Visitas domiciliares do enfermeiro e sua relação com as internações por doenças sensíveis à atenção básica

Visitas domiciliares do enfermeiro e sua relação com as internações por doenças sensíveis à atenção básica

Autores:

Mayra Romélia Leite Garcia,
Daniel Souza Sacramento,
Hadelândia Milon de Oliveira,
Maria Jacirema Ferreira Gonçalves

ARTIGO ORIGINAL

Escola Anna Nery

versão impressa ISSN 1414-8145versão On-line ISSN 2177-9465

Esc. Anna Nery vol.23 no.2 Rio de Janeiro 2019 Epub 07-Fev-2019

http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0285

INTRODUÇÃO

Sedimentada pela Política Nacional da Atenção Básica (PNAB) no Brasil, a atenção básica (AB) determina a família como objeto principal da atenção, que por meio da Estratégia Saúde da Família (ESF) estabelece o vínculo entre a população e o sistema de saúde. Suas diretrizes são: ter adstrição do território, acesso universal, vinculação de pessoas, famílias e grupos a profissionais ou equipes, com o objetivo de ser referência para o seu cuidado, possibilitando vínculo e confiança entre o usuário e o trabalhador da saúde.1,2

Dentre as atribuições da equipe da ESF estão as visitas domiciliares, programadas ou voltadas ao atendimento de demandas espontâneas, segundo critérios epidemiológicos e estratificação de risco da população adscrita.3 Estas, por sua vez, permitem aos enfermeiros conhecer o contexto social e identificar as necessidades de saúde das famílias atendidas por esses profissionais, possibilitando uma maior aproximação com os determinantes do processo saúde-doença, subsidiando ações de intervenção visando à prevenção de doenças e promoção da saúde da coletividade.

Embora a prática da visita domiciliar não possa ser concebida como único elemento que influencia as internações por condições sensíveis a AB, considera-se uma proxy da atenção à saúde, especialmente no aspecto de prevenção e promoção à saúde, assim como pode ser um indicador de atuação da ESF no território.4 Ademais, deve-se considerar que o quantitativo de visitas não expressa sua qualidade e ainda deve sofrer interferência da cobertura populacional, que, por sua vez, pode influenciar diretamente no número de visitas.5 Esse número também pode ser influenciado pela necessidade de saúde da população, não permitindo a uniformidade proporcional entre o número de visitas e o número de famílias cadastradas.

A taxa de internações por condições sensíveis a AB é um indicador indireto da atuação das equipes de saúde da família,6,7 as quais possuem condições para atuar preventivamente sobre as condições crônicas que representam as principais causas de internações evitáveis; contudo, não são detectados estudos específicos sobre a visita domiciliar do enfermeiro e, tampouco, fazendo a relação com as internações sensíveis à atenção primária.

Este artigo objetiva identificar se as visitas domiciliares registradas pela ESF são proporcionais à população registrada e à população coberta pela ESF e, identificar sua relação com a taxa de internação por condições sensíveis a AB.

MÉTODOS

Estudo epidemiológico, ecológico, quantitativo, utilizando dados secundários do Departamento de Informática do SUS (www.datasus.gov.br. Acesso em 28/06/2016), por meio do Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) e Sistema de Informações Hospitalares (SIH).

Os dados deste estudo são referentes aos municípios do estado do Amazonas. O Amazonas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticaa, é o maior estado em extensão territorial da Federação com 1.559.146,2 km2. Em 2017, sua população estimada era de 4.080.611 habitantes, com densidade demográfica de 2,23 hab/km2. Tais características geográficas tornam o acesso aos serviços de saúde desfavoráveis à população que, somando-se às condições socioeconômicas, deixam-na vulnerável a diversas condições de saúde,5 em especial, aqueles nos quais a AB tem atuação direta.

Para coleta de dados anuais referentes às visitas do enfermeiro por número de famílias cadastradas na ESF e análise de cobertura populacional potencial por municípios do Amazonas no período de 2010 a 2015, foram coletadas as seguintes variáveis no SIAB: população total, teto assistencial, ESF credenciadas pelo Ministério da Saúde, ESF cadastradas no SIAB, ESF implantadas, estimativa da população coberta, proporção da cobertura populacional potencial, número de domicílios cadastrados que receberam visitas em cada mês dos anos selecionados.

Os dados referentes ao número de casos de internação por doenças sensíveis à atenção primária8,9 foram coletados no SIH (www.datasus.gov.br. Acesso em 28/07/2016), com base na lista de morbidade da Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde - 10ª revisão.10 Foram coletados os números de internação por: Asma (J45), Insuficiência cardíaca (I50), Pneumonia (J12 a J18), Diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível (A09) e, posteriormente, calculada a taxa de internação para este grupo de doenças, utilizando como denominador a população total estimada para cada município, conforme cálculo abaixo:

TaxadeInternação=NúmerodeinternaçõeshospitalaresporcausasselecionadasPopulaçãoestimadanoperíodoavaliado×100.000

Para análise de cobertura populacional potencial, foi realizado o cálculo do percentual de cobertura populacional potencial, segundo a fórmula utilizada pelo Ministério da Saúde11:

Coberturapopulacionalpotencial=Númerodeequipes×3.450Númeroderesidentesnomunicípio×100.000

Para dados disponíveis mês a mês escolhemos o mês de julho como representante do ano referido, acompanhando recomendação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na qual, o mês de referência adotado é aquele que antecede ao mês de realização de nova pesquisa.12

Para análise do número de visitas realizadas por enfermeiro, foi considerada uma visita do enfermeiro por mês a cada ano, como número desejável, a cada família cadastrada por número de equipes em cada município. Então, calculou-se a razão de visitas domiciliares, dividindo o número de visitas realizadas pelo número desejável de visitas, conforme preconiza a Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017.1

A análise dos dados ocorreu em duas fases: fase exploratória e fase de agrupamento.

Na fase exploratória, os dados anuais foram avaliados em frequência e percentual por município, explorando suas diferenças e avaliando a distribuição, média e desvio padrão dos mesmos. Ao analisar a variação dos dados nos anos, optou-se por agrupar pela média dos dados anuais em triênios: 2010 a 2012 e 2013 a 2015.

Na segunda etapa da análise de dados, houve a avaliação dos dados médios dos triênios de todas as variáveis, com atribuição de escores e classificações, conforme discriminado a seguir:

  • - Cobertura populacional potencial conforme os seguintes pontos de corte: alta cobertura (maior que 70%), média cobertura (entre 50% e 70%) e baixa cobertura (menor que 50%), conforme valores adotados em outros estudos;5,13

  • - Visitas domiciliares realizadas pelos enfermeiros da ESF, com os seguintes escores atribuídos: escore 1 (um) cujo valor estivesse dentro do intervalo esperado, ou seja, pelo menos uma visita domiciliar do enfermeiro, por mês no decorrer do ano totalizando 12 visitas ao ano, para cada família cadastrada; e escore 0 (zero) para valores abaixo desse intervalo.

  • - Taxa de internações, estratificada em tercis, atribuindo-se escores específicos para determinar a classificação da taxa de internações por doenças sensíveis, conforme quadro abaixo:

    Quadro 1 Distribuição dos tercis, escore e classificação da taxa de internação por condições sensíveis por 100 mil habitantes nos triênios 2010 a 2012 e 2013 a 2015, Amazonas. 

    Tercil Taxa de internação por condições sensíveis por 100 mil habitantes Escore Classificação
    2010 – 2012 2013 – 2015
    1º Tercil ≤ 872 ≤ 465 1 Baixo
    2º Tercil 873 a 1.376 466 a 1.063 2 Médio
    3º Tercil ≥ 1.377 ≥ 1.064 3 Alto

    Nota: As seguintes causas de internação foram selecionadas: Asma (J45), Insuficiência cardíaca (I50), Pneumonia (J12 a J18), Diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível (A09).

Ao final, foram formuladas tabelas, cruzando os escores e classificações por municípios de acordo com os triênios analisados; com vistas a identificar as discrepâncias e semelhanças de classificação da internação, em relação a visita domiciliar do enfermeiro.

RESULTADOS

No período de 2010 a 2015, foram registradas 1.812.208 visitas domiciliares por enfermeiros no Amazonas. Isso corresponde em média a uma visita por família cadastrada na ESF por ano. Esse número foi semelhante quando se observam os dois conjuntos de anos deste estudo em separado, 2010-2012 e 2013-2015.

A cobertura média das ESF foi classificada em alta para 47,5% municípios no primeiro triênio, e 41,9% dos municípios. Embora tenha diminuído a quantidade de municípios na classificação alta, observa-se um movimento de municípios que passaram da classificação baixa e média para média ou alta. Nesse item não foi possível classificar São Gabriel da Cachoeira, devido ausência de dados (Tabela 1).

Tabela 1 Cobertura populacional total e razão de visitas domiciliares (VD) Amazonas (2010-2015). 

Município Cobertura total (%) Classificação da cobertura Razão de visitas domiciliares Taxa de internações por doenças sensíveis a atenção básica Classificação (taxa de internação)
2010-2012 2013-2015 2010-2012 2013-2015 2010-2012 2013-2015 2010-2012 2013-2015 2010-2012 2013-2015
Alvarães 74,2 72 Alta Alta 1,6 1,5 323,1 729,4 Baixa Média
Amaturá 62,3 70,5 Média Alta 5,2 4,7 2.128,5 1.390,7 Alta Alta
Anamã 100 100 Alta Alta 9,6 4,4 2.287,5 1.010,1 Alta Média
Anori 92,8 100 Alta Alta 0,5 0,5 461,2 111,6 Baixa Baixa
Apuí 75,4 91,4 Média Alta 0,9 0,4 1.746,5 1.179,9 Alta Alta
Atalaia do Norte 37,8 76,7 Baixa Alta 1,9 0,8 1.190,4 407,8 Média Baixa
Autazes 100 100 Alta Alta 0,8 0,6 974,7 427,0 Média Baixa
Barcelos 13,4 39,9 Baixa Baixa 0 0,4 545,8 682,0 Baixa Média
Barreirinha 49,7 61,4 Baixa Média 0,4 2,6 1.396,2 1.543,1 Alta Alta
Benjamin Constant 49,1 65,8 Baixa Média 0,2 0,2 1.181,8 950,0 Média Média
Beruri 60,3 78,3 Média Alta 1 0 600,4 940,7 Baixa Média
Boa Vista do Ramos 31,6 81,4 Baixa Alta 1,9 1,6 1.174,9 446,5 Média Baixa
Boca do Acre 55,8 59 Média Média 0,4 0,4 1.378,5 1.526,6 Alta Alta
Borba** 80,9 70,4 Alta Alta 0,7 0,3 1.066,5 1.251,2 Média Alta
Caapiranga 100 100 Alta Alta 6,8 2,1 592,5 622,3 Baixa Média
Canutama 87,1 98,7 Alta Alta 0,3 0,5 155,3 160,6 Baixa Baixa
Carauari 39,9 48,4 Baixa Baixa 0,5 0,2 1.113,6 528,2 Média Média
Careiro 96,7 97,5 Alta Alta 0,4 0,4 235,5 570,5 Baixa Média
Careiro da Várzea 70,8 83 Alta Alta 0,1 0,5 73,7 113,3 Baixa Baixa
Coari** 56,8 84,5 Baixa Alta 0,4 0,6 1.118,2 1.204,3 Média Alta
Codajás 48 71,6 Baixa Alta 0,5 0,6 1.776,7 445,9 Alta Baixa
Eirunepé 89 99 Alta Alta 0,4 0,4 896,3 1.033,4 Média Média
Envira 61,4 87,1 Média Alta 0,4 0 962,0 309,5 Média Baixa
Fonte Boa** 60,7 69,4 Média Média 0,6 0,3 1.325,6 1.079,9 Média Alta
Guajará 88,3 97,2 Alta Alta 1,4 1,1 2.128,8 1.369,0 Alta Alta
Humaitá 63,8 70,1 Média Alta 0,3 0,3 1.711,9 1.453,5 Alta Alta
Ipixuna 66,1 58,8 Média Média 0,3 0,4 603,7 348,5 Baixa Baixa
Iranduba** 100 100 Alta Alta 2,4 4,7 1.244,9 1.681,9 Média Alta
Itacoatiara 75,8 98,9 Alta Alta 0,6 0,6 2.058,9 1.615,4 Alta Alta
Itamarati** 85,1 95,5 Alta Alta 10,1 5,1 1.098,6 1.389,3 Média Alta
Itapiranga 100 100 Alta Alta 0,7 0,4 1.401,0 349,7 Alta Baixa
Japurá 100 97,5 Alta Alta 3,3 1,6 338,4 339,1 Baixa Baixa
Juruá** 22,7 73,5 Baixa Alta 4,3 1,5 1.204,8 1.210,5 Média Alta
Jutaí 58,7 85,5 Média Alta 6,6 3,1 2.276,3 1.560,7 Alta Alta
Lábrea 65,6 70,7 Média Alta 0,6 0,7 477,0 294,6 Baixa Baixa
Manacapuru** 79 84,6 Alta Alta 0,3 0,3 1.347,8 1.601,3 Média Alta
Manaquiri 46,3 75,6 Baixa Alta 0,8 1,9 997,1 505,9 Média Média
Manaus 29,4 33,2 Baixa Baixa 0,3 0,3 1.842,0 1.613,4 Alta Alta
Manicoré 56,1 71,3 Média Alta 0,4 0,5 2.970,7 743,4 Alta Média
Maraã 19,4 58,8 Baixa Média 3,2 1,2 4.697,6 1.546,3 Alta Alta
Maués** 80,2 92,2 Alta Alta 0,1 0,1 1.015,8 1.227,3 Média Alta
Nhamundá 56,1 92,2 Média Alta 0,8 0,3 318,9 283,9 Baixa Baixa
Nova Olinda do Norte 100 84,8 Alta Alta 1,4 1,7 759,0 330,5 Baixa Baixa
Novo Airão** 60,7 85,3 Média Alta 0,8 0,2 860,5 505,9 Baixa Alta
Novo Aripuanã 55,4 72,8 Média Alta 1,7 1,1 2.883,3 2.547,9 Alta Alta
Parintins 74 74,2 Alta Alta 0,5 0,4 1.372,7 880,4 Média Média
Pauini 31,3 56,5 Baixa Média 3,9 4,9 778,2 747,5 Baixa Média
Presidente Figueiredo 100 100 Alta Alta 0,4 0,5 2.020,2 1.658,4 Alta Alta
Rio Preto da Eva 100 100 Alta Alta 1,5 0,5 1.309,9 960,8 Média Média
Santa Isabel do Rio Negro 43,5 59,6 Baixa Média 1,9 1,1 566,2 87,6 Baixa Baixa
Santo Antônio do Içá 30,9 85,1 Baixa Alta 1,2 1,6 506,3 837,3 Baixa Média
São Gabriel da Cachoeira* - - - - 0,3 0,2 1.574,0 441,7 Alta Baixa
São Paulo de Olivença 53,1 67,7 Média Média 0,6 1,2 1.207,4 545,4 Média Média
São Sebastião do Uatumã 39,5 84,3 Baixa Alta 0,4 0,8 1.485,2 377,5 Alta Baixa
Silves 100 100 Alta Alta 0,5 0,4 1.436,3 876,4 Alta Média
Tabatinga 100 100 Alta Alta 0,7 0,3 640,9 827,8 Baixa Média
Tapauá 56,2 71,8 Média Alta 5,1 1,6 1.151,1 405,1 Média Baixa
Tefé 100 98,8 Alta Alta 0,2 0,2 1.584,3 1.465,0 Alta Alta
Tonantins 68,1 79,2 Média Alta 4,8 3,7 314,0 87,3 Baixa Baixa
Uarini 100 79,8 Alta Alta 2 0,5 291,3 84,9 Baixa Baixa
Urucará 95,4 100 Alta Alta 0,5 0,5 1.447,3 556,0 Alta Média
Urucurituba 100 100 Alta Alta 1,1 1,2 284,8 247,4 Baixa Baixa

Fonte: DATASUS – SIAB (28 de junho de 2016).

Notas: Selecionou-se as seguintes causas de internação: Asma (J45), Insuficiência cardíaca (I50), Pneumonia (J12 a J18), Diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível (A09). Razão de visitas domiciliares (VD) = (VD realizadas/VD desejáveis). Número de visitas desejáveis = uma visita mensal do enfermeiro em cada família cadastrada, por número de equipes de cada município.

*Não foi possível a tabulação de dados desse município devido à ausência de registros no SIAB. Municípios com nome em negrito alcançaram o escore 1 (um), para visita domiciliar, em pelo menos um dos períodos analisados.

**Esses municípios obtiveram taxa de internação elevada no segundo triênio.

Em relação a razão entre o número de visitas realizadas e número de visitas desejáveis nos municípios observou-se que somente cerca de 30% dos municípios obteve razão um ou mais visitas, em ambos os triênios analisados. Os seguintes municípios apresentaram melhora na razão de visitas do primeiro triênio para o segundo triênio, Barreirinha, Manaus e Maraã; em contrapartida os municípios que apresentaram queda na razão de visitas foram: Fonte Boa, Humaitá, Parintins e Urucurituba (Tabela 1).

Observando as taxas de internação por doenças sensíveis à atenção básica, foi possível constatar a partir da divisão em tercis, que 21 municípios apresentaram alta taxa de internações no primeiro triênio reduzindo, para classificação média e baixa no segundo triênio, sendo 8 municípios: Anamã, Codajás, Itapiranga, Manicoré, São Gabriel da Cachoeira, São Sebastião do Uatumã, Silves e Urucará. Porém, em outros nove municípios, marcados em negrito na Tabela 1, houve um aumento na taxa de internações, quais sejam: Borba, Coari, Fonte Boa, Iranduba, Itamarati, Juruá, Manacapuru, Maués e Novo Airão.

Observa-se decréscimo na taxa média de internação por doenças sensíveis à atenção básica no Amazonas, durante a passagem do primeiro triênio para o segundo triênio analisados, passando de 1.208,3 internações/100 mil habitantes no primeiro triênio para 843,0 internações/100 mil habitantes no segundo triênio apesar da razão de visitas domiciliares continuarem estáveis no período.

Nota-se na Figura 1, que no primeiro triênio o grupo de municípios com baixa taxa de internação hospitalar apresentou maior mediana da razão de visita domiciliar comparados ao de média e alta taxa de internação, no entanto, esse padrão não é observado no segundo triênio no qual a mediana da razão de visita domiciliar são próximos entre os grupos. Além disso, são observados municípios com razão de visita domiciliar alta em todos os grupos de taxa de internação, como também grande variabilidade entre os grupos nos dois triênios.

Figura 1 Boxplot da razão de visita de domiciliar e categorias de taxa de internação por condições sensíveis à atenção básica. A: Triênio 2010 - 2012; B: Triênio 2013 - 2015. 

DISCUSSÃO

Com esta pesquisa, foi possível obter um panorama sobre a cobertura da ESF no estado do Amazonas, bem como a ocorrência das visitas domiciliares realizadas pelos enfermeiros e a relação destas na taxa de internação por doenças sensíveis a AB no período de 2010 a 2015.

Evidenciou-se a falta de relação entre a cobertura populacional da ESF e a razão de visitas domiciliares. Isso pode indicar que as visitas domiciliares não ocorrem conforme o preconizado pela PNAB.1 Nota-se que, no primeiro triênio, apesar da alta cobertura populacional da ESF na maioria dos municípios, poucos alcançaram o escore 1 para a quantidade mínima desejável de visitas domiciliares. Observou-se também aumento do número de municípios com alta cobertura da ESF, no segundo triênio, porém em contrapartida houve a diminuição no número de municípios com razão de visitas domiciliares maior ou igual a 1. Com isso, depreende-se que a cobertura da ESF não garante a quantidade mínima de visitas domiciliares. A ausência de visita domiciliar mensal do enfermeiro pode fazer com que não sejam identificadas necessidades importantes, representando uma problemática para a atenção à saúde dessas pessoas. Contudo, estudos comprovam que além da ampliação da cobertura, é comum ocorrer a priorização de serviços, como visitas domiciliares para famílias em situação de vulnerabilidade, ou ainda que os enfermeiros realizam visitas apenas quando solicitado.14,15 Entretanto, há que se considerar que o estado do Amazonas conta com características geográficas desfavoráveis ao acesso fácil aos serviços de saúde, não garantindo que a cobertura calculada seja de fato efetivada, levando-se em conta as populações que vivem em áreas remotas ou aquelas de difícil acesso.5

Considerando-se que esta pesquisa é baseada em banco de dados secundários, o número real de visitas é desconhecido, pois existe a possibilidade de sub-registro, especialmente, quando se decide fazer uma visita sem que haja programação, devido a necessidade da população. Por outro lado, também há possibilidade de haver registros para além da realidade, ou seja, a visita é registrada, porém não é realizada, seja por reprogramação, seja por demanda no próprio serviço de saúde.16 Apesar dessas ponderações, considera-se que as equipes da ESF têm interesse em atingir suas metas, e a realização de visita domiciliar pelo enfermeiro está incluída, desse modo, o que indica que os resultados encontrados demonstram que está bem aquém de atender ao critério de uma visita por mês por família cadastrada.

Convém destacar também que, os resultados da pesquisa baseiam-se em dados sobre internação e não sobre indivíduos, pois a unidade de registro do SIH é o evento. Assim, múltiplas internações por doenças sensíveis a AB de um mesmo paciente não puderam ser identificadas e, além disso, os dados referem-se apenas às internações realizadas pelo SUS, limitando as extrapolações possíveis. Por outro lado, a taxa de cobertura por plano de saúde no Amazonas, nesse período, foi 13,2%, considerado baixo quando comparado ao restante do país, e os residentes do interior do Amazonas, quase em totalidade, utilizam o sistema público de saúde com taxa de cobertura por plano privado de saúde de apenas 1,0% no período (http://www.ans.gov.br/anstabnet. Acesso em 01 Mai 2018).

Outro aspecto que deve ser destacado, foi que a presente análise não permitiu identificar a origem dos pacientes que internaram por condições sensíveis, para saber se tinham o acesso ou não à ESF, uma vez que as distâncias geográficas nos polos de serviços de saúde nos municípios do interior do Amazonas deixam muitas pessoas sem assistência básica, gerando o agravamento dos problemas de saúde para essa população.5 Isso causaria mais demanda por internações, que mesmo sendo por condições sensíveis à atenção básica, não se pode atribuir relação, pois os doentes já chegam em situações mais graves, que necessitam de tratamento hospitalar.

A ESF deve garantir assistência resolutiva aos problemas de saúde dos usuários, evitando as internações desnecessárias, nesse sentido entende-se que as visitas domiciliares aproximariam mais o profissional da realidade do usuário, permitindo a identificação das necessidades de saúde dos usuários precocemente. Corroborando, considera-se que o mínimo que deveria acontecer para a implementação definitiva da estratégia, seria a realização das visitas domiciliares, por ser um pressuposto da ESF, como tecnologia leve de interação no cuidado à saúde.17,18

A visita domiciliar é considerada a atividade externa à unidade de saúde mais desenvolvida pelas equipes de saúde. Segundo dados do primeiro ciclo de avaliação externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), 100% das equipes de saúde avaliadas no Amazonas informaram realizar visita domiciliar, porém apenas 56,1% delas informaram realizar a partir de uma agenda organizada para o cuidado e somente 13,3% utilizam protocolo de prioridades segundo grau de risco de risco e vulnerabilidade.19

Desse modo, entende-se que a visita domiciliar do enfermeiro é realizada por meio de demanda espontânea ou de acordo com situações "problemáticas" descaracterizando o caráter preventivo da visita, pois, em sua maioria, os profissionais deparam-se com situações que extrapolam a complexidade do nível básico de atenção sendo o esforço da equipe pouco resolutivo. Apesar disso, o método de trabalho na ESF deve ser organizado de forma integrada, para o estabelecimento de vínculo entre os profissionais e usuários, incorporando os distintos processos de trabalho, prática que facilita a interação entre os profissionais da ESF.18

Além disso, estudos relatam que há uma exigência da gestão municipal para cumprimento de metas de produtividade tanto para a realização da visita domiciliar, quanto para as demais atividades da ESF. Sendo assim, os enfermeiros enfrentam um dilema, pois, por vezes, precisam optar por realizar um número menor de visitas domiciliares para cumprir com outras metas, fato que contribui para a prática de enfermagem seja centrada nas demandas imediatas dos usuários.13,15,17

A visita domiciliar possibilita reflexões sobre a prática, troca de experiências e planejamento das ações; com objetivo de fomentar a modificação do modelo de atenção à saúde, para um modelo que abranja desde a promoção à saúde até a reabilitação dos agravos da população.18 A realização de atividades coletivas ainda é considerada um desafio para todos os profissionais de saúde, os quais ainda têm, em sua formação, a centralidade na realização de procedimentos técnicos, individualizados e atrelados a tecnologias duras.

Outro fator que pode dificultar a realização das visitas é a distância entre o serviço de saúde e a área de abrangência. É comum as equipes serem responsáveis por uma área de abrangência relativamente distante da unidade; isto acontece porque em uma mesma unidade básica de saúde são alocadas mais de uma equipe e, normalmente, existe um grande número de famílias a ser visitadas, priorizando, dessa forma, aqueles com mais necessidade de acompanhamento domiciliar.20 Como já citado anteriormente, devido às particularidades geográficas do interior do estado, há necessidade da gestão disponibilizar transporte para a locomoção dos profissionais até o domicílio. Dados do segundo ciclo do PMAQ, mostram que das equipes que atendiam populações especiais, tais como população rural, ribeirinhos ou indígenas, apenas 55,4% tinham disponíveis meio de transporte até o domicílio, soma-se a isso a falta de recursos materiais e humanos nas equipes.5

Por meio dessa análise também se constatou que a capital Manaus está entre os 10 municípios com menor razão de visita domiciliar, concomitante com as menores taxas de cobertura da ESF nos triênios analisados. A baixa cobertura somada a exigência de produtividade e área de influência da unidade maior que a área de abrangência colaboram para a sobrecarga de trabalho dos profissionais. Devido esses fatores, muitos enfermeiros optam pelas atividades intramuros em contraposição às visitas domiciliares. Pode ser também que profissionais limitem as ações extramuros, principalmente pelo temor da violência urbana, situação comum em muitas localidades onde estão situadas as unidades de saúde, sendo designado esse tipo de violência, a violência territorial.21

Nos últimos anos, principalmente a partir de 2003, houve grande expansão da ESF em todo o território nacional, com forte indução e apoio do Ministério da Saúde, principalmente por ser considerada estratégia prioritária da estruturação da APS no Brasil.22 Nesse sentido, estudos mostram que a expansão na cobertura da ESF está associada à redução das internações por doenças sensíveis a atenção básica, em praticamente todos os estados brasileiros, exceto no Amazonas, no qual houve acréscimo de 30% nas taxas de internações entre 1999 a 2007.5

No período do estudo (2010 - 2015), o Amazonas apresentou redução de 30% no número de internações por doenças sensíveis a atenção básica selecionadas e aumento na cobertura da ESF com 80% dos municípios com classificação de alta cobertura no segundo triênio. No entanto, as visitas domiciliares pelo enfermeiro não acompanharam o aumento da cobertura da ESF, indicando que o aumento não resultou na reorganização das práticas assistenciais capazes de intervir nos determinantes do processo saúde-doença.

O déficit no quantitativo de visitas dificulta a identificação total das necessidades das famílias, o que representa um problema para a atenção à saúde da comunidade. Percebe-se que a ausência de visitas é uma lacuna assistencial cuja oportunidade deveria ser utilizada para promoção da saúde e consequente prevenção de agravos, o que talvez impactasse nas internações, embora se reconheça que o problema da internação por condições sensíveis à APS é muito mais amplo, e sofre influência de outros fatores, tais como: indicadores socioeconômicos e demográficos, oferta de serviços de saúde, rede de apoio à APS e oferta de profissionais (médicos/enfermeiros).22,23

CONCLUSÕES E IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA

Um paradoxo nos achados desta pesquisa é que mesmo com elevada cobertura de ESF, na maioria dos municípios do Amazonas, as visitas domiciliares ainda não são o principal foco dos enfermeiros visto que somente 30% dos municípios obtiveram razão de uma ou mais visitas domiciliares por família cadastrada, em ambos os triênios analisados. As visitas domiciliares deveriam ser utilizadas como ferramenta de prevenção de doenças e promoção da saúde, o que talvez explique a não redução das internações sensíveis à atenção básica.

REFERÊNCIAS

1 Ministério da Saúde (Brasil). Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): Diário Oficial da União; 2017. 68p. [cited 2017 Oct 25]. Available from:
2 Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. 726 p. [cited 2017 Oct 25]. Available from:
3 Kebian LVA, Acioli S. A visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletr Enferm [Internet]. 2014 Jan/Mar; [cited 2018 Sep 29]; 16(1):161-9. Available from: . DOI: 10.5216/ree.v16i1.20260
4 Motta LCS, Siqueira-Batista R. Estratégia Saúde da Família: Clínica e Crítica. Rev Bras Educ Méd [Internet]. 2015 Apr/Jun; [cited 2018 Jul 23]; 39(2):196-207. Available from: . DOI: 10.1590/1981-52712015v39n2e00912014
5 Oliveira HM, Gonçalves MJF, Pires ROM. Caracterização da estratégia saúde da família no estado do Amazonas, Brasil: análise da implantação e impacto. Cad Saúde Pública [Internet]. 2011 Jan; [cited 2015 Oct 14]; 27(1):35-45. Available from: . DOI: 10.1590/S0102-311X2011000100004
6 Pinto Junior EP, Aquino R, Medina MG, Silva MGC. Efeito da Estratégia Saúde da Família nas internações por condições sensíveis à atenção primária em menores de um ano na Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2018; [cited 2018 Oct 18]; 34(2):e00133816. Available from: . DOI: 10.1590/0102-311X00133816
7 Ferreira JBB, Borges MJG, Santos LL, Forster AC. Internações por condições sensíveis à atenção primária à saúde em uma região de saúde paulista, 2008 a 2010. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2014 Jan/Mar; [cited 2018 Apr 2]; 23(1):45-56. Available from: . DOI: 10.5123/S1679-49742014000100005
8 Henrique F, Calvo MCM. Avaliação do Programa Saúde da Família nos municípios do Estado de Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 Apr; [cited 2016 Sep 26]; 24(4):809-19. Available from: . DOI: 10.1590/S0102-311X2008000400011
9 Classificação Internacional de Atenção Primária - CIAP-2. In: Gusso GD, ed. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2009. [cited 2016 Jan 20]. Available from:
10 Organização Mundial da Saúde. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 10ª revisão. São Paulo: Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Classificação de Doenças em Português; 1995.
11 Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Universidade de São Paulo. Ministério da Saúde (BR). Manual de Enfermagem. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo. 2001. [cited 2017 Aug 16]. Available from:
12 Freitas MAT. A Atuação do Serviço Nacional de Bioestatística nas Esferas Estatística e Sanitária. Rev Bras Estat [Internet]. 1943; [cited 2018 Apr 4]; 4(14):231-4. Available from:
13 Gaíva MAM, Siqueira VCA. A prática da visita domiciliária pelos profissionais da Estratégia Saúde da Família. Ciênc Cuid Saúde [Internet]. 2011; [cited 2016 Sep 26]; 10(4):697-704. Available from: . DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v10i4.18313
14 Malta DC, Santos MAS, Stopa RS, Vieira JEB, Melo EA, Reis AA. A Cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2016; [cited 2018 Jul 24]; 21(2):327-38. Available from: . DOI: 10.1590/1413-81232015212.23602015
15 Gomes MFP, Fracolli LA, Machado BC. Atenção domiciliar do enfermeiro na estratégia saúde na família. Mundo Saúde [Internet]. 2015; [cited 2018 Jul 24]; 39(4):470-5. Available from: . DOI: 10.15343/0104-7809.20153904470475
16 Marcolino JS, Scochi MJ. Informação em saúde: o uso do SIAB pelos profissionais das Equipes de Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2010 Jun; [cited 2018 Apr 8]; 31(2):314-20. Available from: . DOI: 10.1590/S1983-14472010000200016
17 Cunha MS, Sá MC. A visita domiciliar na estratégia de saúde da família: os desafios de se mover no território. Interface (Botucatu) [Internet]. 2013 Jan/Mar; [cited 2015 Mar 5]; 17(44):61-73. Available from: . DOI: 10.1590/S1414-32832013000100006
18 Ministério da Saúde (BR). Guia prático do Programa Saúde da Família. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2001. [cited 2017 Aug 16]. Available from:
19 Garnelo L, Lucas ACS, Parente RCP, Rocha ECR, Gonçalves MJF. Organização do cuidado às condições crônicas por equipes de Saúde da Família na Amazônia. Saúde Debate [Internet]. 2014 Oct; [cited 2018 May 21]; 38(n.spe):158-72. Available from: . DOI: 10.5935/0103-1104.2014S012
20 Santos AF, Fonseca Sobrinho D, Araujo LL, Procópio CSD, Lopes EAS, Lima AMLD, et al. Incorporação de Tecnologias de Informação e Comunicação e qualidade na atenção básica em saúde no Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2017; [cited 2017 Oct 2]; 33(5):e00172815. Available from: . DOI: 10.1590/0102-311x00172815
21 Polaro SHI, Gonçalves LHT, Alvarez AM. Enfermeiras desafiando a violência no âmbito de atuação da Estratégia de Saúde da Família. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2013 Oct/Dec; [cited 2018 Jul 24]; 22(4):935-42. Available from: . DOI: 10.1590/S0104-07072013000400009
22 Lopes MCL, Marcon SS. Assistência à família na atenção básica: facilidades e dificuldades enfrentadas pelos profissionais da saúde. Acta Sci [Internet]. 2012 Jan/Jun; [cited 2018 Apr 8]; 34(1):85-93. Available from: . DOI: 10.4025/actascihealthsci.v34i1.7624.
23 Castro ALB, Andrade CLT, Machado CV, Lima LD. Condições socioeconômicas, oferta de médicos e internações por condições sensíveis à atenção primária em grandes municípios do Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2015 Nov; [cited 2018 May 31]; 31(11):2353-66. Available from: . DOI: 10.1590/0102-311X00126114.
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.