Validacao do Indice de Desvantagem Vocal: 10 (IDV-10) para o portugues brasileiro

Validacao do Indice de Desvantagem Vocal: 10 (IDV-10) para o portugues brasileiro

Autores:

Thiago  Costa,
Gisele  Oliveira,
Mara  Behlau

ARTIGO ORIGINAL

CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

CoDAS vol.25 no.5 São Paulo set./out. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S2317-17822013000500013

INTRODUÇÃO

A autoavaliação sobre o quanto um problema de voz compromete a qualidade de vida oferece dados importantes para o diagnóstico vocal, o direcionamento da conduta a ser adotada no processo de intervenção e o resultado de um tratamento de pacientes com disfonia( 1 ).

Inicialmente, questionários genéricos de saúde foram utilizados com esta proposta, mas devido à falta de especificidade, não conseguiam mensurar características específicas( 2 , 3 ). Em virtude de tal situação, pesquisadores desenvolveram instrumentos-doença específicos para dar conta da problemática envolvida na avaliação do impacto da disfonia na vida do indivíduo( 2 , 3 ), o que ganhou rápida popularidade clínica e científica( 4 ). Pela necessidade de padronização, o Scientic Advisory Committee of Medical Outcomes Trust recomendou critérios a serem seguidos no processo de elaboração destas ferramentas e em sua utilização em outras línguas( 5 ).

Os instrumentos de autoavaliação devem, portanto, ser submetidos a um processo de tradução e adaptação linguística e cultural e, ainda, ter suas propriedades psicométricas comprovadas para serem utilizados em outros idiomas que não o original( 5 ). No Brasil, alguns instrumentos de avaliação do impacto de um problema vocal já passaram por este processo estruturado( 6 - 8 ). Um destes é o Voice Handicap Index (VHI)( 9 ), composto por 30 questões, amplamente utilizado no mundo, mas considerado longo para o uso clínico e, de certa forma, redundante( 7 ). Uma versão reduzida deste protocolo, o VHI-10( 10 ), foi desenvolvida mantendo as dez questões de maior relevância clínica. Apesar do Índice de Desvantagem Vocal (IDV) ter sido validado para o português brasileiro( 8 ), sua versão resumida ainda não o foi.

Sendo assim, o objetivo do presente estudo é realizar a validação da versão reduzida do IDV, o IDV-10 (Anexo 1), apresentando suas propriedades de medida como instrumento para avaliar pacientes brasileiros com queixa de voz.

MÉTODOS

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética Institucional sob o número 2816/08, e a demonstração das propriedades psicométricas, realizada de acordo com as normas propostas por um comitê internacional (Scientific Advisory Commite of the Medical Ouctomes Trust ( 5 )).

O IDV-10 não precisou passar pelo processo de tradução e adaptação linguística e cultural, assim como não teve a sua equivalência cultural avaliada, pois representa uma versão reduzida do IDV( 8 ), que, por sua vez, foi validado nas referidas etapas.

A ferramenta produz um escore total único, calculado por somatória simples das respostas de seus itens, podendo variar de 0 a 40 pontos, sendo 0 o indicativo de nenhuma desvantagem e 40, de desvantagem máxima. Cada item deve ser respondido em uma escala de 5 pontos, sendo 0 nunca e 4 sempre.

O instrumento foi aplicado em 110 sujeitos, 60 com queixa vocal, atendidos no Ambulatório de Cabeça e Pescoço da Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro, sendo 6 do gênero masculino e 54 do feminino, com média de idade de 46,9; e 50 indivíduos sem queixa vocal, mas com queixa oftalmológica, atendidos no Ambulatório de Oftalmologia da mesma instituição, sendo 6 do gênero masculino e 44 do feminino, com média de idade de 43,4. Os respondentes também realizaram uma autoavaliação vocal, com uma escala de respostas de 5 pontos: voz excelente, muito boa, boa, razoável ou ruim.

A validade do instrumento foi determinada pela correlação do escore total do IDV-10 com a autoavaliação, nos dois grupos, por meio da Análise de Correlação de Spearman. Para confiabilidade e reprodutibilidade teste-reteste, o protocolo foi aplicado 2 vezes em 30 dos 60 pacientes com queixa vocal, em um intervalo de 2 a 14 dias, sendo utilizado o Teste dos Postos sinalizados de Wilcoxon para a verificação da reprodutibilidade. Já para a análise da confiabilidade, foi aplicado o Teste da Estatística Alfa de Cronbach. A avaliação da sensibilidade foi também realizada, utilizando-se o Teste dos Postos sinalizados de Wilcoxon, aplicando-se o protocolo pré e pós-terapia em 21 dos 60 pacientes com queixa vocal, submetidos a oito sessões de atendimento fonoaudiológico administrado pelo mesmo profissional. O nível de significância adotado foi de 5% (0,050).

RESULTADOS

A validade foi determinada pela comparação do escore total com a autoavaliação vocal (Tabela 1), com diferença estatística nas cinco categorias de autoavaliação. Os indivíduos que classificaram sua voz como ruim tiveram o maior escore total, enquanto aqueles que a classificaram como excelente apresentaram os menores valores.

Tabela 1 Escore total do grupo com queixa vocal (n=60) e do grupo sem queixa vocal (n=50) de acordo com a auto-avaliação vocal para o cálculo da validade do protocolo 

Auto-Avaliação Vocal
Grupos e Escores Voz Excelente Voz Muito Boa Voz Boa Voz Razoável Voz Ruim Total Valor de p
Média± DP Média± DP Média± DP Média± DP Média± DP Média± DP
Com queixa vocal
Total 0± 0 0± 0 9,2± 3 18,4± 6 28,2± 8 20,6± 8.6
< 0,001
Sem queixa vocal Total 2,8± 3 2± 1 1,1± 1 2± 0 0± 0 1,6± 2

Legenda: DP = desvio-padrão.

A confiabilidade do protocolo foi determinada pela consistência interna elevada e por sua reprodutibilidade, que mostrou nível aceitável no teste-reteste (Tabela 2).

Tabela 2 Escores de teste e reteste, pré e pós-terapia fonoaudiológica e valor do coeficiente de alfa para os cálculos da confiabilidade e sensibilidade do protocolo IDV-10  

Escore total Média± Desvio-padrão Valor de p
Reprodutibilidade
Teste 21,9± 11,2
Reteste 19,9± 8,3
Sensibilidade <0,114 <0,001
Pré-terapia 19,5± 7,6
Pós-terapia 6,0± 5,2

Coeficiente Alfa de Cronbach: 0,872 (p<0,001).

A sensibilidade do protocolo foi demonstrada com valores de escore total pós-terapia estatisticamente inferiores aos da avaliação inicial (Tabela 2).

DISCUSSÃO

O desenvolvimento e validação de protocolos de qualidade de vida se tornaram uma tendência na área de saúde, pois inserem a percepção do paciente na bateria de testes de avaliação, trazendo dados que testes objetivos não são capazes de oferecer. O IDV-10 é um protocolo que teve suas propriedades de medida comprovadas em outras línguas( 11 - 13 ) e vem se mostrando uma ferramenta essencial para melhor compreensão do impacto de uma disfonia em diversas áreas da vida de um indivíduo.

A validade da versão brasileira do instrumento foi demonstrada pela relação robusta entre autoavaliação vocal e o escore total do IDV-10, bem como a diferença significativa entre os grupos com e sem queixa vocal (Tabela 1), o que já havia sido observado no estudo original( 10 ) e nas validações em chinês(11) e espanhol( 13 ).

Os resultados da versão brasileira apontam para uma consistência interna elevada (Tabela 2), também observada no estudo original( 11 ) e nas versões em chinês( 11 ), hebraico( 12 ) e espanhol( 13 ). Tal fato, associado aos resultados do teste-reteste, comprovam a confiabilidade deste instrumento, de modo semelhante a outras validações para o português brasileiro( 6 - 8 ).

O IDV-10 apresentou valores reduzidos e ocasionais na população sem queixa-vocal( 2 , 14 ), confirmando se tratar de um instrumento doença-específico, mais sensível a certas alterações e populações que os questionários genéricos são capazes de mensurar, como é o caso dos protocolos desenvolvidos para avaliar o impacto de um problema de voz no canto( 15 ). O instrumento também sinalizou melhorias com o tratamento empregado, revelando as mudanças proporcionadas pelo programa de terapia (Tabela 2).

A validação de um protocolo desenvolvido em outra língua é fundamental para economizar recursos financeiros para pesquisa e, ao mesmo tempo, chancelar a prática clínica. Os protocolos de impacto de uma disfonia melhoram a assistência oferecida ao paciente disfônico. Desta forma, a validação do IDV-10 para o português brasileiro permitirá ao clínico usar um instrumento rápido e confiável.

CONCLUSÃO

O IDV-10 é um protocolo validado para o português brasileiro, com propriedades psicométricas de validade, confiabilidade e sensibilidade comprovadas para o emprego em indivíduos com problemas de voz.

*TC foi responsável pela coleta, tabulação dos dados e escrita do manuscrito; GO foi responsável pelo projeto, delineamento do estudo, orientação geral das etapas de execução, supervisão da coleta de dados, colaboração com a análise dos dados e elaboração do manuscrito; MB foi responsável pelo projeto e delineamento do estudo e orientação geral das etapas de execução e colaboração com a análise dos dados e elaboração do manuscrito.

REFERÊNCIAS

1. Hogikyan ND, Sethuraman G. Validation of an instrument to measure voice-related quality of life (V-RQOL). J Voice. 1999;13(4):557-69.
2. Carrau RL, Khidr A, Gold KF, Crawley JA, Hillson EM, Koufman JA, et al. Validation of a quality-of-life instrument for laryngopharyngeal reflux. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2005;131(4):315-20.
3. Hartnick CJ. Validation of a pediatric voice quality-of-life instrument: the Pediatric Voice Ouctome Survey. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2002;128(8):919-22.
4. Branski RC, Cukier-Blaj S, Pusic A, Cano SJ, Klassen A, Mener D, et al. Measuring quality of life in dysphonic patients: a systematic review of content development in patient-reported outcomes measures. J Voice. 2010;24(2):193-8.
5. Assessing health status and quality-of-life instruments: attributes and review criteria. Qual Life Res. 2002;11(3):193-205.
6. Gasparini G, Behlau M. Quality of life: validation of the Brazilian version of the voice-related quality of life (V-RQOL) measure. J Voice. 2009;23(1):76-81.
7. Behlau M, Oliveira G, Santos LMA, Ricarte A. Validação no Brasil de protocolos de auto-avaliação do impacto de uma disfonia. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2009;21(4):326-32.
8. Behlau M, Santos LMA, Oliveira G. Cross-cultural adaptation and validation of the Voice Handicap Index into Brazilian Portuguese. J Voice. 2011;25(3):354-9.
9. Jacobson BH, Johnson A, Grywalski A, Silbergeit A, Jacobson G, Benninger MS, et al. The Voice Handicap Index (VHI): development and validation. Am J Speech-Lang Pathol. 1997;6:66-70.
10. Rosen CA, Lee AS, Osborne J, Zullo T, Murry T. Development and validation of the Voice Handicap Index-10. Laryngoscope. 2004;114(9):1549-56.
11. Lam PK, Chan KM, Ho WK, Kwong E, Yiu EM, Wei WI. Cross-cultural adaptation and validation of the Chinese Voice Handicap Index-10. Laryngoscope. 2006;116(7):1192-8.
12. Amir O, Tavor Y, Leibovitzh T, Ashkenazi O, Michael O, Primov-Fever A, et al. Evaluating the validity of the Voice Handicap Index-10 (VHI-10) among Hebrew speakers. Otolaryngol Head Neck Surg. 2006;135(4):603-7.
13. Núñez-Batalla F, Corte-Santos P, Señaris-González B, Llorente-Pendás JL, Górriz-Gil C, Suárez-Nieto C. Adaptation and validation to the Spanish of the Voice Handicap Index (VHI-30) and its shortened version (VHI-10). Acta Otorrinolaringol Esp. 2007;58(9):386-92.
14. Hartnick CJ. Validation of a pediatric voice quality-of-life instrument: the Pediatric Voice Outcome Survey. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2002;128(8):919-22.
15. Padilha MP, Moreti F, Raize T, Sauda C, Lourenço L, Oliveira G, Behlau M. Talkativeness and vocal loudness in call center operators during labor and extra-labor situations. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17(4):385-90.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.