Risco Genético em Doença Arterial Coronariana

Risco Genético em Doença Arterial Coronariana

Autores:

Paula F. Martinez,
Marina P. Okoshi

ARTIGO ORIGINAL

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782Xversão On-line ISSN 1678-4170

Arq. Bras. Cardiol. vol.111 no.1 São Paulo jul. 2018

https://doi.org/10.5935/abc.20180130

A doença arterial coronariana (DAC) é a principal causa de morte no mundo, sendo mais comumente causada por aterosclerose nas artérias coronárias. A DAC tem etiologia complexa, devendo-se principalmente a uma combinação de fatores de risco tradicionais e predisposição genética. Os fatores de risco tradicionais incluem diabetes tipo 2, dislipidemia, hipertensão arterial e tabagismo.1 Entretanto, esses fatores não são suficientes para identificar indivíduos assintomáticos com alto risco e não explicam todos os casos de DAC. A influência da hereditariedade na suscetibilidade à DAC é responsável por 40% a 50% dos casos.2

Polimorfismos são variações genéticas comuns, presentes em mais de 1% da população.3 O polimorfismo é uma substituição de nucleotídeo que não altera a estrutura primária do aminoácido da proteína resultante.3 O polimorfismo de nucleotídeo único (SNP, sigla em inglês) é uma variação no DNA em um único nucleotídeo que ocorre em posição específica do genoma. O SNP pode ser um marcador de suscetibilidade a doença.3 Populações de indivíduos saudáveis e afetados podem ser avaliadas por genotipagem de SNP em um gene e suas sequências reguladoras.4 Estudos de associação genômica ampla (GWAS, sigla em inglês) foram usados para criar escores de risco genético para melhorar a predição de risco de DAC.4-6 Entretanto, seu valor como preditor independente de risco para DAC não é claro.

Nesta edição dos Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Pereira et al.,7 apresentam interessante estudo sobre a geração de um escore de risco genético multilocus baseado em variantes comuns já associadas com DAC. Os autores avaliaram se o escore de risco genético era independente dos fatores de risco tradicionais e se aprimorava a predição de risco de DAC em comparação ao modelo usando apenas o modelo com fatores de risco tradicionais.

Após avaliar dados do Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano, os autores analisaram 33 variantes genéticas previamente associadas com DAC. A população estudada foi selecionada do GENEMACOR (GENEs in a population from the Portuguese island of MAdeira with CORonary artery disease), um estudo populacional caso-controle com 1.566 casos e 1.322 controles. O risco coronariano foi determinado por análise de regressão logística. Duas curvas ROC foram construídas, uma com e outra sem o escore de risco genético, sendo o teste de DeLong usado para compará-las. A área sob a curva ROC do fator de risco tradicional foi estimada em 0,72, que estatisticamente aumentou para 0,74 quando o escore de risco genético foi adicionado, revelando melhor adequação do modelo. A força do estudo está na avaliação de amostra grande e homogênea, pois apenas residentes permanentes da Ilha da Madeira foram incluídos.

Os escores de risco genético têm sido muito estudados, resultando em grande progresso para a melhor compreensão do papel da influência genética na DAC e da função de cada novo locus.4,8-13 Entretanto, o papel da maioria das variantes genéticas no desenvolvimento da doença permanece desconhecido.10 Além disso, a presença ou ausência de um fator de risco tradicional pode determinar se um fator genético vai contribuir ou não para a doença.5

Embora no estudo de Pereira et al.,7 a adição do escore de risco genético tenha resultado em um escore estatisticamente superior para a identificação de pacientes de alto risco, a diferença entre as duas curvas de fator de risco foi pequena. Portanto, considerando o baixo controle dos fatores de risco tradicionais na população geral e o alto custo financeiro envolvido na determinação de escores de risco genético, é importante manter o foco na prevenção e no controle dos fatores de risco tradicionais até que o papel dos escores de risco genético seja melhor esclarecido.

REFERÊNCIAS

1 Erdmann J, Kessler T, Munoz Venegas L, Schunkert H. A decade of genome-wide association studies for coronary artery disease: The challenges ahead. Cardiovasc Res. Mar 30. [Epub ahead of print].
2 Myers RH, Kiely DK, Cupples LA, Kannel WB. Parental history is an independent risk factor for coronary artery disease: the framingham study. Am Heart J. 1990;120(4):963-9.
3 Nabel EG. Principles of cardiovascular molecular biology and genetics. In: Bonow RO, Mann DL, Zipes DP, Libby P. (editors). Braunwald's heart disease. a textbook of cardiovascular disease. Philadelphia: Elsevier Saunders; 2012. p. 57-69.
4 McPherson R, Tybjaerg-Hansen A. Genetics of coronary artery disease. Circ Res. 2016;118(4):564-78.
5 Björkegren JLM, Kovacic JC, Dudley JT, Schadt EE. Genome-wide significant loci: How important are they? Systems genetics to understand heritability of coronary artery disease and other common complex disorders. J Am Coll Cardiol. 2015;65(8):830-45.
6 Borghini A, Andreassi MG. Genetic polymorphisms offer insight into the causal role of microrna in coronary artery disease. Atherosclerosis. 2018 Feb;269:63-70.
7 Pereira A, Mendonca MI, Borges S, Freitas S, Henriques E, Rodrigues M, et al. Genetic risk analysis of coronary artery disease in a population-based study in portugal, using a genetic risk score of 31 variants. Arq Bras Cardiol. 2018; 111(1):50-61.
8 Zhao C, Zhu P, Shen Q, Jin L. Prospective association of a genetic risk score with major adverse cardiovascular events in patients with coronary artery disease. Medicine (Baltimore). 2017;96(51):e9473.
9 Guo Y, Wang F, Li L, Gao H, Arckacki S, Wang IZ, et al. Genome-wide linkage analysis of large multiple multigenerational families identifies novel genetic loci for coronary artery disease. Sci Rep. 2017;7(1):5472.
10 Yao C, Chen BH, Joehanes R, Otlu B, Zhang X, Liu C, et al. Integromic analysis of genetic variation and gene expression identifies networks for cardiovascular disease phenotypes. Circulation. 2015;131(6):536-49.
11 Howson JM, Zhao W, Barnes DR, Ho WK, Young R, Paul DS, et al. Fifteen new risk loci for coronary artery disease highlight arterial-wall-specific mechanisms. Nat Genet. 2017;49(7):1113-9.
12 LeBlanc M, Zuber V, Andreassen BK, Witoelar A, Zeng L, Bettella F, et al. Identifying novel gene variants in coronary artery disease and shared genes with several cardiovascular risk factors. Circ Res. 2016;118(1):83-94.
13 Fairoozy RH, White J, Palmen J, Kalea AZ, Humphries SE. Identification of the functional variant(s) that explain the low-density lipoprotein receptor (LDLR) GWAS SNP rs6511720 association with lower LDL-C and risk of CHD. PLoS One. 2016;11(12):e0167676.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.