Tumor estromal gastrointestinal gigante do íleo proximal

Tumor estromal gastrointestinal gigante do íleo proximal

Autores:

Kelen Christina A. Bezzerra

ARTIGO ORIGINAL

Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

versão impressa ISSN 1676-2444versão On-line ISSN 1678-4774

J. Bras. Patol. Med. Lab. vol.55 no.4 Rio de Janeiro jul./ago. 2019 Epub 02-Set-2019

http://dx.doi.org/10.5935/1676-2444.20190037

INTRODUÇÃO

Os tumores estromais gastrointestinais (GIST) são raros e representam cerca de 1% dos tumores gastrointestinais(1). Podem acometer qualquer porção do trato gastrointestinal; são mais frequentes no estômago(2), com predominância etária entre 50-60 anos(3) e sem prevalência entre homens e mulheres(2). Tais tumores apresentam origem mesenquimal nas células intersticiais de Cajal(2,4).

RELATO DE CASO

Paciente do sexo masculino, 65 anos de idade, apresentando massa em íleo proximal descoberta em uma laparotomia exploradora. Foi realizada ressecção do tumor com margens cirúrgicas livres; o material foi encaminhado para anatomia patológica, cuja macroscopia revelou lesão tumoral medindo 13,5 × 13 × 8,5 cm, que, ao corte, apresentou lesão cística com área sólida brancacenta e componente necrótico na parede, drenando líquido hemorrágico (Figura 1). A microscopia revelou tumoração com células fusiformes, núcleos alongados, citoplasma abundante, acentuada congestão e necrose (Figura 2). O diagnóstico anatomopatológico foi GIST, confirmado por imuno-histoquímica (CD117).

FIGURA 1 Macroscopia: lesão cística com área sólida brancacenta e paredes hemorrágicas junto ao íleo 

FIGURA 2 Microscopia, 400×, HE: células fusiformes, com núcleos alongados e citoplasma abundanteHE: hematoxilina e eosina. 

DISCUSSÃO

Os GISTs são considerados tumores raros quando comparados com outros tumores gastrointestinais. No entanto, são os mais comuns entre os tumores mesenquimais do trato gastrointestinal. A imuno-histoquímica para CD117 confirma o diagnóstico. A ressecção cirúrgica completa da lesão com margem de segurança é a principal conduta curativa para pacientes com tumores primários; contudo, quimioterapia com Imatinib também é utilizada dependendo da situação clínica do paciente(1, 5).

REFERÊNCIAS

1 Barchi LC, Gama-Rodrigues J, Carvalho FAPM, Barchi MC, Oliveira OCG, Carneiro MF. Tumor estromal gástrico cístico C-kit negativo. ABCD Arq Bras Cir Dig. 2012; 25(4): 300-2. Available at: .
2 Silva FE, Ascoly MH, Scofano V, Arakaki JRN, Reis O, Mags SA. Tumores estromais gastrointestinais - Gist: relato de um caso. Rev Bras Coloproct [Internet]. 2004; 24(2): 159-64. Available at: .
3 Yamamoto FZ, Fernandes da Costa GGR, Ururahy RR, et al. Tumor estromal gastrointestinal gigante em ângulo de Treitz - relato de caso e revisão de literatura. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo [Internet]. 2017; 62(2): 110-4. Available at: .
4 Rubini P, Tartamella F. Primary gastrointestinal stromal tumour of the ileum pre-operatively diagnosed as an abdominal abscess. Mol Clin Oncol. 2016; 5(5): 596-8. PubMed PMID: 27900093.
5 Ray MS, Deepak BS. Giant gastrointestinal stromal tumor of ileum: the gist of GIST: a case report. Int Surg J [Internet]. 2017; 4(3): 1096-100. Available at: .
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.