Tradução e adaptação para o português brasileiro da Escala de Classificação do Edema da Radioterapia

Tradução e adaptação para o português brasileiro da Escala de Classificação do Edema da Radioterapia

Autores:

Débora dos Santos Queija,
Lica Arakawa-Sugueno,
Bruna Mello Chamma,
Marco Aurélio Vamondes Kulcsar,
Rogério Aparecido Dedivitis

ARTIGO ORIGINAL

Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

versão impressa ISSN 1808-8694versão On-line ISSN 1808-8686

Braz. j. otorhinolaryngol. vol.84 no.3 São Paulo maio/jun. 2018

http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2017.03.014

Introdução

A cabeça e o pescoço contêm uma extensa rede linfática e mais de 300 linfonodos (um terço dos linfonodos do corpo).1 O tratamento para o câncer de cabeça e pescoço envolve terapias multimodais que proporcionam aumento nas taxas de sobrevida, porém com riscos de complicações secundárias, como o linfedema secundário. O tumor, a cirurgia e a radioterapia podem romper as estruturas linfáticas e bloquear o fluxo da linfa e resultar em edema dos tecidos moles. A contração muscular e a compressão dos tecidos moles por meio do movimento facilitam o fluxo linfático. Entretanto, o dano causado pela cirurgia e a radioterapia modifica esse mecanismo, leva à redução do movimento e do fluxo da linfa.1-4

A disfunção linfática ocorre quando qualquer estrutura linfática ou que cerca os tecidos moles é danificada pelo câncer e seu tratamento, limita a capacidade do sistema linfático de transportar o volume da linfa que é levado até os tecidos. O linfedema é um inchaço que se desenvolve em pelo menos três meses após o tratamento do câncer de cabeça e pescoço, além do período em que ocorre o edema agudo.5-7

Quando o linfedema desenvolve-se, o sistema linfático pode estar apto a reparar ou compensar o dano causado, resulta em redução visível do inchaço. Se o prejuízo for grave ou não houver intervenção, o fluido linfático rico em proteínas acumulado pode disparar uma resposta inflamatória crônica, resultar em um processo fibroesclerótico no qual podem se desenvolver tecidos gordurosos ou fibrosos.1,7

O linfedema em câncer de cabeça e pescoço pode envolver estruturas externas (face, submentonianas e pescoço) e internas (trato aerodigestivo superior, língua, epiglote) ou ambos (composto). O linfedema interno pode comprometer a mastigação, a deglutição, a fala e a voz.8 Ambos podem progredir com o decorrer do tempo e, quando identificados e tratados precocemente, podem resultar em regressão do inchaço e prevenção dos efeitos tardios, como a fibrose.9 Portanto, é importante verificar o linfedema como parte da rotina clínica de avaliação do paciente com câncer de cabeça e pescoço.1,3,6,8,10,11

Poucas medidas para avaliar o edema e o linfedema foram desenvolvidas ao longo dos últimos anos. A preocupação com esses aspectos tem crescido na última década no intuito de identificar e acompanhar a evolução da alteração e os resultados do tratamento ministrado.11-14

A Escala de Classificação do Edema da Radioterapia, desenvolvida por Patterson et al.,15 é a ferramenta mais abrangente que avalia e gradua de forma simples e objetiva 11 estruturas e dois espaços da faringe e da laringe por meio de endoscopia. A escala teve boa confiabilidade intra-avaliadores (Kappa = 0,84) e moderada interavaliadores (Kappa = 0,54).

O objetivo deste estudo é fazer a tradução para o português brasileiro e a adaptação transcultural da Escala de Classificação do Edema da Radioterapia.

Método

Esta pesquisa representa a fase inicial do projeto de estudo clínico, aprovado pelo Comitê de Ética da instituição na qual foi feita, sob o número 528/14. Para desenvolver o trabalho com a escala, foi concedida a permissão da autora, que autorizou a tradução.

Por tratar-se de escala de avaliação de estruturas estritamente relacionados à anatomia, a tradução foi feita por dois cirurgiões de cabeça e pescoço com experiência em edema e linfedema de cabeça e pescoço e proficiência na língua inglesa, com base na Nomina Anatomica.16 O processo teve como base as diretrizes internacionais.

Houve, então, um consenso entre os tradutores de uma versão para o português brasileiro e posterior retrotradução feita por dois nativos da língua inglesa, de forma independente. Depois disso, foi feita a comparação da retrotradução com o original, foram analisados aspectos relacionados à equivalência conceitual, semântica e de conteúdo e posterior elaboração de uma tradução pelo comitê formado pelos tradutores e retrotradutores.

Foram avaliados 18 pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico e/ou radioquimioterápico, por meio de exame de nasoendoscopia, e gravados em DVD, para posterior avaliação pelo comitê.

A versão final foi aplicada por quatro profissionais da saúde (dois cirurgiões de cabeça e pescoço e duas fonoaudiólogas com grande experiência em câncer de cabeça e pescoço e interpretação de imagens videoendoscópicas de faringe e laringe). Por se tratar de interpretações similares, os avaliadores entraram em consenso.

Resultados

A tradução da Escala do Edema da Radioterapia (tabela 1) foi feita de forma independente por dois cirurgiões de cabeça e pescoço com proficiência em língua inglesa.15

Tabela 1 Radiotherapy Edema Rating Scale (instrumento original na língua inglesa) 

Rating of edema
Structures Normal Mild Moderate Severe
Base of tongue
Posterior pharyngeal wall
Epiglottis
Pharyngoepiglottic folds
Aryepiglottic folds
Interarytenoid space
Cricopharyngeal prominence
Arytenoids
False vocal folds
True vocal folds
Anterior commissure
Spaces Normal Mildly reduced Moderately reduced Severely reduced
Vallecullae
Pyriform sinus

As duas traduções (tabelas 2 e 3) foram analisadas em conjunto pelos dois tradutores, que chegaram a um consenso para a versão final no português brasileiro (tabela 4). Houve uma dúvida em relação ao termo cricopharyngeal prominence, que, no português, refere-se à barra cricofaríngea, alteração relacionada à anatomia de pacientes submetidos à laringectomia total. Para esclarecer essa dúvida, entramos em contato com a autora e perguntamos se o termo, na verdade corresponderia, à área retrocricóidea. A autora confirmou nossa hipótese.

Tabela 2 Escala do edema da radioterapia (Tradutor A) 

Classificação do edema
Estruturas Normal Discreto Moderado Intenso
Base da língua
Parede posterior de faringe
Epiglote
Pregas faringo-epiglóticas
Pregas ariepiglóticas
Membrana interaritenóidea
Área pós-cricoide
Aritenoides
Bandas ventriculares
Pregas vocais
Comissura anterior
Espaços Normal Redução discreta Redução moderada Redução intensa
Valécula
Seios piriformes

Tabela 3 Escala do edema da radioterapia (Tradutor B) 

Classificação do edema
Estruturas Normal Discreto Moderado Severo
Base da língua
Parede posterior da faringe
Epiglote
Pregas faringo-epiglóticas
Pregas ariepiglóticas
Espaço interaritenóideo
Área retrocricóidea
Aritenoides
Pregas vestibulares
Pregas vocais
Comissura anterior
Espaços Normal Discretamente reduzida Moderadamente reduzida Severamente reduzida
Valécula
Seios piriformes

Tabela 4 Versão final da escala do edema da radioterapia (consenso tradutor A e B) 

Classificação do edema
Estruturas Normal Discreto Moderado Severo
Base da língua
Parede posterior da faringe
Epiglote
Pregas faringo-epiglóticas
Pregas ariepiglóticas
Espaço interaritenóideo
Área retrocricóidea
Aritenoides
Pregas vestibulares
Pregas vocais
Comissura anterior
Espaços Normal Discretamente reduzida Moderadamente reduzida Severamente reduzida
Valécula
Seios piriformes

Com base nessa última versão, foi então feita a retrotradução por dois tradutores bilíngues de forma independente. No caso do termo que causou dúvida pelos tradutores, foi compreendido na retrotradução como postcricoid area. Assim, as versões foram semelhantes entre si sem prejuízo à versão original. O comitê optou por manter a versão original com o termo cricopharyngeal prominence (tabela 5).

Tabela 5 Radiotherapy edema rating (Retrotradução independente) 

Rating of edema
Structures Normal Mild Moderate Severe
Base of the tongue
Posterior pharyngeal wall
Epiglottis
Pharyngoepiglottic folds
Aryepiglottic folds
Interarytenoid space
Cricopharyngeal prominence
Arytenoids
False vocal folds
Vocal folds
Anterior commissure
Spaces Normal Slightly reduced Moderately
reduced
Severely reduced
Valleculla
Piriform sinus

Os autores optaram por traduzir a estrutura piriform sinus como seio piriforme, porque, embora o Nomina indique o termo "recesso piriforme", o nome seios piriformes é amplamente empregado.

Os exames foram então feitos por um médico cirurgião de cabeça e pescoço nos 18 pacientes recrutados para o estudo.

O instrumento foi aplicado pelo grupo formado por dois cirurgiões de cabeça e pescoço e duas fonoaudiólogas (com experiência em interpretação de exames de nasoendoscopia) em consenso, nos 18 pacientes da instituição em que foi feito o estudo (tabelas 6 e 7). Por se tratar de uma escala que avalia estruturas anatômicas, não observamos dificuldades na compreensão e na aplicação da ferramenta.

Tabela 6 Características demográficas, clínicas e do tratamento 

Variável Categoria N
Idade Mín.-máx. 36-82
Mediana 60
Média ± desvio-padrão 61,22 ± 11,39
Gênero Feminino 6
Masculino 12
Local do tumor Boca 7
Orofaringe 5
Laringe 1
Infraglote 1
Tireoide 1
Face 2
Primário oculto 1
Estadiamento Tx 1
T1b 1
T2 10
T3 2
T4 2
N0 10
N1 2
N2 1
N2a 2
N2b 1
Tratamento Cirurgia 8
Cirurgia + radioterapia 4
Cirurgia + radioquimioterapia 5
Radioquimioterapia 1
Esvaziamento cervical Não 3
Sim 15
Tipo de esvaziamento cervical Supraomoióideo 9
Radical 3
Radical modificado 1
Jugular 1
Seletivo 1
Radioterapia Mín.-máx. 3.150-7.000
Mediana 1.575
Média ± desvio-padrão 3.186 ± 3.292,57
Tempo de término do tratamento (meses) Mín.-máx. 3-40
Mediana 6,5
Média ± desvio-padrão 11,94 ± 12,12
Etilismo Não 18
Sim -
Tabagismo Não 16
Sim 2
Traqueostomia Não 17
Sim 1
Sonda nasogástrica Não 17
Sim 1

Tabela 7 Distribuição da classificação do edema da radioterapia 

Pacientes Estruturas Espaços
BL PPF E PFE PAE EI ARC A PVE PV CA V SP
1 1 0 2 0 1 2 2 3 2 0 0 2 1
2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0
3 0 0 0 0 1 2 0 2 0 0 0 0 0
4 0 0 0 0 0 1 0 1 0 1 0 0 0
5 0 1 1 0 2 2 2 3 1 0 0 0 2
6 0 0 0 0 0 2 2 0 0 0 0 0 0
7 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
8 1 0 1 1 0 2 2 2 0 0 0 1 0
9 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
10 0 0 1 0 2 2 2 2 0 0 0 0 0
11 0 0 1 0 0 1 2 1 0 0 0 0 0
12 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
13 1 2 1 0 2 2 1 2 0 0 0 1 1
14 1 0 1 0 2 2 2 2 0 0 0 1 0
15 0 2 1 2 1 2 2 2 0 0 0 0 1
16 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
17 0 0 1 2 2 2 2 2 0 0 0 0 2
18 2 2 2 2 3 3 3 3 0 0 0 0 3

A, Aritenoides; ARC, Área retrocricóidea; BL, Base da língua; CA, Comissura anterior; E, Epiglote; EI, Espaço interaritenóideo; Grau de redução dos espaços: 0- normal; 1-discretamente reduzido; 2- moderadamente reduzido; 3-severamente reduzido; Grau do edema das estruturas: 0- normal; 1- edema discreto; 2- edema moderado; 3- edema severo; PAE, Pregas ariepiglóticas; PFE, Pregas faringoepiglóticas; PPF, Parede posterior de faringe; PV, Pregas vocais; PVE, Pregas vestibulares; SP, Seios piriformes; V, Valécula;

Discussão

As técnicas de avaliação do edema e do linfedema por meio de imagens são ferramentas que oferecem uma opção mais acurada das estruturas envolvidas tanto pela doença como pelo tratamento. A avaliação do edema interno secundário ao tratamento para o câncer de cabeça e pescoço é um instrumento que pode contribuir não só para seu diagnóstico mas também para sua evolução.

Outras modalidades como a linfocintigrafia, a ressonância magnética, a tomografia computadorizada, a ultrassonografia e a imagem de fluorescência, pouco referida na literatura para a região da cabeça e do pescoço, também são usadas além da avaliação laringológica por meio da Escala de Classificação do Edema da Radioterapia. A Escala de Patterson pode ser aplicada com facilidade na prática clínica, uma vez que o exame laringológico faz parte da rotina de avaliação e acompanhamento do paciente com câncer de cabeça e pescoço.1,14,17-22

Outra possibilidade é a verificação entre a relação entre as alterações de deglutição e voz com a presença do edema de faringe e laringe que podem ser mais bem quantificadas com a Escala do Edema da Radioterapia. A relação entre o edema interno e as alterações de deglutição e respiração e seu impacto na qualidade de vida com essa escala identificou forte correlação entre a severidade do edema, principalmente em região de pregas ariepiglóticas, pregas faringoepiglóticas, epiglote, aritenoides e seios piriformes com os sintomas de deglutição, principalmente da consistência sólida. Quando comparados com pacientes sem edema interno, o impacto na função e na qualidade de vida foi mais evidente.10,22

O prejuízo aos tecidos linfáticos pode levar ao linfedema e a fibrose e manifestar-se como efeitos precoces ou tardios ao tratamento do câncer de cabeça e pescoço. O linfedema e a fibrose não são processos estáticos. O linfedema está associado com a inflamação em curso e resulta em uma fibrose progressiva e deposição de tecido adiposo. Com o desenvolvimento de tecido fibrogorduroso, o tratamento de drenagem linfática manual e a terapia compressiva pode ser menos efetivo. Portanto, a avaliação dos efeitos do tratamento pode facilitar uma abordagem mais precoce na tentativa de evitar ou minimizar essas alterações.23

A Escala de Classificação do Edema da Radioterapia é indicada por vários autores como instrumento válido para a caracterização do edema após o tratamento do câncer de cabeça e pescoço.1,2,12,18,22

Conclusões

A tradução da Escala do Edema da Radioterapia para o português foi compatível com a original. A ferramenta é acessível e de fácil interpretação para profissionais da saúde com experiência na avaliação e tratamento do câncer de cabeça e pescoço.

REFERÊNCIAS

1 Deng J, Ridner SH, Aulino JM, Murphy BA. Assessment and measurement of head and neck lymphedema: state-of-the-science and future directions. Oral Oncol. 2015;51:431-7.
2 Murphy BA, Gilbert J. Dysphagia in head and neck cancer patients treated with radiation: assessment, sequelae, and rehabilitation. Semin Radiat Oncol. 2009;19:35-42.
3 Murphy BA, Gilbert J, Cmelak A, Ridner SH. Symptom control issues and supportive care of patients with head and neck cancers. Clin Adv Hematol Oncol. 2007;5:807-22.
4 McGarvey AC, Osmotherly PG, Hoffman GR, Chiarelli PE. Lymphoedema following treatment for head and neck cancer: impact on patients, and beliefs of health professionals. Eur J Cancer Care (Engl). 2014;23:317-27.
5 Bentzen SM, Dörr W, Anscher MS, Denham JW, Hauer-Jensen M, Marks LB, et al. Normal tissue effects: reporting and analysis. Semin Radiat Oncol. 2003;13:189-202.
6 Deng J, Ridner SH, Dietrich MS, Wells N, Wallston KA, Sinard RJ, et al. Prevalence of secondary lymphedema in patients with head and neck cancer. J Pain Symptom Manage. 2012;43:244-52.
7 Avraham T, Zampell JC, Yan A, Elhadad S, Weitman ES, Rockson SG, et al. The differentiation is necessary for soft tissue fibrosis and lymphatic dysfunction resulting from lymphedema. FASEB J. 2013;27:1114-26.
8 Deng J, Murphy BA, Dietrich MS, Wells N, Wallston KA, Sinard RJ, et al. Impact of secondary lymphedema after head and neck cancer treatment on symptoms, functional status, and quality of life. Head Neck. 2013;35:1026-35.
9 Stout Gergich NL, Pfalzer LA, McGarvey C, Springer B, Gerber LH, Soballe P. Preoperative assessment enables the early diagnosis and successful treatment of lymphedema. Cancer. 2008;112:2809-19.
10 Deng J, Murphy BA, Dietrich MS, Sinard RJ, Mannion K, Ridner SH. Differences of symptoms in head and neck cancer patients with and without lymphedema. Support Care Cancer. 2016;24:1305-16.
11 Smith BG, Hutcheson KA, Little LG, Skoracki RJ, Rosenthal DI, Lai SY, et al. Lymphedema outcomes in patients with head and neck cancer. Otolaryngol Head Neck Surg. 2015;152:284-91.
12 Smith BG, Lewin JS. Lymphedema management in head and neck cancer. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2010;18:153-8.
13 Deng J, Ridner SH, Dietrich MS, Wells N, Murphy BA. Assessment of external lymphedema in patients with head and neck cancer: a comparison of four scales. Oncol Nurs Forum. 2013;40:501-6.
14 Deng J, Dietrich MS, Ridner SH, Fleischer AC, Wells N, Murphy BA. Preliminary evaluation of reliability and validity of head and neck external lymphedema and fibrosis assessment criteria. Eur J Oncol Nurs. 2016;22:63-70.
15 Patterson JM, Hildreth A, Wilson JA. Measuring edema in irradiated head and neck cancer patients. Ann Otol Rhinol Laryngol. 2007;116:559-64.
16 Sociedade Brasileira de Anatomia. Terminologia Anatômica. São Paulo: Manole; 2001.
17 Maus EA, Tan IC, Rasmussen JC, Marshall MV, Fife CE, Smith LA, et al. Near-infrared fluorescence imaging of lymphatics in head and neck lymphedema. Head Neck. 2012;34:448-53.
18. The diagnosis and treatment of peripheral lymphedema: 2013 Consensus document of the international society of lymphology. Lymphology. 2013;46:1-11.
19 Tassenoy A, De Mey J, De Ridder F, Van Schuerbeeck P, Vanderhasselt T, Lamote J, et al. Postmastectomy lymphoedema: different patterns of fluid distribution visualised by ultrasound imaging compared with magnetic resonance imaging. Physiotherapy. 2011;97:234-43.
20 Lee JH, Shin BW, Jeong HJ, Kim GC, Kim DK, Sim YJ. Ultrasonographic evaluation of therapeutic effects of complex decongestive therapy in breast cancer-related lymphedema. Ann Rehabil Med. 2013;37:683-9.
21 Suehiro K, Morikage N, Murakami M, Yamashita O, Samura M, Hamano K. Significance of ultrasound examination of skin and subcutaneous tissue in secondary lower extremity lymphedema. Ann Vasc Dis. 2013;6:180-8.
22 Jackson LK, Ridner SH, Deng J, Bartow C, Mannion K, Niermann K, et al. Internal lymphedema correlates with subjective and objective measures of dysphagia in head and neck cancer patients. Palliat Med. 2016;19:949-56.
23 Ridner SH, Dietrich MS, Niermann K, Cmelak A, Mannion K, Murphy B. A prospective study of the lymphedema and fibrosis continuum in patients with head and neck cancer. Lymphat Res Biol. 2016;14:198-205.
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.