Uveíte autoimune: estudo de terapias para tratamento

Uveíte autoimune: estudo de terapias para tratamento

Autores:

Alessandra Gonçalves Commodaro,
Luciana de Deus Vieira de Moraes,
Denise Vilarinho Tambourgi,
Rubens Belfort Jr.,
Osvaldo Augusto Sant’Anna,
Luiz Vicente Rizzo

ARTIGO ORIGINAL

Einstein (São Paulo)

versão impressa ISSN 1679-4508versão On-line ISSN 2317-6385

Einstein (São Paulo) vol.8 no.1 São Paulo jan/mar. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rb1416

INTRODUÇÃO

O sistema imunológico é uma rede complexa de células e moléculas que estão envolvidas nas respostas imunológicas a patógenos, manutenção de autotolerância, geração de memória específica, e adaptação. Esta rede, essencialmente pleiotrópica, é controlada por locos altamente polimórficos com elevados valores adaptativos, como o complexo principal de histocompatibilidade (MHC)(1), os componentes do sistema do complemento(2), assim como genes que regulam a expressão de regiões variáveis de imunoglobulina(3), e o receptor da célula T (TCR)(4). Ademais, as principais funções imunobiológicas, como produção de anticorpos, reatividade inflamatória, tolerância, resistência a infecções e ações de toxinas são características quantitativas submetidas a controles poligênicos independentes(56). Assim, todos os processos evolutivos estão relacionados à diversidade, garantindo a sobrevivência da espécie, e duas principais peculiaridades genéticas desempenham um papel essencial: polimorfismo e poligenes. A tríade – diversidade, especificidade, e complexidade – representa os aspectos básicos e fundamentais de eventos imunobiológicos e garante a proteção multidirecional de uma população natural geneticamente heterogênea.

Os fenômenos imunológicos subliminares que ocorrem naturalmente e intervêm na a manutenção da neutralização e/ou equilíbrio e estados ordenados de moléculas endógenas biologicamente ativas têm de ser frequentes. Sob as variáveis e constantes pressões ambientais ao longo da vida, o organismo expressa vários alvos moleculares que poderiam ser suscetíveis a uma série de episódios autoimunes que, em função da homeostasia, são transponíveis. Entretanto, desequilíbrios nas relações entre células e moléculas com expressões aumentadas de proteínas multifuncionais, como IL-6, Hsp, e TNF podem desencadear processos crônicos, cumulativos e irreversíveis de autoimunidade que sofrem influência de uma combinação de fatores genéticos e ambientais(7).

UVEÍTE AUTOIMUNE EXPERIMENTAL

A uveíte autoimune experimental (UAE) é uma doença específica do órgão mediada pela célula T que afeta o pólo posterior do olho e constitui um modelo bem caracterizado e valioso para o estudo de uveíte humana idiopática. A UAE pode ser induzida em primatas e roedores suscetíveis após imunização com autoantígenos retinianos, tais como a proteína interfotorreceptora ligado à retinoide (IRBP) ou o antígeno S (arrestina), ou pela transferência passiva de células T específicas para estes antígenos(810).

O modelo de UAE em camundongos contribuiu para o estabelecimento de parâmetros de avaliação de possíveis terapias para uveíte posterior em humanos(8). Estudos de suscetibilidade e resistência genética à UAE(11), caracterização de epítopos uveitogênicos(12) e estudos de tolerância de UAE por desvio imunológico associado à câmara anterior(1314) ou sistemas de tolerância oral(1516) foram bem sucedidos de acordo com esse modelo.

Deve-se destacar que o modelo experimental usado hoje em dia, disseminado pelos países desenvolvidos, limita-se a uma ou duas linhagens isogênicas geneticamente homogêneas de camundongos, em que para a característica dada, a variância fenotípica (VF) corresponde à variância ambiental (VE). Lembramos que uma linhagem inbred é obtida por intensivos cruzamentos entre irmãos durante gerações sucessivas. A partição genética nunca é evidenciada e os resultados não permitem o estabelecimento da real relevância biológica de fatores imunes e/ou adquiridas. A eventual correlação entre parâmetros imunobiológicos distintos e a resistência ou suscetibilidade à progressão autoimune é meramente fortuita.

Para que se possa introduzir um novo conceito de investigação de uveíte autoimune em camundongos e com o objetivo de determinar a influência de históricos e fatores genéticos (VG) que intervêm nas funções imunes inatas e/ou adquiridas sobre o desenvolvimento da UAE e no estabelecimento da possível associação de perfis de isotipos anti-IRBP específicos na suscetibilidade à doença, foram conduzidos estudos com linhagens geneticamente modificadas de camundongos selecionados sobre respostas altas (H) ou baixas (L) de anticorpos e respostas inflamatórias agudas máximas ou mínimas (AIRMAX e AIRMIN, respectivamente). Estas quatro linhagens geneticamente selecionadas não-inbred resultaram na fixação convergente de alelos que afetam as respostas altas ou baixas de anticorpos ou inflamatórias em relação aos compartimentos imunológicos adquiridos e/ou inatos. Esta abordagem permite o estudo da doença em populações selecionadas em função de características imunológicas importantes, mas que ainda são heterogêneas no que diz respeito ao resto de seu genoma, assemelhando-se, assim, mais a população humana(1718).

O desenvolvimento da UAE e a produção dos anticorpos IgG1 e IgG2a anti-IRBP, dois isotipos de IgG representativos das séries Th2 e Th1 de linfócito-T helper foram investigados nestes camundongos geneticamente modificados, e provaram definitivamente que, diferente das linhagens inbred, as respostas anti-IRBP não estavam correlacionadas com a suscetibilidade à UAE. Para ambos os anticorpos antígeno-específicos IgG1 e IgG2a, a análise da variância corrobora a importância de fatores multigênicos que regulam as respostas de adaptação a IRBP. Ademais, com base nos principais alelos H-2 de histocompatibilidade das quatro linhagens de camundongos e as similaridades entre os escores de UAE, especialmente entre as linhagens AIRMAX e LIII, nenhum alelo específico de MHC parece ser crucial para o desenvolvimento da doença como é nas linhagens inbred. Deve-se salientar que os camundongos LIII são H–2z, os HIII são H–2o3; os AIRMAX são predominantemente H–2b, e em camundongos AIRMIN, H–2d e H–2k são os haplótipos prevalentes.

Portanto, o controle genético das características imunológicas durante o processo autoimune na UAE é poligênico, já que as variâncias interlineares foram sempre maiores do que as intralineares e houve distribuição contínua entre indivíduos(19).

NOVAS TERAPIAS NA UAE

O curso da UAE se caracteriza por vasculite e formação de granuloma na retina neural, destruição de células fotorreceptoras e cegueira(8,10) causada pela infiltração de linfócitos e células inflamatórias. A migração de linfócitos ativados para dentro do olho é facilitada pela ligação de proteínas da superfície nestas células com moléculas de adesão no endotélio. A imunização de camundongos B10.A com IRBP induz a expressão da molécula-1 intercelular de adesão (ICAM-1) no endotélio vascular do corpo ciliar e da retina, assim como a expressão do antígeno-1 em associação à função do linfócito (LFA-1) sobre células inflamatórias que entram no olho(20). A observação de que a inflamação ocular diminui significativamente após a administração de anticorpos monoclonais (mAbs) contra ICAM-1 e LFA-1(20) atribui um papel importante a estas moléculas de adesão na UAE. Além disso, um estudo in vitro confirmou que a adesão de linfócitos e a transmigração por monocamadas de células epiteliais pigmentadas da retina ativadas por IFN-γ (RPE) são inibidas por mAbs contra o antígeno-4 bem tardio (VLA-4) e a molécula-1 de adesão celular vascular (VCAM-1) em um modelo de uveíte em ratos(21). A expressão de VCAM-1 em vasos sanguíneos da retina durante o desenvolvimento da UAE também parece estar envolvida na migração de linfócitos para dentro do olho(2122).

Em 2005, nosso grupo demonstrou que o tratamento com um inibidor do peptídeo ativo α4 (α4-api), que tem como alvo a integrina α4 da molécula de adesão VLA-4, apresentou um efeito de melhora significativa sobre a UAE(23). Estes resultados indicam que as α4 integrinas são de fato essenciais para o recrutamento de linfócitos para dentro do olho e que o bloqueio das interações integrina-ligante podem ser eficazes na prevenção da entrada de células uveitogênicas.

Outros achados mostraram que a administração de um anticorpo anti-LFA-1α suprimia a UAE induzida por IRBP em camundongos C57Bl/6 pelo bloqueio da ativação das células T uveitogênicas e o tráfego de células T autorreativas ativadas para dentro do sítio inflamatório(24).

A patologia clínica ocular também pode ser prevenida pela administração do recombinante Galectina-1 (rGal-1) seja no início ou em fase tardia do curso clínico de UAE. A Galectina-1 é um membro de uma família de proteínas altamente conservadas(25) e é expresso em locais de ativação de células T e privilégio imunológico(2627), tendo o potencial de regular respostas inflamatórias(2834). O tratamento com rGal-1 em UAE induzida por IRBP em camundongos B10.RIII resultou em uma melhora significativa da inflamação ocular. Nesses animais, a hipersensibilidade tardia e proliferação celular diminuíram e os níveis de citocinas-T regulatórias, TGF-β e IL-10, aumentaram pelo tratamento com rGal-1; e os níveis de IFN-γ diminuíram (Figura 1). Foi observado que o fator de transcrição GATA-3, envolvido na transcrição gênica das citocinas Th2, estava aumentado(35). Estes resultados mostram que a manipulação do sistema imunológico para regulação positiva (upregulate) de citocina Th2 e citocina T-regulatória podem prevenir inflamação e o desenvolvimento de UAE, assim como outros trabalhos já haviam demonstrado(3639). Outro estudo descreveu que os anticorpos antirretinianos Gal-1 estão presentes no soro de pacientes com uveíte, o que sugere que estes autoanticorpos reconhecem as estruturas retinianas e desempenham um papel na progressão da doença ocular(40).

Fonte: Toscano MA et al.(35)

Figura 1 O tratamento com rGal-1 em fases iniciais ou tardias de UAE redireciona a resposta autoimune a perfis regulatórios de citocinas Th2 e Th3 não-patogênicas. (A-E) Drenagem de células de linfonodos de camundongos tratados com rGal-1 ou camundongos-controle coletados no Dia 21 e estimuladas in vitro com 30 µg/ml de IRBP. Após 48 horas, os níveis de IFN-γ (A), IL-5 (B), IL-10 (C), TGF-β (D) e IL-12 (E) foram determinados nos sobrenadantes de culturas por ELISA. Os resultados são expressos em média pg/ml ± desvio padrão. *p < 0,05; **p < 0,01; ***p < 0,0001. 

Recentemente, vários relatos demonstraram claramente que algumas moléculas, como LX211 (voclosporina)(41), Fingolimod (FTY720)(42), anti-IL-17(43), hormônio estimulante de alfa-melanócitos (alfa-MSH)(44), foram eficazes na supressão de uveíte autoimune.

Nesse contexto, o nosso grupo estudou a eficiência da proteína do veneno da cobra Viperidae Lachesis muta (LMVp) na supressão de UAE e os mecanismos envolvidos na regulação da doença. Inicialmente, foi descrito que LMVp fortemente suprimia a produção de anticorpos a eritrócitos de ovelhas(45). Em uma série de experimentos, foi possível demonstrar in vivo o efeito supressor de LMVp administrado antes da imunização.

Resultados preliminares em camundongos isogênicos B10.RIII demonstraram, de maneira marcante, que o tratamento com LMVp 72 horas antes da indução de UAE abolia o desenvolvimento de uveíte nesses animais; as estruturas retinianas foram mantidas e houve substancial redução de infiltração de leucócitos (Figura 2). Entretanto, o tratamento com LMVp não foi capaz de inibir a ativação/proliferação específica por IRBP das células T. Observou-se uma diminuição na população de células B (B220+) nos animais tratados com LMVp e a supressão dos anticorpos específicos anti-IRBP, IgG1 e IgG2a. Tais resultados sugerem que a modulação da diferenciação das células B pode inibir a doença mediada por Th1, revelando a importante participação da resposta humoral na UAE(46).

Fonte: Commodaro et al.(46)

Figura 2 LMVp suprime os sinais clínicos de UAE ativamente induzida. Camundongos B10.RIII foram imunizados com 100 µg de IRBP no dia 0 e tratados com 100 µg i.p. de LMVp 72 horas antes da imunização. Os olhos foram coletados para exame histopatológico 21 dias após a imunização. Os escores de UAE foram determinados em uma escala de 0 a 4, segundo a extensão da inflamação e do dano aos tecidos 

Nos resultados mencionados acima, evidenciou-se o impacto significativo de fatores ambientais prevalentes durante este processo de autoimunidade. Como a hipótese recentemente levantada, a história imunológica de um indivíduo é singular, irreversível e cumulativa, isto é, o contínuo agravamento de um processo autoimune resulta na incapacidade de regeneração tissular pelos sistemas afetados(7). Nesse contexto, o uso de inibidores α4, rGal-1 e LMVp pode servir como uma abordagem terapêutica alternativa no controle de doenças oculares autoimunes.

REFERÊNCIAS

1. McDevitt HO, Chinitz A. Genetic control of the antibody responses: relationship between immune response and histocompatibility (H-2) type. 1969. J Immunol. 2004;173(3):1500-1.
2. Dodds AW, Matsushita M. The phylogeny of the complement system and the origins of the classical pathway. Immunobiology. 2007;212(4-5):233-43.
3. Liu H, Schmidt-Supprian M, Shi Y, Hobeika E, Barteneva N, Jumaa H, et al. Yin Yang 1 is a critical regulator of B-cell development. Genes Dev. 2007;21(10):1179-89.
4. Davis MM, Bjorkman PJ. T-cell antigen receptor genes and T-cell recognition. Nature. 1988;334(6181):395-402.
5. Biozzi G, Mouton D, Sant’Anna OA, Passos HC, Gennari M, Reis MH, et al. Genetics of immunoresponsiveness to natural antigens in the mouse. Curr Top Microbiol Immunol. 1979;85:31-98.
6. Silva AC, Souza KW, Machado RC, Silva MF, Sant’Anna OA. Genetics of Immunological Tolerance: I. Bidirectional selective breeding of mice for oral tolerance. Res Immunol. 1998;149(2):151-61.
7. Marengo EB, de Moraes LV, Faria M, Fernandes BL, Carvalho LV, Tambourgi DV, et al. Administration of M. leprae Hsp65 interferes with the murine lupus progression. PLoS One. 2008;3(8):e3025.
8. Caspi RR, Roberge FG, Chan CC, Wiggert B, Chader GJ, Rozenszajn LA, et al. A new model of autoimmune disease. Experimental autoimmune uveoretinitis induced in mice with two different retinal antigens. J Immunol.1988;140(5):1490-5.
9. Mochizuki M, Kuwabara T, McAllister C, Nussenblatt RB, Gery I. Adoptive transfer of experimental autoimmune uveoretinitis in rats. Immunopathogenic mechanisms and histologic features. Invest Ophthalmol Vis Sci. 1985;26(1):1-9.
10. Rizzo LV, Silver P, Wiggert B, Hakim F, Gazzinelli RT, Chan CC, et al. Establishment and characterization of a murine CD4+ T cell line and clone that induce experimental autoimmune uveoretinitis in B10.A mice. J Immunol. 1996;156(4):1654-60.
11. Caspi RR, Chan CC, Fujino Y, Oddo S, Najafian F, Bahmanyar S, et al. Genetic factors in susceptibility and resistance to experimental autoimmune uveoretinitis. Curr Eye Res. 1992;11(Suppl):81-6.
12. Silver PB, Rizzo LV, Chan CC, Donoso LA, Wiggest B, Caspi RR. Identification of a major pathogenic epitope in the human IRBP molecule recognized by mice of the H-2r haplotype. Invest Ophthalmol Vis Sci. 1995;36(5): 946-54.
13. Hara Y, Caspi RR, Wiggert B, Chan CC, Wilbanks GA, Streilein JW. Suppression of experimental autoimmune uveitis in mice by induction of anterior chamber-associated immune deviation with interphotoreceptor retinoid-binding protein. J Immunol. 1992;148(6):1685-92.
14. Hara Y, Caspi RR, Wiggert B, Chan CC, Streilen JW. Use of ACAID to suppress interphotoreceptor retinoid binding protein-induced experimental autoimmune uveitis. Curr Eye Res. 1992;11 Suppl:97-100.
15. Thurau SR, Chan CC, Nussenblatt RB, Caspi RR. Oral tolerance in a murine model of relapsing experimental autoimmune uveoretinitis (UAE): induction of protective tolerance in primed animals. Clin Exp Immunol. 1997;109(2):370-6.
16. Rizzo LV, Miller-Rivero NE, Chan CC, Wiggert B, Nussenblatt RB, Caspi RR. Interleukin-2 treatment potentiates induction of oral tolerance in a murine model of autoimmunity. J Clin Invest. 1994;94(4):1668-72.
17. Mouton D, Sant’Anna OA, Biozzi G. Multigenic control of specific and non-specific immunity in mice. A review. Livest Prod Sci. 1988;20(3):277-86.
18. Boyartchuk V, Dietrich W. Genetic dissection of host immune response. Genes Immun. 2002;3(3):119-22.
19. de Moraes LV, Martins GA, Flangini M, Ibañez OM, Sant’Anna OA, Rizzo LV. The anti-IRBP IgG1 and IgG2a response does not correlate with susceptibility to experimental autoimmune uveitis. Braz J Med Biol Res. 2006;39(6):773-83.
20. Whitcup SM, DeBarge LR, Caspi RR, Harning R, Nussenblatt RB, Chan CC. Monoclonal antibodies against ICAM-1 (CD54) and LFA-1 (CD11a/CD18) inhibit experimental autoimmune uveitis. Clin Immunol Immunopathol. 1993;67(2):143-50.
21. Devine L, Lightman SL, Greenwood J. Role of LFA-1, ICAM-1, VLA-4 and VCAM-1 in lymphocyte migration across retinal pigment epithelial monolayers in vitro. Immunology. 1996;88(3):456-62.
22. Hill TA, Stanford MR, Graham EM, Dumonde DC, Brown KA. A new method for studying the selective adherence of blood lymphocytes to the microvasculature of human retina. Invest Ophthalmol Vis Sci. 1997;38(12):2608-18.
23. Martín AP, de Moraes LV, Tadokoro CE, Commodaro AG, Urrets-Zavalia E, Rabinovich GA, et al. Administration of a peptide inhibitor of alpha4-integrin inhibits the development of experimental autoimmune uveitis. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2005;46(6):2056-63.
24. Ke Y, Sun D, Zhang P, Jiang G, Kaplan HJ, Shao H. Suppression of established experimental autoimmune uveitis by anti-LFA-1a Ab. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2007;48(6):2667-75.
25. Rabinovich GA, Baum LG, Tinari N, Paganelli R, Natoli C, Liu FT, et al. Galectins and their ligands: amplifiers, silencers or tuners of the inflammatory response? Trends Immunol. 2002;23(6):313-20.
26. Uehara F, Ohba N, Ozawa M. Isolation and characterization of galectins in the mammalian retina. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2001;42(10):2164-72.
27. Ishida K, Panjwani N, Cao Z, Streilein JW. Participation of pigment epithelium in ocular immune privilege. 3. Epithelia cultured from iris, ciliary body, and retina suppress T-cell activation by partially non-overlapping mechanisms. Ocul Immunol Inflamm. 2003;11(2):91-105.
28. Blaser C, Kaufmann M, Müller C, Zimmermann C, Wells V, Mallucci L, et al. Beta-galactoside-binding protein secreted by activated T cells inhibits antigen-induced proliferation of T cells. Eur J Immunol. 1998;28(8):2311-9.
29. Perillo NL, Pace KE, Seilhamer JJ, Baum LG. Apoptosis of T cells mediated by galectin-1. Nature. 1995;378(6558):736-9.
30. Rabinovich GA, Daly G, Dreja H, Tailor H, Riera CM, Hirabayashi J, et al. Recombinant galectin-1 and its genetic delivery suppress collagen-induced arthritis via T cell apoptosis. J Exp Med. 1999;190(3):385-98.
31. Santucci L, Fiorucci S, Cammilleri F, Servillo G, Federici B, Morelli A. Galectin-1 exerts immunomodulatory and protective effects on concanavalin A-induced hepatitis in mice. Hepatology. 2000;31(2):399-406.
32. Santucci L, Fiorucci S, Rubinstein N, Mencarelli A, Palazzetti B, Federici B, et al. Galectin-1 suppresses experimental colitis in mice. Gastroenterology. 2003;124(5):1381-94.
33. Baum LG, Blackall DP, Arias-Magallano S, Nanigian D, Uh SY, Browne JM, et al. Amelioration of graft versus host disease by galectin-1. Clin Immunol. 2003;109(3):295-307.
34. Rabinovich GA, Liu FT, Hirashima M, Anderson A. An emerging role for galectins in tuning the immune response: lessons from experimental models of inflammatory disease, autoimmunity and cancer. Scand J Immunol. 2007;66(2-3):143-58.
35. Toscano MA, Commodaro AG, Ilarregui JM, Bianco GA, Liberman A, Serra HM, et al. Galectin-1 suppresses autoimmune retinal disease by promoting concomitant Th2- and T regulatory-mediated anti-inflammatory responses. J Immunol. 2006;176(10):6323-32
36. Rizzo LV, Morawetz RA, Miller-Rivero NE, Choi R, Wiggert B, Chan CC, et al. IL-4 and IL-10 are both required for the induction of oral tolerance. J Immunol. 1999;162(5):2613-22.
37. Saoudi A, Kuhn J, Huygen K, de Kozak Y, Velu T, Goldman M, et al. TH2 activated cells prevent experimental autoimmune uveoretinitis, a TH1-dependent autoimmune disease. Eur J Immunol. 1993;23(12):3096-103.
38. Rizzo LV, Xu H, Chan CC, Wiggert B, Caspi RR. IL-10 has a protective role in experimental autoimmune uveoretinitis. Int Immunol. 1998;10(6):807-14.
39. Su SB, Silver PB, Wang P, Chan CC, Caspi RR. Cholera toxin prevents Th1-mediated autoimmune disease by inducing immune deviation. J Immunol. 2004;173(2):755-61.
40. Romero MD, Muiño JC, Bianco GA, Ferrero M, Juarez CP, Luna JD, et al. Circulating anti-galectin-1 antibodies are associated with the severity of ocular disease in autoimmune and infectious uveitis. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2006;47(4):1550-6.
41. Cunningham MA, Austin BA, Li Z, Liu B, Yeh S, Chan CC, et al. LX211 (voclosporin) suppresses experimental uveitis and inhibits human T cells. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2009;50(1):249-55.
42. Raveney BJ, Copland DA, Nicholson LB, Dick AD. Fingolimod (FTY720) as an acute rescue therapy for intraocular inflammatory disease. Arch Ophthalmol. 2008;126(10):1390-5.
43. Ke Y, Liu K, Huang GQ, Cui Y, Kaplan HJ, Shao H, Sun D. Anti-inflammatory role of IL-17 in experimental autoimmune uveitis. J Immunol. 2009;182(5):3183-90.
44. Lee DJ, Biros DJ, Taylor AW. Injection of an alpha-melanocyte stimulating hormone expression plasmid is effective in suppressing experimental autoimmune uveitis. Int Immunopharmacol. 2009;9(9):1079-86.
45. Stephano MA, Higashi HG, Guidolin R, Tambourgi DV, Sant’Anna OA. The improvement of the therapeutic anti-Lachesis muta serum production in horses. Toxicon. 2005;45(4):467-73.
46. Commodaro AG, Moraes LV, Tambourgi DV, Rizzo LV, Sant’Anna OA. Suppression of ocular inflammation by the Viper Lachesis muta venom protein on experimental autoimmune uveitis [abstract]. MEDIMOND International proceedings, Italy. 2004; 247-51. [Presented at 12th International Congress of Immunology; 2004. Italy].
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.