Valores de referência para o teste de identificação de sentenças dicóticas em português brasileiro segundo orelha e idade

Valores de referência para o teste de identificação de sentenças dicóticas em português brasileiro segundo orelha e idade

Autores:

Adriana Neves de Andrade,
Daniela Gil,
Maria Cecilia Martinelli Iorio

ARTIGO ORIGINAL

Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

versão impressa ISSN 1808-8694versão On-line ISSN 1808-8686

Braz. j. otorhinolaryngol. vol.81 no.5 São Paulo set./out. 2015

http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2015.07.003

Introdução

A avaliação do processamento auditivo possibilita compreender a função auditiva e sua relação com a comunicação, sendo realizada por meio de testes auditivos comportamentais especiais que visam avaliar o desempenho auditivo do indivíduo em situações próximas às vivenciadas no cotidiano.

Dentre os tipos de estímulo utilizados para a avaliação das habilidades auditivas, encontram-se os testes de escuta dicótica. Nos testes de escuta dicótica com materiais linguísticos, observa-se que a maioria dos indivíduos tende a exibir melhor desempenho nas informações apresentadas para a orelha direita, em comparação com a orelha esquerda.1

Dentre os testes de escuta dicótica disponíveis no Brasil, há o teste de identificação de sentenças dicóticas (DSI, termo do inglês para Dichotic Sentence Identification Test), que foi elaborado originalmente em inglês.2

A versão em português brasileiro do teste DSI3 possui seis faixas: calibração, treino, integração binaural, escuta direcionada à direita, escuta direcionada à esquerda e treinamento. Com esse teste é possível avaliar a habilidade auditiva de figura - fundo para sons verbais (identificar sons de fala na presença de outros sons de fala), sendo o reconhecimento de sons verbais em escuta dicótica o mecanismo fisiológico auditivo subjacente.3 Após a elaboração do instrumento para avaliação do processamento auditivo, os autores4 estudaram a incidência de erros nas frases apresentadas no teste DSI em português brasileiro segundo a variável gênero. No estudo, observaram maior incidência de erros quando foi apresentada a sentença "Que ignora o fim principal é ganhar", independentemente da etapa de apresentação do teste.

Os autores levantaram a hipótese de a alta incidência de erros nesta frase poder estar relacionada a uma dificuldade de processamento visual ou de memória, dependendo da estratégia utilizada pelo indivíduo para apontar a sentença ouvida.4

Diversos fatores podem influenciar os resultados dos indivíduos nos testes auditivos comportamentais, dentre eles a idade. Estudos demonstraram que com o aumento da faixa etária pode ocorrer um declínio na produção e compreensão de frases sintaticamente complexas, e também podem surgir mudanças no padrão de funcionamento da memória de trabalho.5

Sabe-se que para realizar o diagnóstico de distúrbio de processamento auditivo é necessário utilizar instrumentos validados para a população a ser analisada e adaptados culturalmente, controlando fatores extrínsecos à avaliação.3 A utilização adequada dos testes de processamento auditivo complementa a avaliação auditiva periférica6 e deve também ser realizada na avaliação dos indivíduos com perda auditiva, usuários ou não de aparelhos de amplificação sonora individual. Sendo assim, a correta interpretação dos resultados é fundamental para a conclusão diagnóstica e para auxiliar no processo de reabilitação.6 8

Tendo em vista a utilização de testes padronizados para avaliação do processamento auditivo e o efeito da idade e da orelha sobre as tarefas de escuta dicótica, esta pesquisa tem como objetivo estabelecer valores de referência para a versão em português brasileiro do teste DSI em indivíduos normo-ouvintes na faixa etária de 13 a 49 anos de idade, segundo a orelha, a faixa etária e a etapa do teste.

Método

A pesquisa foi analisada e aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob o nº 0322/07. Os indivíduos foram convidados a participar do estudo por meio de anúncios na web, distribuição de folhetos, exposição de cartazes em locais com grande concentração de pessoas (centros comerciais, restaurantes, empresas e instituições de ensino públicas e privadas), convite verbal realizado pelo próprio pesquisador e/ou por terceiros. Foram utilizados os seguintes equipamentos para o estudo: otoscópio mini Heine 3000, discmancom MP3 modelo Expanium da marca Philips, audiômetro da marca Grason-Stadler modelo GSI-61 com par de fones supra-aurais modelo TDH-39, imitanciômetro AT 235h, compact disc com os testes dicótico de dígitos9 e DSI.3

Para inclusão nesta pesquisa, foram adotados os seguintes critérios de elegibilidade: possuir idade entre 13 e 49 anos (ambos os gêneros); ter como língua materna o português; preferência manual direita; leitura fluente; ausência de alteração neurológica e/ou transtorno psíquico evidente; limiares auditivos inferiores a 25 dB; NA entre 250 e 8000 Hz; curvas timpanométricas tipo A e presença de reflexos acústicos com estimulação contralateral; diferença entre os limiares auditivos da orelha direita e esquerda inferior a 10 dB NA em todas as frequências pesquisadas; e desempenho igual ou superior a 95% de acertos no teste dicótico de dígitos.9

Em um período de 12 meses, compareceram voluntariamente ao serviço 256 indivíduos, dos quais 56 foram excluídos por não atenderem a todos os critérios de elegibilidade. Participaram do estudo 200 indivíduos, pareados por gênero, com leitura fluente, escolaridade entre 3 e 20 anos (média de escolaridade de 13,1 anos), separados em quatro grupos segundo a faixa etária: GI 50 indivíduos (25 femininos e 25 masculinos) na faixa etária entre 13 e 19 anos de idade; GII 50 indivíduos (25 femininos e 25 masculinos) na faixa etária entre 20 e 29 anos de idade; GIII 50 indivíduos (25 femininos e 25 masculinos) na faixa etária entre 30 e 39 anos de idade; e GIV 50 indivíduos (25 femininos e 25 masculinos) na faixa etária entre 40 e 49 anos de idade.

Todos os sujeitos foram submetidos à avaliação de dominância manual de Edinburgh,10 11 avaliação audiológica básica (anamnese, meatoscopia, audiometria tonal liminar, logoaudiometria, medidas de imitância acústica e pesquisa dos reflexos acústicos contralaterais) e comportamental do processamento auditivo (teste de localização sonora, teste de memória para sons verbais e não verbais em sequência, teste dicótico de dígitos - aplicados e analisados segundo os critérios propostos por Pereira e Schochat)9 para excluir alterações auditivas periféricas e/ou distúrbio do processamento auditivo. Após estes procedimentos, o teste DSI em português brasileiro foi aplicado em quatro etapas: treino, integração binaural, escuta direcionada direita e escuta direcionada esquerda.

Em todas as etapas do teste, o sujeito avaliado ouviu duas frases simultâneas, uma em cada orelha, e a resposta dependeu da tarefa. Nas etapas de integração binaural (treino e integração binaural), o indivíduo foi solicitado a apontar ambas as frases apresentadas; para as etapas de escuta direcionada (direita e esquerda), o sujeito deveria apontar apenas a sentença apresentada na orelha sob atenção.

A análise dos resultados foi realizada utilizando os programas estatísticos Minitab versão 15 e SPSS versão 11. Em cada teste de hipótese foi fixado o nível de significância de 0,05.

Resultados

As variáveis etapa do teste e orelha foram cruzadas com a covariável idade, utilizando a técnica de análise de covariância com medidas repetidas (ANCOVA). Como resultados, obteve-se uma relação de dependência entre as diferenças das porcentagens médias de acertos em cada etapa do teste (p = 0,000 *) e em cada orelha (p = 0,007 *).

Para verificar a correlação entre a porcentagem de acertos em cada etapa do teste por orelha e idade utilizou-se o coeficiente de Spearman. Houve correlação estatisticamente significante entre a idade e as etapas de treino e integração binaural, tanto para a orelha direita quanto para a orelha esquerda (p ≤ 0,001).

O comportamento das porcentagens de acertos da população avaliada é apresentado nos diagramas de dispersão para o treino (fig. 1), integração binaural (fig. 2) e escuta direcionada (fig. 3). A partir da dispersão das porcentagens de acertos, foi traçada uma curvalowess para auxiliar na visualização de possíveis tendências.

Os resultados demonstraram que houve correlação negativa entre a idade e a porcentagem de acertos para as etapas de integração binaural do teste DSI (treino e integração binaural), com queda mais acentuada à esquerda. As porcentagens de acertos nas etapas de escuta direcionada foram maiores do que nas etapas de integração binaural.

Utilizando a técnica de análise de covariância com medidas repetidas (ANCOVA), foi observada uma interação estatisticamente significante entre as etapas do teste e o lado da orelha avaliado para os indivíduos na faixa etária de 13 a 19 anos de idade (p = 0,001), 30 a 39 anos de idade (p = 0,039) e 40 a 49 anos de idade (p = 0,007).

Figura 1 Diagramas de dispersão das porcentagens de acertos no treino por idade e orelha. 

Figura 2 Diagramas de dispersão das porcentagens de acertos na integração por idade e orelha. 

Figura 3 Diagramas de dispersão das porcentagens de acertos na escuta direcionada por idade e orelha. 

Após verificar o efeito de interação entre as etapas do teste por orelha e idade, as porcentagens médias de acertos obtidas nas diferentes faixas etárias foram comparadas, segundo a etapa do teste e a orelha, utilizando o teste de Kruskal-Wallis. A faixa etária interferiu no desempenho dos indivíduos para as etapas de integração binaural (treino e integração binaural) do teste DSI (p ≤ 0,004) e comparações foram realizadas para localizar essas diferenças (tabela 1).

Houve diferenças significativas entre as comparações de desempenho no treino para as faixas etárias extremas para a orelha direita (13 a 19 anosvs. 40 a 49 anos) e para a orelha esquerda (20 a 29 anosvs. 40 a 49 anos). Para a etapa de integração binaural, houve diferenças significativas nas comparações de desempenho entre as faixas etárias de 20 a 29 anos vs. 30 a 39 anos em ambas as orelhas. Por fim, os valores de referência foram estabelecidos segundo a observação do percentil 5 da distribuição da porcentagem de acertos em uma dada faixa etária (tabela 2).

Os valores de referência estabelecidos foram próximos para as faixas etárias de 13 a 29 anos de idade, e o decréscimo do desempenho foi mais acentuado a partir dos 30 anos.

Discussão

A confrontação dos resultados obtidos no teste DSI em português brasileiro foi realizada com os resultados obtidos em outros países, pois a elaboração da versão em português brasileiro é recente, quando comparada às versões em inglês, e ainda é pouco estudada. O desempenho médio no teste DSI em português brasileiro, etapa de integração binaural, foi de 93,70% de acertos à direita e 88,60% à esquerda. Os resultados corroboraram os estudos realizados em outros idiomas,2 12 que encontraram porcentagem média de acertos de 94,20% à direita e 93,50% à esquerda para a versão em inglês do teste DSI2, e 98,36% de acertos à direita e 96,29% à esquerda na versão australiana do DSI,12 em indivíduos sem alterações auditivas.

Com o aumento da idade, houve uma diminuição na porcentagem de acertos para as etapas de integração binaural, evidenciada nos diagramas de dispersão, nos quais a curva lowess apresentou uma configuração descendente, com queda mais acentuada à orelha esquerda. A partir de 30 anos de idade, o desempenho no teste tendeu a diminuir em todas as etapas avaliadas. O decréscimo do desempenho com o aumento da idade nos indivíduos avaliados por meio de testes de escuta dicótica já foi reportado anteriormente por vários estudos,12 20 e foi atribuído a uma alteração na transferência inter-hemisférica da informação auditiva realizada via corpo caloso. Esse panorama apresenta-se mais evidente em indivíduos idosos, pois além da ineficiência da integração inter-hemisférica, podem ocorrer outros déficits, como o declínio cognitivo, que dificultaria ainda mais a habilidade de reconhecer estímulos de fala apresentados à orelha esquerda.

Tabela 1 Valores obtidos nas comparações múltiplas para localizar o efeito da faixa etária na porcentagem de acertos por etapa do teste e orelha 

a Método de Bonferroni.

Os indivíduos apresentaram pior desempenho na etapa de integração binaural (treino e integração), quando comparados às etapas de escuta direcionada, e a orelha direita apresentou melhor desempenho do que a orelha esquerda nas etapas de integração binaural, para todas as faixas etárias, sendo estas diferenças estatisticamente significantes.

Tabela 2 Valores de referência para o teste DSI segundo a orelha e a faixa etária 

A vantagem significante da orelha direita com o aumento da idade nas três etapas de escuta avaliadas no teste DSI já foi reportada em outro estudo,14 que verificou que para a etapa de escuta direcionada, a vantagem da orelha direita foi mais acentuada a partir dos 40 anos de idade. Para explicar o efeito da desvantagem da orelha esquerda com o aumento da idade, os autores descreveram três possíveis ocorrências14:

  • - Declínio de fatores cognitivos conhecidos, como memória ou estratégias de processamento da informação.

  • - Comprometimento mais acentuado das estruturas das vias auditivas para a entrada da informação pela orelha esquerda. Uma hipótese seria uma diminuição relativamente maior no hemisfério direito com o aumento da idade, quando comparado ao hemisfério esquerdo.

  • - Diminuição da eficiência na transferência de informações inter-hemisféricas, devido à redução dos elementos neurais no corpo caloso, gerando desvantagem da informação recebida pela orelha esquerda.

Não houve correlação significativa entre a idade e a porcentagem de acertos nas etapas de escuta direcionada, tanto à direita como à esquerda, e também não foi observado efeito da faixa etária na porcentagem média de acertos em ambas as orelhas na etapa de escuta direcionada. Estes resultados ocorreram, possivelmente, porque as etapas de escuta direcionada revelaram melhores resultados quando comparadas às outras etapas do teste DSI, sendo esta diferença significante. Este resultado já era esperado, pois os indivíduos incluídos neste estudo não tinham distúrbio do processamento auditivo e, assim, conseguiriam direcionar a atenção auditiva. A capacidade em direcionar a atenção auditiva foi evidenciada por um desempenho médio de 98% de acertos para todas as idades nas etapas de escuta direcionada, tanto à direita como à esquerda.

O teste DSI foi elaborado para avaliação central de indivíduos com alteração auditiva periférica, pois estes sofrem pouca influência da perda auditiva neurossensorial de origem coclear.2 Porém, para analisar o desempenho de populações especiais nos testes auditivos comportamentais, tais como os indivíduos com perda auditiva, é necessário estabelecer critérios de normalidade para indivíduos com boa acuidade auditiva sem alterações do processamento auditivo.

Visto a exigência estabelecida nos critérios de inclusão, para a participação no presente estudo, os resultados obtidos podem ser extrapolados para a população de adultos. No entanto, como a idade influencia diretamente nos resultados do teste DSI, sugere-se a realização de novos estudos com indivíduos a partir de 50 anos de idade, para estabelecer critérios de referência para essa população. Também se faz necessária a aplicação do teste DSI em populações especiais, tais como indivíduos com distúrbio do processamento auditivo, alterações de fala e/ou linguagem e perda auditiva neurossensorial.

Conclusões

Após análise crítica dos resultados, os valores de referência estabelecidos para a versão em português brasileiro do teste DSI em indivíduos normo-ouvintes na faixa etária de 13 a 49 anos de idade, segundo a faixa etária, a orelha e a etapa do teste são:

  • Faixa etária de 13 a 19 anos de idade: 80% de acertos (nas etapas de treino e integração binaural - OD), 50% de acertos (na etapa de treino - OE), 70% de acertos (na etapa de integração binaural - OE) e 90% de acertos (nas etapas de escuta direcionada).

  • Faixa etária de 20 a 29 anos de idade: 80% de acertos (nas etapas de treino e integração binaural - OD), 60% de acertos (nas etapas de treino e integração binaural - OE) e 90% de acertos (nas etapas de escuta direcionada).

  • Faixa etária de 30 a 39 anos de idade: 60% de acertos (nas etapas de treino (OD e OD) e integração binaural - OE), 70% de acertos (na etapa de integração binaural - OD) e 90% de acertos (nas etapas de escuta direcionada).

  • Faixa etária de 40 a 49 anos de idade: 60% de acertos (nas etapas de treino OD e integração binaural OE), 40% de acertos (na etapa de treino OE), 70% de acertos ( na etapa de integração binaural OD ), 80% de acertos ( na etapa de escuta direcionada OD) e 70% de acertos ( na etapa de escuta direcionada OE ).

REFERÊNCIAS

1. Martin JS, Jerger JF. Some effects of aging on central auditory processing. J Rehabil Res Dev. 2005;42 Suppl. 2:25-44.
2. Fifer RC, Jerger JF, Berlin CL, Tobey EA, Campbell JC. Development of a Dichotic Sentence Identification test for hearing-impaired adults. Ear Hear. 1983;4:300-5.
3. Andrade AN, Gil D, Iório MCM. Elabora¸cao da versao em português brasileiro do teste de identifica¸cao de senten¸cas dicóticas (DSI). Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010;15:540-5.
4. Andrade AN, Bucuvic EC, Gil D, Iorio MCM. Análise de erros nas frases apresentadas na versao em português brasileiro do teste de identifica¸cao de senten¸cas dicótica. Distúrb Comun. 2009;21:179-85.
5. Kemper S. Language and aging. In: Craik F, Salthouse TA, editors. The handbook of aging and cognition. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum; 1992. p. 213-70.
6. Gil D, Iorio MCM. Formal auditory training in adult hearing aid users. Clinics. 2010;65:165-74.
7. Bamiou DE, Musiek FE, Luxon LM. Etiology and clinical pre- sentations of auditory processing disorders. Arch Dis Child. 2001;85:361-5.
8. Chermak GD, Musiek FE. Auditory training: principles and approaches for remediating and managing auditory processing disorders. Sem Hear. 2002;23:297-308.
9. Pereira LD, Schochat E. Processamento auditivo central: manual de avalia¸cao. 1st ed. Sao Paulo: Lovise; 1997.
10. Oldfield RC. The assessment and analysis of handedness: the Edinburgh Inventory. Neuropsychologia. 1971;9:97-113.
11. Brito GNO, Brito LS, Paumgarttem FJR, Lins MF. Lateral pre- ferences in Brazilian adults: an analysis with the Edinburgh Inventory. Cortex. 1989;25:403-15.
12. Golding M. The development of two speech based tests of cen- tral auditory function for Australian use. Aust New Zeal J Audiol. 2001;23:1-9.
13. Cooper JC Jr, Gates GA. Hearing in the elderly-the Framing- ham Cohort, 1983-1985: Part II prevalence of central auditory processing disorders. Ear Hear. 1991;12:304-11.
14. Jerger J, Chmiel R, Allen J, Wilson A. Effects of age and gender on Dichotic Sentence Identification. Ear Hear. 1994;15:274-86.
15. Jerger J, Alford B, Lew H, Rivera V, Chmiel R. Dichotic-listening, event-related potentials, and interhemispheric-transfer in the elderly. Ear Hear. 1995;16:482-98.
16. Jerger J. Asymmetry in auditory function in elderly persons. Semin Hear. 2001;22:255-70.
17. Hällgren M, Larsby B, Lyxell B, Arlinger S. Cognitive effects in dichotic speech testing in elderly persons. Ear Hear. 2001;22:120-9.
18. Bellis TJ, Wilber LA. Effects of aging and gender on interhemi- spheric function. J Speech Lang Hear Res. 2001;44:246-63.
19. Gootjes L, Strien JWV, Bouma A. Age effects in identifying and localising dichotic stimuli: a corpus callosum deficit? J Clin Exp Neuropsychol. 2004;26:826-33.
20. Roup CN, Wiley TL, Wilson RH. Dichotic word recognition in young and older adults. J Am Acad Audiol. 2006;17:230-40.