging 2008; 23(4):886-899.
Beutel ME, Glaesmer H, Decker O, Fischbeck S, Braehler E. Life satisfaction, distress, and resiliency across the life span of women. Menopause 2009; 16(6):1132-1138.
Black HK, Rubstein RL. The effect of suffering on generativity: accounts of elderly African American men. J Gerontol B Psychol Si Soc Sci 2009; 64(2):286-303.
Costanzo ES, Ryff CD, Singer BH. Psychosocial adjustment among cancer survivors: findings from a national survey of health and well-being. Health Psychol 2009; 28(2):147-156.
Washington OG, Moxley DP, Garriot L, Weinberger JP. Five dimensions of faitth and spirtuality of older African American women transitoning out of homelessness. J Relig Health 2009; 48(4):431-444.
Wells N. Resilience in rural community-dewlling older adults. J Rural Health 2009; 25(4):415-419.
Beutel ME, Glaesmer H, Wiltink J, Marian H, Brahler E. Life satisfaction, anxiety, depression and resilience across the life span of men. Aging Male 2010; 13(1):32-39.
Hildon Z, Montgomery SM, Blane D. Examining resilience of quality of life in the face of health - related and psychosocial adversity at older ages: What is "right" about the way we age? Gerontologist 2010; 50(1):36-47.
Krause N, Bastida E. Religion, suffering, and self-rated health among older Mexican Americans. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci 2011; 66(2):207-216.
Fankhauser S, Wagner B, Kramer S, Aeschback M, Pepe A, Maercker A, Forsteimeier S. The impact of social and interpersonal resources on adjustment disorder symptons in older age: Motivational variables as mediators? GerPsych: The Journal of Gerontopsychology and Geriatric Psychiatry 2010; 23(4):227-241.
Vahia IV, Deep CA, Palmer BW, Fellows I, Golshan S, Thompson W, Allison M, Jeste DV.Correlates of spirituality in older women. Aging Ment Health 2011; 15(1):97-102.
Shrira A, Palgi Y, Ben-Ezra M, Shmotkin D. Transgenerational effects of trauma in midlife: Evidence for resilience and vulnerability in offspring of Holocaust survivors. Psychol Trauma 2011; (4):394-402.
Sargent-Cox KA, Anstey KJ, Luszcz MA. Change in health and self-perceptions of aging over 16 years: The role of psychological resources. Health Psychology 2012; 31(4):423-432.
Lou VW, Ng JW. Chinese older adults' resilience to the loneliness of living alone: a qualitative study. Aging Ment Health 2012; 6(8):1030-1046.
Tomás JM, Sancho P, Melendez JC, Mayordomo T. Resilience and coping as predictors of general well-being in the elderly: a structural equation modeling aproach. Aging Ment Health 2012; 16(3):317-326.
Tummala-Narra P, Sathasivam-Rueckert N, Sundaran S. Voices of older Asian Indian immigrants: Mental health implications. Professional Psychology: Research and Practice 2013; 44(1):1-10.
Charles ST, Luong G, Almeida DM, Ryff C, Sturm M, Love G. Fewer ups and downs:daily stressors mediate age differences in negative affect. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci 2010; 65B(3):279-286.
Stawiski RS, Sliwinski MJ, Almeida DM, Smith JM. Reported exposure and emotional reactivity to daily stressors: the roles of adult age and global perceived stress. Psychol Aging 2008; 23(1):52-61
Larcom MJ, Isaacowitz DM. Rapid emotion regulation after mood induction: age and individual differences. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci. 2009; 64(6):733-741.
Diehl M, Hay L. Risk and resilience factors in coping with daily stress in adulthood: the role of age, self-concept incoherence, and personal control. Dev Psychol 2010; 46(5):1132-1146.
Phoenix C, Smith B. Telling a (good?) counterstory of aginf: natural bodybuilding meets the narrative of decline. J Gerontol B Psychol Soc Sci 2011; 66(5):628-639.
Terril L, Gullife J. Growing older: a qualitative inquiry into the textured narratives of older rural women. J Health Psychol 2010; 15(5):707-715.
Hahn EA, Cichy KE, Almeida DM, Haley WE. Time use and well-being in older windows: adaptation and resilience. J Women Aging 2011; 23(2):149-159.
Wagnild G, Young HM. Development and psychometric evaluation of the Resilience Scale. J Nurs Meas 1993; 1(2):165-177.
Tomás JM, Meléndez JC, Sancho P, Mayordomo T. Adaptation and initial validation of the BRCS in an elderly Spanish sample. European Journal of Psychological Assessment 2012; 28(4):283-289.
Chow S-M, Hamagani F, Nesselroade JR. Age differences in dynamical emotion-cognition linkages. Psychology and Aging 2007; 22(4):765-780.
Ostir GV, Berges I, Ottenbacher M, Graham JE, Ottenbacher KJ. Positive emotion following a stroke. J Rehabil Med 2008; 40(6):477-481.
Kessler EM, Staudinger UM. Affective experience in adulthood and old age: the role of affective arousal and perceived regulation. Psychol Aging 2009; 24(2):349-362.
Montpetit MA, Bergeman CS, Deboeck PR, Tiberio SS, Boker SM. Resilience-as-process: negative affect, stress, and coupled dynamical systems. Psychol Aging 2010; 25(3):631-640.
Ong B, Fuller-Rowell T, Bonano GA. Prospective predictors of positive emotions following spousal loss. Psychology and Aging 2010; 25(3):653-660.
Ong AD, Zautra AJ, Reid MC. Psychological resilience predicts decreases in pain catastrophizing trough positve emotions. Psychology and Aging 2010; 25(3): 516-523.
Emlet CA, Tozay S, Raveis VH. "I´m not going to die from the AIDS": resilience in aging with HIV disease. Gerontologist 2011; 51(1):101-111.
Jackson BR, Bergeman CS. How does regiosity enhance well-bein? The role of perceived stress. Psychology of Religion and Spirituality 2011; 3(2):149-161.
Brassen S, Gamer M, Peters J, Gluth S, Baechel C. Don´t look back in anger! Responsiveness to missed chances in successful and nosucessful aging. Science 2012; 336(6081):612-614.
O'Hara R, Marcus P, Thompson WK, Flournoy J, Vahia I, Lin X, Hallmayer J, Depp C, Jeste DV. 5-HTTLPR short allele, resilience, and successful aging in older adults. Am J Geriatr Psychiatry 2012; 20(5):452-456.
Rosado-Medina JJ, Rodríguez-Gómez JR, Altie ri-Ramirez G. Study on resilience internal factors in a sample of Puerto Rican centenarians. Bol Asoc Me PR 2012; 104(4):17-25.
Deboeck P, Bergeman CS. The reservoir model: A differential equation model of psycological regulation. Psychological Methods 2013; 18(2):237-256.
Randall WL. The importance of being ironic: narrative openness and personal resilience in later life. Gerontologist 2013; 53(1):9-16.
Harris PB. Another wrinkle in the debate about successful aging: the undervalued concept of resilience and the lived experience of dementia. Int J Aging Hum 2008; 67(1):43-61.
Ryff CD, Friedman EM, Morozinki JÁ. Tsenkova V. Psychological Resilience in Adulthood and Later Life: Implications for Health. In: Hayslip Junior B, Smith GC, editores. Annual Review of Gerontology and Geriatrics. Emerging perspectives on resilience in adulthood and later life. New York: Springer Publishing Company; 2012. vol 32 p. 72-112.
Chu N, Leasure AR. Aging in America: quality of life among older vietnamese women immigrants. J Cult Divers 2010; 17(3):105-109.
Kleinspehn-Ammerlahn A, Kotter-Gruehn D, Smith J. Self-perceptions of aging: do subjective age and satisfaction with aging change during old age? J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci 2008; 63(6):377-385.
Rothrauff TC, Cooney TM, An JS. Remembered parenting styles and adjustment in middle and late adulthood. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci 2009; 64(1):137-146.
LaCruz ME, Emeny RT, Bickel H, Cramer B, Kurz A, Bdlingmaier M, Huber D, Klug G, Peters A, Ladwig Kh. Mental Health in the aged: prevalence, covariates and related neueoendocrine, cardiovascular and inflammatory factors of successful aging. BMC Med Res Methodol 2010; 10:36.
Jeste DV, Savla GN, Thompson WK, Vahia IV, Glorioso DK, Martin AS, Palmer BW, Rock D, Golshan S, Kraemer HC, Depp CA. Association between older age and more successful aging: critical role of resilience and depression. Am J Psychiatry 2013; 170(2):188-196.
Morozink JA, Friedman EM, Coe CL, Ryff CD. Socioeconomic anda psychosocial predictors of interleukin-6 in the MIDUS national sample. Healht Psychology. [serial on the Internet] 2010 [cited 2010 fev 26]; 29(6): [about 9 p.] Avaiable from:
Pesce RP, Assis SG, Avanci JQ, Santos NC, Malaquias JV, Carvalhaes JV. Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cad Saude Publica 2005; 21(2):436-448.
Lamond AJ, Deep CA, Allinson M, Langer R, Reichstadt J, Moore DJ, Golshan S, Ganiats TG, Jeste IV. Measurement and predictors of resilience among community-dwelling older women. J Psychiatr Res 2008; 43(2):148-154.
Resnick BA, Inguito PL. The resilience Scale: psychometric properties and clinical applicability in older adults. Arch Psychiatr Nurs 2011; 25(1):11-20.
Gaioli CCLO, Furegato ARF, Santos JLF. Perfil de cuidadores com doença de Alzheimer associado à Resiliência. Texto contex-enferm 2012; 21(1):150-157.
Oliveira RM, Furegato ARF. Um casal de idosos e sua longa convivência com quatro filhos esquizofrênicos. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(3):618-625.
Fortes TFR, Portuguez MW, Argimon IIL. A Resiliência em idosos e sua relação com variáveis sociodemográficas e funções cognitivas. Estud psicol (Campinas) 2009; 26(4):455-463.
Resende MC, Neri AL. Ajustamento psicológico e perspectiva de velhice pessoal em adultos com deficiência física. Psicologia em estudo 2009; 14(4):767-776.
Resende MC, Ferreira AA, Naves GG, Arantes FMS, Roldão DFM, Souza KG, Abreu SAM. Envelhecer atuando: bem-estar subjetivo, apoio social e resiliência em participantes de grupo de teatro. Fractal Rev Psicol 2010; 22(3):591-608.
Ferreira CL, Santos LMO, Maia EMC. Resiliência em idosos atendidos na Rede de Atenção Básica de Saúde em município do nordeste brasileiro. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(2):328-334.
Rodrigues NO, Neri AL. Vulnerabilidade social, individual e programática em idosos da comunidade: dados do estudo FIBRA, Campinas, SP, Brasil. Cien Saude Colet 2012; 17(8):2129-2139.
Andrade FP, Muniz RM, Lange C, Scwartz E, Guanilo MEG. Perfil Sociodemográfico e Econômico dos sobreviventes ao câncer segundo o grau de resiliência. Texto Contexto Enferm 2013; 22(2):476-484.
Ribeiro RCHM, Santiago E, Bertolin DC, Ribeiro DF, Cesarino CB, Burdmann EA. Depressão em idosos protadores de insuficiência renal crônica em trata mento hemodialítico. Acta Paul enferm 2009; 22(Spe 1):505-508.
Oliveira MA, Reis VL, Zanelato LS, Neme CMB. Resi liência: análise das publicações no período de 2000 a 2006. Psicol cienc prof 2008; 28(4):754-767.
Lerner RM, Winer MB, Arbeit MR, Chase PA, Agans JP, Schimd KL, Warren AEA. Resilience Across the Life Span. In: Hayslip Junior B, Smith GC, editors. Annual Review of Gerontology and Geriatrics. Emerging perspectives on resilience in adulthood and later life. New York: Springer Publishing Company; 2012. V. 32. p. 274-299.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.