Um estudo sobre associação semântica de palavras do português brasileiro

Um estudo sobre associação semântica de palavras do português brasileiro

Autores:

Lucila Leal Calais,
Aveliny Mantovan Lima-Gregio,
Pablo Arantes,
Daniela Gil,
Alda Christina Lopes de Carvalho Borges

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.28 no.5 São Paulo set./out. 2016 Epub 31-Out-2016

http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20162015268

INTRODUÇÃO

A utilização de palavras em pesquisas revela a necessidade de uma seleção cuidadosa destes estímulos, pois suas características podem gerar efeitos indesejáveis de confusão. A necessidade de evitar possíveis influências secundárias demanda conhecimento sobre os atributos das palavras, sendo a coleta de normas um dos procedimentos frequentemente utilizado na identificação desses atributos(1).

Entre as características das palavras, temos a semântica, sendo que os estudos envolvendo normas de associação semântica são realizados há mais de um século em outros países envolvendo pesquisas sobre linguagem, aprendizagem e memória(1,2). No Brasil, esses estudos são mais recentes (década de 1990) e têm sua importância ressaltada na medida em que é desaconselhável a importação de resultados de estudos em outras línguas, pela falta de confiabilidade(3).

O levantamento de palavras associadas semanticamente permite estimar o conjunto de associadas em virtude de alguma propriedade ou relação linguística, proporcionando uma forma de avaliar o conhecimento sobre palavras que os indivíduos adquiriram durante a sua história de aprendizagem(1).

As pesquisas têm focalizado a associação semântica de palavras correlacionando-a com diversos aspectos como: categorias semânticas(3,4), propriedades sintagmática e paradigmática(5), processo de desenvolvimento e/ou envelhecimento(6-9), contexto semântico(1), demência semântica(10), aspectos linguísticos como concretude e frequência de ocorrência das palavras(2,11,12) e memória(11,13), entre outros.

O método da associação livre é muito utilizado para a elaboração de normas de associações semânticas. Consiste em apresentar uma palavra-alvo para os participantes e pedir que eles produzam uma palavra relacionada que lhes vier à mente(2). Pode-se utilizar o método de primeira resposta, no qual é solicitado uma única resposta para cada alvo(1-3,6-9) ou o de respostas múltiplas, no qual duas ou mais respostas são colocadas na sequência em que vêm à mente(10,12;13).

Duas críticas são apontadas à associação contínua ou respostas múltiplas, sendo elas: o efeito de encadeamento, quando a segunda palavra associada é gerada em função da primeira e não do alvo, e o efeito de inibição da recuperação, na qual a primeira resposta inibe a produção das demais(3,11). O efeito de inibição das respostas pode ser minimizado quando é pedido um número limitado de respostas. Outra redução desse efeito pode ser obtida quando se aumenta a variação dos estímulos(5).

Embora haja boas razões para restringir a coleta de associados para uma resposta por alvo, há casos em que pode ocorrer primeiramente uma forte associação (e.g., sangue e vermelho), reduzindo o número de associados distintos e impedindo, por exemplo, que sejam elaboradas frases com mais de um associado semântico diferente relacionado a uma mesma palavra. Assim, a versão de respostas contínuas permite a obtenção de maior variabilidade em associações, além de estimar melhor a probabilidade de fracas associações(5).

A força de associação entre o par de associados é baseada no número de respostas concordantes dadas a um mesmo alvo e pode ser considerada fraca (menos de 10%), média (entre 10% e 24%) ou forte (25% ou mais)(2,7,11). Está diretamente relacionada ao tamanho do conjunto, o qual pode ser total (todas as respostas diferentes são consideradas) ou significativo (somente as respostas geradas por dois ou mais participantes são consideradas) (11,12).

Um cuidado considerado no levantamento de associados semânticos é a não aceitação de palavras derivadas do alvo, como “trabalho” - “trabalhador”, bem como nomes próprios, devido às implicações para o tamanho do conjunto e à semelhança estrutural entre a palavra-alvo e as demais palavras associadas(2,7). Considerando o uso das palavras associadas na elaboração de frases para serem reconhecidas auditivamente, a semelhança estrutural entre palavras poderia favorecer de forma inadequada o reconhecimento. Por exemplo, na frase “O sorveteiro vendeu um sorvete”, o reconhecimento da palavra sorvete é favorecido pela palavra sorveteiro.

Outra cautela comumente realizada no levantamento de associados semânticos diz respeito à contagem dos associados. As palavras geradas que variam em gênero (e.g., avô e avó) ou número (e.g., casa e casas) e que não evidenciam diferença semântica entre os itens são agrupadas sob o rótulo da palavra com maior frequência de ocorrência(1-3,6,8,9).

O levantamento de normas de associação semântica para palavras tem sua importância como ferramenta indispensável na pesquisa sobre memórias, representação e aprendizagem de conceitos, influência do envelhecimento na aprendizagem e cognição, entre outros(1).

Diante do exposto, os estudos envolvendo testes de avaliação de reconhecimento de fala com frases deveriam considerar a associação semântica das palavras na elaboração do material. O maior controle sobre determinado atributo, permite ao pesquisador uma seleção mais cuidadosa do estímulo(1) e o levantamento das informações desejadas com menor possibilidade de viés.

Na literatura nacional, há diversos estudos nos quais foram elaborados testes de reconhecimento de fala com frases, mas somente em um deles foi contemplado o atributo da associação semântica de palavras na formulação das frases(14). Neste estudo(14), foi elaborado um teste de reconhecimento de fala com frases com controle da previsibilidade da palavra. O participante foi solicitado a repetir somente a palavra final da frase, sendo analisada a influência do tipo de frase neste reconhecimento, sendo denominadas de previsibilidade alta e de baixa.

Assim, o presente trabalho teve como objetivo coletar normas de associação semântica de 96 palavras do português brasileiro e aplicá-las, posteriormente, na elaboração de um teste de reconhecimento de fala com frases com controle da previsibilidade da palavra(14).

MÉTODO

Este estudo foi realizado na disciplina Distúrbios da Audição, do Departamento de Fonoaudiologia. O projeto que originou o estudo foi analisado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob número 0948/09. Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Para a tarefa de associação semântica aplicada, foi utilizada uma lista de 96 palavras da categoria concreta. Na elaboração desta lista, a escolha das palavras baseou-se em dois estudos de concretude realizados(14,15). Todas as palavras selecionadas eram da classe dos substantivos, dissilábicas, paroxítonas e com alta ocorrência no português (mais de 50 ocorrências por milhão, limiar definido com base em valores comumente utilizados na literatura(16)).

Participaram deste estudo 67 voluntários, sendo 66 (98,5%) do gênero feminino e um (1,5%) do gênero masculino. A idade média foi de 20,56 anos, variando de 18 a 27 anos e todos eram alunos de graduação do curso de Fonoaudiologia de uma universidade pública, sendo 28 (41,8%) matriculados na 1ª série, 22 (32,8%) na 2ª série, 6 (8,9%) na 3ª série e 11 (16,4%) na 4ª série do curso, no ano de 2009.

As palavras foram dispostas em uma única versão do instrumento constando de 16 páginas. Na primeira havia o cabeçalho a ser preenchido com os dados de identificação (idade, gênero e ano do curso) e, a seguir, as palavras. Cada folha foi dividida em seis partes e cada parte continha uma palavra dentro de um balão. Abaixo de cada balão havia duas linhas numeradas (1 e 2).

Os participantes foram instruídos a fazer a atividade individualmente e em silêncio, sendo livre o tempo para execução.

O método de associação utilizado foi o de delimitação da classe de palavras. Foram solicitados, para quase metade da amostra (33 participantes), palavras da classe substantivo e, para os demais participantes (34 estudantes), verbos associados a cada uma das palavras dispostas no instrumento. Esta opção foi adotada para que fossem coletadas palavras destas duas categorias para posteriormente serem aproveitadas na formulação de frases de um teste de reconhecimento de fala. Desta forma, evitou-se o risco de serem geradas somente palavras de uma única classe gramatical, o que dificultaria a elaboração de frases munidas dos termos essenciais (sujeito, verbo e predicado). Foram solicitadas duas respostas para cada palavra.

A tarefa foi aplicada em grupo em uma única sessão, em um total de quatro grupos, conforme a disponibilidade dos voluntários. A instrução fornecida foi: “Vocês receberam folhas divididas em seis partes e em cada uma delas há uma palavra escrita e vocês deverão escrever, nas linhas correspondentes para cada palavra, as duas primeiras palavras com significado relacional que lhes vierem à mente.” Em seguida, foi dado um exemplo para a categoria substantivo e outro para verbo (ex.: palavra “praia” associada ao substantivo “mar” e ao verbo “nadar”) e ressaltado que não seriam aceitas palavras derivadas do alvo, como “trabalho” e “trabalhador”, bem como nomes próprios.

Foram computadas as duas palavras de maior frequência para cada palavra-alvo, tanto para a primeira quanto para a segunda palavra escrita. As palavras geradas que variaram em gênero (ex.: menino e menina) ou número (ex.: asa e asas) e que não evidenciam diferença semântica entre os itens, foram agrupadas sob o rótulo da palavra com maior frequência de ocorrência.

O tamanho do conjunto foi analisado de duas maneiras: primeiramente foi calculado o tamanho do conjunto total (TT), no qual todas as respostas (palavras, e abreviaturas) diferentes foram consideradas, inclusive as idiossincrásicas e as incorretas (outra categoria que não a solicitada, palavra derivada do alvo e palavra inexistente), com semelhante critério proposto em outros estudos(11-13). Com relação às palavras idiossincrásicas, parte deles(2,11) também considerou essas palavras na contagem e parte(1,13) não as considerou. Posteriormente foi calculado o tamanho do conjunto significativo (TS), no qual foram computadas as respostas geradas por dois ou mais participantes. Na análise do tamanho do conjunto significativo, os grupos semânticos associados foram classificados como pequeno (1 a 8 associações), médio (9 a 16 associações) e grande (de 17 a 34 associações). As análises do conjunto significativo foram realizadas de forma semelhante à classificação adotada em estudos prévios(2,11).

A força de associação entre os pares foi calculada pela porcentagem de ocorrência do associado semântico mais frequente para cada alvo(2,7). As palavras geradas com 25% ou mais de concordância entre os participantes foi considerada forte, entre 10% e 24% de concordância, como média força e abaixo de 10% de concordância foram consideradas fracas.

Outras duas análises realizadas foram: a correlação entre a força de associação semântica e o tamanho do conjunto total e significativo para a categoria de verbos e de substantivos, além da comparação entre os níveis de força.

RESULTADOS

Os sujeitos levaram em média 28,5 minutos para finalizar a atividade, com uma amplitude de 19 minutos entre o menor e o maior valor.

Considerando o tamanho do conjunto total, o teste T-Student Pareado foi utilizado para comparar as médias dos valores obtidos entre a primeira e a segunda lembrança das classes de palavras verbos e substantivos. Na categoria de verbos, foram obtidos os valores médios de 13,2 (DP=5,5) para a primeira e 20,7 (DP=4,5) para a segunda palavra, sendo significativa a diferença entre os valores (p<0,001). Na categoria de substantivos, os valores médios foram 14,9 (DP=4,6) para a primeira e 20,2 (DP=3,2) para a segunda palavra, sendo significativa essa diferença (p<0,001).

Da mesma forma, foi analisado o tamanho do conjunto significativo por meio da comparação das médias dos valores obtidos entre a primeira e a segunda lembrança das classes de palavras. Na categoria de verbos, os valores médios foram 4,5 (DP=1,6) para a primeira e 5,9 (DP=1,8) para a segunda palavra, com a diferença sendo significativa (p<0,001). Na categoria de substantivos, os valores médios obtidos foram de 4,8 (DP=1,8) para a primeira e 6,0 (DP=1,4) para a segunda palavra, sendo significativa a diferença obtida (p<0,001).

Quanto à análise do conjunto significativo dos 96 alvos na categoria de verbos, 100% dos conjuntos de associados foram classificados como pequeno para a primeira lembrança – Verbo 1 (V1), e 94,8% dos conjuntos foram pequenos e 5,2% médios para a segunda lembrança – Verbo 2 (V2). Para a categoria de substantivos, 97,9% dos conjuntos de associados semânticos foram pequenos e 2,1% médios para a primeira lembrança – Substantivo 1 (S1) e 94,8% dos conjuntos foram pequenos e 5,2% médios para a segunda lembrança – Substantivo 2 (S2).

A Tabela 1 apresenta a análise quantitativa da força de associação semântica entre a palavra-alvo e as duas palavras mais frequentes para a primeira e para a segunda lembrança, considerando todos os alvos para a categoria de verbos e substantivos.

Tabela 1 Percentuais dos níveis de força de associação de palavras lembradas para a primeira e segunda recordação de verbos e substantivos 

Força de associação V 1 V 2 S 1 S 2
1ª palavra 2ª palavra 1ª palavra 2ª palavra 1ª palavra 2ª palavra 1ª palavra 2ª palavra
Fraca 1,0 28,1 10,4 45,8 3,1 26,0 9,4 47,9
Média 19,8 62,5 75 54,2 39,6 69,8 78,1 51,0
Forte 79,2 9,4 14,6 0,0 57,3 4,2 12,5 1,0

Legenda: V1 = 1ª recordação para verbo; V2 = 2ª recordação para verbo; S1 = 1ª recordação para substantivo; S2 = 2ª recordação para substantivo

É possível observar que, na primeira recordação (V1 e S1), a força de associação prevalente foi a forte, seguida da média e da fraca. Para a segunda palavra, a concentração maior foi na categoria de força média, seguida da fraca e, por fim, da forte. Para a segunda recordação (V2 e S2), a força de maior destaque para a primeira palavra foi a média, seguida da forte e da fraca e, para a segunda palavra, a categoria forte foi a de menor ocorrência.

A correlação (Correlação de Pearson) entre a força de associação semântica e os tamanhos do conjunto total e significativo para a categoria de verbo e de substantivo é mostrada na Tabela 2. Pode-se observar correlações negativas significativas (p<0,05) para as duas categorias. Para os verbos, a qualidade da correlação(17) se mostrou forte (r>0,5) para a primeira palavra de V1 e para as duas palavras de V2 do tamanho total e somente para a primeira palavra de V1 para o tamanho significativo. A segunda palavra de V1 do tamanho total foi considerada moderada (0,3>r<0,49) e as demais do tamanho significativo foram consideradas fracas (0,10>r<0,29). Para a categoria dos substantivos, a qualidade da correlação se mostrou forte para a primeira palavra de S1 e para as duas palavras de S2 do tamanho total e somente para a primeira palavra de S1 para o tamanho significativo. A segunda palavra de S1 do tamanho total foi considerada fraca, bem como a segunda palavra de S1 e S2 do tamanho significativo. A primeira palavra de S2 do tamanho significativo foi considerada moderada.

Tabela 2 Correlação da força de associação com os tamanhos para verbo e substantivo 

Força de associação Verbo
TT TS
r p r p
Verbo 1 - 1ª palavra –0,61 <0,001* –0,53 <0,001*
Verbo 1 - 2ª palavra –0,31 0,002* –0,15 0,152
Verbo 2 - 1ª palavra –0,61 <0,001* –0,22 0,032*
Verbo 2 - 2ª palavra –0,57 <0,001* –0,12 0,227
Substantivo
Substantivo 1 - 1ª palavra –0,71 <0,001* –0,60 <0,001*
Substantivo 1 - 2ª palavra –0,29 0,004* –0,05 0,610
Substantivo 2 - 1ª palavra –0,60 <0,001* –0,33 0,001*
Substantivo 2 - 2ª palavra –0,58 <0,001* –0,15 0,135

*Resultado significativo (p<0,05); r = Correlação de Pearson

Legenda: TT = Tamanho do conjunto total; TS = Tamanho do conjunto significativo

Na comparação (teste ANOVA) da força de associação com os tamanhos dos conjuntos, os seguintes resultados foram obtidos para a categoria de verbos: diferença significativa (p<0,05) para o tamanho do conjunto total e significativo para as duas palavras da primeira e da segunda recordação, com exceção do conjunto significativo para a segunda palavra da segunda recordação. Observou-se diminuição dos tamanhos dos conjuntos à medida que a força de associação aumentou, mas o padrão somente foi constante para o tamanho total.

Ainda considerando a comparação (teste ANOVA) da força de associação com os tamanhos dos conjuntos, os seguintes resultados foram obtidos para a categoria de substantivos: diferença significativa (p<0,005) para o tamanho do conjunto total e significativo para as duas palavras da primeira e da segunda recordação, com exceção do conjunto significativo para a segunda palavra da primeira e da segunda recordação. Assim como nos verbos, observou-se uma diminuição dos tamanhos dos conjuntos à medida que a força de associação aumentou, sendo o padrão constante para o tamanho total.

Todas as palavras do teste geraram no mínimo duas palavras associadas para o grupo de verbos e de substantivos. Destaca-se que em diversos casos houve mais de dois associados gerados por apresentarem pontuação semelhante no mais elevado nível de força de associação. Na Tabela 3, são mostrados os associados semânticos das 96 palavras-alvo para os verbos e os substantivos.

Tabela 3 Palavras-alvo com os associados semânticos de maior frequência e tamanhos do conjunto para verbos e substantivos 

Palavra-alvo Palavras associadas* V1 e V2 Palavras associadas* S1 e S2
Costa V1-nadar/andar, viajar, navegar
V2-coçar/nadar, admirar, mergulhar
S1-praia/corpo
S2-mar/massagem
Alvo V1-atirar/acertar
V2-acertar/mirar
S1-tiro, flecha
S2-dardo/tiro
Grupo V1-conversar/juntar
V2-trabalhar/estudar
S1-pessoa/amigos
S2-trabalho/amigo, família, pessoas, união
Ponto V1-marcar/finalizar
V2-terminar/escrever, desenhar, parar, acabar, chegar
S1-final/vírgula
S2-ônibus/final
Peça V1-montar/quebrar, assistir
V2-assistir/montar
S1-teatro/quebra-cabeça
S2-carro, quebra-cabeça, teatro
Luta V1-brigar/bater
V2-ganhar, machucar/bater
S1-briga/luva
S2-briga/machucado
Mata V1-correr/plantar, acampar, caminhar
V2-cortar/plantar
S1-árvore, floresta
S2-árvore/animais
Pena V1-voar/sentir
V2-cair/escrever
S1-galinha/pássaro
S2-dó/ave
Reino V1-governar/morar, mandar
V2-mandar/morar, batalhar
S1-animal, rei
S2-rei/castelo, rainha
Obra V1-construir/trabalhar
V2-construir/criar
S1-pedreiro/arte
S2-quadro/construção, tijolo
Cerca V1-pular/fazer
V2-separar/proteger, construir
S1-madeira/arame, fazenda
S2-fazenda/arame, madeira
Posto V1-abastecer/parar
V2-parar/cuidar, abastecer, pagar, vacinar
S1-gasolina
S2-carro/álcool
Jogo V1-brincar/ganhar
V2-ganhar/divertir, torcer, participar, competir
S1-futebol/bola
S2-bola, tabuleiro
Pista V1-correr/dançar, andar
V2-andar/dirigir
S1-carro/corrida
S2-carro/corrida
Povo V1-juntar, unir, falar
V2-unir, lutar, trabalhar, criticar
S1-pessoas/gente
S2-multidão/pessoas
Vôlei V1-jogar/sacar
V2-sacar/ganhar
S1-bola/esporte
S2-bola, rede
Língua V1-falar/beijar
V2-comer/falar
S1-boca/português
S2-dente/boca, fala
Mundo V1-girar/viajar, viver
V2-conhecer/girar
S1-água, globo, terra
S2-pessoas, terra
Chefe V1-mandar/comandar
V2-trabalhar/obedecer, mandar
S1-trabalho/emprego
S2-trabalho/cargo, cozinha, dinheiro, empregado, escritório, salário
Cara V1-bater, pintar/limpar, olhar, lavar, maquiar
V2-olhar, pintar, expressar, cuidar, lavar
S1-rosto/coroa
S2-face/homem, moeda, rosto
Órgão V1-doar/funcionar
V2-tocar/doar
S1-corpo/coração
S2-pulmão/vida
Papa V1-rezar/comer
V2-rezar/falar, comer
S1-igreja/comida
S2-religião/igreja, comida
Mato V1-cortar/cheirar
V2-plantar/cortar
S1-grama/ bicho, animais, cachorro, capim, floresta, moita, planta, terra, verde
S2-verde/capim, grama
Faixa V1-passar, ultrapassar/atravessar, pintar e limitar
V2-colocar/cortar, usar
S1-pedestre/cabelo
S2-pedestre/cabelo
Serra V1-subir/cortar
V2-descer/subir
S1-praia/montanha
S2-neblina/estrada, ferramenta, viagem
Vídeo V1-assistir/ver, gravar
V2-gravar, fazer, assistir/relembrar, alugar, divertir, filmar
S1-filme/televisão
S2-filme/televisão
Cabo V1-conectar, puxar
V2-ligar/conectar
S1-televisão/aço
S2-televisão/fio
Campo V1-jogar/correr
V2-jogar/descansar
S1-futebol/grama
S2-flor, grama
Neto V1-amar, brincar
V2-amar/brincar
S1-avô/família
S2-avô/criança
Time V1-torcer/jogar, unir
V2-jogar/ganhar
S1-futebol/jogo, torcida, união
S2-torcida/equipe, união
Vila V1-morar/viver
V2-morar/visitar
S1-casa/bairro
S2-cidade, rua
Gente V1-conversar/conhecer
V2-conhecer/chorar, aprender, correr, juntar, respeitar
S1-pessoa/povo
S2-mundo, pessoas
Porto V1-navegar/parar, embarcar
V2-navegar, chegar
S1-navio/barco
S2-barco/mar
Banda V1-tocar/cantar
V2-cantar/tocar
S1-música/show
S2-música/bateria, guitarra
Texto V1-ler/escrever
V2-escrever/ler
S1-palavra/redação
S2-leitura/palavra
Filme V1-assistir/ver
V2-assistir, gostar
S1-cinema/pipoca
S2-pipoca/cinema
Globo V1-girar, assistir
V2-assistir, rodar
S1-televisão/mundo
S2-mundo/bola
Feira V1-comprar/gritar, comer
V2-comprar/comer
S1-frutras/pastel
S2-frutas/legumes, verdura
Lista V1-fazer/assinar
V2-ler, escrever, lembrar
S1-compras/mercado
S2-compras, mercado e supermercado
Palco V1-dançar/apresentar, cantar
V2-cantar, apresentar
S1-teatro/apresentação, show
S2-show/teatro
Clube V1-nadar/divertir
V2-nadar/jogar
S1-piscina/esporte, sol
S2-sol/amigos
Praça V1-descansar/passear
V2-passear/brincar, conversar
S1-banco/árvore
S2- banco/árvore
Praia V1-nadar/bronzear, divertir, queimar
V2-nadar/bronzear
S1-sol/areia
S2- areia/sol
Dólar V1-comprar/gastar
V2-vender/trocar, gastar, comprar
S1-dinheiro/verde, viagem
S2- real/dinheiro, viagem
Parque V1-brincar/passear
V2-andar/correr, passear, divertir
S1-árvore/diversão
S2- árvore/criança
Ilha V1-nadar/isolar
V2-nadar/isolar
S1-mar/água, coqueiro
S2- coqueiro/árvore, mar
Tela V1-pintar/assistir
V2-pintar/proteger
S1-cinema/televisão
S2- cinema/computador, filme, mosquito
Loja V1-comprar/vender
V2-vender, comprar
S1-roupa/compras
S2- roupa/compras, sapato
Teto V1-cair/proteger
V2-cair, construir
S1-casa/cobertura, lustre, telhado, vidro
S2- casa, chão, telhado, telha
Bomba V1-explodir/estourar
V2- matar/ destruir
S1-guerra/chocolate
S2- chocolate/explosão, guerra
Bolsa V1-guardar/carregar
V2-guardar/comprar
S1-dinheiro/couro, mulher
S2- celular, mulher
Carne V1-comer/comprar
V2-assar/cozinhar, fazer
S1-boi/vaca
S2- churrasco/porco, vaca
Folha V1-escrever/cair
V2-escrever/cair
S1-árvore/papel
S2- árvore, papel
Quadro V1-pintar/pendurar
V2-pintar/comprar
S1-pintura/parede
S2- arte, parede
Caixa V1-guardar/fechar
V2-guardar/presentear, abrir, organizar
S1-banco, papelão, sapato
S2- dinheiro, papelão, presente
Dado V1-jogar/brincar
V2-ganhar/brincar, contar
S1-jogo/números
S2-tabuleiro/sorte
Padre V1-rezar/orar
V2-abençoar/falar
S1-igreja/missa
S2- igreja/religião
Boca V1-falar/beijar
V2-comer/beijar
S1-dente/beijo
S2-língua/beijo, comida, dente
Ouro V1-comprar/ganhar, enriquecer
V2-enriquecer/brilhar, ganhar
S1-prata/joia, riqueza
S2-joia/bronze
Bola V1-jogar/rolar, chutar
V2-brincar/chutar
S1-futebol/jogo
S2-criança, futebol
Foto V1-tirar/revelar
V2-revelar/recordar
S1-lembrança/câmera, família, paisagem
S2-família/recordação
Rio V1-nadar/correr, navegar
V2-nadar/pescar
S1-água/barco, peixe
S2-peixe/barco
Casa V1-morar/dormir
V2-descansar/limpar, morar
S1-família/lar, teto
S2-família/quarto
Banco V1-sentar/pagar
V2-sentar/depositar
S1-dinheiro/praça
S2-dinheiro/praça
Noite V1-dormir/escurecer
V2-dormir/admirar, sair
S1-lua/estrela
S2-estrela/lua, sono
Livro V1-ler/comprar
V2-escrever/estudar
S1-leitura/história, página, papel
S2-escola/estudo
Filho V1-amar/cuidar
V2-amar/cuidar, educar
S1-mãe/pai
S2-pai/mãe
Rede V1-pescar/balançar
V2-dormir/descansar, navegar
S1-descanso, peixe
S2-descanso, peixe
Carro V1-dirigir/andar
V2-bater/andar
S1-pneu/passeio, roda, volante
S2-rua, trânsito
Terra V1-plantar/arar
V2-plantar/colher
S1-plantação/água, árvore, barro, marrom, planeta, planta
S2-mato/ água, flor, interior, marrom, minhoca, planta
Homem V1-casar/amar
V2-trabalhar/conversar, casar
S1-mulher/cabelo, pai, trabalho
S2-pessoa/mulher, pai
Rua V1-andar/atravessar
V2-dirigir/caminhar, andar, olhar, correr, passear
S1-estrada/asfalto
S2-avenida, calçada, carro
Meia V1-vestir/calçar
V2-lavar/dividir
S1-tênis/pé, sapato
S2-pé/cinema, frio, metade, sapato, tênis
Água V1-beber
V2-banhar, nadar
S1-sede/copo
S2-rio, sede
Linha V1-costurar/desenhar
V2-costurar, seguir
S1-agulha/costura
S2-costura/roupa
Corpo V1-cuidar/movimentar
V2-vestir/tocar, equilibrar, malhar, cuidar
S1-órgão/boca, pessoa, saúde
S2-pessoa, roupa, saúde, tronco, vida
Prova V1-estudar/fazer
V2-estudar, sofrer, fazer
S1-nota/teste
S2-escola, estudo
Disco V1-tocar/ouvir
V2-escutar, dançar
S1-música/antiguidade, festa, visual
S2-música/vitrola
Porta V1-abrir/fechar
V2-fechar/abrir
S1-madeira/casa
S2-casa/madeira
Festa V1-dançar/divertir
V2-beber/dançar
S1-bexiga/música
S2-bolo /música, amigos
Sala V1-sentar/estudar
V2-descansar/assistir
S1-sala, sofá
S2-televisão/sofá
Carta V1-escrever/ler
V2-escrever/enviar
S1-envelope/correio
S2-selo/correio, saudade
Quarto V1-dormir/arrumar
V2-descansar/estudar
S1-cama/cozinha
S2-cama/sono
Leite V1-beber/tomar
V2-tirar/beber, misturar
S1-vaca/copo
S2-caixa/café, chocolate, geladeira
Fogo V1-queimar/apagar
V2-esquentar/queimar, apagar
S1-madeira/água, incêndio
S2-água/bombeiro
Sangue V1-doar/machucar
V2-morrer, examinar, machucar, jorrar
S1-corpo/hospital
S2-machucado/exame, hemoglobina, morte, vermelho
Mesa V1-comer/colocar
V2-comer/sentar, estudar
S1-cadeira/comida
S2-cadeira/prato
Ponte V1-atravessar/passar
V2-construir/ligar
S1-rio/carro
S2-rio/carro, madeira
Rocha V1-quebrar/endurecer
V2-quebrar/jogar, destruir, bater
S1-pedra/duro, gruta, praia
S2-montanha/cachoeira
Rosa V1-cheirar/ganhar
V2-cheirar/plantar
S1-flor/amor
S2-cor, flor
Dança V1-divertir/mexer, movimentar, aproveitar, animar, festejar
V2-divertir/pular
S1-música/bailarina
S2-música/salão
Chuva V1-molhar/cair
V2-cair/esfriar, lavar
S1-água/guarda-chuva
S2-água/frio, guarda-chuva, nuvem, rua, trovão
Câncer V1-morrer/adoecer
V2-curar, adoecer/morrer
S1-doença/hospital
S2-morte/doença
Arma V1-matar, atirar
V2-atirar, machucar, matar
S1-fogo/tiro
S2-bala, tiro
Massa V1-comer/cozinhar, fazer, preparar
V2-fazer/comer
S1-macarrão/comida
S2-pão/restaurante
Branca V1-pintar/limpar, sujar
V2-lavar/limpar, desenhar
S1-roupa/neve, pomba, preta
S2-paz/neve, parede

*No caso de empate da força de associação para a primeira ou segunda palavra, todas as palavras foram mencionadas

Legenda: V1 = 1ª recordação para verbo; V2 = 2ª recordação para verbo; S1 = 1ª recordação para substantivo; S2 = 2ª recordação para substantivo

DISCUSSÃO

Neste estudo, foram coletadas normas de associação semântica para 96 palavras do português brasileiro. Os procedimentos empregados foram de restrição da categoria para o associado semântico e a escrita de duas palavras associadas para cada alvo. O intuito foi gerar um número variado de associados, permitindo a elaboração de frases distintas com uma mesma palavra-chave.

Entre os resultados obtidos com os associados semânticos, foi observado que o tamanho do conjunto total apresentou um valor médio maior para segunda lembrança em comparação à primeira. A maior variação entre as respostas apresentadas pelos participantes para a segunda palavra foi igualmente observada nos dois grupos (verbos e substantivos). Quanto ao tamanho do conjunto significativo, observou-se comportamento semelhante ao anteriormente descrito com o aumento do número de associados para a segunda palavra lembrada, mas com valores médios menores.

Uma possível explicação para o aumento dos conjuntos na segunda lembrança seria o efeito da criação de cadeias semânticas ou o encadeamento de respostas(3,11,18). Segundo essa hipótese, é possível que a segunda palavra seja um associado semântico da primeira palavra recordada e não um segundo associado da palavra original. Assim, o conjunto de associados tende a crescer uma vez que nem todos os sujeitos evocam a mesma palavra na primeira lembrança.

O tamanho dos conjuntos total e/ou significativo foi apresentado em outros estudos(2,3,5,7,9,12). Entretanto, tanto as médias de palavras recordadas para o conjunto total(2,7,9) quanto as do conjunto significativo(2,5,7,9,12) foram consideravelmente maiores. Somente em um estudo(3) foi relatado valor médio do conjunto total mais próximo (média de 19,06) ao do presente estudo. Quanto ao aumento do número de associados para a segunda evocação, apenas um estudo(5) realizou procedimento parecido (pediu três evocações para cada palavra) e também observou aumento do tamanho do conjunto significativo para a segunda e a terceira lembrança.

As diferenças entre os resultados obtidos podem ser justificados pelos procedimentos distintos utilizados, pelo número reduzido de palavras em comum (entre 2 e 8) e pelas diferenças quanto aos aspectos de concretude, extensão e classe gramatical. Curiosamente, o estudo que apresentou dados semelhantes(3) solicitou apenas uma única resposta dos participantes e os alvos foram categorias (ex.: “animal da fazenda”) e não palavras isoladas. Outro estudo(1) apresentou o tamanho da categoria considerando as respostas diferentes e com as palavras foram apresentadas em sentenças com contextos linguísticos diferentes, inviabilizando a comparação dos resultados.

Quanto aos tamanhos dos conjuntos significativos, a maioria foi classificada como pequeno, não ocorrendo conjuntos grandes em nenhuma das categorias consideradas, tanto para a primeira quanto para a segunda palavra escrita. Em estudos prévios, a maioria dos conjuntos foi de tamanho grande(3) ou médio(2,7). Outra pesquisa nacional(8), que comparou faixas etárias diversas, revelou que a maioria dos conjuntos obtidos foi grande para o grupo de crianças, médio para adultos e pequeno para os idosos, sendo que, somente no grupo de idosos, não ocorreu nenhum conjunto grande. Vale ressaltar que, nas pesquisas mencionadas, somente foi solicitada uma palavra para cada alvo e sem restrição de categoria.

A força de associação entre o par de associados foi mais um aspecto analisado nesta pesquisa. No presente estudo, a força de associação apresentou tendência a diminuir da primeira palavra (maioria forte) para a segunda (maioria média) na primeira recordação. No caso da segunda recordação, a maioria das associações apresentou força média para as duas palavras computadas (Tabela 1). A hipótese da cadeia de associação(3,11) poderia explicar essa diminuição na força de associação. Ou seja, nas primeiras palavras há maior probabilidade de determinada resposta ocorrer, enquanto que num segundo momento, há maior variabilidade da resposta e menor probabilidade de uma delas acontecer.

Alguns estudos(2,7) também relataram valores elevados (entre 44% e 50%) para os pares de forte e média força de associação e menores (1,1% e 6%) para os pares de fraca. Outra pesquisa(9) relatou poucos pares de associados com baixa força de associação (entre 3,4% e 5,7%) e uma porcentagem mais elevada (entre 46% e 50%) para pares de média e forte, tendo considerado grupos distintos de participantes (adultos jovens e idosos). Nesses estudos, foi solicitada uma única resposta e, portanto, não há como analisar a diminuição da força de associação.

Quanto à correlação da força de associação semântica com os tamanhos total e significativo dos conjuntos (Tabela 2), os resultados mostraram que as variáveis são inversamente proporcionais. Quanto maior a força de associação, menor é o tamanho do conjunto, ou seja, quanto menor o número de palavras geradas para um alvo, maior é a força de associação entre o associado mais frequente e o alvo. Destaca-se que as correlações significativas ocorreram em todas as associações do conjunto total e em metade do conjunto significativo. Quanto à qualidade da correlação, a maior parte delas foi considerada forte para o conjunto total e moderada para o conjunto significativo.

Semelhante análise foi realizada em outros estudos(2,7,11,12), nos quais foi observada uma correlação significativa negativa entre as variáveis força de associação e tamanho do conjunto total e significativo. Considerando a força da correlação e os tamanhos do conjunto, alguns estudos relataram correlação forte para o tamanho total(2,7), enquanto outros relataram força moderada(11,12). Para o tamanho significativo, todos os estudos relataram correlações fortes(2,7,11).

Considerando os resultados obtidos na comparação da força de associação com os tamanhos do conjunto total e significativo, os resultados corroboram a correlação existente entre ambos. É possível observar que a associação é mais evidente e com padrão constante de diminuição da força à medida que aumenta o tamanho do conjunto total. Semelhante análise não foi mencionada nos estudos pesquisados para comparar os resultados obtidos.

Com relação aos associados semânticos, optou-se por considerar as duas palavras geradas com maior força de associação para a primeira lembrança e também para a segunda recordação, igualmente para cada grupo (verbos e substantivos). Em vários casos, ocorreu o empate na pontuação de palavras, de forma que todas foram catalogadas para serem possivelmente consideradas na formulação das frases.

Por fim, as listas de associados geradas permitiram que o aspecto da associação semântica entre palavras fosse controlado na formulação de um teste de reconhecimento de fala com frases com controle da previsibilidade da palavra final.

CONCLUSÕES

Normas de associação semântica de 96 palavras do português brasileiro foram coletadas conforme proposto e resultaram em palavras associadas semanticamente para cada alvo nas categorias propostas de verbo e substantivo, as quais foram utilizadas em um teste de reconhecimento de fala com frases considerando a previsibilidade da palavra.

REFERÊNCIAS

1 Janczura GA. Contexto e normas de associação para palavras: a redução do campo semântico. Paidéia (Ribeirão Preto). 2005;15(32):417-25. .
2 Salles JF, Holderbaum CS, Becker N, Rodrigues JC, Liedtke FV, Zibetti MR, et al. Normas de Associação semântica para 88 palavras do português brasileiro. Psico (Porto Alegre). 2008;39(3):260-8.
3 Janczura GA. Normas associativas para 69 categorias semânticas. Psicol, Teor Pesqui. 1996;12(3):237-44.
4 De Deyne S, Storms G. Word associations: network and semantic properties. Behav Res Methods. 2008a;40(1):213-31. PMid:18411545. .
5 De Deyne S, Storms G. Word associations: norms for 1424 Dutch words in a continuous task. Behav Res Methods. 2008b;40(1):198-205. PMid:18411543. .
6 Macizo P, Gómez-Ariza CJ, Bajo MT. Associative norms of 58 Spanish words for children from 8 to 13 years old. Psicologica (Valencia). 2000;21(3):287-300.
7 Salles JF, Holderbaum CS, Machado CS. Normas de associação semântica de 50 palavras do português brasileiro para crianças: tipo, força de associação e set size. Interam J Psychol. 2009;43(1):57-67.
8 Zortea M. Estudo sobre associação semântica de palavras em crianças, adultos jovens e idosos [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010.
9 Zortea M, Salles JF. Estudo comparativo das associações semânticas de palavras entre adultos jovens e idosos. Psicol, Teor Pesqui. 2012;28(3):259-66. .
10 Vesely L, Bonner MF, Reilly J, Grossman M. Free association in semantic dementia: the importance of being abstract. [abstract]. Brain Lang. 2007;103(1-2):154-5. .
11 Nelson DL, Schreiber TM. Word concreteness and word structure as independent determinants of recall. J Mem Lang. 1992;31(2):237-60. .
12 Stein LM, Gomes CFA. Normas brasileiras para listas de palavras associadas: associação semântica, concretude, frequência e emocionalidade. Psicol, Teor Pesqui. 2009;25(4):537-46. .
13 Stein LM, Feix LF, Rohenkohl G. Avanços metodológicos no estudo das falsas memórias: construção e normatização do procedimento de palavras associadas. Psicol Reflex Crit. 2006;19(2):166-76. .
14 Calais LL. Reconhecimento de fala em idosos: elaboração e aplicação de um teste considerando a previsibilidade da palavra [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2011.
15 Janczura GA, Castilho GM, Rocha NO, Van Erven TJC, Huang TP. Normas de concretude para 909 palavras da língua portuguesa. Psicol, Teor Pesqui. 2007;23(2):195-204.
16 Bybee JL. Phonology and language use. Cambridge: Cambridge University; 2001.
17 Cohen J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale: Erlbaum; 1988.
18 Nelson DL, McEvoy CL, Bajo MT. Lexical and semantic search in cued recall, fragment completion, perceptual identification, and recognition. Am J Psychol. 1988;101(4):465-80. PMid:3232723. .
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.